Neriglissar

Disambig grey.svg Nota: Se procura o filho de Senaqueribe, veja Sarezer.

Neriglissar (em acadiano: Nergal-shar-utsur), foi um dos últimos reis da Babilônia. Ele assassinou Evil-Merodaque, seu cunhado, em 560 a.C. e foi sucedido, em 556 a.C., por seu filho Labasi-Marduque.[1][2]

Neriglissar
Rei da Babilônia
Reinado 560 - 556 a.C.
Antecessor(a) Evil-Merodaque
Sucessor(a) Labasi-Marduque
Cônjuge Cassaia (?)
Dinastia caldeia
Nome completo Nergal-shar-usur
Morte 556 a.C.
Ocupação Soberano
Filho(s) Labasi-Marduque, Gigitum
Pai Belsumiscum

De acordo com o Easton's Bible Dictionary,[2] Neriglissar era um alto oficial do exército da Babilônia que libertou Jeremias da prisão.[3] Um palácio em ruínas, na margem direita do Rio Eufrates, contém inscrições indicando que foi construído por este rei; na época da composição do Easton's Bible Dictionary, este era o único palácio na margem direita.[2]

ReinadoEditar

Primeiras atividadesEditar

Há apenas um pequeno número de fontes cuneiformes para o período entre 594 a.C. e 557 a.C., cobrindo grande parte do reinado posterior de Nabucodonosor, bem como os reinados de Evil-Merodaque, Neriglissar e Labasi-Marduque. As reconstruções históricas desse período geralmente seguem fontes secundárias em hebraico, grego e latim para determinar quais eventos ocorreram na época, além das tabuinhas de contrato da Babilônia.[4] O último documento datado do reinado de Evil-Merodaque é um contrato datado de 7 de agosto de 560 a.C., escrito na Babilônia. Quatro dias depois, documentos datados de Neriglissar são conhecidos tanto na Babilônia quanto em Uruque. A julgar pelo aumento da atividade econômica atribuída a ele na capital, Neriglissar estava na Babilônia na época da usurpação.[5]

Depois de se tornar rei, Neriglissar aumentou seu domínio no trono ao casar sua filha, Gigitum, com Nabusumauquim, o administrador do templo Ezida em Borsipa e um influente líder religioso. Não há muito documentado sobre os primeiros dois anos de Neriglissar como rei. Ele é conhecido por ter continuado a construção e os trabalhos de reparo do Esagila, o principal templo da Babilônia, bem como reparado o palácio real e a margem oriental do rio Eufrates após sua enchente anual.[5]

Campanha na AnatóliaEditar

No terceiro ano de Neriglissar como rei, 557 a.C., ele liderou uma campanha militar bem-sucedida na Anatólia, uma expedição registrada em anais contemporâneos (principalmente a crônica 'ABC 6').[5] A campanha foi em resposta a rumores de que Apuassu, rei da Cilícia, estava planejando um ataque à Síria. Para conter este ataque, Neriglissar marchou com seu exército em Hume (Cilícia oriental, sob controle babilônico desde a queda do Império Neoassírio). Embora Apuassu, que governava uma parte do território a oeste de Hume, tivesse preparado emboscadas e ataques para deter o avanço da Babilônia, ele foi derrotado e perseguido por Neriglissar por mais de 25 quilômetros (16 milhas) de terreno montanhoso ao longo da costa Cilícia até chegar sua capital, Ura, que foi tomada e saqueada por Neriglissar.[5] Onde Ura estava localizado não está claro hoje, mas deve ter sido em algum lugar nas proximidades da cidade moderna de Silifke.[6] Após esta vitória, Neriglissar continuou sua campanha, marchando mais 65 quilômetros ao norte ao longo do rio Göksu para atacar e destruir a cidade de Quirsu (reconstruída séculos depois como Claudiópolis).

Depois de tomar Quirsu, Neriglissar empreendeu um ataque anfíbio contra a ilha Pitusu, a duas milhas da costa, e devastou as passagens nas montanhas que levavam ao povoado de Salune, na fronteira da Lídia. Embora Apuassu tenha escapado do ataque de Neriglissar, a campanha foi bem-sucedida em afirmar o controle babilônico de Cilícia e transformou o pequeno reino em um estado-tampão entre os impérios Babilônico, Lídio e Medo.[5]

O relato da campanha apresentado na crônica ABC 6 diz:[6]

Em fevereiro de 556 a.C., Neriglissar voltou para casa, uma viagem que provavelmente o teria levado cerca de cinquenta dias. O fato de sua campanha ter sido conduzida tão longe do território central da Babilônia poderia significar que ele foi ajudado pelo Império Medo, ou que a campanha foi parcialmente destinada a neutralizar a crescente influência dos medos na Anatólia.[5]

Morte e sucessãoEditar

Neriglissar não governou por muito tempo. Os últimos documentos conhecidos datados do reinado de Neriglissar são um contrato de 12 de abril de 556 a.C. em Babilônia e um contrato de 16 de abril do mesmo ano em Uruque.[7] A Lista de reis de Uruque (IM 65066, também conhecida como Lista de Reis 5), um registro dos governantes da Babilônia de Samassumauquim (r. 668–648 a.C.) ao rei selêucida Seleuco II Calínico (r. 246–225 a.C.),[8][6] concede a Neriglissar um reinado de três anos e oito meses, consistente com a possibilidade de que Neriglissar morreu em abril.[7]

Beroso escreve que Neriglissar governou quatro anos antes de morrer e ser sucedido por seu filho Laborosoardoco (Labasi-Marduque). Beroso erroneamente atribui o reinado de Labasi-Marduque como nove meses (embora seja possível que seja um erro de escriba) e afirma que os "maus caminhos" de Labasi-Marduque levaram seus amigos a conspirar contra ele, resultando no filho do rei sendo espancado até a morte. Os conspiradores então concordaram que Nabonido, um dos conspiradores, deveria governar. A Lista de reis de Uruque dá a Labasi-Marduque um reinado de apenas três meses[7] e as tabuletas de contrato da Babilônia sugerem que ele pode ter governado por apenas dois meses.[9] Embora Beroso se refira a Labasi-Marduque quando criança, é possível que ele tenha se tornado rei quando adulto, uma vez que textos comerciais de dois anos antes indicam que Labasi-Marduque estava encarregado de seus próprios assuntos naquela época.

O por que de Labasi-Marduque for deposto e morto em um golpe (liderado pelo filho de Nabonido, Belsazar) não está claro. É possível que a razão fosse que, embora Labasi-Marduque e seu pai antes dele fossem bem relacionados e ricos, eles eram vistos como plebeus, sem sangue nobre.[10] Além disso, é possível que, embora Neriglissar fosse visto como legítimo devido à sua conexão com Nabucodonosor por meio de sua esposa, Labasi-Marduque poderia ser filho de outra esposa de Neriglissar e, portanto, completamente desconectado da dinastia real.[11] Apesar disso, e apesar de seu breve reinado, Neriglissar foi lembrado favoravelmente pelos babilônios posteriores. Em suas inscrições, Nabonido menciona especificamente Nabucodonosor e Neriglissar como bons reis com quem ele havia se associado.[7]

Referências

  1. Donald Alexander Mackenzie, Myths of Babylonia and Assyria (1915), Chapter XX, The Last Days of Assyria and Babylonia [em linha]
  2. a b c Easton's Bible Dictionary, (2.) Nergal-sharezer [em linha]
  3. Jeremias 39:13
  4. Sack 1978, p. 129.
  5. a b c d e f Wiseman 1991, p. 242.
  6. a b c d Lendering 2006.
  7. a b c d Wiseman 1991, p. 243.
  8. Oppenheim 1985, p. 533.
  9. Beaulieu 2006, p. 139.
  10. Credor 2006.
  11. Gruenthaner 1949, p. 409.

BibliografiaEditar

  • Beaulieu, Paul-Alain (2006). «Berossus on Late Babylonian History». In: Gong, Y.; Chen, Y. Special Issue of Oriental Studies. A Collection of Papers on Ancient Civilizations of Western Asia, Asia Minor and North Africa. [S.l.: s.n.] pp. 116–149. OCLC 993444593 
  • Wiseman, Donald J. (2003) [1991]. «Babylonia 605–539 B.C.». In: Boardman, John; Edwards, I. E. S.; Hammond, N. G. L.; Sollberger, E.; Walker, C. B. F. The Cambridge Ancient History: III Part 2: The Assyrian and Babylonian Empires and Other States of the Near East, from the Eighth to the Sixth Centuries B.C. 2nd ed. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 0-521-22717-8 
  • Mark, Joshua J. (2018). «Nebuchadnezzar II». Ancient History Encyclopedia. Consultado em 24 de Agosto de 2020 

Precedido por
Evil-Merodaque
Rei da Babilónia
559 a.C.556 a.C.
Sucedido por
Labasi-Marduque