O Fantasma (2000)

filme de 2000 dirigido por João Pedro Rodrigues
(Redirecionado de O Fantasma (filme de 2000))

O Fantasma é um filme independente português de 2000, do género drama erótico. Esta é a sua primeira longa-metragem de ficção realizada por João Pedro Rodrigues.[1] Escrito por Rodrigues com José Neves, Paulo Rebelo e Alexandre Melo, O Fantasma foi produzido por Amândio Coroado para a produtora independente Rosa Filmes.[2] A longa-metragem é protagonizada por Ricardo Meneses, no papel de Sérgio, um jovem que trabalha para uma companhia de limpeza urbana, e que possui uma relação bastante obsessiva com sexo e com sensações físicas no geral.[3] O Fantasma estreou a 8 de setembro de 2000 no Festival Internacional de Cinema de Veneza, onde competiu para o Leão de Ouro. Comercialmente, o filme foi lançado nos cinemas de Portugal a 20 de outubro do mesmo ano.[4]

O Fantasma
Phantom
Portugal Portugal
2000 •  cor •  87 min 
Realização João Pedro Rodrigues
Produção Amândio Coroado
Argumento João Pedro Rodrigues
José Neves
Paulo Rebelo
Alexandre Melo
Elenco Ricardo Meneses
Beatriz Torcato
André Barbosa
Género drama erótico
Direção de fotografia Rui Poças
Edição Paulo Rebelo
João Pedro Rodrigues
Distribuição Rosa Filmes
Lançamento Itália 8 de setembro de 2000 (Festival de Veneza)
Portugal 20 de outubro de 2000
Idioma português

SinopseEditar

O Fantasma segue um jovem que trabalha para a companhia de limpeza urbana, e que possui uma relação bastante obsessiva com sexo e com sensações físicas no geral.[5]

ElencoEditar

  • Ricardo Meneses, como Sérgio[2]
  • Beatriz Torcato, como Fátima[6]
  • André Barbosa, como João
  • Eurico Vieira, como Virgílio
  • Jorge Almeida, como Polícia
  • Joaquim Oliveira, como Mário
  • Florindo Lourenço, como Matos
  • Maria Paola Porru, como Mãe de João

Equipa técnicaEditar

  • RealizaçãoJoão Pedro Rodrigues[7]
  • Argumento: Paulo Rebelo, João Pedro Rodrigues, José Neves e Alexandre Melo
  • Direção de fotografiaRui Poças
  • Direção de montagem: Paulo Rebelo e João Pedro Rodrigues
  • ProduçãoAmândio Coroado[4]
  • Direção de produção: Vita Lains
  • Direção de som: Mafalda Roma
  • Mistura de som: Nuno Carvalho
  • AdereçosJoão Rui Guerra da Mata

ProduçãoEditar

DesenvolvimentoEditar

O ponto de partida de João Pedro Rodrigues para desenvolver a história foi o seu interesse na rotina dos profissionais de recolha do lixo: "são pessoas que existem na cidade e que fazem parte da paisagem urbana, mas nós não damos por eles. (...) E é como se eles pudessem saber da vidas das pessoas, e ver, porque fazem sempre o mesmo percurso. Podem saber o que se passa nesta zona, saber o que fazem aquelas pessoas ali, mas ninguém dá por isso."[8] O realizador pediu autorização para seguir o trabalho de cantoneiros de recolha de resíduos da Câmara Municipal de Lisboa e acompanhou-os duas vezes por semana durante cerca de seis meses. Neste período, seguia os profissionais no seu percurso, fazendo-lhes perguntas a acerca da sua vida e fantasias.[9]

Quando começou a compor o argumento, Rodrigues atribuiu ao protagonista a ocupação de cantoneiro da Câmara Municipal de Lisboa, mas pretendeu utilizar a sua pesquisa não como foco, mas como suporte para a sua ficção, que não não era baseada em nenhum dos profissionais com os quais contactou: "no meu filme, é um bocadinho quando um homem do lixo começa a entrar na vida dessas pessoas. Não tem só um papel passivo de recolha do lixo. Por isso é que não é tanto a recolha do lixo, é uma espécie ligação á realidade".[8]

CastingEditar

Rodrigues pretendia contratar intérpretes não-profissionais para os personagens de O Fantasma, "porque as pessoas são mais genuínas, mais naturais, mais reais. E, por exemplo neste filme, havia um grau de exposição que eu exigia das pessoas que se calhar nos atores era impossível pedir."[8] A equipa do filme demorou cerca de nove meses para encontrar os interpretes principais. O mais difícil terá sido o casting para o protagonista. Nas palavras do realizador, "Eu andava à procura de um olhar... Foi muito difícil encontrar a personagem principal".[10] Quando a equipa encontrou Ricardo Meneses, ficou evidente que o jovem apresentava as características ideais para a personagem e o argumento foi adaptado à medida do jovem. Paralelamente, Rodrigues começou a trabalhar com Meneses no sentido de o preparar para o registo cinematográfico[10]: "Há muito, muito, muito trabalho, e é preciso repetir muitas vezes, ensaiar muito até se chegar até aquela conjugação de tudo, do que dizem, de como se mexem, que é o mais difícil. Para ficar tudo bem, uns com os outros, eles com as luzes... dá muito trabalho".[8] Na altura, Ricardo Meneses tinha ainda 17 anos, pelo que se optou por adiar o início da rodagem até o intérprete atingir a maioridade.[9]

Para o cão do personagem de Sérgio, a equipa tentou inicialmente treinar um animal que, não estando acostumado aos camiões de lixo, se assustou nas gravações. Assim, recorreram a Lorde, um cão guarda do depósito de resíduos que Rodrigues havia visitado. O animal foi treinado para atuar no filme.[9]

RodagemEditar

As gravações decorreram ao longo de nove semanas, em Lisboa. A maior parte das cenas foi rodada de noite.[8]

Temas e estéticaEditar

 
O Fantasma apresenta referências visuais reminescentes da arte de Tom of Finland.

Este drama erótico aborda temáticas de hierarquias sexuais e sociais, de relações sádicas e sentimentos de poder.[11] É uma história de solidão, angústia e sexo, envolta numa atmosfera sórdida e filmada em tom contemplativo, lento e perturbador.[12] Rodrigues descreveu O Fantasma como "uma ficção sobre a brutalidade do desejo e a impotência frente à rejeição. Queria retomar os gestos íntimos da solidão de um corpo frente à impossibilidade do amor dividido".[13] O realizador recontextualiza o sexo explícito no filme, adjacente ao fetiche, impregnando-o de emoção. Mesmo tendo um protagonista de comportamentos tão animalescos, a sua obsessão sexual revela a sentimentos de solidão e marginalidade.[14] O personagem permite, assim, ao realizador, explorar a fronteira "humano versus animal", personificado no seu vínculo mais intenso com o seu animal de estimação. Rodrigues estabelece o isolamento de Sérgio também através das suas rejeições a Fátima e pelo modo como o filma vagueando pelas ruas da cidade.[9]

O Fantasma usa a linha de olhar e a estimulação sensorial de Sérgio para impulsionar uma narrativa. O argumento concebe vários cenários em que um personagem tem de decidir se deve ou não exercer poder sobre outra pessoa. Integra na narrativa mais clássica do enredo, imagens fetichistas reminescentes da arte de Tom of Finland (eg. a figura do Polícia e o uso de látex) e premissas comuns em filmes pornográficos.[9] A violência encontra de forma consistente a vulnerabilidade destes personagens, cujas tendências sádicas se manifestam mais intensamente quando os outros estão no seu ponto de menor resistência.[15] A questão dramática de Sérgio encontra-se no facto de este só conseguir aproximar-se de quem deseja por meio da violência. Esta sua incapacidade de lidar com sentimentos justifica o reduzido diálogo ao longo do filme.[10]

DistribuiçãoEditar

LançamentoEditar

O filme teve a sua apresentação internacional enquanto integrante da competição oficial do Festival Internacional de Cinema de Veneza de 2000. Em Portugal, a distribuição comercial do filme em Portugal, pela Rosa Filmes, iniciou-se a 20 de outubro do mesmo ano. O Fantasma foi também exibido nas salas de cinema de França e Brasil, onde estreou, respetivamente, a 21 de março e 27 de abril de 2001.[10] É um dos primeiros filmes portugueses com lançamento comercial em Nova Iorque, onde estreou a 22 de novembro de 2002.

Festivais e retrospetivasEditar

A longa-metragem foi selecionada para inúmeros festivais de cinema e, mas recentemente, tem sido consecutivamente incluída em sessões de retrospetiva da filmografia de João Pedro Rodrigues. Destacam-se os seguintes:

RecepçãoEditar

AudiênciaEditar

O filme tornou-se imediatamente notado ao ser o primeiro filme português de sempre a abordar direta e explicitamente um tema homossexual.[16] Nos cinemas portugueses foi visto por cerca de 10.000 espetadores.[17]

CríticaEditar

Aquando a sua estreia, O Fantasma recebeu, de forma geral, comentários negativos pela crítica especializada. No agregador de críticas Rotten Tomatoes, o filme mantém um rating de aprovação de 25%, baseado em 16 críticas, com um rating médio de 4.90/10.[18] Num outro agregador, Metacritic, que atribui uma classificação até 100 a partir das publicações de críticos de cinema convencionais, o filme recebeu uma pontuação de 36, com base em 9 críticos, indicando "receção geralmente desfavorável".[19] Entre os comentários mais positivos está o do crítico Kevin B. Thomas no Los Angeles Times, que elogiou a abordagem audaz, negra e erótica.[20] Rafael C. Parrode (Revista Cinética) utiliza uma análise ao filme para descrever João Pedro Rodrigues enquanto um "dos cineastas contemporâneos, como Claire Denis e Tsai Ming-liang, que constroem seus filmes a partir de composições de ritmo, por um tratamento sutil dos corpos e dos espaços, da duração dos planos, do naturalismo da encenação, sempre lidando com pulsões sexuais e violentas de seus personagens, para construir simbolicamente algo que transcende a própria vida."[21] No sentido oposto, Dana Stevens (The New York Times) descreveu o filme como enfadonho: "Imaginem (se possível) um filme de Pasolini sem paixão ou política, ou um filme de Almodóvar sem beleza ou humor, e terão uma ideia da experiência sombria e entorpecida de assistir O Fantasma."[22]

Em 2017, O Fantasma (18.º lugar), e Tabu (25.º lugar), foram os únicos filmes portugueses a integrar a lista dos 25 melhores filmes do século XXI para a revista francesa Les Inrockuptibles. Este filme de estreia de João Pedro Rodrigues é descrito como uma obra "fascinante e hipnótica", que "inaugurou perfeitamente"o trabalho do realizador.[23]

PremiaçõesEditar

Foi o vencedor do prémio para melhor filme no Festival de Cinema Lésbico e Gay de Nova York e no Festival de Cinema de Entrevues. Ricardo Meneses foi nomeado para o Globo de Ouro da SIC para a categoria de melhor ator principal, em 2001.[4]

Ano Premiação Categoria Trabalho Resultado Ref.
2000 Festival de Veneza Leão de Ouro O Fantasma, Amândio Coroado Indicado
Festival de Cinema de Belfort - Entrevues Melhor Filme Estrangeiro O Fantasma, Amândio Coroado Venceu [12]
2001 Globos de Ouro (Portugal) Melhor Ator Ricardo Meneses Indicado [4]
New Festival - Nova Iorque Melhor Filme O Fantasma, Amândio Coroado Venceu [24]

Referências

  1. «O Fantasma - O Fantasma». The Criterion Channel (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  2. a b «O Fantasma (João Pedro Rodrigues, 2000) - La Cinémathèque française». www.cinematheque.fr. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  3. «SapoCinema». Consultado em 9 de junho de 2015. Arquivado do original em 18 de março de 2010 
  4. a b c d Portugal -, RTP, Rádio e Televisão de. «O FANTASMA de João Pedro Rodrigues - Animatographo, RTP Memoria - Canais TV - RTP». www.rtp.pt. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  5. «SapoCinema». Consultado em 9 de junho de 2015. Arquivado do original em 18 de março de 2010 
  6. «Phantom (O Fantasma)». Cineuropa - the best of european cinema (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  7. O Fantasma by João Pedro Rodrigues on VOD - LaCinetek, consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  8. a b c d e Serzedelo, A. (2000). Emissão de 18 de outubro de 2000. In Vidas Alternativas. Lisboa: Rádio Voxx (91.6 Lisboa, 90.0 Porto).
  9. a b c d e «A Lonely Geography: João Pedro Rodrigues on O Fantasma». pastemagazine.com (em inglês). 2 de agosto de 2018. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  10. a b c d «Folha de S.Paulo - "O Fantasma" : Longa ronda a brutalidade do desejo - 27/04/2001». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  11. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome :2
  12. a b Portugal, Rádio e Televisão de. «O Fantasma - Filmes - RTP». www.rtp.pt. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  13. «44. Mostra Internacional de Cinema». 44ª Mostra Internacional de Cinema. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  14. «JOAO PEDRO RODRIGUES - O FANTASMA ⋆ CINEMA GALERIES». www.galeries.be (em neerlandês). Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  15. Dillard, Clayton. «Review: João Pedro Rodrigues's O Fantasma on Strand Releasing DVD» (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  16. RosaFilmes - Prémios
  17. «LUMIERE : Film #15613 : O Fantasma». lumiere.obs.coe.int. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  18. Phantom (2000) (em inglês), consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  19. Phantom, consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  20. «Entertainment & Arts». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  21. «Cinética | O Fantasma, de João Pedro Rodrigues (Portugal, 2000)». Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  22. Scott, A. O. (22 de novembro de 2002). «FILM REVIEW; Garbageman Collects Guys, Then Throws Them Away (Published 2002)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  23. PÚBLICO. «Há dois filmes de cineastas portugueses entre os 25 melhores do século XXI, diz a "Les Inrocks"». PÚBLICO. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  24. «O Fantasma». Rosa Filmes. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 

Ligações externasEditar