Abrir menu principal
Paulo Ramos
Paulo Ramos
Deputado Estadual do Rio de Janeiro
Período 1º de fevereiro de 1999
até atualidade
(5 mandatos consecutivos)
Deputado Federal pelo Rio de Janeiro
Período 1º de fevereiro de 1986
até 31 de janeiro de 1995
(2 mandatos consecutivos)
Dados pessoais
Nascimento 18 de outubro de 1944 (74 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Partido PDT
Profissão Oficial reformado da polícia militar, advogado, administrador de empresas[1]

Paulo Sérgio Ramos Barboza, mais conhecido como Paulo Ramos (Rio de Janeiro, 18 de outubro de 1944) é um militar reformado da polícia militar, advogado, administrador de empresas[2] e político brasileiro. Atualmente é filiado ao PDT, tendo passado pelo PSOL entre 2014 e 2017. Foi deputado federal entre 1987 e 1995 e desde 1999 é deputado estadual. Paulo Ramos também foi candidato a prefeito de Belford Roxo em duas oportunidades: em 1996, obtendo 8.418 votos, e em 2000, com 18.135 votos. Em 2008, foi candidato à prefeitura do Rio de Janeiro, ficando em oitavo lugar, com 59.147 votos.[3] Foi reeleito ao cargo na Alerj, em 2010, com 39.023 votos.[4] Em 2014, foi novamente reeleito para mais um mandato na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, com 18.732 votos.[5]

BiografiaEditar

Nascido e criado em Realengo, oficial reformado da PM, advogado, administrador de empresas e especialista em políticas públicas pela UFRJ, Paulo Ramos iniciou sua militância política nos anos 60 e teve destacada participação na luta contra a ditadura, pela anistia e pela democratização do país, integrando a corrente dos chamados autênticos do antigo MDB. Ainda no PMDB em 1987, foi um dos primeiros a sugerir o novo nome do que viria a se tornar o PSDB, embora nunca viesse a fazer parte do partido depois de sua fundação em 1988.[6]

Em agosto de 2013 desfiliou-se do PDT filiando-se ao PSOL, partido pelo qual foi reeleito, em 2014, para a legislatura 2015-2019 da ALERJ.

Em abril de 2015, não compareceu à votação que elegeu Domingos Brazão para o Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro.[7]

No dia 20 de fevereiro de 2017, votou contra privatização da CEDAE.[8][9]

Em 17 de Novembro de 2017, votou pela soltura dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, que haviam sido presos pela Polícia Federal na operação anticorrupção Cadeia Velha; assim, Paulo Ramos foi afastado no mesmo dia pelo PSOL, aguardando processo de expulsão pela Comissão de Ética do partido.[10] Após ser expulso do PSOL, anuncia retorno ao PDT.

Nas eleições de 2018, Paulo Ramos foi candidato a deputado federal pelo estado do Rio de Janeiro, ocasião em que foi eleito para a 56ª legislatura (2019–2023) da Câmara dos Deputados do Brasil. No pleito, como candidato do Partido Democrático Trabalhista (PDT), Paulo obteve 25.557 votos.[11][12]

ControvérsiasEditar

Relatório sobre transações bancárias suspeitasEditar

Em dezembro de 2018, veio à tona um relatório de 422 páginas do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que havia sido anexado pelo Ministério Público Federal à investigação que origem à Operação Furna da Onça e que ganhou grande repercussão nacional por envolver um ex-assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro.[13] O documento reúne informações a respeito de operações bancárias de 75 funcionários e ex-servidores da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) citadas em comunicados sobre transações financeiras suspeitas. As operações suspeitas, que envolvem pessoas que trabalham ou trabalharam em 20 gabinetes de deputados estaduais do Rio de Janeiro de diferentes matizes ideológicas, totalizam mais de R$ 207 milhões.[14][15][nota 1]

O relatório do Coaf apontou que funcionários do gabinete de Paulo Ramos na Alerj movimentaram um total de R$ 30,3 milhões entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, sendo o segundo maior valor apontado pelo documento.[16][15] De acordo com o relatório, as transações suspeitas foram feitas por cinco servidores de Paulo: Edson Fortes Rangel, Luiz Felipe Conde, Alba Lil Porto Pinkusfeld, Eduardo Travassos Correa.[17] Desses nomes, segundo o RH da Alerj em dezembro de 2018, três são servidores nomeados pelo deputado para seu gabinete, um nunca foi funcionário da Assembleia e o outro é servidor da Alerj do setor de CPIs.[15]

Por meio de nota, Paulo Ramos lamentou que o relatório do Coaf tenha associado a ele pessoas que nunca pertenceram ao seu gabinete e que pessoas de bem tenham suas vidas pessoais e profissionais "ilegalmente devassadas simplesmente porque são assessores parlamentares".[15] Já o Ministério Público Federal, em nota, esclareceu que nem todas as movimentações atípicas citadas no documento seriam, necessariamente, ilícitas.[18]

Notas e referências

Notas

  1. Para mais informações acerca das movimentações atípicas apontadas pelo relatório do Coaf, veja a subseção Operação Furna da Onça#Relatório sobre transações bancárias suspeitas.

Referências

  1. «Biografia do Deputado Paulo Ramos». Deputado Estadual Paulo Ramos. Consultado em 14 de outubro de 2014 
  2. «Biografia do Deputado Paulo Ramos». Deputado Estadual Paulo Ramos. Consultado em 14 de outubro de 2014 
  3. «UOL - Eleições 2008 - Apuração - Rio de Janeiro». Consultado em 6 de outubro de 2010 
  4. «UOL - Eleições 2010 - Apuração - Rio de Janeiro». Consultado em 8 de outubro de 2010 
  5. «UOL - Eleições 2014 - Apuração - Rio de Janeiro». Consultado em 14 de outubro de 2014 
  6. Encontro de socialistas deverá lançar as bases de novo partido, página A-13 do caderno "Política" da Folha de S. Paulo, 4 de outubro de 1987
  7. Pedro Zuazo (29 de abril de 2015). «Conselheiro vapt-vupt: veja quem votou em Brazão para o TCE». Jornal Extra. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  8. Jornal Extra (20 de fevereiro de 2017). «Privatização da CEDAE aprovada na ALERJ». Consultado em 20 de fevereiro de 2017 
  9. G1 (20 de fevereiro de 2017). «Saiba como votou cada deputado sobre a privatização da Cedae e veja opiniões». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  10. «Nota do PSOL sobre o deputado estadual Paulo Ramos». PSOL. 17 de novembro de 2017. Consultado em 20 de novembro de 2017 
  11. «Deputados federais eleitos no RJ; veja lista». G1. 7 de outubro de 2018. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  12. «Deputados federais eleitos no Rio de Janeiro». Gazeta do Povo. 7 de outubro de 2018. Consultado em 19 de dezembro de 2018 
  13. Serapião, Fábio (6 de dezembro de 2018). «Coaf relata conta de ex-assessor de Flávio Bolsonaro». O Estado de S. Paulo. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  14. «Coaf aponta movimentação suspeita em contas de servidores de 22 deputados da Alerj». G1. 7 de dezembro de 2018. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  15. a b c d Piva, Juliana; Castro, Juliana; Mello, Igor (12 de dezembro de 2018). «Coaf identificou movimentação suspeita em transferências financeiras de 75 servidores da Alerj». O Globo. Consultado em 15 de dezembro de 2018 
  16. Nogueira, Italo (12 de dezembro de 2018). «PSC, PT e PSOL aparecem em relatório do Coaf». Folha de S.Paulo. Consultado em 18 de dezembro de 2018 
  17. «Coaf aponta movimentação suspeita em contas de servidores de 22 deputados da Alerj». G1. 7 de dezembro de 2018. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  18. Gomes, Marcelo; Sarza, Diego (6 de dezembro de 2018). «Coaf aponta que ex-motorista de Flávio Bolsonaro movimentou mais de R$ 1,2 milhão em operações suspeitas». G1. Consultado em 18 de dezembro de 2018 


  Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.