Abrir menu principal
D. Policarpo da Costa Vaz
Bispo da Igreja Católica
Diocese de Macau
D. Policarpo da Costa Vaz.jpeg
Atividade Eclesiástica
Diocese Diocese de Macau
Nomeação 29 de janeiro de 1954
Predecessor D. João de Deus Ramalho, S.J.
Sucessor D. Paulo José Tavares
Mandato 19541960
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 21 de março de 1931
Nomeação episcopal 29 de janeiro de 1954 Bispo de Macau
Ordenação episcopal 21 de novembro de 1960 Bispo da Guarda
Brasão episcopal
Dados pessoais
Nascimento Portugal Freguesia de Barreiros de Viseu
22 de fevereiro de 1908
Morte Portugal
4 de janeiro de 1984 (75 anos)
Nacionalidade Portuguesa
dados em catholic-hierarchy.org
Bispos
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Dom Policarpo da Costa Vaz (chinês tradicional: 高德华, chinês simplificado: 高德华, pinyin: Gao Dehua); (Freguesia de Barreiros de Viseu, 22 de fevereiro de 1908 - 4 de janeiro de 1984) foi um sacerdote católico e Bispo Auxiliar do Porto, de 17 de abril de 1950 até 1954, depois Bispo de Macau de 29 de janeiro de 1954 a 1960, e, finalmente, foi Bispo da Guarda, entre 9 de junho de 1960 e resignou a 17 de novembro de 1979. Foi Bispo Emérito da Guarda entre 17 de novembro de 1979 e 4 de fevereiro de 1984, ano em que faleceu.

Entrou no Seminário Diocesano de Viseu em 5 de outubro de 1920. De 1925 a 1927 frequentou, em Roma, a Universidade Gregoriana que, por motivos de saúde, teve de abandonar. Regressado ao Seminário Diocesano de Viseu, foi ordenado de presbítero a 21 de março de 1931 e concluiu o Curso Teológico em 3 de outubro de mesmo ano. Ainda no quarto ano teológico desempenhou as funções de ecónomo no Seminário Diocesano de Viseu. Mais tarde foi nomeado professor de filosofia.

Aberto, em outubro de 1934, o Seminário de São José em Fornos de Algrodes aí colocou o D. José da Cruz Moreira Pinto, como Reitor, cargo que desempehou até 1950.

Neste período, além do cuidado com que se devotou à formação dos alunos, tomou importantes iniciativas de ordem material que muito melhoraram e embelezaram o edifício daquele estabelecimento eclesiástico.

Em 1937, foi nomeado cónego capitular da Sé de Viseu. Em 17 de abril de 1950, foi nomeado bispo titular de Euréa e auxiliar D. Agostinho de Jesus e Sousa Bispo do Porto.

Foi sagrado em 29 de junho de 1950, na Sé de Viseu. Na Diocese do Porto foi, até a morte de D. Agostinho de Jesus e Sousa seu precioso colaborador. O clero teve em D. Policarpo da Costa Vaz, desde o princípio, um verdadeiro conselheiro e amigo. Em 21 de fevereiro de 1952, foi nomeado Vigário Capitular.

E em 14 de agosto de 1952, o Papa Pio XII designou D. Manuel Gonçalves Cerejeira para Auxiliar do Cardeal-Primaz de Lisboa.

No dia 1 de julho de 1954, às 14h30, baixou no Aeroporto de Kowloon o avião que trouxe D. Policarpo da Costa Vaz e o seu secretário particular Rev. Pe. José Ferreira de Almeida. Nove sacerdotes de Macau, vários de Hong Kong e alguns leigos foram esperar o novo Bispo e secretário particular. Aí se conservou hospedado até ao dia 4 de julho, D. Policarpo da Costa Vaz, onde recebeu alguns sacerdotes do clero secular, que lhe foram apresentar os seus préstimos antes de regressarem a Macau.

Índice

Episcopado de MacauEditar

Foi nomeado Bispo de Macau tendo chegado e tomado posse à tarde do dia 4 de julho de 1954, na ponte-cais n.º 16. Às 18h40 chegou a Macau o novo prelado de Macau, D. Policarpo da Costa Vaz, acompanhado do seu secretário particular, Rev. Pe. José Ferreira de Almeida. Pouco antes das 19h30, D. Policarpo da Costa Vaz deu entrada na Igreja de S. Lázaro, considerada a mais antiga da Diocese, tendo no adro daquela sido recebido pelo pároco, Rev. Pe Roque Lui, e membros de organismos católicos chineses.

Durante o seu governo, fizeram-se as seguintes obras: Colégio de S. José na Praia Grande; Colégio do Perpétuo Socorro; Colégio Mateus Ricci; Escola de Santa Teresa do Menino Jesus; Colégio Stella Matutina; Escola Estrela do Mar; Escola do Santíssimo Rosário; Instituto D. Melchior Carneiro; Escolas do Imaculado Coração de Maria e S. Francisco Xavier em Coloane. Foram fundados o Centro Católico e a "Biblioteca D. Policarpo" e construídas nas Ilhas mais de 300 casas para os probes, bem como dispensários.

Episcopado da GuardaEditar

Em 9 de julho de 1960, foi transferido para a Diocese da Guarda, o então bispo de Macau. Entrou na sua nova Diocese da Guarda em 9 de dezembro de 1960. Durante o Concílio Vaticano II "poderíamos avançar a ideia de se tratar de um bispo da aula conservadora, não no sentido de intervenção contrária às posturas mais progressistas dos trabalhos do Concílio, mas porque tinha receio de qualquer progresso, ou melhor, tinha a prudência em grau heróico, receando o futuro".[1] Esteve até 1979.

Episcopado-emérito da GuardaEditar

Faleceu em 1984, com 75 anos de idade.[2]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Henrique Manuel Rodrigues dos Santos (2010), A Recepção do Concílio Vaticano II na Diocese da Guarda, Lisboa, Paulus Editora, p. 342.
  2. Roque Tse, História Breve dos Bispos da Diocese de Macau, Macau, Centro Diocesano dos Meios de Comunicação Social, 2006, p. 42