Igreja Católica

igreja cristã
(Redirecionado de Católico)
Disambig grey.svg Nota: "Catolicismo" e "Católico" redirecionam para este artigo. Para os diferentes usos de tais termos, veja Catolicidade.

Igreja Católica, às vezes chamada de Igreja Católica Romana, é a maior igreja cristã, com aproximadamente 1,3 bilhão de católicos batizados em todo o mundo apenas no ano de 2018. Como a maior e mais antiga instituição internacional do mundo em funcionamento contínuo[3] ela desempenhou um papel proeminente na história e no desenvolvimento da civilização ocidental.[4] A igreja é chefiada pelo bispo de Roma, conhecido como papa. Sua administração central é a Santa Sé.

Igreja Católica Apostólica Romana
Vista da Basílica de São Pedro (esquerda), do Obelisco (centro) e do Palácio Apostólico (direita) na Praça de São Pedro, no Vaticano.
Orientação Católica
Fundador Jesus
Origem Século I, Terra Santa, Império Romano[1]
Sede   Vaticano
Líder espiritual Papa Francisco
Número de membros 1,313 bilhão (2017)[2]
Número de igrejas + 221 mil paróquias
Países em que atua No mundo inteiro, principalmente na América Latina, Europa Ocidental e Filipinas
Página oficial Santa Sé
Logo Emblem of the Papacy SE.svg

As crenças cristãs do catolicismo são baseadas no Credo Niceno. A Igreja Católica ensina que é a Igreja única, santa, católica e apostólica fundada por Jesus Cristo em sua Grande Comissão,[5][nota 1] que seus bispos são os sucessores dos apóstolos de Cristo e que o papa é o sucessor de São Pedro, a quem o primado foi conferido por Jesus. Ela afirma que pratica a fé cristã original, reservando a infalibilidade, transmitida pela tradição sagrada. A Igreja Latina, as vinte e três igrejas católicas orientais e institutos, como ordens mendicantes, ordens monásticas fechadas e terceiras ordens, refletem uma variedade de ênfases teológicas e espirituais na igreja.[6]

Dos sete sacramentos, a Eucaristia é a principal, celebrada liturgicamente na missa.[7] A Igreja ensina que, através da consagração de um sacerdote, o pão e o vinho sacrificiais se tornam o corpo e o sangue de Cristo. A Virgem Maria é venerada na Igreja Católica como Mãe de Deus e Rainha do Céu, homenageada em dogmas e devoções.[8] Seus ensinamentos incluem a Divina Misericórdia, a santificação pela fé e a evangelização do Evangelho, bem como a doutrina social católica, que enfatiza o apoio voluntário aos doentes, pobres e aflitos pelas obras corporais e espirituais de misericórdia. A Igreja Católica é o maior provedor não governamental de educação e saúde no mundo.[9]

A Igreja influenciou a filosofia, a cultura, a arte e a ciência ocidentais. Os católicos vivem em todo o mundo através de missões, diáspora e conversões. Desde o século XX, a maioria residiu no hemisfério sul devido à secularização na Europa e ao aumento da perseguição no Oriente Médio. A Igreja Católica compartilhou a comunhão com a Igreja Ortodoxa Oriental até o Grande Cisma em 1054, disputando particularmente a autoridade do papa. Antes do Concílio de Éfeso, em 431 d.C, a Igreja do Oriente também participava dessa comunhão, assim como as igrejas ortodoxas orientais antes do Concílio de Calcedônia, em 451 d.C, todas separadas principalmente por diferenças na cristologia. No século XVI, a Reforma levou ao protestantismo que também rompeu com os católicos. Desde o final do século XX, a Igreja Católica tem sido criticada por seus ensinamentos sobre sexualidade, sua ausência de sacerdotes mulheres e por lidar com casos de abuso sexual de menores envolvendo clérigos.

Nome

 
O primeiro uso do termo "Igreja Católica" (literalmente "igreja universal") foi pelo padre da igreja, Santo Inácio de Antioquia, em sua Epístola aos Esmirniotas (c. 110).[10] A ele também é atribuído o uso mais antigo registrado do termo "cristianismo" (em grego: Χριστιανισμός) no ano 100.[11] Ele morreu em Roma, com suas relíquias localizadas na Basílica de San Clemente al Laterano.

O termo "católico" (do em grego: καθολικός, transl.: katholikos) foi usado pela primeira vez para descrever a igreja no início do século II.[12] O primeiro uso conhecido da frase "a igreja católica" (καθολικὴ ἐκκλησία ou katholike ekklesia) ocorreu na carta escrita por volta do ano 110 por Santo Inácio de Antioquia.[nota 2] .

Nas Palestras Catequéticas (c. 350) de São Cirilo de Jerusalém, o nome "Igreja Católica" foi usado para distingui-la de outros grupos que também se denominavam "a igreja".[13][14] A noção "católica" foi enfatizada ainda mais no edito De fide Catolica, emitido em 380 por Teodósio I, o último imperador a governar as metades oriental e ocidental do Império Romano, ao estabelecer a igreja estatal do Império Romano.[15]

Desde o Grande Cisma de 1054, a Igreja Oriental adotou o adjetivo "Ortodoxo" como seu epíteto distinto (no entanto, seu nome oficial continua sendo "Igreja Católica Ortodoxa"[16]) e a Igreja Ocidental em comunhão com a Santa Sé adotou o termo "católico", mantendo essa descrição também após a Reforma Protestante do século XVI, quando aqueles que deixaram de estar em comunhão ficaram conhecidos como "protestantes".[17][18]

Embora a expressão "Igreja Romana" tenha sido usada para descrever a diocese do papa em Roma desde a queda do Império Romano do Ocidente e até o início da Idade Média (século VI a X), o termo "Igreja Católica Romana" passou a ser aplicado a toda a igreja desde a Reforma Protestante no final do século XVI.[19] Ocasionalmente, o termo "católico romano" também apareceu em documentos produzidos pela Santa Sé,[nota 3] aplicados principalmente a certas conferências episcopais nacionais e dioceses locais.[nota 4]

O nome "Igreja Católica" para toda a igreja é usado no Catecismo da Igreja Católica (1990) e no Código de Direito Canônico (1983). O nome "Igreja Católica" também é usado nos documentos do Concílio Vaticano II (1962-1965),[20] Concílio Vaticano I (1869-1870),[21] Concílio de Trento (1545-1563),[22] e vários outros documentos oficiais.[23][24]

Organização

 Ver artigo principal: Hierarquia católica

A Igreja Católica segue uma política episcopal, liderada por bispos que receberam o sacramento das Ordens Sagradas, quais são dadas jurisdições formais de governo dentro da igreja.

Santa Sé, papado, Cúria Romana e Colégio dos Cardeais

 Ver artigos principais: Santa Sé, Papa, Cúria Romana e Colégio dos Cardeais
 
As chaves cruzadas de ouro e prata da Santa Sé simbolizam as chaves de Simão Pedro, representando o poder do ofício papal de afrouxar e prender. A tiara papal de tríplice coroa simboliza o triplo poder do papa como "pai dos reis", "governador do mundo" e "vigário de Cristo". A cruz de ouro em um monte (globo) simboliza a soberania de Jesus.

A hierarquia da Igreja Católica é chefiada pelo bispo de Roma, conhecido como papa (em latim: papa; "pai"), que é o líder da Igreja Católica mundial.[25] O atual papa, Francisco, foi eleito em 13 de março de 2013 pelo conclave papal.[26]

O escritório do papa é conhecido como papado. A Igreja Católica sustenta que Cristo instituiu o papado ao dar as chaves do Céu a São Pedro. Sua jurisdição eclesiástica é chamada de "Santa Sé" (Sancta Sedes em latim), ou "Sé Apostólica" (que significa ver do apóstolo Pedro).[27][28] Servindo diretamente ao papa está a Cúria Romana, o órgão governante central que administra os negócios cotidianos da Igreja Católica.

O papa também é Soberano da Cidade do Vaticano,[29] uma pequena cidade-estado totalmente enclavada dentro da cidade de Roma, que é uma entidade distinta da Santa Sé. É como chefe da Santa Sé, não como chefe do Estado da Cidade do Vaticano, que o papa recebe embaixadores de estados e envia a eles seus próprios representantes diplomáticos.[30]

A posição de cardeal é uma posição de honra concedida pelos papas a certos clérigos, como líderes da Cúria Romana, bispos que servem nas principais cidades e ilustres teólogos. Para aconselhamento e assistência no governo, o papa pode recorrer ao Colégio de Cardeais.[31]

Após a morte ou renúncia de um papa,[nota 5] membros do Colégio de Cardeais com menos de 80 anos de idade atuam como um colégio eleitoral, reunidos em um conclave papal para eleger um sucessor.[33] Embora o conclave possa eleger qualquer católico masculino como papa desde 1389, apenas cardeais foram eleitos.[34]

Direito canônico

 Ver artigo principal: Código de Direito Canónico

Direito canônico (em latim: jus canonicum)[35] é o sistema de leis e princípios legais elaborado e aplicado pelas autoridades hierárquicas da Igreja Católica para regular sua organização e governo externos e ordenar e direcionar as atividades dos católicos em direção à missão da igreja.[36] A lei canônica da Igreja Latina foi o primeiro sistema jurídico ocidental moderno[37] e é o mais antigo sistema jurídico em funcionamento contínuo no Ocidente.[38][39]

 
Francisco é o 266º e atual Papa da Igreja Católica, um título que ele detém ex officio como Bispo de Roma e soberano da Cidade do Vaticano. Ele foi eleito no conclave papal de 2013.

Leis eclesiásticas positivas, baseadas direta ou indiretamente em lei divina imutável ou lei natural, derivam autoridade formal no caso de leis universais promulgadas pelo legislador supremo - o Sumo Pontífice - que possui em sua pessoa a totalidade do poder legislativo, executivo e judicial,[40] enquanto leis particulares derivam autoridade formal da promulgação por um legislador inferior ao legislador supremo, seja um legislador ordinário ou um legislador delegado. O material sujeito aos cânones não é apenas de natureza doutrinária ou moral, mas abrange toda a condição humana. Possui todos os elementos comuns de um sistema jurídico maduro: leis, tribunais, advogados, juízes,[41] um código jurídico totalmente articulado para a Igreja Latina,[42] bem como um código para as igrejas católicas orientais, princípios de interpretação jurídica[43] e sanções coercitivas.[44][45]

O direito canônico diz respeito à vida e organização da Igreja Católica e é distinto do direito civil. Em seu próprio campo, dá força ao direito civil apenas por promulgação específica em questões como a tutela de menores.[46] Da mesma forma, o direito civil pode dar força em seu campo ao direito canônico, mas apenas por promulgação específica, como no que diz respeito aos casamentos canônicos.[47] Atualmente, o Código de Direito Canônico de 1983 está em vigor para a Igreja Latina,[48] enquanto o Código de Cânones das Igrejas Orientais de 1990 (CCEO, depois das iniciais latinas) se aplica às Igrejas Católicas Orientais autônomas.[49]

Igrejas latinas e orientais

Nos primeiros mil anos da história católica, diferentes variedades do cristianismo se desenvolveram nas áreas cristãs ocidental e oriental da Europa. Embora a maioria das igrejas de tradição oriental não esteja mais em comunhão com a Igreja Católica após o Grande Cisma de 1054, atualmente participam igrejas particulares autônomas de ambas as tradições, também conhecidas como "igrejas sui iuris". A maior e mais conhecida é a Igreja Latina, a única igreja de tradição ocidental, com mais de 1 bilhão de membros em todo o mundo. Relativamente pequenas em termos de aderentes em comparação com a Igreja Latina, são as 23 Igrejas Católicas Orientais autônomas, com um número combinado de 17,3 milhões de seguidores, de acordo com estimativas de 2010.[50][51][52][53]

A Igreja Latina é governada pelo papa e por bispos diocesanos designados diretamente por ele. O papa exerce um papel patriarcal direto sobre a Igreja Latina, que é considerada a parte original e ainda principal do cristianismo ocidental, uma herança de certas crenças e costumes originários da Europa e do noroeste da África, alguns dos quais são herdados por muitas denominações cristãs que traçam suas origens na Reforma Protestante.[54]

Uma igreja sui iuris é definida no Código de Cânones para as Igrejas Orientais como um "grupo de fiéis cristãos unidos por uma hierarquia" que é reconhecido pelo Papa em sua capacidade de autoridade suprema em questões de doutrina dentro da igreja.[55] O termo é uma inovação do CCEO para denotar a relativa autonomia das Igrejas Católicas Orientais,[56] que permanecem em plena comunhão com o Papa, mas possuem estruturas de governança e tradições litúrgicas separadas das da Igreja Latina.[51]

Algumas igrejas católicas orientais são governadas por um patriarca que é eleito pelo sínodo dos bispos dessa igreja,[57] outras são chefiadas por um arcebispo maior,[58] outras estão sob uma metropolita[59] e outras são organizadas como eparquias individuais.[60] Cada igreja tem autoridade sobre os detalhes de sua organização interna, ritos litúrgicos, calendário litúrgico e outros aspectos de sua espiritualidade, sujeitos apenas à autoridade do papa.[61] A Cúria Romana tem um departamento específico, a Congregação para as Igrejas Orientais, para manter relações com elas.[62]

Dioceses, paróquias, organizações e institutos

Mapa das províncias eclesiásticas da Igreja Católica, bem como das arquidioceses (e outras entidades de alto nível) onde as províncias não estão estabelecidas
Porcentagem de católicos por país
Número de católicos por país

Países, regiões ou grandes cidades são servidas por igrejas específicas conhecidas como dioceses na Igreja Latina, ou eparquias nas Igrejas Católicas Orientais, cada uma supervisionada por um bispo. Segundo dados de 2008, a Igreja Católica possui 2 795 dioceses.[63] Os bispos em um determinado país são membros de uma conferência episcopal nacional ou regional.[64]

As dioceses são divididas em paróquias, cada uma com um ou mais padres, diáconos ou ministros eclesiais leigos.[65] As paróquias são responsáveis pela celebração diária dos sacramentos e pela pastoral dos leigos.[66] De acordo com estimativas de 2016, existem 221,7 mil paróquias em todo o mundo.[67]

Na Igreja Latina, os homens católicos podem servir como diáconos ou sacerdotes, recebendo ordenação sacramental. Homens e mulheres podem servir como ministros extraordinários dacomunhão, como leitores, ou como coroinhas. Historicamente, meninos e homens só foram autorizados a servir como servidores de altar; no entanto, desde os anos 1990, meninas e mulheres também são permitidas.[68][nota 6]

Os católicos ordenados, bem como os membros dos leigos, podem entrar na vida consagrada, seja individualmente, como eremita ou virgem consagrada, ou ingressando em um instituto de vida consagrada (um instituto religioso ou um instituto secular) no qual recebe votos confirmando seu desejo de seguir os três conselhos evangélicos de castidade, pobreza e obediência.[69] Exemplos de institutos de vida consagrada são os beneditinos, os carmelitas, os dominicanos, os franciscanos, os missionários da caridade, os legionários de Cristo e as irmãs da misericórdia.[69]

"Institutos religiosos" é um termo moderno que abrange "ordens religiosas" e "congregações religiosas", que já foram distinguidas no direito canônico.[70] Os termos "ordem religiosa" e "instituto religioso" tendem a ser usados como sinônimos coloquialmente.[71]

Por meio de instituições de caridade católicas e além, a Igreja Católica é o maior provedor não governamental de educação e saúde no mundo.[9]

Filiação

 Ver artigo principal: Igreja Católica no mundo
 
Basílica de Nossa Senhora Aparecida, no Brasil, o segundo maior templo católico do mundo[72]

O catolicismo é o segundo maior corpo religioso do mundo após o sunismo. Ser membro da Igreja, o que é definido como católicos batizados, é uma categoria em que 1,3 bilhão de pessoas se encaixavam no final de 2018, o que representa 18% da população mundial. Os católicos representam cerca de metade de todos os cristãos.[73]

A distribuição geográfica dos católicos em todo o mundo continua a mudar, com 17,8% na África, 48,3% nas Américas, 11,1% na Ásia, 21,5% na Europa e 0,9% na Oceania.[74]

Os ministros católicos incluem clérigos ordenados, ministros eclesiais leigos, missionários e catequistas. Também no final de 2014, havia 465 595 clérigos ordenados, incluindo 5 237 bispos, 415 792 padres (diocesanos e religiosos) e 44 566 diáconos (permanentes).[75]


Distribuição geográfica de católicos (2018)[74]
América
  
48,3%
Europa
  
21,5%
África/Oceania
  
19,1%
Ásia
  
11,1%

Os ministros não ordenados incluíram 3 157 568 catequistas, 367 679 missionários leigos e 39 951 ministros eclesiais leigos.[76]

Os católicos que se comprometeram com a vida religiosa ou consagrada em vez do casamento ou celibato único, como um estado de vida ou vocação relacional, incluem 54 559 homens religiosos, 705 529 mulheres religiosas. Estes não são ordenados, nem geralmente considerados ministros, a menos que também participem de uma das categorias de ministros leigos acima.[75]

Doutrina

 
Basílica de Nossa Senhora de Licheń, Comuna de Ślesin, Polônia

A doutrina católica se desenvolveu ao longo dos séculos, refletindo os ensinamentos diretos dos primeiros cristãos, definições formais de crenças heréticas e ortodoxas por conselhos ecumênicos e bulas papais, além do debate teológico por estudiosos. A Igreja acredita que é continuamente guiada pelo Espírito Santo ao discernir novas questões teológicas e é infalivelmente protegida de cair em erro doutrinário quando uma decisão firme sobre uma questão é alcançada.[77][78]

Ensina que a revelação tem uma fonte comum, Deus, e dois modos distintos de transmissão (Escritura e Tradição Sagrada)[79][80] e que estes são autenticamente interpretados pelo Magistério.[81][82] A Escritura Sagrada consiste nos 73 livros da Bíblia Católica, 46 escritos no Antigo Testamento e 27 do Novo Testamento. A Tradição Sagrada consiste nos ensinamentos que a Igreja acredita que foram proferidos desde o tempo dos apóstolos.[83] As Escrituras Sagradas e a Tradição Sagrada são conhecidas coletivamente como "depósito da fé" (depositum fidei em latim). Estes são, por sua vez, interpretadas pelo Magistério (do magister, em latim para "professor"), a autoridade de ensino da igreja, que é exercida pelo papa e pelo Colégio dos Bispos em união com o papa, o bispo de Roma.[84] A doutrina católica é autoritariamente resumida no Catecismo da Igreja Católica, publicado pela Santa Sé.[85][86]

Natureza de Deus

 Ver artigo principal: Trindade (cristianismo)
 
Versão manuscrita de 1210 do diagrama teológico tradicional do Escudo da Trindade

A Igreja Católica sustenta que existe um Deus eterno, que existe como uma pericorese ("habitação mútua") de três hipóstases, ou "pessoas": Deus, o Pai; Deus filho; e Deus, o Espírito Santo, que juntos são chamados de " Santíssima Trindade".[87]

Os católicos acreditam que Jesus Cristo é a "segunda pessoa" da Trindadeː Deus, o Filho. Num evento conhecido como Encarnação, através do poder do Espírito Santo, Deus se uniu à natureza humana através da concepção de Cristo no ventre da Virgem Maria. Portanto, Cristo é entendido como sendo totalmente divino e totalmente humano, inclusive possuindo uma alma humana. Ensina-se que a missão de Cristo na Terra incluía dar às pessoas seus ensinamentos e fornecer seu exemplo para que eles seguissem conforme registrado nos quatro Evangelhos. Acredita-se que Jesus permaneceu sem pecado enquanto estava na terra e se permitiu ser injustamente executado pela crucificação, como um sacrifício de si mesmo para reconciliar a humanidade com Deus; essa reconciliação é conhecida como o mistério pascal. O termo grego "Cristo" e o hebraico "Messias" significam "ungido", referindo-se à crença cristã de que a morte e ressurreição de Jesus são o cumprimento das profecias messiânicas do Antigo Testamento.[88]

A Igreja Católica ensina dogmaticamente que "o Espírito Santo procede eternamente do Pai e do Filho, não como dois princípios, mas como um único princípio".[89] Ela afirma que o Pai, como o "princípio sem princípio", é a primeira origem do Espírito, mas também que ele, como Pai do Filho único, é com o Filho o único princípio do qual o Espírito procede.[90] Essa crença é expressa na cláusula Filioque, que foi adicionada à versão latina do Credo Niceno de 381, mas não incluída nas versões gregas do credo usado no cristianismo oriental.[91]

Natureza da igreja

 
Vitral em uma igreja católica que representa a Basílica de São Pedro em Roma sentada "sobre esta rocha", uma referência a Mateus 16:18. A maioria dos católicos de hoje interpretam Jesus dizendo que estava construindo sua igreja sobre a rocha do apóstolo Pedro e a sucessão de papas que reivindicam a sucessão apostólica dele.

A Igreja Católica ensina que é a "única igreja verdadeira",[5][92] "o sacramento universal da salvação para a raça humana",[93][94] e "a única religião verdadeira".[95] Segundo o catecismo, a Igreja Católica é descrita no Credo Niceno como a "Igreja única, santa, católica e apostólica".[96] Estes são conhecidos coletivamente como as quatro marcas da Igreja. A Igreja ensina que seu fundador é Jesus Cristo.[97][98] O Novo Testamento registra vários eventos considerados essenciais para o estabelecimento da Igreja Católica, incluindo as atividades e o ensino de Jesus e sua nomeação dos apóstolos como testemunhas de seu ministério, sofrimento e ressurreição. A Grande Comissão, após sua ressurreição, instruiu os apóstolos a continuarem seu trabalho. A vinda do Espírito Santo sobre os apóstolos, em um evento conhecido como Pentecostes, é vista como o início do ministério público da Igreja Católica.[99] A igreja ensina que todos os bispos devidamente consagrados têm uma sucessão linear dos apóstolos de Cristo, conhecida como sucessão apostólica.[99] Em particular, o bispo de Roma (o papa) é considerado o sucessor do apóstolo Simão Pedro, uma posição da qual ele deriva sua supremacia sobre a igreja.[100]

A crença católica sustenta que a igreja "é a presença contínua de Jesus na Terra"[101] e que somente ela possui todos os meios de salvação. Através da paixão (sofrimento) de Cristo levando à sua crucificação, conforme descrito nos Evangelhos, é dito que Cristo fez a si mesmo uma oblação a Deus Pai, a fim de reconciliar a humanidade com Deus; a ressurreição de Jesus faz dele o primogênito dentre os mortos, o primeiro dentre muitos irmãos.[102] Ao se reconciliar com Deus e seguir as palavras e ações de Cristo, um indivíduo pode entrar no Reino de Deus.[103] A igreja vê sua liturgia e sacramentos como uma forma de perpetuar as graças alcançadas pelo sacrifício de Cristo para fortalecer o relacionamento de uma pessoa com Cristo e ajudar a vencer o pecado.[104]

Julgamento final

 Ver artigo principal: Juízo final

A Igreja Católica ensina que, imediatamente após a morte, a alma de cada pessoa receberá um julgamento específico de Deus, com base em seus pecados e em seu relacionamento com Cristo.[105] Este ensinamento também atesta outro dia em que Cristo se sentará no julgamento universal de toda a humanidade. Esse julgamento final, de acordo com os ensinamentos da igreja, trará um fim à história da humanidade e marcará o início de um novo e melhor céu e terra, governados por Deus justo.[106]

Dependendo do julgamento proferido após a morte, acredita-se que uma alma possa entrar em um dos três estados da vida após a morte:

  • O Céu é um estado de união sem fim com a natureza divina de Deus, não ontologicamente, mas pela graça. É uma vida eterna, na qual a alma contempla Deus numa beatitude incessante;[107]
  • O Purgatório é uma condição temporária para a purificação das almas que, embora destinadas ao Céu, não estão totalmente desapegadas do pecado e, portanto, não podem entrar no Céu imediatamente. No purgatório, a alma sofre e é purgada e aperfeiçoada. As almas no purgatório podem ser ajudadas a alcançar o céu pelas orações dos fiéis na terra e pela intercessão dos santos;[108]
  • Danação final: finalmente, aqueles que persistem em viver em estado de pecado mortal e não se arrependem antes da morte se sujeitam ao inferno, uma separação eterna de Deus.[109] A igreja ensina que ninguém é condenado ao inferno sem ter decidido rejeitar a Deus livremente.[110] Ninguém está predestinado ao inferno e ninguém pode determinar com absoluta certeza quem foi condenado ao inferno.[111] O catolicismo ensina que, pela misericórdia de Deus, uma pessoa pode se arrepender a qualquer momento antes da morte, ser iluminada com a verdade da fé católica e, assim, obter a salvação.[112] Alguns teólogos católicos especularam que as almas de bebês não-batizados e não-cristãos sem pecado mortal, mas que morrem no pecado original, são atribuídas ao limbo, embora este não seja um dogma oficial da igreja.[113]

Enquanto a Igreja Católica ensina que sozinha possui todos os meios de salvação,[114] também reconhece que o Espírito Santo pode fazer uso de comunidades cristãs separadas de si para "impulsionar a unidade católica"[115] e "tender e liderar em direção à Igreja Católica"[116] e, assim, levar as pessoas à salvação, porque essas comunidades separadas contêm alguns elementos da doutrina, embora misturados com erros. Ela ensina que quem é salvo é salvo pela Igreja Católica, mas que as pessoas podem ser salvas fora dos meios comuns conhecidos como batismo do desejo e pelo martírio pré-batismal, conhecido como batismo de sangue, bem como quando as condições de invencibilidade a ignorância está presente, embora a ignorância invencível em si mesma não seja um meio de salvação.[117]

Santos e devoções

 Ver artigos principais: Santo, Canonização e Veneração
 
Na iconografia cristã, os santos são frequentemente representados com halos que simbolizam santidade. Na imagem, vitral de Santa Teresa de Ávila

Um santo (também) é uma pessoa que é reconhecida por ter um grau excepcional de santidade, semelhança ou proximidade com Deus, enquanto a canonização é o ato pelo qual uma igreja cristã declara que uma pessoa que morreu foi um santo, na qual a declaração é incluída no "cânone", ou lista, de santos reconhecidos.[118][119]

Na Igreja Católica, tanto nas igrejas católicas latinas quanto nas orientais, o ato de canonização é reservado à Sé Apostólica e ocorre na conclusão de um longo processo que exige uma extensa prova de que o candidato à canonização viveu e morreu de maneira tão exemplar e santa que ele é digno de ser reconhecido como um santo. O reconhecimento oficial da santidade pela Igreja implica que a pessoa está agora no Céu e que ela pode ser invocada publicamente e mencionada oficialmente na liturgia da igreja, inclusive na Ladainha de Todos os Santos. A canonização permite a veneração universal do santo na liturgia do rito romano; para permissão para venerar meramente localmente, somente beatificação é necessária.[120]

Devoções são "práticas externas de piedade" que não fazem parte da liturgia oficial da Igreja Católica, mas fazem parte das práticas espirituais populares dos católicos.[121] Isso inclui várias práticas relacionadas à veneração dos santos, especialmente a veneração da Virgem Maria. Outras práticas devocionais incluem a Via Crúcis, o Sagrado Coração de Jesus, a Santa Face de Jesus,[122] os vários escapulários, as novenas a vários santos,[123] peregrinações,[124] devoções ao Santíssimo Sacramento e a veneração de imagens santas, como os santos.[125] Os bispos do Concílio Vaticano II lembraram aos católicos que "as devoções devem ser tão elaboradas que se harmonizem com as estações litúrgicas, de acordo com a sagrada liturgia, de alguma forma derivam dela e levam o povo a ela, pois, de fato, a liturgia, por sua própria natureza, ultrapassa em muito qualquer uma delas".[126]

Virgem Maria

 
A Bem-Aventurada Virgem Maria é altamente considerada na Igreja Católica, proclamando-a como Mãe de Deus, livre do pecado original e intercessora

A Mariologia Católica lida com as doutrinas e os ensinamentos sobre a vida de Maria, mãe de Jesus, bem como a veneração de Maria pelos fiéis. Ela tem especial consideração entre os católicas, que a declaram a Mãe de Deus (em em grego: Θεοτόκος; 'Portadora de Deus) e acreditam no dogma de que ela permaneceu virgem ao longo de sua vida.[127] Outros ensinamentos incluem as doutrinas da Imaculada Conceição (sua própria concepção sem a mancha do pecado original) e a Assunção de Maria (que seu corpo foi diretamente para o céu no final de sua vida). Ambas as doutrinas foram definidas como dogma infalível pelo Papa Pio IX, em 1854, e pelo Papa Pio XII, em 1950, respectivamente,[128] mas somente após consultar os bispos católicos de todo o mundo para verificar se essa era uma crença católica.[129]

As devoções a Maria fazem parte da piedade católica, mas são distintas da adoração a Deus.[130] As práticas incluem orações e arte, música e arquitetura mariana. Várias festas litúrgicas marianas são comemoradas durante todo o ano da igreja e ela é homenageada com muitos títulos, como "Rainha do Céu". O Papa Paulo VI a chamou de "Mãe da Igreja" porque, ao dar a luz a Cristo, ela é considerada a mãe espiritual de cada membro do Corpo de Cristo.[128] Devido ao seu papel influente na vida de Jesus, orações e devoções, como a Ave Maria, o Rosário, a Salve Regina e o Lembrai-vos, são práticas católicas comuns.[131] A peregrinação aos locais de várias aparições marianas afirmadas pela igreja, como Lourdes, Fátima e Guadalupe,[132] também são devoções católicas populares.[133]

Sacramentos

 Ver artigo principal: Sacramentos católicos

A Igreja Católica ensina que foram confiados sete sacramentos instituídos por Cristo. O número e a natureza dos sacramentos foram definidos por vários concílios ecumênicos, mais recentemente o Concílio de Trento.[nota 7] São o batismo, a crisma, a eucaristia, a penitência, a unção dos enfermos (anteriormente chamada de "extrema unção", um dos " Últimos Ritos "), as ordens sagradas e o matrimônio sagrado. Os sacramentos são rituais visíveis que os católicos interpretam como sinais da presença de Deus e canais efetivos da graça de Deus para todos aqueles que o recebem com a disposição adequada (ex opere operato).[134]

 
Missa na Gruta de Lourdes, França. O cálice é exibido ao povo imediatamente após a consagração do vinho.

O Catecismo da Igreja Católica classifica os sacramentos em três grupos, os "sacramentos da iniciação cristã", "os sacramentos da cura" e os "sacramentos a serviço da comunhão e a missão dos fiéis". Esses grupos refletem amplamente as etapas da vida natural e espiritual das pessoas que cada sacramento deve servir.[135]

As liturgias dos sacramentos são centrais para a missão da igreja. De acordo com o catecismo:

De acordo com a doutrina da igreja, os sacramentos da igreja exigem que a forma, a matéria e a intenção adequadas sejam validamente celebradas.[136] Além disso, as leis canônicas da Igreja Latina e das igrejas católicas orientais governam quem pode celebrar licitamente certos sacramentos, bem como regras estritas sobre quem pode receber os sacramentos.[137] Notavelmente, porque a igreja ensina que Cristo está presente na eucaristia,[138] aqueles que estão conscientes de estar em um estado de pecado mortal são proibidos de receber o sacramento até que tenham recebido absolvição por meio do sacramento da reconciliação (penitência). Os católicos normalmente são obrigados a se abster de comer por pelo menos uma hora antes de receber o sacramento.[139] Normalmente, os não católicos também são proibidos de receber a eucaristia.[140]

Os católicos, mesmo que estivessem em perigo de morte e incapazes de se aproximar de um ministro católico, não podem pedir os sacramentos da eucaristia, penitência ou unção dos doentes de alguém, como um ministro protestante, que não se sabe validamente ordenado de acordo com o ensino católico sobre ordenação.[141][142] Da mesma forma, mesmo em necessidade grave e premente, os ministros católicos podem não administrar esses sacramentos àqueles que não manifestam fé católica no sacramento. Em relação às igrejas do cristianismo oriental que não estão em comunhão com a Santa Sé, a Igreja Católica é menos restritiva, declarando que "uma certa communion in sacris, e assim na eucaristia, dadas as circunstâncias adequadas e a aprovação da autoridade da Igreja, não é apenas possível, como é incentivada".[143]

Sacramentos de iniciação

Batismo

 Ver artigo principal: Batismo
 
Batismo de Agostinho de Hipona, representado em um grupo escultórico na Catedral de Troyes (1549), França

Para a Igreja Católica, o batismo é o primeiro dos três sacramentos de iniciação como cristão.[144] Ele lava todos os pecados, tanto o pecado original quanto os pecados pessoais.[145] Isto torna uma pessoa um membro da igreja.[146] Como um presente gratuito de Deus que não requer mérito por parte da pessoa que é batizada, é conferido até às crianças,[147] que, embora não tenham pecados pessoais, precisam disso por causa do pecado original.[148] Se uma criança recém-nascida estiver em perigo de morte, qualquer pessoa - seja um médico, uma enfermeira ou um dos pais - pode batizar a criança.[149] O batismo marca uma pessoa permanentemente e não pode ser repetido.[150] A Igreja Católica reconhece como batismos válidos mesmo os conferidos por pessoas que não são católicas ou cristãs, desde que pretendam batizar ("fazer o que a Igreja faz quando ela batiza") e que eles usam a fórmula batismal trinitária.[151]

Crisma

 Ver artigo principal: Crisma

A Igreja Católica vê o sacramento da crisma como necessário para completar a graça dada no batismo.[152] Quando os adultos são batizados, a crisma é normalmente dada imediatamente depois,[153] uma prática seguida mesmo com bebês recém-batizados nas Igrejas Católicas Orientais.[154] No Rito Latino, a crisma das crianças é adiada até que tenham idade suficiente para entender ou a critério do bispo.[155] No cristianismo ocidental, particularmente no catolicismo, o sacramento é chamado de confirmação, porque confirma e fortalece a graça do batismo; nas igrejas orientais, é chamado crisma, porque o rito essencial é a unção da pessoa com crisma,[156] uma mistura de azeite e alguma substância perfumada, geralmente bálsamo, abençoado por um bispo.[157] Aqueles que recebem a crisma devem estar em um estado de graça, o que para aqueles que atingiram a idade da razão significa que devem primeiro ser limpos espiritualmente pelo sacramento da penitência; eles também devem ter a intenção de receber o sacramento e estar preparados para mostrar em suas vidas que são cristãos.[158]

Eucaristia

 Ver artigo principal: Eucaristia
 
Papa Bento XVI celebra a Eucaristia na canonização de Frei Galvão, em São Paulo, Brasil, em 11 de maio de 2007

Para os católicos, a eucaristia é o sacramento que completa a iniciação cristã. É descrito como "a fonte e o cume da vida cristã".[159] A cerimônia em que um católico recebe a eucaristia é conhecida como primeira comunhão.[160]

A celebração eucarística, também chamada de missa ou divina liturgia, inclui orações e leituras das escrituras, bem como uma oferta de pão e vinho, que são levados ao altar e consagrados pelo sacerdote para se tornar o corpo e o sangue de Jesus Cristo, uma mudança chamada transubstanciação. As palavras da Instituição refletem as palavras ditas por Jesus durante a Última Ceia, onde Cristo ofereceu seu corpo e sangue aos apóstolos na noite anterior à sua crucificação. O sacramento apresenta (torna presente) o sacrifício de Jesus na cruz e o perpetua.[161]

A morte e ressurreição de Cristo dão graça através do sacramento que une os fiéis a Cristo e uns aos outros, remete o pecado venial e ajuda a cometer um pecado moral (embora o próprio pecado mortal seja perdoado pelo sacramento da penitência).[162]

Sacramentos de cura

Os dois sacramentos da cura são o Sacramento da Penitência e a Unção dos Enfermos.

Penitência

 Ver artigo principal: Confissão (sacramento)
   
Um crente católico ora em uma igreja no México

O sacramento da penitência (também chamado de reconciliação, perdão, confissão e conversão[163]) existe para a conversão daqueles que, após o batismo, se separam de Cristo pelo pecado.[164] São essenciais para este sacramento atos feitos tanto pelo pecador (exame da consciência, contrição com a determinação de não pecar novamente, confissão a um padre, como a realização de algum ato para reparar os danos causados pelo pecado) quanto sacerdote (determinação do ato de reparação a ser realizado e absolvição).[165] Pecados graves (pecados mortais) devem ser confessados pelo menos uma vez por ano e sempre antes de receber a Santa Comunhão, enquanto a confissão de pecados veniais também é recomendada.[166] O padre está sujeito às mais severas penalidades para manter o "selo da confissão", sigilo absoluto sobre quaisquer pecados revelados a ele em confissão.[167]

Unção dos enfermos

 Ver artigo principal: Extrema unção

Embora o crisma seja usado apenas para os três sacramentos que não podem ser repetidos, uma unção diferente é usado por um padre ou bispo para abençoar um católico que, por causa de doença ou velhice, começou a correr o risco de morrer.[168] Acredita-se que este sacramento, conhecido como unção dos enfermos, dê conforto, paz, coragem e, se a pessoa doente não puder fazer uma confissão, até perdão dos pecados.[169] O sacramento também é conhecido como unção, e no passado como extrema unção e é um dos três sacramentos que constituem os últimos ritos, junto com penitência e viático (eucaristia).[170]

Sacramentos a serviço da comunhão

Segundo o catecismo, existem dois sacramentos de comunhão direcionados à salvação de outros: sacerdócio e casamento.[171] Dentro da vocação geral de ser cristão, esses dois sacramentos "consagram uma missão ou vocação específica entre o povo de Deus. Os homens recebem as ordens sagradas de alimentar a Igreja pela palavra e graça. Os cônjuges se casam para que seu amor seja fortalecido para cumprir os deveres de seu estado".[172]

Ordens sagradas

 
Os sacerdotes colocam as mãos nos ordenados durante o ritual de ordenação

O sacramento das ordens sagradas consagra e substitui alguns cristãos para servirem todo o corpo como membros de três graus ou ordens: episcopado (bispos), presbiterado (sacerdotes) e diaconado (diáconos).[173] A Igreja definiu regras sobre quem pode ser ordenado ao clero. Na Igreja Latina, o sacerdócio é geralmente restrito aos homens celibatários e o episcopado é sempre restrito aos homens celibatários.[174] Homens que já são casados podem ser ordenados em certas igrejas católicas orientais na maioria dos países[175] e podem se tornar diáconos mesmo na Igreja Ocidental.[176][177]

Todos os clérigos, sejam diáconos, padres ou bispos, podem pregar, ensinar, batizar, testemunhar casamentos e realizar liturgias fúnebres.[178] Somente bispos e padres podem administrar os sacramentos da eucaristia, reconciliação (penitência) e unção dos enfermos.[179][180] Somente os bispos podem administrar o sacramento da Santa Ordem, que ordena alguém ao clero.[181]

Matrimônio

 
Missa de casamento nas Filipinas

A Igreja Católica ensina que o casamento é um vínculo social e espiritual entre um homem e uma mulher, ordenado para o bem dos cônjuges e procriação de filhos; de acordo com os ensinamentos católicos sobre moralidade sexual, é o único contexto apropriado para a atividade sexual. Um casamento católico, ou qualquer casamento entre indivíduos batizados de qualquer denominação cristã, é visto como um sacramento. Um casamento sacramental, uma vez consumado, não pode ser dissolvido, exceto pela morte.[nota 8] A igreja reconhece certas condições, como a liberdade de consentimento, conforme exigido para que qualquer casamento seja considerado válido; além disso, a igreja estabelece regras e normas específicas, conhecidas como forma canônica, que os católicos devem seguir.[184]

A Igreja não reconhece o divórcio como o fim válido para um casamento válido e permite o divórcio reconhecido pelo Estado apenas como um meio de proteger a propriedade e o bem-estar dos cônjuges e de quaisquer filhos. No entanto, a consideração de casos particulares pelo tribunal eclesiástico competente pode levar à declaração da invalidade do casamento, uma declaração geralmente referida como anulação.[185] Um novo casamento após o divórcio não é permitido, a menos que o casamento anterior tenha sido declarado inválido.

Liturgia

 
Objetos religiosos católicos - Bíblia Sagrada, crucifixo e rosário

Entre as 24 igrejas autônomas (sui iuris), existem várias tradições litúrgicas e de outros tipos, chamadas ritos, que refletem a diversidade histórica e cultural e não as diferenças de crença. Na definição do Código de Cânones das Igrejas Orientais, "um rito é o patrimônio litúrgico, teológico, espiritual e disciplinar, a cultura e as circunstâncias da história de um povo distinto, pelo qual sua própria maneira de viver a fé se manifesta em cada Igreja sui iuris".[186]

A liturgia do sacramento da eucaristia, chamada missa no Ocidente e divina liturgia ou outros nomes no Oriente, é a principal liturgia da Igreja Católica.[187]

Ritos ocidentais

 Ver artigos principais: Rito romano e Ritos litúrgicos latinos

O rito romano é o rito de adoração mais comum usado pela Igreja Católica. Seu uso é encontrado em todo o mundo, originário de Roma, ele se espalhou por toda a Europa, influenciando e depois substituindo os ritos locais.[188]

 
Elevação do cálice diante de um altar após a consagração durante uma missa tridentina solene

Em 2007, o Papa Bento XVI afirmou a licença de uso continuado do Missal Romano de 1962 como uma "forma extraordinária" (forma extraordinaria) do Rito Romano, falando sobre ele também como um antiquior usus ("uso antigo") e emitindo novas normas mais permissivas para seu emprego.[189] Uma instrução emitida quatro anos depois orientou sobre duas formas ou usos do rito romano aprovadas pelo papa como forma ordinária e forma extraordinária ("a forma ordinaria " e "a forma extraordinaria ").[190]

A edição de 1962 do Missal Romano, publicada alguns meses antes da abertura do Concílio Vaticano II, foi a última que apresentou a missa conforme padronizada em 1570 pelo Papa Pio V no Concílio de Trento e, portanto, conhecida como missa tridentina.[138] O Missal Romano do Papa Pio V foi submetido a pequenas revisões pelo Papa Clemente VIII em 1604, pelo Papa Urbano VIII em 1634, pelo Papa Pio X em 1911, pelo Papa Pio XII em 1955 e pelo Papa João XXIII em 1962. Cada edição era a forma comum da Missa do Rito Romano até ser substituída por uma edição posterior. Quando a edição de 1962 foi substituída pela de Paulo VI, promulgada em 1969, seu uso continuado exigia inicialmente a permissão dos bispos;[191] mas o motu proprio do Summorum Pontificum do papa Bento XVI em 2007 permitiu o uso gratuito da missa celebrada sem uma congregação e os párocos autorizados a permitir, sob certas condições, seu uso mesmo em missas públicas. Exceto pelas leituras das escrituras, que o papa Bento permitiu que fosse proclamada na língua vernacular, ela é comemorada exclusivamente em latim litúrgico.[192]

Desde 2014, o clero das pequenas ordenanças pessoais criadas para grupos de ex-anglicanos nos termos do documento de 2009 chamado Anglicanorum Coetibus[193] está autorizado a usar uma variação do rito romano chamada "Adoração Divina".[194]

Na arquidiocese de Milão, com cerca de cinco milhões de católicos os maiores da Europa,[195] a missa é celebrada de acordo com o rito ambrosiano. Outros ritos da Igreja Latina incluem os moçárabes[196] e os de alguns institutos religiosos.[197] Esses ritos litúrgicos têm uma antiguidade de pelo menos 200 anos antes de 1570, a data do Quo primum do papa Pio V, e assim foram autorizados a continuar.[198]

Ritos orientais

 
Coroação do casamento do Rito da Síria Oriental celebrado por um bispo da Igreja Católica Siro-Malabar na Índia, uma das 23 Igrejas Católicas Orientais em plena comunhão com o Papa e a Igreja Católica.

As igrejas católicas orientais compartilham patrimônio comum e ritos litúrgicos como contrapartes, incluindo as ortodoxas orientais e outras igrejas cristãs orientais que não estão mais em comunhão com a Santa Sé. Isto inclui igrejas que se desenvolveram historicamente na Rússia, Cáucaso, Bálcãs, Nordeste da África, Índia e Oriente Médio. As igrejas católicas orientais são grupos de fiéis que nunca saíram da comunhão com a Santa Sé ou que a restabeleceram à custa do rompimento da comunhão com seus associados da mesma tradição.[199]

Os ritos usados pelas igrejas católicas orientais incluem o rito bizantino, em suas variedades antioquina, grega e eslava; o rito alexandrino; o rito siríaco; o rito armênio; o rito maronita e o rito caldeu. As igrejas católicas orientais têm autonomia para definir os detalhes de suas formas litúrgicas e de culto, dentro de certos limites para proteger a "observância precisa" de sua tradição litúrgica.[200]

No passado, alguns dos ritos usados pelas igrejas católicas orientais estavam sujeitos a um grau de latização litúrgica. No entanto, nos últimos anos, as igrejas católicas orientais voltaram às práticas orientais tradicionais de acordo com o decreto do Concílio Vaticano II, Orientalium Ecclesiarum.[201] Cada igreja tem seu próprio calendário litúrgico.[202]

Questões sociais e culturais

Ensino social católico

 Ver artigo principal: Doutrina Social da Igreja
 
Leão XIII, que, a 15 de maio de 1891, publicou a primeira Encíclica do que viria depois a ser chamado "Doutrina Social da Igreja": a Rerum Novarum.

O ensino social católico, refletindo a preocupação que Jesus demonstrou pelos pobres, enfatiza fortemente as obras corporais de misericórdia e as obras espirituais de misericórdia, ou seja, o apoio e a preocupação pelos doentes, pobres e aflitos.[203] O ensino da Igreja pede uma opção preferencial para os pobres, enquanto o cânon prescreve que "os fiéis cristãos também são obrigados a promover a justiça social e, atentos ao preceito do Senhor, a ajudar os pobres".[204]

O ensino católico sobre sexualidade exige uma prática de castidade, com foco em manter a integridade espiritual e corporal da pessoa humana. O casamento é considerado o único contexto apropriado para a atividade sexual. A igreja também aborda o ambiente natural e sua relação com outros ensinamentos sociais e teológicos. No documento Laudato si', de 24 de maio de 2015, o Papa Francisco critica o consumismo e o desenvolvimento irresponsável e lamenta a degradação ambiental e o aquecimento global.[205] O papa expressou preocupação de que o aquecimento do planeta seja um sintoma de um problema maior: a indiferença do mundo desenvolvido à destruição do planeta, à medida que os humanos buscam ganhos econômicos de curto prazo.[206]

Serviços sociais

 
Santa Teresa de Calcutá defendia os doentes e os pobres, praticando obras de misericórdia

A Igreja Católica é o maior provedor não governamental de educação e serviços médicos do mundo.[9] Em 2010, o Pontifício Conselho da Igreja Católica para Assistência Pastoral aos Trabalhadores da Saúde disse que a Igreja administra 26% dos estabelecimentos de saúde no mundo, incluindo hospitais, clínicas, orfanatos, farmácias e centros para pessoas com hanseníase.[207]

A Igreja sempre esteve envolvida na educação, desde a fundação das primeiras universidades da Europa. Dirige e patrocina milhares de escolas primárias e secundárias, faculdades e universidades em todo o mundo[208][209] e opera o maior sistema escolar não governamental do planeta.[210]

Os institutos religiosos para mulheres têm desempenhado um papel particularmente proeminente na prestação de serviços de saúde e educação,[211] como em ordens como as Irmãs da Misericórdia, as Irmãzinhas dos Pobres, as Missionárias da Caridade, as Missionárias da Caridade, as Irmãs de São José do Sagrado Coração, as Irmãs do Santíssimo Sacramento e as Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo.[212]

A freira católica Madre Teresa de Calcutá, na Índia, fundadora das Missionárias da Caridade, recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1979 por seu trabalho humanitário entre os pobres indianos.[213] O Bispo Carlos Filipe Ximenes Belo ganhou o mesmo prêmio em 1996 por "trabalhar em prol de uma solução justa e pacífica para o conflito em Timor-Leste".[214]

A Igreja também está ativamente engajada em ajuda e desenvolvimento internacional por meio de organizações como Caritas e Ajuda à Igreja Que Sofre, grupos de defesa de refugiados como o Serviço Jesuíta para Refugiados e grupos de ajuda comunitária como a Sociedade São Vicente de Paulo.[215]

Moralidade sexual

 
Alegoria da castidade por Hans Memling

A Igreja Católica chama todos os membros a praticar a castidade de acordo com seu estado de vida. A castidade inclui temperança, autodomínio, crescimento pessoal e cultural e graça divina. Requer abster-se de luxúria, masturbação, fornicação, pornografia, prostituição e, principalmente, estupro. A castidade para quem não é casado exige viver em abastinência, abster-se de atividade sexual; aqueles que são casados são chamados à castidade conjugal.[216]

Nos ensinamentos da igreja, a atividade sexual é reservada a casais, seja em um casamento sacramental entre cristãos ou em um casamento natural em que um ou ambos os cônjuges não são batizados. Mesmo em relacionamentos românticos, particularmente no noivado, os parceiros são chamados a praticar a abstinência, a fim de testar o respeito e a fidelidade mútuos. A castidade no casamento exige em particular a fidelidade conjugal e a proteção da fecundidade do casamento. O casal deve promover a confiança e a honestidade, bem como a intimidade espiritual e física. A atividade sexual deve sempre estar aberta à possibilidade de vida;[217] a Igreja chama isso de significado procriador. Isto deve, da mesma forma, sempre unir um casal apaixonado; a Igreja chama isto de significado unitivo.[218]

A contracepção e certas outras práticas sexuais não são permitidas, embora os métodos naturais de planejamento familiar sejam permitidos para proporcionar um espaçamento saudável entre os nascimentos ou para adiar as crianças por um motivo justo. O papa Francisco disse em 2015 que está preocupado com o fato de a igreja ter ficado "obcecada" por questões como aborto, casamento entre pessoas do mesmo sexo e contracepção e criticou a Igreja Católica por colocar o dogma antes do amor e por priorizar as doutrinas morais em vez de ajudar os pobres e marginalizados.[219][220]

Divórcio e declarações de nulidade

 
Henrique VIII da Inglaterra rompeu com a Igreja Católica para conseguir a anulação de seu casamento.

A lei canônica não prevê divórcio entre indivíduos batizados, pois um casamento sacramental válido e consumado é considerado um vínculo vitalício. No entanto, uma declaração de nulidade pode ser concedida quando é produzida a prova de que as condições essenciais para a contratação de um casamento válido estavam ausentes desde o início - em outras palavras, que o casamento não era válido devido a algum impedimento. Uma declaração de nulidade, comumente chamada de anulação, é um julgamento por parte de um tribunal eclesiástico que determina que um casamento foi tentado de forma inválida. Além disso, casamentos entre indivíduos não batizados podem ser dissolvidos com permissão papal em certas situações, como o desejo de se casar com um católico, sob o privilégio paulino ou petrino.[182][183]

Em todo o mundo, os tribunais diocesanos concluíram mais de 49 mil casos por nulidade de casamento em 2006. Nos últimos 30 anos, cerca de 55 a 70% das anulações ocorreram nos Estados Unidos. O crescimento das anulações foi substancial; nos Estados Unidos, 27 mil casamentos foram anulados até 2006, em comparação com 338 em 1968. No entanto, aproximadamente 200 mil católicos casados nos Estados Unidos se divorciam a cada ano; 10 milhões no total em 2006.[221][nota 9] O divórcio está aumentando em alguns países predominantemente católicos da Europa.[223]

Contracepção

 
O Papa Paulo VI emitiu o Humanae vitae em 25 de julho de 1968.

A igreja ensina que a relação sexual só deve ocorrer entre um homem e uma mulher que são casados, e deve ser sem o uso de controle de natalidade ou contracepção. Em sua encíclica Humanae vitae[218] (1968), o papa Paulo VI rejeitou firmemente toda contracepção, contradizendo os dissidentes da igreja que viam a pílula anticoncepcional como um método de contracepção eticamente justificável, embora permitisse a regulação dos nascimentos por meio de planejamento familiar natural. Esse ensino foi continuado especialmente por João Paulo II em sua encíclica Evangelium Vitae, onde ele esclareceu a posição da igreja sobre contracepção, aborto e eutanásia, condenando-os como parte de uma "cultura da morte" e apelando para uma "cultura da vida".[224]

Muitos católicos ocidentais expressaram desacordo significativo com os ensinamentos da igreja sobre contracepção.[225] O Catholics for Choice, um grupo de lobistas políticos que não está associado à Igreja Católica, declarou em 1998 que 96% das mulheres católicas dos Estados Unidos usaram contraceptivos em algum momento de suas vidas e que 72% dos católicos acreditavam que alguém poderia ser um bom católico sem obedecer aos ensinamentos da Igreja sobre controle de natalidade.[226] O uso de métodos naturais de planejamento familiar entre católicos dos Estados Unidos é supostamente baixo, embora esse dado não possa ser medido com clareza.[nota 10] Como os prestadores de serviços de saúde católicos estão entre os maiores cuidadores de pacientes com HIV/AIDS em todo o mundo, há controvérsia significativa dentro e fora da Igreja a respeito do uso de preservativos como um meio de limitar novas infecções, já que o uso de preservativos normalmente constitui uso contraceptivo proibido.[229]

Da mesma forma, a Igreja Católica se opõe à fertilização in vitro (FIV), dizendo que o processo artificial substitui o amor entre marido e mulher.[230] Além disso, opõe-se à fertilização in vitro porque pode causar o descarte de embriões; os católicos acreditam que um embrião é um indivíduo com uma alma que deve ser tratada como tal.[231] Por esse motivo, a igreja também se opõe ao aborto.[232]

Homossexualidade

 Ver artigo principal: Homossexualidade e catolicismo
 
O franciscano Richard Jonathan Cardarelli segura uma placa em apoio ao casamento entre pessoas do mesmo sexo em São Francisco, Estados Unidos

A Igreja Católica também ensina que "atos homossexuais" são "contrários à lei natural", "atos de grave depravação" e "sob nenhuma circunstância eles podem ser aprovados", mas que pessoas que experimentam tendências homossexuais devem receber respeito e dignidade. De acordo com o Catecismo da Igreja Católica:

O número de homens e mulheres com tendências homossexuais arraigadas não é desprezível. Essa inclinação, objetivamente desordenada, constitui para muitos deles uma provação. Eles devem ser aceitos com respeito, compaixão e sensibilidade. Todo sinal de discriminação injusta em relação a eles deve ser evitado. ... Os homossexuais são chamados à castidade. Pelas virtudes do autodomínio que lhes ensinam a liberdade interior, às vezes com o apoio da amizade desinteressada, da oração e da graça sacramental, eles podem e devem se aproximar gradual e resolutamente da perfeição cristã.[233]

Esta parte do Catecismo foi citada pelo Papa Francisco em uma entrevista à imprensa de 2013, na qual ele comentou, quando perguntado sobre um indivíduo:

Se uma pessoa é gay e busca ao Senhor e tem boa vontade, bem, quem sou eu para julgá-la?[234]

Essa observação e outras feitas na mesma entrevista foram vistas como uma mudança no tom, mas não na substância do ensino da igreja,[235] que inclui oposição ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. Certos grupos católicos dissidentes se opõem à posição da Igreja Católica e procuram mudá-la.[236]

Ordens sagradas e mulheres

 
Há uma sugestão controversa de que a mãe do Papa Pascoal I, a Episcopa Teodora, foi uma bispa católica.[237]

Mulheres e homens religiosos se envolvem em uma variedade de ocupações, da oração contemplativa, ao ensino, à prestação de cuidados de saúde e ao trabalho como missionários.[211][238]

Embora as ordens sagradas sejam reservadas aos homens, as mulheres católicas têm desempenhado diversos papéis na vida da Igreja, com institutos religiosos fornecendo um espaço formal para sua participação e conventos fornecendo espaços para seu autogoverno, oração e influência ao longo de muitos séculos. As freiras têm se envolvido extensivamente no desenvolvimento e funcionamento das redes mundiais de serviços de educação e saúde da Igreja.[239]

Os esforços de apoio à ordenação de mulheres ao sacerdócio levaram a várias decisões da Cúria Romana ou dos papas contra a proposta, como na Declaração sobre a Questão de Admissão de Mulheres ao Sacerdócio Ministerial (1976), Mulieris Dignitatem (1988) e Ordinatio sacerdotalis (1994). De acordo com a última decisão, encontrada em Ordinatio sacerdotalis, o Papa João Paulo II afirmou que a Igreja Católica "não se considera autorizada a admitir mulheres na ordenação sacerdotal".[240]

Em oposição a essas decisões, grupos contrários realizaram cerimônias que afirmam serem ordenações sacramentais (com, supostamente, um bispo católico ordenador nos primeiros casos), o que, de acordo com a lei canônica, são ilícitas e inválidas e consideradas meras simulações[241] do sacramento da ordenação.[242][nota 11] A Congregação para a Doutrina da Fé respondeu emitindo uma declaração esclarecendo que quaisquer bispos católicos envolvidos em cerimônias de ordenação para mulheres, bem como as próprias mulheres, se fossem católicas, receberiam automaticamente a pena de excomunhão (latae sententiae, literalmente "com a sentença já aplicada", ou seja, automaticamente), citando o cânone 1378 da lei canônica e outras leis da igreja.[243]

Casos de abuso sexual

 
Theodore Edgar McCarrick, o primeiro cardeal a ser exonerado por má conduta sexual

Desde a década de 1990, a questão do abuso sexual de menores por clérigos católicos e outros membros da igreja tornou-se objeto de litígio civil, processo criminal, cobertura da mídia e debate público em países ao redor do mundo. A Igreja Católica foi criticada por lidar com queixas de abuso quando se soube que alguns bispos haviam protegido padres acusados, transferindo-os para outras tarefas pastorais, onde alguns continuaram a cometer crimes sexuais. Em resposta ao escândalo, foram estabelecidos procedimentos formais para ajudar a prevenir abusos, incentivar a denúncia de qualquer abuso que ocorra e lidar com tais denúncias prontamente, embora os grupos representativos das vítimas tenham contestado sua eficácia.[244] Em 2014, o Papa Francisco instituiu a Comissão Pontifícia para a Proteção de Menores para a salvaguarda de menores.[245]

História

A religião cristã é baseada nos ensinamentos de Jesus Cristo, que viveu e pregou no século I na província da Judeia do Império Romano. A teologia católica ensina que a Igreja Católica contemporânea é a continuação dessa comunidade cristã primitiva estabelecida por Jesus.[5]

Era apostólica e papado

 
A Última Ceia, uma pintura mural de Leonardo da Vinci no final da década de 1490, representando a última ceia de Jesus e seus doze apóstolos na véspera de sua crucificação. A maioria dos apóstolos está enterrada em Roma, incluindo São Pedro.

O Novo Testamento, em particular os Evangelhos, registra as atividades e os ensinamentos de Jesus, sua nomeação dos doze apóstolos e sua Grande Comissão dos Apóstolos, instruindo-os a continuar seu trabalho.[98][246] O livro Atos dos Apóstolos, fala sobre a fundação da igreja cristã e a propagação de sua mensagem ao império romano.[247]

A Igreja Católica ensina que seu ministério público começou no Pentecostes, ocorrendo cinquenta dias após a data em que se acredita que Cristo ressuscitou.[248] No Pentecostes, acredita-se que os apóstolos tenham recebido o Espírito Santo, preparando-os para a missão de liderar a igreja.[249] A Igreja Católica ensina que o colégio dos bispos, liderado pelo Bispo de Roma, é o sucessor dos apóstolos.[250]

No relato da Confissão de Pedro, encontrada no Evangelho de Mateus, Cristo designa Pedro como a "rocha" sobre a qual a igreja de Cristo será construída.[251] A Igreja Católica considera o bispo de Roma, o papa, o sucessor de São Pedro. Alguns estudiosos afirmam que Pedro foi o primeiro bispo de Roma.[nota 12] Outros dizem que a instituição do papado não depende da ideia de que Pedro era bispo de Roma ou mesmo de ter estado em Roma.[252]

 
A comissão de Jesus a São Pedro

Muitos estudiosos sustentam que uma estrutura da igreja de presbíteros/bispos plurais persistiu em Roma até meados do século II quando a estrutura de um único bispo e presbíteros plurais foi adotada e que escritores posteriores aplicaram retrospectivamente o termo "bispo de Roma" aos membros mais proeminentes do clero no período anterior e também ao próprio Pedro. Nesta base, Oscar Cullmann,[253] Henry Chadwick[254] e Bart D. Ehrman[255] questionam se havia um vínculo formal entre Pedro e o papado moderno. Raymond E. Brown também diz que é anacrônico falar de Pedro em termos de bispo local de Roma, mas que os cristãos daquele período teriam encarado Pedro como tendo "papéis que contribuiriam de maneira essencial para o desenvolvimento da função do papado na igreja subsequente". Esses papéis, diz Brown, "contribuíram enormemente para a visão de que o bispo de Roma, o bispo da cidade onde Pedro morreu e onde Paulo testemunhou a verdade de Cristo, era o sucessor de Pedro no cuidado da igreja universal".[256]

Antiguidade e Império Romano

 Ver artigos principais: Primeiros centros do Cristianismo e Pentarquia
 
Desenho do século XIX da antiga Basílica de São Pedro, construída originalmente em 318 pelo imperador Constantino

As condições no Império Romano facilitaram a disseminação de novas ideias. A rede de estradas e hidrovias do império facilitou as viagens e a Pax Romana tornou tais viagens seguras. O império incentivou a disseminação de uma cultura comum com raízes gregas, que permitia que as ideias fossem mais facilmente expressas e compreendidas.[257]

Ao contrário da maioria das religiões do Império Romano, no entanto, o cristianismo exigia que seus seguidores renunciassem a todos os outros deuses, uma prática adotada no judaísmo (veja Idolatria). A recusa dos cristãos em participar de celebrações pagãs significava que eles eram incapazes de participar de grande parte da vida pública, o que fazia com que os não cristãos - incluindo as autoridades do governo - temessem que os cristãos estivessem irritando os deuses e, assim, ameaçando a paz e a prosperidade do Império. As perseguições resultantes foram uma característica definidora da autocompreensão cristã até que o cristianismo foi legalizado no século IV.[258]

Em 313, o Édito de Milão do imperador Constantino I legalizou o cristianismo e, em 330, Constantino mudou a capital imperial para Constantinopla, na moderna Istambul, Turquia. Em 380, o Édito de Tessalônica fez do cristianismo niceno a igreja estatal do Império Romano, uma posição que dentro do território decrescente do Império Bizantino persistiria até que o próprio império terminasse na queda de Constantinopla em 1453, enquanto em outros lugares a igreja era independente do império, como ficou particularmente claro com o Grande Cisma. Durante o período dos Sete Concílios Ecumênicos, cinco visões primárias emergiram, um arranjo formalizado em meados do século VI pelo imperador Justiniano I como a pentarquia de Roma, Constantinopla, Antioquia, Jerusalém e Alexandria.[259][260]

 
Ícone retratando Constantino e os Padres do Primeiro Concílio de Niceia (325). O texto mostrado é, no entanto, o Credo atribuído ao Primeiro Concílio de Constantinopla (381), com as alterações posteriores para uso na liturgia grega.

Em 451, o Concílio de Calcedônia, em um cânone de validade contestada,[261] elevou o Patriarcado de Constantinopla a uma posição "secundária em eminência e poder em relação ao bispo de Roma". De c. 350 a c. 500, os bispos, ou papas, de Roma, aumentavam constantemente sua autoridade através da intervenção consistente em apoio aos líderes ortodoxos nas disputas teológicas, o que incentivava apelos a eles.[262] O imperador Justiniano, que nas áreas sob seu controle estabeleceu definitivamente uma forma de cesaropapismo,[263] na qual "ele tinha o direito e o dever de regulamentar por suas leis os mínimos detalhes de culto e disciplina, e também de ditar as opiniões teológicas para[264] restabelecer o poder imperial sobre Roma e outras partes do Ocidente, iniciando o período denominado papado bizantino (537-752), durante o qual os bispos de Roma, ou papas, exigiam a aprovação do imperador em Constantinopla ou de seu representante em Ravena para a consagração, e a maioria era selecionada pelo imperador por seus súditos de língua grega,[265] o que resultava em um "caldeirão" das tradições cristãs ocidentais e orientais em arte e liturgia.[266]

A maioria das tribos germânicas que nos séculos seguintes invadiram o Império Romano adotaram o cristianismo em sua forma ariana, que a Igreja Católica declarava herética. A discórdia religiosa resultante entre governantes germânicos e súditos católicos foi evitada quando, em 497, Clovis I, o governante franco, se converteu ao catolicismo ortodoxo, aliando-se ao papado e aos mosteiros. Os visigodos na Espanha seguiram sua liderança em 589 e os lombardos na Itália no decorrer do século VII.[267]

O cristianismo ocidental, particularmente através de seus mosteiros, foi um fator importante na preservação da civilização clássica, com sua arte (ver iluminura) e alfabetização.[268][269] Através de sua Regra, Bento de Núrsia (c. 480-543), um dos fundadores do monaquismo ocidental, exerceu uma enorme influência sobre a cultura europeia através da apropriação da herança espiritual monástica da Igreja Católica e, com a difusão da tradição beneditina, através da preservação e transmissão da cultura antiga. Durante esse período, a Irlanda monástica tornou-se um centro de aprendizado e os primeiros missionários irlandeses, como Columbano e Columba, espalharam o cristianismo e estabeleceram mosteiros em toda a Europa continental.[1][2]

Idade Média e Renascença

 Ver artigos principais: Idade Média e Renascimento

A Igreja Católica foi a influência dominante na civilização ocidental desde a Antiguidade tardia até o início da era moderna.[4] Foi o principal patrocinador dos estilos românico, gótico, renascentista, maneirista e barroco em arte, arquitetura e música.[270] Figuras renascentistas, como Rafael, Michelangelo, Leonardo da Vinci, Botticelli, Fra Angelico, Tintoretto, Ticiano, Bernini e Caravaggio, são exemplos dos inúmeros artistas visuais patrocinados pela Igreja..[271] O historiador Paul Legutko, da Universidade Stanford, disse que a Igreja Católica está "no centro do desenvolvimento dos valores, ideias, ciências, leis e instituições que constituem o que chamamos de civilização ocidental".[272]

As invasões islâmicas maciças de meados do século VII iniciaram uma longa luta entre o cristianismo e o islamismo em toda a bacia do Mediterrâneo. O Império Bizantino logo perdeu as terras dos patriarcados orientais de Jerusalém, Alexandria e Antioquia e foi reduzido ao de Constantinopla, capital do império. Como resultado da dominação islâmica do Mediterrâneo, o Estado franco, centrado fora desse mar, conseguiu evoluir como o poder dominante que moldou a Europa Ocidental da Idade Média.[273]

As batalhas de Toulouse e Poitiers interromperam o avanço islâmico no Ocidente e o fracasso do cerco de Constantinopla o interrompeu no Oriente. Duas ou três décadas depois, em 751, o Império Bizantino perdeu para os lombardos a cidade de Ravena, da qual governava os pequenos fragmentos da Itália, incluindo Roma, que reconheciam sua soberania. A queda de Ravena significou que a confirmação de um exarca não mais existente não foi solicitada durante a eleição em 752 do papa Estêvão II e que o papado foi forçado a procurar outro poder civil para protegê-lo.[274]

 
Mapa dos Estados Papais (752 – 1870) na península itálica

Em 754, a pedido urgente do Papa Estêvão, o rei franco Pepino, o Breve, conquistou os lombardos. Ele então presenteou as terras do ex-exarcado ao papa, iniciando assim os Estados papais. Roma e o leste bizantino mergulhariam em mais conflitos durante o cisma de Fócio dos anos 860, quando Fócio criticou o ocidente latino da adição da cláusula filioque depois de ser excomungado por Nicolau I. Embora o cisma tenha sido reconciliado, questões não resolvidas levariam a uma divisão adicional.[275]

No século XI, os esforços de Hildebrando de Sovana levaram à criação do Colégio dos Cardeais para eleger novos papas, começando com o Papa Alexandre II na eleição papal de 1061. Quando Alexandre II morreu, Hildebrando foi eleito para sucedê-lo, como Papa Gregório VII. O sistema eleitoral básico do Colégio de Cardeais, que Gregório VII ajudou a estabelecer, continuou a funcionar no século XXI. O papa Gregório VII iniciou ainda as reformas gregorianas a respeito da independência do clero da autoridade secular. Isto levou à controvérsia das investiduras entre a Igreja e os imperadores romano-germânicos, sobre a qual havia autoridade para nomear bispos e papas.[276][277]

Em 1095, o imperador bizantino Aleixo I apelou ao Papa Urbano II por ajuda contra invasões muçulmanas renovadas nas guerras bizantino-seljúcidas,[278] que levou Urbano a lançar a Primeira Cruzada com objetivo de ajudar o Império Bizantino e devolver a Terra Santa ao controle cristão.[279] No século XI, relações tensas entre a igreja grega e a igreja latina as separaram no Grande Cisma, parcialmente devido a conflitos sobre a autoridade papal. A Quarta Cruzada e o saque de Constantinopla por cruzados renegados provaram a brecha final.[280]

 
O período renascentista foi uma era de ouro para a arte católica. Na foto: o teto da Capela Sistina pintado por Michelangelo.

No início do século XIII, as ordens mendicantes foram fundadas por Francisco de Assis e Domingos de Gusmão. Os studia conventualia e studia generalia das ordens mendicantes desempenharam um grande papel na transformação das escolas catedrais e palácios patrocinados pela Igreja, como a de Carlos Magno em Aachen, nas principais universidades da Europa.[281] Teólogos e filósofos escolásticos, como o padre dominicano Tomás de Aquino, estudaram e ensinaram nesses locais. A Summa Theologica de Tomás de Aquino foi um marco intelectual em sua síntese do legado de filósofos gregos antigos, como Platão e Aristóteles, com o conteúdo da revelação cristã.[282]

Um crescente sentimento de conflitos entre igreja e Estado marcou o século XIV. Para escapar da instabilidade em Roma, Clemente V, em 1309, tornou-se o primeiro dos sete papas a residir na cidade fortificada de Avinhão, no sul da França[283] durante um período conhecido como Papado de Avignon. O papado de Avignon terminou em 1376, quando o papa retornou a Roma,[284] mas foi seguido em 1378 pelo Grande Cisma do Ocidente, com requerentes do papado em Roma, Avinhão e (depois de 1409) em Pisa. A questão foi amplamente resolvida em 1415–17 no Concílio de Constança, com os requerentes em Roma e Pisa concordando em renunciar e o terceiro reclamante excomungado pelos cardeais, que realizaram uma nova eleição com a vitória de Martinho V.[285]

Em 1438, o Concílio de Florença se reuniu, apresentando um forte diálogo focado na compreensão das diferenças teológicas entre o Oriente e o Ocidente, com a esperança de reunir as igrejas católica e ortodoxa.[286] Várias igrejas orientais se reuniram, formando a maioria das igrejas católicas orientais.[287]

Era dos Descobrimentos

 Ver artigo principal: Era dos Descobrimentos
 
O convento de San Augustin, um centro missionário estabelecido em Yuriria, no México, em 1550

A Era dos Descobrimentos, iniciada no século XV, viu a expansão da influência política e cultural da Europa Ocidental em todo o mundo. Devido ao papel proeminente que as nações fortemente católicas de Espanha e Portugal desempenharam no colonialismo ocidental, o catolicismo se espalhou para as Américas, Ásia e Oceania por exploradores, conquistadores e missionários, bem como pela transformação das sociedades através dos mecanismos sociopolíticos do domínio colonial. O Papa Alexandre VI concedeu direitos coloniais sobre a maioria das terras recém-descobertas a Espanha e Portugal[288] e o sistema de patronato permitiu às autoridades estatais, e não ao Vaticano, controlar todos os compromissos clericais nas novas colônias.[289] Em 1521, o explorador português Fernão de Magalhães fez os primeiros convertidos católicos nas Filipinas.[290] Em outros lugares, missionários portugueses sob o jesuíta espanhol Francisco Xavier evangelizaram na Índia, China e Japão.[291] A colonização francesa, iniciada no século XVI, estabeleceu uma população francófona católica romana e proibiu os não católicos de se estabelecerem na Nova França (atual Canadá ).[292][293][294]

Reforma Protestante e Contrarreforma

 Ver artigos principais: Reforma Protestante e Contrarreforma
Martinho Lutero, originalmente um monge agostiniano, publicou as 95 Teses in 1517.

Em 1415, Jan Hus foi queimado na fogueira por heresia, mas seus esforços de reforma encorajaram Martinho Lutero, um monge agostiniano na Alemanha, que enviou suas noventa e cinco teses a vários bispos em 1517.[295] Suas teses protestaram contra pontos-chave da doutrina católica, bem como a venda de indulgências e, junto com o debate de Leipzig, isto levou à sua excomunhão em 1521.[296] Na Suíça, Úlrico Zuínglio, João Calvino e outros reformadores protestantes criticaram ainda mais os ensinamentos católicos. Esses desafios se desenvolveram até a Reforma Protestante, que deu origem à grande maioria das denominações protestantes[297] e também ao cripto-protestantismo dentro da Igreja Católica.[298] Enquanto isso, Henrique VIII solicitou ao papa uma declaração de nulidade a respeito de seu casamento com Catarina de Aragão. Quando o pedido foi negado, ele aprovou os Atos da Supremacia para torná-lo chefe da Igreja da Inglaterra, estimulando a Reforma Inglesa e o desenvolvimento do anglicanismo.[299]

A Reforma contribuiu para os confrontos entre a protestante Liga de Esmalcalda e o imperador católico Carlos V e seus aliados. A primeira guerra de nove anos terminou em 1555 com a Paz de Augsburgo, mas as tensões continuadas produziram um conflito muito mais grave - a Guerra dos Trinta Anos - que eclodiu em 1618. Na França, uma série de conflitos denominados Guerras Religiosas Francesas foi travada de 1562 a 1598 entre os huguenotes (calvinistas franceses) e as forças da Liga Católica Francesa, que foram apoiadas e financiadas por uma série de papas.[300] Isto terminou com o papa Clemente VIII, que hesitantemente aceitou o Édito de Nantes, proposto em 1598 pelo rei Henrique IV, concedendo tolerância civil e religiosa aos protestantes franceses.[301]

O Concílio de Trento (1545-1563) tornou-se a força motriz por trás da Contrarreforma em resposta ao movimento protestante. Em termos doutrinários, reafirmou os ensinamentos católicos centrais, como a transubstanciação e a exigência de amor e esperança, além de fé para alcançar a salvação.[302] Nos séculos seguintes, o catolicismo se espalhou amplamente por todo o mundo, em parte por meio de missionários e pelo imperialismo, embora seu domínio sobre as populações europeias tenha diminuído devido ao crescimento do ceticismo religioso durante e após o Iluminismo.[303]

Iluminação e período moderno

 Ver artigo principal: Iluminismo

A partir do século XVII, o Iluminismo questionou o poder e a influência da Igreja Católica sobre a sociedade ocidental.[304] No século XVIII, escritores como Voltaire e os Encyclopédistes escreveram críticas mordazes da religião e da Igreja Católica. Um alvo de suas críticas foi a revogação do Édito de Nantes em 1685 pelo rei Luís XIV da França, que encerrou uma política de um século de tolerância religiosa de huguenotes protestantes. À medida que o papado resistia aos impulsos pelo galicanismo, a Revolução Francesa de 1789 transferiu o poder para o Estado, causou a destruição de igrejas, o estabelecimento de um culto à razão[305] e o martírio de freiras durante o Terror. Em 1798, o general Louis-Alexandre Berthier de Napoleão Bonaparte invadiu a Península Italiana, aprisionando o papa Pio VI, que morreu em cativeiro. Napoleão mais tarde restabeleceu a Igreja Católica na França através da Concordata de 1801.[306] O fim das guerras napoleônicas trouxe o renascimento católico e o retorno dos Estados Papais.[307]

Em 1854, o papa Pio IX, com o apoio da esmagadora maioria dos bispos católicos, consultados entre 1851 e 1853, proclamou a Imaculada Conceição como um dogma na Igreja Católica.[308] Em 1870, o Primeiro Concílio Vaticano afirmou a doutrina da infalibilidade papal quando exercida em pronunciamentos especificamente definidos,[309][310] dando um golpe na posição rival do conciliarismo. A controvérsia sobre esta e outras questões resultou em um movimento separatista chamado Velha Igreja Católica.[311]

A Unificação Italiana da década de 1860 incorporou os Estados papais, incluindo a própria Roma a partir 1870, no Reino da Itália, terminando assim o poder temporal do papado. Em resposta, o papa Pio IX excomungou o rei Vítor Emanuel II, recusou o pagamento pela terra e rejeitou a Lei de Garantias, que lhe concedia privilégios especiais. Para evitar se sujeitar às autoridades italianas, ele permaneceu "prisioneiro no Vaticano"[312]

Século XX

O impasse sobre o status do Vaticano, que foi mencionado como a questão romana, foi resolvido pelos Tratado de Latrão de 1929, nos quais a Santa Sé reconheceu a soberania italiana sobre os antigos Estados Papais em troca de pagamento e o reconhecimento pela Itália da soberania papal sobre a Cidade do Vaticano como um novo Estado soberano e independente.[313]

 
Membros do 22.º Regimento Real Canadense em audiência com o Papa Pio XII, após a Libertação de Roma em 1944 durante a Segunda Guerra Mundial

A Lei de Calles de 1926, que separa igreja e Estado no México, levou à Guerra Cristero[314] na qual mais de três mil padres foram exilados ou assassinados,[314] igrejas profanadas, serviços ridicularizados, freiras estupradas e padres capturados baleados. Após a Revolução de Outubro de 1917, a perseguição à igreja e aos católicos na União Soviética continuou na década de 1930, com a execução e o exílio de clérigos, monges e leigos, o confisco de instrumentos religiosos e o fechamento de igrejas. Na Guerra Civil Espanhola de 1936-1939, a hierarquia católica aliou-se aos nacionalistas de Franco contra o governo da Frente Popular, citando como justificativa a violência republicana contra a igreja.[315] O papa Pio XI se referia a esses três países como um "triângulo terrível".[316][317]

Após violações do Reichskonkordat de 1933 entre a igreja e a Alemanha Nazista, o Papa Pio XI emitiu a encíclica Mit brennender Sorge de 1937, que condenou publicamente a perseguição dos nazistas à Igreja e sua ideologia de neopaganismo e superioridade racial.[318] A Igreja condenou a invasão da Polônia em 1939, que iniciou a Segunda Guerra Mundial e outras invasões nazistas na época da guerra. Milhares de padres, freiras e irmãos católicos foram presos e assassinados em todos os países ocupados pelos nazistas, incluindo os santos Maximiliano Kolbe e Edith Stein.[319] Apesar do Papa Pio XII ser creditado por ajudar a salvar centenas de milhares de judeus durante o Holocausto,[320] a igreja também foi acusada de ter incentivado séculos de antissemitismo por seus ensinamentos[321] e de não ter feito o suficiente para parar as atrocidades nazistas.[322]

Durante o período pós-guerra, os governos comunistas na Europa Oriental restringiram severamente as liberdades religiosas.[323] Apesar de alguns sacerdotes e religiosos colaborarem com regimes comunistas,[324] muitos outros foram presos, deportados ou executados. A Igreja foi um participante importante na queda do comunismo na Europa, particularmente na República Popular da Polônia.[325]

Em 1949, a vitória comunista na Guerra Civil Chinesa levou à expulsão de todos os missionários estrangeiros.[326] O novo governo também criou a Igreja Patriótica e nomeou seus bispos. Essas nomeações foram inicialmente rejeitadas por Roma antes que muitas delas fossem aceitas.[327] Nos anos 1960, durante a Revolução Cultural, os comunistas chineses fecharam todos os estabelecimentos religiosos. Quando as igrejas chinesas finalmente reabriram, elas permaneceram sob o controle da Igreja Patriótica. Muitos pastores e padres católicos continuaram sendo enviados à prisão por se recusarem a renunciar à lealdade a Roma.[328]

Concílio Vaticano II

 Ver artigo principal: Concílio Vaticano II
 
Bispos ouvem durante o Concílio Vaticano II

O Concílio Vaticano II (1962-1965) introduziu as mudanças mais significativas nas práticas católicas desde o Concílio de Trento, quatro séculos antes.[329] Iniciado pelo Papa João XXIII, esse concílio ecumênico modernizou as práticas da Igreja Católica, permitindo que a missa fosse dita em vernáculo (idioma local) e incentivando "uma participação plenamente consciente e ativa nas celebrações litúrgicas".[330] Ele pretendia tornar a Igreja mais próxima do mundo atual (aggiornamento), que foi descrito por seus seguidores como uma "abertura das janelas".[331] Além de mudanças na liturgia, levou a mudanças na abordagem da igreja ao ecumenismo[332] e a um apelo a melhores relações com as religiões não cristãs, especialmente o judaísmo, em seu documento Nostra aetate.[333]

O concílio, no entanto, gerou polêmica significativa na implementação de suas reformas: os defensores do "Espírito do Vaticano II", como o teólogo suíço Hans Küng, disseram que o Vaticano II "não foi longe o suficiente" para mudar as políticas da Igreja.[334] Católicos tradicionalistas, como o arcebispo Marcel Lefebvre, no entanto, criticaram fortemente o concílio, argumentando que suas reformas litúrgicas levaram "à destruição do Santo Sacrifício da Missa e dos sacramentos", entre outras questões.[335]

Vários ensinamentos da Igreja Católica foram submetidos a um exame minucioso, simultaneamente e após o concílio; entre eles estava o ensinamento da igreja sobre a imoralidade da contracepção. A recente introdução da contracepção hormonal (incluindo "a pílula"), que alguns acreditavam ser moralmente diferente dos métodos anteriores, levou João XXIII a formar um comitê para aconselhá-lo sobre as questões morais e teológicas do novo método.[336][337] Mais tarde, o papa Paulo VI expandiu o escopo do comitê para examinar livremente todos os métodos e o relatório final sugeria a permissão de pelo menos alguns métodos contraceptivos. Paulo não concordou com os argumentos apresentados e, por fim, publicou o Humanae vitae, dizendo que sustentava o ensino constante pela Igreja contra a contracepção e expressamente incluía métodos hormonais conforme proibido. Este documento gerou uma reação amplamente negativa de muitos católicos.[338]

João Paulo II

 Ver artigo principal: Papa João Paulo II
 
O Papa João Paulo II foi creditado como uma grande influência no fim da Guerra Fria e na queda do comunismo. Na imagem, o pontífice com o presidente estadunidense, Ronald Reagan, e sua esposa, Nancy, em 1982.

Em 1978, o papa João Paulo II, ex-arcebispo de Cracóvia na República Popular da Polônia, tornou-se o primeiro papa não italiano em 455 anos. Seu pontificado de 26 anos e meio foi um dos mais longos da história.[339] Mikhail Gorbachev, presidente da União Soviética, creditou o papa polonês por acelerar a queda do comunismo na Europa.[340]

João Paulo II procurou evangelizar um mundo cada vez mais secular. Ele instituiu a Jornada Mundial da Juventude como um "encontro mundial com o papa" para os jovens; agora ela é realizada a cada dois a três anos.[341] Ele viajou mais do que qualquer outro papa, visitando 129 países[342] e usou a televisão e o rádio como meio de espalhar os ensinamentos da Igreja. Ele também enfatizou a dignidade do trabalho e os direitos naturais dos trabalhadores de ter salários justos e condições seguras no Laborem exercens.[343] Ele também enfatizou vários ensinamentos da Igreja, incluindo exortações morais contra o aborto, a eutanásia e o uso generalizado da pena de morte no Evangelium Vitae.[344]

Século XXI

Em 2005, após a morte de João Paulo II, o Papa Bento XVI, chefe da Congregação para a Doutrina da Fé de João Paulo II, foi eleito. Ele era conhecido por defender os valores cristãos tradicionais contra a secularização[345] e por aumentar o uso da missa tridentina, como encontrado no Missal Romano de 1962.[346] Em 2012, no 50º aniversário do Vaticano II, uma assembleia do Sínodo dos Bispos discutiu a re-evangelização de católicos não praticantes no mundo desenvolvido.[347] Citando as fragilidades da idade avançada, Bento XVI renunciou em 2013, o primeiro papa a fazê-lo em quase 600 anos.[348]

Papa Francisco

 Ver artigo principal: Papa Francisco

O papa Francisco, o atual papa da Igreja Católica, sucedeu o papa Bento XVI em 2013 como o primeiro papa das Américas, o primeiro do Hemisfério Sul e o primeiro papa de fora da Europa desde o sírio Gregório III, que reinou no século VIII. O papa Francisco é reconhecido por seus esforços "para fechar ainda mais o afastamento de quase mil anos com as igrejas ortodoxas".[349]

Sua instalação contou com a presença do Patriarca Bartolomeu I de Constantinopla da Igreja Ortodoxa Oriental,[350] sendo a primeira vez desde o Grande Cisma de 1054 que o Patriarca Ecumênico Ortodoxo Oriental de Constantinopla participou de uma instalação papal.[351] Em 12 de fevereiro de 2016, o Papa Francisco e o Patriarca Cirilo I de Moscou, chefe da maior igreja ortodoxa oriental, se reuniram em Havana, Cuba, emitindo uma declaração conjunta pedindo a restauração da unidade dos cristãos entre as duas igrejas. Isso foi relatado como a primeira reunião de alto nível entre as duas igrejas desde o Grande Cisma de 1054.[352]

Em 2014, a Terceira Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos dirigiu o ministério da Igreja às famílias e casamentos e aos católicos em relacionamentos "irregulares", como aqueles que se divorciaram e se casaram fora da igreja sem declaração de nulidade.[353][354] Embora tenha sido acolhido por alguns, foi criticado por alguns pela ambiguidade, o que provocou controvérsias.[355] Em 2017, durante uma visita ao Egito, o Papa Francisco restabeleceu o reconhecimento mútuo do batismo com a Igreja Ortodoxa Copta.[356]

Ver também

Notas

  1. Embora a Igreja Católica se considere a continuação autêntica da comunidade cristã fundada por Jesus Cristo, ela ensina que outras igrejas e comunidades cristãs podem estar em comunhão imperfeita com a Igreja Católica.
  2. Citação de Santo Inácio aos Esmirna (c. 110 d.C.): "Onde quer que o bispo apareça, aí esteja o povo, assim como onde Jesus estiver, aí está a Igreja Católica."[13]
  3. Exemplos de uso de "católico romano" pela Santa Sé: as encíclicas Divini Illius Magistri Arquivado em 23 de setembro de 2010 no Wayback Machine. do Papa Pio XI e Humani generis Arquivado em 19 de abril de 2012 no Wayback Machine. do Papa Pio XII; declarações conjuntas assinadas pelo Papa Bento XVI e pelo Arcebispo de Canterbury Rowan Williams em 23 de novembro de 2006 Arquivado em 2 de março de 2013 no Wayback Machine. e Patriarca Bartolomeu I de Constantinopla em 30 de novembro de 2006.
  4. Exemplo de uso de católico "romano" por uma conferência de bispos: O Catecismo de Baltimore, um catecismo oficial autorizado pelos bispos católicos dos Estados Unidos, afirma: "É por isso que somos chamados de católicos romanos; para mostrar que somos unida ao verdadeiro sucessor de São Pedro "(Pergunta 118) e se refere à igreja como a "Igreja Católica Romana" nas perguntas 114 e 131 (Baltimore Catechism).
  5. A última renúncia ocorreu em 28 de fevereiro de 2013, quando Papa Bento XVI se aposentou, alegando problemas de saúde em sua idade avançada. A próxima renúncia mais recente ocorreu em 1415, como parte da resolução do Papado de Avignon do Concílio de Constança.[32]
  6. Em 1992, o Vaticano esclareceu que o Código de Direito Canônico de 1983 removeu a exigência de que os coroinhas fossem homens; a permissão para usar coroinhas dentro de uma diocese fica a critério do bispo.[68] e
  7. Outros conselhos que trataram dos sacramentos incluem o Segundo Concílio de Lyon (1274); Concílio de Florença (1439); bem como o Concílio de Trento (1547)
  8. Os casamentos envolvendo indivíduos não batizados são considerados válidos, mas não sacramentais. Embora os casamentos sacramentais sejam insolúveis, os casamentos não sacramentais podem ser dissolvidos em certas situações, como o desejo de se casar com um católico, sob privilégios paulinos ou petrinos.[182][183]
  9. Com relação ao divórcio nos Estados Unidos, segundo o Barna Group, entre todos os casados, 33% se divorciaram pelo menos uma vez; entre os católicos estadunidense, 28% (o estudo não rastreou anulações religiosas).[222]
  10. Em relação ao uso de planejamento familiar natural, em 2002, 24% da população dos Estados Unidos identificada como católica,[227] mas de acordo com um estudo de 2002 dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças sobre estadunidenses sexualmente ativos que evitavam a gravidez, apenas 1,5% usavam PFN.[228]
  11. De acordo com as sacerdotisas católicas romanas:"O principal bispo católico romano consagrado que ordenou nossas primeiras mulheres bispos é um bispo com sucessão apostólica dentro da Igreja Católica Romana em plena comunhão com o papa."[242]
  12. Enciclopédia Católica (ed.). «The Real Presence of Christ in the Eucharist». Consultado em 23 de janeiro de 2021 
    Com relação a Pedro como o primeiro bispo de Roma, "Não é, no entanto, difícil mostrar que o fato de seu bispado [de Pedro] é tão bem atestado a ponto de ser historicamente certo. Ao considerar este ponto, será bem para começar com o terceiro século, quando as referências a ela se tornam frequentes e retrocedem a partir deste ponto. Em meados do século III, São Cipriano expressamente designa a Sé Romana a Cátedra de São Pedro, dizendo que Cornélio conseguiu " o lugar de Fabiano que é o lugar de Pedro "(Ep 55: 8; cf. 59:14). Firmiliano de Cesaréia observa que Estêvão alegou decidir a controvérsia a respeito do rebatismo com base em que ele detinha a sucessão de Pedro (Cipriano, (Ep. 75:17). Ele não nega a afirmação: ainda, certamente, se ele fosse capaz, ele o teria feito. Assim, em 250, o episcopado romano de Pedro foi admitido por aqueles mais capazes de conhecer a verdade, não apenas em Roma, mas nas igrejas da África e da Ásia Menor. No primeiro quarto do século (a seguir ut 220) Tertuliano (De Pud. 21) menciona a afirmação de Callistus de que o poder de Pedro para perdoar pecados havia descido de uma maneira especial para ele. Se a Igreja Romana tivesse sido meramente fundada por Pedro e não o contasse como seu primeiro bispo, não poderia haver motivo para tal contenda. Tertuliano, como Firmiliano, tinha todos os motivos para negar a reivindicação. Além disso, ele mesmo residia em Roma, e saberia muito bem se a ideia de um episcopado romano de Pedro fosse, como afirmam seus oponentes, uma novidade que data dos primeiros anos do século III, suplantando a tradição mais antiga segundo o qual Pedro e Paulo foram co-fundadores e Linus primeiro bispo. Mais ou menos no mesmo período, Hipólito (pois Lightfoot está certo ao considerá-lo o autor da primeira parte do "Catálogo da Libéria" - "Clemente de Roma", 1: 259) considera Pedro na lista dos bispos romanos... "
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Catholic Church».

Referências

  1. Stanford, Peter. «Roman Catholic Church». BBC Religions. BBC. Consultado em 1 de fevereiro de 2017 
  2. «Presentation of the Pontifical Yearbook 2019 and the Annuarium Statisticum Ecclesiae 2017». Holy See Press Office. 6 de março de 2019. Consultado em 6 de março de 2019. Cópia arquivada em 7 de março de 2019 
  3. Mark A. Noll. The New Shape of World Christianity (Downers Grove, IL: IVP Academic, 2009), 191.
  4. a b O'Collins & Farrugia 2003, p. prefácio.
  5. a b c «Vatican congregation reaffirms truth, oneness of Catholic Church». Catholic News Service. Consultado em 23 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 10 de julho de 2007 
  6. Colin Gunton. "Christianity among the Religions in the Encyclopedia of Religion", Religious Studies, Vol. 24, número 1, página 14. Em uma revisão de um artigo da Encyclopedia of Religion, Gunton escreve: "[O] artigo [sobre o catolicismo na enciclopédia] sugere corretamente cautela, sugerindo desde o início que o catolicismo romano é marcado por várias ênfases doutrinárias, teológicas e litúrgicas diferentes."
  7. CCC, 1322–1327, Vatican.va: "a Eucaristia é a soma e síntese da nossa fé"
  8. «The Four Marian Dogmas». Catholic News Agency. Consultado em 25 de março de 2017 
  9. a b c Agnew. «Deus Vult: The Geopolitics of Catholic Church». Geopolitics. 15: 39–61. doi:10.1080/14650040903420388 
  10. John Meyendorff, Catholicity and the Church, St Vladimirs Seminary Press, 1997, ISBN 0-88141-006-3, p. 7
  11. Elwell & Comfort 2001, p. 266, 828.
  12. MacCulloch 2010, p. 127.
  13. a b Thurston, Herbert. The Catholic Encyclopedia. 3. Robert Appleton Company. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  14. «Cyril of Jerusalem, Lecture XVIII, 26». Tertullian.org. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  15. Edictum de fide catholica. webu2.upmf-grenoble.fr. Acessado em 23 de janeiro de 2021.
  16. "Eastern Orthodoxy", Encyclopædia Britannica online. Acessado em 23 de janeiro de 2021.
  17. "catholic, adj. and n." Oxford English Dictionary Online. Oxford University Press, Junho de 2014. Web. 7 de agosto de 2014. Trecho: "Após a separação do Oriente e do Ocidente, 'católico' foi assumido como epíteto descritivo pela Igreja Ocidental ou Latina, como 'Ortodoxo' pelo oriental ou grego. Na Reforma, o termo 'Católico' foi reivindicado como seu direito exclusivo do corpo que permanece sob a obediência romana, em oposição às Igrejas Nacionais 'Protestantes' ou 'Reformadas'. Estas, no entanto, também mantiveram o termo, dando-lhe, na sua maioria, um sentido mais amplo e ideal ou absoluto , como o atributo de nenhuma comunidade única, mas apenas de toda a comunhão dos salvos e santos em todas as igrejas e eras. Na Inglaterra, foi afirmado que a Igreja, mesmo como reformada, era o ramo nacional da 'Igreja Católica' em seu sentido histórico adequado."
  18. McBrien, Richard (2008). The Church. Harper Collins. p. xvii. Online version available Browseinside.harpercollins.com Arquivado em 27 de agosto de 2009 no Wayback Machine.. Citação: "O uso do adjetivo 'Católico' como um modificador de 'Igreja' tornou-se divisivo apenas após o Cisma Ocidente-Oriente ... e a Reforma Protestante. ... No primeiro caso, a Igreja Ocidental afirmou para si mesma o título de Igreja Católica , enquanto o Oriente se apropria do nome de Igreja Ortodoxa. Neste último caso, aqueles em comunhão com o Bispo de Roma mantiveram o adjetivo "Católica", enquanto as igrejas que romperam com o papado foi chamado de protestante."
  19. «Roman Catholic, n. and adj.». Oxford English Dictionary. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  20. The Vatican. Documentos do Concílio Vaticano II Arquivado em 5 de junho de 2004 no Wayback Machine.. Acessado em 4 de maio de 2009.
  21. Encíclicas papais (ed.). «Decretos do Concílio Vaticano I». Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  22. "The Bull of Indiction of the Sacred Oecumenical and General Council of Trent under the Sovereign Pontiff, Paul III." The Council of Trent: The Canons and Decrees of the Sacred and Oecumenical Council of Trent. Ed. and trans. J. Waterworth. London: Dolman, 1848. Retrieved from History.Hanover.edu, 12 de setembro de 2018.
  23. «Catholic Encyclopedia: Roman Catholic». www.newadvent.org. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  24. «Kenneth D. Whitehead». www.ewtn.com. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  25. «Christ's Faithful – Hierarchy, Laity, Consecrated Life: The episcopal college and its head, the Pope». Libreria Editrice Vaticana. 1993. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  26. «Habemus Papam! Cardinal Bergoglio Elected Pope Francis». News.va. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  27. Pelikan, Jaroslav (1985). Christian Tradition: A History of the Development of Doctrine, Volume 4: Reformation of Church and Dogma (1300–1700). University of Chicago Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-226-65377-8. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  28. Robert Feduccia (editor), Primary Source Readings in Catholic Church History (Saint Mary's Press 2005 ISBN 978-0-88489-868-9), p. 85. Accessed at Google Books
  29. «Vatican City State – State and Government». Vaticanstate.va 
  30. British Foreign and Commonwealth Office. "Country Profile: Vatican City State/Holy See". Travel and Living Abroad, 27 de fevereiro de 2012. Acessado em 26 de junho de 2012 Arquivado em 31 de dezembro de 2010 no Wayback Machine.
  31. McDonough 1995, p. 227.
  32. Duffy 1997, p. 415.
  33. Duffy 1997, p. 416.
  34. Duffy 1997, p. 417–418.
  35. Black's Law Dictionary, 5th Edition, pg. 771: "Jus canonicum"
  36. Della Rocca, Manual of Canon Law, p. 3.
  37. Berman, Harold J. Law and Revolution, pp. 86, 115.
  38. Edward N. Peters, CanonLaw.info Home Page, acessado em 11 de junho de 2013.
  39. Raymond Wacks, Law: A Very Short Introduction, 2nd Ed. (Oxford University Press, 2015) p. 13.
  40. Canône 331, Código de Direito Canônico de 1983. Vaticano. Acessado em 23 de janeiro de 2021.
  41. Edward N. Peters, "A Catechist's Introduction to Canon Law", CanonLaw.info. Acessado em 11 de junho de 2013.
  42. Manual de Direito Canônico, pg. 49
  43. «Code of Canon Law: text – IntraText CT». www.intratext.com. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  44. St. Joseph Foundation newsletter, Vol. 30 No. 7, pg. 3
  45. Pink. «Conscience·and·Coercion». The Institute on Religion and Public Life. Consultado em 23 de janeiro de 2021. O Código de Direito Canônico de 1983 ainda ensina que a Igreja tem autoridade coercitiva sobre os batizados, com autoridade para dirigir e punir, tanto por penas temporais quanto espirituais, por apostasia culposa ou heresia. 
  46. Beal, John P. (2000). New Commentary on the Code of Canon Law. Paulist Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-8091-4066-4 
  47. «Agreement between the Holy See and the Republic of Malta on the recognition of civil effects to canonical marriages and to the decisions of the ecclesiastical authorities and tribunals about the same marriages». Vatican.va. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  48. «Code of Canon Law: Book I General Norms (1–6)». Intratext Library 
  49. «Código dos Cânones das Igrejas Orientais de 1990, Cânone 1». jgray.org. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  50. Ronald G. Roberson. «Eastern Catholic Churches Statistics 2010». CNEWA 
  51. a b Colin Gunton. "Christianity among the Religions in the Encyclopedia of Religion", Religious Studies, Vol. 24, número 1, p. 14. Em uma revisão de um artigo da Enciclopédia da Religião , Gunton escreve" ... [ O artigo [sobre o catolicismo na enciclopédia] sugere corretamente cautela, sugerindo desde o início que o catolicismo romano é marcado por "várias ênfases doutrinárias e teológicas diferentes".."
  52. «Orientalium Ecclesiarum». Concílio Vaticano II. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  53. Kevin R. Yurkus. «The Other Catholics: A Short Guide to the Eastern Catholic Churches». Catholic Education Resource Center 
  54. "General Essay on Western Christianity", "Western Church/Roman Catholicism" Overview of World Religions. Division of Religion and Philosophy, University of Cumbria. 1998/9 ELMAR Project. Acessado em 26 de março de 2015.
  55. «Código de Cânones para as Igrejas Orientais, Título 2». intratext.com. 1992. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  56. «Malankara Catholic Church sui iuris: Juridical Status and Power of Governance». Scribd 
  57. "CCEO, Canônes 55–150". Intratext.com. 1990. Acessado em 23 de janeiro de 2021.
  58. "CCEO, Canônes 151–154". 1990.
  59. "CCEO, Canônes 155–173". 1990. Acessado em 23 de janeiro de 2021.
  60. "CCEO, Canônes 174–176". 1990. Acessado em 23 de janeiro de 2021.
  61. "CCEO, Canônes 27–28.". Intratext.com. 1990. Acessado em 23 de janeiro de 2021.
  62. «Congregation for the Oriental Churches: Profile». Vatican.va. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  63. Vaticano, Annuario Pontificio per l'anno 2009, p. 1172. (Città di Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, 2010
  64. Annuario Pontifico per l'anno 2010 (Città di Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, 2010)
  65. Barry, p. 52
  66. "Canône 519". Código de Direito Canônico de 1983. Intratext.com: "O pároco é o próprio clérigo responsável pela congregação da paróquia que lhe foi confiada. Ele exerce a pastoral da comunidade que lhe foi confiada, sob a autoridade do bispo diocesano, cujo ministério de Cristo é chamado a partilhar, para que esta comunidade desempenhe as funções de ensino, santificação e governo. com a colaboração de outros sacerdotes ou diáconos e com a assistência de fiéis leigos de Cristo, de acordo com a lei."
  67. «Laudato Si» Winter ed. Vermont Catholic. 8 }
  68. a b Acta Apostolicae Sedis 86 (1994) pp. 541–542 (Official Latin Arquivado em 21 de julho de 2015 no Wayback Machine.; English translation)
  69. a b Vaticano (ed.). «Canône 573–746». Código de Direito Canônico de 1983. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  70. «Google Scholar». scholar.google.com 
  71. Cafardi, Nicolas P. "Catholic Law Schools and Ex Corde Ecclesiae", Theological Exploration, vol. 2. no. 1 of Duquesne University and in Law Review of University of Toledo, vol. 33
  72. «Revista Turismo - BASÍLICA NACIONAL DE APARECIDA DO NORTE - SP». Revista Turismo. Consultado em 9 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 21 de novembro de 2008 
  73. Chryssides, George D.; Wilkins, Margaret Z. (2014). Christians in the Twenty-First Century. [S.l.: s.n.] ISBN 9781317545583. Roughly half of all Christians worldwide are Roman Catholics 
  74. a b «Pubblicazione dell'Annuario Pontificio e dell'Annuario Statistico della Chiesa, 25.03.2020» (em italiano). Holy See Press Office. 25 de março de 2020. Consultado em 12 de maio de 2020. Cópia arquivada em 12 de maio de 2020 
  75. a b «Pontifical Yearbook 2016 and the Annuarium Statisticum Ecclesiae 2014: dynamics of a Church in transformation». press.vatican.va 
  76. «News – Agenzia Fides». www.fides.org. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  77. Vaticano (ed.). «The teaching office». Catechism of the Catholic Church. Consultado em 23 de janeiro de 2021. 889, para conservar a Igreja na pureza da fé transmitida pelos apóstolos, Cristo que é a Verdade, quis conferir-lhe a participação na sua própria infalibilidade. 
  78. Concílio Vaticano II. Vaticano, ed. «Capítulo III, parágrafo 25». Lumen Gentium. Consultado em 23 de janeiro de 2021. pela luz do Espírito Santo ... vigilantemente afastando quaisquer erros que ameacem seu rebanho. 
  79. «CCC, 80–81». Vatican.va 
  80. Paul VI (1964). Vaticano, ed. «Lumen Gentium, capítulo 2, parágrafo 14». Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  81. Vaticano (ed.). «The teaching office». Catechism of the Catholic Church. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  82. «CCC, 85–88». Vatican.va. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  83. Schreck 1999, p. 15–19.
  84. Schreck, p. 30
  85. Marthaler, preface
  86. João Paulo II (1997). «Laetamur Magnopere». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  87. «CCC, 232–237, 252». p. 232–237, 252. Consultado em 21 de março de 2015 
  88. Kreeft 2001, p. 71–72.
  89. «Greek and Latin Traditions on Holy Spirit». ewtn.com. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  90. «Catechism of the Catholic Church – IntraText – CCC 248». vatican.va 
  91. Vaticano (ed.). «CCC, 245–248». p. 245–248. Consultado em 7 de agosto de 2014 
  92. William Cardinal Levada. «Responses to Some Questions Regarding Certain Aspects of the Doctrine of the Church». Congregation for the Doctrine of the Faith 
  93. «Pastoral Constitution on the Church in the Modern World GAUDIUM ET SPES § 45». Vatican.va 
  94. Felici (ed.). «DOGMATIC CONSTITUTION ON THE CHURCH LUMEN GENTIUM». Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  95. Parágrafo 2, segunda frase: «Dignitatis humanae». Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  96. «Catechism of the Catholic Church – IntraText – Canône, 811». vatican.va. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  97. Kreeft 2001, p. 98, 980.
  98. a b Bokenkotter 2004, p. 30.
  99. a b Barry 2001, p. 46.
  100. Canônes, 880 Arquivado em 6 de setembro de 2010 no Wayback Machine.. Vaticano. Acessado em 20 de agosto de 2011.
  101. Schreck 1999, p. 131.
  102. Epístola aos Colossenses, 1.18
  103. Barry 2001, p. 26.
  104. Vaticano (ed.). «The paschal mystery in the sacraments of the church». Compendium of the Catechism of the Catholic Church. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  105. Schreck 1999, p. 397.
  106. Vaticano (ed.). «Canônes 1038–1041». Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  107. Vaticano (ed.). «Canônes 1023–29, 1042–50». Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  108. «Saints' Prayers for Souls in Purgatory». Ewtn.com. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  109. Vaticano (ed.). «Canônes 1033–37, 1057». Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  110. Vaticano (ed.). «Canônes 1058». Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  111. Vaticano (ed.). «Canônes 1037». Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  112. Bíblia (ed.). «Lucas 23:39–43». Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  113. «Library : The Hope of Salvation for Infants Who Die Without Being Baptized». Catholic Culture. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  114. Vaticano (ed.). «Canônes 816». Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  115. "Christ's Church Subsists in the Catholic Church". ewtn.com. Acessado em 27 de agosto de 2015.
  116. Fernando Ocáriz (21 de dezembro de 2005). ewtn.com, ed. «Christ's Church Subsists in the Catholic Church». Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  117. Fanning, William (1913). Enciclopédia Católica, ed. «Baptism». Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  118. Wilson, Douglas; Fischer, Ty (2005). Omnibus II: Church Fathers Through the Reformation. Veritas Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-932168-44-0. The word 'hallow' means 'saint,' in that 'hallow' is just an alternative form of the word 'holy' ('hallowed be Thy name'). 
  119. Diehl, Daniel; Donnelly, Mark (2001). Medieval Celebrations. Stackpole Books. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-8117-2866-9. The word hallow was simply another word for saint. 
  120. A beatificação, na presente disciplina, difere da canonização nisto: que a primeira implica (1) uma permissão localmente restrita, não universal, para venerar, que é (2) uma mera permissão, e nenhum preceito; enquanto a canonização implica um preceito universal" (Beccari, Camillo. "Beatification and Canonization". The Catholic Encyclopedia. Vol. 2. New York, New York: Robert Appleton Company, 1907. Acessado em 27 de maio de 2009.).
  121. Carroll, Michael P. (1989). Catholic Cults and Devotions: A Psychological Inquiry. McGill-Queen's University Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-7735-0693-0 
  122. «Catholic Prayers, Novenas, Prayers of Jesus, Marian Prayers, Prayers of the Saints». EWTN. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  123. «Popular Devotions». New Advent. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  124. «Pilgrimages». New Advent. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  125. Knight. LA Times, ed. «Art Review : Images of 'Santos': Fascinating Portrait of Catholic Devotion». Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  126. Sacrosanctum Concilium, p. 13
  127. «Papa Bento XVI. 1 de janeiro de 2012 - Festa da Solenidade da Bem-Aventurada Virgem Maria». Vatican.va. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  128. a b Barry 2001, p. 106.
  129. Schaff, Philip (2009). The Creeds of Christendom. ISBN 1-115-46834-0, p. 211.
  130. Schreck 1999, p. 199–200.
  131. Barry 2001, p. 122–123.
  132. Schreck 1999, p. 368.
  133. «World's most-visited religious destinations». USA Today. 21 de dezembro de 2007. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  134. Kreeft 2001, p. 298–299.
  135. «Canône, 1210–1211». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  136.   Herbermann, Charles, ed. (1913). «Sacraments». Enciclopédia Católica (em inglês). Nova Iorque: Robert Appleton Company 
  137. «CoCC 291». Vaticano. Para receber a Sagrada Comunhão é preciso estar totalmente incorporado à Igreja Católica e estar em estado de graça, ou seja, não ter consciência de estar em pecado mortal. Quem está consciente de ter cometido um pecado grave, deve primeiro receber o sacramento da Reconciliação antes de ir à comunhão. Também é importante para quem recebe a Sagrada Comunhão o espírito de recolhimento e oração, a observância do jejum prescrito pela Igreja e uma disposição adequada do corpo (gestos e vestimentas) como sinal de respeito a Cristo. 
  138. a b Kreeft 2001, p. 326.
  139. Kreeft 2001, p. 331.
  140. «Canônes, 1400–1401». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  141. «Principles and Norms on Ecumenism – 132». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  142. «Canônes, 1400». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  143. «Canônes, 1399». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  144. «Canônes, 1275». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  145. «Canônes, 1263». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  146. «Canônes, 1267». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  147. «Canônes, 1282». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  148. «Canônes, 1250». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  149. Lazowski, Philip (2004). Understanding Your Neighbor's Faith: What Christians and Jews Should Know About Each Other. KTAV Publishing House. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-88125-811-0. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  150. «Canônes, 1272». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  151. «Canônes, 1256». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  152. «CCC, 1285». Vatican.va. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  153. Intratext.com (ed.). «Canône 883». Código de Direito Canônico de 1983. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  154. «CCEO, Canon 695». Intratext.com. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  155. Vaticano (ed.). «Canône 891». Código de Direito Canônico de 1983. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  156. «Compendium of the CCC, 267». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  157. «Council of Florence: Bull of union with the Armenians». Ewtn.com. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  158. «Catechism of the Catholic Church – IntraText – CCC 1310». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  159. «CCC, 1322–1324». Vatican.va 
  160. «Catholic Activity: Preparing for First Holy Communion». Catholicculture.org. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  161. «Canônes, 1365–1372». Vaticano. 1365 Por ser a memória da Páscoa de Cristo, a Eucaristia é também um sacrifício, portanto, no texto ritual da Missa, o sacerdote pede à congregação presente: “Rogai, irmãos e irmãs, que este sacrifício meu e o vosso seja aceitável a Deus, o Pai Todo-Poderoso. " o caráter sacrificial da Eucaristia se manifesta nas próprias palavras da instituição: "Este é o meu corpo que foi dado por você" e "Este cálice que foi derramado por você é a Nova Aliança em meu sangue". [Lc 22: 19-20.] Na Eucaristia, Cristo nos dá o próprio corpo que deu por nós na cruz, o próprio sangue que "derramou por muitos para remissão dos pecados". [Mateus 26:28.] 
  162. Vaticano (ed.). «Compendium of the CCC, 309». p. 1392–1395. Consultado em 23 de novembro de 2014 
  163. «Compendium of the CCC, 296». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  164. «Compendium of the CCC, 297». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  165. «Compendium of the CCC, 302–303». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  166. «Compendium of the CCC, 304–306». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  167. «Compendium of the CCC, 309». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  168. «Compendium of the CCC, 316». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  169. «Compendium of the CCC, 319». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  170. Enciclopédia Católica (ed.). «Extreme Unction». Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  171. «Canône 1534». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  172. «Canône 1535». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  173. Vatican.va (ed.). «Canône 1008–1009». Código de Direito Canônico de 1983. Consultado em 23 de janeiro de 2021  (As modified by the 2009 motu proprio Arquivado em 16 de junho de 2011 no Wayback Machine. Omnium in mentem)
  174. Karl Keating, "What Catholics Really Believe: Setting the Record Straight: Chapter 46: Priestly Celibacy". ewtn.com. Acessado em 27 de agosto de 2015.
  175. «Bishop's Quiet Action Allows Priest Both Flock And Family». The New York Times. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  176. Canône 1031 Arquivado em 21 de fevereiro de 2008 no Wayback Machine. Direito Canônico da Igreja Católica. Acessado em 9 de março de 2008.
  177. Canône 1037 Arquivado em 18 de fevereiro de 2008 no Wayback Machine., Direito Canônico da Igreja Católica. Acessado em 9 de março de 2008.
  178. Committee on the Diaconate. «Frequently Asked Questions About Deacons». United States Conference of Catholic Bishops 
  179. Canône 42 Direito Canônico da Igreja Católica. Acessado em 9 de março de 20088.
  180. Canône 375 Arquivado em 19 de fevereiro de 2008 no Wayback Machine., Direito Canônico da Igreja Católica. Acessado em 9 de março de 2008.
  181. Barry 2001, p. 114.
  182. a b Rev. Mark J. Gantley. "Petrine or Pauline Privilege". EWTN Global Catholic Network. 3 de setembro de 2004. Acessado em 15 de novembro de 2014.
  183. a b "Canône 1141–1143". Código de Direito Canônico de 1983. Catholicdoors.com. Acessado em 23 de janeiro de 2021.
  184. «Canône, 1631». Vatican.va. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  185. «Canône, 1629». Vatican.va. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  186. "CCEO, Canon 28 § 1". Vatican.va (official text Arquivado em 4 de junho de 2011 no Wayback Machine.). Intratext.com. 1990. Trecho: "Ritus est patrimonium liturgicum, theologicum, spirituale et disciplinare cultura ac rerum adiunctis historiae populorum distinctum, quod modo fidei vivendae uniuscuiusque Ecclesiae sui iuris proprio exprimitur." (O rito é o patrimônio litúrgico, teológico, espiritual e disciplinar, diferenciado pela cultura dos povos e pelas circunstâncias históricas, que se expressa na própria maneira de viver a fé de cada Igreja sui iuris.).
  187. «Catechism of the Catholic Church – IntraText – 1362–1364». vatican.va. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  188. Dobszay, Laszlo (2010). «3». The Restoration and Organic Development of the Roman Rite. T&T Clark International. New York: [s.n.] pp. 3–5. ISBN 978-0-567-03385-7 
  189. Carta do Papa Bento XVI aos bispos em 7 de julho de 2007 Arquivado em 29 de setembro de 2010 no Wayback Machine. "A última versão do Missale Romanum anterior ao Concílio, que foi publicado com a autoridade do Papa João XXIII em 1962 e usado durante o Concílio, agora poderá ser usado como a Forma extraordinaria da celebração litúrgica. [...] Quanto ao uso do Missal de 1962 como uma forma extraordinaria da liturgia da Missa, gostaria de chamar a atenção para o fato de que este Missal nunca foi juridicamente revogado e, conseqüentemente, em princípio , sempre foi permitido." — Pope Benedict XVI
  190. «Instruction on the application of the Apostolic Letter Summorum Pontificum of His Holiness Pope Benedict XVI given Motu Proprio». vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  191. BBC (ed.). «BBC Religions: What is the Tridentine Mass?». Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  192. Summorum Pontificum (English translation Arquivado em 1 de janeiro de 2015 no Wayback Machine.). 7 de julho de 2007. Acessado em 25 de março de 2015
  193. Apostolic Constitution of Pope Benedict XVI: "Anglicanorum Coetibus: Providing for Personal Ordinariates for Anglicans Entering into Full Communion with the Catholic Church" Arquivado em 27 de outubro de 2014 no Wayback Machine.. 4 de novembro de 2009. Acessado em 21 de julho de 2011.
  194. «Latest News – Personal Ordinariate of Our Lady of Walsingham». ordinariate.org.uk. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  195. «News Headlines». www.catholicculture.org. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  196. «Mozarabic Rite». New Advent. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  197. «Western Catholic Liturgics/Early Western Liturgics». Liturgica.com. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  198. «Quo primum». New Advent. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  199. Wikisource (ed.). «Catholic Encyclopedia (1913)/Eastern Churches». Consultado em 23 de janeiro de 2021  "Igrejas Católicas Orientais"; Trecho: "A definição de um católico de rito oriental é: um cristão de qualquer igrejas católicas orientais em união com o papa: isto é, um católico que não pertence aos romanos, mas a um rito oriental. Eles diferem de outros cristãos orientais por estarem em comunhão com Roma, e dos latinos por terem outros ritos"
  200. «CCEO, Canône 40». Intratext.com. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  201. Parry; David Melling, eds. (1999). The Blackwell Dictionary of Eastern Christianity. Blackwell Publishing. Malden, MA: [s.n.] ISBN 978-0-631-23203-2 
  202. «Eastern Rite Catholicism» (PDF). Catholic Conference of Kentucky. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  203. «Compendium of the CCC, 388». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  204. Vatican.va (ed.). «Canône 222 § 2». Código de Direito Canônico de 1983. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  205. «Pope Francis, in Sweeping Encyclical, Calls for Swift Action on Climate Change». The New York Times. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  206. «The Pope's Ecological Vow». Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  207. «Catholic hospitals comprise one quarter of world's healthcare, council reports». Catholic News Agency. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  208. «Catholic Education» (PDF). Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  209. «Laudato Si». Vermont Catholic. 8. Consultado em 23 de janeiro de 2021 }
  210. Gardner, Roy; Lawton, Denis; Cairns, Jo (2005), Faith Schools, ISBN 978-0-415-33526-3, Routledge, p. 148 
  211. a b Zieglera. «Nuns Worldwide». Catholic World Report. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  212. «Vocations Online Internet Directory of Women's Religious Communities». Joliet Diocese Vocation Office. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  213. «Press Release – The Nobel Peace Prize 1979». Nobelprize.org 
  214. «Press Release – Nobel Peace Prize». Nobelprize.org. 1996. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  215. «International Catholic Peacebuilding Organizations (directory)». Catholic Peacebuilding Network. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  216. Vatican.va (ed.). «CCC, Parte 3, Seção 2, Capítulo 2, Artigo: O Sexto Mandamento». Consultado em 23 de janeiro de 2021. 2332: A sexualidade afeta todos os aspectos da pessoa humana na unidade de seu corpo e alma. Diz respeito especialmente à afetividade, à capacidade de amar e procriar e, de uma forma mais geral, à aptidão para formar laços de comunhão com os outros. 
  217. «Church teaching about contraception». Diocese Católica Romana de Helena. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  218. a b Paulo VI (1968). «Humanae vitae». Vaticano. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  219. New York Times, Pope Says Church Is 'Obsessed' With Gays, Abortion and Birth Control. Acessado em 23 de janeiro de 2021
  220. CNN, Pope hands GOP climate change dilemma. Acessado em 23 de janeiro de 2021.
  221. Soule (2009). «Preserving the Sanctity of Marriage» (PDF). Knights of Columbus. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  222. «New Marriage and Divorce Statistics Released». Barna Group. 2008. Consultado em 23 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2014 
  223. «Divorces rising in Catholic Europe». Los Angeles Times. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  224. Bokenkotter 2004, p. 27, 154, 493–494.
  225. A summary and restatement of the debate is available in Roderick Hindery. "The Evolution of Freedom as Catholicity in Catholic Ethics." Anxiety, Guilt, and Freedom. Eds. Benjamin Hubbard and Brad Starr, UPA, 1990.
  226. Catholics for a Choice (1998). «A Matter of Conscience: Catholics on Contraception» (PDF). Catholics for a Choice 
  227. Largest Religious Groups in the USA. Acessado em 13 de novembro de 2005.
  228. Chandra, A; Martinez GM; Mosher WD; Abma JC; Jones J. (2005). «Fertility, Family Planning, and Reproductive Health of U.S. Women: Data From the 2002 National Survey of Family Growth» (PDF). National Center for Health Statistics. Vital and Health Statistics. 23 (25). Consultado em 20 de maio de 2007  ver tabela 56.
  229. «Pope speaks out on condoms». The Catholic Leader. CNS. Consultado em 23 de janeiro de 2021. A declaração do Papa Bento XVI de que a distribuição de preservativos apenas aumenta o problema da AIDS é a mais recente e uma das declarações mais fortes em um debate acalorado dentro da igreja ... ele foi questionado se a abordagem da igreja para a prevenção da AIDS - que se concentra principalmente na responsabilidade sexual e rejeita campanhas de preservativos - era irreal e ineficaz. ... O papa não entrou na questão específica de se, em certas circunstâncias, o uso do preservativo era moralmente lícito ou ilícito na prevenção da AIDS, uma questão que ainda está sendo estudada pelos teólogos do Vaticano. 
  230. «Pope Benedict XVI Declares Embryos Developed For In Vitro Fertilization Have Right To Life», Medical news today, consultado em 23 de janeiro de 2021, cópia arquivada em 29 de dezembro de 2008 
  231. Allen, John L., The Future Church: How Ten Trends are Revolutionizing the Catholic Church, p. 223.
  232. Ertelt. «Catholic Church Issues Condemnation of Abortion, In-Vitro Fertilization». Life News Site. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  233. «Catecismo da Igreja Católica - o sexto mandamento». Consultado em 2 de agosto de 2013 
  234. Catholic News Agency, ed. (5 de agosto de 2013). «Transcrição completa dos comentários de Pope a bordo da imprensa lançada». Consultado em 12 de outubro de 2013 
  235. «Pope on gays: A shift in tone, not substance». CNN 
  236. Fontes sobre a oposição à posição da igreja sobre homossexualidade:
  237. Ute E. Eisen, Women Officeholders in Early Christianity: Epigraphical and Literary Studies, (2000), p204
  238. «Europe | Catholic nuns and monks decline». BBC News. 5 de fevereiro de 2008. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  239. «Nuns, a 'Dying Breed,' Fade From Leadership Roles at Catholic Hospitals». The New York Times 
  240. Apostolic Letter Ordinatio Sacerdotalis de João Paulo II aos bispos da Igreja Católica sobre a reserva da ordenação sacerdotal somente para homens Arquivado em 25 de novembro de 2015 no Wayback Machine. Copyright 1994 Libreria Editrice Vaticana. Acessado em 25 de março de 2015
  241. Vaticano (ed.). «Canône 1379». Código de Direito Canônico de 1983. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  242. a b "Ordinations: Response Regarding Excommunication Decree". 2011 Roman Catholic Womenpriests-USA, Inc. Acessado em 5 de junho de 2011
  243. "Vatican decrees excommunication for participation in 'ordination' of women", Catholic News Agency. 29 de maio de 2008. Acessado em 6 de junho de 2011.
  244. David Willey (15 de julho de 2010). «Vatican 'speeds up' abuse cases». BBC News. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  245. «Comunicato della Sala Stampa: Istituzione della Pontificia Commissione per la Tutela dei Minori». Santa Sé. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  246. Kreeft 2001, p. 980.
  247. Bruni & Burkett 2002, p. 263.
  248. Barry, p. 46.
  249.   Herbermann, Charles, ed. (1913). «Holy Ghost». Enciclopédia Católica (em inglês). Nova Iorque: Robert Appleton Company 

    "Ele [o Espírito Santo] é essencialmente o Espírito da verdade (João 14: 16-17; 15:26), cujo ofício é ... ensinar aos apóstolos o seu pleno significado [da verdade] (João 14:26; 16:13). Com esses apóstolos, Ele permanecerá para sempre (João 14:16). Tendo descido sobre eles no Pentecostes, Ele os guiará em seu trabalho (Atos 8:29) ...
  250. Vaticano (ed.). «CCC, 880, 883». Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  251. «Saint Peter the Apostle: Incidents important in interpretations of Peter». Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  252. «Was Peter in Rome?». Catholic Answers. Consultado em 23 de janeiro de 2021. se Pedro nunca tivesse chegado à capital, ele ainda poderia ter sido o primeiro papa, já que um de seus sucessores poderia ter sido o primeiro titular desse cargo a se estabelecer em Roma. Afinal, se o papado existe, foi estabelecido por Cristo durante sua vida, muito antes de se dizer que Pedro chegou a Roma. Deve ter havido um período de alguns anos em que o papado ainda não tinha sua conexão com Roma. 
  253. Oscar Cullmann (1962), Peter: Disciple, Apostle, Martyr (2 ed.), Westminster Press p. 234
  254. Henry Chadwick (1993), The Early Church, Penguin Books p. 18
  255. Ehrman, Bart D (2006). Peter, Paul, and Mary Magdalene: The Followers of Jesus in History and Legend. US: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-530013-0 
  256. Raymond E. Brown, 101 Questions and Answers on the Bible (Paulist Press 2003 ISBN 978-0-8091-4251-4), p. 132–134
  257. Bokenkotter 2004, p. 24.
  258. MacCulloch 2010, p. 155–159, 164.
  259. Paul Valliere, Conciliarism (Cambridge University Press 2012 ISBN 978-1-107-01574-6), p. 92
  260. Patriarch Bartholomew, Encountering the Mystery (Random House 2008 ISBN 978-0-385-52561-9), p. 3
  261. George C. Michalopulos,"Canon 28 and Eastern Papalism: Cause or Effect?" Arquivado em 10 de janeiro de 2013 no Wayback Machine.
  262. "Rome (early Christian)". Cross, F. L., ed., The Oxford Dictionary of the Christian Church. New York: Oxford University Press. 2005
  263. Ayer, Joseph Cullen, Jr. (1913). A Source Book for Ancient Church History: From the Apostolic Age to the Close of the Conciliar Period. Charles Scribner's Sons. New York: [s.n.] 
  264. Ayer, p. 553
  265. Baumgartner, Frederic J. (2003). Behind Locked Doors: A History of the Papal Elections. Palgrave Macmillan. [S.l.: s.n.] pp. 10–12. ISBN 978-0-312-29463-2 
  266. Duffy, Eamon. 1997. Saints & Sinners: A History of the Popes. Yale University Press. pp. 66–67
  267. Drew, Katherine Fischer (2014). The Lombard Laws. University of Pennsylvania Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-8122-1055-2 
  268. How The Irish Saved Civilization: The Untold Story of Ireland's Heroic Role from the Fall of Rome to the Rise of Medieval Europe by Thomas Cahill, 1995.
  269. Cahill, Thomas. How the Irish Saved Civilization. Hodder and Stoughton, 1995.
  270. Woods 2005, p. 115–27.
  271. Duffy 1997, p. 113.
  272. «Review of How the Catholic Church Built Western Civilization by Thomas Woods, Jr.». National Review Book Service. Consultado em 23 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2006 
  273. Pirenne, Henri (1980) [1925]. Medieval Cities: Their Origins and the Revival of Trade. Princeton University Press. Princeton, NJ: [s.n.] pp. 27–32. ISBN 978-0691007601 
  274. Richards, Jeffrey (2014). The Popes and the Papacy in the Early Middle Ages. Routledge. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-317-67817-5 
  275. Walker, Willston (1985). History of the Christian Church. Simon and Schuster. [S.l.: s.n.] pp. 250–251. ISBN 978-0-684-18417-3. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  276. Vidmar, The Catholic Church Through the Ages (2005), pp. 107–11
  277. Duffy, Saints and Sinners (1997), p. 78, citação: "Em contraste, o sucessor de Pascal, o Papa Eugênio II (824-7), eleito com influência imperial, deu a maior parte desses ganhos papais. Ele reconheceu a soberania do imperador no estado papal e aceitou uma constituição imposta por Lothair que estabelecia a supervisão imperial da administração de Roma, impunha um juramento ao imperador a todos os cidadãos e exigia que o papa eleito jurasse fidelidade antes de ser consagrado. Sob o papado de Sérgio II (844-7) foi até mesmo acordado que o papa não poderia ser consagrado sem um mandato imperial e que a cerimônia deveria ser na presença de seu representante, um renascimento de algumas das restrições mais irritantes do domínio bizantino."
  278. Riley-Smith 1997, p. 8.
  279. Bokenkotter 2004, p. 140–141.
  280. Phillips, Jonathan (2005). The Fourth Crusade and the Sack of Constantinople. Penguin Books. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-101-12772-8 
  281. Woods 2005, p. 44–48.
  282. Bokenkotter 2004, p. 158–159.
  283. Duffy 1997, p. 112.
  284. McManners 1990, p. 232.
  285. McManners 1990, p. 240.
  286. Geanakoplos, Deno John (1989). Constantinople and the West. University of Wisconsin Press. Madison, WI: [s.n.] ISBN 978-0-299-11880-8 
  287. Collinge, William J. (2012). Historical Dictionary of Catholicism. Scarecrow Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-8108-5755-1. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  288. Koschorke, Ludwig & Delgado 2007, p. 13, 283.
  289. Hastings 2004, p. 72.
  290. Koschorke, Ludwig & Delgado 2007, p. 21.
  291. Koschorke, Ludwig & Delgado 2007, p. 3, 17.
  292. Brecher, Frank W. Losing a Continent: France's North American Policy, 1753-1763 (1998). Acessado em 23 de janeiro de 2021.
  293. Atlas of World History. Oxford University Press. [S.l.: s.n.] 2002. ISBN 9780195219210 
  294. Religious Conscience, the State, and the Law: Historical Contexts and Contemporary Significance. SUNY Press. [S.l.: s.n.] ISBN 9781438412542 
  295. Bokenkotter 2004, p. 215.
  296. Vidmar 2005, p. 13, 184.
  297. Bokenkotter 2004, p. 223–224.
  298. Martínez Fernández (2000). «Crypto-Protestants and Pseudo-Catholics in the Nineteenth-Century Hispanic Caribbean». Journal of Ecclesiastical History. 51: 347–365. doi:10.1017/S0022046900004255 
  299. Bokenkotter 2004, p. 235–237.
  300. Duffy 1997, p. 177–178.
  301. Vidmar 2005, p. 233.
  302. Bokenkotter 2004, p. 242–244.
  303. Maxwell, Melvin. Bible Truth or Church Tradition, p. 70
  304. Pollard 2005, p. 7–8.
  305. Bokenkotter 2004, p. 283–285.
  306. Collins & Price 1999, p. 176.
  307. Duffy 1997, p. 214–216.
  308. «João Paulo II, Audiência Geral, 23 de março de 1993». Vatican.va. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  309. Leith 1963, p. 143.
  310. Duffy 1997, p. 232.
  311. Fahlbusch 2007, p. 729.
  312. Kertzer, David I. (2006). Prisoner of the Vatican. Houghton Mifflin Harcourt. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-547-34716-5 
  313. D'Agostino, Peter R. (2010). «'Utterly Faithless Specimens': Italians in the Catholic Church in America». In: Connell; Gardaphé. Anti-Italianism: Essays on a Prejudice. Palgrave Macmillan. [S.l.: s.n.] pp. 33–34. ISBN 978-0-230-11532-3 
  314. a b Chadwick 1995, p. 264–265.
  315. Blood of Spain, Ronald Fraser p. 415, collective letter of bishops of Spain, addressed to the bishops of the world. ISBN 0-7126-6014-3
  316. Fontenelle, Mrg R (1939), Seine Heiligkeit Pius XI, p. 164. Alsactia, France
  317. Encyclical Divini Redemptoris, § 18 (AAS 29 [1937], 74). 1937. Libreria Editrice Vaticana (English translation Arquivado em 9 de setembro de 2015 no Wayback Machine.)
  318. Rhodes 1973, p. 182–183, 197, 204–205.
  319. «Non-Jewish Victims of Persecution in Germany». Yad Vashem. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  320. Bokenkotter 2004, p. 192.
  321. «New Accusations Of a Vatican Role In Anti-Semitism; Battle Lines Were Drawn After Beatification of Pope Pius IX». The New York Times. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  322. Phayer 2000, p. 50–57.
  323. «Pope Stared Down Communism in Homeland – and Won». CBC News. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  324. «In Poland, New Wave of Charges Against Clerics». The New York Times. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  325. «Untold story of 1989». The Tablet. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  326. Bokenkotter, pp. 356–358
  327. «China installs Pope-backed bishop». BBC News. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  328. Chadwick 1995, p. 259.
  329. O Concílio Vaticano Segundo Comemorando Suas Conquistas e o Futuro, p. 86
  330. «Constitution on the Sacred Liturgy Sacrosanctum Concilium». Vatican.va. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  331. Duffy 1997, p. 270–276.
  332. Duffy 1997, p. 272, 274.
  333. Papa Paulo VI. Nostra aetate: Declaration on the Relation of the Church to Non-Christian Religions Arquivado em 20 de dezembro de 2008 no Wayback Machine.. 28 de outubro de 1965. Acessado em 16 de junho de 2011. De acordo com a Seção 4: "É verdade que as autoridades judaicas e aqueles que seguiram seu exemplo pressionaram pela morte de Cristo; ainda assim, o que aconteceu em Sua paixão não pode ser acusado de todos os judeus, sem distinção, então vivos, nem contra os judeus de hoje. Embora a Igreja seja o novo povo de Deus, os judeus não devem ser apresentados como rejeitados ou amaldiçoados por Deus, como se isso fosse consequência das Sagradas Escrituras ”.
  334. Bauckham, p. 373
  335. O'Neel, Brian. "Holier Than Thou: How Rejection of Vatican II Led Lefebvre into Schism", This Rock, Volume 14, Number 4. San Diego: Catholic Answers, Abril de 2003. Arquivado em 10 de maio de 2010 no Wayback Machine.
  336. May, John F. (2012). World Population Policies: Their Origin, Evolution, and Impact. Springer. [S.l.: s.n.] pp. 202–203. ISBN 978-94-007-2837-0. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  337. Kinkel, R. John (2014). Papal Paralysis: How the Vatican Dealt with the AIDS Crisis. Lexington. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-7391-7684-9 
  338. «Germain Grisez on "Humanae Vitae", Then and Now: The Dust Still Hasn't Settled, But There Are Signs of Hope». Zenit: The World Seen from Rome 
  339. «2 April – This Day in History». History.co.uk. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  340. Peter and Margaret Hebblethwaite and Peter Stanford. «Obituário: Papa João Paulo I». The Guardian. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  341. «WYD 2011 Madrid – Official Site – What is WYD?». Madrid11.com. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  342. Maxwell-Stuart, P.G. (2006). Chronicle of the Popes: Trying to Come Full Circle. London: Thames & Hudson. p. 234. ISBN 978-0-500-28608-1.
  343. João Paulo II. «Laborem exercens». Libreria Editrice Vaticana. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  344. João Paulo II. «Evangelium Vitae». Libreria Editrice Vaticana. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  345. Johnston. «Benedict's encyclical offers hope for world». Deseret News. Consultado em 23 de janeiro de 2021  WebCitation archive
  346. Gledhill, Ruth "Pope set to bring back Latin Mass that divided the Church" The Times 11 de outubro de 2006. Acessado em 21 de novembro de 2010 WebCitation archive
  347. «Summary of the synod assemblies», Synodal Information, Rome, IT: Vaticano, 9 de março de 2005, consultado em 23 de janeiro de 2021 
  348. «Pope's resignation was not forced by health issues, spokesman says». CNN. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  349. Ritter, Karl, "Pope Francis reaches out to Jews", huffingtonpost.com, 16 de março de 2013. Acessado em 16 de março de 2013.
  350. Demacopoulos, George E., "The extraordinary historical significance of His Holiness' presence at Pope Francis' installation as Bishop of Rome", Archon News (Order of St. Andrew the Apostle), 19 de março de 2013. Acessado em 19 de março de 2013.
  351. «Our Eastern Brothers». Columbia. pp. 20–23. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  352. «Unity call as Pope Francis holds historic talks with Russian Orthodox Patriarch». BBC. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  353. «Pope Francis Calls Extraordinary Synod on Family and Marriage». Time Magazine. 8 de outubro de 2021 
  354. Twomey (24 de outubro de 2014). «The "media synod" has eclipsed the real one». Catholic Herald. Consultado em 23 de janeiro de 2021 
  355. Echeverria, Eduardo (17 de outubro de 2014). "The Synod's Interim Report: Ambiguity and Misinterpretation", Crisis Magazine. Acessado em 23 de janeiro de 2021
  356. «Catholics and Copts Recognize Shared Baptism». The Philadelphia Trumpet (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2021 

Bibliografia

  • Asci, Donald P. (2002). The Conjugal Act as Personal Act. A Study of the Catholic Concept of the Conjugal Act in the Light of Christian anthropology. São Francisco: Ignatius Press. ISBN 0-89870-844-3 
  • Ayer, Joseph Cullen (1941). A Source Book for Ancient Church History. [S.l.]: Mundus Publishing. ISBN 978-1-84830-134-4 
  • «Cânone 42». Código de Direito Canônico de 1983. Vaticano. Consultado em 9 de março de 2008. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2008 
  • «Catechism of the Catholic Church». Libreria Editrice Vaticana. 1994. Consultado em 1 de maio de 2011. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2012 
  • Barry, Rev. Msgr. John F. (2001). One Faith, One Lord: A Study of Basic Catholic Belief. [S.l.]: Gerard F. Baumbach, Ed.D. ISBN 0-8215-2207-8 
  • Bauer, Susan Wise (2010). The History of Medieval World: From the Conversion of Constantine to the First Crusade. [S.l.]: Norton. ISBN 978-0-393-05975-5 
  • Baumgartner, Frederic J. (2003). Behind Locked Doors: A History of the Papal Elections. [S.l.]: Palgrave Macmillan. ISBN 0-312-29463-8 
  • Bethell, Leslie (1984). The Cambridge History of Latin America. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 0-521-23225-2 
  • Bokenkotter, Thomas (2004). A Concise History of the Catholic Church. [S.l.]: Doubleday. ISBN 0-385-50584-1 
  • Bunson, Matthew (2008). Our Sunday Visitor's Catholic Almanac. [S.l.]: Our Sunday Visitor Publishing. ISBN 1-59276-441-X 
  • Bruni, Frank; Burkett, Elinor (2002). A Gospel of Shame: Children, Sexual Abuse and the Catholic Church. [S.l.]: Harper Perennial. ISBN 978-0-06-052232-2 
  • Chadwick, Owen (1995). A History of Christianity. [S.l.]: Barnes & Noble. ISBN 0-7607-7332-7 
  • Clarke, Graeme (2005). The Crisis of Empire, A.D. 193–337. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-30199-2 
  • Collinge, William J. (1997). Historical dictionary of Catholicism. [S.l.]: The Scarecrown Press. ISBN 9780810832336 
  • Collins, Michael; Price, Mathew A. (1999). The Story of Christianity. [S.l.]: Dorling Kindersley. ISBN 0-7513-0467-0 
  • Coriden, James A.; Green, Thomas J.; Heintschel, Donald E. (1985). The Code of Canon Law: A Text and Commentary, Study Edition. [S.l.]: Paulist Press. ISBN 978-0-8091-2837-2 
  • Davidson, Ivor (2005). The Birth of the Church. [S.l.]: Monarch. ISBN 1-85424-658-5 
  • Derrick, Christopher (1967). Trimming the Ark: Catholic Attitudes and the Cult of Change. Nova York: P.J. Kennedy & Sons. ISBN 978-0-09-096850-3 
  • Duffy, Eamon (1997). Saints and Sinners, a History of the Popes. [S.l.]: Yale University Press. ISBN 0-300-07332-1 
  • Dussel, Enrique (1981). A History of the Church in Latin America. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans. ISBN 0-8028-2131-6 
  • Fahlbusch, Erwin (2007). The Encyclopedia of Christianity. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans. ISBN 0-8028-2415-3 
  • Froehle, Bryan; Gautier, Mary (2003). Global Catholicism, Portrait of a World Church. [S.l.]: Orbis books; Center for Applied Research in the Apostolate, Georgetown University. ISBN 1-57075-375-X 
  • New Catholic Encyclopedia. [S.l.]: Gale Group. 2002. ISBN 978-0787640040 
  • Hastings, Adrian (2004). The Church in Africa 1450–1950. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 0-19-826399-6 
  • Herring, George (2006). An Introduction to the History of Christianity. [S.l.]: Continuum International. ISBN 0-8264-6737-7 
  • Koschorke, Klaus; Ludwig, Frieder; Delgado, Mariano (2007). A History of Christianity in Asia, Africa, and Latin America, 1450–1990. [S.l.]: Wm B Eerdmans Publishing Co. ISBN 978-0-8028-2889-7 
  • Kreeft, Peter (2001). Catholic Christianity. [S.l.]: Ignatius Press. ISBN 0-89870-798-6 
  • Latourette, Kenneth Scott (1969). Christianity in a Revolutionary Age: A History of Christianity in the 19th and 20th centuries. [S.l.]: Zondervan Publishing House. ISBN 9780853641094 
  • Lehner, Ulrich L. (2016). The Catholic Enlightenment: The Forgotten History of a Global. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0190232917 
  • Leith, John (1963). Creeds of the Churches. [S.l.]: Aldine Publishing Co. ISBN 0-664-24057-7 
  • MacCulloch, Diarmaid (2010). Christianity: The First Three Thousand Years. [S.l.]: Viking. ISBN 978-0-670-02126-0 
  • MacCulloch, Diarmaid (2003). The Reformation. [S.l.]: Viking. ISBN 0-670-03296-4 
  • MacMullen, Ramsay (1984). Christianizing the Roman Empire: (A.D. 100–400). New Haven, CT: Yale University Press. ISBN 978-0-585-38120-6 
  • Marthaler, Berard (1994). Introducing the Catechism of the Catholic Church, Traditional Themes and Contemporary Issues. [S.l.]: Paulist Press. ISBN 0-8091-3495-0 
  • McBrien, Richard; Attridge, Harold W. (1995). The HarperCollins Encyclopedia of Catholicism. [S.l.]: HarperCollins. ISBN 978-0-06-065338-5 
  • McManners, John (1990). The Oxford Illustrated History of Christianity. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 0-19-822928-3 
  • Norman, Edward (2007). The Roman Catholic Church, An Illustrated History. [S.l.]: University of California Press. ISBN 978-0-520-25251-6 
  • O'Collins, Gerald; Farrugia, Maria (2003). Catholicism: The Story of Catholic Christianity. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-925995-3 
  • Perreau-Saussine, Emile (2012). Catholicism and Democracy: An Essay in the History of Political Thought. [S.l.]: Princeton University Press. ISBN 978-0-691-15394-0 
  • Phayer, Michael (2000). The Catholic Church and the Holocaust, 1930–1965. [S.l.]: Indiana University Press. ISBN 0-253-33725-9 
  • Pollard, John Francis (2005). Money and the Rise of the Modern Papacy, 1850–1950. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-81204-7 
  • Rhodes, Anthony (1973). The Vatican in the Age of the Dictators (1922–1945). [S.l.]: Holt, Rinehart and Winston. ISBN 0-03-007736-2 
  • Riley-Smith, Jonathan (1997). The First Crusaders. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-511-00308-0 
  • Schreck, Alan (1999). The Essential Catholic Catechism. [S.l.]: Servant Publications. ISBN 1-56955-128-6 
  • Schwaller, John Frederick (2011). The history of the Catholic Church in Latin America: from conquest to revolution and beyond. [S.l.]: NYU Press. ISBN 9780814740033 
  • Smith, Janet (1993). Why "Humanae Vitae" Was Right. São Francisco: Ignatius Press. ISBN 9780898704334 
  • Smith, Janet (1991). "Humanae Vitae", a Generation Later. Washington, DC: Catholic University of America Press. ISBN 9780813207391 
  • Stewart, Cynthia (2008). The Catholic Church: A Brief Popular History. [S.l.]: Anselm Academic. ISBN 978-0884899679 
  • Tausch, Arno (24 de novembro de 2016). Global Catholicism in the age of mass migration and the rise of populism: comparative analyses, based on recent World Values Survey and European Social Survey data (PDF). [S.l.]: Universidade de Connecticut 
  • Tausch, Arno (8 de janeiro de 2018). The Effects of 'Nostra Aetate:' Comparative Analyses of Catholic Antisemitism More Than Five Decades after the Second Vatican Council. [S.l.]: Universidade de Innsbruck. doi:10.2139/ssrn.3098079 
  • Tausch, Arno (21 de novembro de 2017). Are Practicing Catholics More Tolerant of Other Religions than the Rest of the World? Comparative Analyses Based on World Values Survey Data. [S.l.: s.n.] doi:10.2139/ssrn.3075315 
  • Annuario Pontificio. Vaticano: Libreria Editrice Vaticana. 2007. ISBN 978-88-209-7908-9 
  • Vidmar, John (2005). The Catholic Church Through the Ages. [S.l.]: Paulist Press. ISBN 0-8091-4234-1 
  • Wilken, Robert (2004). Christianity. [S.l.]: National Geographic Society. ISBN 0-7922-7317-6 
  • Woods Jr, Thomas (2005). How the Catholic Church Built Western Civilization. [S.l.]: Regnery Publishing, Inc. ISBN 0-89526-038-7 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Citações no Wikiquote
  Categoria no Commons
  Categoria no Wikinotícias