Abrir menu principal

Artigo selecionado

Vista do centro de Sófia

Sófia (em búlgaro: София;tr.: Sófija) é a capital e maior cidade da Bulgária, com uma população de 1 401 553 habitantes (15 de outubro de 2009), 12° maior cidade da União Europeia, e 1.449.277 em sua área metropolitana. Está localizada a oeste da Bulgária, aos pés do Maciço Vitosha, e é o centro administrativo, cultural, econômico e educativo do país. A cidade de Sófia é também uma província (óblast) da Bulgária.

Sófia é uma das capitais mais antigas da Europa, a história de Sófia remonta ao Século VIII a.C., quando os trácios estabeleceram um assentamento na região. Sófia teve vários nomes em diferentes períodos de sua existência, e hoje em dia pode-se ver remanescentes da milenária história da cidade ao lado dos atrativos turísticos modernos.




Ruínas da Igreja Redonda em Preslav.

A Igreja Redonda (em búlgaro: Кръгла църква - Kragla tsarkva), conhecida também como Igreja Dourada (Златна църква - Zlatna tsarkva) ou Igreja de São João (църква "Свети Йоан" - tsarkva "Sveti Yoan"), é uma grande igreja ortodoxa medieval parcialmente preservada localizada na cidade de Preslav, a antiga capital do Primeiro Império Búlgaro e hoje uma cidade no nordeste da Bulgária. O edifício data do início do século X e foi construído durante o reinado do tsar Simeão I. As escavações no local começaram em 1927-1928.

Considerada um dos mais impressionantes exemplos da arquitetura medieval búlgara, a Igreja Redonda é chamada assim por causa do formato peculiar de uma de suas três seções, a cella (naos), uma rotunda que serve de local para o serviço litúrgico. O desenho da igreja inclui ainda um grande átrio e uma recinto de acesso retangular (nártex) pontuado por dois torreões circulares.




Guerreiros búlgaros realizam sacrifícios durante o Cerco de Dorostolo.

A guerra rus'-bizantina de 970-971 foi um conflito que se iniciou antes, em 967-968, travado na parte oriental dos Balcãs e que envolveu a Rússia de Quieve, a Bulgária e o Império Bizantino. Os bizantinos instigaram o governante rus', Esvetoslau I, a atacar a Bulgária, o que levou ao colapso do estado búlgaro e à ocupação da maior parte do território pelos rus'. Logo após a vitória, os próprios rus' foram derrotados pelos bizantinos e tiveram que se retirar, deixando a Bulgária livre para ser incorporada ao Império Bizantino.

Em 927, um tratado de paz foi firmado entre a Bulgária e Bizâncio, iniciando um período de quarenta anos de paz após muitos de guerra. Ambos os estados prosperaram nesse interlúdio, mas o balanço de poder foi gradualmente pendendo para os bizantinos, que avançaram territorialmente contra o Califado Abássida no oriente e conseguiram estabelecer um conjunto de alianças que efetivamente aprisionou a Bulgária. Em 965-66, o belicoso imperador Nicéforo II Focas (r. 963–969) recusou-se a renovar o tributo anual que era parte do tratado de paz e declarou guerra à Bulgária. Preocupado com suas campanhas no oriente, contudo, Nicéforo resolveu esta guerra por meio de um intermediário, convidando Esvetoslau a invadir seu inimigo.




Ruínas do Palácio de Omortague

O Palácio de Omortague ou Aul (Aula) de Omortague (em búlgaro: Аул на Омуртаг - Aul na Omurtag) é um sítio arqueológico localizado no nordeste da Bulgária, perto da vila de Han Krum na província de Shumen, e que remonta à Antiguidade Tardia e à Alta Idade Média. O sítio tem sido considerado como o local do forte e palácio de Omortague, canasubigi do Primeiro Império Búlgaro entre 815 e 831, conforme menção na Inscrição de Chatalar de 822. Estruturas mais antigas nas redondezas do forte foram identificadas como sendo a sé episcopal ariana de um bispo gótico.




Um mapa do Principado da Bulgária e Rumélia Oriental antes da unificação.

A Unificação da Bulgária (em búlgaro: Съединение на България, Saedinenie na Balgariya) foi o ato de unificação do Principado da Bulgária e da então Província Otomana da Rumélia Oriental no outono de 1885. Foi coordenada pelo Comitê Central Revolucionário Secreto Búlgaro (CCRSS). A unificação foi realizada após as revoltas nas cidades da Rumélia Oriental, seguida por um golpe de Estado em 18 de setembro [Calend. antigo 6 de setembro] de 1885 apoiado pelo Knyaz búlgaro Alexandre I. O CCRSS, formado por Zahari Stoyanov, começou a popularizar ativamente a ideia da unificação, por meio da imprensa e manifestações públicas na primavera de 1885.