Abrir menu principal

Wikipédia β

Igreja Redonda (Preslav)

A Igreja Redonda (em búlgaro: Кръгла църква - Kragla tsarkva), conhecida também como Igreja Dourada (Златна църква - Zlatna tsarkva) ou Igreja de São João (църква "Свети Йоан" - tsarkva "Sveti Yoan"), é uma grande igreja ortodoxa medieval parcialmente preservada localizada na cidade de Preslav, a antiga capital do Primeiro Império Búlgaro e hoje uma cidade no nordeste da Bulgária. O edifício data do início do século X e foi construído durante o reinado do tsar Simeão I. As escavações no local começaram em 1927-1928.

Igreja Redonda
Кръгла църква
Ruínas da Igreja Redonda em Preslav
Tipo Catedral da Igreja Ortodoxa Búlgara
Estilo dominante Arquitetura bizantina primitiva
possíveis influências caucasianas e carolíngias
Inauguração Início do século X
possivelmente antes de 907
Geografia
País  Bulgária
Cidade Preslav
Coordenadas 43° 08' 32.28" N 26° 48' 26.42" E
Geolocalização no mapa: Bulgária
Igreja Redonda está localizado em: Bulgária
Igreja Redonda

Considerada um dos mais impressionantes exemplos da arquitetura medieval búlgara, a Igreja Redonda é chamada assim por causa do formato peculiar de uma de suas três seções, a cela (nau), uma rotunda que serve de local para o serviço litúrgico. O desenho da igreja inclui ainda um grande átrio e uma recinto de acesso retangular (nártex) pontuado por dois torreões circulares.

A igreja tem sido comparada com outros exemplos de arquitetura religiosa do período paleocristão, do Cáucaso e do pré-românico carolíngio de Carlos Magno por causa de sua planta característica, que é significativamente distinta de outros edifícios contemporâneos búlgaros ou bizantinos. O seu nome alternativo, "Igreja Dourada", é uma alusão à possível - e popular - identificação com a "nova igreja dourada" de Preslav citada nas fontes medievais.

O rico interior da Igreja Redonda, que faz copioso uso de mosaicos, azulejos e detalhes em mármore, a distingue das demais igrejas de Preslav. O interior é decorado com centenas de desenhos de navios, animais e figuras cristãs. As inscrições medievais nas paredes vão desde nomes de santos em grego bizantino até inscrições murais nos alfabetos glagolítico e cirílico.

Índice

ContextoEditar

Fundada em 681 na condição de estado pagão, a Bulgária foi formalmente cristianizada pelo clero bizantino na década de 860 a pedido do knyaz ("príncipe") Bóris I (r. 852-889). O direito de converter a Bulgária ao cristianismo foi tema de uma acirrada disputa entre o patriarca de Constantinopla e o papa.[1][2] Ao se converter, Bóris esperava resolver problemas étnicos internos e melhorar as relações exteriores da Bulgária, que não era tratada com equidade pelos monarcas cristãos da Europa.[3]

A Igreja Redonda foi construída durante o reinado do filho e sucessor de Bóris, Simeão I (r. 893-927), cujas campanhas vitoriosas consolidaram a superioridade da Bulgária sobre os bizantinos, ainda que temporariamente,[4] e que chegou a ameaçar a capital bizantina, Constantinopla. Ele alargou o território do Primeiro Império Búlgaro para a maior parte dos Balcãs[5] até o Adriático e o Egeu. Simeão também conquistou os territórios que correspondem aos modernos estados da Sérvia e Montenegro, além de eliminar de forma eficiente a ameaça representada pelos magiares ao norte. Considerado um dos maiores líderes búlgaros de todos os tempos, Simeão foi um mecenas da literatura e das artes; seu reinado é considerado a "era de ouro" da cultura medieval da Bulgária,[6][7] principalmente por conta da influência literária exercida sobre a Europa eslava da época.[5][8]

A cidade de Preslav foi instituída capital da Bulgária logo no início do reinado de Simeão, em parte por que a anterior, Pliska, estava associada com o paganismo. Simeão transformou Preslav num centro cultural que rivalizava verdadeiramente com Constantinopla.[9][10] Alguns dos mais proeminentes eruditos da "Era de Ouro da Bulgária" trabalhavam na Escola Literária de Preslav.[7] Pensada mais enquanto residência real e montra do poder cultural búlgaro e não tanto enquanto fortaleza, a cidade se orgulhava de suas impressionantes obras arquiteturais,[5] dentre elas diversos palácios e dúzias de igrejas.[9][11] Dentre elas, destacava-se a Igreja Redonda, considerada "um dos mais impressionantes monumentos da arquitetura medieval búlgara"[12] e uma "expressão das maiores conquistas da cultura da Antiga Bulgária".[13]

Identificação e históriaEditar

 
Vista do centro da rotunda em direção ao nártex, observando-se a sucessão de espaços e pórticos

A Igreja Redonda é popularmente identificada com a "nova igreja dourada" citada num colofão de uma tradução para búlgaro antigo das "Orações contra os Arianos" de Atanásio de Alexandria. O texto afirma que a tradução foi feita por Constantino de Preslav sob as ordens do knyaz Simeão e copiada por Teodoro Dox, "na boca do Ticha no ano 6415 indicção 14 [907 d.C.], onde o mesmo príncipe mandou construir a santa nova igreja dourada".[14] Não se sabe se a "boca do Ticha" é uma referência a um trecho estreito do rio, ao vau de Ustie perto da cidade ou, possivelmente, a um determinado local perto das muralhas exteriores da cidade e muito próximo das ruínas da Igreja redonda. Seja como for, se "dourada" for entendido de forma literal, a fonte é também pouco clara: se a igreja é uma nova entre as igrejas douradas da cidade ou se é a única dourada entre as novas igrejas de Preslav.[15] O estudioso Stancho Vaklinov considera que a identificação da Igreja Redonda com a "nova igreja dourada" é "incontestável",[16] ao passo que o historiador da arte Nikola Mavrodinov acredita que ela seja "provável".[17] Finalmente, o historiador A. P. Vlasto acredita que a identificação "não é absolutamente certa".[18]

Se a igreja da nota marginal for entendida como sendo a Igreja Redonda, então sua data de construção pode ser determinada de forma conclusiva em poucos anos antes de 907.[15][19] Apesar de a construção não ser posterior ao século X, alguns estudiosos sugerem que ela pode ter sido construída diretamente sobre uma basílica romana muito anterior por causa de sua planta antiquada.[18] A parte principal da obra foi provavelmente financiada por Simeão, o qual parece ter sido o principal patrono.[20] Outro possível patrono (ktetor) de pelo menos parte da obra foi um alto-oficial eclesiástico (cartofílax) de nome Paulo, que é mencionado numa inscrição no interior da igreja.[21][22]

Há um debate nos círculos acadêmicos búlgaros sobre se a igreja teria sido construída com o intuito de ser uma igreja monástica ou uma catedral autônoma. Se os edifícios adjacentes à igreja forem interpretados como a parte residencial de um mosteiro, eles foram provavelmente construídos depois da conclusão da Igreja Redonda, durante o reinado de Pedro I (r. 927-969). A ausência de entradas nestes edifícios na fachada voltada para a igreja e a presença de um átrio de grande dimensão tornam esta hipótese pouco provável. Outro argumento contra a Igreja Redonda ter sido uma igreja monástica é sua implantação, isolada em relação a outros edifícios mas ainda assim acessível ao público fora do centro da cidade.[23] O estudioso Bistra Nikolova considera-a a catedral da cidade e a compara, em função, com a Grande Basílica em Pliska.[24] Outro pesquisador, Krastyu Miyatev, a entende como sendo a igreja real de Simeão,[25] enquanto o historiador de arte Nikola Mavrodinov e o arqueólogo Totyu Totev insistem que ela teria pertencido a um mosteiro desde a sua fundação.[26][27]

As primeiras escavações no local foram realizadas em 1927-1928 por arqueólogos do Museu Arqueológico Nacional em Sófia e pela Sociedade Búlgara de Antiguidades sob a direção de Yordan Gospodinov.[13] Uma segunda expedição, liderada por Krastyu Miyatev, resultou em estudos muito mais aprofundados e a pesquisa arqueológica no local continua até aos dias de hoje.[28] Em 1927, a Igreja Redonda, juntamente com toda a Preslav medieval, foi proclamada reserva histórica e arqueológica e colocada sob proteção do estado como patrimônio nacional. Em 1970, ela foi incluída individualmente numa lista de monumentos culturais de importância nacional com uma publicação no "State Gazette" (número 46) daquele ano.[29] Enquanto parte da reserva arquitetônica de Preslav, a Igreja Redonda está listada no número 98 da lista dos "100 Pontos Turísticos da Bulgária".[30][31]

A Igreja de Santa Petka em Ruse, aberta em 1944, é uma reconstrução da Igreja Redonda de Preslav[32] A Igreja Redonda foi parcialmente restaurada em finais da década de 1990 e início da década de 2000.[33] Em dezembro de 2009, foram anunciados planos para reconstruir completamente a igreja sem demolir ou alterar a estrutura original.[34] Em 27 de maio de 2007 foi inaugurado nas proximidades da Igreja Redonda um monumento dedicado ao tsar Simeão em comemoração do 1080º aniversário de sua morte.[35] Apesar de não ser uma igreja em atividade, o local é utilizado regularmente para realização de batismos e casamentos.[36]

Arquitetura e estiloEditar

 
Planta simplificada

Localização e estiloEditar

A Igreja Redonda foi construída fora da cidadela da cidade de Preslav, a qual provavelmente incluía apenas o palácio real e os edifícios a ele associados, como a Basílica Real.[37] A igreja foi construída ainda dentro do perímetro urbano e sobre um aterro elevado,[16][38] na área sudeste da cidade, a 250 metros da Porta Sul.[23] Hoje, a Igreja Redonda e todas as demais ruínas da Preslav medieval não estão muito distantes da cidade moderna, chamada Veliki Preslav ("Nova Preslav"),[39] a capital administrativa de um município na província de Shumen, no nordeste da Bulgária.[40]

Ainda que nesta época nenhuma igreja construída nas regiões populadas pelos eslavos nos Balcãs obedecesse aos cânones da arquitetura bizantina da época, a Igreja Redonda é particularmente distinta por causa de seu plano circular e centralizado, único na arquitetura medieval búlgara.[41] A natureza arrendondada e dinâmica de suas formas contrasta com os bruscos desenhos retangulares do período.[25] É muito provável que seu desenho tenha sido inspirado nos edifícios do final do período romano e início do período bizantino, cujas ruínas se encontravam dispersas e em grande número por todo o território búlgaro. A disposição da planta, particularmente a rotunda, é semelhante à de várias igrejas da época de Justiniano I, como a Basílica de São Vital em Ravena, a Pequena Santa Sofia em Constantinopla[18] e a Rotunda de Galério em Tessalônica.[41] Apesar de sua planta ser invulgar, a tecnologia e os princípios empregados em sua construção são característicos do século X e semelhantes aos de outros monumentos em Preslav.[42][43]

As igrejas bizantinas não são a única fonte de inspiração que os pesquisadores atribuem à Igreja Redonda. Alguns associam o desenho a influências armênias,[44][45] provavelmente trazidas para a Bulgária por artesões do Cáucaso. Regra geral, as igrejas balcânicas com planta antiquada, como o da Redonda nos Balcãs, estão associadas à migração de monges capadócios, armênios ou georgianos. Outro possível modelo de inspiração pode ser encontrado na arquitetura carolíngia da época de Carlos Magno, em particular na Capela Palatina de Aachen, na região ocidental da Alemanha, com a qual a Igreja Redonda tem em comum determinadas características.[45][46][47] Na época da construção da Igreja Redonda, a Bulgária estava em contato direto com o Império Franco.[46] Uma característica da Igreja Redonda que os acadêmicos afirmam ser uma notória influência carolíngia é a presença do westwerk.[48][49]

DescriçãoEditar

A Igreja Redonda é dividida em três seções sucessivas: um átrio de grande dimensão (ou pátio), o nártex e a cela (também chamado de nau ou, por causa de seu formato, de rotunda).[19][23][38][41] Não há indicação que estas seções tenham sido construídas ao mesmo tempo, sendo geralmente aceite que pouco depois da sua abertura tenha sido realizada uma reconstrução parcial.[50] Mavrodinov e o arqueólogo Karel Škorpil acreditam que o nártex e a cela foram os primeiros espaços a ser construídos, e que só posteriormente foi acrescentado o átrio, ainda da autoria do mesmo arquiteto.[26]

A igreja tem um comprimento total de 38,5 m, incluindo o átrio.[26] A estrutura é constituída principalmente por blocos de calcário assentes com argamassa, a qual tem um tom vermelho no interior da abside.[51] O piso era revestido por ladrilhos de mármore e pedra, assentes com argamassa vermelha no nártex e branca nos restantes espaços.[23] No átrio, nas arcadas e, possivelmente, na cúpula, foram utilizados tijolos amarelos e vermelhos. Para o preenchimento de vãos entre as pedras das paredes foram utilizados fragmentos destes tijolos.[25]

ÁtrioEditar

 
Átrio da igreja, pelo qual se acede ao nártex, originalmente descoberto e encerrado. São ainda visíveis as bases das colunas, afastadas dos contrafortes e, ao centro, as ruínas do poço

O acesso à Igreja Redonda é feito pelo átrio, um espaço encerrado e descoberto que permite aceder ao nártex. A entrada é feita através de três portais, um em cada fachada, sendo o portal oeste o mais elaborado e grandioso. Seu formato é aproximadamente quadrado e mede 12,20 x 14,30 m. No centro do pátio foi construída um poço,[16][23] o qual estava ligado a uma conduta.[52]

Os lados do átrio são decorados com arcos assentes em pilares. No total, há quatorze arcos: quatro em cada uma das três paredes e mais dois em cada esquina da parede ocidental. O átrio inclui ainda igual número de colunas cilíndricas de calcário, afastadas 60 cm em relação a cada um dos pilares.[23][44]

NártexEditar

O nártex retangular corresponde à parte central do edifício, entre o átrio e a cela, o qual funciona como ante-câmara da igreja. Encontra-se a leste do átrio, ao qual se acede passando por um portal de grande dimensão e ladeado por dois altos torreões circulares.[16][43][53] Em função da acentuada profundidade deste espaço, Mavrodinov relaciona-o com estruturas similares localizadas em Monte Atos.[26]

Em conjunto com as paredes norte e sul, a entrada do nártex efetivamente isola do átrio dois compartimentos retangulares e de pequena dimensão[16] as quais são acessíveis através de portas. No compartimento norte encontra-se uma pequena necrópole, enquanto o compartimento sul seria provavelmente um batistério, pois há ali uma instalação quadrangular com um cano de argila que remete para a imagem de uma pia batismal. Porém, Nikolova considera seu formato muito pouco usual e a profundidade imprópria para o batismo. Em alternativa, propõe que se trate de uma pia para água benta.[54]

Medindo 5 x 9,5 m, o nártex é a a parte da Igreja Redonda que está melhor conservada, pois suas paredes alcançam 3 m de altura. Seus dois torreões têm um diâmetro de 3,2 m e cada um possui uma entrada para o interior do nártex e três janelas. Os patamares superiores eram acessíveis por escadas em espiral, das quais foram encontrados vestígios arqueológicos no torreão norte. Há dois pares de colunas no interior do nártex[16] que servem de suporte ao segundo piso, o qual é acessível pelo torreão norte.[43][53] As colunas dividem o nártex em três naves e delimitam o percurso desde a entrada do nártex até às portas da rotunda.[26][55]

RotundaEditar

 
Interior da rotunda, espaço onde era realizada a liturgia. O compartimento é rodeado por doze arcos assentes em colunas de mármore branco

A cela redonda corresponde ao espaço mais oriental da igreja e também o mais importante, pois era ali que se realizava a liturgia. A rotunda tem um diâmetro de 10,5 m[19][38] e era inteiramente coberta por uma cúpula.[19][44] O acesso é feito através três portas a partir do nártex.[16][55] Em cada um dos lados da abside, no lado oriental, foram construídos doze arcos, semi-circulares quando observados pelo interior e pentagonais na face externa. A abside está, ela própria, encaixada num destes arcos.[43][53] A estrutura é reforçada por imponentes contrafortes, tanto no interior como no exterior. Na rotunda estava inscrito um círculo de dez[55] ou doze[26][43][53] colunas de mármore branco,[53] afastadas 55 cm em relação aos contrafortes. Os capitéis das colunas eram similares aos utilizados nos palácios reais em Preslav.[26] Numa câmara funerária situada num dos arcos laterais da abside jaz um caixão de madeira revestido com placas de cobre.[55]

A abside semicircular[38] encaixa-se naturalmente entre os arcos da rotunda, apesar de ser maior[16] e de ter arcos em suas paredes norte e sul. O ambão de mármore situava-se no centro do círculo da rotunda, diretamente abaixo do centro da cúpula,[16][38][56] do qual ainda se observa a base de argamassa. O acesso ao gabão era feito através de escadas a leste e oeste, alinhadas com a abside. É provável que o trono do bispo ou cathedra se localizasse num dos arcos ao sul, o qual teria provavelmente sido ampliado para essa função.[55]

DecoraçãoEditar

 
Detalhe da decoração de uma cornija, com motivos vegetalistas e geométricos

O interior foi profusamente decorado com mosaicos policromáticos de influência bizantina,[44] cornijas e azulejos.[53][57] Com exceção dos capitéis coríntios e dóricos das colunas, que são de origem romana ou bizantina, o conjunto decorativo foi criado especificamente para a igreja durante a sua construção.[18][51] Vlasto defende que o interior da igreja manifesta influências protobúlgaras, estabelecendo ainda algumas relações com a arte da Pérsia e da Ásia Central, defendendo, por isso, que a decoração não seguiu os cânones bizantinos da época.[18] Miyatev defende a opinião contrária e nota importantes semelhanças entre a decoração da Igreja Redonda e a da Igreja da Mãe de Deus, parte do Mosteiro de Lips (atualmente a Mesquita de Fenari Isa), construída em 908 na cidade de Constantinopla.[58] Mavrodinov alega que o arquiteto da Igreja Redonda teria sido inspirado por exemplos da antiguidade, citando, em particular, sua rica decoração escultórica.[59]

Os azulejos decorativos da Igreja Redonda não tinham paralelo em mais nenhuma igreja de Preslav, e é o único edifício conhecido na cidade com tal profusão de elementos decorativos em azulejo cerâmico policromado.[60] Um dos mais significativos elementos decorativos do interior foram os Ícones em azulejo e mosaico, nos quais eram representadas figuras tanto em tamanho natural como miniaturas. Enquanto as imagens em cerâmica eram realizadas com azulejos de argila, os ícones em mosaico eram realizados com diversos materiais, entre os quais argila, vidro e pedras de variados tons sobre um fundo dourado.[25] Entre os santos e figuras bíblicas retratadas estão São Caralampo e, provavelmente, o profeta Joel. Algumas das imagens eram emolduradas por elipses.[51]

As cornijas do templo foram realizadas em mármore e calcário, nas quais predominam decorações florais.[61] Muitas são decoradas com volutas e diversos motivos ornamentais como palmas, cachos de uva, folhas e chanfraduras.[51] Além dos ornamentos clássicos, a decoração das cornijas apresenta também alguns programas inovadores e outros que, embora comuns, são integrados em novos motivos. Além das formas geométricas e motivos florais, foram encontrados nas ruínas azulejos com figuras de pássaros e outros animais, vidrados em tons marrom, amarelo, verde, azul ou azul-esverdeado. As paredes eram revestidas com mármore polido disposto em padrões.[25][51]

EpigrafiaEditar

 
Inscrição do cartofilax Paulo

A Igreja Redonda contém diversas inscrições medievais, tanto oficiais como pictogramas gravados nas paredes na forma de graffiti. Um estudo contou 193 símbolos e 30 desenhos, a maioria dos quais representativos de alguma forma de simbolismo cristão.[62] No geral, a epigrafia da Igreja Redonda data do século X[50] estando nela presentes três alfabetos: grego, glagolítico e cirílico; e também duas línguas, o grego bizantino e o búlgaro antigo (a recensão búlgara do antigo eslavônico eclesiástico).[21] As inscrições glagolíticas são evidências de que este alfabeto continuou a ser usado em Preslav a par do cirílico.[47]

Talvez a mais famosa e valiosa inscrição nas paredes da igreja seja uma inscrição em cirílico na parede sul do nártex, no interior do compartimento isolado ao qual se convencionou denominar batistério. A inscrição foi inscrita de forma desastrada num remendo de argamassa e tem escrito: "Igreja de São João, construída pelo cartofílax Paulo".[22] Apesar de ser datada do século X[63] e de mencionar a dedicação da igreja e seu potencial patrono, ela não representa uma inscrição de doador clássica por causa de sua localização pouco natural e da forma tosca como foi gravada. Nikolova considera ser mais provável que o autor da inscrição tenha sido uma pessoa erudita que serviu sob o cartofílax Paulo e desejava espalhar sua fama. Ela acredita que o texto faça referência apenas à construção do nártex, e não à totalidade da igreja, uma vez que ela está entre os que defendem a tese da construção em duas fases.[21]

Entre os outros exemplares epigráficos da Igreja Redonda estão diversos pequenos textos glagolíticos e cirílicos e letras isoladas. Entre as inscrições glagolíticas está o Abecedarium de Preslav, um texto litúrgico no qual se encontram as primeiras treze letras desse alfabeto.[41] Alguns dos textos em cirílico foram escritos em azulejo. Os nomes e descrições anexas aos ícones foram escritas em grego,[50] havendo no entanto algumas inscrições bilingues em grego e búlgaro.[64] As letras isoladas gravadas na parede ilustram o modo como as formas grega e glagolítica simplificada foram conjugadas para formar o alfabeto cirílico primitivo.[65] Nas paredes da igreja estão gravadas formas isoladas com cruzes cristãs, animais[50] e onze ilustrações de navios.[62] Foi descoberto pelo menos um epitáfio, inscrito no túmulo de uma mulher descrita como "Tudora, serva de Deus".[64][66]

Referências

  1. Vasilʹev, Aleksandr Aleksandrovich (1952). History of the Byzantine Empire, 324–1453. 1 2nd ed. Madison: University of Wisconsin Press. pp. 282–283. ISBN 978-0-299-80925-6 
  2. Washburn, Dennis Charles; A. Kevin Reinhart (2007). Converting Cultures: Religion, Ideology, and Transformations of Modernity. Boston: Brill. pp. 132–133. ISBN 978-90-04-15822-1 
  3. Crampton, pp. 9–11
  4. Stephenson, p. 18
  5. a b c Stavreva, p. 19
  6. Otfinoski, Steven (2004). Nations in Transition: Bulgaria. New York: Infobase Publishing. p. 5. ISBN 978-0-8160-5116-8 
  7. a b Crampton, pp. 16–17
  8. MacDermott, Mercia (1998). Bulgarian Folk Customs. Philadelphia; London: Jessica Kingsley. p. 25. ISBN 978-1-85302-485-6 
  9. a b Stephenson, pp. 18–19
  10. Bakalov, Georgi; Milen Kumanov (2003). «SIMEON I Veliki (864-27.V.927)» [SIMEON I The Great (864 — 27 May 927)]. Elektronno izdanie "Istoria na Balgaria" [Electronic edition "History of Bulgaria"] (CD) (em Bulgarian). Sofia: Knigoizdatelska kashta "Trud"; Sirma AI. ISBN 954528613X 
  11. Frucht, Richard C. (2005). Eastern Europe: An Introduction to the People, Lands, and Culture. Santa Barbara: ABC-CLIO. p. 821. ISBN 978-1-57607-800-6 
  12. Delev
  13. a b Totev, p. 58
  14. Curta, p. 220
  15. a b Nikolova, pp. 88–89
  16. a b c d e f g h i Vaklinov, p. 196
  17. Mavrodinov, p. 150
  18. a b c d e Vlasto, p. 171
  19. a b c d Balgarska entsiklopedia A–Ya
  20. Nachev, p. 18
  21. a b c Nikolova, pp. 91–92
  22. a b Nachev, p. 17
  23. a b c d e f Nikolova, p. 89
  24. Nikolova, p. 54
  25. a b c d e Miyatev, p. 98
  26. a b c d e f g Mavrodinov, p. 151
  27. Totev, p. 63
  28. Nikolova, p. 88
  29. «Spisak na pametnitsite na kulturata s kategoria "Natsionalno znachenie" na teritoriata na Oblast Shumen /po naseleni mesta/» [List of monuments of culture with the category "national importance" on the territory of Shumen Province by populated places] (PDF) (em Bulgarian). Ministerstvo na kulturata na Republika Balgaria. pp. 9–10. Consultado em 1 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2010 
  30. «98. Natsionalen istoriko-arheologicheski rezervat "Veliki Preslav"» [98. Veliki Preslav National Historical and Architectural Reserve] (em Bulgarian). Balgarski turisticheski sayuz. Consultado em 1 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2010 
  31. «Sbornik "100-te natsionalni turisticheski obekta"» [Collection "The 100 National Tourist Sites"] (PDF) (em Bulgarian). Natsionalno obedinenie "Sahrani balgarskoto". pp. 386–387. Consultado em 1 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2010 
  32. Nikiforova, Violeta. «Tsarkvata "Sveta Petka" v Ruse se rushi» [The Church of St Petka in Ruse is suffering damage] (em Bulgarian). Balgarska natsionalna televizia. Consultado em 1 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2010 
  33. Greenway, Paul (2002). Lonely Planet Bulgaria 1st ed. Footscray, Vic.; Oakland, CA: Lonely Planet. p. 210. ISBN 978-1-86450-148-3 
  34. «Vdigat Zlatnata tsarkva v original» [The Golden Church to be constructed in its original size]. Trud (em Bulgarian). Vestnikarska Grupa Balgaria OOD. 20 de dezembro de 2009. Consultado em 15 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2010 
  35. «Pametnik na tsar Simeon Veliki beshe otkrit do Zlatnata tsarkva vav Veliki Preslav po povod 1080-godishninata ot konchinata na balgarskia vladetel.» [A monument to Tsar Simeon the Great was unveiled next to the Golden Church in Veliki Preslav on the occasion of the 1080th anniversary of the Bulgarian ruler's death.]. Sega (em Bulgarian). Sega AD. 27 de maio de 2007. Consultado em 15 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2010 
  36. Ivanova, Emilia (31 de julho de 2010). «I dnes krashtavat i venchavat v ruinite na Zlatnata preslavska tsarkva» [People are still getting baptised and married in the ruins of the Golden Church of Preslav today] (em Bulgarian). Dveri na Pravoslavieto. Consultado em 15 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2010 
  37. Nikolova, p. 93
  38. a b c d e Koeva
  39. «Istoria» [History] (em Bulgarian). Obshtina Veliki Preslav. Consultado em 18 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2010 
  40. «Obshtina Veliki Preslav» [Veliki Preslav Municipality] (em Bulgarian). Oblastna administratsia Shumen. Consultado em 18 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2010 
  41. a b c d Curta, p. 221
  42. Vaklinov, pp. 199–200
  43. a b c d e Miyatev, p. 69
  44. a b c d Kazhdan, p. 335
  45. a b Vaklinov, p. 200
  46. a b Redgate, Anne Elizabeth (2000). The Armenians. Oxford; Malden, Mass.: Wiley-Blackwell. p. 242. ISBN 978-0-631-22037-4 
  47. a b Totev, p. 61
  48. Georgiev, Pavel (2002). «Bazilikata "Gebe Klise" i vaprosat za vrazkite mezhdu Balgaria i Rim v kraya na IX vek» [The Gebe Klise Basilica and the matter of relations between Bulgaria and Rome in the late 9th century] (PDF). Sofia: Shumenski universitet; Universitetsko izdatelstvo "Sv. Kliment Ohridski". Preslavska knizhovna shkola (em Bulgarian). 6: 49. ISBN 978-954-430-885-8. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2010 
  49. Hodinot, R. (1968). «Zapadni vliyania varhu Kraglata tsarkva v Preslav» [Western influences on the Round Church in Preslav]. Arheologia (em Bulgarian) (1): 20. ISSN 0324-1203. OCLC 630557039 
  50. a b c d Nikolova, p. 92
  51. a b c d e Nikolova, p. 91
  52. Mavrodinov, p. 152
  53. a b c d e f Totev, p. 60
  54. Nikolova, pp. 89–90
  55. a b c d e Nikolova, p 90
  56. Mavrodinov, p. 164
  57. Vaklinov, pp. 198–199
  58. Miyatev, p. 100
  59. Miyatev, p. 157
  60. Mango, p. 114
  61. Vaklinov, pp. 212–213
  62. a b Rashev, p. 339
  63. Vaklinov, p. 227
  64. a b Vaklinov, p. 226
  65. Vlasto, p. 41
  66. Andreev, Yordan; Lazarov, Ivan; Pavlov, Plamen (1999). Koy koy e v srednovekovna Balgaria [Who is Who in Medieval Bulgaria] (em Bulgarian). Sofia: Izdatelska kashta "Petar Beron". p. 385. ISBN 978-954-402-047-7 

BibliografiaEditar

  • Crampton, R .J. (2005). A Concise History of Bulgaria. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 16–17. ISBN 978-0-521-61637-9 
  • Curta, Florin (2006). Southeastern Europe in the Middle Ages, 500–1250. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 220–221. ISBN 978-0-521-81539-0 
  • Kazhdan, Alexander (1991). «Bulgarian art and architecture». Oxford Dictionary of Byzantium. Oxford: Oxford University Press. pp. 334–335. ISBN 978-0-19-504652-6 
  • Mango, Maria Mundell (2009). Byzantine Trade, 4th–12th Centuries: The Archaeology of Local, Regional and International Exchange: Papers of the Thirty-eighth Spring Symposium of Byzantine Studies, St John's College, University of Oxford, March 2004. Farnham: Ashgate Publishing. pp. 113–114. ISBN 978-0-7546-6310-2 
  • Stavreva, Kirilka; Quek, Lynette (2007). Cultures of the World: Bulgaria. New York: Marshall Cavendish. ISBN 978-0-7614-2078-1 
  • Stephenson, Peter (2000). «Bulgaria and beyond: the Northern Balkans (c. 900–963)». Byzantium's Balkan Frontier: A Political Study of the Northern Balkans, 900–1204. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-77017-3 
  • Vlasto, A. P. (1970). The Entry of the Slavs into Christendom: An Introduction to the Medieval History of the Slavs. Cambridge: Cambridge University Press Archive. ISBN 978-0-521-07459-9 
  • Delev, Petar; Valeri Katsunov, Plamen Mitev, Evgenia Kalinova, Iskra Baeva, Boyan Dobrev (2006). «10. Zlatniyat vek na balgarskata kultura» [10. The Golden Age of Bulgarian culture]. Istoria i tsivilizatsia za 11. klas [History and Civilisation for the 11th Grade] (em búlgaro). Sofia: Knigoizdatelska kashta "Trud"; Sirma AI. ISBN 954-9926-72-9 
  • Koeva, Margarita (2003). «Arhitektura na Parvoto balgarsko tsarstvo» [Architecture of the First Bulgarian Empire]. Vavedenie v arhitekturnata teoria i istoria. Uchebnik za studenti po izkustvoznanie [Introduction to Architectural Theory and History. Textbook for Art History Students] (em búlgaro). Varna: LiterNet. ISBN 954-304-027-3. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2010 
  • «Kraglata tsarkva» [The Round Church]. Balgarska entsiklopedia A–Ya [Bulgarian Encyclopedia A–Ya] (CD) (em búlgaro). Sofia: Balgarska akademia na naukite; Knigoizdatelska kashta "Trud"; Sirma AI. 2002. ISBN 954-8104-08-3 
  • Mavrodinov, Nikola (1959). Starobalgarskoto izkustvo: izkustvoto na Parvoto balgarsko tsarstvo [Old Bulgarian Art: The Art of the First Bulgarian Empire] (em búlgaro). Sofia: Izdatelstvo "Nauka i izkustvo". pp. 150–164. OCLC 456107079 
  • Miyatev, Krastyu (1965). Arhitekturata v srednovekovna Balgaria [Architecture in Medieval Bulgaria] (em búlgaro). Sofia: Izdatelstvo na Balgarskata akademia na naukite. pp. 95–100. OCLC 10198565 
  • Nachev, Ventseslav (1994). Balgarski nadpisi [Bulgarian Inscriptions] (em búlgaro). Sofia: Izdatelska kashta "Hristo Botev". pp. 17–19. ISBN 978-954-445-128-8 
  • Nikolova, Bistra (2002). Pravoslavnite tsarkvi prez Balgarskoto srednovekovie IX–XIV v. [The Orthodox Churches During the Bulgarian Middle Ages 9th–14th Century] (em búlgaro). Sofia: Akademichno izdatelstvo "Marin Drinov". pp. 88–92. ISBN 954-430-762-1 
  • Rashev, Rasho (1995). «Korabat kato simvol v Preslav prez X vek» [The Ship as a Symbol in Preslav in the 10th Century] (PDF). Sofia: Shumenski universitet; Universitetsko izdatelstvo "Sv. Kliment Ohridski". Preslavska knizhovna shkola (em búlgaro). 1: 338–343. ISBN 978-954-07-0403-6. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2010 
  • Totev, Totyu (1993). Veliki Preslav: Patevoditel [Veliki Preslav: Guidebook] (em búlgaro). Varna: Hronos. pp. 58–63. ISBN 954-592-001-7 
  • Vaklinov, Stancho (1977). «IV. Izgrazhdane na edinna starobalgarska kultura (vtorata polovina na IX — nachaloto na XI v.» [IV. The establishment of a united Old Bulgarian culture (second half of 9th — early 11th century]. Formirane na starobalgarskata kultura VI–XI vek [The Formation of Old Bulgarian Culture 6th–11th Century] (em búlgaro). Sofia: Balgarsko istorichesko druzhestvo; Izdatelstvo "Nauka i izkustvo". OCLC 314653227 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Igreja Redonda (Preslav)