Prêmio Nobel de Literatura

prémio literário concedido anualmente

O Prêmio (português brasileiro) ou Prémio (português europeu) Nobel de Literatura (em sueco: Nobelpriset i litteratur; ouça a pronúncia) é um prêmio literário sueco que é concedido anualmente, desde 1901, a um autor de qualquer país que, nas palavras da vontade do industrial sueco Alfred Nobel, produziu "no campo da literatura o trabalho mais notável em uma direção ideal" (em sueco: den som inom litteraturen har producerat det utmärktaste i idealisk riktning).[2][3] Embora os trabalhos individuais sejam às vezes citados como particularmente dignos de nota, o prêmio é baseado no conjunto da obra de um autor como um todo. A Academia Sueca é responsável por escolher o ganhador do prêmio e anunciar os nomes dos laureados, no início de outubro. É um dos cinco Prêmios Nobel estabelecidos pela vontade de Alfred Nobel em 1895. Em algumas ocasiões, o prêmio foi adiado para o ano seguinte. Não foi concedido em 2018, mas dois prêmios foram concedidos em 2019.[4][5][6]

Prêmio Nobel de Literatura
Prêmio Nobel de Literatura
Anverso de uma medalha do Prêmio Nobel
Descrição Contribuições notáveis na literatura
Organização Academia Sueca
Local Estocolmo
País Suécia
Primeira cerimônia 1901
Última cerimônia 2023
Detentor atual Jon Fosse[1]
Página oficial

Embora o Prêmio Nobel de Literatura tenha se tornado o prêmio literário de maior prestígio do mundo, a Academia Sueca tem atraído críticas significativas por seu tratamento do prêmio, principalmente pelas escolhas dos laureados e das indicações, sendo acusada de ter viés político, eurocentrismo e más escolhas envolvendo a premiação.

História

editar
 Ver também : Prêmio Nobel

Alfred Nobel estipulou em seu testamento que seu dinheiro seria usado para criar uma série de prêmios para aqueles que conferem o "maior benefício para a humanidade" em física, química, paz, fisiologia ou medicina e literatura. Embora Nobel tenha escrito vários testamentos durante sua vida, o último foi escrito pouco mais de um ano antes de sua morte e assinado no Clube Sueco-Norueguês em Paris em 27 de novembro de 1895.[7] Nobel legou 94% de seus ativos totais, 31 milhões de coroas suecas (o equivalente a US$ 198 milhões ou € 176 milhões em 2016), para estabelecer e dotar os cinco prêmios Nobel. Devido ao nível de ceticismo em torno do testamento, só em 26 de abril de 1897 foi aprovado pelo Storting, o Parlamento da Noruega.[8] Os executores de seu testamento foram Ragnar Sohlman e Rudolf Lilljequist, que formaram a Fundação Nobel para cuidar da fortuna de Alfred Nobel e organizar os prêmios.[9]

Os membros do Comitê Nobel Norueguês que deveriam conceder o Prêmio da Paz foram nomeados logo após a aprovação do testamento. As organizações que fariam a premiação foram: o Instituto Karolinska em 7 de junho, a Academia Sueca em 9 de junho e a Academia Real das Ciências da Suécia em 11 de junho.[10][11] A Fundação Nobel chegou então a um acordo sobre as diretrizes de como o Prêmio Nobel deveria ser concedido. Em 1900, os estatutos recém-criados da Fundação Nobel foram promulgados pelo rei Óscar II.[12][13]

Processo de premiação

editar

Todos os anos, a Academia Sueca envia pedidos de nomeação de candidatos ao Prêmio Nobel de Literatura. Membros da Academia, membros de academias e sociedades de literatura, professores de literatura e línguas, ex-laureados com o Nobel de Literatura e presidentes de organizações de escritores podem indicar um candidato, porém não é permitido autoindicar-se.[14]

Milhares de solicitações são enviadas a cada ano e, em 2011, cerca de 220 delas tiveram retorno. Essas propostas devem ser recebidas pela Academia até 1 de fevereiro, quando são examinadas pelo Comitê Nobel. Em abril, a Academia restringe o campo a cerca de vinte candidatos. Até maio, uma pequena lista de cinco nomes é aprovada pelo Comitê. Os quatro meses seguintes são gastos na leitura e revisão dos trabalhos dos cinco candidatos. Em outubro, os membros da Academia votam e o candidato que recebe mais da metade dos votos é nomeado o ganhador do Prêmio Nobel de Literatura. Ninguém pode obter o prêmio sem estar na lista pelo menos duas vezes, assim muitos dos mesmos autores reaparecem e são revisados ​​repetidamente ao longo dos anos. A academia é mestre em treze idiomas, mas quando um candidato indicado escreve em uma língua desconhecida, são convidados tradutores e especialistas juramentados para traduzirem alguns trechos desse escritor.[15] Outros elementos do processo são semelhantes aos de outros prêmios Nobel. Os juízes são compostos de um comitê de 18 membros que são eleitos para um mandato vitalício e até 2018, não estavam tecnicamente autorizados a renunciar.[16] Em 2 de maio de 2018, o rei Carlos XVI Gustavo alterou as regras da academia e possibilitou a renúncia dos membros. As novas regras também afirmam que um membro que estiver inativo no trabalho da academia por mais de dois anos pode ser solicitado a renunciar.[17][18]

O prêmio é geralmente anunciado em outubro. Às vezes, no entanto, o prêmio foi anunciado no ano após o ano nominal, sendo o último o prêmio de 2018. No meio da controvérsia em torno de alegações de agressão sexual, conflito de interesses e renúncias, em 4 de maio de 2018, a Academia Sueca anunciou que o prêmio de 2018 seria anunciado em 2019, juntamente com o laureado de 2019.[4]

Prêmios

editar

O laureado ganha a medalha do Prêmio Nobel, cunhada pela Myntverket na Suécia e pela Casa da Moeda[19] e com uma imagem de Alfred Nobel no esquerdo, acompanhada de suas datas de nascimento e morte.[19] Os vencedores recebem um diploma diretamente das mãos do rei da Suécia que contém uma imagem e um texto onde o nome do laureado é especificado, assim como o motivo ou motivos da concessão.[20][21] O laureado também é convidado a dar uma palestra durante a "Semana do Nobel" em Estocolmo; o destaque é a cerimônia de premiação e o banquete no dia 10 de dezembro.[22]

O prêmio em dinheiro do Prêmio Nobel tem flutuado desde a sua inauguração, mas a partir de 2012 ficou em 8 000 000 coroas suecas (cerca de US$ 1 100 000), antes era de 10 000 000 coroas.[23] Esta não foi a primeira vez que o montante do prêmio foi diminuído - começando com um valor nominal de kr 150 782 em 1901 (no valor de 8 123 951 coroas em 2011) o valor nominal foi tão baixo quanto 121 333 coroas (2 370 660 coroas em 2011) em 1945 - mas tem sido estabilizado desde então, chegando a um valor de 11 659 016 coroas em 2001.[23]

Medalhas

editar

As medalhas do Prêmio Nobel, cunhadas pela Myntverket na Suécia e na Casa da Moeda da Noruega desde 1902, são marcas registradas da Fundação Nobel.[24] Cada medalha apresenta uma imagem de Alfred Nobel no perfil esquerdo no anverso (frente da medalha). As medalhas do Prêmio Nobel de Física, Química, Fisiologia ou Medicina e Literatura têm obversos idênticos, mostrando a imagem de Alfred Nobel e os anos de seu nascimento e morte (1833-1896). O retrato de Nobel também aparece no anverso da medalha do Prêmio Nobel da Paz e na Medalha pelo Prêmio em Economia, mas com um design ligeiramente diferente. A imagem no verso de uma medalha varia de acordo com a instituição que concede o prêmio. Os versos das medalhas do Prêmio Nobel de Química e Física compartilham o mesmo design.[25] A medalha para o Prêmio Nobel de Literatura foi projetada por Erik Lindberg.[26]

Diploma

editar

Os ganhadores do Prêmio Nobel recebem um diploma diretamente do rei da Suécia. Cada diploma é projetado exclusivamente pelas instituições premiadas para o laureado que o recebe. O diploma contém uma foto e um texto que declaram o nome do laureado e normalmente uma citação do motivo pelo qual receberam o prêmio.[27]

Laureados

editar
 Ver artigo principal: Laureados com o Nobel de Literatura

O Prémio Nobel da Literatura foi atribuído 116 vezes entre 1901 e 2023 a 120 indivíduos, sendo 103 homens e 17 mulheres. O prêmio foi dividido entre duas pessoas em quatro ocasiões e não foi concedido em sete ocasiões. Os laureados incluíram escritores em 25 idiomas diferentes. O laureado mais jovem foi Rudyard Kipling, que tinha 41 anos quando foi premiado em 1907, e a laureada mais velha a receber o prêmio foi Doris Lessing, que tinha 88 anos quando foi premiada em 2007. Foi concedido postumamente uma vez, a Erik Axel Karlfeldt em 1931. Em algumas ocasiões, a instituição premiadora, a Academia Sueca, concedeu o prêmio aos seus próprios membros: Verner von Heidenstam em 1916, o prêmio póstumo para Karlfeldt em 1931, Pär Lagerkvist em 1951, e o prêmio compartilhado para Eyvind Johnson e Harry Martinson em 1974. Selma Lagerlöf foi eleita membro da Academia Sueca em 1914, cinco anos depois de ter recebido o Prêmio Nobel em 1909. Três escritores recusaram o prêmio, Erik Axel Karlfeldt em 1919,[28] Boris Pasternak em 1958 (Aceito primeiro, mais tarde obrigado pelas autoridades de seu país, a União Soviética, a recusar o Prêmio, de acordo com a Fundação Nobel) e Jean-Paul Sartre em 1964.[29]

Nos primeiros cem anos de história do Prêmio Nobel, 61,2% dos laureados literários vieram de apenas dez países; os mesmos dez países receberam 82,2% de todos os prêmios Nobel. Os romancistas dominaram os prêmios (52), seguidos por significativamente menos poetas (28) e dramaturgos (11). Dois receberam prêmios literários por suas obras históricas: Theodor Mommsen (1902) e Winston Churchill (1953). Enquanto 4,1% de todos os ganhadores do Nobel são mulheres, a proporção de ganhadores do Nobel de literatura é de 31%. Na época da entrega do prêmio, a média de idade dos criadores era de 63,8 anos.[30]

As diretrizes de Alfred Nobel para o prêmio, afirmando que o candidato deveria ter concedido "o maior benefício à humanidade" e escrito "numa direção idealista", suscitaram muita discussão. No início da história do prêmio, o idealismo de Nobel era lido como um idealismo elevado e sólido. O conjunto de critérios, caracterizado por seu idealismo conservador, considerando sagrados a igreja, o estado e a família, resultou em prêmios para Bjørnstjerne Bjørnson, Rudyard Kipling e Paul Heyse. Durante a Primeira Guerra Mundial, houve uma política de neutralidade, o que explica em parte o número de prêmios concedidos aos escritores escandinavos. Na década de 1920, a "direção idealista" foi interpretada de forma mais generosa como "humanidade de coração aberto", levando a prêmios para escritores como Anatole France, George Bernard Shaw e Thomas Mann. Na década de 1930, "o maior benefício para a humanidade" foi interpretado como escritores ao alcance de todos, com autores como Sinclair Lewis e Pearl Buck recebendo reconhecimento. Ainda nesse contexto, August Strindberg foi repetidamente contornado pelo comitê, mas tem a singular distinção de ser premiado com o Prêmio AntiNobel, conferido pela aclamação popular e assinatura nacional e apresentado a ele em 1912 pelo futuro primeiro-ministro Hjalmar Branting. James Joyce escreveu os livros que ocupam o 1º e 3º lugar na Modern Library 100 Best Novels - Ulysses e Portrait of the Artist as a Young Man - mas Joyce nunca venceu.[31][32]

A partir de 1986, a Academia reconheceu o horizonte internacional no testamento do Nobel que rejeitou qualquer consideração sobre a nacionalidade dos candidatos e premiou autores de todo o mundo como Wole Soyinka da Nigéria, Naguib Mahfouz do Egito, Octavio Paz do México, Nadine Gordimer da África do Sul, Derek Walcott de Santa Lúcia, Toni Morrison, o primeiro afro-americano da lista, Kenzaburo Oe do Japão, e Gao Xingjian, o primeiro laureado a escrever em chinês.[33] Na década de 2000, VS Naipaul, Mario Vargas Llosa e o escritor chinês Mo Yan foram premiados, mas a política de "um prêmio para o mundo inteiro" tem sido menos perceptível, já que a Academia premiou principalmente escritores europeus e de língua inglesa da tradição literária ocidental. Em 2015, um raro prêmio a escritora de não-ficção foi concedido a Svetlana Alexievich.[34]

Lista dos laureados

editar
Ano Laureado[nota 1]
(Nascimento–Falecimento)
País
[nota 2]
Citação
1901 Sully Prudhomme
(1839–1907)
  França "em especial reconhecimento a sua composição poética, que dá provas de idealismo elevado, perfeição artística e uma combinação rara das qualidades do coração e do intelecto"[35]
1902 Theodor Mommsen
(1817–1903)
  Alemanha "o maior mestre vivo da arte da escrita histórica, com referência especial à sua monumental obra: A História de Roma"[36]
1903 Bjørnstjerne Bjørnson
(1832–1910)
  Noruega "como um tributo à sua poesia nobre, magnífica e versátil, que sempre se distinguiu pela frescura da sua inspiração como pela rara pureza do seu espírito"[37]
1904 Frédéric Mistral
(1830–1914)
  França "em reconhecimento à originalidade fresca e verdadeira inspiração de sua produção poética, que reflete fielmente o cenário natural e o espírito nativo do seu povo, e, além disso, seu trabalho significativo como um filólogo provençal"[38]
José Echegaray
(1832–1916)
  Espanha "em reconhecimento às inúmeras e brilhantes composições que, de forma individual e original, reviveram as grandes tradições do drama espanhol"[38]
1905 Henryk Sienkiewicz
(1846–1916)
  Polônia[nota 3] "por causa de seus notáveis méritos como escritor épico"[39]
1906 Giosuè Carducci
(1835–1907)
  Itália "não apenas em consideração a sua aprendizagem profunda e investigação crítica, mas sobretudo como uma homenagem à energia criativa, o frescor do estilo, e a força lírica que caracterizam suas obras poéticas"[40]
1907 Rudyard Kipling
(1865–1936)
  Reino Unido "em consideração ao poder de observação, originalidade de imaginação, virilidade de ideias e talento notável para a narração que caracterizam as criações deste autor mundialmente famoso"[41]
1908 Rudolf Eucken
(1846–1926)
  Alemanha "em reconhecimento à sua busca sincera da verdade, sua penetrante força de pensamento, seu amplo campo de visão, e o calor e a firmeza de apresentação com as quais, em seus numerosos trabalhos, tem justificado e desenvolvido uma idealista filosofia de vida"[42]
1909 Selma Lagerlöf
(1858–1940)
  Suécia "em apreciação pelo idealismo sublime, imaginação vívida e percepção espiritual que caracterizam seus escritos"[43]
1910 Paul von Heyse
(1830–1914)
  Alemanha "como um tributo à habilidade artística completa, impregnada de idealismo, que demonstrou durante sua longa e produtiva carreira como poeta lírico, dramaturgo, romancista e escritor de contos de renome mundial"[44]
1911 Maurice Maeterlinck
(1862–1949)
  Bélgica "em apreciação às suas atividades literárias multifacetadas, e especialmente por seus trabalhos dramáticos, que se distinguem por uma riqueza de imaginação e uma fantasia poética, que revelam, por vezes sob a forma de um conto de fadas, uma inspiração profunda, enquanto que de uma maneira misteriosa, apelam para os sentimentos dos próprios leitores e estimulam suas imaginações"[45]
1912 Gerhart Hauptmann
(1862–1946)
  Alemanha "principalmente em reconhecimento à sua produção fértil, variada e de destaque no domínio da arte dramática"[46]
1913 Rabindranath Tagore
(1861–1941)
  Reino Unido [nota 4] "pelo seu poema profundamente sensível, fresco, e belo, pelo qual, com consumada perícia, fez do seu pensamento poético, expresso nas suas próprias palavras inglesas, uma parte da literatura do ocidente"[47]
1914 O prêmio não foi atribuído.[48]
1915 Romain Rolland
(1866–1944)
  França "como um tributo ao elevado idealismo de sua produção literária e pela simpatia e amor à verdade com os quais descreveu os diferentes tipos de seres humanos"[49]
1916 Verner von Heidenstam
(1859–1940)
  Suécia "em reconhecimento do seu significado como o representante principal de uma nova era em nossa literatura"[50]
1917 Karl Adolph Gjellerup
(1857–1919)
  Dinamarca "por sua poesia variada e rica, que é inspirada por nobres ideais"[51]
Henrik Pontoppidan
(1857–1943)
"por suas descrições autênticas da vida de hoje na Dinamarca"[51]
1918 O prêmio não foi atribuído.[52]
1919 Carl Spitteler
(1845–1924)
  Suíça "em especial agradecimento por seu épico: Primavera Olímpica"[53]
1920 Knut Hamsun
(1859–1952)
  Noruega "por seu trabalho monumental: Os Frutos da Terra"[54]
1921 Anatole France
(1844–1924)
  França "em reconhecimento por suas brilhantes realizações literárias, caracterizadas como elas são, por uma nobreza de estilo, uma profunda simpatia humana, graça, e um verdadeiro temperamento gaulês"[55]
1922 Jacinto Benavente
(1866–1954)
  Espanha "pelo modo agradável com que deu sequência ao tradicional drama espanhol"[56]
1923 William Butler Yeats
(1865–1939)
  Irlanda "por sua poesia sempre inspirada, que em uma forma altamente artística dá expressão ao espírito de uma nação inteira"[57]
1924 Władysław Reymont
(1867–1925)
  Polônia "por seu grande épico nacional, Os Camponeses"[58]
1925 George Bernard Shaw
(1856–1950)
  Irlanda "por seu trabalho que é marcado pelo idealismo e humanidade, sua sátira estimulante muitas vezes sendo infundida com uma singular beleza poética"[59]
1926 Grazia Deledda
(1871–1936)
  Itália "por seus escritos idealisticamente inspirados que, com clareza plástica descreve a vida na sua ilha natal e com profundidade e simpatia trata dos problemas humanos em geral"[60]
1927 Henri Bergson
(1859–1941)
  França "em reconhecimento às suas ideias ricas e vitalizantes e à habilidade genial com que elas têm sido apresentadas"[61]
1928 Sigrid Undset
(1882–1949)
  Noruega[nota 5] "principalmente pelas suas fortes descrições da vida nórdica durante a Idade Média"[62]
1929 Thomas Mann
(1875–1955)
  Alemanha "principalmente por seu grande romance, Buddenbrooks, que ganhou reconhecimento cada vez maior como uma das obras clássicas da literatura contemporânea"[63]
1930 Sinclair Lewis
(1885–1951)
  Estados Unidos "por sua arte vigorosa e gráfica de descrição e sua capacidade de criar com sagacidade e humor, novos tipos de personagens"[64]
1931 Erik Axel Karlfeldt
(1864–1931)
  Suécia "A poesia de Erik Axel Karlfeldt"[65]
1932 John Galsworthy
(1867–1933)
  Reino Unido "por sua arte distinta de narração, que tem sua forma mais elevada em The Forsyte Saga"[66]
1933 Ivan Bunin
(1870–1953)
  União Soviética
[nota 6][nota 7]
"pela habilidade artística precisa com que deu continuidade às tradições clássicas russas na prosa"[67]
1934 Luigi Pirandello
(1867–1936)
  Itália "por sua revitalização arrojada e engenhosa da arte dramática e cênica"[68]
1935 O prêmio não foi atribuído.[69]
1936 Eugene O'Neill
(1888–1953)
  Estados Unidos "pela força, honestidade e emoções intensas de suas obras dramáticas, que incorporam um conceito original da tragédia"[70]
1937 Roger Martin du Gard
(1881–1958)
  França "pela força artística e verdade com que descreveu os conflitos humanos, bem como alguns aspectos fundamentais da vida contemporânea em seu ciclo de romances Les Thibault"[71]
1938 Pearl S. Buck
(1892–1973)
  Estados Unidos "por suas ricas e verdadeiras descrições épicas da vida dos camponeses na China e por seus trabalhos biográficos"[72]
1939 Frans Eemil Sillanpää
(1888–1964)
  Finlândia "por seu profundo entendimento dos camponeses de seu país e pela arte requintada com que retratou seus modos de vida e suas relações com a natureza"[73]
1940 O prêmio não foi atribuído.[74][75][76][77]
1941
1942
1943
1944 Johannes Vilhelm Jensen
(1873–1950)
  Dinamarca "pela força rara e fertilidade de sua imaginação poética com a qual se combinam uma curiosidade intelectual de amplo alcance e um estilo arrojado, vivamente criativo"[78]
1945 Gabriela Mistral
(1889–1957)
  Chile "por sua poesia lírica, inspirada por fortes emoções, que fez de seu nome um símbolo das aspirações idealistas de todo o mundo latino-americano"[79]
1946 Hermann Hesse
(1877–1962)
  Alemanha
  Suíça
[nota 8]
"por seus escritos inspirados que, enquanto crescem em audácia e penetração, exemplificam os ideais humanitários clássicos e as altas qualidades de estilo"[80]
1947 André Gide
(1869–1951)
  França "por seus escritos solidários e artisticamente significativos, nos quais os problemas e as condições humanas são apresentados com um destemido amor pela verdade e uma intuição psicológica aguda"[81]
1948 T. S. Eliot
(1888–1965)
  Reino Unido
[nota 9]
"por sua contribuição pioneira e notável à poesia contemporânea"[82]
1949 William Faulkner
(1897–1962)
  Estados Unidos "por sua contribuição forte e artisticamente incomparável para o moderno romance americano"[83]
1950 Bertrand Russell
(1872–1970)
  Reino Unido "em reconhecimento aos seus escritos variados e significativos, nos quais defende os ideais humanitários e a liberdade de pensamento"[84]
1951 Pär Lagerkvist
(1891–1974)
  Suécia "pelo vigor artístico e verdadeira independência de pensamento com que esforça-se, em sua poesia, para achar respostas para as eternas questões que afrontam a humanidade"[85]
1952 François Mauriac
(1885–1970)
  França "pela intuição espiritual profunda e pela intensidade artística com que, em seus romances, penetrou no drama da vida humana"[86]
1953 Winston Churchill
(1874–1965)
  Reino Unido "por sua maestria na descrição histórica e biográfica, bem como pela brilhante oratória em defesa dos valores humanos"[87]
1954 Ernest Hemingway
(1899–1961)
  Estados Unidos "por sua maestria da arte narrativa, mais recentemente demonstrada em "O Velho e O Mar", e pela influência que exerceu no estilo contemporâneo"[88]
1955 Halldór Laxness
(1902–1998)
  Islândia "por seu épico vívido e poderoso que renovou a grande arte narrativa da Islândia"[89]
1956 Juan Ramón Jiménez
(1881–1958)
  Espanha "por sua poesia lírica, que na língua espanhola constitui um exemplo de espírito elevado e pureza artística"[90]
1957 Albert Camus
(1913–1960)
  França
[nota 10]
"por sua produção literária importante, que com lúcida sinceridade ilumina os problemas da consciência humana em nossos tempos"[91]
1958 Boris Pasternak
(1890–1960)
  União Soviética "por sua importante conquista tanto na poesia lírica contemporânea como no campo da grande e épica tradição russa"[92]
1959 Salvatore Quasimodo
(1901–1968)
  Itália "por sua poesia lírica, que com fogo clássico expressa a experiência trágica da vida em nossos tempos"[93]
1960 Saint-John Perse
(1887–1975)
  França
[nota 11]
"pelos vôos e imagens evocativas da sua poesia, que de uma forma visionária refletem as condições do nosso tempo"[94]
1961 Ivo Andrić
(1892–1975)
  Iugoslávia
[nota 12]
"pela força épica com a qual ele traçou temas e descreveu destinos humanos desenhados a partir da história de seu país"[95]
1962 John Steinbeck
(1902–1968)
  Estados Unidos "por seus escritos realistas e imaginativos, combinando-os com humor simpático e percepção social afiado"[96]
1963 Giórgos Seféris
(1900–1971)
  Grécia
[nota 13]
"pela sua escrita eminentemente lírica, inspirada por um sentimento profundo para o mundo helênico de cultura"[97]
1964 Jean-Paul Sartre
(1905–1980)
  França "que pelo seu trabalho, rico em idéias e preenchido com o espírito da liberdade e em busca da verdade, exerceu uma influência profunda na nossa época"[98]
1965 Michail Sholokhov
(1905–1984)
  União Soviética "pelo poder artístico e integridade com a qual, em seu épico Don, ele deu expressão a uma fase histórica na vida do povo russo"[99]
1966 Shmuel Yosef Agnon
(1888–1970)
  Israel
[nota 14]
"por sua arte narrativa profundamente característica com motivos da vida do povo judeu"[100]
Nelly Sachs
(1891–1970)
  Suécia
[nota 15]
"pela sua excelente escrita lírica e dramática, que interpreta o destino de Israel com toque de força"[100]
1967 Miguel Ángel Asturias
(1899–1974)
  Guatemala "pela sua realização literária vívida, profundamente enraizada nos traços nacionais e tradições dos povos indígenas da América Latina"[101]
1968 Yasunari Kawabata
(1899–1972)
  Japão "por sua maestria narrativa, que com grande sensibilidade expressa a essência da mente japonesa"[102]
1969 Samuel Beckett
(1906–1989)
  Irlanda "pela sua escrita, que — em novas formas para o romance e drama — na destituição do homem moderno adquire sua elevação"[103]
1970 Alexander Soljenítsin
(1918–2008)
  União Soviética "pela força ética com a qual ele tem perseguido as indispensáveis tradições da literatura russa"[104]
1971 Pablo Neruda
(1904–1973)
  Chile "pela poesia que, com a ação de uma força elemental, reaviva o destino e os sonhos de um continente"[105]
1972 Heinrich Böll
(1917–1985)
  Alemanha Ocidental "pela sua escrita que, através da combinação de uma perspectiva ampla sobre seu tempo com uma habilidade sensível de caracterização, contribuiu para a renovação da literatura alemã"[106]
1973 Patrick White
(1912–1990)
  Austrália
[nota 16]
"por uma arte narrativa épica e psicológica que introduziu um novo continente à Literatura"[107]
1974 Eyvind Johnson
(1900–1976)
  Suécia "por uma narrativa, perspicaz em terras em terra e idades, a serviço da liberdade"[108]
Harry Martinson
(1904–1978)
  Suécia "por escritos que capturam a gota de orvalho e refletem sobre o cosmos"[108]
1975 Eugenio Montale
(1896–1981)
  Itália "por sua poesia distinta que, com grande sensibilidade artística, interpretou os valores humanos sob o signo de uma visão da vida sem ilusões"[109]
1976 Saul Bellow
(1915–2005)
  Estados Unidos
[nota 17]
"para o entendimento humano e sutil análise da cultura contemporânea que são combinados em sua obra"[110]
1977 Vicente Aleixandre
(1898–1984)
  Espanha "para uma escrita poética criativa que ilumina a condição do homem no cosmos e na sociedade atual, ao mesmo tempo que representa a grande renovação das tradições de poesia espanhola entre as guerras"[111]
1978 Isaac Bashevis Singer
(1902–1991)
  Estados Unidos
[nota 18]
"por sua apaixonante narrativa artística que, com suas raízes na cultura tradicional polaco judaica,traz a condição universal e humana para a vida"[112]
1979 Odysséas Elýtis
(1911–1996)
  Grécia "pela sua poesia, que, com a tradição grega em pano de fundo, descreve com força sensorial e visão intelectual a luta do homem moderno pela liberdade e criatividade"[113]
1980 Czesław Miłosz
(1911–2004)
  Polónia
[nota 19]
"que com visão descomprometida oferece a voz à condição exposta do homem num mundo de conflitos severos"[114]
1981 Elias Canetti
(1905–1994)
  Reino Unido
[nota 20]
"por escritos marcados por uma ampla perspectiva, uma riqueza de ideias e poder artístico"[115]
1982 Gabriel García Márquez
(1927–2014)
  Colômbia "pelos seus romances e contos, em que o fantástico e o real se combinam num mundo densamente composto pela imaginação, reflectindo a vida e os conflitos de um continente"[116]
1983 William Golding
(1911–1993)
  Reino Unido "pelos seus romances que, com a perspicácia da arte narrativa e a diversidade e universalidade do mito, lançam luz sobre a condição humana hoje em dia"[117]
1984 Jaroslav Seifert
(1901–1986)
  Tchecoslováquia
[nota 21]
"pela sua poesia que dotada de frescura, e poder inventivo oferece uma imagem libertadora do indomável espírito e versatilidade do Homem"[118]
1985 Claude Simon
(1913–2005)
  França
[nota 22]
"que no seu romance combina a criatividade do poeta e a do pintor com um sentido aprofundado do tempo no retrato que faz da condição humana"[119]
1986 Wole Soyinka
(1934–)
  Nigéria "que numa perspectiva cultural ampla e com segundos sentidos poéticos perscruta o drama da existência"[120]
1987 Joseph Brodsky
(1940–1996)
  Estados Unidos
[nota 23]
"por um trabalho de grande envergadura, imbuído de clareza de pensamento e intensidade poética"[121]
1988 Naguib Mahfouz
(1911–2006)
  Egito "que, por trabalhos ricos em matizes — já vividamente realistas, já evocativamente ambíguos — formou uma arte narrativa árabe que se aplica a toda a humanidade"[122]
1989 Camilo José Cela
(1916–2002)
  Espanha "por uma prosa rica e intensa, que com compaixão contida forma uma visão desafiadora da vulnerabilidade humana"[123]
1990 Octavio Paz
(1914–1998)
  México "por uma escrita apaixonada de horizontes largos, caracterizada por inteligência sensorial e integridade humanista"[124]
1991 Nadine Gordimer
(1923–2014)
  África do Sul "que pela sua magnífica escrita epica trouxe - nas palavras de Alfred Nobel - um grande benefício para a humanidade"[125]
1992 Derek Walcott
(1930–2017)
  Santa Lúcia "por uma obra poética de grande luminosidade, sustentada numa visão histórica, o resultado de um compromisso multicultural"[126]
1993 Toni Morrison
(1931–2019)
  Estados Unidos "que em romances caracterizados por força visionária e lastro poético, oferece vida a um aspecto essencial da realidade dos Estados Unidos"[127]
1994 Kenzaburo Oe
(1935–2023)
  Japão "que com força poética cria um mundo imaginado, onde a vida e o mito se condensam para formar o desenho desconcertante das dificuldades do homem de hoje"[128]
1995 Seamus Heaney
(1939–2013)
  Irlanda[nota 24] "por trabalhos de uma beleza lírica e profundidade ética, quer exaltam os milagres quotidianos e o viver passado"[129]
1996 Wisława Szymborska
(1923–2012)
  Polónia "pela poesia que, com precisão irônica, permite que contextos históricos e biológicos venham à tona, em fragmentos de realidade humana"[130]
1997 Dario Fo
(1926–2016)
  Itália "que emula os bobos medievais no questionar da autoridade e no apoio à dignidade dos caídos"[131]
1998 José Saramago
(1922–2010)
  Portugal "que, com parábolas portadoras de imaginação, compaixão e ironia torna constantemente compreensível uma realidade fugidia"[132]
1999 Günter Grass
(1927–2015)
  Alemanha "que, com vivas fábulas negras, desenhou o rosto oculto da história"[133]
2000 Gao Xingjian
(1940–)
  França
[nota 25]
"por uma obra de valor universal, uma lucidez amarga e uma ingenuidade linguística que abriram novos caminhos para o romance e o teatro chineses"[134]
2001 Vidiadhar Naipaul
(1932–2018)
  Reino Unido
[nota 26]
"por ter unido narrativa perceptiva e escrutínio incorruptível em obras que nos compelem a ver a presença de histórias suprimidas"[135]
2002 Imre Kertész
(1929–2016)
  Hungria "pela escrita que apoia a frágil experiência do indivíduo contra a bárbara arbitrariedade da história"[136]
2003 J.M. Coetzee
(1940–)
  Austrália
[nota 27]
"que com inumeráveis disfarces retrata o envolvimento surpreendente do forasteiro"[137]
2004 Elfriede Jelinek
(1946–)
  Áustria "pelo seu fluxo musical de vozes e contra-vozes em novelas e peças que com extraordinário zelo linguístico revelam o absurdo dos clichés/clichês da sociedade e o seu poder subjugante"[138]
2005 Harold Pinter
(1930–2008)
  Reino Unido "que nas suas peças descobre o precipício sob o murmúrio do dia-a-dia e força a entrada nos quartos escuros da opressão"[139]
2006 Orhan Pamuk
(1952–)
  Turquia "que na busca pela alma melancólica da sua cidade natal descobriu novos símbolos para o choque e interligação de culturas"[140]
2007 Doris Lessing
(1919–2013)
  Reino Unido "tal epicista da experiência feminina que, com ceticismo, ardor e poder visionário sujeitou uma civilização dividia ao escrutínio"[141]
2008 J. M. G. Le Clézio
(1940–)
  França
  Ilhas Maurícias
"autor de novas partidas, aventura poética e êxtase sensual, explorador da humanidade além e sob a civilização regente"[142]
2009 Herta Müller
(1953–)
  Alemanha
[nota 28]
"que, com a densidade da sua poesia e franqueza da prosa, retrata o universo dos desapossados"[143]
2010 Mario Vargas Llosa
(1936–)
  Peru
  Espanha
"por sua cartografia das estruturas de poder e suas imagens mordazes da resistência, revolta e derrota do indivíduo"[144]
2011 Tomas Tranströmer
(1931–2015)
  Suécia "que, pelas suas condensadas e translúcidas imagens, nos dá um novo acesso à realidade"[145]
2012 Mo Yan
(1955–)
  China "que com realismo alucinatório funde contos populares, história e contemporaneidade"[146]
2013 Alice Munro
(1931–)
  Canadá "mestra do conto contemporâneo"[147]
2014 Patrick Modiano
(1945–)
  França "pela arte da memória com a qual ele evocou os destinos humanos mais inatingíveis e descobriu a vida do mundo da ocupação [alemã]"[148]
2015 Svetlana Alexijevich
(1948–)
  Bielorrússia
[nota 29]
"pelos seus escritos polifônicos, um monumento ao sofrimento e à coragem em nosso tempo"[149]
2016 Bob Dylan
(1941–)
  Estados Unidos "por ter criado novos modos de expressão poética no quadro da tradição da música americana"[150]
2017 Kazuo Ishiguro
(1954–)
  Reino Unido
[nota 30]
"que, em romances de grande força emocional, descobriu o abismo sob nosso ilusório senso de conexão com o mundo"[151]
2018 Olga Tokarczuk (1962–)   Polónia “por uma imaginação narrativa que, com paixão enciclopédica, representa o cruzamento de fronteiras como uma forma de vida”[152]
2019 Peter Handke (1942–)   Áustria "por um trabalho influente que, com engenhosidade linguística, explorou a periferia e a especificidade da experiência humana"[153]
2020 Louise Glück
(1943–2023)
  Estados Unidos "por sua inconfundível voz poética que com austera beleza torna universal a existência individual".[154]
2021 Abdulrazak Gurnah
(1948–)
  Tanzânia
[nota 31]
"por sua penetração intransigente e compassiva dos efeitos do colonialismo e do destino dos refugiados no abismo entre culturas e continentes".[155]
2022 Annie Ernaux
(1940–)
  França "pela coragem e acuidade clínica com que descortina as raízes, os estranhamentos e os constrangimentos coletivos da memória pessoal".[156]
2023 Jon Fosse
(1959–)
  Noruega "pelas suas peças e prosa inovadoras que dão voz ao indizível".[157]

Prêmios compartilhados

editar

O Prêmio Nobel de Literatura pode ser dividido entre duas pessoas. No entanto, a Academia tem sido relutante em atribuir prêmios partilhados, principalmente porque as divisões podem ser interpretadas como resultado de um compromisso. Os prêmios partilhados atribuídos a Frederic Mistral e José Echegaray em 1904 e a Karl Gjellerup e Henrik Pontoppidan em 1917 foram, na verdade, ambos resultados de compromissos. A Academia também hesitou em dividir o prêmio entre dois autores, uma vez que um prêmio partilhado corre o risco de ser considerado apenas "meio laureado". Os prêmios compartilhados são excepcionais e, mais recentemente, a Academia concedeu um prêmio compartilhado apenas em duas ocasiões, a Shmuel Yosef Agnon e Nelly Sachs em 1966, e a Eyvind Johnson e Harry Martinson em 1974.[33]

Reconhecimento por um trabalho específico

editar

Os ganhadores do Prêmio Nobel de Literatura são premiados pelo trabalho da vida do autor, mas em algumas ocasiões, a Academia destacou um trabalho específico para reconhecimento particular. Por exemplo, Knut Hamsun foi premiado em 1920 "por sua obra monumental, Crescimento do Solo", Thomas Mann em 1929 "principalmente por seu grande romance, Buddenbrooks, que ganhou reconhecimento cada vez maior como uma das obras clássicas da literatura contemporânea", John Galsworthy em 1932 "pela sua distinta arte de narração que assume a sua forma mais elevada na Saga Forsyte", Roger Martin du Gard em 1937 "pelo poder artístico e pela verdade com que retratou o conflito humano, bem como alguns aspectos fundamentais do vida contemporânea em seu ciclo de romances Les Thibault", Ernest Hemingway em 1954 "pelo seu domínio da arte da narrativa, mais recentemente demonstrada em O Velho e o Mar, e pela influência que exerceu no estilo contemporâneo", e Mikhail Sholokhov em 1965 "pelo poder artístico e pela integridade com que, na sua epopeia do Don, deu expressão a uma fase histórica da vida do povo russo".[29]

Potenciais candidatos

editar

As nomeações são mantidas em segredo por cinquenta anos até que estejam disponíveis publicamente no Banco de Dados de Nomeações para o Prêmio Nobel de Literatura. Atualmente, apenas as nomeações apresentadas entre 1901 e 1973 estão disponíveis para visualização pública.[158]

Os candidatos indicados são geralmente considerados pelo comitê do Nobel durante anos, mas já aconteceu em diversas ocasiões que um autor foi premiado instantaneamente após apenas uma indicação. Além do primeiro laureado em 1901, Sully Prudhomme, estes incluem Theodor Mommsen em 1902, Rudolf Eucken em 1908, Paul Heyse em 1910, Rabindranath Tagore em 1913, Sinclair Lewis em 1930, Luigi Pirandello em 1934, Pearl Buck em 1938, William Faulkner em 1950 (o prêmio de 1949) e Bertrand Russell em 1950.[29]

Os antigos laureados com o Prêmio Nobel de Literatura podem nomear os seus candidatos para o prêmio e, por vezes, as suas propostas foram posteriormente laureadas com o prêmio. O laureado de 1912, Gerhart Hauptmann, nomeou Verner von Heidenstam (premiado em 1916) e Thomas Mann (premiado em 1929), o laureado de 1915 Romain Rolland propôs Ivan Bunin (premiado em 1933), Thomas Mann nomeou Hermann Hesse (premiado em 1946) em 1931, o laureado de 1951 Pär Lagerkvist foi proposto por André Gide e Roger Martin du Gard, e o laureado de 1960 Saint-John Perse foi indicado várias vezes pelo laureado de 1948 TS Eliot.[160][161][162]

Impacto social

editar

O Prêmio Nobel significa não apenas um reconhecimento profissional, mas também um reconhecimento social mais amplo para o laureado. No caso do prémio Nobel da literatura, isto também é indicado pelo aumento do interesse dos leitores.[163] Após a publicação do prêmio de Imre Kertész, por exemplo, seus trabalhos publicados em formato e-book foram vistos 48 mil vezes em uma semana no site da Academia Digital.[164] No entanto, o aumento do interesse não significa necessariamente um aumento nas vendas de livros: segundo de acordo com as estatísticas da Amazon, o prémio Nobel não melhorou as estatísticas de vendas de Kao Hsing-chien, Dario Fo, Wisława Szymborska, Imre Kertész ou Elfriede Jelinek, mas, ao mesmo tempo, a procura de livros de Günter Grass e V.S. JM Coetzee aumentou de forma mensurável no período após a concessão do prêmio.[165] Segundo a editora S. Fischer de Frankfurt, o interesse aumenta significativamente se o escritor já era conhecido antes do Prêmio Nobel. Por exemplo, quando Thomas Mann ganhou o Prémio Nobel, 450 000 cópias do seu romance Buddenbrook House foram impressas em um mês.[166]

O título também resulta em certas expectativas sociais: os premiados não são apenas solicitados a escrever, mas também a dar conselhos, discursos e participação em eventos políticos e sociais.[166] O interesse social aparece antes mesmo da entrega do prêmio: surgem especulações na mídia sobre a pessoa esperada do premiado, podendo até fazer apostas em escritores individuais.[167] Com base nas estatísticas, parece que depois de ganharem o Prémio Nobel, os escritores recebem menos prêmios do que antes: os laureados no período 1901-2000 receberam uma média de 2,6 prêmios antes do Prémio Nobel, e apenas 0,9 depois.[30]

Ocorreu que os debates e críticas relacionadas à pessoa do candidato saíram do campo da literatura e abrangeram questões importantes da sociedade de determinado país, isso aconteceu, por exemplo, no caso de Imre Kertész[168][169] e Elfriede Jelinek.[170][171]

Controvérsias e críticas

editar

Embora o Prêmio Nobel de Literatura tenha se tornado o prêmio de literatura de maior prestígio do mundo,[172] a Academia Sueca atraiu críticas significativas pela forma como lidou com o prêmio. Muitos autores que ganharam o prêmio caíram na obscuridade, enquanto outros rejeitados pelo júri permanecem amplamente estudados e lidos. No Wall Street Journal, Joseph Epstein escreveu: "Você pode não saber, mas você e eu somos membros de um clube cujos colegas incluem Leo Tolstoy, Henry James, Anton Chekhov, Mark Twain, Henrik Ibsen, Marcel Proust, James Joyce, Jorge Luis Borges e Vladimir Nabokov. O clube é o Não Vencedor do Prêmio Nobel de Literatura. Todos esses escritores autenticamente grandes, ainda vivos quando o prêmio, iniciado em 1901, estava sendo concedido, não o ganharam.[173] Outros nomes notáveis do cânone não-ocidental que foram ignorados apesar de terem sido nomeados diversas vezes para o prêmio incluem Sri Aurobindo e Dr. Sarvepalli Radhakrishnan. O prêmio "tornou-se amplamente visto como político - um prêmio da paz disfarçado como literário", cujos juízes têm preconceito contra autores com gostos políticos diferentes dos seus.[174]

A formulação "vaga" do Nobel para os critérios do prêmio gerou controvérsias recorrentes. No original sueco, a palavra idealisk é traduzida como "ideal".[175][176] A interpretação do Comitê do Nobel tem variado ao longo dos anos. Nos últimos anos, isto significa uma espécie de idealismo que defende os direitos humanos em larga escala.[175][177]

Controvérsias acerca dos selecionados do Nobel

editar

De 1901 a 1912, o comitê, liderado pelo conservador Carl David af Wirsén, avaliou a qualidade literária de uma obra em relação à sua contribuição para a busca do "ideal" pela humanidade. Leo Tolstoy, Henrik Ibsen, Émile Zola e Mark Twain foram rejeitados em favor de autores que em sua maioria são pouco lidos hoje.[176][178] Mais tarde, o prémio tem sido frequentemente controverso devido às escolhas eurocêntricas dos laureados da Academia Sueca, ou por razões políticas, como visto nos anos de 1970, 2005 e 2019, e pela Academia premiar os seus próprios membros, como aconteceu em 1974.[179]

O primeiro prêmio em 1901, concedido ao poeta francês Sully Prudhomme, foi fortemente criticado. Muitos acreditavam que o escritor russo Leon Tolstoy deveria ter recebido o primeiro prêmio Nobel de literatura.[180] A escolha de Selma Lagerlöf (Suécia de 1858 a 1940) como ganhadora do Prêmio Nobel em 1909 (pelo 'idealismo elevado, imaginação vívida e percepção espiritual que caracteriza seus escritos') seguiu um debate acirrado por causa de seu estilo de escrita e assunto que quebrou os decoros literários do tempo.[181][182] O dramaturgo espanhol Àngel Guimerà, que escreveu em catalão, foi indicado 23 vezes para o Prêmio Nobel, embora nunca tenha vencido, devido a controvérsias sobre o significado político do gesto. Foi candidato ao Prêmio Nobel em 1904, a ser compartilhado com o escritor provençal Frédéric Mistral, em reconhecimento de suas contribuições para a literatura em línguas não oficiais. A pressão política do governo central da Espanha, que tornou esse prêmio impossível, acabou sendo concedida a Mistral e ao dramaturgo espanhol José Echegaray.[183] De acordo com os arquivos da Academia Sueca estudados pelo jornal Le Monde em sua abertura em 2008, o romancista e intelectual francês André Malraux foi seriamente considerado para o prêmio na década de 1950. Malraux estava competindo com Albert Camus, mas foi rejeitado várias vezes, especialmente em 1954 e 1955, "desde que não volte ao romance". Assim, Camus foi premiado em 1957.[184] Alguns atribuem a W. H. Auden não ter recebido o Prêmio Nobel de Literatura por erros em sua tradução do Vägmärken (Markings) de 1961, ganhador do Prêmio da Paz, e declarações que Auden fez durante uma turnê escandinava sugerindo que Hammarskjöld era homossexual, como Auden.[185]

Em 1962, John Steinbeck recebeu o Prêmio Nobel de Literatura. A seleção foi fortemente criticada e descrita como "um dos maiores erros da Academia" em um jornal sueco. O New York Times perguntou por que o comitê do Nobel deu o prêmio a um autor cujo "talento limitado é, em seus melhores livros, diluído pela filosofia da décima taxa", acrescentando: "achamos interessante que o louro não tenha sido concedido a um escritor ... cuja significância, influência e corpo de trabalho já causaram uma impressão mais profunda na literatura de nossa época ". O próprio Steinbeck, quando perguntado no dia do anúncio se ele merecia o Nobel, respondeu: "Francamente, não". Em 2012 (50 anos depois), o Prêmio Nobel abriu seus arquivos e foi revelado que Steinbeck era uma "escolha de compromisso" entre uma lista composta por Steinbeck, os autores britânicos Robert Graves e Lawrence Durrell, o dramaturgo francês Jean Anouilh e a autora dinamarquesa Karen Blixen. Os documentos desclassificados mostraram que foi escolhido como o melhor de um lote mau: "Não há nenhum candidato óbvio para o prêmio Nobel e o comitê do prêmio está em uma situação nada invejável", escreveu o membro do comitê Henry Olsson.[186]

Em 1964, Jean-Paul Sartre foi agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura, mas escreveu recusando, afirmando que "não é a mesma coisa se eu assino Jean-Paul Sartre ou se eu assino Jean-Paul Sartre, laureado com o Prêmio Nobel. Um escritor deve recusar-se a se transformar em uma instituição, mesmo que isso ocorra da forma mais honrosa". No entanto, foi premiado.[187] O escritor dissidente soviético Aleksandr Solzhenitsyn, o laureado de 1970, não compareceu à cerimônia do Prêmio Nobel em Estocolmo por temer que a URSS impedisse seu retorno depois (seus trabalhos foram distribuídos de forma clandestina). Depois que o governo sueco se recusou a honrar Solzhenitsyn com uma cerimônia pública de premiação e palestra em sua embaixada em Moscou, Solzhenitsyn recusou o prêmio, comentando que as condições impostas pelos suecos (que preferiam uma cerimônia privada) eram "um insulto ao próprio Prêmio Nobel". Solzhenitsyn não aceitou o prêmio e prêmio em dinheiro até 10 de dezembro de 1974, depois de ter sido deportado da União Soviética.[188] Em 1974, Graham Greene, Vladimir Nabokov e Saul Bellow foram considerados, mas rejeitados em favor de um prêmio conjunto para os autores suecos Eyvind Johnson e Harry Martinson, ambos membros da Academia Sueca na época, e desconhecidos fora de seu país de origem. Bellow recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 1976; nem Greene nem Nabokov foram premiados.[189][190][191]

O escritor argentino Jorge Luis Borges foi indicado ao Prêmio várias vezes, mas, como afirma Edwin Williamson, biógrafo de Borges, a Academia não o premiou, provavelmente por causa de seu apoio a certos ditadores militares de direita argentinos e chilenos, inclusive Augusto Pinochet, que, de acordo com a revisão de Tóibín de Borges: A Life, de Williamson, tinha contextos sociais e pessoais complexos.[192] A escolha do laureado de 2004, Elfriede Jelinek, foi protestada por um membro da Academia Sueca, Knut Ahnlund, que não desempenhou um papel ativo na Academia desde 1996; Ahnlund renunciou, alegando que a seleção de Jelinek havia causado "danos irreparáveis" à reputação do prêmio.[193]

A escolha de 2016 de Bob Dylan foi a primeira vez que um músico e compositor ganhou o Nobel de Literatura. O prêmio causou alguma controvérsia, particularmente entre escritores argumentando que os méritos literários da obra de Dylan não são iguais aos de alguns de seus pares. O escritor marroquino francês Pierre Assouline descreveu a decisão como "desdenhosa dos escritores". O romancista escocês Irvine Welsh disse: "Sou fã de Dylan, mas este é um prêmio de nostalgia mal concebido, arrancado das próstatas rançosas de hippies tagarelas e senis". O colega e amigo de composição de Dylan, Leonard Cohen, disse que não foram necessários prêmios para reconhecer a grandeza do homem que transformou a música pop com discos como a Highway 61 Revisited. "Para mim", disse Cohen, "[o Nobel] é como ganhar uma medalha no Monte Everest por ser a montanha mais alta". Escritor e comentarista Will Self escreveu que o prêmio "banalizou" Dylan, enquanto esperava que o laureado "seguisse Sartre ao rejeitar o prêmio".[194][195]

Realizações literárias negligenciadas

editar

Na história do Prêmio Nobel de Literatura, muitas conquistas literárias foram negligenciadas. O historiador literário Kjell Espmark admitiu que "quanto aos primeiros prêmios, a censura de más escolhas e omissões flagrantes é frequentemente justificada. Tolstoi, Ibsen e Henry James deveriam ter sido recompensados ​​em vez de, por exemplo, Sully Prudhomme, Eucken e Heyse. "Há omissões que estão além do controle do Comitê Nobel, como a morte prematura de um autor, como foi o caso de Marcel Proust, Italo Calvino e Roberto Bolaño. Segundo Kjell Espmark, "as principais obras de Kafka, Cavafy e Pessoa só foram publicadas depois de suas mortes e as verdadeiras dimensões da poesia de Mandelstam foram reveladas sobretudo nos poemas inéditos que sua esposa salvou da extinção e deu ao mundo muito tempo depois" que ele havia perecido em seu exílio siberiano". O romancista britânico Tim Parks atribuiu a interminável polêmica em torno das decisões do comitê do Nobel com a "tolice essencial do prêmio e nossa própria tolice em levá-lo a sério" e observou que "18 (ou 16) cidadãos suecos terão uma certa credibilidade ao pesar trabalhos de literatura sueca, mas que grupo poderia realmente pensar sobre o trabalho infinitamente variado de dezenas de diferentes tradições. E por que deveríamos pedir a eles que fizessem isso?".[196]

Críticas baseadas na nacionalidade

editar

O foco do prêmio nos homens europeus, e nos suecos em particular, tem sido alvo de críticas, até mesmo por parte dos jornais suecos.[197] A maioria dos laureados foram europeus, com a própria Suécia a receber mais prémios (8) do que toda a Ásia (7, se o turco Orhan Pamuk for incluído), bem como toda a América Latina (7, se o santa-lucense Derek Walcott for incluído). Em 2009, Horace Engdahl, então secretário permanente da Academia, declarou que "a Europa ainda é o centro do mundo literário" e que "os EUA estão demasiado isolados, demasiado insulares. participar do grande diálogo da literatura.".[198]

Em 2009, o substituto de Engdahl, Peter Englund, rejeitou este sentimento: "Na maioria das áreas linguísticas... há autores que realmente merecem e poderiam receber o Prêmio Nobel e isso vale também para os Estados Unidos e as Américas" e reconheceu a natureza eurocêntrica do prêmio, dizendo: "Acho que isso é um problema. Tendemos a relacionar-nos mais facilmente com a literatura escrita na Europa e na tradição europeia."[199] Sabe-se que os críticos americanos objetam que aqueles de seu próprio país, como Philip Roth, Thomas Pynchon e Cormac McCarthy, foram negligenciados, assim como os latino-americanos como Jorge Luis Borges, Julio Cortázar e Carlos Fuentes, enquanto em seu lugar, os europeus menos conhecidos naquele continente triunfaram. A atribuição de 2009 a Herta Müller, anteriormente pouco conhecida fora da Alemanha, mas muitas vezes considerada a favorita ao Prémio Nobel, reacendeu o ponto de vista de que a Academia Sueca era tendenciosa e eurocêntrica.[200]

O prêmio de 2010 foi concedido a Mario Vargas Llosa, natural do Peru, uma decisão geralmente bem vista. Quando o prêmio de 2011 foi atribuído ao poeta sueco Tomas Tranströmer, o secretário permanente da Academia Sueca, Peter Englund, disse que o prêmio não foi decidido com base na política, descrevendo tal noção como "literatura para manequins".[201] A Academia Sueca concedeu os próximos dois prêmios a não-europeus, ao chinês Mo Yan e à canadense Alice Munro. A vitória do escritor francês Patrick Modiano em 2014 renovou as questões do eurocentrismo, quando questionado pelo The Wall Street Journal "Portanto, não há americano este ano, mais uma vez. Por que isso?", Englund lembrou aos americanos as origens canadenses do ganhador do ano anterior, o desejo da Academia por qualidade literária e a impossibilidade de recompensar todos que merecem o prêmio.[202]

O romancista britânico Tim Parks expressou ceticismo de que seja possível para "professores suecos... [comparar] um poeta da Indonésia, talvez traduzido para o inglês, com um romancista dos Camarões, talvez disponível apenas em francês, e outro que escreve em africâner mas é publicado em alemão e holandês...".[203] Em 2021, 16 dos 118 beneficiários eram de origem escandinava. A Academia tem sido frequentemente acusada de ser tendenciosa em relação a autores europeus e, em particular, suecos.[204]

Ver também

editar

Notas

  1. A forma e grafia dos nomes na coluna de nomes estão de acordo com nobelprize.org, o site oficial da Fundação Nobel. A grafia alternativa e as formas de nome, quando existentes, são fornecidas nos artigos vinculados a esta coluna. Quando disponível, uma imagem de cada ganhador do Nobel é fornecida. Para ver as fotos oficiais fornecidas pela Fundação Nobel, consulte as páginas de cada ganhador do Prêmio Nobel em nobelprize.org.
  2. Nacionalidade do laureado à época da concessão do prêmio.
  3. À época, um estado soberano criado pelo Congresso de Viena ligado por união pessoal com o Império Russo.
  4. Nascido na Índia, na época da entrega do prêmio sob soberania britânica
  5. Nascida na Dinamarca.
  6. Nascido no Império Russo.
  7. Considerado pela Fundação Nobel como apátrida.
  8. Nascido no Império Alemão.
  9. Nascido nos Estados Unidos.
  10. Nascido na Argélia francesa.
  11. Nascido em Guadalupe.
  12. Nascido em Áustria-Hungria.
  13. Nascido no Império Otomano.
  14. Nascido na Áustria-Hungria.
  15. Nascida no Império Alemão.
  16. Nascido no Reino Unido.
  17. Nascido no Canadá.
  18. Nascido na Polônia.
  19. Nascido na Lituânia.
  20. Nascido na Bulgária.
  21. Nascido na Áustria-Hungria.
  22. Nascido no Madagascar francês.
  23. Nascido na União Soviética.
  24. Nascido na Irlanda do Norte.
  25. Nascido na República da China, teve cidadania chinesa até 1998, quando obteve cidadania francesa.
  26. Nascido em Trinidade e Tobago.
  27. Nascido na África do Sul.
  28. Nascida na Romênia.
  29. Nascida na Ucrânia, então parte da União Soviética.
  30. Nascido no Japão.
  31. Nascido no Sultanato de Zanzibar.

Referências

  1. «The Nobel Prize in Literature 2023» (em inglês). Nobel Prize. Consultado em 5 de outubro de 2023 
  2. «All Nobel Prizes in Literature». NobelPrize.org (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2021 
  3. John Sutherland (13 October 2007). "Ink and Spit". Guardian Unlimited Books. The Guardian.
  4. a b «Nobel Prize for Literature delayed amid Swedish Academy 'sex assault' scandal». BBC News (em inglês). 4 de maio de 2018. Consultado em 13 de maio de 2021 
  5. «Svenska Akademien skjuter upp 2018 års Nobelpris i litteratur». www.SvenskaAkademien.se. Consultado em 13 de maio de 2021 
  6. «Krisen i Akademien: Detta har hänt». Aftonbladet (em sueco). Consultado em 13 de maio de 2021 
  7. «Wayback Machine». web.archive.org. 14 de julho de 2011. Consultado em 13 de maio de 2021 
  8. «API changelog». NobelPrize.org (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2021 
  9. «4 inventores que criaram armas superletais e se arrependeram». BBC News Brasil. Consultado em 1 de maio de 2024 
  10. «Nobel Prize History». www.infoplease.com (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2021 
  11. «Nobel Foundation | Scandinavian organization». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2021 
  12. «Nobel Prize | Definition, History, Winners, & Facts». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2021 
  13. «Alfred Nobel's last will and testament - The Local». web.archive.org. 9 de outubro de 2009. Consultado em 13 de maio de 2021 
  14. «Nomination for the Nobel Prize in Literature». Nobel Foundation. Consultado em 13 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2007 
  15. Wästberg, Per; Parks, Tim. «Do We Need the Nobel?: An Exchange | by Tim Parks | The New York Review of Books» (em inglês). ISSN 0028-7504. Consultado em 13 de maio de 2021 
  16. http://www.washingtontimes.com, The Washington Times. «Correction: Sweden-Nobels story». The Washington Times (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2021 
  17. «Kungen: Det är nu Akademiens ansvar att vidta nödvändiga åtgärder». DN.SE (em sueco). 2 de maio de 2018. Consultado em 13 de maio de 2021 
  18. «Kungen ändrar Akademiens stadgar». Aftonbladet (em sueco). Consultado em 13 de maio de 2021 
  19. a b «A unique gold medal». NobelPrize.org (em inglês). Nobel Foundation. Consultado em 5 de março de 2019 
  20. Abrams 2001, p. 18.
  21. «A work of art in the form of a diploma». NobelPrize.org (em inglês). Nobel Foundation. Consultado em 5 de março de 2019 
  22. «The Nobel Prize Award Ceremonies». web.archive.org. 11 de outubro de 2007. Consultado em 13 de maio de 2021 
  23. a b nobelprize.org - pdf
  24. «MYNTVERKET - HEM». web.archive.org. 18 de dezembro de 2007. Consultado em 13 de maio de 2021 
  25. «Linus Pauling and The Nature of the Chemical Bond: A Documentary History - Special Collections & Archives Research Center - Oregon State University». scarc.library.oregonstate.edu. Consultado em 13 de maio de 2021 
  26. «The Nobel Medal for Literature». NobelPrize.org (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2021 
  27. «A work of art in the form of a diploma». NobelPrize.org (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2021 
  28. «Karlfeldt och Nobelpriset». karlfeldt.org 
  29. a b c "Facts on the Nobel Prize in Literature Arquivado em 28 setembro 2019 no Wayback Machine", Nobel Foundation.
  30. a b Eitler, Ágnes (10 de abril de 2022). «A magyar etnokoreológia alapvetései : Martin György válogatott tanulmányai angol nyelven». Tánc és Nevelés (1): 155–158. ISSN 2732-1703. doi:10.46819/tn.3.1.155-158. Consultado em 2 de maio de 2024 
  31. Innes, edited by Frederick J. Marker, Christopher (1998). Modernism in European drama : Ibsen, Strindberg, Pirandello, Beckett : essays from Modern drama. Toronto: University of Toronto Press. p. xi. ISBN 978-0-8020-8206-0.
  32. Warme, edited by Lars G. (1996). A history of Scandinavian literatures. Lincoln, Neb.: Univ. of Nebraska Press in cooperation with the American-Scandinavian Foundation. p. 271. ISBN 978-0-8032-4750-5.
  33. a b Kjell Espmark: The Nobel Prize in Literature Arquivado em 13 outubro 2019 no Wayback Machine Nobel Foundation
  34. "All Nobel Prizes in Literature Arquivado em 21 maio 2020 no Wayback Machine", Nobel Foundation.
  35. «Nobel Prize in Literature 1901» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 20 de maio de 2018 
  36. «Nobel Prize in Literature 1902» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 20 de maio de 2018 
  37. «Nobel Prize in Literature 1903» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 20 de maio de 2018 
  38. a b «Nobel Prize in Literature 1904» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 20 de maio de 2018 
  39. «Nobel Prize in Literature 1905» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 20 de maio de 2018 
  40. «Nobel Prize in Literature 1906» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 20 de maio de 2018 
  41. «Nobel Prize in Literature 1907» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 20 de maio de 2018 
  42. «Nobel Prize in Literature 1908» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 20 de maio de 2018 
  43. «Nobel Prize in Literature 1909» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 20 de maio de 2018 
  44. «Nobel Prize in Literature 1910» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 21 de maio de 2018 
  45. «Nobel Prize in Literature 1911» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 21 de maio de 2018 
  46. «Nobel Prize in Literature 1912» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 21 de maio de 2018 
  47. «Nobel Prize in Literature 1913» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 21 de maio de 2018 
  48. «Nobel Prize in Literature 1914» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 21 de maio de 2018 
  49. «Nobel Prize in Literature 1915» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 21 de maio de 2018 
  50. «Nobel Prize in Literature 1916» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 21 de maio de 2018 
  51. a b «Nobel Prize in Literature 1917» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 21 de maio de 2018 
  52. «Nobel Prize in Literature 1918» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 21 de maio de 2018 
  53. «Nobel Prize in Literature 1919» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 21 de maio de 2018 
  54. «Nobel Prize in Literature 1920» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 21 de maio de 2018 
  55. «Nobel Prize in Literature 1921» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 21 de maio de 2018 
  56. «Nobel Prize in Literature 1922» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 27 de maio de 2018 
  57. «Nobel Prize in Literature 1923» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 27 de maio de 2018 
  58. «Nobel Prize in Literature 1924» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 27 de maio de 2018 
  59. «Nobel Prize in Literature 1925» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 27 de maio de 2018 
  60. «Nobel Prize in Literature 1926» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 27 de maio de 2018 
  61. «Nobel Prize in Literature 1927» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 27 de maio de 2018 
  62. «Nobel Prize in Literature 1928» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 27 de maio de 2018 
  63. «Nobel Prize in Literature 1929» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 27 de maio de 2018 
  64. «Nobel Prize in Literature 1930» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  65. «Nobel Prize in Literature 1931» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  66. «Nobel Prize in Literature 1932» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  67. «Nobel Prize in Literature 1933» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  68. «Nobel Prize in Literature 1934» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  69. «Nobel Prize in Literature 1935» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  70. «Nobel Prize in Literature 1936» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  71. «Nobel Prize in Literature 1937» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  72. «Nobel Prize in Literature 1938» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  73. «Nobel Prize in Literature 1939» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  74. «Nobel Prize in Literature 1940» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  75. «Nobel Prize in Literature 1941» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  76. «Nobel Prize in Literature 1942» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  77. «Nobel Prize in Literature 1943» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  78. «Nobel Prize in Literature 1944» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  79. «Nobel Prize in Literature 1945» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  80. «Nobel Prize in Literature 1946» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  81. «Nobel Prize in Literature 1947» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  82. «Nobel Prize in Literature 1948» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  83. «Nobel Prize in Literature 1949» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  84. «Nobel Prize in Literature 1950» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  85. «Nobel Prize in Literature 1951» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  86. «Nobel Prize in Literature 1952» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  87. «Nobel Prize in Literature 1953» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  88. «Nobel Prize in Literature 1954» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  89. «Nobel Prize in Literature 1955» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  90. «Nobel Prize in Literature 1956» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  91. «Nobel Prize in Literature 1957» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  92. «Nobel Prize in Literature 1958» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  93. «Nobel Prize in Literature 1959» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  94. «Nobel Prize in Literature 1960» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  95. «Nobel Prize in Literature 1961» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  96. «Nobel Prize in Literature 1962» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  97. «Nobel Prize in Literature 1963» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  98. «Nobel Prize in Literature 1964» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  99. «Nobel Prize in Literature 1965» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  100. a b «Nobel Prize in Literature 1966» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  101. «Nobel Prize in Literature 1967» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  102. «Nobel Prize in Literature 1968» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  103. «Nobel Prize in Literature 1969» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  104. «Nobel Prize in Literature 1970» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  105. «Nobel Prize in Literature 1971» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  106. «Nobel Prize in Literature 1972» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  107. «Nobel Prize in Literature 1973» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  108. a b «Nobel Prize in Literature 1974» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  109. «Nobel Prize in Literature 1975» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  110. «Nobel Prize in Literature 1976» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  111. «Nobel Prize in Literature 1977» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  112. «Nobel Prize in Literature 1978» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  113. «Nobel Prize in Literature 1979» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  114. «Nobel Prize in Literature 1980» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  115. «Nobel Prize in Literature 1981» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  116. «Nobel Prize in Literature 1982» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  117. «Nobel Prize in Literature 1983» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  118. «Nobel Prize in Literature 1984» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  119. «Nobel Prize in Literature 1985» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  120. «Nobel Prize in Literature 1986» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  121. «Nobel Prize in Literature 1987» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  122. «Nobel Prize in Literature 1988» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  123. «Nobel Prize in Literature 1989» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  124. «Nobel Prize in Literature 1990» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  125. «Nobel Prize in Literature 1991» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  126. «Nobel Prize in Literature 1992» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  127. «Nobel Prize in Literature 1993» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  128. «Nobel Prize in Literature 1994» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  129. «Nobel Prize in Literature 1995» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  130. «Nobel Prize in Literature 1996» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  131. «Nobel Prize in Literature 1997» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  132. «Nobel Prize in Literature 1998» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  133. «Nobel Prize in Literature 1999» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  134. «Nobel Prize in Literature 2000» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  135. «Nobel Prize in Literature 2001» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  136. «Nobel Prize in Literature 2002» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  137. «Nobel Prize in Literature 2003» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  138. «Nobel Prize in Literature 2004» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  139. «Nobel Prize in Literature 2005» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  140. «Nobel Prize in Literature 2006» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  141. «Nobel Prize in Literature 2007» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  142. «Nobel Prize in Literature 2008» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  143. «Nobel Prize in Literature 2009» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  144. «Nobel Prize in Literature 2010» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  145. «Nobel Prize in Literature 2011» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  146. «Nobel Prize in Literature 2012» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  147. «Nobel Prize in Literature 2013» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  148. «Nobel Prize in Literature 2014» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  149. «Nobel Prize in Literature 2015» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  150. «Nobel Prize in Literature 2016» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  151. «Nobel Prize in Literature 2017» (em inglês). Fundação Nobel. Consultado em 31 de julho de 2018 
  152. «Nobel Prize in Literature 2018». Nobel Foundation. Consultado em 10 de outubro de 2019 
  153. «The Nobel Prize in Literature 2019». NobelPrize.org (em inglês). Consultado em 10 de outubro de 2019 
  154. «The Nobel Prize in Literature 2020» (em inglês). Nobel Prize. Consultado em 8 de outubro de 2020 
  155. «The Nobel Prize in Literature 2021». NobelPrize.org (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2021 
  156. «The Nobel Prize in Literature 2022» (em inglês). Nobel Prize. Consultado em 6 de outubro de 2022 
  157. «The Nobel Prize in Literature 2023» (em inglês). Nobel Prize. Consultado em 5 de outubro de 2023 
  158. «Nomination archive». Nobel Foundation. Consultado em 2 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 1 de novembro de 2020 
  159. «Nomination FAQ». Nobel Foundation. Consultado em 5 de junho de 2012. Arquivado do original em 28 de abril de 2013 
  160. «Nominations by literature laureates». nobelprize.org. Consultado em 1 de março de 2024. Arquivado do original em 25 de setembro de 2023 
  161. «Nomination Archive - Pär Fabian Lagerkvist». nobelprize.org. Consultado em 1 de março de 2024. Arquivado do original em 28 de setembro de 2022 
  162. «Nomination archive Saint-John Perse». nobelprize.org. Consultado em 1 de março de 2024. Arquivado do original em 8 de junho de 2023 
  163. Bakonyi, Péter (2023). «Nyilasok Zala megyében (1944. október – 1945. március)». Múltunk (2): 144–173. ISSN 0864-960X. doi:10.56944/multunk.2023.2.6. Consultado em 2 de maio de 2024 
  164. Tószegi, Zsuzsanna (18 de dezembro de 2023). «Ranganathan negyedik törvénye és az okoskönyvtárak». Tudományos és Műszaki Tájékoztatás. ISSN 1586-2984. doi:10.3311/tmt.13286. Consultado em 2 de maio de 2024 
  165. Greco, Albert N.; Rodriguez, Clara E.; Wharton, Robert M. (2007). The culture and commerce of publishing in the 21st century. Stanford, Calif: Stanford Business Books. OCLC 70207952. Consultado em 2 de maio de 2024 
  166. a b Schaff, Zsuzsa (1 de janeiro de 2021). «Fiziológiai és orvostudományi Nobel-díj, 2020 • Nobel Prize in Physiology and Medicine, 2020». Magyar Tudomány. ISSN 0025-0325. doi:10.1556/2065.182.2021.1.9. Consultado em 2 de maio de 2024 
  167. Unseld, Robert (outubro de 2023). «Wer hat den Hut auf?». ATZelektronik (10): 3–3. ISSN 1862-1791. doi:10.1007/s35658-023-1528-7. Consultado em 2 de maio de 2024 
  168. Szakolczai, György (1 de maio de 2005). «Az iskola és az élet: A magyar makroökonómiai felsőoktatás helyzete: Hozzászólás Bárczy Péter cikkéhez». Vezetéstudomány / Budapest Management Review: 55–60. ISSN 0133-0179. doi:10.14267/veztud.2005.05.07. Consultado em 2 de maio de 2024 
  169. Bibó, István; Sisa, József (junho de 2018). «In memoriam Komárik Dénes (Kecskemét, 1929–Budapest, 2017)». Művészettörténeti Értesítő (1): 117–130. ISSN 0027-5247. doi:10.1556/080.2018.67.1.7. Consultado em 2 de maio de 2024 
  170. Stencinger, Norbert (2017). «Gáztámadás a Doberdó-fennsík védelmében – 1916. június 29.». Belvedere Meridionale (3): 20–32. ISSN 1419-0222. doi:10.14232/belv.2017.3.2. Consultado em 2 de maio de 2024 
  171. Buk, Kriszta (2021). «Kényelmes rabszolgaság – Kényelmetlen szabadság : Értékek jelentéskeresése korunk hétköznapi valóságreprezentációiban». Kultúra és Közösség (1): 5–19. ISSN 0133-2597. doi:10.35402/kek.2021.1.1. Consultado em 2 de maio de 2024 
  172. «Nobel Prize | award». Encyclopædia Britannica. Consultado em 18 de outubro de 2016. Arquivado do original em 29 de abril de 2015 
  173. Epstein, Joseph (14 de outubro de 2012). «The Nobel Prize For Political Literature». The Wall Street Journal. Consultado em 15 de outubro de 2022. Arquivado do original em 13 de outubro de 2022 
  174. Feldman, Burton (2000). The Nobel Prize: A History of Genius, Controversy, and Prestige  (em inglês). [S.l.]: Arcade Publishing. ISBN 978-1-55970-592-9. Consultado em 2 de fevereiro de 2022 
  175. a b John Sutherland (13 de outubro de 2007). «Ink and Spit». Guardian Unlimited Books. Consultado em 13 de outubro de 2007. Arquivado do original em 11 de novembro de 2007 
  176. a b Kjell Espmark (3 de dezembro de 1999). «The Nobel Prize in Literature». Nobel Foundation. Consultado em 14 de agosto de 2006. Arquivado do original em 26 de abril de 2011 
  177. Neil Smith (13 de outubro de 2005). «'Political element' to Pinter Prize». BBC News. Consultado em 26 de abril de 2008. Arquivado do original em 21 de agosto de 2017 
  178. Eldridge, Richard (27 de março de 2009). The Oxford Handbook of Philosophy and Literature (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. 288 páginas. ISBN 978-0-19-972410-9. Consultado em 18 de outubro de 2016 
  179. Helmer Lång, 100 nobelpris i litteratur 1901–2001, Bokförlaget Symposium 2001 ISBN 91-7139-537-7 (in Swedish)
  180. Helmer Lång 100 nobelpris i litteratur 1901-2001, Bokförlaget Symposium 2001 ISBN 91-7139-537-7
  181. Asaid, Alan (25 de setembro de 2009). «Våldsam debatt i Akademien när Lagerlöf valdes». Svenska Dagbladet (em sueco). ISSN 1101-2412. Consultado em 13 de maio de 2021 
  182. Glenday, Craig (2010). Guinness World Records 2011. ISBN 978-1-904994-57-2.
  183. «Nomination%20archive». NobelPrize.org (em inglês). 1 de abril de 2020. Consultado em 13 de maio de 2021 
  184. «Et Camus obtint enfin le prix Nobel». Le Monde.fr (em francês). 27 de dezembro de 2008. Consultado em 13 de maio de 2021 
  185. «glbtq >> social sciences >> Hammarskjöld, Dag». web.archive.org. 19 de outubro de 2006. Consultado em 13 de maio de 2021 
  186. «Swedish Academy reopens controversy surrounding Steinbeck's Nobel prize». the Guardian (em inglês). 3 de janeiro de 2013. Consultado em 13 de maio de 2021 
  187. «All Nobel Prizes». NobelPrize.org (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2021 
  188. «The Nobel Prize in Literature 1970». NobelPrize.org (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2021 
  189. «Tidigare val av svenska Nobelpristagare hårt kritiserade». DN.SE (em sueco). 6 de outubro de 2011. Consultado em 13 de maio de 2021 
  190. «Aftonbladet nyheter: Harry Martinson begick harakiri». wwwc.aftonbladet.se. Consultado em 13 de maio de 2021 
  191. Um chamado Nobel: 100 anos de polêmica
  192. Crianças perdidas da Irlanda
  193. «Nobel judge steps down in protest» (em inglês). 11 de outubro de 2005. Consultado em 13 de maio de 2021 
  194. staff, Guardian (14 de outubro de 2016). «Leonard Cohen: giving Nobel to Bob Dylan like 'pinning medal on Everest'». the Guardian (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2021 
  195. «'Dylan towers over everyone' – Salman Rushdie, Kate Tempest and more pay tribute to Bob Dylan». the Guardian (em inglês). 13 de outubro de 2016. Consultado em 13 de maio de 2021 
  196. Parks, Tim. «What's Wrong With the Nobel Prize in Literature | by Tim Parks». The New York Review of Books (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2021 
  197. Dagens Nyheter Akademien väljer helst en europé (The Academy prefers to pick a European) Arquivado em 10 fevereiro 2009 no Wayback Machine
  198. Kirsch, Adam (3 de outubro de 2008). «The Nobel Committee has no clue about American literature». Slate. Consultado em 16 de junho de 2010. Arquivado do original em 5 de junho de 2011 
  199. «Judge: Nobel literature prizes 'too Eurocentric' – World news – guardian.co.uk». The Guardian. 6 de outubro de 2009. Consultado em 5 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  200. Jordan, Mary (9 de outubro de 2009). «Herta Mueller Wins Nobel Prize in Literature». The Washington Post. Consultado em 6 de outubro de 2017. Arquivado do original em 8 de julho de 2017 
  201. Kite, Lorien.
  202. Grundberg, Sven; Hansegard, Jens (9 de outubro de 2014). «So no American this year, yet again. Why is that?». The Wall Street Journal. Consultado em 9 de outubro de 2014. Arquivado do original em 11 de outubro de 2014 
  203. Parks, Tim (6 de outubro de 2011). «What's Wrong With the Nobel Prize in Literature». The New York Review of Books. Consultado em 18 de outubro de 2016. Arquivado do original em 14 de outubro de 2016 
  204. Altman, Anna (16 de outubro de 2014). «What Is a Nobel Prize Really Worth?». Op-Talk. Consultado em 18 de outubro de 2016. Arquivado do original em 13 de outubro de 2017 


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Categoria no Commons
  Categoria no Wikinotícias