Pré-Cambriano

super eón de 4.6 bilhões a 542 milhões de anos atrás
(Redirecionado de Precambriano)
Éon Pré-Cambriano
4600–541 milhões de anos atrás
view • Discussão • edit
-4500 —
-4000 —
-3500 —
-3000 —
-2500 —
-2000 —
-1500 —
-1000 —
-500 —
0 —
Escala:
milhões de anos

O Pré-Cambriano (ou Precâmbrico) é o período de tempo desde a formação da Terra há cerca de 4,6 bilhões de anos (Ga) até ao início do Período Cambriano, há cerca de 541,0 ± 1,0 Ma. Este precede o atual éon Fanerozoico, e é um superéon dividido, na escala de tempo geológico, em: Arqueano e Proterozoico (intervalos geológicos formais), além do Hadeano (intervalo geológico informal). O Pré-Cambriano é assim chamado porque precede o período Cambriano (pertencente ao Éon Fanerozoico), nomeado assim devido a Cambria, nome clássico para o País de Gales, onde as rochas desse período foram estudadas pela primeira vez. Este superéon é responsável por, aproximadamente, 88% do tempo geológico[1] e foi durante ele que os animais macroscópicos de carapaça dura apareceram pela primeira vez em abundância.

Como dito anteriormente, o Pré-Cambriano iniciou-se há cerca de 4,6 bilhões de anos com a formação da Terra e terminou com a explosão da vida no Cambriano e surgimento dos fósseis. Durante este superéon, temos as divisões entre os éons[2] Hadeano, Arqueano e Proterozoico. É marcado por um conjunto de modificações que proporcionaram diversas características do planeta Terra, como a formação dos oceanos, da lua, de muitos depósitos minerais, de sua oxigenação, da formação de algumas vidas multicelulares e das placas tectônicas.

Pré-Cambriano é um nome tradicional que, apesar de obsoleto, ainda consta na Tabela Cronoestratigráfica Internacional[3] da Comissão Internacional sobre Estratigrafia[4] da União Internacional de Ciências Geológicas.[5] Já recebeu nomes como Azoico ("sem vida") e Criptozoico (das palavras "cripta" = "escondido" e "zoon" = "vida")[6], atualmente em desuso.

Visão geralEditar

Relativamente pouco se conhece sobre o Pré-Cambriano, apesar de fazer parte de cerca de sete oitavos da história da Terra, e o que é conhecido foi descoberto em grande parte, nos últimos 50 anos. O registro fóssil Pré-Cambriano é mais pobre do que o do Fanerozoico, e esses fósseis presentes (por exemplo, estromatólitos) são de uso bioestratigráfico limitado.[7] Isso ocorre porque muitas rochas Pré-Cambrianas foram fortemente metamorfizadas, obscurecendo suas origens, enquanto outras foram destruídas pela erosão ou permanecem profundamente enterradas sob estratos do Fanerozoico.[7][8][9]

Pensa-se que a própria Terra se formou a partir da acreção de material em órbita em torno do Sol há aproximadamente 4 500 Ma, ou 4,5 bilhões de anos (Ga), e pode ter sido atingida por um enorme planetesimal (corpo sólido hipotético), do tamanho de Marte, pouco depois de se ter formado, projetando material que formou a Lua (​​hipótese do grande impacto). A crosta estável estava aparentemente no lugar de 4 400 milhões de anos (Ma), uma vez que cristais de zircão da Austrália Ocidental foram datados de 4 404 Ma.[10]

O Pré-Cambriano é considerado o único superéon no tempo geológico[11] e é assim chamado porque inclui os éons Hadeano (~4,6 - 4 Ga), Arqueano (4 - 2,5 Ga) e Proterozoico (2,5 Ga - 541 Ma). [11]Fora o Precâmbrico, ainda não se definiu outro superéon no tempo geológico, já que após ele temos apenas um outro éon: o Fanerozoico, que vai desde a explosão cambriana (~541 Ma) ao presente.

[12]O termo Pré-Cambriano ainda é usado por geólogos, paleontologistas, geobiólogos e cronoestratígrafos para discussões gerais e debates que não exigem nomes mais específicos. Em 2010, concordando com o que foi dito anteriormente, o Serviço Geológico dos Estados Unidos considerou o termo informal, sem um grau estratigráfico.[13]

PaleogeografiaEditar

O movimento das placas tectônicas causou a formação e a fragmentação dos continentes ao longo do tempo, incluindo a formação ocasional de um supercontinente contendo a maior parte ou toda a massa de terra. O mais antigo supercontinente conhecido foi Vaalbara. Formou-se a partir de proto-continentes e foi um supercontinente há 3,636 bilhões de anos. Vaalbara se separou há cerca de 2 845 - 2 803 Ga. O supercontinente Kenorland foi formado há cerca de 2,72 Ga e, provavelmente, quebrou-se em 2,45 - 2,1 Ga nos crátons ou proto-continentes chamados Laurência, Báltica, Cráton de Yilgarn e Calaári. O supercontinente Colúmbia ou Nuna formou-se há 2,06 e 1,82 bilhão de anos e se fragmentou entre 1,5 a 1,35 bilhão de anos. [14]O supercontinente Rodínia pensa-se que tenha sido formado há cerca de 1,35 a 0,9 bilhões de anos (Ga), para incorporar mais ou todos os continentes da Terra e para serem divididos em oito continentes em torno de há 750-600 milhões de anos.

Levando-se em conta a posição geográfica de porções dos continentes no Pré-Cambriano, pode-se inferir que [15]os extensos evaporitos datados de 3,5 bilhões de anos atrás na região de Pilbara (Austrália Ocidental) não poderiam ter se formado dentro ou perto dos pólos. Também pode-se inferir que dolomitos contendo estromatólitos da sequência sedimentar Rifeana que abrange o período de 1,65 bilhão a 800 milhões de anos atrás, foi depositada em águas quentes e tropicais. A sequência Rifeana está localizada principalmente no cráton da Europa Oriental, que se estende desde a Dinamarca até os Montes Urais, e no cráton siberiano na Rússia.

Oxigenação e origem dos oceanosEditar

No superéon Pré-Cambriano, os registros sedimentares são impulsionados no Éon Proterozoico, e, a partir daqui, pode-se estudar mudanças apreciáveis na composição da atmosfera e dos oceanos [15]. [15]A Terra, quase certamente, possuía uma atmosfera redutora antes de 2,5 bilhões de anos atrás. No entanto, a presença de muitos tipos de microfósseis filamentosos datados de 3,45 bilhões de anos atrás nos cherts da região de Pilbara sugere que a fotossíntese começou a liberar oxigênio na atmosfera naquela época.

[15]Uma grande explosão na deposição de BIFs de 3,1 bilhões a 2,5 bilhões de anos atrás – com um pico de cerca de 2,7 bilhões de anos atrás – limpou os oceanos de ferro ferroso (Fe2+). Isso permitiu que o nível de oxigênio atmosférico aumentasse sensivelmente.

[15]Na época do aparecimento generalizado de organismos eucariontes, a cerca de 1,8 bilhão de anos atrás, é possível que a concentração de oxigênio tenha subido para 10 por cento do nível atmosférico atual. Há 600 milhões de anos houve outro pico de elevação dos níveis de oxigênio atmosférico. Todo esse cenário permitiu, durante o Pré-Cambriano, o início da formação da camada de ozônio (O3).

Evidências de que a origem dos oceanos da Terra são muito antigos podem ser constatadas pelos sedimentos de 3,85 bilhões de anos em Isua, no oeste da Groenlândia, que contêm BIFs que foram depositadas na água. Além disso, esses sedimentos incluem grãos de zircão detríticos desgastados que indicam o transporte pela água. Esses graõs, intercalados com lavas basálticas com estruturas em almofada, também indicam a presença de oceanos.[15]

PaleoclimaEditar

Com a quebra de continentes e formação de supercontinentes (para mais informações veja: Ciclo de Wilson) a todo vapor durante o Pré-Cambriano, tem-se que o arranjo tectônico dos continentes era um importante controlador do clima.

Logo, em tempos de formação de supercontinentes, o número total de vulcões era limitado, havia poucos arcos de ilhas e o comprimento total das cordilheiras oceânicas era relativamente curto. Essa relativa escassez de vulcões resultou em baixas emissões do gás de efeito estufa dióxido de carbono (CO2). Isso contribuiu para baixas temperaturas de superfície e extensas glaciações.[15]

Em momentos de ruptura continental, que levou a taxas máximas de expansão e subducção do fundo do mar, houveram altas emissões de CO2 de vários vulcões em dorsais oceânicas e arcos insulares. O efeito estufa atmosférico foi aumentado, aquecendo a superfície da Terra, tornando a glaciação ausente.[15]

Quanto à temperatura é possível inferir, através da presença de estromatólitos de 3,85 bilhões de anos na Austrália, que a superfície terrestre estava a cerca de 7°C (45°F).[15]

A presença de sedimentos glaciais em quase todos os escudos continentais [16] datadas do Pré-Cambriano, indicam que extensas glaciações podem ter ocorrido durante este superéon. [15]A mais antiga glaciação conhecida ocorreu há 2,9 bilhões de anos, durante o Arqueano Superior e é evidenciada por depósitos glaciais em sedimentos do Rift Pongola na África Austral. A mais extensa glaciação pré-cambriana, a Huroniana, ocorreu entre 2,4 bilhões e 2,1 bilhões de anos atrás, durante o início do Proterozóico. Esta é reconhecida pelas rochas e estruturas que as geleiras e as camadas de gelo deixaram para trás em partes da Austrália Ocidental, Finlândia, sul da África e América do Norte. A maior glaciação da história da Terra ocorreu durante o final do Proterozóico, na qual a Terra ficou conhecida como Snowball Earth.

Formas de vidaEditar

 
Posições de território perto do fim do Pré-Cambriano.

Uma data específica para a origem da vida ainda não foi determinada. [17]Em 1996, o geoquímico Gustaf Arrhenius apresentou cristais de carbono orgânico que teriam sido produzidos por organismos vivos e depositados em rochas de 3,8 Ga (éon Arqueano) encontradas na Groenlândia, porém, pouco tempo depois, ele mesmo reconheceu o erro dos dados da pesquisa, permanecendo a busca pela datação do início da vida na Terra.

Fósseis microscópicos bem preservados de bactérias datadas com mais de 3,46 bilhões de anos foram encontradas na Austrália Ocidental. No entanto, há evidências de que a vida poderia ter evoluído há mais de 4,280 bilhões de anos atrás.[18][19][20][21] Fora evidências e hipóteses, existe um registro bastante sólido de vida bacteriana durante todo o Proterozoico no superéon Pré-Cambriano, provando a explosão de formas de vida sem esqueleto antes do cambriano e, até mesmo, o desenvolvimento da reprodução sexuada.

Excluindo alguns relatórios opulentos de formas muito antigas da América do Norte e na Índia, as primeiras formas de vida multicelulares complexas parecem ter aparecido em cerca de 1 500 Ma, na era Mesoproterozoica do éon Proterozoico.[22] A evidência fóssil marcante do período (Fauna) Ediacara pode ter ocorrido posteriormente a uma vida tão complexa, registrada como uma comunidade de criaturas semelhantes a algas marinhas e vermes primitivos que floresceram nas profundezas de um primitivo e tranquilo mar na região que hoje é conhecida como Lantian, pelo menos há 600 milhões de anos. Uma coleção muito diversa de formas de corpo macio é encontrada em uma variedade de locais em todo o mundo e data entre 635 e 542 Ma. Estes são referidos como biota ediacarana ou vendiana. As criaturas duras com desconto apareceram em direção ao final daquele tempo, marcando o início da éon Fanerozoico. No meio do seguinte período de Cambriano, uma fauna muito diversificada é registrada no folhelho Burgess, incluindo alguns que podem representar grupos de caule das taxas modernos. O aumento da diversidade de formas de vida no começo do Cambriano chamado vida da explosão Cambriana.[23][24]

Enquanto a terra parece ter sido desprovida de plantas e animais, cianobactérias e outros micróbios formaram tapetes procarióticos que abrangeram áreas terrestres.[25]

Foram encontradas as pegadas de um animal, apresentando algo semelhante a apêndices, e datadas de cerca de 551 Ma [26]. Este animal ainda não foi identificado, mas já representa uma evidência bastante relevante para a paleontologia e entendimento da vida no Pré-Cambriano.

[15]No mais, é certo que no Pré-Cambriano existiram duas estruturas biológicas primitivas e simples: os microfósseis, que ocorrem em sílex e folhelhos e são de duas variedades (um tipo consiste em agregados carbonáceos esféricos, que podem medir até 20 mm de diâmetro, se assemelham a algas e cistos de flagelados e são amplamente considerados biogênicos, ou seja, produzidos por organismos vivos. A outra variedade de microfósseis é composta de filamentos carbonáceos, que são tubos ocos curvos de até 150 micrômetros de comprimento, os quais, muito provavelmente, são os restos fósseis de organismos filamentosos). E os estromatólitos, que são estruturas estratiformes, domais ou colunares feitas de tapetes semelhantes a folhas precipitados por comunidades de microorganismos, particularmente algas verde-azuladas filamentosas. Os primeiros exemplos arqueanos formam cúpulas com cerca de 10 cm.

Fósseis EdiacaranosEditar

Os metazoários se desenvolveram rapidamente desde o início do Cambriano, quando os organismos adquiriram a capacidade de produzir a proteína colágeno e, assim, criarem esqueletos e conchas. No entanto, há metazoários sem esqueletos mais primitivos, originados na Fauna Ediacara há mais de 600 milhões de anos, após o fim da era glacial Varanger-Marinoan. Eles são encontrados como impressões de animais multicelulares de corpo mole nas rochas e têm a forma de pequenas bolhas, discos circulares ou folhas que variam de menos de 1 cm a mais de 1 metro. A localidade tipo é a Ediacara Hills no sul da Austrália, onde mais de 1.500 espécimes bem preservados foram coletados, resultando na nomeação de mais de 60 espécies e 30 gêneros. Eles ocorrem em um quartzito que está estratigraficamente situado a cerca de 500 metros abaixo da base do Sistema Cambriano.[15]

Fósseis ediacaranos foram depositados em ambientes que vão desde habitats marinhos de marés até o fundo do mar. Algumas formas evidenciam adaptações sofisticadas, como o uso de múltiplos modos de reprodução. Os organismos ediacaranos foram provavelmente os ancestrais dos organismos com conchas que marcam o início do Fanerozóico.[15]

SubdivisõesEditar

A datação radiométrica permite delimitar as diferentes formações do Pré-Cambriano:

  • Proterozoico: este éon se estende desde 2 500 Ma até 541 Ma, na transição para o Cambriano (este já pertencente ao Éon Fanerozoico). Contrastando com o éon Arqueano, o fator controlador da composição da água do mar foi a descarga fluvial das margens continentais estáveis , que se desenvolveu pela primeira vez após 2,5 bilhões de anos atrás.[15]
    • Neoproterozoico: este é a era final do Proterozoico; seu início é definido como 1 000 Ma. Corresponde ao antigo "Precambriano Z" da geologia norte-americana [27].
    • Mesoproterozoico: esta é a era central do Proterozoico, durou entre aproximadamente 1 600 a 1 000 Ma. Corresponde ao antigo "Pré-Cambriano Y" da geologia norte-americana [27].
    • Paleoproterozoico: esta é a era inicial do Proterozoico, durou entre aproximadamente 2 500 e 1 600 Ma. Corresponde ao antigo "Pré-Cambriano X" da geologia norte-americana [27].
  • Arqueano: este éon central durou, aproximadamente, entre 4 000 e 2 500 Ma. Durante este éon, a composição da água do mar foi influenciada principalmente pelo bombeamento de água através da crosta oceânica basáltica , como ocorre hoje nos centros de expansão oceânica.[15]
  • Hadeano: este éon inicial ocorreu desde a formação da Terra até 4 000 Ma. Seu nome vem do grego "Hades", Deus do inferno ou submundo, o que remete as condições da Terra neste éon. Originalmente, esse éon foi projetado como anterior aos primeiros depósitos de rochas. No entanto, alguns cristais de zircão datados de 4 400 Ma demonstram a presença de uma crosta durante esse éon.

Foi proposto dividir o Pré-Cambriano em cinco éons, caracterizada como seguinte:[28]

  1. Acreção e diferenciação, antes da grande colisão que originou a Lua.
  2. Hadeano, correspondente ao intenso bombardeio tardio (presume entre 4,1 e 3,8 Ga).
  3. Arqueano, correspondente às primeiras formações da crosta terrestre (o mais evidente é o Greenstone Belt Isua[29]) para os depósitos ferríferos.
  4. Transição, até as primeiras "redbeds" (rochas sedimentares vermelhas devido à presença de óxidos de ferro) continentais.
  5. Proterozoico, caracterizada pela tectônica de placas e primeiros animais.

Parques Pré-CambrianosEditar

[30]Os parques nacionais que contêm rochas pré-cambrianas são lugares especiais porque revelam um mundo antigo onde os continentes se formaram e a vida primitiva se desenvolveu. Segundo a National Park Service, os Estados Unidos da América conta com diversos parques que contêm rochas ou fósseis preservados do Pré-Cambriano. São eles:

  • Greater Yellowstone de Bighorn Canyon , Grand Teton e Yellowstone (com evidências de eventos de até 3,6 bilhões de anos);
  • Parque Nacional Voyageurs (com antigas rochas pré-cambrianas do Escudo Canadense);
  • Parque Nacional Glacier (com estromatólitos de 1 400 Ma);
  • Parque Nacional Shenandoah (com rochas de 1.1 Ga que representam materiais fundidos colocados durante a ascensão e queda de uma cordilheira pré-cambriana);
  • Parque Nacional do Vale da Morte, Califórnia e Nevada
  • Parque Nacional do Grand Canyon, Arizona
  • Parque Nacional Joshua Tree, Califórnia
  • Reserva Nacional de Mojave, Califórnia
  • Monumento Nacional Pipestone, Minnesota
  • Parque Nacional das Montanhas Rochosas, Colorado
  • Monumento Nacional de Tonto, Arizona

Referências

  1. Reis, Humberto L. S.; Sanchez, Evelyn A. M. (1 de janeiro de 2021). Alderton, David; Elias, Scott A., eds. «Precambrian». Oxford: Academic Press (em inglês): 23–54. ISBN 978-0-08-102909-1. Consultado em 18 de julho de 2022 
  2. Vários autores e consultores, Enciclopédia Ilustrada da Terra, Editora Três, 2011, ISBN 857368866-1
  3. Cohen, K.M.; Finney, S.C.; Gibbard, P.L.; Fan, J.-X. (1 de setembro de 2013). «The ICS International Chronostratigraphic Chart». Episodes (3): 199–204. ISSN 0705-3797. doi:10.18814/epiiugs/2013/v36i3/002. Consultado em 17 de julho de 2022 
  4. «International Commission on Stratigraphy». stratigraphy.org. Consultado em 29 de agosto de 2021 
  5. «IUGS - International Union of Geological Sciences | Home». IUGS (em italiano). Consultado em 29 de agosto de 2021 
  6. «Precambrian Era». project.geo.msu.edu. Consultado em 18 de julho de 2022 
  7. a b James Monroe and Reed Wicander, The Changing Earth, 2nd ed, (Belmont: Wadsworth Publishing Company, 1997), p. 492.
  8. Levin, Harold L. (25 de outubro de 2005). «The Earliest Earth: 2,100,000,000 years of the Archean Eon». In: Gore, Pamela J.W. The Earth Through Time. [S.l.: s.n.] p. 1 
  9. Davis, C.M. (1964). «The Precambrian Era». Readings in the Geography of Michigan. [S.l.]: Michigan State University 
  10. «Zircons are Forever». Department of Geoscience. 2005. Consultado em 28 de abril de 2007 
  11. a b KOWALEWSKI, M.; PAYNE, J.; SMITH, F.; WANG, S.; MCSHEA, D.; XIAO, S.; NOVACK-GOTTSHALL, P.; MCCLAIN, C.; KRAUSE, R. (2011). «THE GEOZOIC SUPEREON». PALAIOS (5): 251–255. ISSN 0883-1351. doi:10.2110/palo.2011.S03. Consultado em 17 de julho de 2022 
  12. Fan, Junxuan; Hou, Xudong (Fevereiro de 2017). «Chart». Comissão Internacional sobre Estratigrafia. Gráfico Internacional de Cronostratigrafia. Consultado em 10 de maio de 2018 
  13. U.S. Geological Survey Geologic Names Committee (2010). Divisions of geologic time—major chronostratigraphic and geochronologic units. U.S. Geological Survey Fact Sheet 2010–3059. [S.l.]: United States Geological Survey. 2 páginas. Consultado em 20 de junho de 2018 
  14. Condie, Kent C. (1 de janeiro de 2001). «Continental Growth During Formation of Rodinia at 1.35-0.9 Ga». Gondwana Research (em inglês) (1): 5–16. ISSN 1342-937X. doi:10.1016/S1342-937X(05)70650-X. Consultado em 17 de julho de 2022 
  15. a b c d e f g h i j k l m n o «Precambrian | Life, Climate, & Facts | Britannica». www.britannica.com (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2022 
  16. Babinski, M.; Pedrosa-Soares, A. C.; Trindade, R. I. F.; Martins, M.; Noce, C. M.; Liu, D. (1 de março de 2012). «Neoproterozoic glacial deposits from the Araçuaí orogen, Brazil: Age, provenance and correlations with the São Francisco craton and West Congo belt». Gondwana Research. Special Issue: Western Gondwana (em inglês) (2): 451–465. ISSN 1342-937X. doi:10.1016/j.gr.2011.04.008. Consultado em 17 de julho de 2022 
  17. «Corrigindo a data da origem da vida». revistapesquisa.fapesp.br. Consultado em 17 de julho de 2022 
  18. Dodd, Matthew S.; Papineau, Dominic; Grenne, Tor; slack, John F.; Rittner, Martin; Pirajno, Franco; O'Neil, Jonathan; Little, Crispin T. S. (2 de março de 2017). «Evidence for early life in Earth's oldest hydrothermal vent precipitates». Nature. 543 (7643): 60–64. Bibcode:2017Natur.543...60D. PMID 28252057. doi:10.1038/nature21377. Consultado em 2 de março de 2017. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2017 
  19. Zimmer, Carl (1 de março de 2017). «Scientists Say Canadian Bacteria Fossils May Be Earth's Oldest». The New York Times. Consultado em 2 de março de 2017 
  20. Ghosh, Pallab (1 de março de 2017). «Earliest evidence of life on Earth 'found'». BBC News. Consultado em 2 de março de 2017 
  21. Dunham, Will (1 de março de 2017). «Canadian bacteria-like fossils called oldest evidence of life». Reuters. Consultado em 1 de março de 2017 
  22. Ghilardi, Aline (26 de fevereiro de 2011). «FAUNA DE LANTIAN – UMA NOVA ASSEMBLÉIA FÓSSIL EDIACARANA». Colecionadores de ossos. Consultado em 16 de julho de 2022. Cópia arquivada em 16 de julho de 2022 
  23. Fedonkin, Mikhail A.; Gehling, James G.; Grey, Kathleen; Narbonne, Guy M.; Vickers-Rich, Patricia (2007). The Rise of Animals: Evolution and Diversification of the Kingdom Animalia. [S.l.]: JHU Press. 326 páginas. ISBN 9780801886799. doi:10.1086/598305 
  24. Dawkins, Richard; Wong, Yan (2005). The Ancestor's Tale: A Pilgrimage to the Dawn of Evolution. [S.l.]: Houghton Mifflin Harcourt. 673 páginas. ISBN 9780618619160 
  25. Selden, Paul A. (2005). «Terrestrialization (Precambrian-Devonian)». Terrestrialization (Precambrian–Devonian) (PDF). Encyclopedia of Life Sciences. [S.l.]: John Wiley & Sons, Ltd. ISBN 978-0470016176. doi:10.1038/npg.els.0004145 
  26. «Scientists discover 'oldest footprints on Earth' in southern China dating back 500 million years». The Independent (em inglês). 7 de junho de 2018. Consultado em 17 de julho de 2022 
  27. a b c King, Philip Burke (1976). «Precambrian geology of the United States; an explanatory text to accompany the geologic map of the United States». doi:10.3133/pp902. Consultado em 17 de julho de 2022 
  28. Bleeker, W. (2004) [2004]. «Toward a "natural" Precambrian time scale». In: Felix M. Gradstein; James G. Ogg; Alan G. Smith. A Geologic Time Scale 2004. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-78673-7  also available at Stratigraphy.org: Precambrian subcommission
  29. de Wit, Maarten; Furnes, Harald (1 de março de 2013). «Earth's oldest preserved unconformity — Prospect of a beginning in the tectono-sedimentary continental cycle?». Gondwana Research. Geological processes in the Early Earth (em inglês) (2): 429–435. ISSN 1342-937X. doi:10.1016/j.gr.2012.03.002. Consultado em 17 de julho de 2022 
  30. «The Precambrian (U.S. National Park Service)». www.nps.gov (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2022 

Ver tambémEditar

Precedido por
Pré-Cambriano
4.600 - 550
milhões de anos
Sucedido por
Fanerozoico
  Este artigo sobre geologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.