Fanerozoico

eón que começa em 542 milhões de anos atrás e se estende até a atualidade
Éon Fanerozoico
541–0 milhões de anos atrás
view • Discussão • edit
-4500 —
-4000 —
-3500 —
-3000 —
-2500 —
-2000 —
-1500 —
-1000 —
-500 —
0 —
Escala:
milhões de anos

Na escala de tempo geológico, o Fanerozóico (grego transliterado: phaneros significa "visível" e zoikos, "vida") é o éon geológico que abrange os últimos 542 milhões de anos.[1] Tem início com o Cambriano na era Paleozoico com o surgimento de vários animais de concha e é o éon ao longo do qual a abundância de vida é maior.

A fronteira entre o Fanerozóico e o Proterozóico não está claramente definida. No século XIX ela coincidia com o aparecimento dos primeiros fósseis metazoários abundantes. Porém, foram identificadas várias centenas de taxa de metazoários do Proterozoico desde o início de estudos sistemáticos destes seres na década de 1950. A maioria dos geólogos e paleontólogos provavelmente consideraria que a fronteira Fanerozoico-Proterozoico ocorre no ponto clássico em que surgem as primeiras trilobites e Archaeocyatha; com a primeira aparição de complexas tocas de alimentação (Trichophycus pedum); ou com a primeira aparição de um grupo de pequenas e geralmente desarticuladas formas couraçadas designadas "pequena fauna conquífera". Estes três diferentes pontos de fronteira encontram-se separados entre si por alguns milhões de anos.

Associação Metalogenética

É composta principalmente por folhelhos negros (ricos em matéria orgânica) e Ironstones Ooliticos, com forte atividade exalativa e produção de CO2, aquecimento global e grande produtividade biológica como condição para a formação desses depósitos.

Depósitos do tipo VMS, SEDEX e RedBed são formados no período de máximo desenvolvimento de amalgamação continental do Ciclo de Wilson, no Gondwana,durante a transição Pré-Cambriano-Cambriano e no Pangeia na transição do Paleozóico Superior para o Mesozóico inferior.

SubdivisõesEditar

Divide-se nas eras e períodos (da mais antiga para a mais recente):

Éon Era Período M. anos
Fanerozoico Cenozoico Quaternário 2.558
Neogeno 23.030*
Paleogeno 66.0*
Mesozoico Cretáceo c. 145.0
Jurássico 201.3 ± 0.2*
Triássico 252.2 ± 0.5*
Paleozoico Permiano 298.9 ± 0.2*
Carbonífero 358.9 ± 0.4*
Devoniano 419.2 ± 3.2*
Siluriano 443.4 ± 1.5*
Ordoviciano 485.4 ± 1.9*
Cambriano 541.0 ± 1.0*

Eras do FanerozóicoEditar

O Fanerozóico é dividido em três eras: Paleozoico, Mesozoico e Cenozoico, as quais são subdivididas em doze períodos. O Paleozóico abrange a evolução dos peixes, anfíbios e répteis. Durante o Mesozóico acontece a evolução dos lagartos, crocodilos, cobras, tartarugas, mamíferos e dinossauros (incluindo aves). O Cenozóuco começa com a extinção dos dinossauros não avianos, conta com a evolução e diversificação de aves e mamíferos. Os humanos aparecem e evoluem durante os períodos mais recentes do Cenozóico.

Era PaleozóicaEditar

Durante o Paleozoico ocorreu a evolução das formas de vidas complexas na história do planeta Terra, assim como o início da ocupação das massas continentais, foi a era em que os ancestrais de toda a vida multicelular na Terra começaram a se diversificar. O Paleozóico compreende seis períodos de tempo: Cambriano, Ordoviciano, Siluriano, Devoniano, Carbonífero e Permiano.[2]

Período CambrianoEditar

O Cambriano é o primeiro período do Paleozóico, ele começa em 541,0 ± 1 milhões de anos e vai até 485,4 ± 1,9 milhões de anos atrás. Durante o Cambriano houve um grande aumento repentino na diversidade de vida animal, em um evento conhecido como Explosão Cambriana. Surgiram algas complexas, a fauna era dominada por artrópodes encouraçados, assim como trilobitas. Quase todos os filos de animais marinhos evoluíram durante esse período. Nesta época, o supercontinente Panótia começou a se quebrar, parte dele iria se recombinar posteriormente para formar o supercontinente Gondwana.[3]

Período OrdovicianoEditar

O Ordoviciano vai de 485,4 ± 1,9 Ma até 443,8 ± 1,5 Ma. Foi durante o Ordoviciano que vários dos grupos ainda existentes começaram a evoluir e diversificar, como por exemplo os Cefalópodes, peixes e corais, esse processo é conhecido como Radiação Ordoviciana. Os trilobitas começaram a ser substituídos por braquiópodes articulados, os crinóides também começaram a constituir uma parte importante da fauna. [4] Os primeiros artrópodes migraram para fora dos oceanos e começaram a colonizar o Gondwana. No final do Ordoviciano, o Gondwana tinha se movido do equador para o polo sul, Laurência colidiu com a Báltica, fechando o Oceano de Jápeto. Um evento glacial no Gondwana resultou em uma grande diminuição no nível do mar, matando toda a vida que havia se estabelecidos nas costas, esse evento ficou conhecido como a Extinção do Ordoviciano-Siluriano, no qual cerca de 60% dos invertebrados marinhos e 25% das famílias foram extintas. Apesar de ter sido um dos maiores eventos de extinção em massa na história da Terra, a extinção do Ordoviciano-Siluriano não causou mudanças ecológicas profundas entre os períodos. [5]

Período SilurianoEditar

O Siluriano durou de 485,4 ± 1,9 Ma até 419,2 ± 3,2 Ma. Durante esse período houve evolução em massa de peixes, os peixes sem mandíbula (Agnatha) se tornaram mais numerosos, os primeiros peixes com mandíbula e peixes de água doce surgiram no registro fóssil. Os artrópodes continuaram abundantes, alguns grupos, como os Euriptéridos, se tornaram superpredadores. Formas de vida exclusivamente terrestre se estabeleceram nos continentes, incluindo os primeiros aracnídeos, fungos e miriápodes. A evolução de plantas vasculares, como as cooksonia, permitiram com que elas se estabelecessem nos continentes, essas plantas são as ancestrais de todas as plantas terrestres. Durante este período, existiam quartro continentes: Condwana (África, América do Sul, Austrália, Antártica, Índia), Laurentia (América do Norte com partes da Europa), Báltica (restante da Europa) e Siberia (norte da Ásia).[6]

Período DevonianoEditar

O Devoniano compreende o período de 419,2 ± 3,2 Ma até 358,9 ± 0,4 Ma. É conhecido como a "Idade dos Peixes" devido a grande diversificação de peixes acontecido nesse período. Os peixes couraçado incluíam os Agnatha (sem mandíbula), assim como peixes com mandíbula placodermes, como os Dunkleosteus terrelli. Durante o Devoniano também houve a diversificação de grupos modernos de peixes, assim como os Chondrichthyes (tubarões), Osteichthyes (peixes com nadadeiras), e Sarcopterygii (peixes de barbatanas lobadas). Uma linhagem de sarcopterygians evoluiu para os primeiros vertebrados de quatro membros, que eventualmente se tornariam os Tetrápodes. Na terra, grupos de plantas se diversificaram; as primeiras árvores e sementes evoluíram durante este período. Por volta do Devoniano Médio existiam florestas primitivas, algumas espécies são: Lycopodiophyta, Equisetales, Fernseea e Progymnospermophyta. Esse evento também permitiu a diversificação dos artrópodes pois eles tinham vantagem sobre o novo hábitat. Perto do fim do Devoniano, 70% de todas as espécies foram extintas em uma sequência de eventos de extinções em massa, coletivamente conhecidos como a Extinção do Devoniano Superior.[7]

Período CarboníferoEditar

O Carbonífero vai de 358,9 ± 0,4 Ma até 298,9 ± 0,15 Ma.[7] Pântanos tropicais dominavam a Terra, e a grande quantidade de árvores deu origem a grande parte dos depósitos de carvão mineral existentes hoje em dia, por isso o nome Carbonífero. Cerca de 90% dos depósitos de carvão mineral foram depositados nos períodos Carbonífero e Permiano, o que representa apenas 2% da história geológica da Terra. [8]Os altos níveis de oxigênio devido a grande quantidade de árvores permitiu a proliferação de artrópodes gigantes (normalmente o seu tamanho é limitado pelos seus sistemas respiratórios). Tetrápodes diversificaram durante o Carbonífero, e uma linhagem deu origem aos Amniota (animais cujos embriões são rodeados por uma membrana amniótica) o que permite a reprodução fora d'água. Esses tetrápodes incluem os primeiros Répteis e Synapsida (parentes dos mamíferos). Ao logo do Carbonífero, houve um resfriamento, o que levou a um evento de glaciação no Gondwana, esse evento ficou conhecido como Glaciação Permo-Carbonífera e resultou na perda de grande parte das florestas.[9]

Período PermianoEditar

O Permiano vai de 298,9 ± 0,15 Ma até 252,17± 0,06 Ma e foi o último período da era Paleozóica. No seu início, todos os continentes se juntaram, dando origem ao supercontinente Pangeia, cercado por um único oceano chamado Pantalassa. A Terra era relativamente seca em comparação com o Carbonífero, com estações severas. Os Amniota se diversificaram no novo clima seco, principalmente alguns Synapsida como os Dimetrodon, Edaphosaurus e os ancestrais dos mamíferos modernos. As primeiras coníferas evoluíram durante esse período e dominaram as paisagens terrestres. O Permiano terminou com um grande evento de extinção em massa, a Extinção do Permiano-Triássico, foi o maior evento de extinção da história da Terra, resultando na morte de 95% de todas as espécies.[10][11]

Era MesozóicaEditar

O Mesozóico vai de 252,17± 0,06 Ma até 66,0 Ma, também é conhecida como a Idade dos Répteis ou Idade das Coníferas.[12] O Mesozóico contou com o aparecimento de vários tetrápodes modernos, enquanto os répteis começaram a dominar as terras, deixandos os sinapsídeos para trás. O Mesozóico é dividido em três Períodos: Triássico, Jurássico e Cretáceo.

Período TriássicoEditar

O Triássico vai de 252,17± 0,06 Ma até 201,3 ± 0,2 Ma e é subdividido em três épocas: Triássico Inferior, Triássico Médio e Triássico Superior.[13]

O Triássico Inferior durou de 252,17± 0,06 Ma até 247,2 Ma, foi uma época quente e árida após a extinção do Permiano, devido a extinção os grupos animais eram muito pouco diversos. Os Temnospondyli recuperaram e se diversificaram em grande predadores aquáticos durante o Triássico.[14] Répteis também se diversificaram rapidamente, com répteis aquáticos como os Ichthyosaurus e Sauropterygia se proliferando nos mares. Na terra, aparecerem os primeiros Arcossauros, incluindo os Pseudosuchia (parentes dos crocodilos) e Avemetatarsalia (parentes das aves e dinossauros).

O Triássico Médio vai de 247,2 Ma até 237,0 Ma, durante o qual a Pangeia começou a se quebrar em um processo de rifteamento que se iniciou no norte. Fitoplânctons, Corais e Crustáceos e vários outros invertebrados se recuperaram da extinção do Permiano ao final do Triássico Médio. Enquanto isso, na terra, répteis continuavam a se diversificar, as florestas coníferas prosperavam, assim como os primeiros mosquitos.[15][16]

O Triássico Superior vai de 237,0 Ma até 201,3 ± 0,2 Ma. Foi uma época quente e árida, com fortes monções e com grande parte das precipitações limitadas a regiões costeiras e de altas latitudes.[17] Os primeiros Dinossauros reais surgiram no Triássico Superior,[18] os Pterossauros evoluíram um pouco depois. [19][20]Outros répteis grande que poderiam competir com os dinossauros foram dizimados durante a Extinção do Triássico-Jurássico, na qual grande parte dos arcossauros (excluindo os Crocodilomorfos, pterossauros e dinossauros) assim como muito sinapsídeos e quase todos os grande anfíbios foram extintos, além de 34% da vida marinha. A causa da extinção ainda é debatida, mas foi provavelmente resultado de grandes eventos de vulcanismo.[21]

Período JurássicoEditar

O Jurássico vai de 201,3 ± 0,2 Ma até 145,0 Ma e compreende três épocas: Jurássico Inferior, Jurássico Médio e Jurássico Superior.[22]

O Jurássico Inferior vai de 201,3 ± 0,2 Ma até 174,1 ± 1 Ma. O clima era muito mais úmido do que no Triássico, como resultado o planeta era quente e parcialmente tropical, [23][24]mas com pequenos intervalos frios.[25] Plesiosaurios, Ichthyosaurus e Amonitas dominavam os mares[26], enquanto dinossauros e outros répteis dominavam as terras[26], com espécies como o Dilophosaurus como superpredador.[27] Crocodilomorfos evoluíram para formas aquáticas, levando a quase extinção dos grandes anfíbios.[28] Os mamíferos já estavam presente durante o Jurássico, mas permaneciam pequenos, geralmente pesando menos de 10 quilos até o final do Cretáceo.[29][30]

O Jurássico Médio e Superior vão de 174,1 ± 1 Ma até 145,0 Ma. Savanas de coníferas constituíam uma grande porção das florestas do mundo.[31] [32]Nos oceanos, plesiossauros eram muito comuns e os ictiossauros prosperavam.[33] O Jurássico Superior vai de 163,0 Ma até 145,0 Ma, foi marcado por uma severa extinção dos saurópodes nos continentes do norte, junto com vários grupos de ictiossauros. Entretanto, o limite Jurássico-Cretáceo não impactou fortemente a maior parte das formas de vida.[34]

Período CretáceoEditar

O Cretáceo é o período mais longo do Fanerozóico e o último período do Mesozóico. Ele vai de 145,0 Ma até 66,0 Ma e é dividido em duas épocas: Cretáceo Inferior e Cretáceo Superior.

O Cretáceo Inferior vai de 145,0 Ma até 100,5 Ma. Os dinossauros continuaram abundantes, com grupos como os Tyrannosauroidea, Avialae (aves), Marginocephalia e Ornithopoda tendo vislumbres do seu futuro sucesso. Outros tetrápodes, como Estegossauros e ictiossauros sofreram um grande declínio, os saurópodes estavam restritos aos continentes do sul.

O Cretáceo Superior vai de 100,5 Ma até 66,0 Ma, durante essa época começou uma onda de resfriamento que iria continuar até o Cenozóico. Eventualmente, o clima tropical ficou restrito ao equador e áreas além das linhas de trópico, caracterizando climas mais sazonais. Surgiram novas grupos de dinossauros, como Tiranossauros, Ankylosauridae, Triceratops e Hadrosaurus dominando as cadeias alimentares. Se o declínio dos pterossauros tem a ver com irradiação das aves é discutível, entretanto, várias famílias sobreviveram até o final do Cretáceo, junto com novas formas, como os gigantescos Quetzalcoatlus. Mamíferos se diversificaram apesar do seu tamanho diminuto, com Metatheria (marsupiais e semelhantes) e Eutheria (placentários). Nos oceanos, Mosasaurus diversificaram preenchendo os nichos deixados pelos extintos ictiossauros, junto com grandes plesiossauros como o Elasmosaurus. Além disso, surgiram as primeiras plantas com flores. No final do Cretáceo, os Basaltos de Decão e outras erupções vulcânicas estavam envenenando a atmosfera. Um grande meteoro colidiu com a Terra, formando a Cratera de Chicxulub, esse impacto junto com a intensa atividade vulcânica caracterizou a Extinção K-Pg, a quinta e mais recente extinção em massa, na qual 75% de toda a vida na Terra foi extinta, incluindo todos os dinossauros não avianos. Todos os seres com mais de 10 quilos foram extintos, finalizando a grande era dos dinossauros.[35][36]

Era CenozóicaEditar

O Cenozóico conta com a ascensão dos mamíferos como classe dominante no mundo animal, já que o fim da era dos dinossauros deixou uma série de nichos ecológicos desocupados. Existem três divisões no Cenozóico: Paleogeno, Neogeno e Quaternário.

Período PaleógenoEditar

O Paleógeno vai da extinção dos dinossauros não avianos 66,0 Ma até o início do Neógeno em 23,03 Ma. É dividido em três épocas: Paleoceno, Eoceno e Oligoceno.

O Paleoceno começa com a Extinção K-Pg, o início do Paleoceno conta com a recuperação da Terra desse evento. Os continentes começam a tomar as suas formas atuais, mas a maior parte deles e a Índia permanecem separados. África e Eurasia eram separados pelo Mar de Tétis, e as Américas estavam separadas pelo estreito do Panamá, pois o istmo do Panamá ainda não havia se formado. Nessa época o clima do planeta esquentou de maneira geral, os domínios de floresta se expandiram, eventualmente alcançando os polos. Os oceanos eram dominados por tubarões, já que os grandes répteis haviam sido extintos. Os mamíferos se diversificaram rapidamente, mas a maior parte permaneceu de pequeno porte. Os maiores tetrápodes carnívoros durante o Paleoceno eram répteis, incluindo crocodiloformes, Choristodera e cobras. A Titanoboa cerrejonensis, a maior cobra conhecida, viveu na América do Sul durante o Paleoceno.

O Eoceno durou de 56,0 Ma até 33,9 Ma. No início do Eoceno, a maior parte dos mamíferos terrestres ainda eram pequenos e viviam em selvas, assim como no Paleoceno. Entre eles estavam os primeiros primatas, baleias e cavalos. O clima era quente e úmido com pouca variação de temperatura entre os polos. Durante o Eoceno Médio a Corrente Circumpolar Antártica entre a Austrália e Antártica se formou, perturbando as correntes oceânicas pelo mundo, resultando em um resfriamento global, o que diminuiu as áreas de selva. Mais mamíferos continuaram a se diversificar com o evento de resfriamento, assim como seres mais arcaicos começavam a se extinguir. Ao final do Eoceno, baleias como as Basilosaurus tinham se tornado completamente aquáticas. O Eoceno Superior viu o ressurgimento das estações, o que causou a expansão das áreas de savana.[37] [38]A transição entre o Eoceno e o Oligoceno foi marcada por uma extinção significante, cuja causa ainda é debatida.

O Oligoceno vai de 33,9 Ma até 23,03 Ma, foi um importante período transicional entre o mundo tropical do Eoceno e os ecossistemas mais modernos. Esse período conta com a expansão global das áreas gramadas, o que levou muitas espécies a se beneficiar, como os primeiros elefantes, gatos, cães, marsupiais e outras espécies ainda prevalecentes hoje. Muitas outras espécies de plantas evoluíram durante essa época, como as árvores perenes. O período de resfriamento continuou e chuvas sazonais estabeleceram padrões. Os mamíferos continuaram crescendo cada vez mais. Paraceratherium, um dos maiores mamíferos terrestres que já existiu, evoluiu nessa época, junto com vários outros Perissodáctilos.

Período NeógenoEditar

O Neogeno vai de 23,03 Ma até 2,58 Ma, e é constituído por duas épocas: Mioceno e Plioceno.

O Mioceno começa em 23,03 Ma e vai até 5,333 Ma, é um período em que o campos gramados se espalharam e dominaram uma vasta porção do mundo, diminuindo o espaço das florestas no processo. Florestas de alga evoluíram, levando ao surgimento de novas espécies como de lontras marinhas. Durante essa época, os Perissodáctilos prosperavam e evoluíram em diversas variedades. Junto a eles tinham os macacos, que evoluíram em cerca de 30 espécies diferentes. No geral, terras áridas e montanhosas dominavam a maior parte do mundo, assim como os pastos. O Mar de Tétis finalmente se fechou com a criação da Península Arábica, como remanescentes sobraram o Mar Negro, Mar Vermelho, Mar Mediterrâneo e Mar Cáspio, isso apenas aumentou a aridez. Várias novas plantas evoluíram, e 95% das plantas com sementes modernas evoluíram no Mioceno Médio.[39] O Plioceno durou de 5,333 Ma até 2,58 Ma e teve como característica mudanças climáticas drásticas. O mar mediterrâneo secou por algumas centenas de milhares de anos, num evento conhecido como crise de salinidade messiniana. Na África houve o surgimento do Australopithecus, o ancestral do Homo. O istmo do Panamá se formou, animais migraram entre a Amárica do Norte e Sul, causando estragos na ecologia local. Mudanças climáticas fizeram com que as savanas continuassem se espalhando pelo mundo, monções na Índia, desertos no leste a Ásia, e começou a se formar o deserto do Saara. Os continentes e oceanos tomar as configurações existentes atualmente. Não houve nenhuma alteração no mapa mundi desde então, com exceção das mudanças trazidas pelas glaciações do Quaternário, como os Grandes Lagos.[40][41]

Período QuaternárioEditar

O Quaternário começa em 2,58 Ma e vai até os dias atuais, é o período geológico mais curto do éon Fanerozóico. Ele é caracterizado por animais modernos e mudanças dramáticas no clima. É dividido em duas épocas: o Pleistoceno e o Holoceno.

O Pleistoceno foi de 2,58 Ma até 11,700 anos atrás. Essa época foi marcada por uma série de períodos glaciais (eras do gelo) como resultado da tendência de resfriamento começada no Eoceno Médio. Houveram inúmero períodos glaciais separados marcados pelo avanço das capas de gelo em latitudes de até 40 graus N em áreas montanhosas. Enquanto isso, a África experienciou fortes dessecações que resultaram na criação dos desertos do Saara, Namib e Kalahari. Mamutes, preguiças gigantes, lobos, Tigre Dentes-de-Sabre e humanos eram comuns e estavam bem difundidos ao longo do Pleistoceno. A medida que o Pleistoceno caminhava para o final, uma grande extinção acabou com a maior parte da Megafauna do mundo, incluindo espécies humanas não-Homo sapiens, como o Homo neaderthalensis. Todos os continentes foram afetados, porém a África foi menos afetada e ainda manteve muito animais grandes, como elefantes, rinocerontes e hipopótamos. Ainda é debatido se o Homo sapiens estaria envolvido com esse evento de extinção.[42]

O Holoceno começa há 11,700 anos e dura até os dias atuais. Toda a história recordada e a História humana se encontra entre os limites dessa época.[43] Atividades humanas são culpadas por uma extinção em massa que começou há aproximadamente 10,000 anos atrás, isso as vezes é referenciado como a Sexta extinção. Centenas de espécies se extinguiram devido aos impactos das atividades humanas desde a Revolução Industrial.[44][45]

 
A evolução da biodiversidade durante Fanerozoico mostra um crescimento contínuo - mas não monótono, desde aproximadamente zero até milhares de géneros.

Principais acontecimentosEditar

Aparecimento rápido de numerosos filos animais; a evolução destes filos para formas diversas; o aparecimento de plantas terrestres; desenvolvimento de plantas complexas; a evolução dos peixes; o aparecimento de animais terrestres; e o desenvolvimento das faunas modernas. Durante este período de tempo, os continentes derivaram, eventualmente colidindo para a forma Pangeia e dividindo-se em seguida nas massas continentais atuais.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Quadro Estratigráfico Internacional» 
  2. «The Paleozoic Era». web.archive.org. 2 de maio de 2015. Consultado em 18 de julho de 2022 
  3. «The Cambrian Period». web.archive.org. 15 de maio de 2012. Consultado em 18 de julho de 2022 
  4. Cooper, John D. (John Doyne) (1986). A trip through time : principles of historical geology. Internet Archive. [S.l.]: Columbus : Merrill Pub. Co. 
  5. «The Ordovician Period». web.archive.org. 2 de maio de 2015. Consultado em 17 de julho de 2022 
  6. «The Silurian Period». web.archive.org. 16 de junho de 2017. Consultado em 18 de julho de 2022 
  7. a b «The Devonian Period». web.archive.org. 11 de maio de 2012. Consultado em 18 de julho de 2022 
  8. McGhee, George R. (2018). Carboniferous giants and mass extinction : the late Paleozoic Ice Age world. New York: [s.n.] OCLC 1019835394 
  9. «The Carboniferous Period». web.archive.org. 10 de fevereiro de 2012. Consultado em 18 de julho de 2022 
  10. «End-Permian mass extinction (the Great Dying) | Natural History Museum». web.archive.org. 20 de abril de 2015. Consultado em 18 de julho de 2022 
  11. «The Permian Period». web.archive.org. 4 de julho de 2017. Consultado em 18 de julho de 2022 
  12. Dean, Dennis R. (1999). Gideon Mantell and the discovery of dinosaurs. Cambridge, UK: Cambridge University Press. OCLC 38738996 
  13. «Triassic Period | geochronology :: Economic significance of Triassic deposits | Encyclopedia Britannica». web.archive.org. 26 de abril de 2015. Consultado em 18 de julho de 2022 
  14. Prothero, Donald R. (2013). Bringing fossils to life : an introduction to paleobiology Third edition ed. New York: [s.n.] OCLC 863683957 
  15. History of insects. N. V. Belayeva, A. P. Rasnit︠s︡yn, Donald L. J. Quicke. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers. 2002. OCLC 52296764 
  16. Stubbs, Thomas L.; Pierce, Stephanie E.; Rayfield, Emily J.; Anderson, Philip S. L. (7 de novembro de 2013). «Morphological and biomechanical disparity of crocodile-line archosaurs following the end-Triassic extinction». Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences (1770). 20131940 páginas. PMC 3779340 . PMID 24026826. doi:10.1098/rspb.2013.1940. Consultado em 18 de julho de 2022 
  17. Tanner, Lawrence H. (2018). Tanner, Lawrence H., ed. «Climates of the Late Triassic: Perspectives, Proxies and Problems». Cham: Springer International Publishing (em inglês): 59–90. ISBN 978-3-319-68009-5. doi:10.1007/978-3-319-68009-5_3. Consultado em 18 de julho de 2022 
  18. Alcober, Oscar; Martínez, Ricardo (19 de outubro de 2010). «A new herrerasaurid (Dinosauria, Saurischia) from the Upper Triassic Ischigualasto Formation of northwestern Argentina». ZooKeys (em inglês): 55–81. ISSN 1313-2970. doi:10.3897/zookeys.63.550. Consultado em 18 de julho de 2022 
  19. Presse, Agence France (10 de julho de 2018). «Giant bones get archaeologists rethinking Triassic dinosaurs». The National (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2022 
  20. Britt, Brooks B.; Dalla Vecchia, Fabio M.; Chure, Daniel J.; Engelmann, George F.; Whiting, Michael F.; Scheetz, Rodney D. (setembro de 2018). «Caelestiventus hanseni gen. et sp. nov. extends the desert-dwelling pterosaur record back 65 million years». Nature Ecology & Evolution (em inglês) (9): 1386–1392. ISSN 2397-334X. doi:10.1038/s41559-018-0627-y. Consultado em 18 de julho de 2022 
  21. The Cretaceous-Tertiary event and other catastrophes in earth history. Graham Ryder, David E. Fastovsky, Stefan Gartner. Boulder, Colo.: Geological Society of America. 1996. OCLC 34943353 
  22. «Jurassic Period | geochronology :: Major subdivisions of the Jurassic System | Encyclopedia Britannica». web.archive.org. 6 de maio de 2015. Consultado em 18 de julho de 2022 
  23. Climate in earth history. National Research Council. Geophysics Study Committee, American Geophysical Union. Meeting. Washington, D.C.: National Academy Press. 1982. OCLC 8866483 
  24. Iqbal, Shahid; Wagreich, Michael; Irfan U, Jan; Kuerschner, Wolfram Michael; Gier, Susanne; Bibi, Mehwish (1 de janeiro de 2019). «Hot-house climate during the Triassic/Jurassic transition: The evidence of climate change from the southern hemisphere (Salt Range, Pakistan)». Global and Planetary Change (em inglês): 15–32. ISSN 0921-8181. doi:10.1016/j.gloplacha.2018.09.008. Consultado em 18 de julho de 2022 
  25. Korte, Christoph; Hesselbo, Stephen P.; Ullmann, Clemens V.; Dietl, Gerd; Ruhl, Micha; Schweigert, Günter; Thibault, Nicolas (11 de dezembro de 2015). «Jurassic climate mode governed by ocean gateway». Nature Communications (em inglês) (1). 10015 páginas. ISSN 2041-1723. PMC 4682040 . PMID 26658694. doi:10.1038/ncomms10015. Consultado em 18 de julho de 2022 
  26. a b Torsvik, Trond H. (2017). Earth history and palaeogeography. L. R. M. Cocks. Cambridge, United Kingdom: [s.n.] OCLC 968155663 
  27. Marsh, Adam D.; Rowe, Timothy B. (julho de 2020). «A comprehensive anatomical and phylogenetic evaluation of Dilophosaurus wetherilli (Dinosauria, Theropoda) with descriptions of new specimens from the Kayenta Formation of northern Arizona». Journal of Paleontology (em inglês) (S78): 1–103. ISSN 0022-3360. doi:10.1017/jpa.2020.14. Consultado em 18 de julho de 2022 
  28. Foth, Christian; Ezcurra, Martín D.; Sookias, Roland B.; Brusatte, Stephen L.; Butler, Richard J. (15 de setembro de 2016). «Unappreciated diversification of stem archosaurs during the Middle Triassic predated the dominance of dinosaurs». BMC Evolutionary Biology (1). 188 páginas. ISSN 1471-2148. PMC 5024528 . PMID 27628503. doi:10.1186/s12862-016-0761-6. Consultado em 18 de julho de 2022 
  29. Meng, Jin; Wang, Yuanqing; Li, Chuankui (abril de 2011). «Transitional mammalian middle ear from a new Cretaceous Jehol eutriconodont». Nature (em inglês) (7342): 181–185. ISSN 1476-4687. doi:10.1038/nature09921. Consultado em 18 de julho de 2022 
  30. Smith, Felisa A.; Boyer, Alison G.; Brown, James H.; Costa, Daniel P.; Dayan, Tamar; Ernest, S. K. Morgan; Evans, Alistair R.; Fortelius, Mikael; Gittleman, John L. (26 de novembro de 2010). «The Evolution of Maximum Body Size of Terrestrial Mammals». Science (em inglês) (6008): 1216–1219. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.1194830. Consultado em 18 de julho de 2022 
  31. Skog, Judith E.; Dilcher, David L. (1 de janeiro de 1994). «Lower vascular plants of the Dakota Formation in Kansas and Nebraska, USA». Review of Palaeobotany and Palynology (em inglês) (1): 1–18. ISSN 0034-6667. doi:10.1016/0034-6667(94)90089-2. Consultado em 18 de julho de 2022 
  32. Index (em inglês). [S.l.]: University of California Press. 16 de dezembro de 2005 
  33. Torsvik, Trond H. (2017). Earth history and palaeogeography. L. R. M. Cocks. Cambridge, United Kingdom: [s.n.] OCLC 968155663 
  34. Tennant, Jonathan P.; Mannion, Philip D.; Upchurch, Paul (2 de setembro de 2016). «Sea level regulated tetrapod diversity dynamics through the Jurassic/Cretaceous interval». Nature Communications (em inglês) (1). 12737 páginas. ISSN 2041-1723. PMC 5025807 . PMID 27587285. doi:10.1038/ncomms12737. Consultado em 18 de julho de 2022 
  35. «The Cretaceous Period». web.archive.org. 11 de junho de 2017. Consultado em 18 de julho de 2022 
  36. «What Was The Impact That Killed The Dinosaurs?». web.archive.org. 5 de maio de 2015. Consultado em 18 de julho de 2022 
  37. «The Eocene Epoch». web.archive.org. 20 de abril de 2015. Consultado em 18 de julho de 2022 
  38. «Paleogene Period, Cenozoic Era Information, Prehistoric Facts -- National Geographic». web.archive.org. 8 de maio de 2015. Consultado em 18 de julho de 2022 
  39. «The Miocene Epoch». web.archive.org. 4 de maio de 2015. Consultado em 18 de julho de 2022 
  40. «The Pliocene Epoch». web.archive.org. 29 de abril de 2015. Consultado em 18 de julho de 2022 
  41. «Pliocene quick guide». www.esd.ornl.gov. Consultado em 18 de julho de 2022 
  42. «The Pleistocene Epoch». ucmp.berkeley.edu. Consultado em 18 de julho de 2022 
  43. «The Holocene Epoch». web.archive.org. 2 de maio de 2015. Consultado em 18 de julho de 2022 
  44. «Fact or Fiction?: The Sixth Mass Extinction Can Be Stopped - Scientific American». web.archive.org. 27 de julho de 2014. Consultado em 18 de julho de 2022 
  45. «IUCN - Extinction crisis continues apace». web.archive.org. 29 de julho de 2012. Consultado em 18 de julho de 2022 
Precedido por Éon Proterozoico Éon Fanerozoico
Era Paleozoica Era Mesozoica Era Cenozoica
Cambriano Ordoviciano Siluriano Devoniano Carbonífero Permiano Triássico Jurássico Cretáceo Paleogénico Neogénico Quaternário


  • Markov, Alexander V.; Korotayev, Andrey V. (2007). «Phanerozoic marine biodiversity follows a hyperbolic trend». Palaeoworld. 16 (4): 311–318. doi:10.1016/j.palwor.2007.01.002 
  • Miller, K. G.; et al. (2005). «The Phanerozoic record of global sea-level change». Science. 310 (5752): 1293–1298. PMID 16311326. doi:10.1126/science.1116412 

Ligações externasEditar