Procompsógnato

O procompsógnato (Procompsognathus triassicus) foi uma espécie de dinossauro carnívoro e bípede que viveu durante o período Triássico. Media cerca de 1,2 metros de comprimento, 1 metro de altura e cerca de 15 quilogramas. Acreditam que os mesmos eram carniceiros como os chacais.

Como ler uma infocaixa de taxonomiaProcompsógnato
Procompsognathus triassicus.JPG
Estado de conservação
Extinta (fóssil)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Theropoda
Infraordem: Ceratosauria
Família: Segisauridae

O procompsógnato viveu na Europa e era extremamente parecido com o compsógnato, apresentando como principal diferença o seu tamanho superior. A partir da observação dessa característica Eberhard Fraas resolveu, em 1913, nomeá-lo oficialmente como procompsógnato.

ClassificaçãoEditar

Holótipo SMNS 12591Editar

Embora seja, sem dúvida, um pequeno carnívoro bípede, a preservação extremamente pobre do único fóssil conhecido deste gênero torna difícil determinar sua identidade exata. Fraas originalmente atribuiu a Dinosauria. Em 1923, Franz Nopcsa cunhou Procompsognathinae e, em 1929, von Huene criou Procompsognathidae, embora esses conceitos sejam hoje raramente usados. Em 1932, von Huene viu-o como um membro de Pseudosuchia não-dinossauriana.[1] Desde então, tem sido considerado um dinossauro terópode, com algumas exceções. Em 1992, Paul Sereno e Rupert Wild afirmaram que o espécime holotípico consistia em fósseis de dois animais separados: o esqueleto pós-craniano seria um terópode, provavelmente da família Coelophysoidea relacionado a Segisaurus, mas o crânio e os espécimes de von Huene se referiam ao crocodilomorfo basal Saltoposuchus connectens.[2] No entanto, em 1993, Sankar Chatterjee, depois de mais uma preparação, refutou sua avaliação e considerou o crânio como um terópode semelhante ao Syntarsus, e demonstrou que não poderia ter sido um crocodilomorfo já que não possui as características marcantes deste grupo.[3][4] Sereno (1997) e Ezcurra e Novas (2007) realizaram análises filogenéticas que apoiaram a colocação do gênero no táxon Coelophysidae.[5][6] Este gênero pode ser mais estreitamente relacionado com Segisaurus.[7]

Holótipo SMNS 12352 e SMNS 12352aEditar

Em 2000, Oliver Rauhut e Axel Hungerbuhler notaram características das vértebras que sugerem que o gênero pode pertencer a Coelophysidae ou Ceratosauria,[8] e Carrano et al. (2005), em seu reestudo do gênero relacionado Segisaurus, encontraram tanto Segisaurus quanto Procompsógnato como pertencentes a Coelophysidae dentro de Dinosauria.[9] Em 2004, David Allen considerou o gênero um ornitodiran primitivo e não dinossauro.[10]

PaleoecologiaEditar

Procompsógnato viveu em um ambiente relativamente seco e pode ter se alimentado de insetos, lagartos e outras presas pequenas.[11] Contemporâneos do gênero incluíram membros de Coelophysoideam como Halticosaurus e Dolichosuchus, além dos sauropodomorfos Plateosaurus gracilis e Efraasia minor. Weishampel et al. (2004) observaram que os rastros de terópodes e os fósseis de um gênero desconhecido de Herrerasauridae são conhecidos da formação inferior de Stubensandstein.[12]

Na cultura popularEditar

O gênero aparece no romance Jurassic Park (romance) e sua sequência The Lost World, de Michael Crichton. A espécie é às vezes referida pelos personagens como "compys". O autor, por sua vez, introduz uma mordida venenosa ao gênero, o que não há evidências científicas que apoiam essa informação.[13]

Referências

  1. von Huene, F. (1932). «Die fossile Reptil-Ordnung Saurischia, ihre Entwicklung und Geschichte». Monographien für Geologie und Paläontologie, 4. 361 páginas 
  2. Sereno, Paul C.; Wild, Rupert (15 de dezembro de 1992). «Procompsognathus: theropod, "thecodont" or both?». Journal of Vertebrate Paleontology. 12 (4): 435–458. doi:10.1080/02724634.1992.10011473 
  3. Chatterjee, S. (1993). «Procompsognathus from the Triassic of Germany is not a crocodylomorph». Journal of Vertebrate Paleontology. pp. 13(3): 29A 
  4. Chatterjee, S. (1998). «Reassessment of the Procompsognathus skull",». Dinofest International. The Academy of Natural Sciences 
  5. Sereno, P.C. (1997). «The origin and evolution of dinosaurs». Earth and Planetary Sciences. pp. 25:435–489 
  6. Ezcurra, M.D; Novas; F. E (2007). «Phylogenetic relationships of the Triassic theropod Zupaysaurus rougieri from NW Argentina.». Historical Biology. pp. 19(1):35–72 
  7. Carrano, M.T.; Hutchinson, J.R.; Sampson, S.D. (2005). «New information on Segisaurus halli, a small theropod dinosaur from the Early Jurassic of Arizona». Journal of Vertebrate Paleontology. pp. 25(4): 835–849 
  8. Rauhut, O.; Hungerbuhler, A (2000). «A review of European Triassic theropods». Gaia. pp. 15, 75–88 
  9. Carrano, M.T; Hutchinson, J.R; Sampson, S.D. (2005). «New information on Segisaurus halli, a small theropod dinosaur from the Early Jurassic of Arizona». Journal of Vertebrate Paleontology. pp. 25(4):835–849 
  10. Allen, D (2004). «The phylogenetic status of Procompsognathus». Journal of Vertebrate Paleontology. pp. 24(3): 34A 
  11. Freedman, Frances; Gibbons, Tony (1 de janeiro de 1997). Looking at-- Procompsognathus: a dinosaur from the Triassic period, Gareth Stevens. [S.l.: s.n.] 24 páginas 
  12. Baden-Wurrtemberg; et al. (2004). «1. Lower Stubensandstein»  .
  13. Bennington, J Bret (1996). «Errors in the Movie "Jurassic Park"». American Paleontologist. 4 (2): 4–7