Abrir menu principal

Wikipédia β

Raimundo Alves de Carvalho

Raimundo Alves de Carvalho (São Pedro dos Ferros, 30 de janeiro de 1898Timóteo, 10 de agosto de 1979) foi um farmacêutico e político brasileiro. Foi o responsável pela criação da primeira farmácia do atual Vale do Aço em 1922[1] e ocupou o cargo de prefeito no município de Coronel Fabriciano em duas ocasiões, de 1953 a 1957 e de 1961 a 1963.[2]

Raimundo Alves de Carvalho
Raimundo Alves de Carvalho
Prefeito de Coronel Fabriciano Bandeira Coronel Fabriciano.png
Período 1961 a 1963
Vice-prefeito Lauro Pereira da Conceição
Antecessor(a) Rufino da Silva Neto
Sucessor(a) Cyro Cotta Poggiali
Prefeito de Coronel Fabriciano Bandeira Coronel Fabriciano.png
Período 1953 a 1957
Vice-prefeito Lauro Pereira da Conceição
Antecessor(a) Lauro Pereira da Conceição
Sucessor(a) Rufino da Silva Neto
Vereador de Coronel Fabriciano Bandeira Coronel Fabriciano.png
Período 1951 a 1953
Dados pessoais
Nome completo Raimundo Alves de Carvalho
Nascimento 30 de janeiro de 1898
São Pedro dos Ferros,  Minas Gerais
Morte 10 de agosto de 1979 (81 anos)
Timóteo,  Minas Gerais
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Angelina Alves de Carvalho
Pai: Quintino Alves de Carvalho
Esposa Zaide Roque
Partido Partido Trabalhista Brasileiro (PTB)
e posteriormente
Partido Trabalhista Nacional (PTN)
Profissão Farmacêutico

Fora proprietário de terras no atual município de Timóteo, parte das quais foi vendida para a construção do complexo industrial da antiga Acesita na década de 40. Também cedeu espaço para a locação de algumas das primeiras escolas da região.[1]

Índice

Biografia e vida políticaEditar

Raimundo Alves de Carvalho nasceu na Fazenda Santo Antônio, situada no município brasileiro de São Pedro dos Ferros, no interior do estado de Minas Gerais, em 30 de janeiro de 1898, sendo filho de Quintino Alves de Carvalho e Angelina Alves de Carvalho. Casou-se com Zaide Roque, com quem teve sete filhos (Ângelo, Angelina, Antônio, Rômulo, Francisca, Clara e Raimundo).[1] Formou-se como farmacêutico pela Escola de Farmácia da Universidade Federal de Ouro Preto em 1920.[1] Posteriormente, estabeleceu-se na região do atual bairro Horto, em Ipatinga, a 11 de setembro de 1921, com objetivo de atender às obras da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM). Na mesma região, em 1922, instalou a primeira farmácia do atual Vale do Aço, vizinha à extinta Estação Ferroviária do Córrego de Nossa Senhora.[1]

Fora proprietário de terras no território do atual município de Timóteo, parte das quais foi comprada de Jorge Dias Duarte em 1918 e vendida para a construção da Acesita em 1944. Em suas propriedades, foi o encarregado da construção de duas escolas mistas municipais (uma em 1922 e outra em 1925), que foram incorporadas mais tarde pelo Grupo Escolar Dona Angelina Alves (atual Escola Municipal Angelina Alves de Carvalho), cujo nome homenageia a mãe de Raimundo. Em setembro de 1941, foi empossado como juiz de paz em Timóteo, então distrito subordinado a Antônio Dias — depois anexado a Coronel Fabriciano —,[1] e por seu intermédio foi realizado na localidade o primeiro serviço eleitoral em 1945.[3]

Na década de 1940, fomentou a comissão pró-emancipação do então distrito de Coronel Fabriciano, que foi elevado à categoria de município em 1948, ao ser desmembrado de Antônio Dias. Posteriormente, foi eleito vereador em Fabriciano, filiado ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), tendo sido o responsável pela criação do diretório partidário local.[1] Exerceu então a função de inspetor escolar, através da qual atuou como um dos criadores do Grupo Escolar Professor Pedro Calmon, o primeiro prédio escolar de Fabriciano, em 1952.[1] No ano seguinte, também cedeu um estabelecimento para a locação do Grupo Escolar Dona Angelina Alves, no distrito de Timóteo.[3]

Ao filiar-se ao Partido Trabalhista Nacional (PTN), Raimundo elegeu-se prefeito em Coronel Fabriciano e foi empossado em 30 de março de 1953, sucedendo a Lauro Pereira da Conceição — que cumpria interinamente o mandato de Rubem Siqueira Maia — e sendo sucedido por Rufino da Silva Neto em 1957, com Lauro na condição de vice-prefeito. Foi novamente eleito em 1961, sendo sucedido por Cyro Cotta Poggiali em 1963.[2] Durante os períodos em que esteve à frente do poder Executivo, destacaram-se a estruturação da Avenida 28 de Abril, principal núcleo comercial de Ipatinga, então distrito de Coronel Fabriciano,[4] e seu apoio na emancipação política de Timóteo, outro distrito fabricianense, sendo ambos emancipados em 1964.[5] Em dezembro de 1954, foi instalado o primeiro serviço de fornecimento de energia elétrica em Timóteo.[3]

Em Coronel Fabriciano, atuou em prol da expansão da rede pública de ensino, necessária devido à superlotação dos grupos escolares existentes então.[6] Ao final da década de 1950, a educação fabricianense ainda se mostrava precária, com elevados índices de evasão escolar e analfabetismo, situação a qual foi minimizada com a construção de novos grupos escolares na cidade em parceria com o estado a partir da década de 60.[6] Raimundo também foi historiador em Timóteo e em janeiro de 1979, lançou o livro "Enciclopédia do Estado de Minas Gerais", através do qual descreve a história das cidades mineiras em três volumes. Faleceu a 10 de agosto do mesmo ano[1] e em sua referência, há um centro de saúde que leva seu nome no bairro Timotinho, em Timóteo.[7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f g h i Revista Ipatinga Cidade Jardim (7 de outubro de 2014). «Personagens do Vale do Aço - Raimundo Alves de Carvalho». Eu Amo Ipatinga. Consultado em 18 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2014 
  2. a b Cartilha do Cidadão do Vale do Aço, 2000, pag. 15.
  3. a b c Vale em Revista (1974). «Histórico». Cidades@ - IBGE. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2015 
  4. Jornal Vale do Aço (19 de fevereiro de 2008). «Câmara de Ipatinga vota projetos e vetos». Consultado em 28 de novembro de 2011. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2014 
  5. Câmara Municipal de Timóteo. «História». Consultado em 28 de novembro de 2011. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2014 
  6. a b Rotary International. «Rotary Club: atuações na Canaã do estado de Minas». Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). p. 2–12. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2015 
  7. Jornal Diário Popular (21 de junho de 2013). «Prefeitura reabre centro de especialidades do Timotinho». Consultado em 17 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2015 

Ligações externasEditar