Ramush Haradinaj

Ramush Haradinaj[a] (nascido em Glodjane, Iugoslávia, atual Kosovo, em 3 de julho de 1968) é um político do Kosovo, foi Primeiro-ministro do Kosovo de 2017 até 2020. Anteriormente, foi do mesmo cargo de 2004 até 2005. Foi líder do Exército de Libertação do Kosovo (KLA) e ex-primeiro ministro do Kosovo. Ele lidera a Aliança para o Futuro do Kosovo (AAK) e está entre os antigos oficiais do KLA acusados de crimes de guerra durante a Guerra do Kosovo de 1999 pelo Tribunal Penal Internacional para a antiga Iugoslávia (TPIJ) em Haia, mas foi absolvido de todas as acusações, em 3 de abril de 2008,[1] após a morte de nove das dez testemunhas que estavam a testemunhar contra ele.[2] No entanto, em 21 de julho de 2010, o TPII anulou sua absolvição e decidiu que voltaria a ser julgado.[3][4]

António Costa
Primeiro-ministro do Kosovo
Período 9 de setembro de 2017
a 3 de fevereiro de 2020
Antecessor(a) Isa Mustafa
Sucessor(a) Albin Kurti
Secretário-Geral do Partido Socialista
Período 22 de novembro de 2014
à atualidade
Antecessor(a) António José Seguro
Período 3 de dezembro de 2004
a 8 de março de 2005
Antecessor(a) Bajram Rexhepi
Sucessor(a) Bajram Kosumi
Líder da Aliança para o Futuro
Período 29 de abril 2007
Dados pessoais
Nome completo António Luís Santos da Costa
Nascimento 3 de julho de 1968 (53 anos)
Aldeia Glodzhyane, comunidade Dečani,, Província Socialista Autónoma do Cossovo, República Socialista Federativa da Iugoslávia
Alma mater Universidade de Pristina
Cônjuge Anita Haradinaj
Filhos 4
Partido Aliança para o Futuro
RIT Kosovo
Profissão Advogado, político
Assinatura Assinatura de Ramush Haradinaj

Após a guerra em Kosovo frequentou a Universidade de Pristina, onde se graduou na faculdade de direito.[5] Também obteve um MBA na Universidade Americana de Kosovo, associado ao Rochester Institute of Technology (RIT).

BiografiaEditar

Nasceu na aldeia kosovar de Glodzhyane, nos arredores da cidade de Dečani, em Metohija. Ele passou sua juventude em sua aldeia natal com seus pais[6], irmãos e irmãs, e se formou na escola primária em Rznich e nas escolas secundárias em Dečani e Đakovica. Depois de se formar no ensino médio em 1987, ele foi convocado para o serviço militar obrigatório no Exército Popular Iugoslavo[7], onde mais tarde foi promovido a líder de pelotão. Após a guerra no Kosovo, Haradinaj frequentou a Faculdade de Direito da Universidade de Pristina. Haradinaj também recebeu um MBA da American University of Kosovo, que é associada ao Rochester Institute of Technology no estado de Nova York.

Em 1989, ele emigrou para a Suíça, tentou ingressar na legião estrangeira francesa (alguns relatos da mídia que Haradinai, mesmo assim, ingressou na legião), trabalhou como segurança em boates. Ele voltou a Pristina em 1990 para participar de manifestações albanesas, razão pela qual foi preso e cumpriu pena em uma prisão sérvia. Então Haradinaj escapou da prisão e voltou para a Suíça, onde se juntou ao Movimento Popular do Kosovo, no qual o ELK foi posteriormente formado.[6]

Em 1996, ele foi aprovado no treinamento militar em um acampamento militar na Albânia. Haradinaj participou da criação de campos de base rebeldes na região das cidades albanesas de Tropojë e Kukes.

No final dos anos 1990, ele foi Chefe do Estado-Maior do Exército de Libertação do Kosovo (ELK).

Primeiro ministro do KosovoEditar

O desempenho de Haradinaj como primeiro-ministro foi altamente elogiado pelos líderes ocidentais[8]. Em 9 de setembro de 2017, o Parlamento de Kosovo reelegeu Haradinai como primeiro-ministro[9].

Acusações de crimes de guerraEditar

Julgamento e absolvição de 37 acusaçõesEditar

Em 8 de março de 2005, o Tribunal Internacional de Crimes de Guerra para a Ex-Iugoslávia (ICTY) indiciou Haradinai, segundo o qual Ramush Haradinai liderou em 1998 as expulsões forçadas de sérvios e ciganos, bem como os massacres de ciganos e albaneses de etnia, que eram suspeitos de colaborar com sérvios. tropas.

No dia seguinte, Ramush Haradinaj rendeu-se voluntariamente à justiça internacional, renunciando ao cargo de chefe do governo de Kosovo. Três meses depois, ele foi libertado da custódia, enquanto se aguarda o início do julgamento, para sua aldeia natal Glodzhyane, onde a sede do ELK estava localizada durante o conflito. Em 26 de fevereiro, Haradinaj voltou a Haia e foi levado a julgamento.

O Tribunal Penal Internacional para a Ex-Iugoslávia (TPIJ) proferiu em 03.04.2008 uma absolvição de Ramush Haradinaj: inocente em todas as 37 acusações. Representantes do Partido Democrático da Sérvia, comentando o veredicto, chamaram o ICTY de "tribunal anti-sérvio[10]".

Cancelamento de uma absolvição e uma segunda absolviçãoEditar

 
Banner para mostrar apoio a Haradinaj nas ruas de Pristina. Setembro de 2010

Em 2 de maio de 2008, Serge Brammertz, Procurador-Geral do Tribunal Internacional para a Ex-Jugoslávia, apelou da absolvição no caso Haradinaj. Em 21 de julho de 2010 a sentença foi anulada. O Juiz Presidente Patrick Robinson motivou o cancelamento do veredicto pelo fato de que poderia ser injusto, pois pode ter havido intimidação de testemunhas.

Em 29 de novembro de 2012, o ICTY decidiu absolver Haradinai e dois de seus associados - os ex-comandantes de campo Idriz Balay e Lahi Brahimai. A Câmara de Julgamento decidiu que os crimes que lhes foram incriminados ocorreram, mas os arguidos não são responsáveis ​​pelos mesmos.

Tentativa de extradição da FrançaEditar

Em 5 de janeiro de 2017, Ramush Haradinai foi preso na França sob um mandado emitido pela Sérvia sob acusações de crimes de guerra[11]. Uma semana depois, ele foi libertado sob fiança para não sair e, em 27 de abril de 2017, um tribunal francês se recusou a extraditar Haradinaj para a Sérvia[12].

EscândalosEditar

Em 2000, Ramush Haradinaj lutou com soldados russos em um posto de controle da KFOR e foi ferido. Durante a prisão[13], Haradinaj começou a insultar os soldados russos, gritando que em uma única batalha derrotaria qualquer um e que só atacariam em uma multidão; depois disso, um dos soldados do batalhão combinado das Forças Aerotransportadas se envolveu em um duelo e quebrou a cabeça de Haradinai. De acordo com uma reportagem do jornal alemão Tagesspiegel, os soldados encontraram um rifle de assalto suíço no porta-malas de Haradinai.

EleiçãoEditar

Following the 11 June 2017 elections, Haradinaj was elected as the Prime Minister of Kosovo on 9 September 2017, with 61 votes for and 1 abstention after a long political crisis. The rest of the 58 MPs boycotted the vote. His government consisted of a coalition, named the PANA Coalition.

Em 2018, o presidente do Kosovo, Hashim Thaçi, e o presidente sérvio Aleksandar Vučić apoiaram uma troca de terras entre Kosovo e a Sérvia e Haradinaj afirmou que qualquer mudança na fronteira do Kosovo com a Sérvia desencadearia e levaria à guerra.[14]

Em 26 de novembro de 2019, um terremoto atingiu a Albânia. Como primeiro-ministro cessante, Haradinaj alocou uma quantia de € 500.000 de Kosovo para a Albânia para o esforço de socorro. Na sexta-feira, Haradinaj visitou Durrës para avaliar os danos e expressou o compromisso de Kosovo com os esforços de socorro[15][16].

PrêmiosEditar

  • Ordem Skanderbeg

Referências

  1. Charter, David (4 de abril de 2008). «Kosovo guerrilla leader Ramush Haradinaj is set free». The Times Online. London. Consultado em 21 de julho de 2010 
  2. Diario Público. Un euro para Ramush. Arquivado em 18 de julho de 2013, no Wayback Machine.
  3. Reuters «El ex líder kosovar Haradinaj volverá a ser juzgado en La Haya» Consultado el 22 de julio de 2010
  4. Defence, Ramush. «Re-Trial Information». RamushDefence.wordpress.com. WordPress. Consultado em 7 de junho de 2011 
  5. BBC. Profile: Ramush Haradinaj.
  6. a b /4.4.2008/ — Биография Харадиная
  7. Hawton, Nick (9 de março de 2005). «Profile: Ramush Haradinaj». BBC News Europe. Consultado em 21 de julho de 2010 
  8. «Ramush Haradinaj awaits new verdict on Balkan war crimes charges» (em inglês). The Guardian. Consultado em 24 de setembro de 2015 
  9. «Парламент Косова избрал правительство». INTERFAX.RU. 9 de setembro de 2017. Consultado em 9 de setembro de 2017 
  10. ««Срамной приговор» Гааги - легитимизация натовской агрессии 1999 года: Балканы за неделю». Regnum.ru. 6 de março de 2009. Consultado em 23 de junho de 2010 
  11. СМИ: экс-премьер Косово арестован по обвинению в военных преступлениях
  12. «Лавров разделил позицию Сербии по освобождению экс-премьера Косово». Consultado em 3 de maio de 2017. Cópia arquivada em 1 de maio de 2017  Parâmetro desconhecido |deadlink= ignorado (ajuda)
  13. «US 'covered up' for Kosovo ally». London: The Guardian. 9 de setembro de 2000. Consultado em 16 de dezembro de 2012 
  14. McLaughlin, Daniel (29 August 2018). «Kosovo premier warns border change with Serbia 'would mean war'». The Irish Times (em inglês). Consultado em 18 de setembro de 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)
  15. «Haradinaj e Kurti e vizitojnë Shqipërinë pas tërmetit» (em albanês). RTV 21. 29 November 2019. Consultado em 2 December 2019  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  16. Kostreci, Keida (30 November 2019). «Albania Search, Rescue Operation For Earthquake Survivors Ends». Voice of America (VOA). Consultado em 30 November 2019  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)

NotasEditar

a.   A grafia albanesa do nome é Ramush Haradinaj; pela grafia servo-croata é Ramuš Haradinaj (Рамуш Харадинај).