Abrir menu principal

Lista de governantes dos hunos

(Redirecionado de Rei dos Hunos)

Este artigo lista os governantes do Império Huno, um império nômade que governou do norte da China à Europa Central e Ásia Central até os confins da Índia passando pela Rússia. O império desintegrou-se na Europa a partir de 454.

Governante(s) Período Notas
Balamber aprox. 370 Um número de historiadores argumentam que Balamber pode nunca ter existido, e foi uma confusão de outros governantes ou até mesmo uma fabricação.[1][2]
Uldin 400412 foi um dos primeiros governantes hunos mencionados pelo nome.
Charaton 412413 foi um dos primeiros reis dos hunos.
Octar e Rugila[3] 413–430 Seus ancestrais e relação com os governantes anteriores Uldin e Charaton são desconhecidos.[4]
Rugila[5] (regente único) 430–c. 435 foi um fator importante nas primeiras vitórias dos hunos sobre o Império Romano.
Bleda e Átila c. 435–445 Bleda era irmão de Átila, o huno.
Átila (regente único) 445–453 Durante seu reinado, ele foi um dos inimigos mais temidos dos Impérios Romanos do Ocidente e do Oriente.
Ellac 453–454 filho mais velho de Átila (434-453) e Kreka.
Dengizich 454–469 provavelmente governou simultaneamente sobre os hunos em diarquia com seu irmão Ernak, mas em divisões e terras separadas.[5]
Ernak 454–c. 503 um dos filhos de Átila e governou parte dos hunos depois da morte do pai.

Em 466, Dengizich exigiu que Constantinopla voltasse a prestar tributo aos hunos e restabelecer os direitos de troca dos hunos com os romanos.[6] Os romanos recusaram, no entanto. Dengizich então decidiu invadir o império romano, com Ernak se recusando a se juntar a ele para se concentrar em outras guerras.[6] Sem seu irmão, Dengizich foi forçado a confiar nos ostrogodos recém-conquistados e na tribo Bittigur "não confiável". Suas forças também incluíam as tribos hunitas dos Ultzinzures, Angiscires e Bardores.[7] Os romanos foram capazes de encorajar os godos em seu exército a se revoltar, forçando Dengizich a recuar.[7] Ele morreu em 469 e sua cabeça foi enviada para os romanos. Este foi o fim do governo huno no Ocidente.[7]

Não está claro o que aconteceu com o filho mais novo de Átila, Ernak.[8] Possivelmente Ernak e um grupo de hunos foram assentados, com permissão romana, no norte de Dobruja. Uma sobrevivência final possível dos hunos são os hunos caucasianos do norte, que viviam no que hoje é o Daguestão.[7] Não está claro se esses hunos estiveram sob o domínio de Átila.[7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Kim, Hyun Jin (18 de abril de 2013). The Huns, Rome and the Birth of Europe (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 9781107009066 
  2. Heather, Peter (11 de junho de 2007). The Fall of the Roman Empire: A New History of Rome and the Barbarians (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press, USA. ISBN 9780195325416 
  3. Jordanes. History of the Goths. in Geary, Patrick J., Readings in Medieval History. p. 100
  4. Maenchen-Helfen, Otto; Helfen, Otto (1 de janeiro de 1973). The World of the Huns: Studies in Their History and Culture (em inglês). [S.l.]: University of California Press. ISBN 9780520015968 
  5. a b Otto J. Maenchen-Helfen. The World of the Huns: Studies in Their History and Culture, pp. 91–94, 104–105. Maenchen-Helfen demonstrates that the commonly reported date of 434 for Ruga’s death, based on the Gallic Chronicle of 452, is not credible, and that Theodoret’s dating of sometime after 435 is to be preferred.
  6. a b Thompson, E. A.; Thompson, E. A.; Mazal Holocaust Collection. (1996). The Huns. Oxford, UK: Blackwell. ISBN 0631158995. OCLC 32467032 
  7. a b c d e Kim, Hyun Jin, 1982-. The Huns. London: [s.n.] ISBN 9781138841710. OCLC 914226162 
  8. Golden, Peter B. An introduction to the history of the Turkic peoples : ethnogenesis and state-formation in medieval and early modern Eurasia and the Middle East. Wiesbaden: [s.n.] ISBN 344703274X. OCLC 29599845