Repórter Brasil

Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o telejornal. Para a organização não governamental de direitos humanos, veja Repórter Brasil (organização não governamental).
Repórter Brasil
Informação geral
Formato telejornal
Gênero Jornalismo
Duração 30 minutos (aprox.)
Criador(es) Empresa Brasil de Comunicação
País de origem Brasil
Idioma original português
Produção
Produtor(es) executivo(s) Marcella Nogueira
Apresentador(es) Katiuscia Neri
Paulo Leite
Exibição
Emissora original TV Brasil
Formato de exibição 1080i (HDTV)
Transmissão original 3 de dezembro de 2007
Cronologia
Edição Nacional

Repórter Brasil é um telejornal brasileiro produzido e exibido pela TV Brasil. Estreou em 3 de dezembro de 2007, sendo que última que se manteve no ar. Atualmente é apresentado por Katiuscia Neri e Paulo Leite.

HistóriaEditar

2007-2009Editar

O Repórter Brasil surgiu como proposta de um telejornal, comercialmente e politicamente independente e que atendesse aos interesses de seu público. Ele substituiu os extintos Repórter Nacional da NBR e Edição Nacional da TVE Brasil no dia 3 de dezembro de 2007, um dia depois do início das transmissões da TV Brasil. Inicialmente, o jornal era apresentado por Lincoln Macário e Natália Pereira na edição matutina e por Luiz Lobo (em Brasília), Luciana Barreto (no Rio de Janeiro) e Florestan Fernandes Júnior (em São Paulo) na noturna. Lobo participou também da formatação e dos pilotos do telejornal. A sugestão de que o programa ocupasse 60 minutos de programação, no período da noite, foi dele.

Quando foi ao ar, a edição noturna já apresentava um quadro de entrevistas ao vivo, mais longas que as dos telejornais habituais. Por vezes, a intenção foi o debate, mas o tempo e as condições técnicas não favoreciam este modelo. Lobo adotou o estilo espontâneo e improvisava perguntas, de acordo com a postura e as respostas dos entrevistados. O primeiro entrevistado foi o diplomata e professor Paulo Roberto de Almeida. Em outra oportunidade de escolha, Lobo convidou o Presidente da Associação das Organizações Federais Indígenas para falar sobre problemas com as plantações de coca e o tráfico de cocaína na tríplice fronteira. O entrevistado denunciou descaso, por parte do governo federal, na solução do problema e que crianças estavam morrendo em consequência de uma mistura de guaraná, cachaça e cocaína. Na época, a emissora cobria, com exclusividade, uma operação milionária da polícia federal para conter o problema do tráfico. Alguns dos entrevistados exclusivos foram Marco Aurélio Garcia, Celso Amorim, Solange Vieira, José Gomes Temporão, entre outros.

Luiz Lobo era também editor-chefe do Jornal da TV Brasil, convidado por Helena Chagas e Tereza Cruvinel para ocupar a posição. Sua contratação foi efetuada no edital de número 1 da EBC, publicada no diário oficial. Em meados de abril de 2008, ele foi demitido da emissora em uma sexta-feira, poucas horas antes da edição noturna ir ao ar. A diretora de jornalismo, Helena Chagas, alegou que o afastamento aconteceu por incompatibilidade do profissional, com a função de editor-chefe. Dois dias antes, ele havia enviado um Email para o Diretor Geral da EBC, Orlando Senna, alertando sobre problemas de ingerência em Brasília e preocupação com a escolha de Jaqueline Paiva, esposa de um assessor direto da Presidência da República, para a função de gerente de conteúdo. Os confrontos entre repórteres e editores e Jaqueline Paiva eram frequentes. Segundo o Luiz Lobo, a questão havia sido levada à diretoria local por diversas vezes, mas nunca mereceu atenção. Lobo foi orientado a enviar o comunicado, pelo então Diretor de Produção e Programação, Leopoldo Nunes. A demissão do jornalista aconteceu dois dias depois. Ana Dantas pediu demissão dois meses mais tarde e Leopoldo foi demitido em 2009.

A Folha de S.Paulo publicou manchete de que o jornalista acusava o Palácio do Planalto de fazer interferência no telejornal da emissora. Outras reportagens e opiniões foram publicadas e Lobo chegou a ser convidado a falar em audiências de comissões parlamentares, mas não aceitou o conselho curador da emissora, que tem a participação de representantes da sociedade civil (escolhidos pelo Presidente Lula)[carece de fontes?]

2010-presenteEditar

Em 3 de junho de 2013, o Repórter Brasil sofreu reformulações. O telejornal ganhou novos cenários e um novo pacote gráfico. Houve também modificações nos horários do telejornal: a edição matutina passou a ser vespertina, e no seu antigo horário, ficou o Jornal Visual. Além disso, houve alterações na apresentação do telejornal: a edição matutina, anteriormente apresentada em São Paulo por Katiuscia Neri, passou a ser apresentada por Luciana Barreto no Rio de Janeiro, enquanto Katiuscia foi para Brasília apresentar a edição noturna do telejornal ao lado de Guilherme Menezes. Florestan Fernandes Jr., que antes fazia parte do trio de apresentadores do antigo formato do telejornal, passou a ser Gerente-executivo Regional do telejornal em São Paulo.[1]

Em 2016, com a reformulação da programação da emissora, o telejornal passa a ser apresentado em novos horários.[2] Também no mesmo ano, o jornal deixa de ter Guilherme Menezes no comando da edição da noite, passando a ser de Pedro Pontes. Em 19 de fevereiro de 2018, o jornal passa a ser exibido em dois horários, ainda no horário nobre.[3] Em 12 de novembro, Marcelo Castilho passa a dividir, com Luciana Barreto, a apresentação da edição da manhã.

Em 10 de abril de 2019, estreou em novo cenário[4] e alguns dias depois, Pedro Pontes substituí Paulo Leite. Em novembro, o Repórter Brasil lançou uma série de reportagens sobre uma viagem até a base brasileira localizada no continente da Antártica.[5]

ApresentadoresEditar

  • Paulo Leite
  • Katiuscia Neri

PrêmioEditar

  • 2019: 7º Prêmio Abear de Jornalismo, da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), na categoria Competitividade, pela série de reportagens Mudanças na Aviação, tansmitidas no Repórter Brasil (Venceu)[6]

Referências

  1. «Repórter Brasil estreia novo cenário nesta segunda». EBC. 30-05-2013, atualizado em 04-06-2013. Consultado em 20 de junho de 2013  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. «TV Brasil faz mudanças na programação». 16 de agosto de 2016. Consultado em 20 de setembro de 2016 
  3. «Nova programação da TV Brasil estreia em 19 de fevereiro | TV Brasil | Notícias». TV Brasil 
  4. «Nova TV Brasil: Mais informação, acessibilidade e entretenimento | TV Brasil | Notícias». TV Brasil 
  5. «Série Antártica: como é a viagem até a base brasileira no continente». TV Brasil. EBC. 6 de novembro de 2019. Consultado em 6 de novembro de 2019 
  6. «Série de reportagens da TV Brasil vence 7º Prêmio Abear de Jornalismo». IstoÉ. 18 de outubro de 2019. Consultado em 20 de outubro de 2019 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre televisão no Brasil é um esboço relacionado ao projeto entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.