Rio Ave Futebol Clube

Clube Profissional de Futebol de Portugal

O Rio Ave Futebol Clube é um clube de futebol português, da cidade de Vila do Conde, que disputa atualmente a Primeira Liga. Foi fundado em 18 de Janeiro de 1939, embora o seu aniversário seja celebrado a 10 de Maio.

Rio Ave
Nome Rio Ave Futebol Clube
Alcunhas Vilacondenses
Rioavistas
Mascote Tubas
Principal rival Varzim
Fundação 18 de janeiro de 1939 (85 anos)
Estádio Estádio do Rio Ave FC
Capacidade 5 300 espectadores
Localização Vila do Conde, Portugal
Proprietário(a) Evangelos Marinakis
Presidente Alexandrina Cruz
Treinador(a) Luís Freire
Patrocinador(a) Solverde
SAPO
NorteCar
Material (d)esportivo Puma
Competição Primeira Liga
Website rioavefc.pt
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo

O clube tem o mesmo nome do rio Ave, um rio que atravessa a cidade de Vila do Conde e desagua no oceano Atlântico, junto à mesma cidade.

Tem como principais rivais o Varzim Sport Club e o Leixões Sport Clube por causa de situações geográficas e culturas piscatórias sendo os jogos entre eles conhecidos como os Dérbis do Mar.

O Estádio do Rio Ave FC, também conhecido como Estádio dos Arcos, é a casa do Rio Ave, e atualmente tem capacidade para 5300 pessoas.

O Rio Ave, ao longo dos seus 84 anos, já participou na Primeira Liga por 29 vezes. Nesta competição que é o o patamar mais alto do futebol português, o 5º lugar foi até agora a posição mais alta que os vilacondenses conseguiram alcançar.

O Rio Ave tem 3 títulos, todos da Segunda Liga[1][2], tendo ganho o último na época 2021-2022.

Nas taças nacionais, Taça de Portugal e Taça da Liga, em ambas o Rio Ave conseguiu chegar à final, duas vezes na Prova Rainha, 1983-1984 e 2013-2014, e uma vez na Taça da Liga, 2013-2014. O Rio Ave também já participou 1 vez na Supertaça, na época 2014-2015. Nestas 4 finais que participou, o Rio Ave perdeu-as todas.

O Rio Ave participou nas competições europeias por 4 ocasiões, nas épocas 2014-2015, 2016-2017, 2018-2019 e 2020-2021, sempre na Liga Europa. Nesta competição, conseguiram chegar à fase de grupos, apenas 1 vez, em 2014-2015, e nas outras ficaram pelas Pré-Eliminatórias ou Play-Off. Dos 10 jogos jogados na “Europa", destacam-se a eliminatória contra o IF Elfsborg, em 2014-2015, que ditou o avanço à fase de grupos, e a eliminatória contra o AC Milan, em 2020-2021 onde o Rio Ave, que acabaria por ser despromovido nessa época, conseguiu "lutar" contra o Milan, que acabaria por ser campeão de Itália nessa época.

O Rio Ave ocupa atualmente a 140ª posição do ranking de clubes da UEFA[3]

Ao longo da história, várias pessoas deixaram a sua marca, contribuindo para o sucesso desportivo do clube. Entre elas, o Presidente José Maria Pinho, responsável pelo atual estádio do clube e o Presidente António da Silva Campos, responsável pela “década de ouro” do clube. Entre os treinadores mais notáveis estão nomes como Manuel Pedro Gomes, que levou o clube pela primeira vez à Primeira Liga, Félix Mourinho, que levou o clube à sua primeira final da Taça de Portugal, e os treinadores da “década de ouro” Nuno Espírito Santo, Pedro Martins, Nuno Capucho, Miguel Cardoso e Carlos Carvalhal.

Dos milhares jogadores que passaram pelo clube pode-se destacar nomes como Evandro, conhecido como o “herói da Feira”, Augusto Gama e Tarantini, os dois jogadores com mais partidas no clube, os guarda redes de classe mundial Ederson e Oblak, que até chegaram a partilhar o mesmo balneário na época 2012/2013, Esmaël Gonçalves e Hassan, dois dos responsáveis pela qualificação para a primeira Fase de Grupos de uma competição europeia na história do clube, e os internacionais portugueses Paulinho Santos, Quim, Rui Jorge e Fábio Coentrão.

História

editar

A fundação do Rio Ave FC, o primeiro campo de futebol e os primeiros troféus. Década de 40 e 50

editar

O Rio Ave Futebol Clube foi criado por um grupo de amigos vilacondenses que pretendiam levar o nome da cidade de Vila do Conde “mais além”. Num jogo que ocorria na margem sul do rio Ave, na localidade da Azurara, da equipa já extinta Azurarense, foi lançada a ideia de criar um clube na margem norte do mesmo rio, onde se localiza Vila do Conde. O clube foi fundado no dia 18 de janeiro de 1939, no entanto só foi oficializado uns meses depois, no dia 10 de maio. A primeira reunião do clube decorreu na casa de um dos amigos, situada na Rua Joaquim Maria de Melo. Nesta reunião tratou-se de assuntos como a formação da primeira Direção do Rio Ave Futebol Clube e escolheu-se o nome do clube. Na hora da escolha do nome além do atual foram também a votos os nomes “Vilacondense Futebol Clube” e “Vila do Conde Sport Club”.[carece de fontes?] O Rio Ave entrou em campo pela primeira vez na cidade vizinha da Póvoa de Varzim, frente à equipa do Beiriz.[4]

O primeiro desafio do Rio Ave foi encontrar um local para ser a sua "casa", visto que sem um recinto próprio seria difícil alcançar os objetivos do clube na época. O clube nos seus primeiros tempos treinou num terreno perto da Capela de Nossa Senhora do Desterro, no entanto este campo não tinha as condições necessárias para que o Rio Ave ingressasse a Associação de Futebol do Porto, um dos primeiros objetivos do clube. O sonho do Rio Ave ter a sua primeira casa começou quando foi descoberto um terreno com as dimensões necessárias no centro da cidade, e o proprietário do mesmo terreno, António Reis, amante do futebol, tê-lo alugado ao clube. No dia 29 de janeiro de 1940 foi inaugurado na Avenida Baltazar do Couto, o Campo da Avenida, que viria a ser a casa do Rio Ave, nos próximos 44 anos. Os vilacondenses viveram com grande entusiasmo esta inauguração, houve fogo de artifício e até um concerto da Banda dos Bombeiros Voluntários de Vila do Conde. Com o objetivo de ter o seu próprio estádio alcançado, e consequentemente o ingresso à Associação de Futebol do Porto, o Rio Ave procurava ganhar os seus primeiros troféus. Na época de 1941/1942, o Rio Ave sagrou-se campeã promocional da A.F. Porto, conquistando assim o seu primeiro título. Na temporada seguinte, a equipa vilacondense conquista o título de campeã distrital da III Divisão, tendo o jogo do título sido contra o Sport Progresso, o qual vencer por 1-0, mas mesmo assim o Rio Ave conseguiu ganhar outro troféu.[5]

Depois dos feitos alcançados na década de 40, o campo de futebol e os primeiros títulos, o Rio Ave procurava continuar com o seu percurso vitorioso na década seguinte. A 15 de junho de 1952, num jogo contra o Amarante FC, o Rio Ave sagrou-se vencedor da 3ª Divisão Distrital, conseguindo assim a subida à 2ª Divisão Distrital. Na mesma década, os rioavistas somaram mais três títulos à sua história. Na época de 1954/1955, venceram a 1ª Divisão do Campeonato Distrital de Reservas e também a 1ª Divisão do Campeonato Distrital. No final da década, na época de 1959/1960, o Rio Ave sagrou-se campeão da 2ª Divisão Distrital.[6]

Estreia na Taça de Portugal e mudança da sede do clube. Década de 60

editar

Na década de 60, o clube mudou a sua sede. A primeira sede do clube foi a casa de um dos fundadores, como já foi referido, e quando não era nesta casa, a sede era na barbearia também de um dos fundadores, e alguns anos mais tarde, a sede, o local onde os se reuniam os adeptos rioavistas, era na rua Joaquim Maria de Melo. No dia 13 de Janeiro de 1963, a sede do Rio Ave mudou-se para a Avenida da República, mais precisamente para o edifício ao lado do Auditório Municipal, local onde se mantém até aos dias de hoje. Na época de 1963/1964, o Rio Ave sagrou-se campeão da II Divisão do Campeonato Distrital de Reservas. Esta também foi a década que o Rio Ave se estreou na Taça de Portugal. A 20 de Outubro de 1968, a valer para Prova Rainha, os vilacondenses defrontaram o Vasco da Gama de Sines, com quem perderam. Na mesma época, 1968/1969, o Rio Ave FC chegou aos campeonatos nacionais de Juvenis com a primeira inscrição, de uma equipa da categoria, nas provas nacionais. Foi uma época de ouro para os jovens da equipa de Vila do Conde, com o título de Campeão de Série. Na segunda fase, ganharam ao SC Braga, mas o sonho dos jovens vilacondenses ficou por aí, já que depois acabaram por perder contra o FC Porto. Na época seguinte, o Rio Ave conseguiu a sua primeira vitória na Taça de Portugal, contra o Guarda por 3-0. Na fase seguinte, o Rio Ave conseguiu outra vez ganhar, agora contra o FC Avintes por 2-0. O afastamento da prova veio no jogo seguinte, ao perder contra o SC Lamego.[7]

Primeira vez na Primeira Liga e na Final da Taça de Portugal. Década de 70 e 80

editar

Na época de 1976/1977, o Rio Ave sagra-se campeão nacional da Terceira Divisão, garantindo assim a subida à Segunda Divisão. Foi um dia histórico para o clube, vivido com muita euforia tanto pelos jogadores tanto pelos adeptos. Existem histórias, contadas por quem viveu este momento, que dizem que o autocarro onde seguiam os jogadores foi parado na Azurara e o plantel veio em ombros até à sede do Clube, junto ao rio. Quem seguia o Rio Ave nessa época garante que foi aí que o clube começou a arrastar multidões e que finalmente deixou de ser confundido com o Aves. As pessoas passaram a associar o Rio Ave FC à cidade de Vila do Conde, e vice-versa. Pela primeira vez na Segunda Divisão, na época de 1977/1978, o Rio Ave garantiu a permanência ao terminar em 5º lugar. Na época seguinte, 1978/1979, o Rio Ave com Manuel Pedro Gomes no comando, termina a Segunda Divisão no 2º lugar, e consequentemente sobe para Primeira Divisão Nacional. Na época 1979/1980, pela primeira vez na sua história, o Rio Ave joga o patamar mais alto do futebol português. Foi uma época histórica apesar do Rio Ave ter terminado na 16ª posição, em último, e assim descido de divisão.[8]

Depois de ter descido para a Segunda Divisão, o objetivo do Rio Ave, na época 1980/1981, era voltar à Primeira. O clube empenhou-se e não só garantiu a subida, como ganhou o título da Segunda Divisão. Na época 1981/1982, o Rio Ave sob o comando de Félix Mourinho, pai de José Mourinho, joga pela segunda vez na sua história a Primeira Divisão, e consegue terminar esta competição em 5º lugar, aquela que seria, durante décadas, a melhor classificação de sempre do clube. Duas épocas depois, na época 1983-1984, o Rio Ave qualifica-se pela primeira vez para a final da Taça de Portugal. O clube vilacondense acabou por perder esta final, jogada no Jamor, contra o FC Porto por 4-1. A equipa que disputou esta final histórica para o Rio Ave ficou conhecido como “Os Barbudos”.[9]

Adeus Campo da Avenida. Olá Estádio dos Arcos. Década de 80

editar

O constante crescimento do clube obrigou o Rio Ave a ter outras condições, impostas pela lei, no seu campo de futebol. Foi aqui que se começou a equacionar mudar o campo de futebol para outro lugar, isto é deixar o Campo da Avenida, localizado no centro da cidade, e ir para junto dos arcos, no antigo lugar de Casal do Monte. Sendo assim, a Câmara Municipal de Vila do Conde adquiriu terrenos, junto aos arcos do aqueduto setecentista, que abastecia de água o Convento de Santa Clara. A 13 de maio de 1984, ocorreu o último jogo do Rio Ave no Campo da Avenida. O Rio Ave despediu-se da casa que havia sido sua nos últimos 44 anos com uma goleada de 5-1 contra o Águeda. No dia 13 de outubro de 1984, precisamente 4 meses depois da despedida do antigo campo de futebol, era inaugurado o novo Estádio do Rio Ave FC. Este foi um dia histórico para o clube, de manhã uma missa foi celebrada na Igreja Matriz e depois seguiu-se uma ida ao Campo da Avenida, onde decorreu um jogo simbólico com os veteranos e a equipa sénior do Rio Ave. Seguiu-se uma cerimónia, que decorreu nos Paços do Concelho, e que contou com a presença do secretário de Estado adjunto do vice-primeiro ministro, Calvão da Silva, secretário de Estado da Habitação, Fernando Gomes, o Presidente do Rio Ave FC, José Maria Pinho, e ainda, o líder da autarquia local, Mário Almeida, entre outras individualidades. Mário Soares, na altura primeiro-ministro, chegou aos Arcos por volta das 14.30h para descerrar a placa comemorativa do acontecimento. A equipa do Sporting CP foi a convidada para o jogo inaugural, onde os vilacondenses acabaram por vencer por 3-2. Em 1986, o clube aproveitando o embalo das novas instalações, formou a primeira equipa de iniciados. O clube conseguiu começar a afirmar-se com a sua própria formação.[9]

No entanto, nesta mesma época em que o novo estádio foi inaugurado, 1984/1985, o Rio Ave desce de divisão. O Rio Ave, na época seguinte, acaba por ser campeão, da Segunda Divisão, e assim sobe novamente à Primeira Divisão. É importante notar que o Rio Ave, nesta época, foi campeão invicto, ou seja, sem perder nenhum jogo. O Rio Ave consegue-se manter na Primeira Divisão por duas épocas, no entanto a história volta a repetir-se e o Rio Ave tem alguma dificuldade em manter-se na Primeira e na época 1988/1989 voltou a jogar na Segunda Divisão. O Rio Ave acaba por ficar nesta divisão nas seguintes 8 épocas.[9]

"Sobe e desce". Década de 90 e novo milénio, 2000

editar

Na época de 1995/1996, o Rio Ave com Henrique Calisto no comando, conquista o seu primeiro título no segundo escalão do futebol português e assim ao fim de 7 anos volta à Primeira Divisão. Após a subida, o Rio Ave manteve-se quatro épocas no principal escalão do futebol português. Foi também nesta altura que o Rio Ave começou a lançar jovens jogadores da sua formação que, mais tarde, seriam jogadores de destaque no futebol nacional.[10]

O Rio Ave volta a descer de divisão no início do milénio, época de 1999/2000, e permanece aí por 3 épocas. Na época 2002-2003, o Rio Ave comandado por um ex-jogador, Carlos Brito, sobe novamente à Primeira Liga, ao sagrar-se campeão da Segunda Liga, pela segunda vez na sua história. Seguiram-se três épocas no escalão máximo do futebol português, onde em 2003/04 e 2004/05 o Rio Ave terminou a competição em sétimo e oitavo lugares, respetivamente. O Rio Ave acabou por descer novamente na época de 2005/2006 devido a uma sequência de maus resultados nas últimas jornadas do campeonato. Dois anos depois o Rio Ave volta a subir para a Primeira Liga, ao terminar a Segunda Liga em 2º lugar. Evandro foi o herói desta subida de divisão ao marcar o golo decisivo que ditou o Rio Ave voltar à Primeira Liga. O avançado brasileiro é até hoje apelidado de “herói da Feira”, já que o golo foi contra o Feirense, em Santa Maria da Feira.[11]

Década de ouro: 3 Finais, Recorde de Pontos no Campeonato, 4 qualificações para a Liga Europa. Década de 2010-2020

editar

A década de 2010-2020 é considerada a década de ouro do Rio Ave, visto que foi o período de tempo em que o clube viveu os seus melhores momentos, não só pela qualidade dos mesmos mas também pela quantidade em que se sucederam. Os anos anteriores a estes, eram de grande turbulência, o Rio Ave não se conseguia se estabilizar na Primeira Liga. No entanto neste tempo, a Direção de António da Silva Campos estruturou o Rio Ave com um projeto que permitisse colher frutos a médio/longo prazo, e os resultados deste projeto são comprovados pela dita década de ouro.[12]

O Rio Ave, na época de 2009/2010, alcançou as meias-finais da Taça de Portugal, e na de 2010/2011 alcançou os quartos de final da mesma prova.[12]

A época de 2012/2013 seria a primeira de várias temporadas de notável crescimento e afirmação, além de surpreendentes méritos. Nuno Espírito Santo era quem treinava o Rio Ave nesta época. O Rio Ave era descrito como ambicioso, e determinado a quebrar barreiras e a alcançar patamares nunca antes alcançados. O plantel do clube nessa época contava com nomes como Ederson, atual guarda-redes titular do Manchester City, e Oblak, atual guarda-redes titular do Atlético de Madrid. O Rio Ave terminou o campeonato na 6ª posição e ainda alcançou as meias-finais na Taça de Portugal. Esta época deu um bocado de sabor do que viria acontecer na próxima.[12]

A época de 2013-2014 vai sempre inesquecível para os adeptos rioavistas. Em poucos dias, os vilacondenses viajaram a Leiria e ao Jamor para a disputa das finais da Taça da Liga e da Taça de Portugal, respetivamente. A equipa de Nuno Espírito Santo enfrentou nas duas ocasiões o então campeão nacional SL Benfica, de Jorge Jesus. O Rio Ave acabou por perder ambas as finais, 2-0 e 1-0. Apesar das derrotas, os vilacondenses tinham outro motivo para se orgulharem. Ao participar na final da Taça de Portugal o Rio Ave garantiu pela primeira vez na sua história a qualificação para uma competição europeia, a Liga Europa.[12]

O Rio Ave era agora um clube mais respeitado, financeiramente estável e com um projeto para um futuro ainda mais brilhante.[12]

Em 2014/2015, com Pedro Martins no "leme", o Rio Ave estreou-se na "Europa". Entrou nesta competição na 3ª Pré-Eliminatória, onde foi sorteado para jogar contra os suecos do IFK Göteborg. O clube vilacondense venceu a 1ª mão em Gotemburgo, e depois o empate, na 2ª mão, em Vila do Conde, foi suficiente para o Rio Ave qualificar-se para a próxima fase. No Play-Off, o sorteio ditou o Rio Ave jogar com outra equipa sueca, agora o IF Elfsborg. Os rioavistas perderam a 1ª mão em Borås, por 2-1. Esta derrota trouxe as decisões para Portugal, mas o Rio Ave sabia que apenas precisava de uma vitória de 1-0 para fazer história, devido à Regra dos golos fora de casa que era aplicada nesse tempo. Na 2ª mão, jogada no Estádio dos Arcos, os adeptos vilacondenses tentavam empurrar a equipa para a vitória, mas o 0-0 permaneceu até ao período de compensação. O momento que veio para ficar para a história deu-se aos 92 minutos. O guarda-redes Cássio pontapeou na frente, um defesa contrário desviou de cabeça e isolou Esmaël Gonçalves, o novo herói dos Arcos, que com um toque subtil bateu o guardião adversário. O Rio Ave estava na Fase de Grupos da Liga Europa e Vila do Conde não cabia em si de tamanha alegria. Na mesma época, o Rio Ave disputou a Supertaça que acabou por perder nos penáltis frente ao SL Benfica, e ainda conseguiu umas meias-finais da Taça de Portugal. Na Liga Europa, o Rio Ave ficou pelo caminho na Fase de Grupos, num grupo com Dinamo Kiev, da Ucrânia, Aalborg, da Dinamarca e o Steaua Bucareste, da Roménia. Os rioavistas apenas venceram um jogo, contra o AaB Aalborg, por 2-0 em casa, e empataram outro jogo contra o Steaua Bucareste, por 2-2 também em casa, terminado na 4ª posição do Grupo J com 4 pontos.[12]

Na época de 2015/2016, ainda com Pedro Martins, o Rio ave voltou a garantir novo apuramento para a Liga Europa fruto de um seguro 6º lugar no campeonato, e ainda voltou a estar às portas do Jamor, ao chegar pelo segundo ano consecutivo às meias-finais da prova-rainha[12].

O objetivo do Rio Ave na época 2016/2017 era chegar novamente à Fase de Grupo da Liga Europa. Na 3ª Pré-Eliminatória, o Rio Ave de Nuno Capucho, foi sorteado para jogar contra os tchecos do Slavia Praga. Apesar do Rio Ave ter empatado nos dois jogos, desta vez, ao contrário da última vez na Liga Europa, a Regra dos golos fora de casa prejudicou os vilacondenses. A 1ª mão, em Praga, acabou num empate 0-0, e a 2ª mão, em Vila do Conde, também acabou noutro empate, agora 1-1. Como o agregado terminou empatado, 1-1, passou quem tinha mais golos fora como dita a Regra dos golos fora de casa atualmente já não usada pela UEFA. Com nenhum golo fora, enquanto o Slavia de Praga tinha um, o Rio Ave acabou eliminado da Liga Europa. Em Novembro, Luís Castro substituiu Capucho e o efeito na tabela foi imediato. O galope do Rio Ave FC só parou com um 7º lugar na classificação, mas novo apuramento para a Liga Europa ficou a um ponto de distância.[12]

Miguel Cardoso assume o comando do Rio Ave na época 2017/2018,e o efeito é imediato. Uma só temporada de Cardoso no Rio Ave ficou marcada para sempre. O clube garantiu o 5º lugar no campeonato, naquela que é, a par de 81/82, a melhor classificação de sempre, mas alcançou o melhor registo pontual da história até à data, 51 pontos, e consequentemente garante a terceira qualificação da década para a Liga Europa.[12]

Em 2018/2019, com um novo treinador, José Gomes, o Rio Ave volta a disputar a segunda maior competição de clubes na Europa. O sorteio da 2ª Pré-Eliminatória ditou os vilacondenses jogarem contra os polacos do Jagiellonia Białystok. O Rio Ave perdeu a primeira mão em Białystok por 1-0 e empatou a segunda mão em Vila do Conde por 4-4. Com um resultado agregado de 5-4 a favor dos polacos, o Rio Ave acabou por ser eliminado da competição. Na mesma época, o Rio Ave terminou na 7ª posição no campeonato, já com Daniel Ramos no comando, depois de José Gomes ter aceitado o convite para treinar o Reading.[12]

Na época de 2019/2020, o Rio Ave com Carlos Carvalhal no comando, volta a bater o seu recorde de pontos no campeonato. 55 pontos foram suficientes o Rio Ave terminar em 5º lugar, mais 1 ponto que o 6ª classificado, Famalicão, e menos 5 pontos que o 3ª e 4ª classificados, Braga e Sporting respetivamente, e assim garantir a 4ª classificação, em toda a sua história, para a Liga Europa.[13]

De quase vencer o AC Milan à primeira descida de divisão após 13 anos na Primeira. O recomeço. 2020 em diante

editar

Devido à excelente campanha no campeonato na época anterior, o Rio Ave começou época de 2020/2021 a jogar a Liga Europa. O objetivo do Rio Ave, com Mário Silva no comando, era garantir a qualificação para a Fase de Grupos, algo que nas suas últimas 3 participações nesta competição, apenas aconteceu 1 vez, na primeira época em que jogaram a Liga Europa, 2014/2015. Ao contrário do normal, devido à pandemia de Covid-19, a UEFA decidiu que as eliminatórias e Play-off da Liga Europa da UEFA de 2020–21 jogar-se-iam em apenas uma mão. O Rio Ave entrou nesta competição na 2ª Pré-Eliminatória, e o sorteio da mesma ditou os vilacondenses jogarem contra os bósnios do Fudbalski Klub Borac Banja Luka. O Rio Ave venceu este jogo, jogado na Bósnia, por 2-0, e avançou de fase. Na 3ª Pré-Eliminatória o Rio Ave defrontou o Besiktas, e mais uma vez os rioavistas jogaram fora, agora na Turquia. O jogo ao 90 minutos terminou empatado, e assim seguiu para prolongamento, onde nada mudou e o jogo seguiu para as disputas de penálti, onde o Rio Ave venceu por 4-2, passando assim à última fase antes da Fase de Grupos. O último adversário que o Rio Ave precisava de vencer para voltar a jogar a Fase de Grupos após 6 anos, era o AC Milan, uma das melhores equipas europeias de sempre. O Rio Ave, neste jogo jogado em Vila do Conde, ao contrário de todas expectativas, deu "luta" ao Milan. A primeira parte terminou 0-0. O jogo só começou a aquecer na 2ª parte, quando os italianos abriram o marcador aos 51 minutos. O Rio Ave empatou aos 72 minutos, com Francisco Geraldes a apontar o golo. A partida terminou empatada aos 90 minutos, e consequentemente o jogo seguiu para o prolongamento. O Rio Ave começou os 30 minutos adicionais com tudo, e aos 91, Gelson Dala marca o 2º golo do Rio Ave na partida, fazendo a reviravolta no marcador. Estava tudo a correr bem para o Rio Ave, e tudo dava a entender que ia acontecer história em Vila de Conde nesse dia, até que aos 120 minutos é assinalado uma grande-penalidade favorável ao Milan. O Milan concretiza este penálti, e o prolongamento termina empatado. Seguiram-se assim uma emocionante disputa por penálti, onde foram precisos 24 penáltis,12 para cada equipa, para desempatar o jogo, no entanto Rio Ave acabou por perder para equipa que viria a ser a campeã de Itália nessa época.[14]

Na mesma época, o campeonato nacional corre mal para o Rio Ave. Mário Silva é despedido, após o clube ter 11 pontos e apenas 2 vitórias nas primeiras 7 jornadas. O treinador Miguel Cardoso volta ao Rio Ave, no entanto o clube acaba por terminar na 16ª posição e tem de ir ao Play-Off para evitar a despromoção, onde vai jogar com o Arouca, 3ª classificado da Segunda Liga. O Rio Ave perde as duas mãos deste Play-Off, com um agregado de 5-0 para a formação arouquense, e ao fim de 13 anos estáveis na Primeira Liga, o Rio Ave desce para a Segunda Liga.[15]

Na época de 2021/2022, o Rio Ave volta a jogar na Segunda Liga, competição que já não jogava desde a época 2007/2008. O Rio Ave, com Luís Freire no comando, mostra que é a equipa de Primeira Divisão, e, na mesma época ganha, pela terceira vez na sua história, a Segunda Liga, subindo assim de divisão.[16]

De volta à Primeira Liga, na época 2023/2024, o Rio Ave ao terminar na 12ª posição, cumpre o seu objetivo de permanecer na 1ª divisão.[17]

Mascote e Hino

editar

Mascote

editar

O atual mascote do Rio Ave FC é um tubarão do Atlântico que se chama Tubas. Foi anunciado na Gala Verde e Branca, a gala de prémios do Rio Ave, em 2018 e o seu nome foi escolhido pelos sócios e adeptos num inquérito feito na conta oficial do Facebook do clube. Desde a sua "oficialização", o Tubas tem vindo a ser presença habitual nos jogos do Rio Ave para entreter os mais novos. Na época 20/21, a mascote ganhou o prémio de Mascote do Mês de Fevereiro da Liga Portugal.[18]

Queremos louvar tuas glórias
Neste rincão de encantar,
E celebrar as tuas vitórias
Da juventude sem parar

Que, nos campos da peleja,
Por ti dá o seu coração,
Para que sempre louvado seja,
Vila do Conde, o teu brasão,

Lutar, lutar,
Com fibra de campeão!
Querer vencer,
Com vibrante animação!
E superar,
Sempre, sempre, teu rival!
És, Rio Ave,
Muito nosso, sem igual!

Material desportivo e patrocinadores

editar
Período Material desportivo Patrocinadores
2003-2010   Lacatoni   Nassica Vila do Conde
2010-2014   Vila do Conde
2014-2016 Sem patrocinador
2016-2018   Adidas   MEO
2018-2021   Nike
2021-2022   Puma
2022- atual   Solverde
[19]

Recintos

editar
 
Estádio do Rio Ave FC

Estádio do Rio Ave FC

editar

O Rio Ave FC disputa os seus jogos no Estádio do Rio Ave FC, também conhecido como Estádio dos Arcos devido ao mesmo se localizar junto aos arcos do aqueduto setecentista de Vila do Conde. Desde a sua inauguração, 1944, que o estádio é casa do Rio Ave. O estádio, ao longo dos anos, foi passando por várias mudanças, principalmente no número de espetadores. Inicialmente o estádio tinha capacidade para 20000 pessoas, mas com a introdução de cadeiras a capacidade diminuiu para 9000.[carece de fontes?]

Em 2020, o Rio Ave foi obrigado a demolir a bancada nascente (lado oposto à transmissão televisiva) devido à falta de condições de segurança, e consequentemente a capacidade do estádio diminuiu para 5300.[20][21] No inicio de 2023, o então Presidente do Rio Ave, António Silva Campos, afirmou que a reconstrução da bancada não era uma prioridade a curto prazo, visto que o clube tinha primeiro de se estabilizar financeiramente.

Assistências nos Jogos da Liga Portugal

editar
Assistência no Estádio dos Arcos
Época Liga Jogos Média Total Ref.
2009/10 I 15 2.593 38.902 [22]
2010/11 I 15 2.391 35.865
2011/12 I 15 2.700 40.498
2012/13 I 15 2.137 32.054
2013/14 I 15 2.333 35.000
2014/15 I 17 2.968 50.458
2015/16 I 17 3.301 56.125
2016/17 I 17 3..954 67.215
2017/18 I 17 3.889 66.116
2018/19 I 17 3.630 61.712
2019/20 I 12[nota 1] 1.838 31.247 [23]
2020/21 I 0[nota 2] 0 0 [24]
2021/22 II 17[nota 3] 1.382 23.494 [25]
2022/23 I 17 2.906 49.395
2023/24 I 17 3.149 53.532 [26]

  Atualizado em 17 de junho de 2024

Rio Ave FC a nível Nacional e Europeu

editar
Nº Presenças Títulos
Primeira Liga 29 0
Supertaça Cândido de Oliveira 1 0
Taça de Portugal 52 0
Taça da Liga 16 0
II Divisão 12 3
Segunda Liga 11 3
Liguilha I/II Divisão 3 1
III Divisão 15 3
II Divisão B 2 1
AF Porto Taça 1 1
Liga Europa 1(*) 0
Liga Europa [Qualificação] 4(*) ---

Apontamento: (*) A única participação do Rio Ave na Fase de Grupos da Liga Europa foi proveniente da fase de qualificação da mesma competição!

  Atualizado a 29 de agosto de 2023 ( Taça de Portugal 2023/2024 não contabilizado)

Prestações por Temporada

editar

  Atualizado a 29 de agosto de 2023

Época Liga Divisão Pos. J V E D GM GS Pts Taça de Portugal Taça da Liga Supertaça Notas
1978–79 2DS 2 30 20 5 5 51 26 45 1/16 Não existia Promovido
1979–80 I 16 30 5 3 22 22 61 13 1/16 Despromovido
1980–81 2DS 1 30 16 10 4 43 17 42 1/32 Promovido
1981–82 I 5 30 13 8 9 26 31 34 1/8
1982–83 I 8 30 13 3 14 43 45 29 1/32
1983–84 I 9 30 11 7 12 35 35 29 Final
1984–85 I 13 30 7 9 14 27 43 23 QF Despromovido
1985–86 2DN 1 30 19 11 0 52 19 49 1/16 Promovido
1986–87 I 13 30 8 9 13 33 40 25 1/8
1987–88 I 18 38 7 14 17 29 67 28 1/8 Despromovido
1988–89 2DS 4 34 16 9 9 51 30 41 1/32
1989–90 2DS 10 34 10 11 13 44 47 31 1/32
1990–91 2DS 4 38 23 10 5 79 21 56 1/16 Promovido
1991–92 II 4 34 16 7 11 47 30 39 5E
1992–93 II 5 34 14 10 10 39 36 38 5E
1993–94 II 4 34 18 8 8 43 23 44 QF
1994–95 II 11 34 12 8 14 47 46 32 1/8
1995–96 II 1 34 21 5 8 58 42 68 5E Promovido
1996–97 I 15 34 8 11 15 35 42 35 4E
1997–98 I 9 34 12 10 12 43 43 46 5E
1998–99 I 14 34 8 11 15 26 47 35 4E
1999–00 I 17 34 8 9 17 34 54 33 MF Despromovido
2000–01 II 5 34 17 9 8 68 35 60 1/8
2001–02 II 8 34 12 10 12 45 36 46 3E
2002–03 II 1 34 19 6 9 49 36 63 5E Promovido
2003–04 I 7 34 12 12 10 42 37 48 QF
2004–05 I 8 34 10 17 7 35 35 47 5E
2005–06 I 16 34 8 10 16 34 53 34 4E Despromovido
2006–07 II 3 30 15 8 7 44 37 53 5E
2007–08 II 2 30 13 12 5 38 26 51 1/8 1E Promovido
2008–09 I 12 30 8 6 16 20 35 30 3E 2ª FG
2009–10 I 12 30 6 13 11 22 33 31 MF 2ª FG
2010–11 I 8 30 10 8 12 35 33 38 QF 1E
2011–12 I 14 30 7 7 16 33 42 28 4E 2ª FG
2012–13 I 6 30 12 6 12 35 42 42 4E MF
2013–14 I 11 30 8 8 14 21 35 32 Final Final Qualificado Liga Europa
2014–15 I 10 34 10 13 11 38 42 43 MF MF Final
2015–16 I 6 34 14 8 12 44 44 50 MF FG Qualificado Liga Europa
2016–17 I 7 34 14 7 13 41 39 49 3E FG
2017–18 I 5 34 15 6 13 40 42 51 QF FG Qualificado Liga Europa
2018–19 I 7 34 12 9 13 50 52 45 1/8 FG
2019–20 I 5 34 15 10 9 48 36 55 QF FG Qualificado Liga Europa
2020–21 I 16 34 7 13 13 25 40 34 1/8 não

participou

Despromovido
2021-22 II 1 34 21 7 6 52 31 70 QF FG Promovido
2022-23 I 12 34 10 10 14 36 43 40 3E FG
2023-24 I 17 3 6 8 19 28 15 3E 2E
I – 1.ª Divisão/Liga; II – 2.ª Divisão/Liga;
Pos – Posição; Pts – Pontos; J – Jogos; V – Vitórias; E – Empates; D – Derrotas; GM – Golos Marcados;
GS – Golos Sofridos; TP – Taça de Portugal; TL – Taça da Liga
Qualificação à divisão superior
Desqualificação à divisão inferior

Futebol

editar

Seniores Masculinos

editar

Plantel atual   Atualizado a 29 de agosto de 2023

editar
Guarda-redes
N.º Jogador
1   Lucas Flores
18   Jhonatan Luiz
82   Magrão
Defesas
N.º Jogador Pos.
3   Miguel Nóbrega C
4   Patrick C
33   Santos C
42   Renato Pantalon C
2   Jorge Karseladze LD
21   Ruca LD
20   Costinha LD
16   Sávio LE
75   Miguel Namora LE
Médios
N.º Jogador Pos.
8   Vítor Gomes T
10   Amine Idrissi T
13   Julien Lomboto T
6   Guga M
11   Bruno Ventura M
14   Joca M
21   João Pedro M
Avançados
N.º Jogador
7   Hernâni
9   Leonardo Ruiz
17   Ukra
22   Emmanuel Boateng
70   Zé Manuel
77   Fábio Ronaldo
95   André Pereira
Equipa técnica
Nome Pos.
  Luís Freire TR
  Nuno Silva TA
  Augusto Gama TA
  João Ferreira TA
  Tiago louzeiro PF
  Carlos Braz TGR
  Ângelo Bastos MD
  José Teixeira FT
  Diogo Lopes FT
  Pedro Matos FT
  Elton Gonçalves NT

Palmarés

editar
Nacionais
Competição Títulos Épocas
  Segunda Liga 3 1995/96, 2002/03 e 2021/22
Segunda Divisão 1 1985/86
Terceira Divisão 1 1976/77
(1984-85) finalista vencido
(2013-14) finalista vencido
(2013-14) finalista vencido
(2014) finalista vencido
Campeão:(1995–96) (2002-03) (2021–22)
Vice-campeão: (2007-08)
(1985-86)
(1976-77)

Resumo das Competições Nacionais

editar

  Atualizado a 29 de agosto de 2023

Melhor Classificação 1981/1982, 2017/2018 e 2019/2020
Pior Classificação 17º 1999/2000
Maior Vitória 6-1 FC Paços de Ferreira
Maior Derrota 1-6 SL Benfica
Melhor Classificação 1995–96, 2002/2003 e 2021–22
Pior Classificação 11º 1994/1995
Maior Vitória 5-1 Académica de Coimbra
Maior Derrota 0-4 CD Feirense
Melhor Fase Final 1983/1984, 2013/14
Maior Vitória 7-0 Silves FC
Maior Derrota 4-0 FC Porto
Melhor Fase Final 2013/2014
Maior Vitória 6-1 UD Oliveirense
Maior Derrota 4-0 FC Porto

Rio Ave nas Competições Europeias

editar

Resumo

editar

  Atualizado a 29 de agosto de 2023

Época Competição Fase Adversário Casa Fora Agregado
2014–15 Liga Europa 3ª Pré-El.   IFK Gotemburgo 0–0 1–0 1–0
Play-off   IF Elfsborg 1–0 1–2 2–2 (a)
Grupo J   Dínamo de Kiev 0–3 0–2 4º Lugar
  Steaua Bucareste 2–2 1–2
  AaB Aalborg 2–0 0–1
2016–17 Liga Europa 3ª Pré-El.   Slavia Praga 1–1 0–0 1–1
2018–19 Liga Europa 2ª Pré-El.   Jagiellonia Białystok 4–4 0–1 4–5
2020–21 Liga Europa 2ª Pré-El.   Fudbalski Klub Borac Banja Luka 2–0
3ª Pré-El.   Besiktas 1–1 (4–2 p)
Play-off   AC Milan 2–2 (8–9 p)

(a) - Regra dos golos fora de casa

(p) - Desempate por penalties.

(c) - Devido à pandemia de Covid-19, as eliminatórias e play-off da Liga Europa da UEFA de 2020–21 jogaram-se em apenas uma mão.

Histórico e estatísticas de treinadores do clube

editar

  Atualizado a 29 de agosto de 2023[27]

Época Nome Jogos Pontos por Jogo
1979/1980   Fernando Cabrita Sem dados
1980/1981   Fernando Cabrita
  Mourinho Félix
1981/1982   Mourinho Félix
1982/1983   Quinito
1983/1984   Mourinho Félix
1984/1985   Mourinho Félix
  Mário Reis
1985/1986   Abel Braga
  Mário Reis
1986/1987   Mário Reis
  António Morais
1987/1988   Mário Juliatto
  Mário Reis
1988/1989   Mário Reis
  Eurico Gomes
1989/1990   Eurico Gomes
  Nicolau Vaqueiro
1990/1991   Mário Reis
1991/1992   Augusto Inácio
1992/1993   Vieira Nunes
1993/1994   José Rachão
  Quinito
1994/1995   Abel Braga
  Jaime Pacheco
  Henrique Calisto
1995/1966   Henrique Calisto
1996/1997   Henrique Calisto
  Carlos Britos
1997/1998   Carlos Britos
1998/1999   Carlos Britos
1999/2000   Carlos Britos
2000/2001   Vítor Oliveira
2001/2002   Vítor Oliveira
  Horácio Gonçalves
2002/2003   Horácio Gonçalves
  Carlos Britos 69 1.38
2003/2004   Carlos Britos
2004/2005   Carlos Britos
2005/2006   António Sousa 23 1.09
  João Eusébio 87 1.48
2006/2007   João Eusébio
2007/2008   João Eusébio
2008/2009   João Eusébio
  Carlos Britos 131 1.18
2009/2010   Carlos Britos
2010/2011   Carlos Britos
2011/2012   Carlos Britos
2012/2013   Nuno Espírito Santo 80 1.41
2013/2014   Nuno Espírito Santo
2014/2015   Pedro Martins 101 1.41
2015/2016   Pedro Martins
2016/2017   Nuno Capucho 14 1.14
  Luís Castro 27 1.63
2017/2018   Miguel Cardoso 42 1.60
2018/2019   José Gomes 21 1.38
  Daniel Ramos 19 1.37
2019/2020   Carlos Carvalhal 42 1.69
2020/2021   Mário Silva 16 1.44
  Miguel Cardoso 20 0.95
2021/2022   Luís Freire 86 1.64
2022/2023   Luís Freire
2023/2024   Luís Freire

Recordes

editar

Mais partidas

editar

'  Atualizado a 29 de agosto de 2023'[28]

Pos. Nome Jogos
1   Augusto Gama 446
2   Tarantini 444
3   Edson Niquinha 364
4   Evandro 295
5   André Vilas Boas 239
6   Vítor Gomes 215
7   Diego Lopes 201
8   Ukra 199
9   Marcelo Ferreira 198
10   José Lionn 182

Melhores marcadores

editar

'  Atualizado a 29 de agosto de 2023'[29]

Pos. Nome Golos
1   Evandro 78
2   Augusto Gama 64
3   João Tomás 53
4   Chico Faria 41
5   Tarantini 39
6   Omer 38
7   Hugo Henrique 37
8   N´Habola 36
9   Ahmed Hassan 32
10   Toni 31

Jogadores mais jovens a marcar

editar

'  Atualizado a 29 de agosto de 2023'[30]

Pos. Nome Idade
1   Fábio Coentrão 18 anos, 1 mês e 26 dias
2   Emmanuel Boateng 18 anos, 3 meses e 9 dias
3   Diego Lopes 18 anos, 4 meses e 23 dias

Jogadores mais velhos a marcar

editar

'  Atualizado a 29 de agosto de 2023'[31]

Pos. Nome Idade
1   João Tomás 37 anos, 5 meses e 29 dias
2   Niquinha 37 anos e 26 dias
3   Tarantini 36 anos ,11 meses e 10 dias

Contratações e Vendas mais caras do Rio Ave FC

editar

Contratações mais caras

editar

'  Atualizado a 31 de agosto de 2023'[32]

Pos. Nome Época Valor (€)
1   Filipe Augusto 2012/2013 2.20 M
2   Carlos Mané 2019/2020 1.00 M
3   Aziz Yakubu 2022/2023 1.00 M
4   Léo Jardim 2019/2020 1.00 M
5   Filip Krovinovic 2015/2016 0.800 M
6   Gabrielzinho 2017/2018 0.800 M
7   Jhonatan 2022/2023 0.600 M
8   Ahmed Said 2018/2019 0.500 M
9   Fabinho 2012/2013 0.500 M
10   Esmaël Gonçalves 2012/2013 0.400 M

Vendas mais caras

editar

'  Atualizado a 31 de agosto de 2023'[33]

Pos. Nome Época Valor (€)
1   Pelé 2018/2019 7,20 M
2   Fabinho 2015/2016 6,00 M
3   Léo Jardim 2019/2020 6,00 M
4   Mehdi Taremi 2020/2021 4,73 M
5   Nuno Santos 2015/2016 3,75 M
6   Filip Krovinovic 2017/2018 3,50 M
7   Roderick Miranda 2017/2018 3,00 M
8   Júlio Alves 2011/2012 2,50 M
9   Fábio Faria 2010/2011 2,00 M
10   Filipe Augusto 2016/2017 2,00 M

Referências

  1. «Rio Ave FC - Títulos». www.transfermarkt.pt. Consultado em 26 de agosto de 2023 
  2. «A BOLA - Rio Ave - Palmarés». A Bola. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  3. UEFA.com. «Coeficientes dos clubes | Coeficientes da UEFA». UEFA.com. Consultado em 29 de agosto de 2023 
  4. «A fundação do Rio Ave FC». Rio Ave Futebol Clube. 6 de abril de 2020. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  5. «As primeiras vitórias». Rio Ave Futebol Clube. 6 de abril de 2020. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  6. «A afirmação distrital». Rio Ave Futebol Clube. 6 de abril de 2020. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  7. «Um novo paradigma». Rio Ave Futebol Clube. 6 de abril de 2020. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  8. «A estreia na 1ª Divisão Nacional». Rio Ave Futebol Clube. 6 de abril de 2020. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  9. a b c «O sobe e desce, uma final inesquecível e uma casa nova». Rio Ave Futebol Clube. 6 de abril de 2020. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  10. «A afirmação nacional». Rio Ave Futebol Clube. 6 de abril de 2020. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  11. «Das lágrimas aos títulos, e ao golo de Evandro!». Rio Ave Futebol Clube. 6 de abril de 2020. Consultado em 27 de agosto de 2023 
  12. a b c d e f g h i j «A década de ouro». Rio Ave Futebol Clube. 6 de abril de 2020. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  13. «Liga NOS - Site Oficial». LIGA NOS. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  14. UEFA.com. «Rio Ave | História | UEFA Europa League». UEFA.com. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  15. «Liga Portugal». www.ligaportugal.pt. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  16. «Liga Portugal». www.ligaportugal.pt. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  17. «Liga Portugal». www.ligaportugal.pt. Consultado em 28 de agosto de 2023 
  18. Marcela (5 de abril de 2021). «Tubas eleito Mascote do Mês de Fevereiro». Rio Ave Futebol Clube. Consultado em 1 de setembro de 2023 
  19. «Rio Ave Kit History». Football Kit Archive (em inglês). Consultado em 30 de agosto de 2023 
  20. «Rio Ave: arrancou a demolição da bancada nascente dos Arcos». Maisfutebol. Consultado em 29 de agosto de 2023 
  21. «Rio Ave FC - Estádio - Estádio dos Arcos». www.transfermarkt.pt. Consultado em 29 de agosto de 2023 
  22. «Liga Portugal». www.ligaportugal.pt. Consultado em 15 de junho de 2024 
  23. SAPO. «COVID-19: I Liga 2019/20 vai ser a mais longa e tardia de sempre». SAPO Desporto. Consultado em 31 de maio de 2023 
  24. SAPO. «Um ano de COVID-19 em Portugal, um ano de estádios sem adeptos: o impacto (desportivo e financeiro) para os 'três grandes'». SAPO Desporto. Consultado em 31 de maio de 2023 
  25. ECO (21 de agosto de 2021). «Nos jogos da Liga, ainda nenhum estádio chegou à lotação permitida». ECO. Consultado em 31 de maio de 2023 
  26. «Liga Portugal». www.ligaportugal.pt. Consultado em 29 de novembro de 2023 
  27. «Rio Ave FC - Historial funcionários». Consultado em 29 de agosto de 2023 
  28. «Rio Ave :: Jogadores :: zerozero.pt». www.zerozero.pt. Consultado em 30 de agosto de 2023 
  29. «Rio Ave :: Jogadores :: zerozero.pt». www.zerozero.pt. Consultado em 30 de agosto de 2023 
  30. «Rio Ave FC - Marcadores mais jovens». www.transfermarkt.pt. Consultado em 1 de setembro de 2023 
  31. «Rio Ave FC - Goleadores mais velhos». www.transfermarkt.pt. Consultado em 1 de setembro de 2023 
  32. «Rio Ave FC - Contratações mais caras». www.transfermarkt.pt. Consultado em 1 de setembro de 2023 
  33. «Rio Ave FC - Saídas recordes». www.transfermarkt.pt. Consultado em 1 de setembro de 2023 

Ligações externas

editar


Erro de citação: Existem etiquetas <ref> para um grupo chamado "nota", mas não foi encontrada nenhuma etiqueta <references group="nota"/> correspondente