Benedito, o Mouro

santo católico franciscano
(Redirecionado de São Benedito)
Disambig grey.svg Nota: ""São Benedito"" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja São Benedito (desambiguação).
São Benedito
Vitral em honra a São Benedito no interior da Capela do Divino Espírito Santo, Porto Alegre.
Nascimento 31 de março de 1524 em Sicília, Itália
Morte 4 de abril de 1589 (65 anos) em Palermo, Itália
Veneração por Igreja Católica
Beatificação 1734 por Papa Bento XIV
Canonização 24 de maio de 1807 por Papa Pio VII
Festa litúrgica 5 de outubro
Padroeiro dos negros
dos cozinheiros e dos Africanos.
Gloriole.svg Portal dos Santos

Benedito, o Mouro (ordem OFM Cap), conhecido também como Benedito, o Negro, Benedito, o Africano, Benedito de Palermo, Mouro, geralmente chamado simplesmente de São Benedito (Sicília, 31 de março de 1524 - Palermo, 4 de abril de 1589), é um santo católico que, segundo algumas versões de sua história, nasceu em 1524 na Sicília (Itália), em família pobre e descendente de africanos escravizados na Etiópia. Outras versões dizem que foi um escravo capturado no norte da África, o que era muito comum no sul da Itália nesta época. Neste caso, ele seria de origem moura, e não etíope. Chamado pelo apelido de "mouro" devido a cor escura da pele.

HistóriaEditar

Aos 18 anos de idade, já havia decidido consagrar-se ao serviço de Deus, e, aos 21, um monge dos irmãos eremitas de São Francisco de Assis chamou-o para viver entre eles. Benedito aceitou. Fez votos de pobreza, obediência e castidade, e, coerentemente, caminhava descalço pelas ruas e dormia no chão sem cobertas. Era muito procurado pelo povo, que desejava ouvir seus conselhos e pedir-lhe orações.

Cumprindo seu voto de obediência, depois de 17 anos entre os eremitas, foi designado para ser cozinheiro no Convento dos Capuchinhos. Sua piedade, sabedoria e santidade levaram seus irmãos de comunidade a elegê-lo Superior do Mosteiro, apesar de analfabeto e leigo, pois não havia sido ordenado sacerdote. Seus irmãos o consideravam iluminado pelo Espírito Santo, pois fazia muitas profecias. Ao terminar o tempo determinado como Superior, reassumiu com muita humildade mas com alegria suas atividades na cozinha do convento.

São Benedito morreu aos 65 anos, no dia 4 de abril de 1589, em Palermo, na Itália. Na porta de sua cela, no Convento de Santa Maria de Jesus de Palermo, se encontra uma placa com a inscrição em italiano indicando que era a Cela de São Benedito e, embaixo, as datas 1524-1589, para indicar as datas do nascimento e de sua morte. Alguns autores indicam 1526 como o ano de seu nascimento, mas os Frades do Convento de Santa Maria de Jesus consideram que a data certa é 1524.

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Benedito, o Mouro

VeneraçãoEditar

Em Portugal, São Benedito e outros, como Nossa Senhora do Rosário, Santo Antônio de Categeró, Santa Ifigênia e Santo Elesbão, são considerados parte das chamadas "devoções negras" – entre os séculos XVI a XVIII, milhares de africanos foram trazidos ao país na condição de escravos.[1][2] Na localidade de Coval, no concelho de Santa Comba Dão, todo ano a seguir à Páscoa, há uma missa e festa em sua honra ao santo.

No Brasil, o santo é tradicionalmente venerado pelos negros, que relacionam o período de escravidão e a origem africana do santo com o seu próprio passado de escravidão e suas raízes africanas.[3] Em Guaratinguetá, desde 1726, há cavalaria em louvor a São Benedito, tradicionalmente no domingo de Páscoa.

Em Manaus, é venerado pelos descendentes negros vindos do Estado do Maranhão, fundando o Quilombo de São Benedito situado no bairro Praça 14 de Janeiro há 128 anos (2° quilombo urbano do Brasil).

Em 24 de maio de 1807, Benedito foi canonizado pelo papa Pio VII, passando então a ser São Benedito.

Em Bragança - PA, o Santo é homenageado no dia 26 de Dezembro de cada ano com grande festividade popular denominada de "Marujada".

Referências

  1. LAHON, Didier. Esclavage, confréries noires, sainteté noire et pureté de sang au Portugal (XVIe-XVIIIe siècles). Lusitânia Sacra 2ª série, Lisboa, v. 15, p. 119-162, 2003. link.
  2. REGINALDO, Lucilene. “África em Portugal”: devoções, irmandades e escravidão no Reino de Portugal, século XVIII. História, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 289-320, 2009. link.
  3. São Benedito: santo protetor dos negros. Disponível em www.uniafro.xpg.com.br/sao_benedito_e_outros.htm. Acesso em 28 de outubro de 2014.

Ligações externasEditar