Abrir menu principal
A Ilha Sacalina em vermelho no mapa da Rússia

A ilha Sacalina (em russo: Сахалин, chinês tradicional: 庫頁/chinês simplificado: 库页 Kùyè, em japonês: 樺太 Carafuto ou Karafuto) é uma grande ilha (948 km de comprimento, 160 km de largura) do Extremo Oriente russo, banhada pelo mar de Okhotsk a norte e a leste, estreito de La Pérouse a sul, separando-a da ilha japonesa de Hokkaido, e estreito da Tartária a oeste, separando-a do continente asiático. É território constituinte do Oblast de Sacalina

A sua capital é Iujno-Sakhalinsk. Tem cerca de 497 973 habitantes (2010). As etnias presentes em Sacalina são as dos ainus, russos-coreanos, ucranianos, tártaros, bielorussos, japoneses, nivkhs e russos. As etnias nativas da ilha de Sacalina são os nivkhs, os oroki e os ainu.

HistóriaEditar

Os primeiros europeus a explorar as ilhas ao redor da ilha de Sacalina foram Ivan Moskvitin e Marteen Gerritz de Vries em meados do séculos XVII, Jean-François de La Pérouse em 1787 e Adam Johann von Krusenstern em 1805.

A ocupação japonesa de Sacalina remonta ao Período Edo. Ōtomari foi supostamente fundada em 1679, e os cartógrafos de Matsumae mapearam a ilha e a nomearam "Kita-Ezo". Durantes as Dinastias Ming e Qing, a Chinaconsiderava a ilha como parte de seu império, e incluia os povos da Sacalina no seu "sistema de povos subjulgados". Em nenhum momento foi feita nenhuma tentativa de estabelecer uma presença militar Imperial na ilha. O Japão, preocupado acerca da expansão russa no nordeste da Asia, declarou unilateralmente sua soberania na ilha em 1845. Os colonos russos ignoraram essa declaração, e começaram, a partir de 1850, a estabelecer minas de carvão, instalações de administração, escolas, prisões e igrejas na ilha.

Em 1855, a Rússia e o Japão assinaram o Tratado de Shimoda, que declarava que pessoas das duas nacionalidades poderiam habitar a ilha: Russos no norte e Japoneses no sul, sem uma fronteira clara entre eles. A Rússia também concordou em desativar sua base militar em Ōtomari. Após o fim da Segunda Guerra do Ópio, a Rússia forçou a Dinastia Qing a assinar o Tratado de Aigun e a Convenção de Pequim, que declarava que a China perderia todos os seus territórios a Norte de Heilongjiang (Amur) e a Leste de Ussuri, incluindo a Sacalina , para a Rússia. Uma Colônia Penal Tsarista foi estabelecida em 1857, mas parte sul da ilha foi dominada pelos japoneses até 1875 Tratado de São-Petersburgo, quando eles cederam sua parte à Russia em troca das Ilhas Curilas. Após a Guerra Russo-Japonesa, a Rússia e o Japão assinaram o Tratado de Portsmouth em 1905, que resultou na parte sul da ilha abaixo de 50° N passar a ser posse do Japão; Os Russos mantiveram os outros três quintos da área da ilha. O sul de Sacalina foi administrado pelo Japão como Karafuto-chō(樺太庁), com a capital Toyohara, hoje conhecida como Iujno-Sakhalinsk.

 
Mapa da Ilha de Sacalina

Após a Revolução Russa e a subsquente Guerra Civil, a parte Norte de Sacalina passou a ser governada pela Rússia Soviética como parte da Província do Extremo Oriente (Far Eastern Krai). O Oblast de Sacalina foi estabelecido em 20 de Outubro de 1932 como parte do Far Eastern Krai, e se tornou parte do Khabarovsk Krai a partir de sua fundação em 1938.

Em agosto de 1945, A União Soviética tomou controle da totalidade das Ilhas Sacalina e Curilas. O ataque soviético à Sacalina do Sul começou em 11 de Agosto de 1945, um mês antes do Rendição do Japão na Segunda Guerra Mundial. O 56º Corpo de Fuzileiros consistindo na 79ª Divisão de Fuzileiros, a 2ª Brigada de Fuzileiros, a 5ª Brigada de Fuzileiros e a 214ª Brigada de Tanques atacou a 88ª Divisão Japonesa. Mesmo com o Exército Vermelho tendo três vezes mais homens, o avanço não foi possível devido à grande resistência japonesa. Foi apenas com a chegada da 113ª Brigada de Fuzileiros e a 365º Batalhão Independente de Infantaria Naval de Sovietskaya Gavan à Tōrō, um vilarejo na parte oeste da Sacalina, que os soviéticos quebraram a linha de defesa japonesa. Os soviéticos completaram a conquista de Sacalina em 25 de Agosto de 1945, quando ocuparam a capital de Sacalina, conhecida na época como Toyohara. Fontes japonesas indicam que 20 000 civis morreram durante a invasão.

Pós-GuerraEditar

As areas do Sul da Sacalina e as Ilhas Curilas dominadas pelos Soviéticos foram declaradas como Província da Sul Sacalina em 2 de Fevereiro de 1946. Quase um ano depois, em 2 de Janeiro de 1947, a Província da Sul Sacalina foi extinta e incluida na Oblast da Sacalina, formando a fronteira atual (2018). No mesmo dia, a Oblast da Sacalina foi excluída do Khabarovsk Krai. Os japoneses que viviam na região foram quase totalmente repatriados ao Japão, mas pelo menos um terço dos Coreanos recusaram a repatriação e passaram a ser conhecidos como Coreanos Sacalinos

 
Vista do Monte Chekhov na Ilha de Sacalina

O status das ilhas Curilas do Sul continuam em disputa. A questão continua a ser um grande impasse nas relações diplomáticas Russo-Japonesas. Até hoje, nenhum tratado de paz foi assinado entre as partes.

O Japão renunciou a suas reivindicações de soberania da parte Sul da Sacalina no Tratado de São Francisco (1951), já havendo abolido a Prefeitura de Karafuto em 1º de Junho de 1949. Entretanto, esse tratado não aprova explicitamente a soberania Russa sob a parte Sul da Sacalina. Da perspectiva oficial Japonesa, a atribuição da Sacalina ainda não havia sido determinada, e era marcada como terra de ninguém nos mapas japoneses. Mesmo assim, o Japão possuí um Consulado-Geral na capital da Sacalina.

Em 1º de Setembro de 1983, os Soviéticos derrubaram o Voo 007 da Korean Airlines que carregava 269 ocupantes, incluindo o Deputado Norte-Americano Larry McDonald, na parte Oeste da Ilha de Sacalina perto da Ilha Moneron.

Em 1995, o Terremoto Neftegorsk de 7.0 Mw sacodiu o antigo assentamento de Neftegorsk com Intensidade Mercallimáxima de IX (Violento). O dano total foi de $ 64.1-300 milhões de Dólares, causando 1989 mortes e 750 feridos. O assentamento não foi reconstruído.

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre Geografia da Rússia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.