Abrir menu principal

Safet Sušić (Zavidovići, 13 de abril de 1955) é um ex-futebolista e atualmente técnico de futebol bósnio. É considerado o maior nome do futebol de seu país e o maior ídolo da história do Paris Saint-Germain.[1] É o terceiro jogador que mais atuou com a camisa do PSG com 344 partidas, empatado com o francês Paul Le Guen.

Safet Sušić
Safet Sušić
Informações pessoais
Nome completo Safet Sušić
Data de nasc. 13 de abril de 1955 (64 anos)
Local de nasc. Zavidovići, Iugoslávia
Nacionalidade Bósnio
Altura 1,74 m
Apelido Pape
Informações profissionais
Equipa atual Sem clube
Posição Treinador
Meia-atacante
Clubes de juventude
1971–1972
1972–1973
Jugoslávia FK Krivaja
Jugoslávia FK Sarajevo
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1973–1982
1982–1991
1991–1992
Jugoslávia FK Sarajevo
França Paris Saint-Germain
França Red Star
221 (86)
344 (86)
17 (3)
Seleção nacional
1977–1990 Flag of Yugoslavia (1946-1992).svg Iugoslávia 54 (21)
Times/Equipas que treinou
1994–1995
1996–1998
2001
2004–2005
2005–2006
2006–2008
2008–2009
2009–2014
2015–2016
França Cannes
Turquia İstanbulspor
Arábia Saudita Al-Hilal
Turquia Konyaspor
Turquia Ankaragücü
Turquia Çaykur Rizespor
Turquia Ankaraspor
Flag of Bosnia and Herzegovina.svg Bósnia e Herzegovina
França Évian Thonon Gaillard
42
62
3
1
2
17
10
50
20

É tio do meia-atacante Tino-Sven Sušić, cuja convocação foi criticada pela imprensa, acreditando em um favorecimento a ele, por ser seu sobrinho.

Carreira de jogadorEditar

Começou nos juvenis do Krivaja, clube de sua cidade, iniciando a carreira profissional em 1974, no Sarajevo, da capital homônima da Bósnia e Herzegovina (então parte da Iugoslávia), por onde jogaria até 1982, marcando 400 gols em 600 jogos. Na edição do campeonato iugoslavo de 1979/80, foi artilheiro da competição com 21 gols. Ainda em 1979, seria eleito o melhor jogador da Iugoslávia e o melhor atleta bósnio. Neste mesmo ano, chegou a marcar três gols na vitória por 4-2 sobre a Argentina, então campeã mundial.[1]

Estreou pela antiga Iugoslávia em 1977, mas a equipe falhou em obter a classificação para a Copa do Mundo da Argentina, no ano seguinte. Mas Sušić continuou na equipe a tempo de disputar a Copa de 1982 e a Eurocopa de 1984 (em que o país caiu em ambos na primeira fase), e, já veterano, o mundial de 1990. Neste, a equipe, reforçada por promessas que conquistaram pelo país o título do Campeonato Mundial de Futebol Sub-20, três anos antes, chegou às quartas-de-final, sendo eliminada nos pênaltis pela Argentina.[1] Sušić marcou um gol, na primeira fase, contra os Emirados Árabes. Despediu-se de seleções após a Copa, não chegando a jogar pela Bósnia, quando o país ficou independente.

Àquela altura, era jogador do Paris Saint-Germain, clube que se transferira após a Copa de 82. Lá conquistou o campeonato francês de 1985/86 e foi eleito o melhor jogador estrangeiro da temporada 82/83. O título de 1986 foi o único expressivo do PSG antes de receber investimentos multimilionários. Sušić acabaria eleito em 2012 o maior ídolo do clube parisiense.[1] Em 1991, foi para o Red Star de Saint-Ouen, disputando sua última temporada como jogador, aos 37 anos.

Carreira de técnicoEditar

Iniciou a carreira de técnico em 1994, no Cannes. Comandou também İstanbulspor, Al-Hilal, Konyaspor, Ankaragücü, Çaykur Rizespor e Ankaraspor. Foi eleito, nos Prêmios do Jubileu da UEFA, o melhor jogador bósnio dos 50 anos da entidade.

Em dezembro de 2009, foi confirmado como novo treinador da Seleção da Bósnia.[2] Sob seu comando, a equipe enfim conseguiu classificar-se pela primeira vez a uma Copa do Mundo FIFA, a de 2014, no Brasil, em uma celebração considerada como ocasião de integração em um país ainda marcado pelas diferenças entre as etnias internas.[3]

Após um mau início nas eliminatórias para a Eurocopa de 2016, Susić foi afastado do cargo em novembro de 2014, dando lugar a Mehmed Baždarević, com quem atuara na Eurocopa de 1984. Seu último trabalho foi no Évian Thonon Gaillard, da segunda divisão francesa, onde trabalhou entre julho de 2015 e janeiro de 2016, quando perdeu o emprego em decorrência dos maus resultados da equipe. Para seu lugar, foi contratado Romain Revelli.

Referências

  1. a b c d BRANDÃO, Caio. «Sušić, técnico da Bósnia, já marcou um hat-trick na Argentina». Consultado em 15 de junho de 2014 
  2. GloboEsporte.com. «Ex-jogador da Iugoslávia nas Copas de 82 e 90 é o novo técnico da Bósnia». Consultado em 29 de dezembro de 2009 
  3. STEIN, Leandro. «Como a Copa está transformando a Bósnia em um país só». Consultado em 15 de outubro de 2013 

Ligações externasEditar