Abrir menu principal

Saionji Kintsune

nobre do período Kamakura da história do Japão
Saionji Kintsune
西園寺公経
Saionji Kintsune
西園寺公経
Daijō Daijin
Dados pessoais
Nascimento 1171
Morte 2 de novembro de 1244 (73 anos)
linkWP:PPO#Japão

Saionji Kintsune (西園寺公経 1171 - 1244?), foi um Nobre do período Kamakura da História do Japão [1], foi o primeiro a usar o nome Saionji .

Vida e carreiraEditar

Seu pai era Fujiwara no Sanemune e sua mãe era filha de Jimyōin Motoie.

Em 1181 Kintsune foi nomeado Chamberlain , em 1185 foi nomeado como sub-oficial na província de Echizen e oficial na província de Bizen em 1186 . Por 1187 efoi transferido para a Província de Sanuki. Em 1198 ele foi promovido a Sangi , em 1200 foi lotado como vice-governador de Echizen, em 1206 foi promovido a Chūnagon , em 1218 tornou-se Dainagon .

Kintsune se casou com a filha de Ichijō Yoshiyasu , que tinha parentesco com o shogun Minamoto no Yoritomo , então Kintsune tornou-se muito próximo do shogunato Kamakura , no entanto, com o assassinato do terceiro shogun Minamoto no Sanetomo em 1219 ocorreu um vazio no poder do shogunato. Em 1221 , durante a Guerra Jōkyū esteve ao lado do Imperador Go-Toba , mas foi demitido do cargo de Dainagon e preso [2].

A partir daí decidiu se tornar um informante do shogunato e com a vitória deste sobre o imperador, conseguiu a liberdade. Após a guerra civil fortaleceu suas relações com o shogunato e se tornou Naidaijin em 1221, logo em seguida se tornou Daijō Daijin em 1222. Em 1223 após sua renúncia como Daijō Daijin passou o cargo para seu filho adotivo Kujō Michiie . Mais tarde Kintsune se tornaria o primeiro chefe do Kanto Mōshitsugi (embaixador do Shogunato Kamakura na Corte Imperial), uma nova instituição que serviria de elo de ligação entre a Corte Imperial, o Insei e o shogunato.

Fora Kintsune quem originalmente persuadira Go-Toba à indicar Kujō Yoritsune para shogun (1226), e como avô do jovem Senhor de Kamakura, gostava de usufruir do poder e da considerável influência. No entanto, por ser Saionji, um braço dos Fujiwara que não pertencia ao ramo dos regentes, escapou de ser culpado de se associar aos revoltosos na Guerra Jōkyū [3].

Em 1231 Kintsune abandona seus cargos na Corte para se tornar um monge budista e adotando o nome de Kakushō.

Com a morte do Imperador Shijo (que não tinha herdeiro) . em 1242 o Shogunato Kamakura foi envolvido na política de sucessão. Esta intromissão foi um legado da Guerra Jōkyū. Os candidatos eram o Príncipe Kunito, filho do Imperador Tsuchimikado, e o Príncipe Tadamari o filho do Imperador Juntoku. Kintsune, apoiava Tadamari como imperador, assim como Michiie e a maioria da Corte. Mas, por causa do envolvimento de Juntoku na Guerra Jōkyū, tiveram que buscar o consentimento do Shogunato [3].

Mas Juntoku ainda estava vivo. Embora vivendo no exílio, e o Bakufu não podia permitir que a sucessão fosse dada a seu filho, uma vez que isso poderia resultar em esforços para trazê-lo de volta a Quioto. Os líderes do Bakufu debateram o assunto e a escolha recaiu à Kunito (o futuro Imperador Go-Saga) apesar da oposição da Corte, era uma política diferente da que o Bakufu vinha realizando, e tornou-se um precedente. Posteriormente, Kamakura passa a controlar a política da sucessão, inaugurando um novo equilíbrio entre os poderes [3].

Quando o Bakufu declarou sua intenção de não permitir que a sucessão fosse entregue a Tadanari, Kintsune rapidamente passou a apoiar Kunito. Já Michiie continuou a apoiar Tadanari, isso gerou uma quebra nos laços que uniam Kintsune e Michiie que foi agravado com a entrega da regência para um dos filhos de Michiie, Nijō Yoshizane (Kintsune era avô de Yoshizane e tinha uma maior aproximação dele do que Michiie, que era distante de seu filho). Kintsune em troca do apoio conseguiu que sua neta se tornasse consorte de Go-Saga. Acabando com a exclusividade da consorte vir dos Kujō. Além disso, as ações de Kintsune ajudaram a dividir os filhos de Michiie nas casas Ichijo, Nijō e Kujō. E quando, em algumas gerações, os Takatsukasa se separam dos Konoe, a divisão do Sekke ficou completa. Importantes cargos no governo eram divididos entre as cinco casas regentes Fujiwara, mas os Saionji passaram a controlar a escolha da consorte, reduzindo o poder da linhagem regente para uma pálida sombra de sua antiga glória [3].

Morreu em 1244 aos 74 anos de idade [2].

Kintsune foi considerado uma pessoa versátil artisticamente, foi hábil com o Biwa e na poesia waka . Participou de várias competições waka em 1200 , 1201 , 1202 , 1220 e 1232 . Dez de seus poemas foram incluídos na antologia imperial Shin Kokin Wakashū e 30 poemas foram incluídos no Shinchokusen Wakashū . Um de seus poemas está incluído no Ogura Hyakunin Isshu e é considerado um dos Novos Trinta e seis Imortais da Poesia




Precedido por
Konoe Iezane
41º Daijō Daijin
(1222 - 1223)
Sucedido por
Kujō Yoshihira
Precedido por
Koga Michiteru
55º Naidaijin
(1221 - 1222)
Sucedido por
Konoe Kanetsune
Precedido por
Fujiwara no Sanemune
  -- 4º Líder dos Saionji Fujiwara
(1228 - 1244)
Sucedido por
Saionji Saneuji



Referências

  1. Jeffrey P. Mass Court and Bakufu in Japan: Essays in Kamakura History (em inglês) Stanford University Press, 1995 pp. 17-19 ISBN 9780804724739
  2. a b Delmer M.Brown e Ichirō Ishida, Gukanshō: The Future and the Past. Berkeley: University of California Press. p. 195-196 - nota 96. ISBN 9780520034600; OCLC 251325323
  3. a b c d Jeffrey P. Mass , Court and Bakufu in Japan: Essays in Kamakura History (em inglês) Stanford University Press, 1995 pp. 17 - 19 ISBN 9780804724739