Sargão II

(Redirecionado de Sargão II da Assíria)

Sargão II (em acádio: ܣܪܓܘܢ; romaniz.: Šarru-kīn , lit. "Rei legítimo") foi rei da Assíria que fundou a dinastia sargonida entre aproximadamente 722 e 705 a.C., e, tendo governado durante cerca de 16 anos. Subiu ao trono após a misteriosa morte de seu antecessor e possivelmente irmão, Salmaneser V em 722 a.C. Possivelmente terá sido filho de Tiglate-Pileser III, embora alguns historiadores afirmem que foi um usurpador do trono e alheio à família real.

Sargão II
Rei da Acádia e da Suméria
Rei dos Quatro Cantos do Mundo
Rei do Universo
Sargão (à direita) e seu dignitário (à esquerda).
Rei do Império Neoassírio
Consorte Raima
Antecessor(a) Salmanaser V
Sucessor(a) Senaqueribe
Reinado 722 a.C. - 705 a.C.
Rei da Babilônia
Reinado 710 a.C. - 705 a.C.
Predecessor Merodaque-Baladã II
Sucessor Senaqueribe
 
Dinastia sargonida
Nome completo Šarru-kīn
Nascimento 765 a.C.
  Ninrude
Morte 705 a.C.
  Tabal
Filho(s) Senaqueribe
4 filhos com nomes desconhecidos
Aatabisa
Pai Tiglate-Pileser III
Mãe Iabâ

ReinadoEditar

ProjetoEditar

 
Reconstrução do palácio de Sargão II em Dur-Sarruquim.

O maior projeto de construção de Sargão II foi a cidade de Dur Sarruquim (a atual Corsabade, Iraque), que se tornou uma das capitais do Império Neoassírio. O local da cidade escolhida pelo rei assírio foi perto de Ninrude (ou Calu).[1]

ConquistasEditar

 
Antigas fronteiras dos estados siros-hititas no norte do Levante por volta de 800 a.C., tanta que as primeiras batalhas de Sargão foram neste local.

Com uma meta de conquistas estendeu e consolidou os domínios legados por seus antecessores, Sargão II subjugou os caldeus de Merodaque-Baladã II, os arameus e elamitas na parte sul da Babilônia, sobre o reino de Urartu e também os povos do norte do território armênio, assim como sobre a Síria e Palestina, consolidando a expansão iniciada por seu pai, e impondo aos dominados o culto ao deus Assur, divindade epónima da Assíria.[2] Além disso, fez uma campanha para conquistar o reino de Carquemis em 717 a.C..

 
Mapa mostrando Urartu entre 715 a.C. e 713 a.C.. As invasões cimérias em Carquemis foram em 715 a.C., já de Sargão foram em 714 a.C..

Com a finalidade de ajudar seus aliados ameaçados por Rusa I, rei de Urartu e inimigo dos assírios, Sargão chegou ao Curdistão em 714 a.C.. Ele também foi o responsável pela primeira diáspora hebraica quando invadiu o reino de Samaria, prendendo Oséias por volta de 722 a.C.. Dois anos depois, Sargão invadiu Hamate, depôs o usurpador Iaubidi e levou seu povo ao exílio que, no total, era 6.000 de habitantes.[1]

Ainda neste ano, Sargão batalhou contra Arpade, Damasco e outras cidades que se rebelaram contra Assíria na Batalha de Carcar, assim, obtendo sucesso.

MorteEditar

 Ver artigo principal: Estela de Sargão II
 
Estela de Sargão no Museu de Harvard em Berlim.

Sargão II fez mais uma campanha, e esta foi contra Tabal (a atual Turquia), tentando se tornar uma outra província assíria, e deixou seu filho Senaqueribe como herdeiro do trono. Após a batalha, o rei assírio voltou ferido. Os soldados tentaram buscar a cura, mas não acharam, resultando a morte.[3]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b «Sargon II». Ancient History Encyclopedia. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  2. «Sargon II | Biography». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 6 de outubro de 2020 
  3. Inscrição antiga revela o que aconteceu à cidade prestes a tornar-se a capital da Assíria, por ZAP - 25 Abril, 2019
  Este artigo sobre reis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.