Abrir menu principal
Togo
Togo FA.png
Alcunhas?  Les Eperviers (os Gaviões)
Associação Fédération Togolaise de Football
Confederação CAF (África)
Material desportivo?  Alemanha Puma
Treinador Estados Unidos Charlie Edwards
Capitão Kossi Agassa
Mais participações Emmanuel Adebayor (82)
Melhor artilheiro Emmanuel Adebayor (34)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

A Seleção Togolesa de Futebol representa Togo nas competições do esporte. Também conhecida como Les Eperviers, é controlada pela Federação Togolesa de Futebol. O ponto mais alto da equipe foi a classificação inédita para a Copa do Mundo FIFA de 2006, mas o Togo não conquistou pontos na prova.

HistóriaEditar

Na história de Togo, nenhum título de grande relevância e apenas algumas presenças na Copa Africana de Nações. E ainda assim, foi a seleção dirigida por um dos contemporâneos de Bwalya, o nigeriano Stephen Keshi, que foi conquistada a vaga inesperada para a copa de 2006. Keshi, capitão da Nigéria na Copa do Mundo FIFA de 1994, elaborou uma equipe vencedora com um grupo de jogadores sem reconhecimento internacional.

A proeza dos togoleses não pode, no entanto, mascarar fatos controversos ao longo da campanha. A vitória por 2 a 1 sobre Mali, em março, provocou uma série de tumultos na capital Bamako, incluindo a destruição de carros e saques a lojas. No começo de junho, a goleada de 4 a 1 sobre a Zâmbia ficou marcada por decisões polêmicas do árbitro marroquino a favor de Togo.

 
Seleção Togolesa de Futebol. Atletas em pé: Adebayor, Erassa, Abalo, Aziawonou, Nibombé e Tchagnirou. Agachados: Olufade, Romao, Agboh, Kader e Dossevi.

O resultado decisivo para a classificação foi o empate fora de casa contra Senegal, em junho, deixando o país com claras chances para se classificar. Uma conquista histórica para quem só tem dois jogadores de nível internacional: Emmanuel Adebayor, atacante do Arsenal e Mamam Cherif-Touré, jogador do Metz. Eles assumiram a condição de líderes e marcaram 14 gols juntos nas eliminatórias.

A participação de Togo na Copa do Mundo FIFA de 2006 foi conturbada. A Federação local prometeu uma premiação em dinheiro pela classificação para o Mundial. Ao chegarem na Alemanha, os atletas acusaram os dirigentes da federação local de reter os prêmios em dinheiro, prometendo o pagamento em caso de classificação da seleção para as oitavas-de-final. Como a equipe perdeu os dois primeiros jogos contra Coreia do Sul e Suíça, e não tinham mais chances de classificação, os jogadores ameaçaram não entrar em campo no último jogo contra a França pelo não pagamento do prêmio. A FIFA foi obrigada a intervir na questão, para forçar a Federação local a pagar a premiação aos atletas.

Mais tarde, os dirigentes da Federação Togolesa acusaram publicamente a FIFA de pagar um valor insignificante para a participação da Seleção no Mundial. A FIFA disse que o valor pago pela entidade pela participação é igual para todas as seleções participantes. Como prova, exibiu os balanços da entidade, com o pagamento oficial de premiações pela participação no torneio. A FIFA exigiu da Federação Togolesa um pedido oficial de desculpas, sob pena de exclusão de Togo das principais competições da FIFA, o que foi imediatamente feito.

Penúltimo no ranking da FIFA entre os 32 participantes, o Togo foi eliminado já na primeira fase da Copa do Mundo de 2006, ficando em 30° lugar.

Ataque terrorista em 2010Editar

Em 8 de janeiro de 2010, a seleção foi vítima de um ataque terrorista no traslado da delegação para a Copa das Nações Africanas, realizada em Angola.[2] O ônibus da delegação foi metralhado cinco minutos após cruzar a fronteira do país. O grupo rebelde de Cabinda, que briga pela independência da região, assumiu a autoria do atentado. O motorista do ônibus, um assessor de imprensa e um assistente técnico morreram e dois jogadores ficaram feridos.[3]

No dia seguinte a delegação decidiu abandonar o torneio.[4] A decisão de abandonar a competição resultou na suspensão da seleçao das duas próximas edições da Copa africana.[5] A Federação Togolesa de Futebol, no entanto, entrou com um recurso na Corte Arbitral do Esporte (TAS, em francês) contra a punição da Confederação Africana.[6]

Elenco atualEditar

Ver tambémEditar

Referências