Abrir menu principal

Campeonato Africano das Nações

(Redirecionado de Copa das Nações Africanas)
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Campeonato Africano das Nações
Logo usado na edição de 2012 do campeonato
Dados gerais
Organização CAF
Edições 32
Local de disputa África
Sistema Fase de grupos e mata-mata
Soccerball current event.svg Edição atual
editar

O Campeonato Africano das Nações (português angolano), também conhecido como Taça das Nações Africanas (português europeu) ou Copa Africana de Nações (português brasileiro), é a principal competição de futebol entre seleções do continente africano. Organizado pela Confederação Africana de Futebol, foi realizado pela primeira vez em 1957, sendo praticado a cada dois anos desde a edição de 1968, antes em intervalos irregulares.

Na primeira edição, apenas três seleções participaram: Egito, Sudão e Etiópia. A África do Sul estava originalmente programada para competir, mas foi desqualificada devido às políticas de apartheid do governo na época. Desde então, o campeonato cresceu significativamente, tornando-se necessário criar um torneio de qualificação. O número de equipes participantes na fase final chegou a 24 em 2019, mantendo-se assim até o momento. Em 2010, a Angola sediou de forma inédita sob o título de país africano de língua oficial portuguesa.

Após 31 edições realizadas, o Egito é a nação mais bem sucedida na história da copa, detendo um recorde de 7 títulos (incluindo quando ficou conhecido como a República Árabe Unida entre 1958 e 1961). A Argélia é a atual campeã após derrotar o Senegal por 1 a 0 na final de 2019. Com a conquista, a seleção argelina chegou ao 2º título da Copa Africana de Nações.

Índice

HistóriaEditar

Origem e primeiros anos (1956-1962)Editar

A origem da Copa Africana de Nações data de junho de 1956, altura em que a criação da Confederação Africana de Futebol foi proposta durante o terceiro congresso da FIFA, em Lisboa. Havia planos imediatos para a realização de um torneio continental e, em fevereiro de 1957, a primeira Copa Africana de Nações foi realizada em Cartum, no Sudão. Não havia qualificação para esse torneio, sendo ele composto pelas quatro nações fundadoras da CAF (Egito, Sudão, Etiópia e África do Sul). A insistência da África do Sul em selecionar apenas jogadores brancos para seu plantel devido a política de apartheid culminou em sua desqualificação e como consequência a Etiópia avançou automaticamente para a final.[1] Assim, apenas dois jogos foram disputados, com o Egito sendo coroado o primeiro campeão continental depois de derrotar o anfitrião Sudão na semifinal e a Etiópia na final. Dois anos depois, em 1959, Egito e Síria se fundem para formar a República Árabe Unida, na qual recebe a segunda edição, no Cairo, com a participação das mesmas três equipes. O anfitrião, Egito, venceu novamente.

A competição cresceu e pela primeira vez houve uma fase de qualificação para determinar quais times jogariam pelo título de 1962, em Adis Abeba. A anfitriã, Etiópia, e o atual detentor do título, Egito, qualificaram-se de forma automática e se juntaram a Tunísia e Uganda. O Egito fez sua terceira aparição consecutiva em final, mas foi a Etiópia que emergiu como vitoriosa depois de vencer a Tunísia e derrubar os egípcios na prorrogação.

Dominação ganesa (1963-1970)Editar

Em 1963, o torneio final se expande e recebe seis equipes, divididas em dois grupos de três. A seleção de Gana fez sua primeira aparição como anfitrião do evento e ganhou o título depois de derrotar o Sudão na final. Eles repetiram isso quando se tornaram campeões dois anos depois na Tunísia — igualando o Egito como duas vezes vencedoras — com uma equipe que incluia apenas dois membros da equipe de 1963.[2] Vale ressaltar que a partir dessa edição a competição foi renomeada de Copa Africana para Copa Africana de Nações.

Em 1965, a CAF introduziu uma regra que limitava o número de jogadores estrangeiros em cada equipe a dois. A regra persistiu até 1982. Posteriormente, o formato do torneio final de 1968 novamente aumenta para incluir oito das vinte e duas equipes inscritas nas rodadas preliminares. As equipes classificadas foram distribuídas em dois grupos de quatro, com as duas melhores colocadas de cada grupo avançando para as semifinais, um sistema que permaneceu em uso até 1992. A República Democrática do Congo venceu seu primeiro título, batendo Gana na final. Para os ganeses, essa foi a sua primeira derrota após somar oito vitórias e dois empates desde sua estreia.

Começando com o torneio de 1968, a competição tem sido regularmente realizada a cada dois anos em anos pares. No que diz respeito à artilharia, o atacante Laurent Pokou, da Costa do Marfim, liderou os torneios de 1968 e 1970, com seis e oito gols, respectivamente, e seu total de 14 gols permaneceu como recorde até 2008. A cobertura foi televisionada pela primeira vez durante o torneio de 1970, em Sudão,[2] quando os anfitriões ergueram o troféu ao derrotar Gana — que estava jogando sua quarta final consecutiva.

Uma década de campeões (1972-1980)Editar

Cinco nações diferentes ganharam títulos de 1972 a 1980: Congo, Zaire, Marrocos, Gana e Nigéria. O segundo título do Zaire na edição de 1974 (venceram o primeiro como República Democrática do Congo) surgiu depois de enfrentar a Zâmbia na final. Pela única vez até hoje na história da competição, a partida teve que ser repetida quando a primeira disputa entre os dois times terminou em um empate por 2 a 2 depois da prorrogação. A final de desempate aconteceu dois dias depois com o Zaire vencendo por 2 a 0. O atacante Mulamba Ndaye marcou todos os quatro gols do Zaire nesses dois jogos, também sendo o artilheiro do torneio com nove gols e estabelecendo um recorde de torneio único que permanece até os dias atuais. Três meses antes, o Zaire havia se tornado o primeiro país da África subsaariana a se classificar para a Copa do Mundo da FIFA. Marrocos conquistou seu primeiro título na Copa Africana de Nações de 1976, realizada na Etiópia; Gana, seu terceiro campeonato em 1978, tornando-se o primeiro país a conquistar três títulos; e Nigéria, em 1980, também seu primeiro título após hospedar o evento.

Dominação de Camarões, Nigéria e Argélia (1980-1990)Editar

Na década de 1980, Camarões conseguiu chegar a final da copa por três vezes consecutivas, vencendo a competição duas vezes em 1984 e 1988 e perdendo uma vez nos pênaltis contra o Egito na edição de 1986. A outra equipe recorrente nesse período foi a Argélia, juntamente com suas aparições nos mundiais de 1982 e 1986, chegando nas semifinais de todas as edições, menos a de 1986, até vencer a competição em 1990, ao ganhar da Nigéria, na qual obtinha o terceiro vice-campeonato em um intervalo de quatro competições, além de ter vencido a própria Argélia na final de 1980. O quarto título continental de Gana foi disputado na edição de 1982, onde bateu em uma disputa de pênaltis a anfitriã, Líbia, na final.

O retorno da África do Sul (1992-1998)Editar

A Copa Africana de Nações de 1992 ampliou o número de participantes para doze, com as equipes sendo divididas em quatro grupos de três e as duas melhores de cada grupo avançando para as quartas de final. O meia ganês Abedi Pelé, que marcou três gols, foi eleito o melhor jogador do torneio depois que suas contribuições ajudaram Gana a chegar na final, no entanto ele foi suspenso para a partida e a seleção ganesa perdeu para a Costa do Marfim em uma disputa de pênaltis que viu cada lado fazer 11 tentativas para determinar o vencedor. Somando-se a isso, Costa do Marfim estabeleceu um recorde para a competição, conquistando-a sem levar gols nas cinco partidas.

O formato de doze equipes e três grupos foi usado novamente dois anos depois, onde a anfitriã, Tunísia, foi humilhada pela eliminação ainda na primeira fase. A Nigéria, que se classificou para a Copa do Mundo pela primeira vez em sua história, venceu o torneio derrotando a Zâmbia, que um ano antes havia sido atingida pelo desastre quando a maior parte do seu time morreu em um acidente de avião enquanto viajava para jogar pelas eliminatórias da Copa do Mundo. O atacante nigeriano Rashidi Yekini, que liderou o torneio de 1992 com quatro gols, repetiu-se como o maior goleador com cinco gols.

A África do Sul sediou a 20º competição da CAN, em 1996, marcando sua primeira aparição depois de décadas de suspensão do fim do apartheid no país e uma tentativa fracassada de se classificar em 1994. O número de participantes em 1996 foi expandido para 16, divididos em quatro grupos. No entanto, o número real de equipes foi de apenas 15, uma vez que a Nigéria se retirou do torneio no momento final por razões políticas.[3] Os Bafana Bafana conquistaram seu primeiro título em casa derrotando a Tunísia na final.[4]

Os sul-africanos chegaram novamente na final em 1998, em Burkina Faso, mas foram derrotados pelo Egito por 2 – 0, que conquistou o seu quarto título. O jogo pelo terceiro lugar entre Burkina Faso e República Democrática do Congo foi marcado por uma memorável reação dos congoleses, nos quais marcaram três gols nos últimos cinco minutos do tempo regulamentar para finalmente vencerem nos pênaltis.

O bicampeonato de Camarões (2000-2004)Editar

A edição de 2000 foi organizada em conjunto por Gana e Nigéria, substituindo o anfitrião originalmente designado Zimbabwe. Após um empate de 2 a 2 após a prorrogação na final, Camarões derrotou a Nigéria nos pênaltis. Em 2002, os Leões Indomáveis conseguiram o segundo título consecutivo desde o feito de Gana no anos 1960 e do Egito em 1957 e 1959. Novamente via pênaltis, os camaroneses venceram Senegal pela primeira vez, que também estreou na Copa do Mundo no final daquele ano. Os dois finalistas foram eliminados nas quartas de final, dois anos depois, na Tunísia, onde os anfitriões conquistaram seu primeiro título vencendo Marrocos por 2 a 1 na final.

Os recordes egípcios (2006-2010)Editar

 
Egito contra Camarões na final da Copa Africana de Nações de 2008

No torneio de 2006, novamente o país organizador ganha o troféu, nesse caso o Egito, a primeira nação a alcançar o recorde continental de cinco títulos.

Antes da Copa Africana de Nações de 2008, vários clubes europeus pediram que se repensasse a programação do torneio. Como acontece durante a temporada europeia, os jogadores envolvidos perdem várias partidas pelos seus clubes.[5] Em janeiro de 2008, o presidente da FIFA, Joseph Blatter, anunciou que queria a realização do torneio em junho ou julho até 2016, mas isso impediria muitos países da África Central e Ocidental de sediar a competição, uma vez que a estação chuvosa ocorre nesses meses.[6] O torneio de 2008 foi realizado em Gana, com o Egito vencendo o seu sexto torneio recorde ao derrotar Camarões por 1 a 0 na final.

O Egito estabeleceu um novo recorde no torneio de 2010, em Angola, ao conquistar seu terceiro título consecutivo após vencer todos os jogos, incluindo Gana por 1 a 0 na final, estendendo seu recorde para 7 títulos continentais (incluindo quando ficou conhecido como a República Árabe Unida entre 1958 e 1961).[7] O Egito se tornou o primeiro país africano a conquistar três copas consecutivas e se juntou ao México, Argentina e Irã, que também conquistaram a copa do continente três vezes seguidas. Além disso, em 31 de janeiro de 2010, o Egito estabeleceu dois novos recordes africano, não sendo derrotado por 19 jogos consecutivos da Copa das Nações, desde uma derrota por 2 a 1 contra a Argélia na Tunísia em 2004, e por vencer nove vezes consecutivamente.

Desde 2012 (2012-atualmente)Editar

Em maio de 2010, foi anunciado que o torneio seria transferido para anos ímpares a partir de 2013, a fim de evitar que ocorresse no mesmo ano da Copa do Mundo. Isso também significou que houve dois torneios durante um intervalo de doze meses, em janeiro de 2012 (coorganizado pelo Gabão e Guiné Equatorial) e em janeiro de 2013 (organizado pela África do Sul).[8] Além disso, alguns campeões continentais anteriores, como o Egipto, Zâmbia e Costa do Marfim (vencedores das edições de 2010, 2012 e 2015, respectivamente) foram impedidos de participar da Copa das Confederações da FIFA, uma vez que ela passou a acontecer a cada quatro anos, deixando de ser bienal.

Em 29 de janeiro de 2011, o Marrocos ganhou a candidatura para sediar a edição de 2015; a Líbia, a de 2013. Porém, em virtude da guerra civil líbia de 2011, Líbia e a África do Sul trocaram-se como anfitrião, com a África do Sul hospedando em 2013 e a Líbia recebendo a hospedagem em 2017 (embora a CAF posteriormente decidiu realizar no Gabão devido aos atuais combates no território libanês).[9][10]

Em 2014, ocorreu epidemia do vírus Ebola na África Ocidental. O Estádio Antoinette Tubman, em Monróvia, na Libéria, foi convertido em uma unidade de tratamento e em 24 de julho, a Libéria suspendeu todas as atividades de futebol.[11] A Copa Africana de Nações de 2015 estava programada para ser realizada no Marrocos, mas eles se recusaram a realizar o torneio nas datas indicadas devido a preocupações com o surto do vírus, sendo então transferida para a Guiné Equatorial.[12]

TítulosEditar

Por ediçõesEditar

Ano Sede Final Terceiro lugar Times
Campeão Placar Vice-campeão
1957
Detalhes
 
Sudão
 
Egito
4 – 0  
Etiópia
 
Sudão
3/4
1959
Detalhes
 
República Árabe Unida
 
República Árabe Unida
2 – 1[nota 1]  
Sudão
 
Etiópia
3/4
Ano Sede Final Decisão do terceiro lugar Times
Campeão Placar Vice-campeão Terceiro lugar Placar Quarto lugar
1962
Detalhes
 
Etiópia
 
Etiópia
4 – 2 (pro)  
República Árabe Unida
 
Tunísia
3 – 0  
Uganda
4
1963
Detalhes
 
Gana
 
Gana
3 – 0  
Sudão
 
República Árabe Unida
3 – 0  
Etiópia
6
1965
Detalhes
 
Tunísia
 
Gana
3 – 2 (pro)  
Tunísia
 
Costa do Marfim
1 – 0  
Senegal
6
1968
Detalhes
 
Etiópia
 
R.D. do Congo
1 – 0  
Gana
 
Costa do Marfim
1 – 0  
Etiópia
8
1970
Detalhes
 
Sudão
 
Sudão
1 – 0  
Gana
 
República Árabe Unida
3 – 1  
Costa do Marfim
8
1972
Detalhes
 
Camarões
 
Congo
3 – 2  
Mali
 
Camarões
5 – 2  
Zaire
8
1974
Detalhes
 
Egito
 
Zaire
2 – 2  
Zâmbia
 
Egito
4 – 0  
Congo
8
Jogo desempate: 2 – 0
1976
Detalhes
 
Etiópia
 
Marrocos
N/A[nota 2]  
Guiné
 
Nigéria
N/A[nota 2]  
Egito
8
1978
Detalhes
 
Gana
 
Gana
2 – 0  
Uganda
 
Nigéria
2 – 0[nota 3]  
Tunísia
8
1980
Detalhes
 
Nigéria
 
Nigéria
3 – 0  
Argélia
 
Marrocos
2 – 0  
Egito
8
1982
Detalhes
 
Líbia
 
Gana
1 – 1 (pro)
7 – 6 (pen)
 
Líbia
 
Zâmbia
2 – 0  
Argélia
8
1984
Detalhes
 
Costa do Marfim
 
Camarões
3 – 1  
Nigéria
 
Argélia
3 – 1  
Egito
8
1986
Detalhes
 
Egito
 
Egito
0 – 0 (pro)
5 – 4 (pen)
 
Camarões
 
Costa do Marfim
3 – 2  
Marrocos
8
1988
Detalhes
 
Marrocos
 
Camarões
1 – 0  
Nigéria
 
Argélia
1 – 1 (pro)
4 – 3 (pen)
 
Marrocos
8
1990
Detalhes
 
Argélia
 
Argélia
1 – 0  
Nigéria
 
Zâmbia
1 – 0  
Senegal
8
1992
Detalhes
 
Senegal
 
Costa do Marfim
0 – 0 (pro)
11 – 10 (pen)
 
Gana
 
Nigéria
2 – 1  
Camarões
12
1994
Detalhes
 
Tunísia
 
Nigéria
2 – 1  
Zâmbia
 
Costa do Marfim
3 – 1  
Mali
12
1996
Detalhes
 
África do Sul
 
África do Sul
2 – 0  
Tunísia
 
Zâmbia
1 – 0  
Gana
15/16
1998
Detalhes
 
Burkina Faso
 
Egito
2 – 0  
África do Sul
 
R.D. do Congo
4 – 4 (pro)
4 – 1 (pen)
 
Burkina Faso
16
2000
Detalhes
  Gana
  Nigéria
 
Camarões
2 – 2 (pro)
4 – 3 (pen)
 
Nigéria
 
África do Sul
2 – 2 (pro)
4 – 3 (pen)
 
Tunísia
16
2002
Detalhes
 
Mali
 
Camarões
0 – 0 (pro)
3 – 2 (pen)
 
Senegal
 
Nigéria
1 – 0  
Mali
16
2004
Detalhes
 
Tunísia
 
Tunísia
2 – 1  
Marrocos
 
Nigéria
2 – 1  
Mali
16
2006
Detalhes
 
Egito
 
Egito
0 – 0 (pro)
4 – 2 (pen)
 
Costa do Marfim
 
Nigéria
1 – 0  
Senegal
16
2008
Detalhes
 
Gana
 
Egito
1 – 0  
Camarões
 
Gana
4 – 2  
Costa do Marfim
16
2010
Detalhes
 
Angola
 
Egito
1 – 0  
Gana
 
Nigéria
1 – 0  
Argélia
15/16
2012
Detalhes
  Gabão
  Guiné Equatorial
 
Zâmbia
0 – 0 (pro)
8 – 7 (pen)
 
Costa do Marfim
 
Mali
2 – 0  
Gana
16
2013
Detalhes
 
África do Sul
 
Nigéria
1 – 0  
Burkina Faso
 
Mali
3 – 1  
Gana
16
2015
Detalhes
 
Guiné Equatorial
 
Costa do Marfim
0 – 0 (pro)
9 – 8 (pen)
 
Gana
 
RD Congo
0 – 0 (pro)
4 – 2 (pen)
 
Guiné Equatorial
16
2017
Detalhes
 
Gabão
 
Camarões
2 – 1  
Egito
 
Burkina Faso
1 – 0  
Gana
16
2019
Detalhes
 
Egito
 
Argélia
1 – 0  
Senegal
 
Nigéria
1 – 0  
Tunísia
24
2021
Detalhes
 
Camarões
A ser jogado A ser jogado TBD
2023
Detalhes
 
Costa do Marfim
A ser jogado A ser jogado TBD
2025
Detalhes
 
Guiné
A ser jogado A ser jogado TBD
  1. Em 1959, os três times jogaram entre si uma vez. A vitória por 2 a 1 sobre o Sudão que tornou o Egito campeão também foi o último jogo do campeonato.
  2. a b Não houve uma partida final oficial em 1976. O torneio foi decidido em um grupo único disputado por quatro equipes.
  3. Em 1978, o terceiro lugar recebeu o resultado de 2 a 0 para a Nigéria depois que a Tunísia desistiu da disputa empatada em 1 a 1 no 42ª minuto.

Por seleçõesEditar

 
  Campeão
  Vice-campeão
  3° colocado
  Nunca alcançou o pódio
  Nunca se classificou
  Não filiado à CAF
Pos. País Títulos Vice-campeonatos 3ª colocação 4ª colocação
1   Egito 7 (1957, 1959[nota 1], 1986, 1998, 2006, 2008, 2010) 2 (1962, 2017) 3 (1963, 1968, 1974) 3 (1976, 1980, 1984)
2   Camarões 5 (1984, 1988, 2000, 2002, 2017) 2 (1986, 2008) 1 (1972) 1 (1992)
3   Gana 4 (1963, 1965, 1978, 1982) 5 (1968, 1970, 1992, 2010, 2015) 1 (2008) 4 (1996, 2012, 2013, 2017)
4   Nigéria 3 (1980, 1994, 2013) 4 (1984, 1988, 1990, 2000) 8 (1976, 1978, 1992, 2002, 2004, 2006, 2010, 2019) 0
5   Costa do Marfim 2 (1992, 2015) 2 (2006, 2012) 4 (1965, 1968, 1986, 1994) 2 (1970, 2008)
6   Argélia 2 (1990, 2019) 1 (1980) 2 (1984, 1988) 2 (1982, 2010)
7   RD Congo 2 (1968, 1974[nota 2]) 0 2 (1998, 2015) 1 (1972)
8   Zâmbia 1 (2012) 2 (1974, 1994) 3 (1982, 1990, 1996) 0
9   Tunísia 1 (2004) 2 (1996, 1965) 1 (1962) 3 (1978, 2000, 2019)
10   Sudão 1 (1970) 2 (1959, 1963) 1 (1957) 0
11   Etiópia 1 (1962) 1 (1957) 1 (1959) 2 (1963, 1968)
  Marrocos 1 (1976) 1 (2004) 1 (1980) 2 (1986, 1988)
12   África do Sul 1 (1996) 1 (1998) 1 (2000) 0
13   Congo 1 (1972) 0 0 1 (1974)
14   Senegal 0 2 (2002, 2019) 0 3 (1965, 1990, 2006)
15   Mali 0 1 (1972) 2 (2012, 2013) 3 (1994, 2002, 2004)
16   Burkina Faso 0 1 (2013) 1 (2017) 1 (1998)
17   Uganda 0 1 (1978) 0 1 (1962)
18   Guiné 0 1 (1976) 0 0
  Líbia 0 1 (1982) 0 0
19   Guiné Equatorial 0 0 0 1 (2015)
  1. Título conquistado como República Árabe Unida.
  2. Título conquistado como Zaire.

Por federaçõesEditar

Federação regional Campeões Títulos
UNAF (Norte da África)   Egito (7)
  Argélia (2)
  Marrocos (1)
  Tunísia (1)
11
WAFU (África Ocidental)   Gana (4)
  Nigéria (3)
  Costa do Marfim (2)
9
UNIFFAC (África Central)   Camarões (5)
  RD Congo (2)
  Congo (1)
8
CECAFA (África Oriental)   Etiópia (1)
  Sudão (1)
2
COSAFA (Sul da África)   África do Sul (1)
  Zâmbia (1)
2

Estatísticas e recordesEditar

Maiores goleadasEditar

Data Cidade Mandante Placar Visitante
10 de fevereiro de 1970 Cartum   Costa do Marfim 6 – 1   Etiópia
28 de janeiro de 2012 Franceville   Botsuana 1 – 6   Guiné
3 de fevereiro de 2008 Sekondi-Takoradi   Costa do Marfim 5 – 0   Guiné
19 de novembro de 1965 Túnis   Senegal 5 – 1   Etiópia
5 de julho de 1990 Argel   Argélia 5 – 1   Nigéria
20 de janeiro de 1996 Bloemfontein   Zâmbia 5 – 1   Burkina Faso

Recordes de gols marcados e por partidaEditar

Ano Partidas Gols marcados Gols por partida
1957 2 7 3,50
1959 3 8 2,67
1962 4 18 4,50
1963 8 33 4,13
1965 8 31 3,88
1968 16 52 3,25
1970 16 51 3,19
1972 16 53 3,31
1974 17 54 3,18
1976 18 54 3,00
1978 16 38 2,38
1980 16 33 2,06
1982 16 32 2,00
1984 16 39 2,44
1986 16 31 1,94
1988 16 23 1,44
1990 16 30 1,88
1992 20 34 1,70
1994 20 44 2,20
1996 29 78 2,69
1998 32 93 2,91
2000 32 73 2,28
2002 32 48 1,50
2004 32 88 2,75
2006 32 73 2,28
2008 32 99 3,09
2010 29 71 2,45
2012 32 76 2,38
2013 32 69 2,16
2015 32 68 2,13
2017 32 66 2,06
2019 52 102 1,96

Primeiras aparições na fase finalEditar

Ano País Total
1957   Egito
  Etiópia
  Sudão
3
1959 Nenhum 0
1962   Tunísia
  Uganda
2
1963   Gana
  Nigéria
2
1965   Costa do Marfim
  República Democrática do Congo
  Senegal
3
1968   Argélia
  Congo
2
1970   Camarões
  Guiné
2
1972   Mali
  Marrocos
  Quênia
  Togo
4
1974   Maurícia
  Zâmbia
2
1976 Nenhum 0
1978   Burkina Faso (como Alto Volta) 1
1980   Tanzânia 1
1982   Líbia 1
1984   Malawi 1
1986   Moçambique 1
1988 Nenhum 0
1990 Nenhum 0
1992 Nenhum 0
1994   Gabão
  Serra Leoa
2
1996   África do Sul
  Angola
  Libéria
3
1998   Namíbia 1
2000 Nenhum 0
2002 Nenhum 0
2004   Benim
  Ruanda
  Zimbabwe
3
2006 Nenhum 0
2008 Nenhum 0
2010 Nenhum 0
2012   Botswana
  Guiné Equatorial
  Níger
3
2013   Cabo Verde 1
2015 Nenhum 0
2017   Guiné-Bissau 1
2019   Burundi
  Madagáscar
  Mauritânia
3
Total 42

Países ainda a se classificar à fase finalEditar

ReformasEditar

Sob a presidência de Ahmad Ahmad, houve discussões sobre novas mudanças na Copa Africana de Nações. Em julho de 2017, duas alterações foram propostas:

  • Mudar a competição de janeiro para o verão.
  • Expansão de 16 para 24 equipes (a partir da edição de 2019).

Em 20 de julho de 2017, o Comitê Executivo da CAF aprovou as proposições em uma reunião em Rabat, Marrocos.[13]

TroféuEditar

 
O troféu atual

Ao longo da história da Copa Africana de Nações, três troféus diferentes foram atribuídos aos vencedores da competição. O troféu original, feito de prata, foi o Troféu Abdelaziz Abdallah Salem, batizado em homenagem ao primeiro presidente da CAF, o egípcio Abdelaziz Abdallah Salem. Como o primeiro vencedor de três torneios da Copa Africana de Nações, Gana obteve o direito de manter permanentemente o troféu em 1978.

O segundo troféu foi premiado de 1980 a 2000 e recebeu o nome de Troféu da Unidade Africana ou Copa da Unidade Africana. Entregue à CAF pelo Supremo Conselho de Esportes da África antes do torneio de 1980, era uma peça cilíndrica com os anéis olímpicos sobre um mapa do continente gravado em seu corpo, tendo uma base quadrada e alças triangulares estilizadas. Camarões permaneceu com o troféu indefinidamente após se tornar tricampeão em 2000.

Em 2001, o terceiro troféu foi revelado, um copo banhado a ouro projetado e fabricado na Itália. Camarões, detentores permanentes do troféu anterior, foram a primeira nação a receber o novo troféu depois de terem vencido a edição de 2002. O Egito, por sua vez, permaneceu com a taça banhada a ouro de forma permanente ao conquistar o seu terceiro título em 2010. Ao contrário dos vencedores anteriores, que levaram o troféu para casa, o Egito recebeu uma réplica em tamanho real na qual puderam manter. Vencedores de primeira e segunda vez geralmente recebem uma réplica de tamanho menor para seus gabinetes de troféus.[14]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «How it all began» (em inglês). BBC Sport. 14 de dezembro de 2001. 
  2. a b «The early years» (em inglês). BBC Sport. 16 de janeiro de 2004. 
  3. «SA to meet Nigeria» (em inglês). BBC Sport. 12 de outubro de 2004. 
  4. «African Cup of Nations: 1980-2002» (em inglês). BBC Sport. 16 de janeiro de 2004. 
  5. «Clubs want African Cup rethink» (em inglês). BBC Sport. 12 de dezembro de 2007. 
  6. «Blatter wants Cup of Nations move» (em inglês). BBC Sport. 17 de janeiro de 2008. 
  7. «Ghana 0-1 Egypt» (em inglês). BBC Sport. 31 de janeiro de 2010. 
  8. «Africa Cup of Nations Cup to move to odd-numbered years» (em inglês). BBC Sport. 16 de maio de 2010. 
  9. «South Africa replace Libya as 2013 Nations Cup hosts» (em inglês). BBC Sport. 28 de setembro de 2011. 
  10. «Libya stripped of right to host 2017 Nations Cup» (em inglês). Eurosport. 23 de agosto de 2014. 
  11. «Ebola outbreak: Liberia suspends football» (em inglês). BBC News. 29 de julho de 2014. 
  12. «2015 Nations Cup: Equatorial Guinea to host tournament» (em inglês). BBC Sport. 14 de novembro de 2014. 
  13. «Decisions of CAF Executive Committee – 20 July 2017» (em inglês). Confederação Africana de Futebol. 20 de julho de 2017. 
  14. «Nations Cup trophy revealed» (em inglês). BBC Sport. 25 de setembro de 2001. 

Ligações externasEditar