Sigtuna (Nuvola apps arts.svg OUÇA A PRONÚNCIA) é uma cidade da Suécia, situada no sul da província da Uppland, na região histórica da Svealand, no centro do país. [2][3] Pertence à comuna de Sigtuna, no condado de Estocolmo. [2] Tem uma área de 5,47 km² e uma população de 9 592 habitantes (2018). [4] Está localizada num pequeno fiorde do lago Mälaren, a uma distância de 48 quilômetros da capital Estocolmo. [2]

Suécia Sigtuna 
  Cidade  
A rua Stora gatan, existente desde o século X
A rua Stora gatan, existente desde o século X
Símbolos
Brasão de armas de Sigtuna
Brasão de armas
Localização
Ruínas da Igreja de São Pedro (século XII)
Ruínas da Igreja de São Pedro (século XII)
Sigtuna está localizado em: Suécia
Sigtuna
Localização de Sigtuna
Coordenadas 59° 37' N 17° 43' E
Região Svealand
Província Uppland
Condado Estocolmo
Comuna Sigtuna
Características geográficas
Área total [1] 5,47 km²
População total (2018) [1] 9 592 hab.
Sítio www.sigtuna.se

Etimologia e usoEditar

O nome geográfico Sigtuna tem origem incerta e debatida. Possivelmente, deriva das palavras sik (terreno alagado) e tuna (local de comércio). A cidade está mencionada como Sihtunum, no século XI, e como Sigituna em 1120. [5]

HistóriaEditar

A cidade medieval de Sigtuna é uma das mais antigas da Suécia. Foi fundada por volta de 970-980 por iniciativa do poder real na região. Tanto o rei Érico, o Vitorioso como o seu filho Olof, o Tesoureiro estiveram envolvidos no estabelecimento da cidade. Sucedeu à antiga cidade viking de Birka – situada a cerca de 30 km a norte – quando esta entrou em decadência. Sigtuna tinha melhor acessibilidade ao comércio no lago Mälaren, tinha melhores condições de defesa e consolidava a posição real no vale do Mälaren. Apesar de Birka ter sido a primeira cidade do país, Sigtuna é a cidade sueca mais antiga ainda existente, tendo sido o centro de irradiacão do cristianismo na Svealand e uma urbe comercial próspera com intenso comércio com a Rússia. [6][7][8][9]

Nos dois primeiros séculos de sua existência, prosperou como residência da coroa (kungsgård), recebendo os reis e os grandes senhores da época. Com o fim da missão cristã em Birka, os missionários cristãos estabeleceram uma base em Sigtuna, tendo aí residido um bispo (ca. 1060–1130), antes de este mudar para Velha Uppsala. Foi nesta cidade que pela primeira vez se cunhou moeda na Suécia, no reinado de Olavo, o Tesoureiro (r. 990–1030). [10][11][12]

O seu declínio ficou selado quando foi atacada e pilhada em 1187 por guerreiros da Estónia, sob ordens da República de Novogárdia (hoje na Rússia). Com a destruicão de Sigtuna, foi a vez de Uppsala ascender à posição liderante na comunidade cristã local da época. [8][12]

No século XIII, Sigtuna voltou a renascer em torno de um grande convento fundado pelos dominicanos. [13][12]

Nos nossos dias, a cidade ganhou mais uma vez um papel importante na vida cultural e espiritual do país através de vários colégios internos e centros de conferências. A sua proximidade ao aeroporto de Arlanda faz com que os transportes e comunicacões sejam o principal esteio da sua economia. [12][14]

ComunicaçõesEditar

Sigtuna dista poucos quilómetros da cidade de Märsta, que é servida pela estrada europeia E4 (UppsalaEstocolmo) e por via férrea para Uppsala e Estocolmo. [15]

EducaçãoEditar

É um importante centro de ensino, contando com a Escola Superior Popular de Sigtuna (Sigtuna Folkhögskola), a Escola Secundária de Humanidades de Sigtuna (Sigtunaskolan Humanistiska Läroverket) e o Museu de Sigtuna (Sigtuna museum). [7][16]

Referências

  1. a b City Population.
  2. a b c Enciclopédia Nacional Sueca.
  3. Miranda, Ulrika Junker; Anne Hallberg (2007). «Sigtuna». Bonniers uppslagsbok (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag. p. 882. 1143 páginas. ISBN 91-0-011462-6 
  4. «Tätorter; arealer, befolkning - Tätorter 2018 – befolkning, landareal, andel som överlappas av fritidshusområden» (em sueco). Instituto Nacional de Estatística da Suécia (Área e população das localidades principais). Statistiska tätorter 2018, befolkning och landareal per tätort och kommun. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  5. Wahlberg, Mats (2003). «Sigtuna». Svenskt ortnamnslexikon (Dicionário dos nomes das localidades suecas) (em sueco). Uppsala: Språk- och folkminnesinstitutet e Institutionen för nordiska språk vid Uppsala universitet. p. 271-272. 422 páginas. ISBN 91-7229-020-X 
  6. «Sigtunas historia» (em sueco). Stads- och kommunhistoriska institutet (Instituto de história das cidades e comunas). Consultado em 24 de setembro de 2021 
  7. a b Ottosson 2008, p. 374.
  8. a b Enciclopédia Norstedts 2008, p. 1161.
  9. Harrison, Dick (2007). «De första städerna i Sverige (As primeiras cidades da Suécia. Populär historia. ISSN 1102-0822 
  10. «Sigtunas historia» (em sueco). Stads- och kommunhistoriska institutet (Instituto de história das cidades e comunas). Consultado em 24 de setembro de 2021 
  11. Åsa Ottosson e Mats Ottosson (2012). «Det bästa av Uppland». Upplev det bästa i Sverige [Conheça o melhor da Suécia]. Topplistor landskap för landskap (em sueco). Estocolmo: Bonnier Fakta. p. 87. 118; 106 páginas. ISBN 9789174242126 
  12. a b c d Kartcentrum (2003). «Sigtuna». Vår Sverigeguide (O nosso guia da Suécia) (em sueco). Estocolmo: Prisma. p. 52. 528 páginas. ISBN 9151841401 
  13. Gunnar Åselius. «Sigtuna» (em sueco). SO-rummet. Consultado em 24 de setembro de 2021 
  14. «Sigtunas historia» (em sueco). Stads- och kommunhistoriska institutet (Instituto de história das cidades e comunas). Consultado em 24 de setembro de 2021 
  15. Lidman Production AB (texto) e Matton (fotografia) (2011). «Uppland». Libers stora junioratlas (em sueco). Estocolmo: Liber. p. 24. 144 páginas. ISBN 9789147809028 
  16. Thaning 1983, p. 251.

BibliografiaEditar

  • Hans Andersson, Lars Nilsson, Lennart Améen e Pia Lindgren. Sigtuna (em sueco). [S.l.]: Nationalencyklopedin ( Enciclopédia Nacional Sueca). Consultado em 23 de setembro de 2021 
  • Hadenius, Stig; Nilsson, Torbjörn; Åselius, Gunnar (1996). «Sigtuna». Sveriges historia - Vad varje svensk bör veta (História da Suécia – O que todos os suecos devem saber) (em sueco). Estocolmo: Bonnier Alba. 447 páginas. ISBN 91-34-51784-7 
  • Ottosson, Mats; Åsa Ottosson (2008). «Sigtuna». Upplev Sverige. En guide till upplevelser i hela landet (em sueco). Estocolmo: Wahlström Widstrand. p. 446. 527 páginas. ISBN 9789146215998 
  • Thaning, Olof (1983). «Sigtuna». Sverigeboken (em sueco). Estocolmo: Det Bästa. 408 páginas. ISBN 91-7030-101-8 

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Sigtuna