Super Mario Bros. 3

jogo eletrônico de 1988 desenvolvido pela Nintendo
Super Mario Bros. 3
Capa norte-americana
Desenvolvedora(s) Nintendo Entertainment Analysis & Development
Publicadora(s) Nintendo
Diretor(es) Shigeru Miyamoto[1]
Takashi Tezuka[2]
Produtor(es) Shigeru Miyamoto
Projetista(s) Shigeru Miyamoto
Takashi Tezuka
Programador(es) Toshihiko Nakago
Artista(s) Takashi Tezuka
Hideki Konno
Hiroyuki Kimura
Compositor(es) Koji Kondo
Série Super Mario
Plataforma(s) Nintendo Entertainment
System
Conversões PlayChoice-10
Game Boy Advance
Lançamento
  • JP 23 de outubro de 1988
  • AN 12 de fevereiro de 1990
  • PAL 29 de agosto de 1991
Gênero(s) Plataforma
Modos de jogo Um jogador
Multijogador
Super Mario Bros. 2
Super Mario Land

Super Mario Bros. 3 (スーパーマリオブラザーズ3 Sūpā Mario Burazāzu Surī?) é um jogo eletrônico de plataforma desenvolvido e publicado pela Nintendo para o Nintendo Entertainment System (NES). Foi lançado no Japão em 23 de outubro de 1988, na América do Norte em 12 de fevereiro de 1990 e na Europa em 29 de agosto de 1991. Foi desenvolvido pela Nintendo Entertainment Analysis and Development, liderada por Shigeru Miyamoto e Takashi Tezuka.

O jogador controla os encanadores Mario ou Luigi e deve resgatar a Princesa Cogumelo e os governantes de sete reinos diferentes das mãos do antagonista Bowser. Como nos jogos anteriores da série Super Mario, o jogador derrota os inimigos pisoteando-os ou usando itens que concedem poderes mágicos. Os personagens também têm novas habilidades, incluindo habilidade de voo e deslizar em ladeiras. Super Mario Bros. 3 apresenta muitos elementos que posteriormente se tornariam itens básicos da série Mario, como os filhos de Bowser (os Koopalings) e um mapa do mundo para a transição entre as fases.

Super Mario Bros. 3 é aclamado pela crítica como um dos melhores jogos de todos os tempos.[3][4][5] É o terceiro jogo mais vendido do NES, com mais de 17 milhões de unidades vendidas em todo o mundo. Também inspirou uma série de desenho animado chamada The Adventures of Super Mario Bros. 3. Foi refeito para o Super NES como parte de Super Mario All-Stars em 1993 e para o Game Boy Advance como Super Mario Advance 4: Super Mario Bros. 3 em 2003. O jogo foi relançado para o serviço Virtual Console do Wii. Em 19 de setembro de 2018, o título foi relançado no serviço Nintendo Switch Online com jogo de rede adicional.

JogabilidadeEditar

Super Mario Bros. 3 é um jogo eletrônico de plataforma com rolagem lateral bidimensional (2D) no qual o jogador controla Mario ou Luigi. Suas mecânicas de jogo são semelhantes às vistas nos jogos anteriores da série — Super Mario Bros., Super Mario Bros.: The Lost Levels e Super Mario Bros. 2 — enquanto introduz vários elementos novos. Além da possibilidade de correr e pular como seus antecessores, o jogador pode deslizar por plataformas ladeiradas, bem como pegar e arremessar blocos especiais. Mario também pode voar e flutuar com a ajuda de um power-up.[6] O mundo do jogo consiste em oito reinos, cada um subdividido em várias fases. Esses reinos apresentam aspectos visuais distintos: por exemplo, o segundo reino, "Desert Land", contém fases cobertas de areia com pirâmides, enquanto as fases do quarto reino, "Giant Land", contém obstáculos e inimigos quatro vezes maiores do que seu tamanho normal.[7]

O jogador navega pelo jogo através de duas telas: um mapa do mundo e um campo de jogo nivelado. O mapa do mundo exibe uma representação aérea do reino atual e possui vários caminhos que vão da entrada do mundo a um castelo. Os caminhos se conectam a painéis de ação, fortalezas e outros ícones no mapa e permitem que o jogador siga rotas diferentes para alcançar a meta do reino. Mover o personagem na tela para um painel de ação ou fortaleza permitirá o acesso ao campo de jogo daquela fase, um estágio linear preenchido com obstáculos e inimigos. A maior parte do jogo ocorre nessas fases, com o jogador atravessando o palco correndo, pulando, voando, nadando e derrotando ou evitando inimigos.[8][9] O jogador começa com um certo número de vidas e pode ganhar vidas adicionais ao pegar cogumelos verdes, escondidos em tijolos, ou coletando 100 moedas, derrotando vários inimigos seguidos com uma concha de Koopa ou saltando sobre inimigos sucessivamente sem tocar no chão. Mario e Luigi perdem uma vida se sofrerem danos quando estiverem pequenos, caírem em um buraco sem fundo ou ficarem sem tempo. O jogo termina quando todas as vidas são perdidas, embora o jogador possa continuar do último reino jogado selecionando a opção "Continue".[7]

A conclusão das fases permite ao jogador progredir no mapa do mundo e nos reinos seguintes. Cada reino apresenta uma fase final com um chefe para derrotar. Os sete primeiros reinos apresentam um dirigível controlado por um dos Koopalings, enquanto o jogador enfrenta Bowser em seu castelo no oitavo reino como o chefe final. Outros ícones no mapa incluem pedras grandes e portas trancadas que impedem a passagem do jogador. Minijogos e telas de bônus oferecem ao jogador uma chance de obter poderes especiais e vidas adicionais. Os power-ups obtidos nesses minijogos são armazenados em um menu reserva até serem ativados pelo jogador na tela do mapa.[8][9]

Além de itens especiais de jogos anteriores, como o Super Cogumelo e a Fire Flower, novos power-ups são introduzidos que fornecem ao jogador novas opções. O Super Leaf e o Tanooki Suit dão a Mario e Luigi aparências de guaxinim e tanooki, permitindo que eles voem. O Tanooki Suit permite que ele se transforme em pedra para evitar inimigos por um curto período de tempo. Mudar para uma estátua de Tanooki enquanto pula resulta em Mario batendo no chão e matando quaisquer inimigos que estejam diretamente sob ele; esta é a primeira aparição do agora padrão "ground pound" da série Mario.[10] O "Frog Suit", uma habilidade que deixa os protagonistas com aparência de um sapo, aumenta a velocidade subaquática, a agilidade e a altura de salto do personagem em terra. Outro novo traje, o "Hammer Suit", dá a Mario a aparência do inimigo Hammer Bro., permitindo que ele jogue martelos nos inimigos e resista a ataques de fogo ao se agachar.[7]

Super Mario Bros. 3 inclui um modo multijogador que permite que dois jogadores joguem-o alternando entre navegar no mapa do mundo e acessar as fases. O primeiro jogador controla Mario, enquanto o outro controla Luigi (uma troca da paleta de cores de Mario). Por esse modo, os jogadores podem acessar vários minijogos, incluindo uma recriação do jogo de arcade Mario Bros., no qual um jogador tem a oportunidade de roubar as cartas de outro, mas pode perder a vez se perder o minijogo.[11]

DesenvolvimentoEditar

O desenvolvimento de Super Mario Bros. 3 começou logo após o lançamento da versão japonesa de Super Mario Bros. 2 (1986) para o Famicom Disk System.[12] A produção foi realizada pela Nintendo Entertainment Analysis and Development, uma equipe composta por mais de dez pessoas. O jogo levou mais de dois anos para ser concluído,[3][13] com um orçamento de cerca de US$ 800.000.[14] O desenvolvedor Shigeru Miyamoto atuou como diretor e trabalhou em estreita colaboração com os designers e programadores durante as etapas conceituais e finais, incentivando um livre intercâmbio de ideias. Miyamoto considerou que ideias intrigantes e originais são uma chave para criar um jogo de sucesso.[13] Originalmente, a equipe pretendia que o jogo fosse jogado de um ponto de vista isométrico, mas os desenvolvedores descobriram que isso tornava muito difícil o posicionamento de saltos, então o jogo foi alterado para a vista lateral em 2D usada nos jogos anteriores.[12]

O jogo foi projetado para atrair jogadores de diferentes níveis de habilidades. Para ajudar àqueles menos habilidosos, moedas de bônus e cogumelos verdes com vida extra são mais abundantes nos primeiros reinos, enquanto mundos posteriores apresentam desafios mais complexos para jogadores experientes. No modo para multijogador, os jogadores alternam turnos para equilibrar o tempo de jogo.[13] A equipe de desenvolvimento introduziu novos poderes e conceitos que dariam a Mario a aparência de diferentes criaturas como um meio de fornecer novas habilidades a ele. Uma ideia inicial era transformar Mario em um centauro, mas foi descartada em favor de uma cauda de guaxinim com capacidade limitada de voo.[3][13] Outros trajes com habilidades diferentes foram adicionados ao seu repertório e as fases foram projetadas para tirar proveito dessas habilidades.[15] Novos inimigos foram incluídos para adicionar diversidade ao jogo, juntamente com variantes de inimigos anteriores, como Goombas, Hammer Bros. e Koopa Troopas.[3][15]

Alguns dos inimigos projetados para Super Mario Bros. 3 foram inspirados nas experiências pessoais da equipe. Por exemplo, Miyamoto afirmou que o inimigo Chain Chomp, uma criatura em formato de bola amarrada a uma corrente encadeada que ataca o jogador quando está próximo, se baseia em uma "má experiência [infantil]" que ele teve com um cachorro.[13] Os filhos de Bowser, os Koopalings, foram projetados para serem únicos em aparência e personalidade; Miyamoto baseou os personagens em sete de seus programadores como uma homenagem ao seus esforços.[3][13] A Nintendo of America nomeou os Koopalings em homenagem a músicos conhecidos: por exemplo, os personagens "Ludwig von Koopa" e "Roy Koopa" são nomeados em homenagem a Ludwig van Beethoven e Roy Orbison, respectivamente.[16]

A equipe de desenvolvimento criou os gráficos dos personagens usando uma máquina gráfica especial ("Character Generator Computer Aided Design") que gerou uma coleção das formas gráficas usadas no jogo. Essas formas receberam números que o código do jogo usou para acessar e combinar para formar imagens completas na tela em tempo real.[13] O cartucho de Super Mario Bros. 3 usa o MMC3 (Memory management controller) ASIC da Nintendo para aprimorar os recursos do NES. O chip MMC3 permite blocos animados, RAM extra para rolagem diagonal e um cronômetro de linha de varredura para dividir a tela. O jogo usa essas funções para dividir a tela do jogo em duas partes, um campo de jogo na parte superior e uma barra de status na parte inferior. Isso permite que a parte superior role enquanto o personagem navega na fase, enquanto a parte inferior permanece estática para exibir texto e outras informações.[17]

Como seus antecessores, a música em Super Mario Bros. 3 foi composta por Koji Kondo, que compôs várias músicas novas e também retornou com melodias de Super Mario Bros. Segundo Kondo, que compôs a música em Super Mario Bros. com base no que ele acreditava que se encaixava nas fases, em vez de se concentrar em compor um gênero musical específico, era mais difícil para ele realizar tal feito nesse jogo.[18] Kondo experimentou vários gêneros musicais diferentes, sem saber como acompanhar a música desde o primeiro jogo, depois de ouvir de várias pessoas que parecia muito com música latina ou de fusão[12] e surgiu com várias melodias diferentes ao longo de seu desenvolvimento antes de decidir sobre o que finalmente entraria no jogo.[18] A equipe de desenvolvimento decidiu que a música na tela inicial era desnecessária.[18]

Durante 1988, uma escassez global de chips ROM,[19] juntamente com a preparação de Super Mario Bros. 2 pela Nintendo, impediram a empresa de realizar vários lançamentos de jogos na América do Norte, de acordo com seus cronogramas originais. Os produtos atrasados ​​incluíam Super Mario Bros. 3 e, de acordo com a Nintendo Power, Zelda II: The Adventure of Link.[20] O adiamento, no entanto, deu à Nintendo a oportunidade de promover o jogo em um longa-metragem. Em 1989, Tom Pollack, da Universal Studios, abordou o departamento de marketing da Nintendo of America sobre um filme baseado em jogos eletrônicos; inspirado nas competições de jogos eletrônicos da Nintendo, Pollack imaginou uma versão de Tommy com jogos eletrônicos e para um público mais jovem. A Nintendo licenciou seus produtos para inclusão no que se tornaria o filme The Wizard. Durante a produção do filme, os cineastas solicitaram e receberam a aprovação da Nintendo em relação ao roteiro e à representação dos jogos da empresa.[21] Super Mario Bros. 3 foi um dos produtos mostrados no filme e foi usado em uma cena final envolvendo uma competição de jogos eletrônicos.[21][22] O filme foi lançado em dezembro de 1989, entre os lançamentos do jogo no Japão e na América do Norte.[23]

RecepçãoEditar

Super Mario Bros. 3 foi aclamado por jornalistas de jogos eletrônicos e é amplamente considerado um dos melhores jogos lançados para o NES.[24] Os editores Paul Rand, Tim Boone e Frank O'Connor da Computer and Video Games pontuaram o jogo com um 98/100, elogiando-o por sua jogabilidade, fator de rejogabilidade, som e gráficos. Boone comentou que o jogo é quase impecável e comentou que foi "incrivelmente estupendo e absolutamente impossível de reprimir por qualquer coisa que não seja um alarme de incêndio e, mesmo assim, você se vê pesando as probabilidades". Rand chamou Super Mario Bros. 3 de o melhor jogo de todos os tempos, chamando-o de "a Mona Lisa dos jogos eletrônicos" e afirmando que é "surpreendentemente brilhante em todos as formas e aspectos". O'Connor afirmou que o jogo "faz Sonic the Hedgehog parecer uma manhã de domingo chuvosa e até dá ao Super Mario World do Super Famicom uma chance pelo seu dinheiro".[25]

A publicação japonesa Famitsu deu um 35/40.[26] Julian Rignall, da Mean Machines, se referiu a Super Mario Bros. 3 como o "melhor jogo" que ele já jogou, citando sua dependência, profundidade e desafio. Um segundo revisor da Mean Machines, Matt Regan, antecipou que o jogo seria um dos mais vendidos no Reino Unido e ecoou os elogios de Rignall, chamando-o de "um jogo verdadeiramente brilhante". Regan afirmou ainda que o título oferecia elementos que testavam o "cérebro e reflexos" do jogador, e que, embora os gráficos fossem simples, eles eram "incrivelmente variados".[8] Em uma prévia do jogo, a Nintendo Power deu notas altas aos gráficos, áudio, desafio, jogabilidade e fator diversão.[9] Os itens escondidos nas fases do jogo, como as Warp Whistles (flautas que fazem com que o jogador pule vários mundos), foram bem recebidos: Rignall os considerou parte da dependência do jogo, e Sheff afirmou que encontrá-los proporcionava uma sensação de satisfação.[8][27]

As críticas se concentraram em aspectos particulares do jogo. Rignall descreveu o áudio e o visual como ultrapassados ​​em comparação aos jogos no Mega Drive e Super NES (a última plataforma já havia sido lançada em outras regiões no momento em que Super Mario Bros. 3 foi lançado na Europa).[8]

Prêmios e reconhecimentosEditar

Super Mario Bros. 3 recebeu aclamação retrospectiva dos críticos, que o consideraram como um dos melhores jogos de todos os tempos e apareceu no topo de diversas listas de melhores jogos. O jogo estreou na lista dos 30 melhores jogos da Nintendo Power em número 20, em setembro de 1989.[4] Ele entrou no top 10 da lista alguns meses depois e alcançou o número um em maio de 1990.[28][29] Super Mario Bros. 3 permaneceu no top 20 por mais de cinco anos.[30] Mais de uma década depois, a revista classificou o jogo em número seis na lista dos 200 Maiores Jogos da Nintendo.[31] Em agosto de 2008, a Nintendo Power listou Super Mario Bros. 3 como o segundo melhor jogo do NES, elogiando-o por tornar a série mais complexa e por introduzir novas habilidades que tornaram-se assinatura na franquia.[32] O jogo ficou em 11º, atrás de Super Mario Bros., na lista dos "100 maiores jogos da Nintendo de todos os tempos" da Official Nintendo Magazine.[33] A Edge considerou Super Mario Bros. 3 como o jogo de destaque da Nintendo, de 1989, e comentou que esperava que seu sucesso superasse o primeiro marco de vendas de Super Mario Bros.; o primeiro jogo vendeu mais de 40 milhões de cópias, mas foi empacotado junto com o NES.[34] Eles elogiaram o mapa do mundo como uma alternativa elegante a um menu para selecionar fases.[35] Em 2007, a ScrewAttack classificou Super Mario Bros. 3 como o melhor jogo da série e o melhor jogo do NES, citando os seus gráficos, power-ups, segredos e popularidade, resumindo-o como "simplesmente incrível" e afirmando: "Se você não experimentou essa grandeza, temos pena de você".[5][36] Em uma pesquisa realizada pela Dengeki, o jogo empatou com Super Mario World na terceira posição em uma lista dos jogos que os leitores jogaram pela primeira vez.[37] A GamesRadar também o chamou de o melhor jogo do NES, dizendo que enquanto Super Mario Bros. definiu seu gênero, Super Mario Bros. 3 o aperfeiçoou.[38]

Em 1997, a Electronic Gaming Monthly classificou a edição All-Stars como o 2º melhor jogo de console de todos os tempos (atrás apenas de Tetris), dizendo que "levou a série de volta às suas raízes, mas expandiu o jogo original de todas as formas imagináveis. Nenhum outro jogo desde então, foi capaz de recuperar o espírito de aventura e encantamento encontrado em Mario 3".[39] O jogo foi classificado em várias listas da IGN de ​​"melhores jogos". Em 2005, eles classificaram o jogo na 23ª posição entre os 100 melhores jogos e elogiaram os controles precisos e intuitivos.[40] Editores da IGN dos Estados Unidos, Reino Unido e Austrália classificaram Super Mario Bros. 3 na posição 39 na lista dos 100 melhores jogos de todos os tempos em 2007, citando os designers como "engenhosos". Eles comentaram ainda que o jogo melhorou os "conceitos já brilhantes" dos jogos anteriores, com novos power-ups e inimigos.[3] Usuários e leitores do site colocaram o jogo em listas semelhantes: 32º em 2005 e 21º em 2006.[41][42] Em 2009, a Game Informer colocou Super Mario Bros. 3 em 9º na sua lista dos "200 Melhores Jogos de Todos os Tempos", dizendo que é "um jogo com incrível poder duradouro que não esqueceremos tão cedo".[43] Esta é uma posição abaixo do ranking anterior da Game Informer em 2001.[44] A Edge classificou o jogo em 20º na sua lista dos "100 Melhores Jogos Para Jogar Atualmente", chamando-o de "o jogo de 8 bits que ainda brilha hoje em dia, sem ressalvas".[45] A UGO listou Super Mario Bros. 3 em sua lista dos "50 melhores jogos disponíveis no 3DS", chamando-o de "Indiscutivelmente o melhor jogo do Mario já feito".[46] A GameSpot colocou o jogo em sua lista dos melhores jogos de todos os tempos.[47] A USgamer classificou-o como o terceiro melhor jogo de plataforma do Mario de todos os tempos.[48] Super Mario Bros. 3 ficou em 34º lugar na lista "Melhores jogos eletrônicos de todos os tempos cientificamente comprovados" da Warp Zoned, uma metanálise estatística de 44 listas de "melhores jogos" publicadas entre 1995 e 2016.[49]

VendasEditar

Super Mario Bros. 3 se tornou um dos jogos mais vendidos de todos os tempos.[15] Sua inclusão no The Wizard serviu como uma prévia que gerou um alto nível de antecipação nos Estados Unidos antes de seu lançamento.[23][50] Levi Buchanan, da IGN, considerou a aparição de Super Mario Bros. 3 no filme como um elemento que roubou a cena, referindo-se ao filme como um "comercial de 90 minutos" do jogo.[51] O título vendeu 250.000 cópias nos dois primeiros dias de lançamento, de acordo com um porta-voz da Nintendo.[52] Em 1993, o jogo havia vendido 4 e 7 milhões de unidades desagregadas no Japão e nos Estados Unidos, respectivamente. Somente nos Estados Unidos, o jogo gerou uma receita acima de US$ 500 milhões para a Nintendo. O autor David Sheff comentou que, em termos da indústria da música, o jogo recebeu 11 discos de platina.[53] Super Mario Bros. 3 foi posteriormente empacotado com novos sistemas do NES. Incluindo unidades empacotadas, a versão do jogo para o NES vendeu mais de 17 milhões de cópias.[54] A Game Informer relatou em sua edição de outubro de 2009 que a versão de Virtual Console havia vendido um milhão de cópias.[43] Até 2011, Super Mario Bros. 3 continuou sendo o jogo doméstico não-empacotado mais lucrativo até o momento, tendo arrecadado US$ 1,7 bilhão, ajustado pela inflação.[55]

RemakesEditar

O jogo foi portado para vários outros consoles da Nintendo. Foi incluído em 1993 no game do SNES, Super Mario All-Stars, uma compilação de remakes de jogos do Super Mario do NES caracterizado pelas atualizações nos gráficos e no som,[56] e que também mais tarde foi lançado para o Wii em 2010.[57] E uma versão de Game Boy Advance, Super Mario Advance 4: Super Mario Bros 3, foi lançada em 2003. Esta versão apresenta suporte para o Nintendo e-reader, que permite ao jogador acessar níveis adicionais armazenados nos cartões de leitor, além de som e gráficos atualizados.[58]

Super Mario Bros. 3 foi relançado como um título para download do Virtual Console em 2007 para o Wii e em 2014 para ambos os consoles Wii U e Nintendo 3DS. Estas versões suportam múltiplos controladores de console específico, como o Wii Remote ou Wii U GamePad e permitam aos jogadores para salvar progresso com o uso de save states.[59]

Referências

  1. Knorr, Alyse (27 de abril de 2016). «The Making (And Legacy) Of Super Mario Bros. 3». Kotaku. G/O Media. Consultado em 20 de março de 2020 
  2. «Super Mario Bros. Developer Interview – NES Classic Edition – Official Site». Consultado em 9 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2017 
  3. a b c d e f «IGN Top 100 Games 2007: 39 Super Mario Bros. 3». IGN. 2007. Consultado em 25 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 9 de abril de 2017 
  4. a b Nintendo Power Staff (Setembro de 1989). «Nintendo Power Top 30». Nintendo Power (8). Nintendo. p. 82 
  5. a b «Top Ten NES Games». ScrewAttack. ScrewAttack's Top 10. GameTrailers. 16 de outubro de 2007. Consultado em 6 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 20 de maio de 2009 
  6. «Mario's Basic Moves». Nintendo Power: Strategy Guide. SG1 (13). Nintendo. 1990. p. 4 
  7. a b c Super Mario Bros. 3 Instruction Booklet (PDF). [S.l.]: Nintendo of America. 12 de fevereiro de 1990. 49 páginas 
  8. a b c d e Mean Machine Staff (Outubro de 1991). «Nintendo Review: Super Mario Bros. 3». Mean Machines (13). EMAP. pp. 56–59. Consultado em 26 de outubro de 2006. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2009 
  9. a b c Nintendo Power Staff (Janeiro de 1990). «Previews: Super Mario Bros. 3». Nintendo Power (10). Nintendo. pp. 56–59 
  10. «Ground Pound – Super Mario World 3D». IGN. Consultado em 28 de junho de 2014. Cópia arquivada em 30 de julho de 2014 
  11. «How To Play The 2 Player Game». Super Mario Bros. 3 Instruction Booklet (PDF). [S.l.]: Nintendo of America. 12 de fevereiro de 1990. 27 páginas 
  12. a b c «Super Mario Bros. and Super Mario Bros. 3 developer interviews- NES Classic Edition». Nintendo of America. Consultado em 18 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 
  13. a b c d e f g Nintendo Power Staff (Janeiro de 1990). «The Making of Super Mario Bros. 3». Nintendo Power (10). Nintendo. pp. 20–23 
  14. Casey Corr, O. (16 de dezembro de 1990). «Move To Level Two - Ho A Hurdle, Dodge A Fireball On The Way To Finding The Spirit Of America's Favorite Toy». Seattle Times. Consultado em 27 de junho de 2018. Cópia arquivada em 28 de junho de 2018 
  15. a b c McLaughlin, Rus (8 de novembro de 2007). «The History of the Super Mario Bros.». IGN. Consultado em 26 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2012 
  16. «Nintendo Feature: 10 Amazing Mario Facts». Official Nintendo Magazine. 30 de abril de 2010. Consultado em 5 de agosto de 2010. Arquivado do original em 3 de junho de 2012 
  17. Nintendo Power Staff (Janeiro de 1991). «Why Your Game Paks Never Forget». Nintendo Power (20). Nintendo. pp. 28–31 
  18. a b c Mackey, Bob (10 de dezembro de 2014). «Super Mario's Maestro: A Q&A with Nintendo's Koji Kondo». US Games. Consultado em 8 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2018 
  19. Pollack, Andrew (12 de março de 1988). «Shortage of Memory Chips Has Industry Scrambling». The New York Times. Consultado em 19 de julho de 2019 
  20. Sheff, David (1993). «Game Masters». Game Over: How Nintendo Zapped an American Industry, Captured Your Dollars, and Enslaved Your Children. [S.l.]: Random House. p. 222. ISBN 0-679-40469-4 
  21. a b Sheff, David (1993). «The Grinch Who Stole Christmas». Game Over: How Nintendo Zapped an American Industry, Captured Your Dollars, and Enslaved Your Children. [S.l.]: Random House. pp. 190–191. ISBN 0-679-40469-4 
  22. McFerran, Damien (Abril de 2008). «The Making of The Wizard». Retro Gamer (49). Imagine Publishing. pp. 84–87 
  23. a b Matti, Michele (Novembro de 1989). «NES Journal: The Wizard». Nintendo Power (9). Nintendo. p. 90 
  24. «Super Mario Bros. 3 reviews on GameRankings». GameRankings. Consultado em 26 de junho de 2014. Arquivado do original em 28 de julho de 2014 
  25. Rand, Paul (Novembro de 1991). «Computer and Video Games Magazine, issue 120». Computer and Video Games. p. 23. Consultado em 28 de junho de 2014 
  26. «スーパーマリオブラザーズ3 [ファミコン] / ファミ通.com». Famitsu. Consultado em 23 de julho de 2018 
  27. Sheff, David (1993). «I, Mario». Game Over: How Nintendo Zapped an American Industry, Captured Your Dollars, and Enslaved Your Children 1st ed. [S.l.]: Random House. p. 53. ISBN 0-679-40469-4 
  28. Nintendo Power Staff (Março de 1990). «Nintendo Power Top 30». Nintendo Power (11). Nintendo. pp. 40–41 
  29. Nintendo Power Staff (Maio–Junho de 1990). «Nintendo Power Top 30». Nintendo Power (12). Nintendo. pp. 42–43 
  30. Nintendo Power Staff (Janeiro de 1995). «Power Charts». Nintendo Power (68). Nintendo. p. 101 
  31. «NP Top 200». Nintendo Power (200). Nintendo. Fevereiro de 2006. pp. 58–66 
  32. «Nintendo Power – The 20th Anniversary Issue!». Nintendo Power. 231 (231). São Francisco, Califórnia: Future US. Agosto de 2008. p. 71 
  33. East, Tom. «100 Best Nintendo Games – Part Five». Official Nintendo Magazine. Future plc. Consultado em 25 de março de 2009. Cópia arquivada em 7 de março de 2012 
  34. Edge Staff (Julho de 2007). «Who Dares Wins». Edge (177). Future Publishing. pp. 63–65 
  35. Edge Staff (Setembro de 2008). «Return to Main Menu». Edge (192). Future Publishing. pp. 71–72 
  36. «Top Ten Mario Games». ScrewAttack. ScrewAttack's Top 10. GameTrailers. 24 de julho de 2007. Consultado em 24 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 27 de março de 2009 
  37. «【アンケート結果発表】初めてプレイしたゲームソフトはなんですか?» (em japonês). Dengeki. 9 de julho de 2008. Consultado em 5 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2009 
  38. «Best NES Games of all time». GamesRadar. 16 de abril de 2012. Consultado em 5 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 30 de junho de 2015 
  39. «100 Best Games of All Time». Electronic Gaming Monthly (100). Ziff Davis. Novembro de 1997. p. 156  Nota: Ao contrário do que diz no título, a introdução do artigo (na página 100) declara explicitamente que a lista abrange apenas jogos eletrônicos para consoles, o que significa que jogos para PC e arcade não eram elegíveis.
  40. «IGN's Top 100 Games: 21–30». IGN. 2005. Consultado em 25 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 18 de julho de 2011 
  41. «Top 99 Games of All Time: Reader's Pick». IGN. 2005. Consultado em 25 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 27 de fevereiro de 2009 
  42. «Readers' Picks Top 100 Games: 21–30». IGN. 2006. Consultado em 25 de janeiro de 2009. Arquivado do original em 29 de fevereiro de 2012 
  43. a b The Game Informer staff (Dezembro de 2009). «The Top 200 Games of All Time». Game Informer (200). pp. 44–79. ISSN 1067-6392. OCLC 27315596 
  44. Cork, Jeff (16 de novembro de 2009). «Game Informer's Top 100 Games of All Time (Circa Issue 100)». Game Informer. Consultado em 10 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2016 
  45. Edge Staff (9 de março de 2009). «The 100 Best Games To Play Today». Edge Online. Consultado em 21 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2014 
  46. Sal Basile (6 de julho de 2010). «The Top 50 Games That Belong On the 3DS - UGO.com». UGO. Consultado em 25 de abril de 2011. Arquivado do original em 15 de março de 2011 
  47. Davis, Ryan. «The Greatest Games of All Time». GameSpot. Consultado em 25 de abril de 2012. Arquivado do original em 22 de março de 2012 
  48. Parish, Jeremy (9 de setembro de 2015). «Page 3: What's the Greatest Mario Game Ever? We Ranked Them All, and You Can Too!». USgamer. Gamer Network. Consultado em 11 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2015 
  49. Scalzo, John (20 de janeiro de 2017). «The Scientifically Proven Best Video Games of All Time #34: Super Mario Bros. 3». Warp Zoned. Consultado em 12 de março de 2017. Cópia arquivada em 12 de março de 2017 
  50. Roush, George (18 de junho de 2008). «Watching The Wizard». IGN. Consultado em 25 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2009 
  51. Buchanan, Levi (18 de junho de 2008). «The 90-Minute Super Mario Bros. 3 Commercial». IGN. Consultado em 25 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2008 
  52. «U.s. Parents! Get Ready For The 3rd Invasion Of Super Mario Bros.». tribunedigital-chicagotribune (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2018. Cópia arquivada em 18 de abril de 2018 
  53. Sheff, David (1993). «A New Leader of the Club». Game Over: How Nintendo Zapped an American Industry, Captured Your Dollars, and Enslaved Your Children 1st ed. [S.l.]: Random House. pp. 3–5. ISBN 0-679-40469-4 
  54. Boutros, Daniel (4 de agosto de 2006). «A Detailed Cross-Examination of Yesterday and Today's Best-Selling Platform Games». Gamasutra. Consultado em 21 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2015 
  55. Morris, Chris (24 de março de 2011). «Call of Duty, Guitar Hero Top All-Time Best Selling List». CNBC. Consultado em 25 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 15 de outubro de 2012 
  56. "Super Mario All-Stars for SNES: Release Summary". GameSpot
  57. Yeung, Karlie (October 28, 2010)
  58. Davis, Ryan (October 17, 2003). "Super Mario Advance 4: Super Mario Bros. 3 Review"
  59. Provo, Frank (December 19, 2007). "Super Mario Bros. 3 Review". GameSpot. Archived from the original on February 8, 2009. Retrieved January 27, 2009.