Abrir menu principal

TV Rio Branco

emissora de televisão brasileira de Rio Branco, AC
TV Rio Branco
Sociedade Acreana de Comunicação Fronteira Ltda.
Rio Branco, Acre
Brasil
Cidade de concessão Acre Rio Branco, AC
Canais Digital: 34 UHF
Virtual: 8 PSIP
Outros canais ver mais
Analógico:
8 VHF (1989-2018)
Sede Av. Ceará 2804 - Abrahão Alab - Centro
Slogan A TV que você vê
Rede SBT
Proprietário Narciso Mendes de Assis
Auricélia Freitas de Assis
Fundação 15 de março de 1989 (30 anos)
Prefixo ZYA 201
Cobertura Rio Branco e arredores
Potência 30 kHz (Alta)
Página oficial http://www.oriobranco.net

A TV Rio Branco é uma emissora de televisão brasileira com sede em Rio Branco, capital do estado do Acre. Opera no canal 8 (34 UHF digital) e é afiliada ao SBT. Atualmente seus estúdios estão localizados na Avenida Ceará, 2804 no Centro da capital.

Índice

HistóriaEditar

O empresário e político acriano Narciso Mendes, entrou na concorrência no Ministério das Comunicações. Mendes foi vencedor anos depois e começou a investir alto na emissora.

Em 15 de março de 1989, a TV Rio Branco entra no ar como afiliada ao Sistema Brasileiro de Televisão, mais conhecida como SBT. Na época, tornou-se a quarta emissora a entrar no ar na cidade do Rio Branco, depois das TVs Acre (1974), Aldeia (1982) e União (1988).

Da entrada do ar até hoje, a emissora permanece como umas das antigas afiliadas ao SBT na Região Norte. Devido à diferença de menos de duas horas em relação de Brasília, a emissora tem a programação muito diferente da matriz de São Paulo.

ControvérsiasEditar

Escândalo da compra de votos pela reeleição em 1997Editar

Narciso Mendes tornou-se conhecido nacionalmente no escândalo da compra de votos pela reeleição (seria o famoso “Senhor X”), autor das gravações em que os deputados (que mais tarde renunciaram mandatos) Ronivon Santiago e João Maia confessaram ter vendido seus votos em favor da emenda da reeleição por R$ 400 mil em 1997.

Oposição à Família Viana no AcreEditar

O acesso aos meios de comunicação da Família Mendes dos políticos opositores à Família Viana e aliados (comandados pelos irmãos Jorge Viana e Tião Viana, que governam ou influenciam Acre desde 1999), fez do empresário Narciso Mendes ser suspeito de tramar por diversas vezes contra o governador Jorge.[1]

Entrevista ao traficante PalitoEditar

Em dezembro de 2001, a TV Rio Branco fica conhecida nacionalmente, após o traficante Valtemir Gonçalves de Oliveira, mais conhecido como Palito (uns dos famosos traficantes de drogas do Brasil nos anos 90) concedeu entrevista à TV Rio Branco e ao jornal O Rio Branco. Curiosamente o jornal, além da emissora de TV, pertence ao Narciso Mendes.[1]

Palito havia fugido no mês anterior (novembro do mesmo ano) do Presídio Federal de Rio Branco, mais conhecida como Papudinha. Palito contou que o governador Jorge Viana (PT) lhe telefonara durante a passagem da CPI pelo Acre para pedir que incriminasse Hildebrando Pascoal. Em troca, seria beneficiado com a redução da pena.[1]

No entanto, no final do mês, Palito foi recapturado pela Polícia Militar do Acre. Após recaptura e o depoimento do criminoso na Polícia Federal, a PF descobriu mais tarde que ele foi pago para desmoralizar o governador. O dinheiro, R$ 2 mil reais, foi entregue ao parente do bandido, na época, ela era menor de idade.[1]

Sinal digitalEditar

Canal virtual Canal digital Resolução de tela Programação
8.1 34 UHF 1080i Programação principal da TV Rio Branco / SBT
Transição para o sinal digital

Com base no decreto federal de transição das emissoras de TV brasileiras do sinal analógico para o digital, a TV Rio Branco, bem como as outras emissoras de Rio Branco, cessou suas transmissões pelo canal 08 VHF em 31 de outubro de 2018, seguindo o cronograma oficial da ANATEL. O switch-off ocorreu por volta da meia-noite, durante o The Noite com Danilo Gentili.

ProgramasEditar

  • Bom Dia Rio Branco
  • Boa Noite Rio Branco
  • Programa da Jô
  • Tribuna Livre

RetransmissorasEditar

Referências

  1. a b c d O político na linha de tiro , Época, nº. 136, Editora Globo, 25 de dezembro de 2001.

Ligações externasEditar