Disambig grey.svg Nota: Se procura por Cleópatra Trifena, veja Cleópatra Trifena.

Trifena (ca. 141 a.C.111 a.C.) foi uma filha de Ptolemeu VIII Evérgeta II, irmã de Cleópatra IV e esposa de Antíoco VIII Gripo, ela ordenou o assassinato de sua irmã Cleópatra IV e foi morta pelo marido desta, Antíoco IX de Cízico, meio irmão de Antíoco Gripo.

Trifena
Nascimento 141 a.C.
Morte 111 a.C.
Progenitores
Cônjuge Antíoco VIII Filómetor
Filho(s) Laodice, Antíoco XII Dionísio, Antíoco XI Epifânio Filadelfo, Seleuco VI Epifânio Nicátor, Filipe I Filadelfo, Demétrio III Filopátor
Irmão(s) Cleópatra IV, Cleópatra Selene I, Ptolemeu IX Látiro, Ptolemeu X Alexandre I, Ptolemy Memphites, Ptolemy Apion
Ocupação regente
Título rainha consorte

Antíoco VIII Gripo era filho de Demétrio II e Cleópatra Teia, e após Alexandre Zabinas haver derrotado Demétrio e se tornado rei da Síria, Antíoco foi indicado por sua mãe para tornar-se rei da Síria; antes ela havia assassinado seu irmão mais velho Seleuco V Filómetor.[1] Alexandre Zabinas, que havia se tornado rei com apoio de Ptolemeu VIII Evérgeta II, passou a desrespeitar Ptolemeu e este, casando sua filha Trifena com Antíoco VIII Gripo, ajudou Gripo a conquistar o trono da Síria.[2]

Cleópatra Teia tentou matar Antíoco VIII dando uma bebida envenenada, mas Antíoco forçou-a a beber e morrer do próprio veneno.[3][2]

Após a morte de Ptolemeu VIII Evérgeta II, Cleópatra IV, filha de Ptolemeu VIII e Cleópatra III, foi forçada, pela mãe, a se separar de seu irmão Ptolemeu IX Sóter e casar-se com Antíoco IX de Cízico.[4] Antíoco IX de Cízico era meio-irmão de Antíoco Gripo, sendo filho de sua mãe [4] Cleópatra Teia. Com o casamento de Cízico com Cleópatra, o exército de Gripo desertou, e Cízico tentou tomar o poder, mas foi derrotado, e seu exército se retirou para Antioquia, onde foi sitiado.[4]

Cleópatra IV, esposa de Cízico, estava em Antioquia, e quando a cidade foi capturada, Trifena, esposa de Gripo, por raiva da irmã, fez com que os soldados cortassem as mãos de Cleópatra, que estava segurando na estátua da deusa como suplicante, e a arrastassem; ela morreu logo em seguida, gritando ofensas contra seus assassinos.[4]

Após uma outra batalha, Antíoco IX de Cízico capturou Trifena, e a matou.[4]

Referências

  1. Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 39.1 [em linha]
  2. a b Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 39.2 [em linha]
  3. Apiano, História Romana, As Guerras Sírias, 69 [em linha]
  4. a b c d e Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 39.3 [em linha]