Abrir menu principal

Triunfo (Pernambuco)

município brasileiro do estado de Pernambuco
Disambig grey.svg Nota: Para outras cidades com este nome, veja Triunfo.

Triunfo é um município brasileiro do estado de Pernambuco,[1][6] localizado no topo da Serra da Baixa Verde, junto ao limite de Pernambuco e Paraíba.[7] A cidade dista 405 quilômetros[8] de Recife, capital do estado e 380 quilômetros[9] de Petrolina, mais importante cidade do sertão pernambucano. Sua população, conforme estimativa do IBGE de 2017, era de 15.221 habitantes,[3] distribuídos em pouco mais de 190 quilômetros quadrados.[2]

Município de Triunfo
"Oásis do Sertão"
Teleférico em Triunfo

Teleférico em Triunfo
Bandeira de Triunfo
Brasão de Triunfo
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 13 de junho de 1884
Gentílico triunfense
Prefeito(a) João Batista Rodrigues dos Santos (PR)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Triunfo
Localização de Triunfo em Pernambuco
Triunfo está localizado em: Brasil
Triunfo
Localização de Triunfo no Brasil
07° 50' 16" S 38° 06' 07" O07° 50' 16" S 38° 06' 07" O
Unidade federativa Pernambuco
Mesorregião Sertão Pernambucano IBGE/2008[1]
Microrregião Pajeú IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes estado da Paraíba (norte), Flores (leste), Calumbi (sul), Santa Cruz da Baixa Verde (leste)
Distância até a capital 355 km
Características geográficas
Área 191,516 km² [2]
População 15 221 hab. estimativa IBGE/2017[3]
Densidade 79,48 hab./km²
Altitude 1010 m
Clima tropical de altitude Cw'a
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,670 médio PNUD/2010 [4]
PIB R$ 83 384 mil IBGE/2012[5]
PIB per capita R$ 5 563 77 IBGE/2012[5]

Situa-se em um brejo de altitude, a mais de mil metros acima do nível do mar, sendo a cidade mais alta do estado de Pernambuco.[7] O seu clima é ameno e chuvoso, o que faz com que o local destaque-se em relação a outras cidades circunvizinhas que possuem clima semiárido, esse aspecto local leva Triunfo a ser conhecida como "Oásis do Sertão".[7][9]

Emancipada de Flores em 1870 e elevada à categoria de cidade em 13 de junho de 1884,[6] a cidade de Triunfo é um dos principais destinos turísticos de Pernambuco. Os seus visitantes são atraídos principalmente por seu clima ameno e sua arquitetura icónica e histórica, bem como por sua culinária, seus festivais e também por sua geografia.[10]

Índice

ToponímiaEditar

O nome de Triunfo originou-se de uma luta ocorrida entre os habitantes locais, da Baixa Verde, com os da cidade de Flores, principalmente a família dos Campos Velhos, que não eram favoráveis ao desenvolvimento do povoado da Baixa Verde e chegaram, por diversas vezes, a atacar a feira local, na tentativa de acabá-la. Algumas pessoas chegaram a morrer nos ataques, sem que estes lograssem êxito em conterem o progresso do povoado e nem a realização das feiras. A esse triunfo, homenageou-se o local.[6]

HistóriaEditar

Os primeiros habitantes da região onde viria se formar a cidade de Triunfo foram os índios Cariri da nação Tapuia.[7]

Sabe-se que no início do século XIX, provavelmente no ano de 1802, chegou ao local um missionário italiano, o capuchinho frei Vital de Frascarolo, ou frei Vital da Penha, acompanhado de alguns índios e carregando de imagens de alguns santos, entre eles a imagem de Nossa Senhora das Dores, que viria a tornar-se padroeira do local.[11]

Frei Vital da Penha conseguiu do proprietário das terras da Baixa Verde, um terreno, no qual montou neste espaço um aldeamento para os índios que vieram com ele em sua missão.[11]

 
Cine Teatro Guarany.

Em novembro de 1803 Frei Vital da Penha deixou o local e foi substituído por frei Ângelo Maurício Niza, que tratou de construir na Baixa Verde uma capelinha que serviu de matriz do povoado durante muito tempo. Após a construção da capela, frei Ângelo buscou a legalização da posse do terreno dos índios, junto ao governador-geral da Capitania, Dr. Caetano Pinto de Miranda Montenegro.[11]

As condições favoráveis dos solos para práticas agrícolas, suas fontes perenes de água e vegetação sempre verde atraíram outras pessoas para o local, fazendo com que ele passasse de um núcleo de casas esparsas para um povoado com casas próximas umas das outras e alinhadas.[11]

A história de Triunfo foi registrada por vários anos no Jornal "A Voz do Sertão", o qual tinha como editor Sigismundo Pinto, jornalista triunfense, que escrevia as matérias e registrava imagens da cidade na publicação.

EmancipaçãoEditar

A lei provincial nº 930, de 2 de junho de 1870, garante o status de vila ao povoado que oficialmente passa a se chamar Triunfo, tendo sido desmembrado de Flores e instalado, de facto, em 8 de janeiro de 1872.[6]

A condição de cidade foi garantida pela lei provincial nº 1805, de 13 de junho de 1884, data que é comemorado como sendo o aniversário de Triunfo.[6]

No ano de 1911, o município de Triunfo possuía quatro distritos, além do distrito-sede, Triunfo contava com os distritos de Jericó, Santa Cruz e Santo Antônio.[6]

Em 30 de dezembro de 1963, através da lei estadual nº 4973, os distritos de Santa Cruz da Baixa Verde e Jatiúca passam a formar um novo município emancipado de Triunfo, mas já no ano seguinte, o município de Santa Cruz da Baixa Verde foi extinto, e seu território volta a fazer parte de Triunfo.[6]

Em 19 de maio de 1968, a lei municipal nº 395, cria o distrito de Canaã e o anexa ao município de Triunfo.[6]

O histórico de subdivisões apontava o município de Triunfo sendo constituído de 5 distritos no ano de 1979, eram eles: Triunfo (distrito-sede), Canaã, Iguaraçu, Jatiúca e Santa Cruz da Baixa Verde.[6]

A lei estadual nº 10620, de 1 de outubro de 1991, emancipa novamente os distritos de Santa Cruz da Baixa Verde e Jatiúca. Triunfo, portanto, passa a ter suas atuais subdivisões, os distritos de Triunfo, Canaã e Iraguaçu.

EconomiaEditar

De acordo com dados do IBGE do ano de 2010, o PIB era estimado em R$69,200 mil, sendo sua maior riqueza as atividades no setor de serviços, seguido pela agricultura e pecuária, quase empatadas. O PIB per capita era de R$ 4.611,46.

GeografiaEditar

O município de Triunfo está inserido na bacia do Rio Pajeú, situado nas seguintes coordenadas: 9.133.558kmS e 598.763kmW. Situa-se no Planalto da Borborema, numa altitude média de 1 010 m. Seu ponto culminante é o Pico do Papagaio, com 1 260 m. O relevo é predominante montanhoso. A vegetação é composta por floresta subcaducifólia, e pela caatinga hiperxerófila. Seus limites são:

  • Norte: São José de Princesa (estado da Paraíba)
  • Sul: Calumbi
  • Oeste: Santa Cruz da Baixa Verde
  • Leste: Flores

ClimaEditar

O clima de Triunfo é o tropical com estação seca,[12] do tipo Aw, segundo a classificação climática de Köppen-Geiger (fronteiriço com o clima tropical de altitude — ou subtropical úmidoCwa), com temperatura média compensada anual de 21 ºC (mínima de 17 ºC e máxima de 27 ºC) e precipitação média de cerca de 1 250 milímetros (mm) anuais. A umidade relativa do ar é de 71% e o tempo de insolação de aproximadamente 2 770 horas anuais.[13]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1961 a 1971, 1973 a 1985 e a partir de 1993, a menor temperatura registrada em Triunfo foi de 11,1 ºC em 26 de outubro de 1994,[14] e a maior atingiu 33,3 ºC em 6 de janeiro de 2003 e em dezembro de 1997, nos dias 5 e 6 do referido mês.[15] O maior acumulado de precipitação em 24 horas atingiu 152 mm em 30 de março de 2016, batendo o antigo recorde de 126,8 mm em 28 de janeiro de 1962. Outros grandes acumulados superiores a 100 mm foram 120 mm em 7 de maio de 1969, 115,2 mm em 20 de janeiro de 1974, 109,8 mm em 8 de janeiro de 2016, 105,8 mm em 1 de julho de 1962, 105,4 mm em 16 de abril de 1975, 104,1 mm em 28 de fevereiro de 1970, 103,8 mm em 5 de março de 1978, 102,6 mm em 7 de março de 2014, 102,2 mm em 23 de março de 1965, 102 mm em 15 de abril de 2013, 101,6 mm em 15 de abril de 1997 e 100 mm em 9 de fevereiro de 1969.[16] Em janeiro de 1985 foi registrado o maior volume em um mês, de 486 mm.[17]

Dados climatológicos para Triunfo
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 33,3 33,1 32,9 31,9 31,4 30,4 29,2 31 32,9 33,2 33,6 33,8 33,8
Temperatura máxima média (°C) 28,4 27,5 27 26 25,1 23,4 23,5 24,8 27,4 29,4 29,7 29,3 26,8
Temperatura média compensada (°C) 22,9 22,3 22 21,5 20,7 19 18,6 19,1 21 22,9 23,5 23,4 21,4
Temperatura mínima média (°C) 18,4 18,3 18,5 18,2 17,5 16,3 15,5 15,4 15,9 16,9 17,6 18 17,2
Temperatura mínima recorde (°C) 14,8 12 13,4 14,2 14 11,3 11,4 11,9 11,6 11,1 14 14,2 11,1
Precipitação (mm) 135,8 164,4 193,8 193,3 130,1 127,2 107,8 65,6 20,9 25,3 25,3 54,9 1 244,4
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 9 10 14 13 11 12 11 8 3 2 3 4 100
Umidade relativa compensada (%) 66,7 72,2 77,7 79,8 81,5 85,1 82,3 76 63,7 56,3 56 59,2 71,4
Horas de sol 227,9 201,6 223,3 217,5 205,2 175,4 200,9 232,2 266,8 285,7 273,1 259,8 2 769,4
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[13] recordes de temperatura de 1961 a 1971, 1973 a 1985 e a partir de 1993)[14][15]

TurismoEditar

Poucos municípios têm o privilégio de reunir tantos atrativos, a começar pelo clima, que contradiz a aridez do sertão nordestino, com temperaturas oscilantes entre 11,1 °C no inverno e 26 °C no verão. O município pernambucano de Triunfo, distante 399 km de Recife e a uma altitude de 1.004m, tem vegetação diferente da que predomina na região e uma variedade de lugares a se visitar sem similar em todo Sertão nordestino. Com tudo isso Triunfo passou a ser conhecida como “O Oásis no Sertão”.

Tudo em Triunfo parece ter sido talhado com primor: as ruas cheias de ladeiras e calçadas com paralelepípedos, o casario singelo, as antigas construções datadas do século XIX, os seculares e tradicionais convento e igrejas, as edificações em pedra bruta, a história do cangaço que nos faz voltar no tempo, os mirantes, cachoeiras, grutas, a belíssima visão do Pico do Papagaio, ponto mais alto de Pernambuco com 1.260 m, de onde é possível avistar seis cidades do Vale do Pajeú, os caretas com seus trajes que deixam os visitantes curiosos e deslumbrados com tamanha beleza com mais de um século de existência.

O famoso açude João Barbosa Sitônio localizado no centro da cidade, adornado pela presença do Cine Teatro Guarany inaugurado em 1922 e construído com rocha e óleo de baleia para dar sustentabilidade aos três pavimentos do prédio que é uma das 20 Maravilhas de Pernambuco segundo votação realizada pela Fundarpe e sem esquecer do teleférico que tem seus assentos movidos por cima das serras de Triunfo passando sobre as águas do açude que estão muito poluídas.

Todos que visitam Triunfo têm uma verdadeira aula de arquitetura, história e cultura. Cidade de um povo hospitaleiro, rodeada de serras e vegetação sempre verde. O município também contém Uma Rádio FM A Rádio Triunfo FM frequência 87,9 MHz São dois canais de TV aberta que se podem sintonizar na cidade E mais dois estão em implantação - TV Asa Branca (Rede Globo)- Canal 11 - TV Pernambuco (TV Brasil)- Canal 13 (Fora Do Ar) - TV Nova Nordeste (TV Cultura)- Canal 17 (Em Implantação) - TV Jornal Caruaru (SBT)- Canal 22 (Em Implantação)

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b c «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. a b IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. a b «Estimativa populacional 2017 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 30 de agosto de 2017. Consultado em 1 de março de 2018 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 9 de setembro de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2012». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2014 
  6. a b c d e f g h i Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «Triunfo Pernambuco» (PDF). ibge.gov.br. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  7. a b c d Vasconcelos, André; Costa, Cristian José Simões; Albuquerque Lima, Rozeane; da Silva, Glauce Suely Jácome. «Triunfo-PE: A Construção de um "Oásis" no Sertão Nordestino.» (PDF). I Congresso Internacional da Diversidade do Semiárido. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  8. Leonardo Chaves (21 de outubro de 2016). «Triunfo: Tudo sobre a charmosa cidade pernambucana». prefiroviajar.com.br. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  9. a b «Triunfo». Viva o Sertão!. 16 de abril de 2015. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  10. Ed Wanderley. «O Pernambuco que pernambucanos desconhecem: o turismo no interior do estado». Diário de Pernambuco. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  11. a b c d «Triunfo» (PDF). Governo do Estado de Pernambuco. Condepefidem. Consultado em 27 de outubro de 2018 
  12. [1]
  13. a b «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 6 de maio de 2018 
  14. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (ºC) - Triunfo». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 28 de julho de 2014 
  15. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (ºC) - Triunfo». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 28 de julho de 2014 
  16. «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Triunfo». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 28 de julho de 2014 
  17. «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Triunfo». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 28 de julho de 2014