Abrir menu principal

Um griô conta a história: Um olhar sobre a África e o despontar da Guiné Equatorial. Caminhemos sobre a trilha de nossa felicidade

Desfile Beija-Flor 2015 (10277386).jpg

Um olhar sobre a África e o despontar da Guiné Equatorial. Caminhemos sobre a trilha de nossa felicidade foi o enredo apresentado pela Beija-Flor no desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro de 2015, conquistando o seu 13º título de campeã.

EnredoEditar

A escolha do enredo foi polêmica. A escola homenageou a Guiné Equatorial, governada desde 1979 por Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, líder de uma das ditaduras mais antigas do planeta. A aproximação entre Nilópolis e Malabo começara em 2013, quando a escola se apresentou numa festa para a elite guineense. Fran Sérgio Oliveira, diretor artístico de carnaval da beija-Flor, minimizou as críticas dizendo que o povo da Guiné Equatorial era "apaixonado por seu presidente" e que a ditadura era "benéfica para a população"[1]

As críticas se acentuaram após a denúncia de que o regime de Mbasogo teria financiado o desfile com R$ 10 milhões. Mauricio Santoro, assessor de direitos humanos da Anistia Internacional, comparou o suposto apoio do regime da Guiné Equatorial ao financiamento de escolas de samba pelo crime organizado, e defendeu maior transparência no carnaval[2].

Benigno Pedro Matute Tang, embaixador da Guiné Equatorial, negou entretanto o apoio oficial e disse que houve apenas contribuições individuais de "financiadores culturais", cada um colaborando com valores entre R$ 50 e R$ 100. No dia do desfile, havia um camarote do governo da Guiné na Passarela do Samba. O vice-presidente, Teodoro Nguema Obiang Mangue, filho do presidente, assistiu á apresentação da Beija-Flor[3][4].

DesfileEditar

A Beija-Flor foi a terceia escola a desfilar no dia 16 de fevereiro. O verde das florestas africanas foi a cor predominante nos carros alegóricos e fantasias, que representaram também as riquezas naturais do país, como cacau, diamantes e petróleo. Na parte dedicada à cultura guineense o destaque foi para os griôs, anciãos da África Ocidental que estudam e reproduzem os saberes do povo. O desfile terminou mostrando os laços culturais entre Guiné Equatorial e Brasil[5].

Ficha técnicaEditar

  • Enredo: Comissão de Carnaval
  • Carnavalescos: Comissão de Carnaval
  • Presidente: Farid Abraão David
  • Direção de carnaval: Laíla
  • Direção de harmonia: Laíla
  • Alas: 42
  • Direção de bateria: Plínio de Morais e Rodney Ferreira
  • Ritmistas: 280
  • Rainha de bateria: Raíssa de Oliveira
  • 1º casal de mestre-sala e porta-bandeira: Selminha Sorriso e Claudinho Souza
  • Comissão de frente: Marcelo Misailidis[6]

Samba-enredoEditar

O samba foi composto por J.Velloso, Samir Trindade, JR Beija-Flor, Marquinhos Beija-Flor, Gilberto Oliveira, Elson Ramires, Dílson Marimba e Sílvio Romai. O intérprete foi Neguinho da Beija-Flor[6].

ResultadoEditar

Na apuração, a Beija-Flor ficou em primeiro lugar, somando 269,9 pontos, contra 269,5 da vice-campeã Salgueiro[7].

Referências

Ligações externasEditar