XII legislatura da Espanha

A XII legislatura da Espanha começou a 19 de julho de 2016 quando, depois da celebração das eleições gerais, se constituíram os Cortes Gerais.[1] Precedeu-lhe a XI legislatura.

xii legislatura da Espanha
Tipo
Tipo
Casas Senado
Liderança
Estrutura
Grupos políticos da Congresso dos Deputados
  Partido Popular
  Partido Socialista
  Confederal de Unidos Podemos-En Comú Podem-En Marea
  Ciudadanos
  Esquerra Republicana de Catalunya
  PNV (EAJ-PNV)
  Mixto
Senado de la XII legislatura de España.svg
Grupos políticos da Senado
  Popular no Senado
  Socialista
  Confederal de Unidos Podemos-En Comú Podem-En Marea
  de Esquerra Republicana
  Vasco en el Senado (EAJ-PNV)
  Nacionalista no Senado (CDC-CC)
  Mixto

O Partido Popular obteve maioria simples no Congresso dos Deputados e absoluta no Senado. Depois de quatro meses de negociações, Mariano Rajoy foi investido presidente do Governo em segunda votação a 29 de outubro de 2016 graças ao voto favorável de Partido Popular, Cidadãos, Coligação Canária, Foro Astúrias e União do Povo Navarro e a abstenção da maioria dos deputados do Partido Socialista Operário Espanhol.

No entanto, em junho de 2018 ao Governo do Presidente Rajoy foi-lhe retirada a confiança do Congresso dos Deputados mediante uma moção de censura que lhe sacou do governo e provocou a investidura de Pedro Sánchez como novo presidente.

AntecedentesEditar

As eleições gerais de dezembro de 2015 caracterizaram-se pela perda de apoio dos dois partidos maioritários —Partido Popular (PP) e Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE)— e o aparecimento maior de dois novos partidos políticos no Congresso dos Deputados —Cidadãos e Podemos—. A partilha de cadeiras obrigou aos partidos políticos a tentar estabelecer pactos para eleger ao presidente do Governo. Em fevereiro, o PSOE e Cidadãos chegaram a um acordo de Governo para a investidura de Sánchez,[2] um pacto que teve a rejeição do resto de formações.[3] Sánchez submeteu-se ao debate de investidura em março mas não conseguiu a confiança da Câmara Baixa em nenhuma das duas votações celebradas.[4][5]

Durante dois meses seguiram as negociações entre os partidos, com o pacto PSOE-Cidadãos vigente e com três possibilidades de investidura: um pacto a três entre PSOE, Cidadãos e Podemos, que fracassou pelas diferenças entre Cidadãos e Podemos, um pacto PP-PSOE-Cidadãos, ou uma grande coalizão entre PP e PSOE, que não viram a luz pela negativa do PSOE a permitir que os populares seguissem no Executivo.[6] Ante a inexistência de um candidato que contasse com os apoios necessários, a 3 de maio o rei Felipe VI executou o mandato constitucional e convocou novas eleições.[7][1][8]

Início da legislaturaEditar

Palco pós-eleitoralEditar

A 26 de junho de 2016 celebraram-se eleições gerais, seis meses após as anteriores. O Partido Popular voltou a ganhar as eleições e superou os resultados de dezembro. O PSOE conseguiu manter-se como segunda força política, ao não se produzir o chamado sorpasso de Unidos Podemos e seus confluências. Cidadãos viu reduzida sua representação no Congresso dos Deputados. O palco de bloqueio político não variou demasiado ao não existir um bloco claro que pudesse formar Governo.[9]

A 5 de julho, o líder do Partido Popular, Mariano Rajoy, iniciou uma rodada de contactos para procurar apoios a seu investidura.[10] O comité federal do PSOE recusou apoiar a investidura de Rajoy.[11] Pedro Sánchez afirmou que o papel do PSOE devia ser liderar a oposição.[12] O líder de Cidadãos, Albert Rivera, anunciou que abster-se-iam na segunda votação de investidura para evitar umas terceiras eleições e convidou ao PSOE a fazer o mesmo.[13]


Constituição dos Cortes GeraisEditar

O Congresso dos Deputados e o Senado ficaram constituídos às dez da manhã da terça-feira 19 de julho de 2016.[1] Nesse mesmo dia também se designou aos membros das Mesas de ambas Câmaras. PP e Cidadãos atingiram um acordo para eleger a Ana Pastor como presidenta do Congresso dos Deputados.[14] Pío García-Escudero voltou a ser eleito presidente do Senado por terceira legislatura consecutiva graças à maioria absoluta do PP na câmara.[15]

Mesa do Congresso dos Deputados[16]
Cargo Titular Lista
Presidenta Ana Pastor PP
Vice-presidente primeiro Ignacio Prendes Cs
Vice-presidenta segunda Micaela Navarro PSOE
Vice-presidenta terceira Rosa Romero PP
Vice-presidenta quarta María Glória Elizo Unidos Podemos
Secretária primeira Alicia Sánchez-Camacho PP
Secretário segundo Juan Luis Gordo PSOE
Secretário terceiro Marcelo Expósito Em Comú
Secretária quarta Patricia Reis Cs
Mesa do Senado[17]
Cargo Titular Lista
Presidente Pío García-Escudero PP
Vice-presidente primeiro Pedro Sanz PP
Vice-presidente segundo Joan Lerma PSOE
Secretário primeiro Luis Aznar PP
Secretária segunda Adela Pedrosa PP
Secretária terceira María Eugenia Iparragirre EAJ-PNV
Secretário quarto Juan Carlos Raffo PSOE


Formação dos grupos parlamentaresEditar

Congresso dos Deputados

Na XII legislatura apresentaram-se ante a Mesa do Congresso um total de sete petições de registo de grupos parlamentares. Seis delas foram aprovadas: os grupos Popular no Congresso, Socialista, Vascão (EAJ-PNV), de Esquerra Republicana, de Cidadãos e de Unidos Podemos. Por outro lado, os deputados de Convergência Democrática de Catalunha tentaram conformar grupo próprio mas foi-lhes negado e integraram-se no grupo mixto. Os deputados de Coalizão Canária, União do Povo Navarro, Foro Astúrias, Euskal Herria Bildu, Nova Canárias bem como os deputados de Compromís que se apresentaram nas listas da a valenciana, se incorporaram directamente ao grupo mixto.[18][19]

Grupos parlamentares no Congresso dos Deputados[20]
Grupo Partidos Porta-voz Líder Deputados
Popular no Congresso PP: 134 Rafael Hernando Mariano Rajoy 134
Socialista PSOE: 84 Margarita Robles Pedro Sánchez 84
Confederal de Unidos Podemos-Em Comú Podem-Em Maré Unidos Podemos: 50Em Comú: 12Em Maré: 5



Irene Montero Pablo Iglesias 67
Cidadãos Cs: 32 Juan Carlos Girauta Albert Rivera 32
Esquerra Republicana de Cataluña ERC: 9 Joan Tardà 9
Vascão (EAJ-PNV) EAJ-PNV: 5 Aitor Esteban 5
Grupo Mixto PDeCAT: 8Compromís: 4EH Bildu: 2UPN: 2CC: 1FAC: 1NC: 1











Carles

CampuzanoJoan BaldovíMarian BeitialarrangoitiaÍñigo Jesús AlliAna OramasIsidro MartínezPedro Quevedo









19
Total 350
Na XII legislatura apresentaram-se ante a Mesa do Senado um total de seis petições de registes de grupos parlamentares. Cinco dos grupos foram aprovados: Popular no Senado, Socialista, Vascão no Senado (EAJ-PNV), de Esquerra Republicana e Unidos Podemos-Em Comú Podem-Em Maré. Os senadores de Convergência Democrática de Catalunha tentaram conformar grupo próprio mas foi-lhes negado e integraram-se no grupo mixto.[21] No entanto, em junho de 2017 o Tribunal Constitucional anulou o acordo da mesa do Senado e permitiu a formação do grupo nacionalista.[22] Os deputados de Cidadãos, UPN, FAC, Bildu, ASG e NC incorporaram-se ao Grupo Mixto.
Grupos parlamentares no Senado[23]
Grupo Partidos Porta-voz Deputados
Popular no Senado PP: 147 PAR: 2

José Manuel Barreiro 149
Socialista PSOE: 58 PSdeG-PSOE: 2 PSE-EE-PSOE: 1 PSC-PSOE: 1





Andrés Gil García 62
Confederal de Unidos Podemos-Em Comú Podem-Em Maré Podemos: 15 Em Comú: 2 IU: 2 CSQP: 1





Ramón Espinar Merino 20
de Esquerra Republicana ERC: 12 Mirella Cortès Gès 12
Vascão (EAJ-PNV) EAJ-PNV: 6 Jokin Bildarratz Sorron 6
Nacionalista no Senado (CDC-CC) PDeCAT: 4 CC: 1 AHI: 1



Josep Lluìs Cleries i González 6
Grupo Mixto Cs: 3 Compromís: 2 FAC: 1 NC: 1 EH Bildu: 1 UPN: 1 ASG: 1 Indep. : 1













Luis Crisol Carles Mulet García Rosa María Domínguez María José López Santana Iñaki Goioaga Plano Francisco Javier Yanguas Yaiza Castilla Herrera Elvira García Díaz













11
Total 266

Investidura para Presidente do GovernoEditar

Primeiro debate de investiduraEditar

O 26 de julho de 2016, depois da renovação do Congresso dos Deputados, o rei Felipe VI iniciou uma rodada de consultas com os representantes designados pelos partidos políticos com presença parlamentar, em cumprimento do disposto no artigo 99.1 da Constituição.[24] Ao termo da mesma, a presidenta do Congresso dos Deputados, Ana Pastor, anunciou que o rei tinha proposto como candidato a presidente do Governo a Mariano Rajoy, o líder do partido mais votado.[25] Ao invés do sucedido na anterior legislatura, Rajoy aceitou o oferecimento do rei. No entanto, não aclarou se se ia submeter ao debate de investidura,[26] um movimento que levantou dúvidas por ser possivelmente anticonstitucional.[27]


O 9 de agosto Albert Rivera anunciou que estava disposto a negociar o apoio de Cidadãos à investidura de Rajoy se o PP aceitava seis medidas contra a corrupção e a favor da regeneração.[28] Uma semana mais tarde, Rajoy aceitou estas condições e começaram as negociações.[29] A presidenta do Congresso dos Deputados anunciou que a sessão de investidura começaria o 30 de agosto.[30] O 28 de agosto, PP e Cidadãos assinaram um pacto de investidura com 150 medidas para investir a Mariano Rajoy como presidente do Governo.[31] Rajoy e Rivera tentaram que os socialistas se somassem ao pacto mas Sánchez reiterou que votariam na contramão.[32] O PP também chegou a um acordo com Coalizão Canaria para receber seu voto favorável.[33]

O 30 de agosto começou a sessão de investidura com o discurso do candidato à presidência, Mariano Rajoy. O resto de intervenções realizaram-se ao dia seguinte, a cada uma delas acompanhada de uma breve resposta do candidato. A seguir, teve lugar a primeira votação de investidura na qual se recusou a candidatura com 180 votos na contramão e 170 a favor.[34] A 2 de setembro realizou-se a segunda votação de investidura. O Congresso dos Deputados não outorgou sua confiança ao candidato, ao se produzir uma maioria absoluta de votos negativos.[35]

Depois da investidura frustrada, os partidos decidiram estacionar as negociações até após as eleições autonómicas no País Basco e Galiza do 25 de setembro.[36]

Candidato Data Voto                             Total
Mariano Rajoy Brey (PP) 31 de agosto de[37]

2016Maioria absoluta requerida (176/350)
Sim 134 32 2 1 1
170 / 350
 Não 84 50 12 9 8 5 5 4 2 1
180 / 350
Abs.
0 / 350
2 de setembro de

2016Maioria simples requerida
Sim 134 32 2 1 1
170 / 350
 Não 84 50 12 9 8 5 5 4 2 1
180 / 350
Abs.
0 / 350

Segundo debate de investiduraEditar

 
Segundo debate de investidura de Mariano Rajoy

Depois dos maus resultados do PSOE nas eleições bascas e galegas, líderes socialistas críticos com Pedro Sánchez instaram-lhe a deixar seu posto.[38] Sánchez anunciou sua intenção de celebrar primárias para eleger ao secretário geral e retó aos partidários da abstenção numa próxima investidura de Rajoy a apresentar-se às mesmas.[39] O expresidente do Governo Felipe González disse sentir-se enganado por Sánchez. Este ter-lhe-ia dito que os socialistas terminariam permitindo a investidura de Rajoy.[40] A 28 de setembro, dezassete membros da executiva socialista demitiram para forçar a queda de Sánchez,[41] mas este não renunciou a seu cargo.[42]

O caos apoderou-se do PSOE no comité federal do 1 de outubro: não se punham de acordo em quem podia votar, como votar nem que votar.[43] Sánchez tentou forçar uma votação sobre sua proposta de primárias mas foi suspensa depois das acusações por parte dos críticos.[44] Finalmente votou-se a mão alçada e a proposta foi derrotada. Minutos depois Sánchez anunciou seu despedimento como secretário geral do PSOE.[45] Javier Fernández foi eleito presidente da gestora do PSOE.[46] Três semanas depois, o comité federal do PSOE lembrou abster-se na segunda votação da investidura de Rajoy.[47]

Nos dias 24 e 25 de outubro o rei realizou uma rodada de contactos com os líderes políticos para procurar um candidato dantes do limite legal do 31 de outubro. Ao termo da mesma, o rei propôs a Mariano Rajoy como candidato a presidente do Governo.[48] A presidenta do Congresso dos Deputados Ana Pastor convocou o segundo debate de investidura da legislatura para o dia 26 de outubro, sendo a primeira votação ao dia seguinte e a segunda votação, no dia 29.[49]

Como estava previsto, Rajoy perdeu a primeira votação da segunda sessão de investidura ao obter 170 votos a favor e 180 votos na contramão. 48 horas depois produziu-se a segunda votação, na qual obteve 170 votos a favor, 111 na contramão e 68 abstenções.[50] O candidato recebeu a confiança da câmara por maioria simples graças ao voto favorável de PP, Cidadãos, Coalizão Canaria, UPN e Foro Astúrias, e a abstenção de grande parte dos deputados do PSOE.[51]

Esta segunda votação supôs o fraccionamiento do voto do grupo socialista: 15 deputados socialistas ignoraram a decisão do comité federal e votaram não, incluídos os sete parlamentares do Partido dos Socialistas de Cataluña (PSC).[52] O ex secretário geral socialista Pedro Sánchez entregou sua acta de deputado dantes da votação para evitar ter que se abster.[53] Rajoy foi o primeiro presidente que precisou até quatro votações para ser investido, ao mesmo tempo que foi o presidente investido com menos votos na contramão (111). Com a investidura de Rajoy fechou-se o maior período de Governo em funções da história de Espanha, 314 dias após a celebração das eleições gerais de 2015.[54]

Candidato Data Voto                             Total
Mariano Rajoy Brey (PP) 27 de outubro de

2016Maioria absoluta requerida (176/350)
Sim 134 32 2 1 1
170 / 350
  Negado 84 50 12 9 8 5 5 4 2 1
180 / 350
Abs.
0 / 350
29 de outubro de

2016Maioria simples requerida
 Sim 134 32 2 1 1
170 / 350
Não 15 50 12 9 8 5 5 4 2 1
111 / 350
Abs. 68
68 / 350
Vac. 1

Governo de RajoyEditar

O 31 de outubro de 2016, Mariano Rajoy jurou o cargo de presidente do Governo ante o rei Felipe VI no Palácio da Zarzuela.[55] Os ministros do Governo juraram ou prometeram seu cargo ante o rei o 4 de novembro. Rajoy retirou aos três ministros mais veteranos e incluiu seis caras novas no executivo.[56] A composição do Governo foi qualificada como continuista.[57]

Moção de censura de 2017Editar

O 28 de abril de 2017, os líderes de Unidos Podemos anunciaram que iam apresentar uma moção de censura contra o presidente do Governo pelo «estado de excepção democrático, com um saque público permanente».[58] A votação da moção de censura, que se teve de pospor mês e meio pelo Debate de Orçamentos Gerais do Estado 2017, se celebrou o 14 de junho e foi recusada com 170 votos negativos, 82 positivos e 97 abstenções. Foi a terceira moção de censura da democracia, e a terça também em fracassar.[59]

Proponente Data Voto                             Total
Pablo Iglesias (Podemos) 14 de junho de[60]

2017Maioria absoluta requerida (176/350)
Sim 50 12 9 5 4 2
82 / 350
 Não 134 32 2 1 1
170 / 350
Abs. 83 8 5 1
97 / 350
Aus. 1
1 / 350

Aplicativo do artigo 155 da Constituição espanhola em CataluñaEditar

No marco da Lei do referendo de autodeterminação de Cataluña, a Generalidade de Cataluña convocou um referendo de autodeterminação[61] que se celebrou de maneira ilegal o 1 de outubro de 2017.[62][63] Como resultado, o presidente da Generalidade de Cataluña, Carles Puigdemont, proclamou e suspendeu a República Catalã numa declaração realizada o 10 de outubro no Parlamento de Cataluña.[64]

Ao dia seguinte, o Governo Espanhol, baixo a presidência de Mariano Rajoy, requereu ao presidente da Generalidade que aclarasse se a declaração foi uma declaração unilateral de independência.[65] Depois de não responder com clareza, o Conselho de Ministros lembrou uma bateria de medidas para intervir Cataluña que se aprovaram no Senado o 27 de outubro, ao mesmo tempo que o Parlamento catalão proclamava a República Catalã.[66][67][68] Essa mesma noite, Mariano Rajoy destituiu por completo ao governo da Generalidade, dissolveu o Parlamento de Cataluña e convocou eleições autonómicas catalãs para o 21 de dezembro.[69]

Moção de censura de 2018Editar

O 24 de maio de 2018 publicou-se a sentença do Caso Gürtel, na[quem?] se assinalava ao PP como partícipe a título lucrativo. Numerosos políticos[quem?] animaram a Pedro Sánchez a apresentar uma moção de censura. A moção foi registada no Congresso dos Deputados pelo PSOE ao dia seguinte, 25 de maio; dois dias após ter-se aprovado os Orçamentos Gerais do Estado no Congresso dos Deputados e dantes de passar ao Senado. Foi a quarta moção de censura da história da democracia espanhola, a segunda apresentada em XII legislatura e a segunda também contra o presidente Mariano Rajoy.[70]

O 1 de junho do 2018, a moção de censura aprovou-se com 180 votos a favor; sendo assim a primeira moção de censura em ser aprovada na história da democracia espanhola. Desde esse momento Mariano Rajoy deixou de ser Presidente do Governo de Espanha, ficando Pedro Sánchez investido como tal.[71]

Candidato Data Voto                             Total
Pedro Sánchez (PSOE) 1 de junho de 2018[72] Mayoría absoluta requerida (176/350)  Sim 84 50 12 9 8 5 5 4 2 1
180 / 350
Não 134 32 2 1
169 / 350
Abs. 1
1 / 350

Governo de SánchezEditar

Depois da sentença do caso Gürtel, que envia a prisão a vários antigos membros do PP e empresários próximos ao partido, destacando entre eles o extesorero do partido, Luis Bárcenas, o PSOE liderado por Sánchez anunciou o 25 de maio que apresentaria uma moção de censura contra Rajoy.[73][74] Esta moção foi debatida entre os dias 31 de maio e 1 de junho dando como resultado a destituição do presidente Rajoy e seu Governo por 180 votos a favor, 169 na contramão e 1 abstenção; e a investidura de Pedro Sánchez como presidente do Governo.[75] Foi nomeado pelo Rei o 1 de junho de 2018 e tomou posse de seu cargo ante ele o 2 de junho de 2018, sem a presença de nenhum símbolo religioso, a diferença do resto de presidentes.[76][77]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c Jefatura do Estado (3 de maio de 2016). «Real Decreto 184/2016, de 3 de maio, de dissolução do Congresso dos Deputados e do Senado e de convocação de eleições» (PDF). Boletim Oficial do Estado (107, de 3 de maio de 2016): 29959-29961. ISSN 0212-033X. BOE-A-2016-4280 
  2. Cruz, M. Carmen (24 de fevereiro de 2016). «PSOE e Cidadãos assinam um pacto com duzentas medidas para dar o 'sim' à investidura de Sánchez». RTVE 
  3. Robles, Gemma; Ruiz Serra, Juan (25 de fevereiro de 2015). «Sánchez espera ao PNV enquanto sobe a pressão por seu pacto com Cidadãos». O Jornal. Consultado em 3 de maio de 2016 
  4. «Comunicado da Casa de S.M. o Rei depois da audiência ao Presidente do Congresso que lhe transladou oficialmente o resultado do debate de investidura celebrado entre os dias 1 e 4 de março de conformidade e em virtude do artigo 99 da Constituição». Casa de Sua Majestade o Rei. 7 de março de 2016. Consultado em 3 de maio de 2016 
  5. Calleja, Mariano (4 de março de 2016). «O Congresso recusa a investidura de Pedro Sánchez». ABC. Consultado em 27 de junho de 2016 
  6. Clemente, Enrique (10 de março de 2016). «Pedro Sánchez: "Descarto totalmente a grande coalizão, o PP só mudará quando passe à oposição"». A Voz de Galiza. Consultado em 3 de maio de 2016 
  7. «Comunicado da Casa de S.M. o Rei uma vez finalizada a rodada de consultas dos dias 25 e 26 de abril». Casa de Sua Majestade o Rei. 26 de abril de 2016 
  8. «O decreto de dissolução das Cortes e de convocação de eleições publicar-se-á a 3 de maio». O Direito. 27 de abril de 2015 
  9. Garea, Fernando (27 de junho de 2016). «O PP reforça-se e o bloco da esquerda debilita-se». El País. Consultado em 27 de junho de 2016 
  10. «Rajoy inicia sua rodada de contactos com Coalizão Canaria para sondear os apoios a seu investidura em julho». Público. EFE. 5 de julho de 2016. Consultado em 14 de agosto de 2016 
  11. Díez, Anabel (11 de julho de 2016). «O PSOE reafirma-se na rejeição à investidura de Rajoy». O País. Consultado em 14 de agosto de 2016 
  12. Díez, Anabel; Marcos, José (9 de julho de 2016). «Sánchez pede a Rajoy que se trabalhe uma maioria sem contar com o PSOE». O País. Consultado em 14 de agosto de 2016 
  13. Juan José, Mateo (13 de julho de 2016). «Cidadãos rectifica seu compromisso eleitoral e abster-se-á na segunda votação de investidura de Rajoy». O País. Consultado em 14 de agosto de 2016 
  14. Garea, Fernando (20 de julho de 2016). «Os nacionalistas ajudam a Rajoy para que possa controlar o Congresso». O País. Consultado em 20 de julho de 2016 
  15. «Pío García-Escudero é reeleito presidente do Senado». RTVE. Agências. 19 de julho de 2016. Consultado em 19 de julho de 2016 
  16. «Composição da Mesa do Congresso dos Deputados da XII legislatura». Congresso dos Deputados. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2016 
  17. «Composição da Mesa do Senado da XII legislatura». Senado de Espanha. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2016 
  18. Sánchez, Ana I. (1 de agosto de 2016). «Cidadãos envia a Convergência ao Grupo Mixto». ABC. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  19. «Constituídos 7 Grupos Parlamentares: Popular, Socialista, Unidos Podemos, Cidadãos, Esquerra, PNV e Mixto». Congresso dos Deputados. 27 de julho de 2016. Consultado em 14 de agosto de 2016 
  20. «Grupos parlamentares da XII legislatura do Congresso dos Deputados». Congresso dos Deputados. Consultado em 4 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2016 
  21. «O PP impede aos catalães de CDC ter grupo parlamentar próprio no Senado». 20 Minutos. 1 de agosto de 2016. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  22. Vázquez, Anjos (22 de junho de 2017). «O TC anula o acordo do Senado que impediu a CDC formar grupo». O Jornal. Consultado em 9 de agosto de 2017 
  23. «Grupos parlamentares da XII legislatura do Senado». Senado de Espanha. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2017 
  24. Alberola, Miquel (23 de julho de 2016). «O Rei realizará a rodada de consultas com os partidos entre a terça-feira e na quinta-feira». O País. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  25. «Ana Pastor anuncia que o Rei tem proposto a Rajoy como candidato à investidura». Informativos Telecinco. 28 de julho de 2016. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  26. Alberola, Miquel (29 de julho de 2016). «Mariano Rajoy aceita a investidura sem aclarar se submeter-se-á a votação». O País. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  27. «Ana Pastor está obrigada pelo Regulamento do Congresso a convocar um pleno de investidura». O Confidencial Digital. 29 de julho de 2016. Consultado em 11 de agosto de 2016 
  28. Mateo, Juan José (10 de agosto de 2016). «Rivera põe seis condições ao PP para negociar o 'sim' à investidura de Rajoy». O País. Consultado em 11 de agosto de 2016 
  29. Junquera, Natalia; Mateo, Juan José (18 de agosto de 2016). «Rajoy aceita as sete exigências de Rivera». O País. Consultado em 18 de agosto de 2016 
  30. Piña, Raúl (18 de agosto de 2016). «Rajoy irá à investidura o 30 de agosto e se fracassa as terceiras eleições seriam o 25 de dezembro». O Mundo. Consultado em 19 de agosto de 2016 
  31. Junquera, Natalia; García de Blas, Elsa (29 de agosto de 2016). «Rajoy e Rivera incluem em seu pacto 100 medidas para atrair a Sánchez». O País. Consultado em 29 de agosto de 2016 
  32. Marcos, José; Junquera, Natalia (29 de agosto de 2016). «Sánchez reitera seu 'não' a Rajoy sem oferecer uma alternativa ao PP». O País. Consultado em 29 de agosto de 2016 
  33. Sánchez, Ana I. (30 de agosto de 2016). «Os catorze pontos do pacto entre PP e Coalizão Canaria». ABC. Consultado em 7 de setembro de 2016 
  34. Garea, Fernando (31 de agosto de 2016). «Rajoy perde a primeira votação para sua investidura». O País. Consultado em 7 de setembro de 2016 
  35. Garea, Fernando (3 de setembro de 2016). «Rajoy perde a segunda votação de investidura e não há expectativa de saída até outubro». O País. Consultado em 7 de setembro de 2016 
  36. Mármol, Iolanda; Martín, Patricia (1 de setembro de 2016). «A investidura, em pausa até as eleições bascas e galegas». O Jornal. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  37. Hernández, Marisol (31 de agosto de 2016). «Rajoy perde a investidura na primeira votação com 180 votos na contramão». O Mundo. Consultado em 31 de agosto de 2016 
  38. Zela, Daniel (26 de setembro de 2016). «O PSOE andaluz estoira e inicia uma guerra em campo aberto contra Sánchez». Público. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  39. Sanz, Luis Ángel (26 de setembro de 2016). «Pedro Sánchez reta a seus críticos a apresentar-se às primárias: "É importantíssimo que tenhamos uma sozinha voz"». O Mundo. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  40. «Felipe González: "Sánchez disse-me que se ia abster. Sento-me enganado"». O País. 29 de setembro de 2016. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  41. Sanz, Luis Ángel (28 de setembro de 2016). «Dezassete membros da Executiva do PSOE demitem para provocar a queda de Pedro Sánchez». O Mundo. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  42. Riveiro, Aitor (28 de setembro de 2016). «A guerra total desata-se no PSOE». eldiario.es. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  43. Luis Ángel, Sanz (1 de outubro de 2016). «Lágrimas, insultos, gritos e toneladas de bochorno no Comité Federal do PSOE». O Mundo. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  44. Morais, Enrique (1 de outubro de 2016). «Sánchez força uma votação e os críticos opõem-se ao grito de "pucherazo"». O País. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  45. Díez, Anabel (2 de outubro de 2016). «Pedro Sánchez demite como secretário geral do PSOE». O País. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  46. Díez, Anabel; Marcos, José (3 de outubro de 2016). «O presidente da gestora do PSOE: "Uma abstenção não é o mesmo que um apoio"». O País. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  47. Díez, Anabel (23 de outubro de 2016). «O PSOE apoia a abstenção para que se possa formar Governo». O País. Consultado em 23 de outubro de 2016 
  48. «Rajoy acepta el encargo del Rey y el sábado será investido presidente del Gobierno». El Mundo 
  49. «Ana Pastor convoca la investidura para mañana a las 18.00 horas». ABC 
  50. «Rajoy pierde la primera votación al cosechar 180 'noes' frente a 170 'síes' pero amarra la investidura». El Mundo 
  51. «Rajoy gana y será presidente en minoría». El País 
  52. «Los 15 diputados del PSOE que votaron no». El País 
  53. «Pedro Sánchez deja el escaño y lanza su candidatura a la secretaría general». El País 
  54. «Rajoy recupera la presidencia tras 314 días de interinidad». La Vanguardia 
  55. «Mariano Rajoy jura ante el Rey como presidente». El País 
  56. «Caras nuevas para la misma política». El País 
  57. «Rajoy apuesta por el continuismo con pocos guiños a C's y PSOE». Público 
  58. «PSOE, Ciudadanos y PNV rechazan la moción de censura que propone Podemos». El País 
  59. «El 76% del Congreso rechaza que Iglesias sea presidente del Gobierno». El País 
  60. «La moción de censura fracasa con 170 votos en contra, 97 abstenciones y solo 82 apoyos». El Confidencial 
  61. «El Constitucional prohíbe el referéndum y apercibe a un millar de cargos políticos . Noticias de España» (em espanhol) 
  62. «El Constitucional suspende de urgencia la ley del referéndum» (em espanhol) 
  63. «¿Menos votos en blanco y nulos con el 100% escrutado? Los resultados del referéndum ilegal no cuadran» (em catalão) 
  64. «Puigdemont prolonga la tensión con una secesión en diferido» (em espanhol) 
  65. «Rajoy pide a Puigdemont que confirme la declaración de independencia para aplicar el artículo 155» (em espanhol) 
  66. «Crónica del "día del ultimátum": Puigdemont y Rajoy prosiguen su pulso en la crisis catalana» (em espanhol) 
  67. «El Senado aprueba aplicar el artículo 155 en Cataluña» (em espanhol) 
  68. «El Parlament de Cataluña aprueba la resolución para declarar la independencia» (em espanhol) 
  69. «Rajoy cesa al Govern, disuelve el Parlament y convoca elecciones en Cataluña el 21 de diciembre - RTVE.es» (em espanhol) 
  70. «Pedro Sánchez, presidente del Gobierno tras ganar la moción de censura a Rajoy». El País 
  71. «Pedro Sánchez, presidente del Gobierno tras triunfar la moción de censura contra Rajoy». El Mundo 
  72. «Qué han votado los partidos y por qué en la moción de censura a Rajoy». El País 
  73. «El PSOE prepara una moción de censura contra Rajoy tras la sentencia de Gürtel» (em espanhol) 
  74. «El PSOE presenta la moción de censura contra Mariano Rajoy» (em espanhol) 
  75. «Pedro Sánchez gana la moción de censura y se convierte en el séptimo presidente de la Democracia» (em espanhol) 
  76. «El Rey firma el nombramiento de Pedro Sánchez como presidente tras recibir a Pastor» 
  77. «Moción de censura: Sánchez, presidente» (em espanhol)