Ano Um

filme de 2009 dirigido por Harold Ramis
(Redirecionado de Year One)

Ano Um (do original em inglês, Year One) é um filme americano de 2009, uma comédia e fantasia dirigida por Harold Ramis, produzida por Judd Apatow e com os atores Jack Black, Michael Cera, Christopher Mintz-Plasse e Hank Azaria. O filme segue Zed e Oh, dois caçadores-coletores que viajam para a cidade de Sodoma após serem banidos de sua tribo; durante sua jornada a dupla enfrenta vários problemas pois eles encontram várias figuras bíblicas ao longo do caminho.

Ano Um
Year One
Pôster promocional
 Estados Unidos
2009 •  cor •  99 min 
Direção Harold Ramis
Produção Harold Ramis
Judd Apatow
Clayton Townsend
Roteiro Gene Stupnitsky
Lee Eisenberg
História Harold Ramis
Elenco Jack Black
Michael Cera
Olivia Wilde
Juno Temple
Christopher Mintz-Plasse
David Cross
Gênero comédia
Música Theodore Shapiro
Cinematografia Alar Kivilo
Edição Craig Herring
Steve Welch
Companhia(s) produtora(s) The Apatow Company
Ocean Pictures
Distribuição Columbia Pictures
Lançamento Estados Unidos 19 de junho de 2009
Brasil 23 de outubro de 2009 (direto em DVD)
Idioma inglês
Orçamento US$ 60 milhões
Receita US$ 62.357.900 [1]

O filme foi produzido pela produtora de Judd Apatow, a The Apatow Company, e foi lançado em 19 de junho de 2009 nos Estados Unidos. Ano Um arrecadou US$ 62,4 milhões em todo o mundo, contra um orçamento de US$ 60 milhões. Foi recebido negativamente pela crítica, recebendo apenas uma taxa de aprovação de 14% com base em 173 análises no Rotten Tomatoes. No Brasil, o filme foi lançado diretamente em vídeo.

O filme foi o último do ator, escritor e diretor Harold Ramis antes de sua morte em 2014.

EnredoEditar

Zed é um caçador e Oh é um coletor de frutos em uma tribo isolada de uma densa floresta. Depois de ser informado que Zed foi visto comendo um fruto da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, o xamã da aldeia, com apoio do caçador Marlak, decide banir Zed. Após ter sua casa ser destruída em um incêndio acidental causado por Zed em sua despedida, Oh decide acompanha-lo em sua jornada para descobrir tudo o que o mundo tem a oferecer. Ao longo do caminho, eles encontram e conhecem Caim e Abel; Cain mata Abel com uma pedra em um ato de raiva e informa Zed e Oh que eles devem escapar com ele ou então eles serão acusados de matar Abel.[carece de fontes?]

Depois, Zed e Oh descobrem que as garotas Maya e Eema, interesses românticos da dupla em sua antiga tribo, foram capturadas e estão sendo vendidas como escravas. Eles tentam comprar a liberdade das meninas, mas Cain acaba vendendo Zed e Oh também como escravos. Enquanto são levados para uma aldeia pelo proprietário com todos os outros escravos de sua tribo, os sodomitas atacam e fazem os escravos prisioneiros, embora Zed e Oh escapem e se escondam em uma duna do deserto, observando os sodomitas.[carece de fontes?]

Na manhã seguinte, Zed e Oh descobrem que os sodomitas partiram com os escravos. Eles partem para salvar Maya e Eema dos sodomitas. A dupla chega a uma montanha e encontram Abraão prestes a matar seu filho Isaac. Zed os impede, alegando que o Senhor o enviou para fazer isso. Abraão, como forma de agradecimento, os leva para sua aldeia hebraica e lhes fala sobre as cidades de Sodoma e Gomorra.[carece de fontes?]

Zed e Oh fogem para Sodoma para escaparem de serem circuncidados por Abraão. Ao chegarem em Sodoma, eles são capturados. Caim, agora um soldado sodomita, os salva de serem sodomizados, chamando-os de "seus irmãos". Os dois lembram que foram vendidos por Caim como escravos e Caim se desculpa e lhes oferece comida. Enquanto Caim os leva para um tour pela cidade, Zed e Oh são oferecidos por Caim para se tornarem guardas. Pouco depois eles se tornam guardas e patrulham a cidade; eles conhecem a princesa Inanna, que está jejuando porque se sente culpada por grande parte da cidade estar morrendo de fome. Naquela noite, em uma festa, Zed é convidado pela princesa para conversar com ela.[carece de fontes?]

Dentro do palácio, Zed vê Maya e Eema servindo como escravas, enquanto Oh é forçado a seguir as ordens do afeminado sumo-sacerdote ao redor do palácio. Zed conhece a princesa Inanna e ela pede a ele para entrar na sala do Santo dos Santos e dizer a ela como é, pensando que Zed é o "escolhido" de Deus. Dentro do templo, Zed encontra Oh, que está se escondendo do sumo sacerdote. Lá, eles entram em uma discussão acalorada e são presos por entrarem no templo. Os dois são condenados à morte por apedrejamento, mas Zed convence os sodomitas a terem misericórdia, então eles são sentenciados a trabalhos forçados até morrerem de exaustão e fome. O rei então anuncia que sacrificará sua filha e duas virgens, Maya e Eema, como um presente aos deuses.[carece de fontes?]

Zed interrompe a cerimônia, alegando que ele é o "escolhido". Um motim começa: Oh salva Eema e Abraão chega com os hebreus para derrubar o rei. Oh e Eema ficam dentro do palácio e têm sua primeira relação sexual, o que salva Eema do sacrifício, uma vez que ela não é mais virgem. Eles então saem para ajudar Zed a lutar contra os soldados, incluindo Cain. A multidão mata todos os líderes e proclama Zed como o líder sendo o "escolhido". Zed recusa, deixando Inanna governar e em vez disso se torna um explorador com Maya, que é agora sua esposa. Oh se torna o líder da aldeia onde toda a aventura começou e os dois se despedem e seguindo caminhos separados com Oh voltando para a tribo e Zed indo desbravar o mundo.[carece de fontes?]

ElencoEditar

Notas de produçãoEditar

MúsicaEditar

A trilha sonora de Year One foi composta por Theodore Shapiro, que gravou sua trilha sonora com os instrumentos de banda contemporânea, e um conjunto de 75 peças da Hollywood Studio Symphony no Sony Scoring Stage.[4]

Censura da MPAAEditar

O filme foi originalmente avaliado com a classificação "R" por conter leves "conteúdos sexuais e linguagem depreciativa" pela MPAA. Apatow e Ramis compareceu perante o conselho de recorrer da classificação para a PG-13, mas foi mantida. Depois que os cineastas fizeram cortes no filme, Ano Um foi reclassificado como PG-13.[5]

MarketingEditar

Um comercial para este filme foi exibido durante o Super Bowl XLIII; logo depois, um clipe do filme surgiu no YouTube e o primeiro trailer foi anexado a I Love You, Man.

RecepçãoEditar

Reação críticaEditar

O filme recebeu críticas negativas por parte dos críticos. O consenso crítico do site Rotten Tomatoes resumiu o filme como "uma comédia mal executada e descuidada", relatando que 14% dos críticos do site deram opiniões positivas com base em 167 revisões com uma pontuação média de 3.9/10.[6] De acordo com outro site, Metacritic, o filme possui uma pontuação 34/100 com base em vinte e oito resenhas, indicando "críticas geralmente negativas".[7]

BilheteriaEditar

Year One abriu em quarto lugar nas bilheterias dos Estados Unidos em sua semana de estreia.[8] O filme arrecadou US$ 43.337.279 nas bilheterias norte-americanas e mais US$ 16.899.152 mundialmente, para um total de US$ 62.357.900.[9]

Referências

  1. «Year One Box Office Revenues». Box Office Mojo. 19 de julho de 2009. Consultado em 15 de junho de 2010 
  2. Siegel, Tatiana (10 de janeiro de 2008). «Olivia Wilde joins Ramis' 'Year One'». Variety 
  3. "Harold Ramis's THE YEAR ONE Screens!" Ain't It Cool News
  4. Goldwasser, Dan (13 de março de 2009). «Theodore Shapiro scores Year One». ScoringSessions.com. Consultado em 15 de março de 2009 
  5. 'Year One' rating changed to PG-13 The Hollywood Reporter
  6. «Year One Movie Reviews». Rotten Tomatoes. IGN Entertainment. Consultado em 23 de julho de 2014 
  7. «Year One (2009): Reviews». Metacritic. Consultado em 21 de junho de 2009 
  8. «Weekend Box Office Results for June 19–21, 2009», Box Office Mojo .
  9. «Year One». Box Office Mojo. 19 de julho de 2009. Consultado em 20 de julho de 2009 

Ligações externasEditar