Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura o livro de Desmond Morris com o mesmo título em português, veja The Human Zoo.
Zoo humano
Galibis à Paris (Draner 1882).jpg

Caricatura do jornal Le Monde illustré
(16 de setembro de 1882) sobre a
exposição de indígenas sul-americanos
da etnia Galibi em Paris.

Tipo

A expressão zoo humano descreve uma atitude cultural que prevaleceu nas metrópoles dos impérios coloniais entre o período das Grandes Navegações até a época da II Guerra Mundial, na época as atitudes culturais em que índios das Américas, negros africanos e outras raças de nativos de territórios colonizados predominavam nos países colonizadores não eram chamadas de zoo humano. A expressão foi popularizada na França pela publicação em 2002 da obra Zoos humanos, escrita por vários historiadores franceses especialistas no fenômeno cultural.

As exposições coloniais eram ocasiões onde o público da metrópole tinha contato com uma amostra de nativos de territórios colonizados expostas em situações forçadas num ambiente reconstituído.

Em 2005, a expressão voltou à baila em novo contexto, visando "alertar o público sobre a importância de incluir os humanos como parte da natureza".[1]

Ver tambémEditar

Referências

  • (Obra coletiva sob a direção de Nicolas Blancel, Pascal Blanchard, Gilles Boetsch, Éric Deroo e Sandrine Lemaire). Zoos humains (De la vénus hottentote aux reality shows). Paris: La Découverte, 2002. ISBN 2707136387

Ligações externasEditar