Abrir menu principal
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde junho de 2019). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Teresina
Aeroporto
Aeroporto Senador Petrônio Portella
IATA: THE - ICAO: SBTE
Características
Tipo Público
Administração Infraero
Serve Região Integrada de Desenvolvimento da Grande Teresina
Localização Teresina, PI Brasil Brasil
Inauguração 30 de setembro de 1967
Coordenadas 5° 03' 35.79" S 42° 49' 24.52" O
Altitude 66,7 m (219 ft)
Movimento de 2015
Passageiros Aumento 1,209,067 passageiros
Carga Baixa 2,627,312 Kg de carga
Aéreo Baixa 18,193 aeronaves
Capacidade anual 1 7 milhão de passageiros
Website oficial Página oficial
Mapa
Aeroporto de Teresina está localizado em: Piauí
Aeroporto de Teresina
Localização do aeroporto no Piaui
Pistas
Cabeceira(s) Comprimento Superfície
02/20 2 200  m (7 218 ft) Asfalto

O Aeroporto Senador Petrônio Portella (IATA: THEICAO: SBTE) é um aeroporto brasileiro no município de Teresina, no Piauí. É o principal aeroporto do estado do Piauí. Atende principalmente a Região Integrada de Desenvolvimento da Grande Teresina, assim como todo estado do Piauí, grande parte do Maranhão e uma pequena área do oeste do Ceará.

Distante 4 km do centro da cidade, opera voos nacionais e regionais e é o principal acesso do Piauí para se conhecer as atrações turísticas espalhadas por todo o estado.

Está localizado a cerca de 350 km da costa, a uma altitude de 67 metros acima do nível do mar e possui pistas com balizamento luminoso noturno. Do ponto de vista operacional, tem grande importância estratégica, pois é um aeroporto de ligação entre o Norte e o Nordeste do país [1]. O aeroporto também é dotado de um Terminal de Logística de Carga (TECA).[2]

Índice

HistóriaEditar

Ficheiro:Aeroporto de teresina 02.jpg
Área de check-in com 9 balcões

O Aeroporto de Teresina foi aberto no final da década de 1950, sendo que suas primeiras instalações se tornaram rapidamente defasadas diante do crescimento do tráfego aéreo.[3] Um novo terminal foi construído ao longo da década de 1960 e acabou inaugurado em 30 de setembro de 1967.[4] Administrado pelo então Ministério da Aeronáutica, o aeroporto foi construído ao norte da capital, numa região situada entre os rios Poty e Parnaíba. Em fevereiro de 1975, através da Portaria nº 102/GM5, de 23 de dezembro de 1974, o aeroporto, com exceção da atividade de navegação aérea, passou a ser administrado pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero).[5]

Embora grande parte da população teresinense o denominasse de Aeroporto Santos Dumont, sua denominação oficial era Aeroporto de Teresina, alterada no ano de 2000 para Aeroporto de Teresina/Senador Petrônio Portella, de acordo com a lei nº 9.942, de 22 de dezembro de 1999, em homenagem ao ilustre político piauiense Petrônio Portella Nunes.[1]

A pista de pousos e decolagens foi construída inicialmente com 1.800 m x 45 m, e ampliada em 1978 para 2 200 m x 45 m.[6] Em 1983 o pátio foi ampliado e reforçado para atender grandes aeronaves dos tipos Airbus A300 e Boeing 767, sendo que a VASP a partir de 1 de Fevereiro de 1983 até 1986 utilizou o Airbus A300 nos voos VP190/191 que iniciavam em Congonhas e prosseguiam até Manaus com escala na capital Piauiense. Grandes companhias aéreas do país já operaram em Teresina, como a Varig, VASP e Transbrasil. Outras empresas ao longo da história da aviação comercial Brasileira operaram em Teresina como REAL, Panair, Cruzeiro, TAF, Nordeste, SETE, OceanAir, BRA, etc. Atualmente é servida por Azul, GOL e LATAM de forma regular e pela Piquiatuba com voos regionais sistemáticos.

Atuação de Clidenor FreitasEditar

Em 1959 tramitou na Câmara dos Deputados o projeto nº 386 do deputado Clidenor Freitas que buscava autorização legislativa para o Poder Executivo a abrir pelo Ministério da Aeronáutica a verba para a construção do aeroporto de Teresina.[7]

Módulos OperacionaisEditar

Com uma movimentação de mais de 1 milhão de passageiros no ano de 2011 e um fluxo crescente, a Infraero autorizou a implantação de dois Módulos Operacionais anexos ao terminal de passageiros do Aeroporto de Teresina. Os módulos entraram em operação assistida no dia 27 de junho de 2012 e foram oficialmente inaugurados em 9 de julho de 2012.

Ficheiro:Aeroporto de teresina 01.jpg
Sala de Desembarque (Módulo Operacional)

.

Os Módulos Operacionais do Aeroporto Senador Petrônio Portella, aumentaram a capacidade de embarque e desembarque para 1,7 milhão de passageiros ao ano, e fazem parte do plano de reformas e ampliação do terminal de passageiros que começaram em 2012, e continuam em 2013,[8] mas para o plano ser executado em sua totalidade, inclusive com um novo terminal de passageiros maior e mais moderno, com pontes de embarque (telescópicas), ampliação do pátio e novas pistas de taxiamento, a Infraero exigiu da prefeitura de Teresina que algumas casas no entorno do sítio aeroportuário fossem desapropriadas, o que gerou revolta e manifestações de moradores da área. Baseado nesse impasse, e por medidas de segurança, o Governo do Estado trabalha com a possibilidade de, futuramente, se construir um aeroporto internacional fora do perímetro urbano de Teresina.

Radar de RotaEditar

No final de 2012, foi instalado um Radar de Rota no aeroporto.[9] O equipamento atua no auxílio à navegação aérea, e desde então, boa parte do espaço aéreo piauiense está monitorado e todas as aeronaves vetoradas. O radar está situado dentro do sítio aeroportuário, próximo a VOR.

VOREditar

O aeroporto conta ainda com aparelho de VOR, que auxilia os pousos e decolagens com mais precisão, reduzindo possíveis restrições operacionais, proporcionando um melhor desempenho do aeroporto. Isso traz um grande benefício para a construção civil, fazendo com que em Teresina continue construindo grandes edifícios nas proximidades do sítio aeroportuário.[10]

MovimentoEditar

--- Ano --- ---- Passageiros ---- --- % Diferença --- --- Aeronaves --- --- Carga Aérea (Kg) --- --- Mala Postal (Kg) ---
2003 210,882 - 13,747 3,443,420 3,283,625
2004 244,461   (+15,92%) 12,661 3,156,865 3,474,552
2005 315,796   (+29,18%) 10,742 2,674,601 3,746,646
2006 380,440   (+20,47%) 11,757 2,948,828 4,134,897
2007 484,492   (+27,35%) 11,741 3,269,077 3,992,092
2008 466,034   (-3,81%) 11,820 3,464,834 4,248,988
2009 557,798   (+19,69%) 11,314 2,996,812 4,586,581
2010 798,170   (+43,09%) 14,341 3,677,011 4,283,320
2011 1,075,655   (+34,76%) 17,822 4,412,358 5,514,663
2012 1,044,865   (-2,86%) 16,570 4,361,858 3,357,320
2013 1,091,173   (+4,43%) 16,799 3,673,610 3,952,010
2014 1,173,643   (+7,41%) 18,340 3,319,905 3,374,604
2015 1.209.067   (+3,01%) 18.193 2.627.312 2.854.382
2016 1.069.187   (-11,57%) 15.856 2.350.804 2.787.209
2017 1.104.451   (+3,29%) 14.848 2.216.763 2.428.549
2018 1.073.570   (-2,79%) 13.823 2.588.973 926.310
ABR 2019 397.269   (+21,74%)1 4.015 1.133.328

1Diferença em relação a abril de 2018. Fonte: Infraero [11]

Infra-estruturaEditar

CaracterísticasEditar

  • Terminal de passageiros: 4 414 m² [6]
  • Piso: A
  • Sinalização: S

NúmerosEditar

Sítio aeroportuário
  • Área: 1 288 105,38 m² [6]
Pátio das aeronaves
  • Área: 17 780 m² [6]
Estacionamento
  • Capacidade: 180 vagas [6]
Estacionamento de aeronaves
  • Número de posições 05 [6]

ServiçosEditar

Órgãos públicosEditar

BancosEditar

Caixas eletrônicos

Locadoras de automóveisEditar

  • Localiza
  • Avis
  • Hertz
  • Unidas

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b «Aeroporto de Teresina - Senador Petrônio Portella». Consultado em 10 de julho de 2012. Arquivado do original em 7 de agosto de 2013  Infraero
  2. «Sem título». Consultado em 14 de setembro de 2014. Arquivado do original em 7 de outubro de 2014 
  3. Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação. «História de Teresina». Prefeitura de Teresina. Consultado em 10 de junho de 2019 
  4. «Agora o Piauí vai contar com um grande aeroporto». Diário de Notícias, Ano XXXVIII, edição 13765, página 10/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 30 de setembro de 1967. Consultado em 10 de junho de 2019 
  5. «Histórico». Infraero. Consultado em 10 de junho de 2019 
  6. a b c d e f «Complexo Aeroportuário». Consultado em 8 de julho de 2015. Arquivado do original em 9 de julho de 2015  Infraero
  7. BRASIL, Câmara dos Deputados, projeto nº 386/59. Acesso em 1 de dezembro de 2018.
  8. «19/3 - Obras de ampliação e reforma de Teresina alcançam 70% de execução». Consultado em 26 de março de 2013. Arquivado do original em 2 de julho de 2013  Infraero, 19/3/2013
  9. «Aeronaves monitoradas: Aeroporto de Teresina ganha radar de rota»  VMP, 2/10/2012
  10. «Comissão cobra regulamentação de novos aparelhos do Aeroporto»  Capital Teresina, 2/7/2014
  11. «Infraero». Consultado em 24 de junho de 2018. Arquivado do original em 3 de maio de 2018 

Notas

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um aeroporto, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.