Abrir menu principal

Wikipédia β

Aiko, Princesa Toshi

Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.

Aiko, Princesa Toshi (敬宮愛子内親王殿下 Toshi no miya Aiko naishinnō denka), nascida em 1 de dezembro de 2001, por método de inseminação artificial,[1] é a filha única de Naruhito, Príncipe Herdeiro do Japão[2] e de Masako, Princesa Herdeira do Japão.[3][4] Dois anos antes sua mãe sofreu um aborto[5] para infelicidade do Japão que esperava o nascimento daquele que seria o herdeiro do trono, após seu pai.[6]

Aiko, Princesa Toshi
Princesa do Japão
A princesa Aiko em 2016
Casa Yamato
Nome completo
敬宮愛子内親王
Nascimento 1 de dezembro de 2001 (15 anos)
  Tóquio, Japão
Religião Xintoísmo
Pai Naruhito, Príncipe Herdeiro do Japão
Mãe Masako, Princesa Herdeira do Japão

Índice

Nome e títuloEditar

A princesa teve seu nome escolhido pelos próprios pais,[7] em vez do imperador, quebrando assim uma tradição. Aiko, o nome pessoal da princesa, é escrito com o caractere Kanji para "amor" e "criança". Ele deriva de um ensinamento do filósofo chinês Mêncio, que escreveu: "aqueles que amam os outros serão amados constantemente por eles; aqueles que respeitam os outros serão constantemente respeitados por eles".

Ela também possui um título imperial, princesa Toshi (敬宮 toshi no miya). Esse título formal será obrigatoriamente renunciado por ela caso Aiko se case com um plebeu, o que provavelmente acontecerá uma vez que a nobreza japonesa foi abolida e que a família imperial foi delimitada a descendentes do imperador Taishō em 1947.

Casa Imperial do Japão
Dinastia Yamato


SAI a Princesa Mikasa

EducaçãoEditar

A princesa Toshi iniciou sua educação formal no jardim de infância da Gakushuin,[8] em Tóquio, em abril de 2006. Trata-se de uma instituição de ensino da elite japonesa.

BullyingEditar

Em março de 2010, o jornal Sankei Shimbun revelou que a princesa Toshi, então na segunda série do ensino primário, estava faltando há dias às aulas em Gakushuin porque era, junto com outros colegas, vítima[9] de bullying[10] causado pelo comportamento agressivo de um grupo de meninos de sua classe.[11]

Ansiosa, Aiko teria alegado dores de barriga como pretexto para não ir à escola.[12] O episódio fez com que a Agência da Casa Imperial[13] exigisse providências da direção da escola. A princesa retornou à escola em 2 de maio daquele ano, tendo comparecido a algumas aulas acompanhada de sua mãe, a princesa Masako. Hoje, ela frequenta as aulas normalmente.[14][15]

Passatempos favoritos e interessesEditar

A princesa Toshi é uma instrumentista de cordas, como seu pai o príncipe Naruhito,[16] e costuma fazer apresentações de violoncelo.[17] Gosta de esportes[18] que pratica nas aulas de Educação Física da escola, como o basquete e o tênis,[19] por exemplo.

SaúdeEditar

Em 2008, no Brasil, houve o casamento da primeira princesa descendente da japoneses, a sansei doutora Fernanda Hara Miguita, que se tornou princesa Fernanda de Orleans e Braganca, esposa do principe Dom Luis Phillippe.[20]

Logo apos alguns anos, em novembro de 2011, a princesa Aiko sofreu de febre alta,[21][22] e acabou sendo hospitalizada com pneumonia.[23]

Em 2016, a imprensa mundial noticiou que a princesa sofria de estresse e estava, por isto, faltando à aula por várias semanas. Parte da imprensa também especulou que ela sofria de depressão,[24] mesma doença da mãe, a princesa Masako.[25][26] Oficialmente a Agência Imperial informou que a princesa sofria de "fadiga" causada por esforços escolares.[27]

No dia em que completou 15 anos, em 1º de dezembro de 2016, a princesa foi fotografada muito mais magra, o que foi notado pela imprensa.[28]

Debate sobre sucessão imperialEditar

Em novembro de 2005, um comitê governamental recomendou mudar a Lei de Sucessão Imperial de 1947 para garantir que o primogênito dos príncipes herdeiros, de qualquer sexo, se tornasse o herdeiro do Trono do Crisântemo. A opinião pública debatia uma reforma para possibilitar a ascensão da princesa Aiko. O então primeiro-ministro, Junichiro Koizumi,[29] comprometeu-se a levar a reforma ao parlamento.[30]

Entretanto, a gravidez da princesa Kiko de Akishino, esposa de Fumihito, Príncipe Akishino, anunciada oficialmente em fevereiro de 2006, mudou os planos.[31] Em setembro daquele ano, nasceu um menino, o príncipe Hisahito de Akishino, que é o terceiro na linha de sucessão sob a atual lei.[32] O nascimento de Hisahito[33] foi um alívio para membros partidários tradicionalistas e, de fato, desencorajou as propostas que sugeriam a sucessão feminina. Antes de seu nascimento, 84% da população mostrava-se favorável à mudança.

Em meados de 2016, quando o imperador Akihito anunciou que pretendia abdicar, rumores sobre mudanças na lei[34] que rege a ascensão ao trono japonês voltaram à tona e especulou-se novamente que mulheres poderiam passar a fazer parte da linha de sucessão no futuro.[35]

Estilo real de tratamento de
Aiko, Princesa Toshi
 
Estilo real Sua Alteza Imperial
Estilo alternativo madame

Títulos e estilosEditar

Aiko é denominado como "Sua Alteza Imperial a princesa Toshi".

GenealogiaEditar

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Hirohito
 
 
 
 
 
 
 
Akihito
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Imperatriz Kōjun
 
 
 
 
 
 
 
Naruhito, Príncipe Herdeiro do Japão
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Hidesaburo Shōda
 
 
 
 
 
 
 
Michiko do Japão
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fumiko Soejima
 
 
 
 
 
 
 
Aiko, Princesa Toshi
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Takeo Owada
 
 
 
 
 
 
 
Hisashi Owada
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Shizuka Tamura
 
 
 
 
 
 
 
Masako, Princesa Herdeira do Japão
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Yutaka Egashira
 
 
 
 
 
 
 
Yumiko Owada
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Suzuko Yamaya
 
 
 
 
 
 

Referências

  1. «Japan's Princess Masako Makes a Rare Public Appearance». PEOPLE.com (em inglês). 1 de novembro de 2014 
  2. «Who is Naruhito, Japan's likely next emperor?». Mail Online 
  3. Watts, Jonathan (16 de maio de 2001). «Japan's crown princess Masako is pregnant». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  4. migration (1 de novembro de 2014). «Japan's reclusive Princess Masako back in public eye: 5 things about her life after marriage». The Straits Times (em inglês) 
  5. Watts, Justin McCurry Jonathan (31 de dezembro de 1999). «Royal miscarriage stuns an expectant Japan». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  6. «Silent Princess». Newsweek (em inglês). 2 de junho de 1996 
  7. REITMAN, VALERIE (2 de dezembro de 2001). «Imperial Traditions Reign for the Newest Little Royal in Japan». Los Angeles Times (em inglês). ISSN 0458-3035 
  8. «学習院女子大学». 学習院女子大学 (em japonês). Consultado em 28 de outubro de 2017 
  9. «Japanese Princess forced to renounce her royal status to marry commoner». The Independent (em inglês). 4 de setembro de 2017 
  10. «Why do people make fun of Princess Toshi of Akishino? - Quora». www.quora.com (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2017 
  11. «Japan's Princess Aiko, 8, misses school after being bullied by 'violent' boys». Mail Online 
  12. «Was Princess Aiko of Japan a Victim of Bullying?». Parentdish.com 
  13. «Crown Prince Naruhito and Crown Princess Masako told the media in a statement that they feel distress for causing public concern about their 8-year-old daughter Princess Aiko, who stayed away from sch». Japan Today (em inglês) 
  14. «Princess Aiko graduates junior high school». The Japan Times Online (em inglês). 22 de março de 2017. ISSN 0447-5763 
  15. «Princess Aiko enters high school». The Japan Times Online (em inglês). 8 de abril de 2017. ISSN 0447-5763 
  16. «Princess Aiko turns 15, slowly learning official duties». The Japan Times Online (em inglês). 1 de dezembro de 2016. ISSN 0447-5763 
  17. «Princess Aiko plays cello in school musical recital in Tokyo». Mainichi Daily News (em inglês). 17 de abril de 2017 
  18. «Princess Aiko lights up Health and Sports Day | CNN Travel» 
  19. «Princess Aiko turns 13, shows tennis aptitude». The Japan Times Online (em inglês). 1 de dezembro de 2014. ISSN 0447-5763 
  20. «OAB Rosa em Londrina». Folha de Londrina 
  21. «Princess Aiko hospitalized with cold symptoms». Japan Today (em inglês) 
  22. «'Febre de princesas' impulsiona escola e gera oficina de 'desprincesamento'». Folha de S.Paulo 
  23. The Telegraph - Japan's Princess Aiko suffering from pneumonia
  24. «What Would Kate Middleton's Life Be Like If She Couldn't Conceive An Heir? - Silent Sorority». Silent Sorority (em inglês). 21 de fevereiro de 2013 
  25. «Depresión, la maldición de la Casa Imperial de Japón». abc (em espanhol). 11 de abril de 2016 
  26. «Cele|bitchy | Did Princess Masako suffer a nervous breakdown or was she simply depressed?». www.celebitchy.com (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2017 
  27. «14-year-old Princess Aiko absent from school for last month». The Japan Times Online (em inglês). 25 de outubro de 2016. ISSN 0447-5763 
  28. «El gran cambio físico de Aiko de Japón tras su larga enfermedad. Noticias de Casas Reales». El Confidencial 
  29. Watts, Jonathan (28 de dezembro de 2001). «The emperor's new roots». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  30. «Japan: A woman for Emperor? | The Socialist Party of Great Britain». www.worldsocialism.org (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2017 
  31. «Japan's Imperial Family in Crisis». nippon.com (em inglês) 
  32. Rich, Motoko (2017). «Many Japanese Look for a Shift to Female Heirs to the Throne». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  33. McCurry, Justin (6 de setembro de 2006). «Baby boy ends 40-year wait for heir to chrysanthemum throne». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  34. «Empress regnant a distant prospect for Japan despite gender equality law». Mainichi Daily News (em inglês). 31 de dezembro de 2016 
  35. «Compromising on Imperial succession reform | The Japan Times». The Japan Times (em inglês)