Abrir menu principal
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2014). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Alina Vaz
Nome completo Alina de Moura Guerreiro Vaz
Nascimento 19 de janeiro de 1936 (83 anos)
Faro, Portugal
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação atriz

Alina de Moura Guerreiro Vaz mais conhecida por Alina Vaz[1] (Faro, 19 de janeiro de 1936) é uma atriz portuguesa.

PercursoEditar

Natural do Algarve, cedo se radica em Lisboa. Como actriz fez parte do elenco de diversas companhias, nomeadamente, do Teatro do Povo (dirigida por Francisco Ribeiro), Teatro Nacional Dª Maria II (dirigida por Amélia Rey-Colaço), Teatro Alegre de Lisboa (dirigida por Henrique Santana), Teatro Experimental do Porto (sob direcção de António Pedro) e de Cascais (sob a direcção de Carlos Avilez), Companhia Laura Alves, Companhia da Estufa Fria (direcção de Augusto Figueiredo), Teatro Nacional Popular (direcção de Carlos Wallenstein e Norberto Barroca), Companhia Raúl Solnado (dirigida por Paulo Renato), Teatro Repertório (onde assumiu a direcção com Armando Cortez), Teatro Ibérico (sob a direcção de Xosé Blanco Gil), Seiva Trupe e “A Comuna” (direcção de João Mota).

Para além do curso do Conservatório Nacional, frequentou vários cursos de aperfeiçoamento da técnica teatral, nomeadamente com Peter Brooks.

Estreia-se, ainda aluna do Conservatório, na peça “Rei Lear” com encenação de Francisco Ribeiro em 1955. Tem apenas 19 anos. Em 1959 participa na peça “Os Comediantes” com encenação de Robles Monteiro. No ano seguinte inicia-se na Companhia de Teatro Alegre, dirigida por Henrique Santana, na comédia “Com jeito vai, Virgínia”. Durante dois anos interpreta teatro na televisão, retornando em 1963 à Companhia de Teatro Alegre, integrada no elenco da farsa “Daqui fala o morto”, depois de uma curta passagem pela Companhia de comédias de Giuseppe Bastos. Daí para cá têm sido inúmeras as peças onde participou, algumas delas que estiveram em cartaz vários meses e até anos, designadamente “Divinas palavras”, “A mulher de roupão”, “O gato”, “Criada para todo o serviço”, “A pobre milionária”, “A Preguiça”, “Empresta-me o teu apartamento”, “A flor do cacto”, “A mala de Bernadette” Em 1968 largou a companhia de Laura Alves / Vasco Morgado e foi para o TEP [Teatro Experimental do Porto] com metade do ordenado que tinha, pois queria fazer outro tipo de teatro – Realizou várias digressões tanto em Portugal como no estrangeiro, destacando-se a sua participação no Festival Cerventino (México), Festival El Paso (México) e no Festival Rainha Sofia (Espanha). “Georges Dadin” (com encenação de Jacinto Ramos), “Jesus Cristo em Lisboa (encenação de Carlos Wallenstein), “Leonor, maravilhosamente rainha” (encenação de Norberto Barroca), “Agnus Dei” (com encenação de Bento Martins), “Barca sem pescador” (encenação de Couto Viana) foram outras das peças em que participou. Com encenação de Carlos Avilez participou, entre outras peças, em “Auto da Barca do Inferno”, “Auto da Feira”, “Fuenteovejuna”, “A maluquinha de Arroios”, “Ivone, princesa da Borgonha”, e “Ópera dos três vinténs”.

Fez parte do elenco de “Auto da Índia”, “Orquídeas à luz do luar”, “O Fim” e “A Castro”, peças encenadas por Xosé Blanco Gil.

Em 2005, com 69 anos e 50 anos de carreira, estreou em Algés, com o actor Alberto Villar, a peça “Love letters”. Em Março de 2009, com Tó Zé Martinho, faz no Algarve “As calcinhas amarelas” (encenação de Luís Zagalho). Tem então 73 anos, mais de 50 anos de carreira, e continua a trabalhar.

No cinema começou em 1958, com pequenos apontamentos em “A costureirinha da Sé”, do realizador Manuel Guimarães, e “O homem do dia”, de Henrique Campos. Fez parte do elenco de várias outras películas, nomeadamente, “As Pupilas do Senhor Reitor” de Perdigão Queiroga, “O ladrão de quem se fala” de Henrique Campos e, deste mesmo realizador, “A maluquinha de Arroios”. Participou também nas películas “Sol e toiros “ de Augusto Fraga”, “Uma vida normal” de Joaquim Leitão e “A recompensa” de Artur Duarte. Tem ainda assinalável participação em várias filmografias estrangeiras.

Quando a televisão nasceu, deu cartas nalgumas das primeiras telenovelas nacionais. Para além de fazer parte do elenco de muitas peças para televisão, tem participado em várias séries e telenovelas, nomeadamente “Chuva na areia”, “Enquanto os dias passam”, “Milongo”, “Senhora das Águas”, “Passerelle”, “Ajuste de contas”, “Olhos de água”, “Amanhecer” ou “Malucos do riso”. Mais tarde foi presença regular nas séries de Camilo de Oliveira, sendo a sua última aparição na série Camilo o Presidente, em 2011 Tem sido constante o seu trabalho na rádio quer como intérprete de peças e folhetins quer como adaptadora de vários romances e contos para peças radiofónicas.

TrabalhoEditar

Esta atriz encontra-se disponível para trabalhar, apesar da falta de projectos que tem tido nos últimos anos.

TelevisãoEditar

Ano Projeto Personagem Canal Notas
1957 Monólogo do Vaqueiro Donzela RTP
1958 Enquanto os Dias Passam RTP série
1961 Suave Milagre RTP
Mexericos dos Irmãos Quintério RTP
As Aventuras de Eva RTP série
1963 Carmosina Carmosina RTP
1976 Alves e Companhia Margarida RTP
1980 Retalhos da Vida de um Médico RTP série
1985 Chuva na Areia Odete Ferreira RTP novela
1988 Passerelle RTP novela
1990 Andam Ladrões Cá em Casa RTP
1992 Aqui D'El Rei! Costureira RTP telefilme
1995 A Pulga Atrás da Orelha RTP
1996 Camilo & Filho Lda. Nela SIC série
1997 As Aventuras do Camilo Cândida SIC série
Cuidado com o Fantasma SIC série
1998 Bom Baião SIC série
1999 Mãos à Obra RTP série
Os Malucos do Riso Várias Personagens SIC série
2000 Esquadra de Polícia mãe de Leonor RTP série
A Loja do Camilo Rafaela SIC série
A Noiva Elvira SIC telefilme
2001 Super Pai Augusta TVI série
Olhos de Água Freira TVI novela
Ajuste de Contas Viscondessa RTP novela
2002 A Senhora das Águas Marta RTP novela
Camilo, o Pendura RTP série
2003 Amanhecer Diana Pais TVI novela
O Padre Camilo TVI
2004 Uma Aventura Alzira SIC série
2005 Camilo em Sarilhos Mariana SIC série
2011 Camilo, o Presidente Elsa SIC série

TeatroEditar

  Esta lista está incompleta. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-a.
Ano Peça Teatro Notas
1955 Yerma Teatro da Trindade Teatro d'Arte de Lisboa[2]
1959 Os Comediantes Teatro Nacional D. Maria II
1960 A Mala de Bernardette Teatro Avenida [3]
1961 Com Jeito Vai... Virgínia Teatro Avenida [4]
1961 Criada Para Todo o Serviço Teatro Monumental [5]
1962 Um Menino Bem Teatro Variedades com Eva Todor[6]
1962 Antónia Teatro Variedades com Eva Todor[7]
1963 Daqui Fala o Morto! Teatro Monumental [8]
1963 O Gato Teatro Monumental
1966 A Mulher do Roupão Teatro Capitólio
1967 Duas Pernas, Um Milhão Teatro Capitólio
1967 A Flor do Cacto Teatro Monumental
1968/1969 A Preguiça Teatro Villaret [9]
1970 Pobre Milionária Teatro Monumental
1971 Empresta-me o Teu Apartamento Teatro Variedades
1974 O Último Fado em Lisboa
1976 Ópera dos Três Vinténs Teatro Experimental de Cascais
1977 Faustino Limitada, uma História de Lisboa Teatro São Luís
1978 Jesus Cristo em Lisboa
1979 Leonor, Rainha Maravilhosamente
A Tocar É Que a Gente se Entende Teatro Monumental [10]
1980 A Gravata
1982 O Meu Rapaz é Rapariga Teatro Maria Matos
1985/1986 Coronel em Dois Actos Teatro Variedades [11]
1988/1989 Orquídeas à Luz da Lua Teatro Ibérico
1989 A Castro Teatro Ibérico [12]
1990 O Fim Teatro Ibérico
1992 O Animador Seiva Trupe
1993 Curva Perigosa
1994 Auto da Barca do Inferno
1995 A Pulga Atrás da Orelha Teatro da Comuna
1996 Logo à Noite, Meu Amor... Teatro Maria Matos
1998 Aquele Retrato
2003 O Padre Camilo Digressão
2005 Love Letters
2006 A Bruxinha Que Era Boa
2009 Calcinhas Amarelas Digressão

Referências