Eva Todor

Consagrada atriz húngara naturalizada brasileira

Eva Todor, nome artístico de Eva Fodor (Budapeste, 9 de novembro de 1919Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 2017),[1] foi uma atriz húngara, naturalizada brasileira. Considerada uma das maiores atrizes do Brasil, Eva fez uma vasta e consolidada carreira, especialmente no teatro, estreando na televisão apenas quando já tinha 30 anos de trajetória nos palcos.[2]

Eva Todor
Eva Todor
Eva Todor, em 1960
Nome completo Eva Fodor
Nascimento 9 de novembro de 1919
Budapeste, Pest, República Húngara
Morte 10 de dezembro de 2017 (98 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade húngara
Cidadania brasileira
Etnia judia
Progenitores Mãe: Gizella Rothstein
Pai: Sándor Fodor
Cônjuge Paulo Nolding (1964-1989)
Luís Iglesias (1935-1963)
Ocupação atriz
Período de atividade 1934–2013

Biografia editar

 
Eva quando criança (c. 1930)

Nascida como Eva Fodor,[1] filha única do casal Sándor "Alexandre" Fodor e Gizella Rothstein, judeus húngaros ligados ao meio artístico. Induzida por seus pais, Eva começou nos palcos ainda criança como bailarina da Ópera Real de Budapeste.[3] Por conta das dificuldades financeiras que a Europa enfrentava no período pós-Primeira Guerra, a família Fodor abandonou sua terra natal e emigrou para o Brasil, em 1929. No ano seguinte, Eva, com apenas onze anos, retomou carreira como bailarina, no Rio de Janeiro. Aos 10 começou a estudar dança clássica com Maria Olenewa, no Teatro Municipal. Foi quando adotou o sobrenome artístico de "Todor" no lugar do original Fodor, cuja pronúncia em português poderia remeter a uma palavra de baixo calão.

Aos 15 anos, em 1934, Eva fez um teste e entrou para o Teatro Recreio, estreando como atriz no espetáculo de revista "Há uma forte corrente", de Luis Iglesias e Freire Junior. Permaneceu na companhia e acabou por se casar com Iglesias em 1936, tornando-se a primeira atriz daquela companhia de revistas. Logo seu talento para os papéis cômicos se revelou, o que levou seu marido a escrever peças com personagens concebidas especialmente para sua verve. Era especialista em papéis de moças ingênuas. No ano de 1940, fundou a companhia “Eva e Seus Artistas”, que estreiou com “Feia”, de Paulo de Magalhães, sob a direção de Esther Leão.

Naturalizou-se brasileira na década de 1940, quando Getúlio Vargas foi ver uma peça no Theatro Municipal do Rio de Janeiro e ficou encantado. Foi ao camarim e perguntou a Eva Todor: "você quer ser naturalizada?", o que aconteceu em seguida.[4]

Em 1942, Eva Todor participou da peça "Deus Lhe Pague" no batismo cultural de Goiânia, a nova cidade planejada concebida para ser a capital estadual de Goiás. A peça ocorreu no recém-inaugurado Teatro Goiânia e contou com a presença do então presidente Getúlio Vargas e do governador Pedro Ludovico Teixeira. Eva assistiu de perto Vargas e Pedro Ludovico entregarem a chave da cidade para o novo prefeito, o Prof. Venerando de Freitas Borges.

Seu primeiro papel dramático foi em “Cândida”, de George Bernard Shaw, um dos maiores sucessos da temporada carioca de 1946, e que ficou quatro meses em cartaz. Seguiu-se no ano seguinte “Carta”, de Somerset Maugham.

Seu esposo, o diretor Luiz Iglézias, criou um programa para Eva Todor, chamado de As Aventuras de Eva, na TV Tupi, em 1957, onde interpretava uma secretária humilde, que procurava emprego sempre levando um cachorro, e ninguém queria. Iglezias também a impulsionou a ter sua própria companhia, a Eva e Seus Artistas, que duraria até fins da década de 1950 passaram grandes nomes da cena teatral de então, como André Villon, Elza Gomes e Henriette Morineau, André Villon, Jorge Dória, Jardel Filho e vários outros; com tal companhia viajou três vezes a Portugal e se apresentou na África.[3]

Em 1958 Luiz Iglézias faleceu, e a viuvez a deixou muito mal por um tempo.

O estilo de atriz cômica de Eva seria abandonado em 1966, com a estreia do drama “Senhora da Boca do Lixo”, de Jorge Andrade, sob a direção de Dulcina de Moraes. O gênero cômico continuou sendo seu favorito, mas a atriz abriu o leque de sua interpretação em peças como “De Olho na Amélia” (Georges Feydeau), que lhe valeu o Prêmio Molière de melhor atriz em 1969, “Em Família”, de Oduvaldo Vianna Filho, com direção de Sérgio Britto, (1970); e “Quarta-Feira Lá em Casa, Sem Falta”, de Mario Brasini (1977).

No cinema, Eva estreou em “Os Dois Ladrões” (1960), produção de Carlos Manga e um dos últimos filmes de sucesso do gênero das chanchadas. Ao lado de Oscarito protagonizou uma das mais célebres passagens do cinema brasileiro, a “cena do espelho”. Em 1964 atua em “Pão, Amor e… Totobola”, de Henrique Campos. Nesse mesmo ano de 1964, casou-se pela segunda vez, com seu noivo, com quem estava havia alguns anos, o diretor teatral Paulo Nolding, de quem ficou viúva em 1989 e de quem até o fim de sua vida assinou o sobrenome. O fato de ter ficado viúva duas vezes abalou-a demais, tanto que não se casou novamente. Apesar de ter tentado nos dois casamentos, a atriz não conseguiu ter filhos.

Mas seria na televisão que Eva Todor viria a se tornar famosa. Foram 21 trabalhos em telenovelas, minisséries e especiais. No gênero, seu papel mais marcante foi o de Kiki Blanche, na novela “Locomotivas” (1977).

Retomou a carreira cinematográfica quase 40 anos depois de seu último filme, protagonizando o delicado curta-metragem “Achados e Perdidos”, de Eduardo Albergaria, como uma mulher que recebe um carta de amor escrita para ela há mais de 50 anos. Eva Todor atuou também em `Xuxa Abracadabra´, dirigido por Moacyr Góes. Seu filme mais recente foi “Meu Nome Não é Johnny”.

Em 2007, com 87 anos de idade, lançou seu livro de memórias, intitulado "O Teatro da Minha Vida", escrito por Maria Ângela de Jesus.

Um dos últimos trabalhos na TV foi na novela Caminho das Índias, onde deu vida à divertida e amorosa Dona Cidinha. A atriz ficou triste por não poder aparecer nos últimos capítulos da trama de Glória Perez, em decorrer de fortes dores no estômago devido a uma hérnia de hiato, problema de saúde que sofria desde a infância. Eva precisou ser internada e passou por uma cirurgia, da qual se recuperou rapidamente.[2]

Foi convidada para reviver a personagem Kiki Blanche na nova versão de Ti Ti Ti. Eva fez a personagem numa participação especial, que fez na novela Locomotivas, em 1977.[2] Por esse tempo, em 31 de agosto de 2010, foi agraciada com a comenda da Ordem do Ipiranga pelo Governo do Estado de São Paulo.[5]

Sua última novela foi em 2012, quando estrelou Salve Jorge! de Glória Perez, onde viveu a fofoqueira Dália, amiga dos personagens de Nivea Maria e Stênio Garcia.

Biografia de Eva Todor na Coleção Aplauso "O teatro da minha vida"

A Coleção Aplauso lançou a sua biografia, "O Teatro da Minha Vida", de Maria Angela de Jesus.

Estava afastada da televisão e dos palcos por conta da Doença de Parkinson, que a deixou muito limitada. Sem familiares, vivia reclusa em sua casa, cuidada por enfermeiras.[6]

Em março de 2017, Eva foi internada na clínica São José, no Humaitá, Zona Sul do Rio.[7]

Últimos anos editar

Sua rotina domiciliar dividia-se entre o seu apartamento no bairro do Flamengo, decorado com centenas de lembranças dos 67 anos em que viveu lá, e sua casa de veraneio na cidade de Miguel Pereira.[3]

Com a saúde fragilizada pela idade avançada, sofria de Parkinson e Alzheimer, além de insuficiência cardíaca. Desde o dia 9 de setembro de 2017 estava em internação domiciliar, vindo a falecer dormindo, em sua residência, na Zona Sul do Rio de Janeiro, na manhã do dia 10 de dezembro, em razão de uma pneumonia.[8]

Velada no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, seu corpo cremado no Memorial do Carmo.[8]

Viúva, sem filhos e sem nenhum parente vivo, Eva deixou toda sua fortuna como herança para seus sete funcionários, que conviveram com ela a vida inteira, e também cuidaram da artista até o fim de sua vida.[9]

Filmografia editar

Televisão editar

Ano Título Personagem Nota
1961 As Confissões de Eva Várias personagens
1964 Vitória Carla
1970 E Nós, Aonde Vamos?[10] Francisca
1975 Roque Santeiro Ambrosina Abelha (Dona Pombinha) Versão censurada
1977 Locomotivas Maria Josefina Cabral (Kiki Blanche)
1978 Te Contei? Lola
1979 Memórias de Amor Agripina
1980 Coração Alado Hortência Alencar
1982 Sétimo Sentido Maria Santa Bergman Rivoredo (Santinha)
1983 Sabor de Mel Marta
1984 Partido Alto Cecília Amoedo
1985 A Gata Comeu Ela mesma Participação
1987 O Outro Liúba / Fada Gabor
1989 Top Model Morgana Kundera
1992 De Corpo e Alma Maria Carolina Pastore (Calu)
1993 Olho no Olho Veridiana
1994 Você Decide Dulce Episódio: "Corações Partidos"
Incidente em Antares Venusta
1996 Quem É Você? Augusta
Anjo de Mim Cotinha Participação
Você Decide Episódio: "A Pequena Herdeira"
Caça Talentos Dona Carlota Participação
1997 Você Decide Episódio: "Preconceito"
1998 Episódio: "Desencontro"
Hilda Furacão Loló Ventura
1999 Suave Veneno Maria do Carmo Cañedo da Silva
2000 O Cravo e a Rosa Josefa Lacerda de Moura
2001 Brava Gente Augusta Episódio: "Os Mistérios do Sexo"
Porto dos Milagres Dona Isolina Participação
Casseta & Planeta Urgente[11] Personal Avó Episódio: "19 de junho"
2002 Sítio do Picapau Amarelo Maria José (Mazé) Episódio "O Cangaceiro Lobisomem"
Malhação Isaura Participação
Brava Gente Tia Zizi Episódio "A Casa Errada"
2004 Sob Nova Direção Tia Nonoca Episódio: "O Casamento do Meu Melhor Inimigo"
A Diarista Episódio: "Parece Mas Não É"
2005 América Miss Jane Clinton
2006 JK Carlota Bueno
2007 Amazônia, de Galvez a Chico Mendes Branquinha
2008 Casos e Acasos Dona Alba Episódio: "O Trote, o Filho e o Fora"
2009 Caminho das Índias Ana Aparecida Albuquerque Cadore (Dona Cidinha)
2010 Ti Ti Ti Kiki Blanche Episódio: "19 de agosto"
2012 As Brasileiras Dona Conchita Episódio: "A Vidente de Diamantina"
Salve Jorge Dália

Cinema editar

Ano Título Papel
1960 Os Dois Ladrões Madame Gaby
1964 Pão, Amor e... Totobola Mulher de Costa
2002 Achados e Perdidos Dona Mariana [12]
2003 Xuxa Abracadabra Avó da Chapeuzinho
2008 Meu Nome Não é Johnny D. Marly

Teatro[13] editar

  • 1934 - Há uma Forte Corrente
  • 1934 - Flores à Cunha
  • 1934 - Quanto Vale uma Mulher
  • 1934 - Foi seu Cabral
  • 1934 - A Madrinha dos Cadetes
  • 1935 - Cidade Maravilhosa
  • 1935 - Da Favela ao Catete
  • 1935 - Foi Ela...
  • 1935 - Do Norte ao Sul
  • 1935 - Eva Querida
  • 1936 - Co-co-ro-có
  • 1936 - Paz e Amor
  • 1936 - É Batatal
  • 1937 - Mamãe Eu Quero
  • 1937 - Rumo ao Catete
  • 1938 - Boneca de Pixe
  • 1939 - Entra na Faixa
  • 1939 - Camisa Amarela
  • 1939 - Yes, Nós Temos Banana
  • 1940 - Feia
  • 1940 - O Trophéo
  • 1940 - Levada da Breca
  • 1940 - Querida
  • 1940 - Leviana
  • 1940 - Eu, Tu, Ele
  • 1940 - Aonde vais, coração?
  • 1941 - Sol de Primavera
  • 1941 - Casei-me com um Anjo
  • 1941 - A Revoltosa
  • 1941 - A Mais Bela Mulher de França
  • 1941 - Carneiro de Batalhão
  • 1941/1942 - Chuvas de Verão
  • 1941/1942 - Colégio Interno
  • 1942 - O Nazismo sem Máscara
  • 1942 - Escândalo!
  • 1942 - Crescei e Multiplicai-vos
  • 1942/1947 - Bicho do Mato
  • 1943 - A Costela de Adão
  • 1943 - A Mulher que Eu Sonhei
  • 1943 - A Pupila dos Meus Olhos
  • 1943 - Copacabana
  • 1943 - Julho 10
  • 1943 - O Mundo é uma Bola
  • 1943/1948 - Maria Fumaça
  • 1944 - Nós, as Mulheres
  • 1944 - Maria Vai com as Outras
  • 1944 - Estão Contando as Cigarras
  • 1944 - Bonita Demais
  • 1944 - Babalu
  • 1944 - Querida Maluca
  • 1944 - O Príncipe Encantado
  • 1944 - O Bico da Cegonha
  • 1944 - Cavalinho de Pau
  • 1944/1948 - À Sombra dos Laranjais
  • 1945 - Bonita Demais
  • 1945 - Colégio Interno
  • 1945/1948 - Joaninha Buscapé
  • 1946 - Uma Mulher Livre
  • 1946 - O Pecado de Madalena
  • 1946 - Cláudia
  • 1946/1949 - Cândida
  • 1947 - Carta
  • 1947 - Mocinha
  • 1947 - Se Eu Quisesse
  • 1949 - Não Brinques com o Amor
  • 1949 - Helena
  • 1949 - Tu És Meu
  • 1949 - Apartamento Sem Luvas
  • 1949 - Lili do 47
  • 1949 - Os Gregos Eram Assim
  • 1950 - A Felicidade Vem Depois
  • 1950 - Maria João
  • 1950 - Ai, Tereza
  • 1951 - Iaiá Boneca
  • 1951 - Bagaço
  • 1952 - A Amiga da Onça
  • 1952 - O Freguês da Madrugada
  • 1952 - A Mancha
  • 1952 - Chiquinha Fubá
  • 1953 - A Milionária
  • 1953 - Viver é Fácil
  • 1953 - Larga Meu Homem
  • 1954 - A Rainha do Ferro-Velho
  • 1954/1957 - História Proibida
  • 1955 - Sabrina
  • 1955 - Esse Casal é de Morte
  • 1955 - Fronteira
  • 1956 - Timbira
  • 1956/1957 - Lotaria
  • 1957 - Valsa de Aniversário
  • 1958 - Anastácia
  • 1958 - Timbira
  • 1958 - En Garde
  • 1959 - Play Boy
  • 1960 - Amor em Hi-Fi
  • 1960 - Quem Conhece as Mulheres?
  • 1964 - Moral do Adultério
  • 1965 - As Viúvas do Machado
  • 1966/1968 - Senhora na Boca do Lixo
  • 1969 - De Olho na Amélia
  • 1969 - A Celestina
  • 1970 - Em Família
  • 1972 - O Dia em que Raptaram o Papa
  • 1973 - Os Efeitos dos Raios Gama nas Margaridas do Campo
  • 1974 - Chiquinha Gonzaga
  • 1976 - O Rendez-Vous
  • 1977 - Quarta-Feira sem Falta, Lá em Casa
  • 1978 - O Doente Imaginário
  • 1981 - Essa Gente Incrível
  • 1988 - Lily, Lily
  • 1989 - Como se Tornar uma Super Mãe em Dez Lições
  • 1992 - Cartas na Mesa
  • 1994 - A Pequena Mártir do Cristo-Rei

Prêmios e Indicações editar

Ano Prêmio Categoria Trabalho Resultado
1969 Prêmio Molière Melhor Atriz De Olho na Amélia Venceu
2010 Prêmio Shell Homenagem Conjunto da Obra
2012 Prêmio Zilka Sallaberry

Referências

  1. a b «EVA TODOR - TRAJETÓRIA». Memória Globo. Consultado em 9 de novembro de 2016 
  2. a b c Rede Globo (24 de janeiro de 2010). «Entrevista: da Hungria para o Brasil, Eva Todor recorda carreira e conta casos». Consultado em 10 de janeiro de 2013 
  3. a b c Simone Magalhães, in: Aguinaldo Silva Digital (9 de agosto de 2012). «As Mil Faces de Eva». Notícias da TV. Consultado em 10 de junho de 2020 
  4. MAGGIO, Sérgio (6 de janeiro de 2008). «Senhora Sorriso» (PDF). Diário de Pernambuco. Consultado em 18 de novembro de 2016 
  5. «Governo entrega Ordem do Ipiranga a personalidades». Portal do Governo do Estado de São Paulo. 31 de agosto de 2010. Consultado em 9 de março de 2018 
  6. G1 Rio (2 de março de 2017). «Eva Todor está internada em uma clínica na Zona Sul do Rio». G1. Consultado em 2 de março de 2017 
  7. «Com 97 anos, atriz de 'Salve Jorge' está internada no RJ». Consultado em 3 de março de 2017. Arquivado do original em 3 de março de 2017 
  8. a b «Morre aos 98 anos a atriz Eva Todor». G1. 10 de dezembro de 2017. Consultado em 10 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2017 
  9. [1]
  10. «E Nós, Aonde Vamos?». Teledramaturgia. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  11. [2] "Casseta & Planeta/Globo" no YouTube (19/06/2001)
  12. «Achados e Perdidos (2002)». História do Cinema Brasileiro. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  13. «Espetáculos de Eva Todor». enciclopedia.itaucultural.org.br. Consultado em 10 de novembro de 2022 

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Eva Todor