Alternativa para a Alemanha

Alternativa para a Alemanha (em alemão: Alternative für Deutschland, sigla AfD), é um partido político alemão populista de extrema-direita,[2] fundado em Fevereiro de 2013. Fundadores do partido são Bernd Lucke, professor de Economia da Universidade de Hamburgo,[3] o ex-jornalista do Frankfurter Algemeine Zeitung, Konrad Adam e um ex-político da CDU, Alexander Gauland.[4] O congresso de fundação do novo partido na cena política alemã com 1 500 membros foi lançado oficialmente em 14 de Abril 2013, em Berlim.[5] Em 4 de julho 2015, Frauke Petry foi eleita com 60% dos votos como única chefe do partido num congresso da AfD em Essen.[6] Os atuais líderes da legenda são Jörg Meuthen e Alexander Gauland.

Alternativa para a Alemanha
Alternative für Deutschland
Líder Jörg Meuthen
Tino Chrupalla
Fundação 6 de fevereiro de 2013
Sede Schillstraße 9-10
10785 Berlim
 Alemanha
Ideologia Nacionalismo alemão
Populismo de direita
Conservadorismo nacional
Conservadorismo social
Anti-imigração
Eurocepticismo
Espectro político Direita a Extrema-direita
Ala jovem Junge Alternative für Deutschland
Membros 21 203 (Novembro de 2014)[1]
Afiliação europeia Aliança Europeia dos Povos e das Nações
Grupo no Parlamento Europeu Identidade e Democracia
Bundestag
92 / 709
Parlamento Europeu
11 / 96
Parlamentos Regionais
188 / 1 821
Cores Azul e Vermelho
Página oficial
www.alternativefuer.de
Konrad Adam, Frauke Petry e Bernd Lucke na convenção do partido federal em 14 de abril 2013
Cartaz eleitoral da AFD para as eleições federais alemãs de 2013. Ele diz: Vamos ter a coragem de dizer a verdade (para enfrentar as verdades) / Os gregos sofrem / Os alemães pagam / Os bancos colectam. / www.alternativefuer.de

Desde 2015, a AfD tem estado cada vez mais aberta para trabalhar com grupos extremistas de extrema direita, como PEGIDA.[7] Facções internas da AfD têm tendências racistas,[8] islamofóbicas,[9] anti-semitas[10][11] e xenófobas[12][13][14][15][16] ligadas a movimentos de extrema direita, como o neonazismo[17][11] e o movimento identitário.[18][19]

FundaçãoEditar

A Alternativa para a Alemanha foi fundada nos inícios de 2013 por um grupo de professores universitários de economia e de direito e líderes empresariais alemães anti-Euro, para contestar o envolvimento do país no socorro à zona do euro. O partido quer que a zona do euro seja dissolvida e Alemanha retorne a uma moeda nacional ou entre numa união monetária menor.[4]

Em maio de 2015, o partido polarizou-se em duas facções, uma centrada em Lucke e suas políticas econômicas centrais e outro grupo liderado por Petry, que favorecia uma abordagem anti-imigração. O resultado foi que a facção de Lucke partiu para fundar um novo partido: a Aliança para o Progresso e a Renovação,[20] que foi renomeado para Reformadores Conservadores Liberais em novembro de 2016.

Desde 2015, o AfD moveu-se ainda mais para a direita. O partido agora se assemelha a outros partidos populistas de direita radical na Europa, mas é um tanto incomum porque mantém laços visíveis com grupos ainda mais extremistas.[21]

Em março de 2020, o Escritório Federal para a Proteção da Constituição (em alemão: Bundesamt für Verfassungsschutz) classificou a facção nacionalista de extrema direita conhecida como Der Flügel como "um esforço extremista de direita contra a ordem básica democrática livre" e como "não compatível com a Lei Básica ”e, portanto, colocado sob vigilância de inteligência.[22][23]

HistóriaEditar

A liderança do partido é composta por um grupo de conhecidos eurocéticos. O mais destacado defensor da agremiação é Hans-Olaf Henkel, ex-executivo-chefe da IBM Europa e ex-presidente da mais importante Associação Federal da Indústria Alemã. Entre outros nomes que apoiam o partido estão Wilhelm Hankel, Karl Albrecht Schachschneider e Joachim Starbatty, economistas que compartilham a co-autoria de livros defendendo a extinção do euro. Os três formalizaram uma queixa junto ao Tribunal Constitucional da Alemanha em 2010, dizendo que o apoio da Alemanha ao socorro da Grécia, um membro do grupo de países que adoptou o euro, desrespeitou a Constituição e a cláusula de não socorro inscrita no tratado da união monetária. O tribunal pronunciou-se contra eles em 2011.[24]

A sigla quer uma alteração dos tratados da união monetária da UE, a fim de permitir que países deixem a zona do euro.[25] Empréstimos adicionais alemãs para o fundo de estabilidade da zona do euro devem ser bloqueados para forçar outros países europeus a aceitar essa alteração dos tratados, defende o partido.[24]

O partido vê-se como antieuro, mas pró-Europa e pró-UE. O argumento central do partido é que o euro é uma moeda falida, que ameaça a integração europeia por países empobrecendo com economias pouco competitivas, enquanto arruinando financeiramente países com economias competitivas. O partido é apoiado por centenas de economistas bem conhecidas da Alemanha. De acordo com pesquisas de opinião, cerca de um quarto do eleitorado alemão pode considerar votação para um partido que defende uma saída alemão da zona do euro.[26]

O novo partido tem actualmente 21 203 membros (Novembro 2014)[1] e a prioridade da nova força política é criar novas pequenas federações a nível estadual em todo o país,[27] para eleger os seus líderes e candidatos para as eleições de Setembro 2013.[28] O partido assenta em duas linhas: a de que os empréstimos aprovados pelo Parlamento alemão aos países em dificuldades são ilegais (visão também de um grupo de economistas que tem desafiado as medidas no Tribunal Constitucional Federal da Alemanha e que apoia o novo partido); e a de que o euro, em vez de unir a Europa, está a dividi-la.

A partir de finais de 2014, a AfD começou a dividir-se em duas facções internas: uma, centrada em Bernd Lucke, mais centrada nas questões económicas e na crítica ao Euro e, outra, liderada por Frauke Petry, com um discurso próximo da direita populista e nacionalista, atacando a Imigração e alinhada com o PEGIDA.[29][30]

Em Julho de 2015, no congresso da AfD realizado em Essen, Frauke Petry foi eleita líder do partido, conquistando 68% dos votos dos membros do partido.[31] Esta vitória de Frauke Petry confirmou a viragem do partido para a direita, tornando-se, em muito, alinhado com os partidos de direita populista que têm ganho popularidade na Europa nos últimos anos.[32]

Com a crise migratória na Europa a afectar, em especial, a Alemanha, a AfD tem subido a pique em popularidade, beneficiando do seu tom crítico em relação à política migratória de Angela Merkel e a sua crítica feroz ao Islão, religião maioritária dos refugiados.[33][34] A AfD, graças a este discurso, tem captado eleitores e ,tornando-se, segundo as sondagens, o terceiro maior partido da Alemanha.[35][36]

Esta subida de popularidade da AfD foi confirmada nas eleições estaduais de Março de 2016, realizadas em Baden-Württemberg, Renânia-Palatinado e Saxônia-Anhalt.[37] O partido obteve resultados espectaculares conquistando, em todos os três Estados, mais de 10% dos votos, com especial destaque para Saxônia-Anhalt, onde ficou em segundo lugar, com 24% dos votos[38][39][40]

A AfD continuou a obter resultados espectaculares, como foi o caso das estaduais em Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, região de origem da chanceler Angela Merkel, onde o partido, pela primeira vez, ultrapassou os democratas-cristãos da CDU, conquistando 20,8% dos votos, ficando em segundo lugar, atrás do Partido Social-Democrata.[41]

Na conferência do partido em Abril de 2017, Frauke Petry anunciou que não iria ser a cabeça-de-lista do partido para as eleições federais de 2017. Este anúncio surgiu após uma crescente divisão interna enquanto o apoio do partido caiu, nas sondagens, de 15% no verão de 2016 para 7%, pouco antes da conferência.[42] Björn Höcke, da extrema-direita da partido e Petry, estavam, ambos, a tentarem expulsarem-se do partido e, a decisão de Petry foi parcialmente vista como um passo para evitar uma votação na conferência sobre a questão da sua posição no partido.[43][44] O partido escolheu Alexander Gauland, da ala conservadora que trabalhou como advogado e foi ex-membro da CDU,[45] para liderar o partido nas eleições. Gauland apoiou a manutenção de Höcke no partido. Juntamente com Gauland, Alice Weidel, que é mais vista como moderada e com ligações às grandes empresas, foi eleita como sua companheira para as eleições.[46] O partido aprovou uma plataforma que, de acordo com o Wall Street Journal: "exorta a Alemanha a fechar as suas fronteiras aos requerentes de asilo, acabar com as sanções contra a Rússia e sair da UE se Berlim não conseguir recuperar a soberania nacional de Bruxelas, bem como alterar a constituição do país para permitir que as pessoas nascidas de pais não alemães tenham sua cidadania alemã revogada se cometerem crimes graves ".[47]

ObjectivosEditar

Em relação a União EuropéiaEditar

  • A supressão do euro e substituição com moedas nacionais.
  • Pronunciada contra o "resgate do euro" (Euro-Rettungsschirm) que custou biliões.
  • Alteração dos tratados europeus, a fim de permitir que cada Estado deixe o euro.
  • Propósito de "desburocratização da União Europeia" pelo retorno de competições nacionais.
  • Restabelecimento do Estado de direito (sem novas violações dos critérios de Maastricht)
  • Exigência de que o custo do resgate não seja suportado pelos contribuintes.

Resultados eleitoraisEditar

Eleições legislativasEditar

Data Líder M. Uninominal M. Proporcional Deputados +/- Status
CI. Votos % +/- CI. Votos % +/-
2013 Bernd Lucke 8.º 810 915
1,9 / 100,0
7.º 2 056 985
4,7 / 100,0
0 / 631
Extra-parlamentar
2017 Alice Weidel 3.º 5 316 095
11,5 / 100,0
 9,6 3.º 5 877 094
12,6 / 100,0
 7,9
94 / 709
 94 Oposição

Eleições europeiasEditar

Data CI. Votos % +/- Deputados +/-
2014 5.º 2 065 162
7,0 / 100,0
7 / 96
2019 4.º 4 103 453
11,0 / 100,0
 4,0
11 / 96
 4

Eleições estaduaisEditar

Os resultados apresentados serão os das últimas eleições:

Estado Data CI. Votos % Deputados Status
Baden-Württemberg 2016 3.º 809 311
15,1 / 100,0
23 / 143
Oposição
Baviera 2018 4.º 1 383 866
10,2 / 100,0
22 / 205
Oposição
Berlim 2016 5.º 231 325
14,2 / 100,0
25 / 160
Oposição
Brandemburgo 2014 4.º 119 989
12,2 / 100,0
11 / 88
Oposição
Bremen 2015 6.º 64 368
5,5 / 100,0
5 / 83
Oposição
Hamburgo 2015 6.º 214 833
6,1 / 100,0
8 / 121
Oposição
Hesse 2018 6.º 378 376
13,1 / 100,0
19 / 137
Oposição
Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental 2016 2.º 167 453
20,8 / 100,0
18 / 71
Oposição
Renânia do Norte-Vestfália 2017 4.º 626 756
7,4 / 100,0
16 / 199
Oposição
Renânia-Palatinado 2016 3.º 267 813
12,6 / 100,0
14 / 101
Oposição
Sarre 2017 4.º 32 971
6,2 / 100,0
3 / 51
Oposição
Saxônia 2014 4.º 159 547
9,7 / 100,0
14 / 126
Oposição
Saxônia-Anhalt 2016 2.º 271 832
24,2 / 100,0
24 / 87
Oposição
Schleswig-Holstein 2017 5.º 86 711
5,9 / 100,0
5 / 73
Oposição
Turíngia 2014 4.º 99 548
10,6 / 100,0
11 / 91
Oposição

Referências

  1. a b (em alemão) Die Volksparteien schrumpfen weiter, FAZ Online, 24 dezembro 2014
  2. Connolly, Kate (23 de agosto de 2018). «German police in row over far right after officer blocked TV crew at Pegida rally». the Guardian (em inglês). Consultado em 24 de agosto de 2018 
  3. "Cada país deve decidir em referendo saída do euro" Arquivado em 22 de fevereiro de 2014, no Wayback Machine. DN Online, 7 de Fevereiro 2014
  4. a b Líderes contrários ao euro formam partido na Alemanha. gazetaonline.com.br. 17 de março 2013
  5. Novo partido alemão antieuro diz que moeda única divide a Europa. publico.pt. 15 de abril 2013
  6. (em alemão) Lucke-Rivalin Petry gewinnt Machtkampf bei der AfD. faz.de. Recuperado em 4 de julho 2015
  7. «Anti-Semitism row splits German party». BBC News. 6 de julho de 2016. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  8. a b Aderet, Ofer (24 de setembro de 2017). «'Nazis in the Reichstag': All Eyes on Far-right AfD Party as Germans Vote in National Election». Haaretz. Consultado em 20 de dezembro de 2017 
  9. Horn, Heather (27 de Maio de 2016). «The Voters Who Want Islam Out of Germany». The Atlantic. Consultado em 22 de janeiro de 2018. The AfD's founder Bernd Lucke, an economics professor, left the party last summer, condemning rising xenophobia. 
  10. Zeller, Frank. «Anti-migrant, anti-Muslim and anti-Merkel, Germany's AfD set to enter parliament». The Times of Israel. Consultado em 22 de janeiro de 2018. "the AfD is an anti-establishment party that harnesses xenophobia and popular discontent about what it labels unaccountable political and media elites. 
  11. «Meet the far-right party that's bringing racism and xenophobia back to Germany». Vox. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  12. «Thousands rally in Hanover against anti-Islam AfD party». Al Jazeera. Consultado em 22 de janeiro de 2018. ... rally in Hanover against anti-Islam AfD party 
  13. Ellyatt, Holly. «Germany's far-right AfD party: 5 things you need to know». CNBC. Consultado em 22 de janeiro de 2018. Lucke told Reuters at the time that he was leaving amid rising xenophobia and Islamophobia in the party… 
  14. «A neo-Nazi party now controls one-eighth of German Parliament, and here's how that happened». Newsweek. 25 de setembro de 2017. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  15. «Identitarian movement - Germany's 'new right' hipsters». Deutsche Welle. 23 de junho de 2017. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  16. «German right-wing Identitarians 'becoming radicalized'». Deutsche Welle. 20 de março de 2017. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  17. «AfD chief Lucke denies plans to split the party». Deutsche Welle. 19 de maio de 2015. Consultado em 27 de maio de 2015 
  18. Arzheimer, Kai (2019). «Don't mention the war! How populist right-wing radicalism became (almost) normal in Germany». Journal of Common Market Studies. 57: 90–102. doi:10.1111/jcms.12920 
  19. https://www.verfassungsschutz.de/de/oeffentlichkeitsarbeit/presse/pm-20200312-bfv-stuft-afd-teilorganisation-der-fluegel-als-gesichert-rechtsextremistische-bestrebung-ein
  20. DER SPIEGEL. «Verfassungsschutz stuft "Flügel" als rechtsextrem ein - DER SPIEGEL - Politik» (em alemão) 
  21. a b Economistas e empresários alemães formam partido antieuro. br.wsj.com. 20 de março de 2013
  22. Sigla alemã contrária ao euro pode entrar no Parlamento Arquivado em 21 de setembro de 2016, no Wayback Machine.. paginapopular.com.br. 6 de abril 2013
  23. Sigla alemã contrária ao euro pode entrar no Parlamento Arquivado em 21 de setembro de 2016, no Wayback Machine.. paginapopular.com.br. 6 de abril 2013
  24. Partido antieuro da Alemanha quer chegar ao Parlamento. jn.pt. 14 abril 2013
  25. Novo partido alemão quer fim da zona do euro. dw.com. 12 de março 2013
  26. «Personal, political differences plague AfD leadership | Germany | DW.COM | 05.01.2015». DW.COM. Consultado em 19 de março de 2016 
  27. «What next for Germany's Eurosceptic AfD party? - BBC News». BBC News (em inglês). Consultado em 19 de março de 2016 
  28. «Frauke Petry appointed AfD's new leader as German Eurosceptics turn to». The Independent (em inglês). Consultado em 19 de março de 2016 
  29. «Frauke Petry appointed AfD's new leader as German Eurosceptics turn to». The Independent (em inglês). Consultado em 19 de março de 2016 
  30. «Germany's nervous mainstream shifts rightward | Germany | DW.COM | 02.01.2016». DW.COM. Consultado em 19 de março de 2016 
  31. «Germany's right-wing anti-immigration party has surged to new high on the back of the refugee crisis». The Independent (em inglês). Consultado em 19 de março de 2016 
  32. «Germany's right-wing anti-immigration party has surged to new high on the back of the refugee crisis». The Independent (em inglês). Consultado em 19 de março de 2016 
  33. «Far-right party skyrockets to top 3 in German polls amid refugee crisis». RT International (em inglês). Consultado em 19 de março de 2016 
  34. «German state elections: Success for right-wing AfD, losses for Merkel's CDU | News | DW.COM | 13.03.2016». DW.COM. Consultado em 19 de março de 2016 
  35. «German state elections: Success for right-wing AfD, losses for Merkel's CDU | News | DW.COM | 13.03.2016». DW.COM. Consultado em 19 de março de 2016 
  36. «Anti-immigrant AfD makes huge gains in votes, Merkel suffers losses – early figures». RT International (em inglês). Consultado em 19 de março de 2016 
  37. «Merkel's Coalition Suffers Dramatic Setback at Hands of AfD in Regional Elections | MishTalk». Consultado em 19 de março de 2016 
  38. «Extrema-direita ultrapassa CDU de Merkel em eleições regionais na Alemanha». Consultado em 5 de setembro de 2016 
  39. «The rise and fall of the AfD» (em inglês) 
  40. «German far-Right leader stuns party by quitting chancellor race». The Telegraph (em inglês) 
  41. «Far-Right AfD party leader in Germany 'considers stepping down'». The Telegraph (em inglês) 
  42. GmbH, Frankfurter Allgemeine Zeitung (28 de fevereiro de 2015). «AfD-Vizechef im Porträt: Die drei Leben des Alexander Gauland». FAZ.NET. Consultado em 10 de setembro de 2017 
  43. Troianovski, Anton (23 de abril de 2017). «Head of Germany's Upstart Anti-Immigrant Party Pushed Aside». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660 
  44. Troianovski, Anton (23 de abril de 2017). «Head of Germany's Upstart Anti-Immigrant Party Pushed Aside». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660 

Ligações externasEditar