Abrir menu principal

Atentado de Christchurch

atentado terrorista islamofóbico
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um desastre recente ou atualmente em curso. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (data da marcação: 15 de março de 2019; editado pela última vez em 21 de março de 2019) FireIcon.svg
Atentado de Christchurch
Mesquita Al Noor
Local Christchurch
 Nova Zelândia
Data 15 de março de 2019 (0 mês)
13h40 (hora local)
Tipo de ataque Terrorismo doméstico
Alvo(s) Mesquitas e comunidade islâmica
Arma(s) Dois rifles semi-automáticos, duas espingardas, um rifle de ferrolho, um carro-bomba não detonado
Mortes 50[1]
  • 42 na Mesquita Al Noor
  • 7 no Centro Islâmico Linwood
  • 1 no Hospital Christchurch
Feridos +50
Responsável(is) Brenton Tarrant
Motivo

O atentado de Christchurch, na Nova Zelândia, foi um atentado terrorista perpetrado por Brenton Tarrant, um australiano de 28 anos, militante de extrema-direita e supremacista branco,[7] contra muçulmanos que frequentavam a mesquita Al Noor e o Centro Islâmico Linwood, ocorrendo por volta das 13h40 (hora local), em 15 de março de 2019 (00h40 UTC) na cidade de Christchurch. Pelo menos 50 pessoas foram mortas nos tiroteios e mais de 20 ficaram feridas.[1] A polícia encontrou dois carros-bomba, que as autoridades desarmaram. A polícia está mantendo três suspeitos sob prisão. O ataque foi descrito como um ataque terrorista pela primeira-ministra Jacinda Ardern e vários governos internacionalmente.[8]

Índice

Incidentes

Os ataques ocorreram em duas mesquitas em Christchurch, Nova Zelândia. Um total de 50 pessoas foram mortas.[9][1] O ataque é o primeiro tiroteio em massa no país desde o massacre de Raurimu em 1997,[10][11][12][13] e tem sido descrito como um ataque terrorista pela primeira-ministra Jacinda Ardern e governos de vários países.[14][15]

A polícia descobriu dois artefatos explosivos improvisados ​​em veículos.[16] Eles consistiam em múltiplos contêineres de gasolina conectados a um dispositivo desconhecido. A Força de Defesa da Nova Zelândia os desativou sem incidentes.[16][17][16]

Mesquita de Al Noor, Riccarton

Um atirador fortemente armado atacou a Mesquita Al Noor (em árabe: مَسْجِد ٱلنُّوْر, Masjid An-Noor) em Deans Ave, Riccarton[18] por volta das 13:40, hora local. O atirador de Al Noor transmitiu 16 minutos de seu ataque ao vivo pelo Facebook, onde se identificou como Brenton Tarrant, um australiano supremacista branco de 28 anos.[19] As armas usadas por Tarrant estavam cobertas de escritos em branco que nomeavam pessoas da história, desde as Cruzadas, que estavam em conflito com os muçulmanos.[20] Logo antes de abrir fogo, Tarrant declarou "lembrem-se rapazes, assinem o PewDiePie" para a livestream.[19] Foi relatado que até 300 pessoas estavam dentro da mesquita para realizar a oração de sexta-feira, no momento do tiroteio.[21] Um vizinho da mesquita disse a repórteres que ele testemunhou o atirador a fugir da mesquita e soltar o que parecia ser uma arma de fogo em uma garagem.[22]

Centro Islâmico de Linwood

Um segundo atirador foi reportado no Centro Islâmico de Linwood. Segundo o portal de notícias Newshub, a polícia confirmou ter sido um ataque simultâneo em vários locais.[23] [24]

Responsáveis

O comissário de polícia Mike Bush disse que três homens e uma mulher foram presos em conexão com os ataques nas duas mesquitas.[25][16] Um deles, um homem de 28 anos, é australiano.[26] Todos os quatro disseram ter opiniões extremistas. Um dos suspeitos foi identificado como não envolvido no ataque e foi libertado.[27][28]

Antes do tiroteio, o terrorista que atacou a mesquita Al Noor postou um manifesto intitulado "The Great Replacement" (uma referência à teoria da conspiração do "genocídio branco", popular entre supremacistas brancos) no 8chan delineando seu ataque.[29][30] O manifesto inclui referências a figuras de alto perfil da direita, memes do 4chan e encoraja as pessoas online a concordarem com o tiroteio e a criar mais memes.[31] O autor do manifesto também se autodenomina um "removedor de kebab", em referência a um meme no 4chan sobre ataques de sérvios a muçulmanos bósnios.[31] A conta do atirador no Twitter, que já foi suspensa, mostrava armas de fogo com o símbolo neonazista Sol Negro e as Quatorze Palavras (que apareceram no manifesto), bem como os nomes das vítimas de ataques terroristas no Ocidente rabiscados nelas.[19]

Reação

Declaração da primeira-ministra Jacinda Ardern após o massacre.

A primeira-ministra Ardern chamou o incidente de "um ato de violência extrema e sem precedentes" e disse que "este é um dos dias mais sombrios da Nova Zelândia".[32][33][34] Ela também descreveu como um ataque terrorista bem planejado.[35] A prefeita de Christchurch, Lianne Dalziel, afirmou que nunca pensou que "algo assim" poderia acontecer na Nova Zelândia, dizendo que "todos estão chocados".[36] Many other politicians and world leaders condemned the attacks,[35] Elizabeth II, Rainha da Nova Zelândia, disse que estava "profundamente entristecida" com o ataque.[37] Muitos outros políticos e líderes mundiais condenaram os ataques, com muitos líderes mundiais atribuindo o ataque à crescente islamofobia.[38][39]

Pouco antes de executar o ataque, o atirador disse "lembre-se de rapazes, assine o PewDiePie", referindo-se à personalidade sueca do YouTube, Felix Kjellberg.[40][41] Kjellberg postou no Twitter: "Eu me sinto absolutamente enojado de ter meu nome pronunciado por essa pessoa" e deu suas condolências aos afetados pelo massacre.[41]

No Reino Unido, o MI5 lançou um inquérito sobre as ligações do autor à extrema-direita britânica.[42] O ministro do Interior britânico, Sajid Javid, alertou as empresas de mídia social de que enfrentariam a "força da lei" se não fizessem mais e anunciaram um white paper sobre danos online. Espera-se que a política introduza regulamentação legal de editores on-line e mídias sociais, incluindo novas regras de censura.[43]

Mais controverso, Fraser Anning, o senador de Queensland, fez uma declaração que transferiu a culpa para os imigrantes muçulmanos, comparando o Islã ao fascismo.[44] [45]

Leis de armas

As leis de armas na Nova Zelândia foram escrutinadas, especificamente a legalidade das armas semiautomáticas de estilo militar, conforme as da Austrália, que as proibiu após o massacre em Port Arthur em 1996.[46] Como observou Philip Alpers, especialista em políticas de armas, "a Nova Zelândia está quase sozinha com os Estados Unidos ao não registrar 96% de suas armas de fogo - e essas são as armas mais comuns, as mais utilizadas em crimes ... Se ele fosse para a Nova Zelândia para cometer esses crimes, pode-se supor que a facilidade de obter essas armas de fogo pode ter sido um fator em sua decisão de cometer o crime em Christchurch."[47][48]

A primeira-ministra Ardern anunciou: "Nossas leis sobre armas mudarão, agora é a hora ... As pessoas estão buscando mudanças e eu estou comprometida com isso."[47] O procurador-geral David Parker foi posteriormente citado dizendo que o governo iria proibir armas semiautomáticas,[49] mas depois recuou sobre esta declaração, dizendo que o governo ainda não havia se comprometido com nada e que as regulamentações em torno de armas semiautomáticas eram "uma das questões" que o governo consideraria.[50]

Ver também

Referências

  1. a b c «Sobe para 50 número de mortos em ataques a mesquitas na Nova Zelândia». G1. Consultado em 16 de março de 2019 
  2. Lowles, Nick (15 de março de 2019). «The terror in New Zealand is borne of the same far right ideology taking hold in Europe». New Statesman. Consultado em 17 de março de 2019 
  3. Welby, Peter (16 de março de 2019). «Ranting 'manifesto' exposes the mixed-up mind of a terrorist». Arab News. Consultado em 17 de março de 2019. Cópia arquivada em 17 de março de 2019 
  4. Webb, Whitney (16 de março de 2019). «The Christchurch Shooting and the Normalization of Anti-Muslim Terrorism». Mintpress News. Consultado em 17 de março de 2019 
  5. Elmasry, Mohamad (15 de março de 2019). «New Zealand mosque attacks and the scourge of white supremacy». Al Jazeera. Consultado em 17 de março de 2019. Cópia arquivada em 16 de março de 2019 
  6. «New Zealand suspect Brenton Tarrant 'says he is racist eco-fascist who is mostly introverted'». ITV News. Consultado em 15 de março de 2019 
  7. «shooting Far-right ideology detailed in Christchurch shooting 'manifesto'». The Guardian. Consultado em 15 de março de 2019 
  8. «Ataques a mesquitas deixam pelo menos 49 mortos na Nova Zelândia» (em inglês). 15 de março de 2019 
  9. «Christchurch shootings: Death toll rises to 49 following terrorist attack - live updates». Stuff.co.nz. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  10. Leask, Anna (3 de fevereiro de 2017). «Raurimu 20 years on: the madman, the massacre and the memories». The New Zealand Herald (em inglês). ISSN 1170-0777. Consultado em 15 de março de 2019 
  11. Graham-McLay, Charlotte; Ramzy, Austin (14 de março de 2019). «New Zealand Police Say Multiple Deaths in 2 Mosque Shootings in Christchurch». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 15 de março de 2019 
  12. «Mass shootings at New Zealand mosques». www.cnn.com. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  13. «Christchurch mosque shootings: New Zealand's worst since 1943». 15 de março de 2019 – via www.nzherald.co.nz 
  14. «Christchurch mosque shootings: 'This can only be described as a terrorist attack' - PM Jacinda Ardern». Radio New Zealand. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  15. «Christchurch shootings see 49 people killed in attacks on mosques». ABC Online. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  16. a b c d «Watch: Christchurch mosque shooting - Four in custody». Radio New Zealand. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  17. Casiano, Louis (14 de março de 2019). «40 killed and more than 20 seriously injured in New Zealand mass shooting targeting mosques». Fox News 
  18. Sharman, Jon (15 de março de 2019). «Armed police deployed after shots fired at New Zealand mosque» (em inglês). The Independent. Consultado em 15 de março de 2019 
  19. a b c «Mosque shooting: Christchurch gunman livestreamed shooting». The New Zealand Herald (em inglês). 15 de março de 2019. ISSN 1170-0777. Consultado em 15 de março de 2019 
  20. «Christchurch shooting: Gunman's chilling live stream of the mosque attack». www.smh.com.au. Sydney Morning Herald. Consultado em 15 de março de 2019 
  21. «LIVE: Mass shooting at Christchurch mosque as police respond to 'active shooter' situation». 1 News NOW. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  22. «Reports of multiple casualties in Christchurch mosque shooting» (em inglês). ABC News. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  23. Barraclough, Breanna (15 de março de 2019). «Christchurch mosque shooting: Footage emerges of alleged gunman» (em inglês). Newshub. Consultado em 15 de março de 2019 
  24. «Second shooting at mosque in Linwood». New Zealand Herald. New Zealand Herald. Consultado em 15 de março de 2019 
  25. «LIVE: Gunman named, four arrested, as Christchurch mosque attacks leave 'significant' number of fatalities». TVNZ (em inglês). Consultado em 15 de março de 2019 
  26. Schwartz, Matthew (14 de março de 2019). «4 In Custody After Fatal Shootings At 2 Mosques In Christchurch, New Zealand». NPR.org (em inglês). Consultado em 15 de março de 2019 
  27. «40 killed as gunmen open fire in two mosques in New Zealand's Christchurch». CNN. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  28. «Christchurch mosque 'terrorist' shootings: What you need to know». Stuff.co.nz. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  29. «Christchurch mosque shooting: Gunman posts manifesto detailing reasons for attack». news.com.au. Consultado em 15 de março de 2019 
  30. «Australian man named as NZ mosque gunman». The West Australian (em inglês). 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  31. a b Weill, Kelly; Sommer, Will. «Mosque Attack Video Linked to 'White Genocide' Rant». www.thedailybeast.com. Daily Beast. Consultado em 15 de março de 2019 
  32. «Live stream: 1 News at 6pm». 15 de março de 2019 
  33. «PM on mosque shooting: 'One of New Zealand's darkest days'». Newstalk ZB. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  34. «Christchurch mosque shootings: 'This can only be described as a terrorist attack' – PM Jacinda Ardern». Radio New Zealand. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  35. a b «Three in custody after 49 killed in Christchurch mosque shootings». Stuff (em inglês). Consultado em 15 de março de 2019 
  36. «The Queen and Prince Charles send condolences following heartless mosque attacks in New Zealand». Hello. 15 de março de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  37. «World leaders condemn Christchurch mosque terrorism attack». Stuff (em inglês). Consultado em 15 de março de 2019 
  38. «Erdoğan condemns 'deplorable' terror attacks on New Zealand mosques, rising Islamophobia». Daily Sabah 
  39. «Christchurch shooting: 'Beyond awful', Nicola Sturgeon and world react to terror attack». The Scotsman 
  40. Chokshi, Niraj. «PewDiePie Put in Spotlight After New Zealand Shooting». The New York Times. Consultado em 16 de março de 2019 
  41. a b Paton, Callum (15 de março de 2019). «PewDiePie 'Sickened' by New Zealand Mosque Shooter Telling Worshippers to Follow Him Before Opening Fire». Newsweek. Consultado em 15 de março de 2019 
  42. Lagan, Bernard; Brown, David; Karim, Fariha; Simpson, John (16 de março de 2019). «MI5 investigates New Zealand shooter». The Times. Consultado em 16 de março de 2019. (pede subscrição (ajuda)) 
  43. «Christchurch attack: tech firms must clean up platforms - Javid». The Guardian (em inglês). 16 de março de 2019. Consultado em 16 de março de 2019 
  44. «Fraser Anning: Teen placed in headlock after egging Senator for NZ comments». www.news.com.au. Consultado em 17 de março de 2019 
  45. Association, Press (16 de março de 2019). «Fury as Australian senator blames Christchurch attack on Muslim immigration». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 17 de março de 2019 
  46. «Prime Minister says NZ gun laws will change in wake of Christchurch terror attack». Stuff. 16 de março de 2019. Consultado em 16 de março de 2019 
  47. a b Damien Cave, Matt Stevens (15 de março de 2019). «New Zealand's Gun Laws Draw Scrutiny After Mosque Shootings». New York Times 
  48. Elias Vsontay and Emily Ritchie (16 de março de 2019). «Weapon exposes gun-law weakness». The Australian 
  49. jason.walls@nzme.co.nz @Jasonwalls92, Jason Walls Jason Walls is a political reporter for the New Zealand Herald (16 de março de 2019). «Christchurch mosque shootings: New Zealand to ban semi-automatic weapons» – via www.nzherald.co.nz 
  50. «Attorney-General David Parker back-tracks on comments about gun control». Radio New Zealand (em inglês). 16 de março de 2019. Consultado em 16 de março de 2019