Abrir menu principal

Wikipédia β

Bloodborne (ブラッドボーン, Buraddobōn?)[7] é um jogo eletrônico de ação-aventura produzido pela From Software e publicado pela Sony Computer Entertainment a 24 de Março de 2015 em exclusivo para a PlayStation 4.[6][8][9]

Bloodborne
Produtora(s) From Software
Editora(s)
Diretor(es) Hidetaka Miyazaki
Produtor(es) Masaaki Yamagiwa
Jun Yoshino
Compositor(es) Michael Wandmacher[3][4]
Tsukasa Saitoh[4]
Ryan Amon[5]
Yuka Kitamura
Cris Velasco
Nobuyoshi Suzuki
Plataforma(s) PlayStation 4
Data(s) de lançamento
  • AN 24 de março de 2015[6]
  • EU 25 de março de 2015[6]
  • JP 26 de março de 2015[6]
  • RU 27 de março de 2015[6]
Género(s) Ação-aventura, role playing de ação[1]
Modos de jogo Um jogador, multijogador online (cooperativo)
Classificação Inadequado para menores de 17 anos i CERO (Japão)
Inadequado para menores de 16 anos i DEJUS (Brasil)
Inadequado para menores de 17 anos i ESRB (América do Norte)
Inadequado para menores de 16 anos i PEGI (Europa)

Bloodborne foi realizado por Hidetaka Miyazaki, diretor de Demon's Souls e Dark Souls.[10] Miyazaki afirmou que o jogo nunca foi produzido com o sentido de ser Demon's Souls II, porque a Sony Computer Entertainment queria uma nova IP para a PlayStation 4. Foi anunciado pela Sony a 9 de junho de 2014 durante a Electronic Entertainment Expo 2014, onde foi bem recebido pela critica ganhando diversos prêmios e nomeações. Bloodborne foi descrito por Paul Sullivan da Sony como “Dark Souls com Caçadeiras”.

Bloodborne recebeu aclamação critica aquando do seu lançamento. Nos sites de pontuações agregadas GameRankings e Metacritic tem as médias de 91,62% e 93/100, respectivamente. A atmosfera, o enredo, a música, a apresentação, a jogabilidade e a direção em geral, foram elogiadas. Uma das principais criticas foram dirigidas aos tempos de carregamento muito longos. No entanto, em 23 de abril de 2015, a From Software disponibilizou uma atualização que resolveu o problema.

Índice

JogabilidadeEditar

 
Imagem retirada de Bloodborne, onde se vê o jogador a lutar contra o monstro Undead Giant.

Apesar de ter elementos similares de um role playing de ação iguais a Demon's Souls e Dark Souls, existem diferenças significativas nas mecânicas de Bloodborne. O combate tem um ritmo mais rápido e requer uma abordagem mais ofensiva para que os jogadores possam sobreviver a densas hordas de inimigos. O jogador é muito mais ágil para poder desempenhar saltos em redor dos inimigos enquanto estão na mira. O novo estilo “risco vs recompensa” está acentuado através do sistema de regeneração de energia, permitindo aos jogadores, dentro de uma pequena janela de tempo, recuperar a saúde perdida atacando de novo os inimigos.

O arsenal de Bloodborne é mais dinâmico que o armamento convencional de estilo medieval/fantasia da série Souls. Entre as classes que os jogador pode escolher, as armas de corpo-a-corpo podem se transformar em dois estados alternativos, em que cada um dá uma abordagem diferente em relação ao combate. O cutelo, por exemplo, no seu estado inicial pode ser usado para despachar rapidamente os inimigos em áreas apertadas, mas quando transformada no seu estado secundário torna-se uma lâmina mais estendida adequada para controlo de multidões. Os escudos estão disponíveis em Bloodborne, porém segundo o produtor não vai adiantar ficar se defendendo pois os inimigos são muito agressivos, o jogador pode empunhar uma arma de fogo na sua mão esquerda que pode ser usada para atordoar os inimigos, seguido por um ataque crítico com a arma corpo-a-corpo do jogador.

Similar a Dark Souls, os inimigos derrotados deixam “cair” pontos de experiência com o nome Blood Echoes. Se o jogador morrer, os Blood Echoes ficam no local da sua morte; o jogador pode ir buscá-los de novo a esse ponto. No entanto, se o jogador morrer de novo durante o caminho para recuperar os Blood Echoes, estes ficam para sempre perdidos. Os Blood Echoes também podem ser capturados por outros oponentes, identificados por olhos de cor púrpura. Ao derrotar esses oponentes, o jogador recupera as Blood Echoes. Os inimigos também deixam cair Blood Vials (poções de energia) e Balas de Prata, que servem como munição para as várias armas. Os jogadores podem sacrificar energia de saúde e assim receber Balas de Sangue.[11]

Durante o evento PlayStation Experience em dezembro de 2014 em Las Vegas, Miyazaki revelou a característica Chalice Dungeon, que vai gerando progressivamente novas áreas para os jogadores irem lutando cooperativamente.[12]

EnredoEditar

Bloodborne tem lugar em Yharnam, uma cidade gótica e em ruínas, onde segundo os rumores, alberga um poderoso medicamento. Ao longo dos anos muitos viajantes faziam peregrinações à cidade procurando cura para as suas aflições; o jogador tem o papel de um desses viajantes. Quando chega a Yharnam, no entanto, descobre que a cidade está atormentada por uma doença endémica que transformou a maioria dos seus habitantes em criaturas bestiais. O jogador para sobreviver tem assim de percorrer as ruas de Yharnam e superar os seus habitantes violentamente enlouquecidos e os monstros horripilantes.[13]

DesenvolvimentoEditar

A produção de Bloodborne começou logo depois de se ter acabado a edição Prepare to Die de Dark Souls, em 2012. A Sony contatou a From Software no sentido de criarem um titulo em parceria, e o produtor Hidetaka Miyazaki perguntou sobre a possibilidade de ser criado um jogo já com a oitava geração de consolas em mente. Daí nasceu o conceito de Bloodborne. Não existem ligações ao títulos anteriores da From Software, apesar de Miyazaki afirmar que “tem o mesmo ADN de Demon's Souls”.[14] A produção ocorreu em paralelo com a de Dark Souls II.[15] O facto da PlayStation 4 ter sido a primeira consola a ser apresentada à companhia, foi a razão do jogo se ter tornado um exclusivo PS4.[16] Várias imagens do jogo escaparam para a Internet com o titulo Project Beast, semanas antes da revelação oficial de Bloodborne durante a Electronic Entertainment Expo 2014.[17] Muitos julgaram na altura que as imagens poderiam estar relacionadas com Demon's Souls.[18] No entanto, o director Miyazaki tem afirmado desde então que Bloodborne nunca foi produzido com o sentido de ser Demon's Souls II, porque a Sony Computer Entertainment queria uma nova IP para a PlayStation 4.[19]

O cenário gótico e vitoriano do jogo foi inspirado a partir do romance Dracula,[20] e a arquitectura na Roménia e na República Checa.[21] Miyazaki gosta dos romances de Lovecraft e de Dracula e aplicou esses temas no ambiente do jogo.[22] Miyazaki também referiu que queria criar um jogo ambientado nesses temas, mas queria também tudo muito detalhado, sentindo que as consolas na altura não eram suficientemente poderosas para aquilo que visionava e assim teria de esperar pela oitava geração de consolas.[23]

Os detalhes da história são em maior quantidade que nos jogos Souls, assim a equipa teve de criar um mistério maior no cerne do enredo para compensar.[24] A equipa não queria muito aumentar o nível de dificuldade em comparação com os seus jogos anteriores, isto com receio do jogo se tornar “‘injogável’ para todos”. Para equilibrar a equipa criou um sistema de combate mais agressivo, focado em ação e estratégia. Também foram alteradas as punições por morte usadas nos jogos Souls, porque não queriam que o jogo fosse classificado apenas para “jogadores hardcore”.[20] Uma das decisões mais difíceis que a equipa de produção teve de tomar foi a introdução de pistolas como as armas do jogo. Como se adequavam bem ao cenário do jogo e porque são menos precisas que as armas modernas, a pistola acabou por ser incluída. Já a armadura não foi incluída porque entrava em confronto com o cenário do jogo.[24] Bloodborne foi descrito por Paul Sullivan da Sony como “Dark Souls com Caçadeiras”.[25]

A Sony enviou convites aos jogadores para os testes alpha que ocorreram nos dias 1 e 3 de outubro de 2014.[26][27] De acordo com o produtor Masaaki Yamagiwa, Bloodborne está bloqueado em 30fps porque a equipa acredita que é o melhor para jogos de ação.[28] No entanto mais tarde, Miyazaki afirmou que tal decisão foi feita devido às limitações técnicas.[29]

MúsicaEditar

Tal como muitos jogos exclusivos PlayStation, a Bloodborne Original Soundtrack foi uma co-produção entre a divisão de música da Sony Computer Entertainment, neste caso tanto da SCEA como da SCEJ, e a produtora do jogo, a From Software.[4][30] Gravada nos estúdios Abbey Road, e nos estúdios AIR, ambos em Londres, a banda sonora foi criada com uma orquestra de 65 pessoas, com um coro de 32, juntamente com vários artistas e instrumentos a solo. Foram compostos cerca de 94 minutos de música na From Software e as misturas foram feitas na sede da PlayStation em San Mateo, Califórnia, EUA.[4][30] Os créditos da composição são partilhados por vários compositores: Yuka Kitamura (Dark Souls II), Ryan Amon (Elysium, Assassin's Creed Unity),[5] Cris Velasco (God of War, Prototype, Borderlands 2, Mass Effect 3), Nobuyoshi Suzuki, Tsukasa Saitoh da From Software (Eternal Ring, King's Field IV, Armored Core 3) e Michael Wandmacher (Drive Angry, Piranha 3D, Punisher: War Zone, Twisted Metal).[3][4][30][31]

A Bloodborne Original Soundtrack foi lançada mundialmente na PlayStation Store a 24 de março de 2015 e incluída também na versão de colecionador do jogo.[31][32] Uma versão com cerca de 70mns será lançada em formato físico CD e digital via Sumthing Else a 21 de abril de 2015.[33][34]

Bloodborne Original Soundtrack
N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Omen"   Ryan Amon 2:06
2. "The Night Unfurls"   Ryan Amon 2:25
3. "Hunter's Dream"   Ryan Amon 3:53
4. "The Hunter"   Ryan Amon 3:43
5. "Cleric Beast"   Tsukasa Saitoh 3:23
6. "Blood-Starved Beast"   Tsukasa Saitoh 4:59
7. "Terror"   Cris Velasco 4:09
8. "Watchers"   Yuka Kitamura 3:31
9. "Hail the Nightmare"   Ryan Amon 3:15
10. "Darkbeast"   Tsukasa Saitoh 5:14
11. "The Witch of Hemwick"   Michael Wandmacher 4:01
12. "Amygdala"   Cris Velasco 3:48
13. "Rom, the Vacuous Spider"   Yuka Kitamura 3:52
14. "Moonlit Melody"   Ryan Amon 3:48
15. "The One Reborn"   Nobuyoshi Suzuki 3:53
16. "Micolash, Nightmare Host"   Michael Wandmacher 4:02
17. "Of the Pthumerian Line"   Michael Wandmacher 4:03
18. "Queen of the Vilebloods"   Ryan Amon 4:11
19. "Soothing Hymn"   Ryan Amon 2:23
20. "Celestial Emissary"   Ryan Amon 3:15
21. "Ebrietas, Daughter of the Cosmos"   Yuka Kitamura 4:17
22. "Lullaby for Mergo"   Ryan Amon 4:08
23. "The First Hunter"   Tsukasa Saitoh 5:30
24. "Moon Presence"   Ryan Amon 3:04
25. "Bloodborne"   Ryan Amon 2:56
Duração total:
93:49

LançamentoEditar

Bloodborne foi lançado a 24 de março de 2015 na América do Norte, 25 de março na Europa, 26 de março no Japão e 27 de março no Reino Unido e Irlanda.[6]

Em setembro de 2014 a From Software revelou a edição de coleccionador de Bloodborne que inclui para além do jogo uma caixa especial (Steelbook), um livro com arte conceptual e a banda sonora em formato digital.[32] Foi também mostrada a edição Nightmare que inclui todo o conteúdo da anterior mais um livro de notas gótico, um conjunto com uma pena e tinta vermelha, um pequeno sino, uma capa em estanho para livros e um fato Top Hat para usar no jogo.[35] Foi confirmado por Shuhei Yoshida, presidente da Sony World Wide Studios, que está atualmente em produção uma expansão para Bloodborne.[36] Foi também revelada a “Edição Jogo do Ano” que contém para além do jogo a expansão

Uma canção, Hunt You Down, foi gravada pelo Hit House com Ruby Friedman para a publicidade televisiva do jogo,[37] escrita por Scott Miller e William Hunt e gravada por Wyn Davis em Los Angeles e Nova Orleães.[38][39][40]

Conteúdo adicionalEditar

Durante o Tokyo Game Show 2015 foi revelada a expansão Bloodborne: The Old Hunters. The Old Hunters conta a historia dos velhos caçadores referenciados no jogo principal e contém novas áreas de exploração.[41][42] The Old Hunters teve o lançamento em 24 de novembro de 2015. Foi revelada também a Game of the Year Edition, que para além da expansão inclui o jogo principal.[43]

RecepçãoEditar

Pré-lançamentoEditar

Bloodborne foi bem recebido pelos críticos e pelo público em geral aquando da sua apresentação na Electronic Entertainment Expo 2014 recebendo vários prêmios incluindo “Jogo mais Valioso” pela GamesRadar, “Melhor Exclusivo PS4” pela Destructoid, Escolha do Editor da Polygon e “Melhor Jogo para PlayStation 4” por Electronic Gaming Monthly e Hardcore Gamer. Também teve diversas nomeações incluindo cinco categorias pela IGN: “Melhor Jogo”, “Melhor Jogo de Ação”, “Melhor Vídeo”, “Melhor Surpresa” e “Melhor Jogo para PlayStation 4”.[1] Bloodborne tornou-se o jogo mais aguardado de 2015, numa votação feita pelos leitores da revista Game Informer.[44]

Criticas profissionaisEditar

Bloodborne recebeu aclamação critica aquando do seu lançamento. Nos sites de pontuações agregadas GameRankings e Metacritic tem as médias de 91.62% e 93/100, respectivamente.[62][63] A atmosfera, o enredo, a música, a apresentação, a jogabilidade e a direção em geral, foram elogiadas. Uma das principais criticas foram dirigidas aos tempos de carregamento muito longos.[65][66] No entanto, a 23 de Abril de 2015, a From Software disponibilizou uma atualização que resolve o problema.[67]

VendasEditar

Bloodborne vendeu 152,567 cópias para retail na sua primeira semana de lançamento no Japão,[68] ficando em #1 em vendas de software nesse território durante essa semana.[69] e estreou-se em #2 nas vendas do Reino Unido, atrás de Battlefield Hardline em 22,500 unidades.[70] A 15 de Setembro de 2015 a Sony anunciou que Bloodborne já tinha vendido mais de 2 milhões de cópias.[71]

Referências

  1. a b c «Bloodborne». PlayStation.com. Consultado em 14 de setembro de 2014 
  2. «Bloodborne». PlayStation UK. Consultado em 14 de setembro de 2014 
  3. a b Michael Wandmacher (21 de julho de 2014). «Music for "Bloodborne" on PS4». Michael Wandmacher Official Website. Consultado em 26 de março de 2015. Cópia arquivada em 2014 
  4. a b c d e Ryan Parreno (23 de março de 2015). «Bloodborne: Listen To A Full Track From The OST, Cleric Beast.». Gameranx. Consultado em 26 de março de 2015 
  5. a b «Ryan Amon Official Website / News». Consultado em 24 de março de 2015 
  6. a b c d e f Sal Romano (2014). «Bloodborne delayed to de março de 2015». Gematsu. Consultado em 26 de março de 2015 
  7. «Bloodborne» (em japonês). PlayStation.com. Consultado em 19 de janeiro de 2015 
  8. «Bloodborne». PlayStation.com. Consultado em 3 de setembro de 2014 
  9. Yamagiwa, Masaaki. «Bloodborne Coming Exclusively to PS4 in 2015, New Details». PlayStation.com. Consultado em 3 de setembro de 2014 
  10. Robinson, Martin (11 de junho de 2014). «Bloodborne preview». Eurogamer. Consultado em 11 de junho de 2014 
  11. Bryan Dawson. «Bloodborne - Farm for Blood Echoes, Blood Vials, Quicksilver Bullets and Sedatives.». Prima Games. Consultado em 7 de abril de 2015 
  12. MIKE MAHARDY (6 de dezembro de 2014). «PSX 2014: FROM SOFTWARE REVEALS BLOODBORNE'S CHALICE DUNGEON». IGN. Consultado em 9 de dezembro de 2014 
  13. Masaaki Yamagiwa (10 de junho de 2014). «Bloodborne Coming Exclusively to PS4 in 2015, New Details». PlayStation.Blog. Consultado em 3 de outubro de 2014 
  14. Silva, Marty (5 de fevereiro de 2015). «Inside the Mind of Bloodborne and Dark Souls' Creator - IGN First». IGN. Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  15. «新しいハードで新しいゲームを――PS4専用タイトル「Bloodborne(ブラッドボーン)」とはどんなゲームなのか。ディレクター・宮崎英高氏インタビュー». 4Gamer. 19 de junho de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  16. Maiberg, Emmanuel. «Bloodborne Was Only Possible on PS4, Dev Says». GameSpot. Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  17. Kain, Erik (10 de junho de 2014). «'Bloodborne' Is Project Beast, From The Creators Of 'Dark Souls'». Forbes. Consultado em 10 de junho de 2014 
  18. Cook, Dave. «If Project Beast is Demon's Souls 2, here's what must happen». vg247.com. Consultado em 4 de setembro de 2014 
  19. Martin, Liam (12 de junho de 2014). «Bloodborne not connected to Demon's Souls». Digital Spy. Consultado em 4 de setembro de 2014 
  20. a b Cueto, Gerard (29 de outubro de 2014). «GameStart 2014 – Bloodborne Interview With Masaaki Yamagiwa Talks Frame-Rate, Messengers and More». PlayStation Lifestyle. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  21. Parkin, Simon. «Bloodborne creator Hidetaka Miyazaki: 'I didn't have a dream. I wasn't ambitious'». The Guardian. Consultado em 1 de abril de 2015 
  22. «[Bloodborne] Exclusive Interview with Jun Yoshino!». PlayStation Community. 5 de março de 2015. Consultado em 15 de abril de 2015 
  23. Maiberg, Emanuel (27 de setembro de 2014). «Bloodborne Was Only Possible on PS4, Dev Says». GameSpot. Consultado em 30 de setembro de 2014 
  24. a b Hindman, Heath (29 de outubro de 2014). «Bloodborne Producer Talks Story, Guns, Armor & Sadness – Exclusive Interview». PlayStation Lifestyle. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  25. Brown, Jeff (13 de junho de 2014). «Bloodborne: The Next Generation of Souls». Fextralife. Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  26. Jorge Loureiro (16 de setembro de 2014). «Convites a ser enviados para a Alpha de Bloodborne». Eurogamer. Consultado em 3 de outubro de 2014 
  27. Martin, Michael (5 de outubro de 2014). «SONY POSTPONES BLOODBORNE ALPHA TEST ON PLAYSTATION 4». IGN. Consultado em 6 de outubro de 2014 
  28. Saed, Sherif (27 de outubro de 2014). «Bloodborne dev targeting 30FPS because it's "the best for action games"». VG247. Consultado em 28 de outubro de 2014 
  29. Palumbo, Alessio (7 de dezembro de 2014). «Bloodborne Won't Run@60FPS Because Of Technical Limitations». [Worldsfactory]. Consultado em 8 de dezembro de 2014 
  30. a b c Chuck Doud (13 de fevereiro de 2015). «The Otherworldly Music of Bloodborne.». Sony Computer Entertainment America LLC. PlayStation.Blog. Consultado em 26 de março de 2015 
  31. a b «Bloodborne Original Soundtrack / Bloodborne オリジナルサウンドトラック». VGMDB. Consultado em 26 de março de 2015 
  32. a b Steve Hannley (19 de setembro de 2014). «Bloodborne Collector's Edition Now Available For Pre-Order». Harcore Gamer. Consultado em 3 de outubro de 2014 
  33. Owen S. Good (4 de abril de 2015). «Bloodborne's haunting soundtrack gets a separate release de abril de 21». Polygon. Consultado em 6 de abril de 2015 
  34. Luís Alves (3 de abril de 2015). «Banda sonora de Bloodborne à venda a partir do dia 21 de abril». Eurogamer. Consultado em 7 de abril de 2015 
  35. LUKE KARMALI (11 de dezembro de 2014). «BLOODBORNE COLLECTOR'S AND NIGHTMARE EDITIONS REVEALED». IGN. Consultado em 11 de dezembro de 2014 
  36. Yoshida, Shuhei (20 de maio de 2015). «Shuhei Yoshida no Twitter». Twitter.com. Consultado em 21 de maio de 2015 
  37. The Hit House official site
  38. Total Access Recording Page
  39. Bloodborne Official site
  40. HitHouse Soundcloud Bloodborne Hunt You Down 30 second mix
  41. Tamoor Hussain (15 de setembro de 2015). «"Bloodborne: The Old Hunters Expansion Detailed, Trailer Released"». GameSpot. Consultado em 15 de setembro de 2015 
  42. Masaaki Yamagiwa (15 de setembro de 2015). «"Bloodborne expansion The Old Hunters launches on 24th November"». PlayStation.Blog. Consultado em 15 de setembro de 2015 
  43. Tamoor Hussain (13 de outubro de 2015). «"Bloodborne Game of the Year Edition Announced"». GameSpot. Consultado em 13 de outubro de 2015 
  44. Kimberley Wallace (9 de janeiro de 2015). «Our Readers' Top Five Most Anticipated Games Of 2015». Game Informer. Consultado em 19 de janeiro de 2015 
  45. Chris Carter (23 de março de 2015). «Review: Bloodborne.». Destructoid. Consultado em 24 de março de 2015 
  46. Liam Martin (24 de março de 2015). «Bloodborne review (PS4): From Software channels the spirit of Dark Souls.». Digital Spy. Consultado em 24 de março de 2015 
  47. Josh Harmon (23 de março de 2015). «Bloodborne review: Mountains of Madness.». Electronic Gaming Monthly. Consultado em 24 de março de 2015 
  48. Daniel Tack (23 de março de 2015). «Bloodborne Review: A Macabre Masterpiece.». Game Informer. Consultado em 24 de março de 2015 
  49. Ben Griffin (24 de março de 2015). «Bloodborne Review.». Games Radar +. Consultado em 24 de março de 2015 
  50. Kevin VanOrd (23 de março de 2015). «Bloodborne Review: Opiate of the masses.». GameSpot. Consultado em 24 de março de 2015 
  51. Ben Moore (23 de março de 2015). «Bloodborne - Review.». Game Trailers. Consultado em 24 de março de 2015 
  52. Chris Dunlap (23 de março de 2015). «Bloodborne review for PS4.». Gaming Age. Consultado em 24 de março de 2015 
  53. Mick Fraser (23 de março de 2015). «Bloodborne Review.». God is a Geek. Consultado em 24 de março de 2015 
  54. Simon Parkin (24 de março de 2015). «Bloodborne review – elegant, precise and irresistible.». The Guardian. Consultado em 25 de março de 2015 
  55. Steve Hannley (23 de março de 2015). «Review: Bloodborne.». Hardcore Gamer. Consultado em 24 de março de 2015 
  56. Tyrrel, Brandin (27 de março de 2015). «Bloodborne Review». IGN. Consultado em 27 de março de 2015 
  57. Jim Sterling (23 de março de 2015). «Bloodborne Review – Die, Die Again.». The Jimquisition. Consultado em 24 de março de 2015 
  58. Paulmichael Contreras (23 de março de 2015). «Bloodborne Review – You are Not Worthy (PS4).». PlayStation LifeStyle. Consultado em 24 de março de 2015 
  59. Michael McWhertor (27 de março de 2015). «Bloodborne review: Scarlet Letter.». Polygon. Consultado em 30 de março de 2015 
  60. Sam Loveridge (24 de março de 2015). «Bloodborne review.». Trusted Reviews. Consultado em 24 de março de 2015 
  61. Bob Mackey (25 de março de 2015). «Bloodborne PlayStation 4 Review: Into the Nightmare». USGamer. Consultado em 27 de março de 2015 
  62. a b «Bloodborne for PlayStation 4 - GameRankings.». GameRankings. Consultado em 24 de março de 2015 
  63. a b «Bloodborne for PlayStation 4 Reviews.». Metacritic. Consultado em 24 de março de 2015 
  64. «"Bloodborne Reviews - OpenCritic"». OpenCritic. OpenCritic.com, LLC. Consultado em 6 de outubro de 2015 
  65. Eddie Makuch (24 de março de 2015). «Bloodborne Dev "Exploring" Patch to Reduce Load Times, Fix Bugs». GameSpot. Consultado em 25 de março de 2015 
  66. Karmali, Luke (24 de março de 2015). «BLOODBORNE LOAD TIMES ARE GETTING PATCHED». IGN. Consultado em 26 de março de 2015 
  67. Bruno Galvão (23 de abril de 2015). «Bloodborne agora com loadings de 5-15 segundos». Eurogamer. Consultado em 23 de abril de 2015 
  68. «Japanese Sales Chart: Bloodborne Debuts Big, PS4 Continues to Rule Hardware». PlayStation LifeStyle 
  69. «Media Create Sales: 3/23/15 – 3/29/15». Gematsu. 1 de abril de 2015. Consultado em 1 de abril de 2015 
  70. Makuch, Eddie (30 de março de 2015). «Battlefield Beats Bloodborne in UK Sales Charts». GameSpot. Consultado em 1 de abril de 2015 
  71. Bruno Galvão (15 de setembro de 2015). «"Expansão de Bloodborne anunciada para finais de Novembro"». Eurogamer. Consultado em 15 de setembro de 2015 

Ver tambémEditar

Ligações ExternasEditar