Caldas de Monchique

localidade com termas em Monchique

As Caldas de Monchique, igualmente conhecidas como Termas de Monchique, são uma povoação e estância termal situada na freguesia de Monchique do concelho de Monchique, na região do Algarve, em Portugal. Localiza-se a sul da vila de Monchique, a cerca de 6 km de distância desta, junto à estrada nacional EN266.

Caldas de Monchique
Conjunto das Caldas de Monchique, em Fevereiro de 2018.
Tipo Estância termal
Website Página oficial
Património Nacional
DGPC 11119566
SIPA 11182
Geografia
País Portugal Portugal
Local Monchique
Coordenadas 37° 17' 7" N 8° 33' 14" O
Localização das termas em mapa dinâmico

As propriedades terapêuticas das águas locais são reconhecidas desde o tempo do Império Romano, altura em que receberam a designação de águas sagradas.

As águas provêm de oito nascentes, sendo ricas em bicarbonato, flúor, sílica e sódio. Adequam-se ao tratamento de problemas no aparelho respiratório e no aparelho digestivo, assim como ao tratamento de problemas musculares e reumáticos. Apresentam também propriedades relaxantes. Estas águas brotam em temperaturas compreendidas entre os 27°C e os 31,5°C, possivelmente devido a diferentes percursos de escoamento.[1]

Cascata nas Caldas De Monchique, em 2008.

DescriçãoEditar

LocalizaçãoEditar

As termas de Monchique estão situadas na zona interior do Barlavento Algarvio, estando relativamente próximas de várias praias consideradas entre as melhores do país, como as de Dona Ana e de Alvor, na costa Sul, e as de Odeceixe ou da Arrifana, na orla Oeste.[2] A estância termal está localizada a cerca de 206 m de altitude, na encosta Sul da colina da Picota, parte da Serra de Monchique,[3] e situa-se a cerca de 6 Km de Monchique e 18 Km de Portimão.[4] Nas proximidades também se situa o alto da Picota, de onde se avista um vasto panorama da região em redor.[5]

As Caldas de Monchique também são conhecidas pela sua luxuriante vegetação.[6]

Fonte termalEditar

As termas de Monchique são alimentadas por seis fontes,[6] fornecendo uma água super alcalina, com um pH de 9.5.[2] Faz parte da família das águas sulfúreas, mais precisamente das sulfúrias primitivas ou sódicas, que em Portugal também são encontradas em São Pedro do Sul, Vizela e Aregos.[7] As águas sulfúreas são determinadas pela presença de enxofre orgânico e vivo, com um efeito expectorante, anti-séptico e queratoplástico, combinando o efeito sinérgico do enxofre com os bicarbonatos, tornando-as indicadas para doenças respiratórias e de nutrição, artrites reumatónicas crónicas e degenerativas,[7] e problemas digestivos,[3] Entre as doenças respiratórias tratadas pelas águas das Caldas de Monchique, contam-se a asma, bronquite, rinite, alergias e sinusite, enquanto que as músculo-esqueléticas incluem tensão muscular, tendinites, artrite, artrose, espondilite, espondilose, reumatismo, e deformações na coluna vertebral.[8]

As Caldas de Monchique foram por diversas vezes consideradas entre as melhores do país, tendo feito parte da lista das principais estâncias termais pelas páginas Mundo de Viagens[9] e Momondo em 2017,[10] Hotelandia em 2018,[11] e Ekonomista em 2019.[12]

Além das Caldas, existiam várias outras fontes termais no concelho, com destaque para as Águas Santas da Fornalha, na freguesia de Alferce, e a Malhada Quente, na freguesia de Monchique.[13]

 
Arruamento nas Caldas de Monchique em 2018, vendo-se à esquerda a Hospedaria Velha, ao fundo a Hospedaria Nova, posteriormente renomeada para Apartamentos D. Francisco, e à direita a Casa dos Bicos.

ComposiçãoEditar

O complexo ocupa uma área aproximada de 39 Ha, e é composta por vários edifícios e espaços verdes, com percursos pedonais e um circuito de manutenção física.[2] Está situado numa área protegida com mais de 50 Ha, onde dá uma especial importância à preservação dos aquíferos.[14] Em 2020, o complexo das Caldas de Monchique incluía quatro hotéis (Hotel Central, Central Suites & Apartments, Hotel D. Carlos Regis e o Hotel Termal), um ginásio, piscinas exteriores, um restaurante, três bares e diversas lojas.[2]

Hospedaria VelhaEditar

O edifício é utilizado como estabelecimento hoteleiro, sendo parte do complexo do Hotel Central.[15] Foi construído pelo bispo do Algarve, D. Simão da Gama, tendo sido concluído em 1692.[16] Foi alvo de extensas obras de restauro no Século XIX, durante as quais foi aumentada e restaurada.[16]

Hotel Termal das Caldas de MonchiqueEditar

 Ver artigo principal: Hotel Termal das Caldas de Monchique

O edifício foi projectado em 1959 como um hospital termal, tendo sido construído ainda nesse século, e depois readaptado para servir como um hotel.[17]

 
Fachada da capela, em 2007.

Capela das Caldas de MonchiqueEditar

 Ver artigo principal: Capela das Caldas de Monchique

A Capela de Santa Teresa, mais conhecida como Capela ou Ermida das Caldas de Monchique, foi construída em 1940, com projecto do arquitecto Carlos Rebello de Andrade.[18] No interior, de uma só nave, destaca-se a decoração com painéis de azulejo do Século XVIII, representando a vida da Santa Teresa.[19][18]

Unidade fabrilEditar

A zona das Caldas de Monchique inclui igualmente uma unidade de engarrafamento da Sociedade Água de Monchique, que em Outubro de 2019 empregava 35 pessoas, sendo uma das maiores empregadoras da zona, e uma das entidades com maior peso económico.[20]

HistóriaEditar

AntiguidadeEditar

A zona em que se encontram as Caldas de Monchique foi habitada pelo menos desde o Neolítico, tendo os arqueólogos Abel Viana, Octávio da Veiga Ferreira e José Formosinho escavado vários monumentos funerários daquele período, entre 1937 e 1949.[21] Foram encontradas dezasseis sepulturas na necrópole de Palmeira, sete sepulturas na necrópole do Esgravatadouro e três na necrópole da Eira Cavada.[21] Além dos dólmenes, também foram descobertos outros vestígios do período anterior ao domínio romano, como peças de sílex.[22]

As propriedades das Caldas de Monchique foram pela primeira vez aproveitadas durante o período romano, tendo continuado a ser exploradas mesmo após o final daquela civilização, devido às virtudes curativas das suas águas.[4] No local foram encontradas moedas dos períodos romano, muçulmano e português antigo, e tendo sido igualmente descobertos vestígios de edifícios típicos da cronologia islâmica, comprovando que o uso das termas prosseguiu durante este período.[5]

Século XVEditar

Em 1490, o rei D. João II questionou os seus médicos sobre quais seriam as melhores fontes termais no país para aliviar as suas doenças, tendo sido sugeridas as caldas de Monchique e de Óbidos.[4] De forma a saber qual das duas fontes termais eram mais eficazes, foram reunidos doentes com a mesma enfermidade do rei e enviados a ambas as estâncias, tendo sido destacado para Monchique um moço de Pêro Dias.[4] Este regressou totalmente curado, pelo que o monarca decidiu ir às caldas algarvias, apesar da oposição de alguns dos seus médicos.[4] Enviou então a Monchique o vedor da sua casa, João Fogaça, de forma a preparar a sua estadia nas caldas, tendo o monarca partido para o Algarve em 15 de Outubro de 1495, uma Quarta-Feira.[4] Chegou a Monchique no Sábado, onde assistiu a festejos organizados em sua honra, e a um torneio de luta.[4] Seguiu para as caldas na segunda-feira, tendo antes de partir oferecido aos habitantes de Monchique um terreno baldio na serra.[4] Esteve nas termas durante cinco dias, durante os quais bebeu e banhou-se nas águas, como ficou registado nas crónicas de Garcia de Resende.[4] Esta estada prova que na altura já existiriam estruturas nas caldas que permitiram ao rei alojar-se e tomar banho.[4] No entanto, na Quarta-Feira foi a uma caçada na Fóia, tendo o rei ficado doente devido às baixas temperaturas, embora o cronista tenha apontado que os sintomas poderiam ter sido igualmente provocados por envenenamento.[4] No Sábado de manhã, em 5 de Novembro, partiu para Alvor, onde acabou por falecer no mesmo dia.[4]

 
Gravura das Caldas de Monchique, pintada nos princípios do Século XIX pelo artista George Landmann.
 
Gravura das Caldas de Monchique, publicada na revista O Occidente n.º 355, de 1888.

Séculos XVIII e XIXEditar

Este incidente manchou a reputação das termas de Monchique, que foram praticamente esquecidas durante vários anos, tendo sido reanimadas devido aos esforços de vários bispos do Algarve.[4] As primeiras grandes obras foram feitas por D. Simão da Gama, que inaugurou em 1692 uma enfermaria, iniciando desta forma o funcionamento do estabelecimento termal.[23] Este evento ficou registado numa inscrição, numa das paredes do antigo estabelecimento termal: «Esta obra mandou fazer D. Simão da Gama, sendo bispo d'este reino. Era de 1692.».[24] No entanto, o edifício ficou com uma estrutura muito irregular, devido à falta de espaço disponível e à inexistência de um plano definido para a sua construção.[24] Posteriormente destacaram-se as intervenções do Cardeal Pereira em 1731, D. Lourenço de Santa Maria e Melo em 1785, e Francisco Gomes do Avelar em 1815,[4] que construiu novos alojamentos e fez obras de reparação no hospital.[25][26] Também era sua intenção alargar o edifício do hospital, tendo chegado a acumular os materiais de construção para as obras, que não chegaram a avançar devido à sua morte.[25] O conceito de construir edifícios para tratamento e alojamento junto de fontes termais, como forma de apoio social às camadas mais desfavorecidas, seguiu uma tradição que teve as suas raízes nos primeiros anos da independência nacional.[7]

Em 1773 Monchique foi elevada à categoria de vila por um decreto do rei D. José, tendo uma das principais bases para esta decisão sido a existência do «estabelecimento de banhos, onde afluem por ano mais de mil pessoas, para no dito logar encontrarem remedio para os seus males. [...] E porque para ahi chegar da antiga séde do concelho [Silves] é necessario percorrer cinco leguas de caminhos escabrosos, por vezes infestado de ladrões, afastados do resto do paiz, atravez da serra quasi inacessivel de Monchique».[4]

Na Década de 1820, o bispo António de Figueiredo prestou uma grande atenção às termas, tendo-lhe mudado o regulamento em 1829, mas logo em 1833 grande parte dos bens da mitra foram retirados pelo governo liberal, incluindo as caldas, que no ano seguinte passaram para a responsabilidade do prefeito do Algarve, Jerónimo Carneiro.[4] De forma a assegurar as pagar as despesas com a manutenção e o apoio aos pobres, foi dada à administração das caldas o rendimento da Capela de Bento de Araújo, embora esta decisão tenha provocado uma disputa com da Misericórdia de Faro, que só foi resolvida em 1859, na Câmara dos Pares.[4] Desta forma, as Caldas de Monchique ficaram sob a responsabilidade dos governadores civis de Faro,[4] tendo sido criado um regime de pagamentos pela água, banhos e alojamento, de forma a obter mais fundos para acorrer às despesas das termas.[5] Durante este período as termas atingiram um estado de profunda degradação, sendo apenas um conjunto de edifícios de aspecto miserável e com más condições de higiene, e com reduzida capacidade para apoiar os doentes, possuindo apenas algumas tinas em azulejo.[5] Com efeito, devido à falta de recursos no local, os visitantes eram forçados a trazer consigo os produtos indispensáveis à sua permanência, como mobílias, roupa, loiças e alimentos.[5] Esta situação só começou a mudar em 1860,[5] sob ordem do governador Albino de Abranches,[4] com a construção de uma hospedaria, embora ainda em más condições, e a instalação de um salão que era utilizado pelos visitantes para dançarem e se reunirem.[5]

Posteriormente, o governador José de Beires foi responsável por vários melhoramentos na estância termal, incluindo a instalação de um piano e de um bilhar em 1873,[24] e modificou o regulamento, substituindo a administração dos padres provedores por directores médicos.[4] Estes foram Jerónimo Augusto de Bivar Gomes da Costa em 1871, Frederico Lázaro Cortes entre 1872 e 1876, Quirino Tadeu de Almeida entre 1877 e 1878, António Frederico Gomes de 1879 a 1881 e de 1887 a 1891, e João Bentes Castel-Branco entre 1882 e 1886.[4] Durante o período em que esteve administrada por directores médicos, as Caldas de Monchique conheceram importantes progressos, apesar dos reduzidos recursos financeiros que dispunham.[4] Em 1880, as Caldas de Monchique funcionavam entre o início de Abril e os finais de Setembro, tendo alojamento e banhos gratuitos para os pobres, enquanto que os outros utilizadores alugavam quartos, cujos preços iam de 1$400 a 4$800 réis, enquanto que os banhos custavam 20 a 100 réis.[24] O complexo contava com uma estação telegráfica e serviço diário de correio, enquanto que o fornecimento de alimentos era feito através de um açougue e das populações locais, que vendiam frutas, caça, galinhas, ovos e outros géneros.[24] Nessa altura, na periferia das termas existiam algumas hortas e pomares de laranjeiras, estas últimas plantadas por ordem do bispo Francisco Gomes do Avelar.[24]

No entanto, em 1892 o governador do Algarve alterou novamente o sistema de gestão das caldas, substituindo os médicos por um administrador, que estava subordinado aos interesses políticos.[4] Este processo teve um impacto muito negativo, pelo que logo em 1892 o governador, Pereira da Cunha, pediu autorização ao governo para colocar em praça o edifício das termas de Monchique e os seus anexos, de forma a vendê-lo ou passar a sua exploração para um particular.[4] Desta forma, em 30 de Dezembro de 1894 foram adjudicadas as termas a João Bentes de Castel-Branco por um período de 75 anos, que se tornou no seu director.[4] Em 1888, o edifício do hospital estava organizado em redor de um corredor, que tinha de um lado vários quartos para pacientes, e do outro uma enfermaria para os pobres, tendo no centro uma capela consagrada a São João de Deus.[23] A sala dos banhos possuía três piscinas, com capacidade para cinquenta doentes.[23]

 
Publicidade de 1913 à empresa Agua da Matta, que vendia água engarrafada nas Caldas de Monchique.
 
Fotografia do Hotel Central, na transição para o Século XX.
 
Fotografia das Caldas de Monchique, publicada na Revista de Turismo n.º 70, de 1919.

Século XXEditar

Décadas de 1900 e 1910Editar

Sob a gestão de Castel-Branco, as caldas conheceram uma nova fase de progresso, tendo a empresa construído dois hotéis, um casino, e ampliado as ruas e praças, organizando a povoação de acordo com o plano geral, enquanto que nos terrenos em redor foram instaladas árvores e abertos caminhos para passeio, ocupando nesta altura as caldas cerca de 52 Ha.[4] Também instalou um campo de jogos.[5] Verificou-se igualmente uma expansão no parque habitacional, tendo sido construídos doze imóveis privados.[4] Desta forma, o número de estabelecimentos de hotelaria passou a ser de quatro, com diferentes escalas de preços, destacando-se o Hotel Central, e vários chalets também podiam ser alugados.[5] Além da farmácia, também existiam padarias e três mercearias, e era prestado um serviço de aluguer de mobílias, roupas e loiças.[5] A empresa melhorou igualmente o edifício do estabelecimento termal, ficando com um serviço quase completo de hidroterapêutica, e ampliou o salão, que ficou com diversas salas anexas para jogo, bilhares e leitura.[4] Ao lado do vestíbulo da entrada foi instalado o escritório para a empresa, um consultório médico, uma farmácia e os alojamentos do administrador.[5] Providenciou-se igualmente um serviço de saúde permanente, durante todo o ano.[5] Em 1903, o edifício ainda estava em obras, tendo nessa altura sido modificada a fachada.[5] Apesar das obras de que foi alvo, o edifício termal continuou com problemas de espaço, uma vez que a empresa foi incapaz, por falta de recursos, de construir um edifício destinado apenas aos tratamentos hidroterapêuticos.[5] A única parte do complexo que não foi intervencionada foi o hospital dos pobres, formado por duas enfermarias, que não fazia parte da concessão da empresa e por isso ainda dependente do apoio do governo, e que apresentava condições muito deficientes.[5] Para os utilizadores de menores recursos existia igualmente uma piscina já antiga, e que estava ligada às duas nascentes da Pancada.[5] O edifício termal estava a funcionar durante todo o ano, enquanto que o hospital dos pobres funcionava apenas entre Junho e Setembro.[5] O tratamento em si era feito através de banhos em tinas cobertas por azulejo, tendo sido criadas várias terapias para potenciar os efeitos naturais das águas, incluindo duches gerais e locais a pressões diferentes, banhos de chuva, pulverizações, banhos de vapor, e afusões no sistema Kneipp, que era acompanhados por uma dieta rigorosa.[5]

Em 1903, o principal acesso às Caldas de Monchique era feito através de uma estrada de macadame até Portimão, existindo quatro diligências diárias entre a estação e as termas.[5] Esperava-se que a procura aumentasse com a construção de vários ramais ferroviários no Sul do país, e a instalação de um porto de abrigo na barra de Portimão, empreendimentos que estavam nessa a altura em planeamento.[5] Nesta altura, a maior parte dos utilizadores das Caldas vinham do Alentejo, principalmente em Agosto, e do Algarve, dos concelhos de Silves, Portimão, Lagoa e Lagos, e do próprio concelho de Monchique, que vinham maioritariamente durante o mês de Julho.[5] Antes da construção do caminho de ferro até ao Algarve, os visitantes iam de comboio até Beja, seguindo depois a cavalo ou de carroça, ou então iam nos barcos a vapor até Portimão, utilizando depois a Estrada Real até Monchique.[23]

Em 28 de Maio de 1910, o Jornal do Algarve reportou que o Visconde de Miranda tinha discursado sobre vários assuntos regionais durante o Congresso Nacional, em Lisboa, tendo apontado a necessidade de criar uma grande empresa que gerisse as Caldas de Monchique, os hospitais marítimos e a estações climatéricas no litoral.[27] Em 5 de Fevereiro de 1918, a Revista de Turismo noticiou que estavam quase concluída uma estrada entre Monchique e a linha ferroviária do Sul, que estava originalmente planeada para terminar na estação de Sabóia, mas depois o percurso foi alterado de forma a servir o Apeadeiro de Pereiras, devido à sua melhor situação geográfica.[28] Esperava-se que a estrada até Pereiras, em conjunto com a já existente de Monchique a Portimão pelas Caldas, formasse um eixo viário de interesse turístico.[28] Com efeito, a estrada iria facilitar o acesso ao caminho de ferro por parte do concelho de Monchique, permitindo aos viajantes evitar o percurso por comboio até Portimão.[29] Neste período, as Caldas estavam em funcionamento durante todo o ano, sendo mais frequentadas durante o período balnear, entre Maio e Outubro, embora já se verificasse um acréscimo na procura durante o Inverno, devido às suas condições climáticas amenas.[3] Com efeito, entre 1914 e 1918 registou-se um aumento de cerca de 30% na sua afluência, e previa-se que ainda crescesse mais quando fossem feitas as importantes obras que estavam planeadas.[3] Nessa altura, as Caldas de Monchique há eram reconhecidas tanto a nível nacional como internacional, sendo procuradas pelos habitantes da Andaluzia, em Espanha.[29]

Em 1911, João Ribeiro Cristino da Silva descreveu as Caldas de Monchique num artigo da revista O Occidente: «... desenha-se um arborisado valle ascendente, de forte declive e por ultimo a estação thermal de Monchique aparece n'uma curva de estrada, n'um pitorêsco conjunto de fraguêdos, de chalets, de jardins e de frondosas arvores. As Caldas são dois grandes casarões levados ao extremo superior do valle, que vinhamos seguindo, rodeadas de pequenas estradas arborisadas, com varias casas, chalets e hoteis, tudo alindado de jardimsinhos, onde os aquistas, como sempre, passeiam ou leem á sombra, sentados; toda a estancia é entrecalada de respeitaveis rochas de granito, grandes como prédios, lembrando o conjuncto graciosos trechos paysagistas de Cintra. Continuamos a subida, que parece interminavel, e depois de o carro descrever varios lacêtes da estrada, sobranceiramente avisto agora lá em baixo toda a povoação das Caldas de Monchique, formando um gracioso quadro, todo graciosamente emmoldurado pela perspectiva dos innumeros montes, que a distancia vae esfumando, avistando-se por entre um ou outro a fita azul do mar largo.».[30]

Durante o Congresso Algarvio, em meados de 1915, Bentes Castel-Branco discursou sobre o clima algarvio e os seus efeitos sobre a eficácia dos sanatórios.[31] Em Abril de 1917, realizou-se o I Congresso Hoteleiro, na cidade de Lisboa, onde os hotéis Central e Seixoso das Caldas de Monchique foram representados, correspondentemente, por João Bentes Castel-Branco e António Magro.[32] Nesta altura, a estância termal era um dos principais pontos de partida para as excursões até à Fóia.[32]

 
Edifício da Hospedaria Nova, em 2020.

Décadas de 1920 e 1930Editar

Na Década de 1920, o Diário de Notícias fez uma campanha para chamar a atenção do governo para o estado em que se encontravam as Caldas de Monchique.[33] Nesta altura existia um movimento para mudar a administração das termas, culminando com a emissão de um despacho do Ministério do Comércio em Fevereiro de 1921, que anulou a concessão de Bentes Castel-Branco.[34]

Em 30 de Janeiro de 1927, o Jornal do Algarve noticiou que a Junta Geral do Distrito tinha pedido ao Ministro do Comércio para aprovar os orçamentos para as obras nas termas de Monchique.[35] Em Junho de 1929, foi inaugurado o Grande Hotel Internacional, iniciativa que serviu não só para desenvolver a estância termal, mas também contribuiu para a sua divulgação.[32] Em 5 de Julho de 1931, o Jornal do Algarve apelou ao governo para abrir o concurso para a concessão das termas e fazer as obras necessárias para o seu progresso, e caso não surgissem concorrentes, fosse criada uma comissão administrativa para desempenhar essas funções.[13] Nessa altura, a animação nas Caldas era feita principalmente através da organização de bailes, sendo também praticados desportos como o ténis e jogos como a malha.[13] Estavam em funcionamento quatro estabelecimentos de alojamento: o Hotel Central, o Grande Hotel, o Hotel Encarnação e a Hospedaria Nova, e o director técnico do estabelecimento termal era Bernardino Moreira da Silva.[13] Igualmente em 1931, foi concluída a estrada entre Monchique e a estação de Santa Clara - Sabóia,[36] pela Junta Autónoma das Estradas.[37]

Em 1935, o complexo contava com estações telégrafo-postal e telefónica, fornecimento de electricidade e várias pensões.[38] Em 1937, as Caldas de Monchique faziam parte do itinerário turístico Amendoeiras em Flôr da Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, utilizando autocarros.[39] Nesse ano, a empresa também iniciou uma carreira de autocarros entre a estação de Santa Clara - Sabóia, onde se ligava aos comboios rápidos e a Praia da Rocha, em Portimão, servindo as Caldas de Monchique.[40]

Décadas de 1940 e 1950Editar

Em 1946, a revista Panorama noticiou que uma comissão de representantes do Algarve tinha vindo a Lisboa, para pedir ao governo que fossem feitas obras nas Caldas do Monchique, argumentando que estes melhoramentos iriam ter grandes beneficios para a região Sul do país.[41]

Em 26 de Janeiro de 1951 foi organizado em Lisboa o II Congresso Regional Algarvio, onde se discutiram vários assuntos sobre o concelho de Monchique, incluindo os problemas económicos que as termas estavam a enfrentar desde o final da Segunda Guerra Mundial.[32] A este declínio também se juntou a mudança dos hábitos das populações a nível nacional, que passaram a preferir as praias marítimas, em detrimento das termas, incluindo as de Monchique.[32]

 
Edifício do Hotel Termal, planeado em meados do Século XX, originalmente para servir como hospital.

Década de 1960Editar

Em 1963, as Caldas de Monchique eram uma das apenas doze localidades no Algarve que tinham instalações de hotelaria classificadas pela Secretariado Nacional de Informação, tendo o jornalista José Manuel Vieira de Barros sugerido a instalação de um hotel nas Caldas, que deveria ter capacidade não só para a corrente procura, como para as necessidades futuras.[42] Esta iniciativa também iria contribuir para resolver o abandono de que a estância termal estava a sofrer por parte do governo, apesar da sua grande procura, originária do Algarve, Alentejo e Andaluzia.[42] Em 1964 já estava em construção o hospital, e estava a ser preparada a instalação do edifício definitivo para o estabelecimento termal.[7] Nessa altura as Caldas de Monchique eram as únicas em todo o Sul do país, embora existissem condições para criar ou modernizar as estâncias termais noutros pontos do Algarve, como as Fontes de Cachopo e da Atalaia, em Tavira, tendo esta última chegado a ter uma grande procura, a Praia dos Olhos de Água em Albufeira, a Fonte Santa no concelho de Loulé, e a nascente cloretada de Vale de Pereiros, em Ferragudo, no concelho de Lagoa.[7] Num artigo publicado na Gazeta dos Caminhos de Ferro em 1965, o médico José Aboim Ascensão Contreiras relatou que as Caldas já estavam em recuperação, depois de ter passado por um período de declínio, através dos esforços de uma comissão administrativa.[22] Sugeriu igualmente a criação de um museu arqueológico e hidrológico, onde fossem reunidos os vestígios da ocupação antiga nas Caldas e a sua evolução histórica.[22]

Década de 1990Editar

Em 16 de Dezembro de 1992, a Sociedade Água de Monchique iniciou a exploração pública das águas minerais.[43]

 
Complexo das Caldas de Monchique em 14 de Agosto de 2018, sendo visíveis os efeitos do grande incêndio florestal que devastou o concelho entre 3 e 10 de Agosto.
 
Fábrica de engarrafamento da Água de Monchique, em Fevereiro de 2020.

Século XXIEditar

Em Agosto de 2018, as Caldas de Monchique foram atingidas por um incêndio florestal, forçando a Sociedade Água de Monchique a suspender a sua produção durante dez dias.[44][45] Este incêndio eliminou grande parte da camada vegetal que cobria os monumentos junto às Caldas de Monchique, permitindo a realização de estudos arqueológicos, que decorreram durante os primeiros meses de 2019.[21]

Em finais de 2018, estava a decorrer o processo de compra das termas de Monchique à Fundação Oriente por um consórcio, formado pelas empresas Taylor, Fladgate & Yetman e Unlock Boutique Hotels, e por um representante da firma das Águas de Monchique.[46] A Taylor, Fladgate & Yetman, posteriormente renomeada para The Fladgate Partnership, era responsável pela produção de vários vinhos do Porto e pela exploração de hotéis de luxo, como o Yeatman, em Vila Nova de Gaia, enquantto que a Unlock Boutique Hotels administrava vários hotéis boutiques em território nacional.[46] Uma das principais condições para concluir o negócio foi a isenção do Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis, que em Dezembro desse ano já tinha sido autorizado pela Assembleia Municipal, permitindo uma redução de cerca de meio milhão de Euros em impostos.[46] Esta decisão foi tomada devido ao impacto positivo que o desenvolvimento que o complexo termal iria ter no concelho, como gerador de emprego qualificado e como incentivo para futuros investimentos, tendo a autarquia requerido que o valor poupado nos impostos deveria ser utilizado para desenvolver os espaços públicos nas caldas.[46]

A exploração foi entregue à empresa Unlock Boutique Hotels, que iniciou um programa para a revitalização do complexo,[47] que incluiria a renovação os edifícios em funcionamento, e a reutilização de vários que estavam encerrados, e obras nas zonas públicas envolventes.[46] Previa-se que esta intervenção, em conjunto com o processo de aquisição, iria totalizar cerca de 10,5 milhões de Euros.[47] Em Março de 2019, a empresa anunciou que a primeira fase do programa de revitalização estaria pronta na Páscoa desse ano, tendo desta forma a duração aproximada de um ano.[47] Este investimento consistiu na requalificação da oferta hoteleira e termal, principalmente na modalidade do turismo de natureza, em combinação com as qualidades terapêuticas da água de Monchique e a gastronomia da região.[47] Após as obras, a Villa Termal Caldas de Monchique ficaria com 114 quartos, suites e apartamentos, em quatro estabelecimentos hoteleiros diferentes, adequados às diversas vertentes da procura.[47] O Hotel D. Carlos Regis, de quatro estrelas, teria 22 quartos e quatro suites, tendo sido alvo de obras nas zonas sociais e no bar.[47] Também foi criado o novo Hotel Central, produto da aglomeração do antigo Hotel Central com a Estalagem D. Lourenço e a construção de novos quartos, possuindo um total de 32 quartos e suites, e tendo igualmente uma classificação de quatro estrelas.[47] O Hotel Central Suites também foi remodelado e passou a ter dez suites e duas vilas, sendo classificado como alojamento local e destinado a casais ou famílias.[47] Também estava prevista a instalação de uma sala de banquetes e eventos com 120 lugares, quatro restaurantes, incluindo um chamado de 1692, em homenagem à data da fundação da primeira hospedaria nas caldas, e três bares: D. Carlos Cocktail & Gin, no Hotel D. Carlos Regis, O Tasco, e o PH 9.5, junto às piscinas exteriores.[47]

GaleriaEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Caldas de Monchique». Catálogo de Recursos Geotérmicos em Portugal Continental. Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação e Sistema Nacional de Informação Geocientífica 
  2. a b c d «Hotel Termal». Unlock Boutique Hotels. Consultado em 24 de Janeiro de 2019 
  3. a b c d «Caldas de Monchique». Revista de Turismo. Ano III (72). Lisboa. 20 de Junho de 1919. p. 189-190. Consultado em 25 de Janeiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  4. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab «Thermas Portuguesas: As Caldas de Monchique». Revista de Turismo. Ano III (70). Lisboa. 20 de Maio de 1919. p. 173-174. Consultado em 24 de Janeiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  5. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u «Thermas de Portugal: Caldas de Monchique» (PDF). Brasil - Portugal. Ano V (108). Lisboa: Companhia Nacional Editora. 16 de Julho de 1903. p. 185-188. Consultado em 26 de Janeiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  6. a b «Lugares e paisagens de Portugal». Dicionário Ilustrado do Conhecimento Essencial 1.ª ed. Lisboa: Selecções do Reader's Digest, S. A. 1996. p. 413. 604 páginas. ISBN 97-609-154-3 
  7. a b c d e CONTREIRAS, Ascensão (1 de Novembro de 1964). «Breve ensaio sobre as Águas Medicinais Portuguesas, especialmente no Algarve» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 77 (1845). Lisboa. p. 309-310. Consultado em 1 de Fevereiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  8. «Spa Termal». Unlock Boutique Hotels. Consultado em 25 de Janeiro de 2019 
  9. ARANHA, Eduardo (2 de Março de 2017). «Confira quais as 10 melhores Termas de Portugal». Mundo de Viagens. Consultado em 9 de Fevereiro de 2020 
  10. «Termas de Portugal: as 6 melhores termas de Norte a Sul». Momondo. 14 de Dezembro de 2017. Consultado em 9 de Fevereiro de 2020 
  11. PINTO, Luísa (4 de Novembro de 2018). «Vamos às termas! (as melhores estâncias termais de Portugal)». Hotelandia. Consultado em 9 de Fevereiro de 2020 
  12. PEIXOTO, Helena (15 de Janeiro de 2019). «As 10 melhores termas de Portugal para dias de relaxamento». Ekonomista. Consultado em 9 de Fevereiro de 2020 
  13. a b c d BARROS, A. J. Magalhães (5 de Julho de 1931). «Caldas de Monchique» (PDF). O Algarve. Ano 24 (1213). Faro. p. 1. Consultado em 28 de Janeiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  14. «Água Monchique interrompe produção até Dezembro para melhorar as linhas de engarrafamento». Sul Informação. 28 de outubro de 2019. Consultado em 2 de Fevereiro de 2020 
  15. «Hotel Central». Unlock Boutique Hotels. Consultado em 9 de Janeiro de 2019 
  16. a b PINTO, Ana Maria Lourenço (2013). Realizações e Utopias: O Património Arquitectónico e Artístico das Caldas de Monchique na Cenografia da Paisagem Termal (PDF) (Tese de Mestrado). Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Consultado em 24 de Janeiro de 2019 
  17. VIEGAS, Patrícia (2000). «Hospital Termal das Caldas de Monchique / Hotel Termal». Sistema de Informação para o Património Arquitectónico. Direcção-Geral do Património Cultural - Ministério da Cultura. Consultado em 24 de Janeiro de 2020 
  18. a b «Capela de Santa Teresa – Caldas de Monchique». Câmara Municipal de Monchique. Consultado em 15 de Junho de 2019 
  19. Vilas e Aldeias do Algarve Rural, 2003:48
  20. «Água de Monchique suspensa até dezembro». SIC Notícias. 28 de Outubro de 2019. Consultado em 2 de Fevereiro de 2020 
  21. a b c «Monchique redescobre património arqueológico entre as cinzas do incêndio». Barlavento. 3 de Maio de 2019. Consultado em 12 de Março de 2020 
  22. a b c CONTREIRAS, José Aboim Ascensão (1 de Maio de 1965). «As Maravilhosas Termas do Algarve» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 78 (1857). Lisboa. p. 106-108. Consultado em 3 de Fevereiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  23. a b c d «Caldas de Monchique» (PDF). O Occidente. Ano 113 (355). Lisboa. 1 de Novembro de 1888. p. 244. Consultado em 26 de Janeiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  24. a b c d e f SILVA, F. Gonçalves da. «Caldas de Monchique». O Algarve Illustrado. Ano 1 (5). Faro: J. F. Tavares Bello. p. 17-19. Consultado em 9 de Fevereiro de 2020 – via Biblioteca Nacional Digital 
  25. a b «D. Francisco Gomes do Avellar» (PDF). O Panorama. 2.ª Série (34). 20 de Agosto de 1842. p. 270. Consultado em 2 de Fevereiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Portugal 
  26. «Breve referência ao Patrono da Escola» (PDF). Plano Anual de Atividades 2015-2016. Escola Profissional D. Francisco Gomes de Avelar. 2015. p. 3-7. Consultado em 24 de Janeiro de 2020 
  27. «Eccos da Semana» (PDF). O Algarve. Ano 3 (113). Faro. 22 de Maio de 1910. p. 1. Consultado em 26 de Janeiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  28. a b «Estrada de Monchique». Revista de Turismo. Ano II (39). Lisboa. 5 de Fevereiro de 1918. p. 118. Consultado em 26 de Janeiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  29. a b J. J. R. (29 de Setembro de 1918). «Monchique boa estação de verão: Suas comodidades e diversões» (PDF). O Algarve. Ano 11 (549). Faro. p. 1. Consultado em 26 de Janeiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  30. CHRISTINO, Ribeiro (10 de Maio de 1911). «Digressão pelo oeste do Algarve» (PDF). O Occidente. XXXIV (1165). p. 103. Consultado em 4 de Fevereiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  31. «Há 50 anos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 78 (1866). 16 de Setembro de 1965. p. 278-279. Consultado em 6 de Fevereiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  32. a b c d e SAMPAIO, José Rosa (18 de Janeiro de 2016). «O Congresso Regional Algarvio de 1915 e os seus reflexos no Concelho de Monchique (IV)». Jornal de Monchique. Consultado em 6 de Fevereiro de 2020 
  33. O «Diário de Notícias» no Algarve (PDF). O Diário de Notícias: da sua fundação às suas bodas de diamante. Volume II. Lisboa: Diário de Notícias. 1939. p. 250-251. Consultado em 2 de Fevereiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  34. «Notícias diversas». Revista de Turismo. Ano V (105). Lisboa. Março de 1921. p. 146. Consultado em 25 de Janeiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  35. «Caldas de Monchique» (PDF). O Algarve. Ano 19 (982). Faro. 30 de Janeiro de 1927. p. 1. Consultado em 28 de Janeiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  36. GASCON, 1955:176
  37. «Publicações recebidas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 49 (1177). 1 de Janeiro de 1937. p. 21. Consultado em 6 de Fevereiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  38. «O Triângulo de Turismo do Algarve: Praia da Rocha - Monchique - Sagres» (PDF). Diário de Lisboa. Ano 15 (4481). Lisboa. 11 de Maio de 1935. p. 8. Consultado em 2 de Fevereiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  39. «Amendoeiras em Flôr» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano XLIX (1178). Lisboa. 16 de Janeiro de 1937. p. 11. Consultado em 1 de Fevereiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  40. «Camionagem» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 49 (1193). 16 de Setembro de 1937. p. 418. Consultado em 6 de Fevereiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  41. «Iniciativas e Realizações» (PDF). Panorama: Revista Portuguesa de Arte e Turismo. Ano V (30). Lisboa: Secretariado Nacional de Informação, Cultura Popular e Turismo. 1946. p. 67. Consultado em 1 de Fevereiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  42. a b BARROS, José Manuel Vieira de (1 de Abril de 1964). «O Algarve e o seu turismo» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 77 (1831). Lisboa. p. 53. Consultado em 6 de Fevereiro de 2020 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  43. «Água Monchique interrompe produção até dezembro». Barlavento. 28 de outubro de 2019. Consultado em 2 de Fevereiro de 2020 
  44. «Bebe água de Monchique? Saiba que a sua produção estará suspensa até dezembro». Expresso. 28 de outubro de 2019. Consultado em 2 de Fevereiro de 2020 
  45. NEVES, Rui (15 de abril de 2019). «Água de Monchique aumenta salários em 9% e distribui prémios de 50 mil euros». Jornal de Negócios. Consultado em 2 de Fevereiro de 2020 
  46. a b c d e RODRIGUES, Hugo (5 de Dezembro de 2018). «Consórcio vai comprar as Caldas de Monchique e tem 10 milhões para investir». Sul Informação. Consultado em 8 de Março de 2020 
  47. a b c d e f g h i «Novos donos avançam com a renovação das termas de Monchique». Sul Informação. 20 de Março de 2019. Consultado em 6 de Março de 2020 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre as Caldas de Monchique

BibliografiaEditar

  • Vilas e Aldeias do Algarve Rural 2ª ed. Faro: Globalgarve/Alcance/In Loco/Vicentina. 2003. 171 páginas. ISBN 972-8152-27-2 
  • GASCON, José António Guerreiro (1993) [1955]. Subsídios para a Monografia de Monchique 2.ª ed. Faro: Algarve em Foco Editoa. 403 páginas 

Leitura recomendadaEditar

  • ACCIAIUOLI, Luís (1945). Águas de Portugal. 2 Volumes. [S.l.]: Ministério da Economia - Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos 
  • SAMPAIO, José Rosa (2015). Os transportes públicos em Monchique: a diligência e os primeiros veículos a motor 2.ª ed. Monchique: Estudos de história de Monchique. 15 páginas 
  • CAPELA, Fábio Filipe Gomes Simões (2014). Contributos para o conhecimento da pré-história recente e da proto-história da Serra de Monchique (Tese de Mestrado em Arqueologia e Território, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra) 1.ª ed. Albufeira e Monchique: Editora Arandis e Câmara Municipal de Monchique. 180 páginas 

Ligações externasEditar