Abrir menu principal

Campos Novos Paulista

município brasileiro do estado de São Paulo

Campos Novos Paulista é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 22º36'11" sul e a uma longitude 50º00'09" oeste, estando a uma altitude de 446 metros. Sua população estimada em 2018 era de 4 932 habitantes. Possui uma área de 484,6 km².

Município da Estância Climática de Campos Novos Paulista
Bandeira da Estância Climática de Campos Novos Paulista
Brasão da Estância Climática de Campos Novos Paulista
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 1885 (134 anos)
Gentílico campos-novense
Prefeito(a) Julio Cesar do Carmo (Bijuca) (PSDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização da Estância Climática de Campos Novos Paulista
Localização da Estância Climática de Campos Novos Paulista em São Paulo
Estância Climática de Campos Novos Paulista está localizado em: Brasil
Estância Climática de Campos Novos Paulista
Localização da Estância Climática de Campos Novos Paulista no Brasil
22° 36' 10" S 50° 00' 10" O22° 36' 10" S 50° 00' 10" O
Unidade federativa São Paulo
Mesorregião Assis IBGE/2008[1]
Microrregião Assis IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Marília, Ocauçu, São Pedro do Turvo, Ribeirão do Sul, Ibirarema, Platina e Echaporã[2]
Distância até a capital 415 km[3]
Características geográficas
Área 484,577 km² [4]
População 4 932 hab. Estimativa IBGE/2018[5]
Densidade 10,18 hab./km²
Altitude 446 m
Clima Subtropical Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,761 alto PNUD/2000[6]
PIB R$ 65 119,155 mil IBGE/2008[7]
PIB per capita R$ 13 182,02 IBGE/2008[7]
Página oficial
Prefeitura Sítio oficial

HistóriaEditar

Campos Novos Paulista é o mais antigo município do oeste paulista, e sua história está intimamente ligada a do município de Echaporã. Por volta de 1852 José Teodoro de Souza, mineiro de Pouso Alegre, acompanhado da família e amigos chegou à região da atual cidade, onde construiu diversas casas e iniciou as primeiras plantações. No ano de 1856 requereu a posse dessas terras às autoridades de Botucatu, cidade a qual pertencia todo esse território à época, onde construiu uma capela às margens do rio Novo, um afluente do rio Paranapanema.

O patrimônio, chamado de São José do Rio Novo, continuou habitado por algum tempo somente por seus iniciadores. Os índios hostis da região (Caingangues) aos poucos foram sendo afugentados e novos povoadores foram se fixando[8].

O povoado de São José do Rio Novo foi elevado a distrito policial em 1878 e logo após a freguesia (distrito) pela lei 62 de 13/04/1880, com a denominação de São José dos Campos Novos do Rio Novo, agora pertencendo ao município de Santa Cruz do Rio Pardo. Pela lei 25 de 10/03/1885 foi elevado à vila (município) com a denominação de Campos Novos do Paranapanema, sendo instalado em 14/01/1887. A lei 1828 de 21/12/1921, simplificou o nome para Campos Novos[9].

Foi um dos maiores municípios do estado de São Paulo, chegando a ter mais de 30.000 km² de área[10], cujo território abrangia todo o vale do rio Paranapanema e do rio do Peixe até as barrancas do rio Paraná. Para se ter uma idéia da extensão territorial e da importância do município, cidades como Presidente Prudente, Assis, Marília e Garça já pertenceram a Campos Novos Paulista.

Conforme seu território foi sendo ocupado, surgiram inúmeros povoados que foram elevados à distrito e que posteriormente se emanciparam, desmembrando o município original até ser reduzido a área atual.

Foram criados em seu território os seguintes distritos[11]:

  • Conceição de Monte Alegre, no ano de 1891, que emancipou-se em 1896 mas foi instalado somente em 1913, mais tarde extinto e incorporado ao município de Paraguaçu Paulista;
  • Platina, no ano de 1894, que emancipou-se em 1915;
  • Palmital, no ano de 1916, que emancipou-se em 1919;
  • Tabajara, no ano de 1921, que foi extinto e teve a sua sede transferida em 1933 para o distrito de Fortuna (atual Oscar Bressane), transferido para o município de Bela Vista (atual Echaporã) em 1938;
  • Garça, no ano de 1925, que emancipou-se em 1928;
  • Varpa, no ano de 1927, transferido para o município de Marília em 1933.
  • Pompeia, no ano de 1928, transferido para o município de Marília também em 1928.
  • Catequese, no ano de 1928, que foi extinto e teve a sua sede transferida em 1938 para o distrito de Bela Vista (atual Echaporã) em 1938;
  • Lutécia, no ano de 1929, transferido para o município de Bela Vista (atual Echaporã) em 1938;
  • Casa Grande (atual Ocauçu), no ano de 1934, transferido para o município de Bela Vista (atual Echaporã) em 1938;

Também vários distritos policiais foram criados no município, destacando-se: Vila Marcondes, um dos patrimônios que deu origem a cidade de Presidente Prudente em 1921; Alto Cafezal, um dos patrimônios que deu origem a cidade de Marília em 1928 e Porto Tibiriçá, que deu origem a cidade de Presidente Epitácio em 1948.

Pelo decreto 9775 de 30/11/1938, a sede do município de Campos Novos é transferida para o novo distrito de Bela Vista (a atual cidade de Echaporã), recebendo o município este nome. Sendo assim Campos Novos volta novamente a condição de distrito. O decreto-lei 14334 de 30/11/1944, transferiu Campos Novos para o município de Ibirarema e mudou-lhe o nome para Nuretama. Finalmente pela lei 233 de 24/12/1948 foi elevado a município novamente mas com o nome definitivo de Campos Novos Paulista, sendo instalado em 01/01/1949.

Estância climáticaEditar

 Ver artigo principal: Estância turística

Campos Novos Paulista é um dos 12 municípios paulistas considerados estâncias climáticas pelo Estado de São Paulo, por cumprirem determinados pré-requisitos definidos por Lei Estadual. Tal status garante a esses municípios uma verba maior por parte do Estado para a promoção do turismo regional. Também, o município adquire o direito de agregar junto a seu nome o título de Estância Climática, termo pelo qual passa a ser designado tanto pelo expediente municipal oficial quanto pelas referências estaduais.

GeografiaEditar

DemografiaEditar

Dados do Censo - 2000 População Total: 4.181

(Fonte: IPEADATA)

HidrografiaEditar

RodoviasEditar

ComunicaçõesEditar

A cidade foi atendida pela Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo (COTESP) até 1973, quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[12], que construiu em 1976 a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica, sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo para suas operações de telefonia fixa[13][14][15].

AdministraçãoEditar

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. http://mapas.ibge.gov.br/divisao/viewer.htm  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  3. «Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista». Consultado em 26 de janeiro de 2011 
  4. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  5. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de agosto de 2018). «Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data referência em 1º de julho de 2018» (PDF). Consultado em 29 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2018 
  6. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  7. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  8. «História de Campos Novos Paulista». IBGE Cidades 
  9. «Histórico da formação dos municípios do Estado de São Paulo». Fundação Seade 
  10. «SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Justiça e da Segurança Pública. Diretoria de Justiça e Contabilidade. Comarcas do Estado de S. Paulo: dados para servirem de base para a classificação das comarcas do Estado de S. Paulo em entrancias, colligidos. São Paulo: Typ. Casa Garraux, 1912. 241 p.». Fundação Seade 
  11. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  12. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  13. «Convênio de incorporação da COTESP pela TELESP em 25 de outubro de 1973». Portal da Câmara dos Deputados 
  14. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  15. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externasEditar