Conclave de 1565–1566

(Redirecionado de Conclave de 1565-1566)

O Conclave de 1565-66 foi a reunião de eleição papal realizada após a morte do Papa Pio IV. Durou de 20 de dezembro de 1565 a 7 de janeiro de 1566.[1][2]

Conclave de 1565-66
Conclave de 1565–1566
O Papa Pio V
Data e localização
Pessoas-chave
Decano Francesco Pisani
Vice-Decano Giovanni Morone
Camerlengo Vitellozzo Vitelli
Protopresbítero Georges d'Armagnac
Protodiácono Giulio della Rovere
Eleição
Eleito Papa Pio V
(Antonio Michele Ghislieri)
Participantes 52
Ausentes 18
Escrutínios 16
Cronologia
Conclave de 1559
Conclave de 1572
dados em catholic-hierarchy.org

Divisão dos cardeais editar

 
Brasão papal de Sua Santidade o papa Pio V

O Conclave de 1565-1566 foi o primeiro em várias décadas que não foi sujeito a uma pressão significativa dos monarcas seculares. Os cardeais franceses, com exceção de um, não vieram a Roma, pois uma guerra religiosa travada neste país significava que o tribunal de Paris não teria nem o tempo nem a habilidade de influenciar a eleição do Papa. Os governantes que mantinham alguma influência no colégio dos cardeais, o grão-duque da Toscana, Cosme I de Médici e o rei Felipe II de Espanha. O primeiro tinha como favorito o cardeal Ricci, enquanto o rei de Espanha, desta vez se absteve de interferir na escolha papal. Disse apenas que deveria ser escolhido um homem digno do cargo. O que apenas vincula as instruções dos Cardeais para a sua candidatura era a de excluir o cardeal d'Este e os cardeais franceses.

Nesta situação, apenas o partido mais forte, mas não forte o suficiente para avançar com a sua vontade por si só foi o partido dos cardeais criados pelo Papa Pio IV, centrada em torno de seus sobrinhos Carlos Borromeu e Mark Sittich von Hohenems. Além disso, um grupo de cardeais foi aliado com o duque da Toscana (entre eles seu filho, Ferdinando de' Medici, Niccolini, Sforza) e o grupo dos criados por Paulo IV, liderados pelo camerlengo Vitelli, com seus apoiadores também envolvidos na sua própria eleição, com as campanhas dos cardeais Alessandro Farnese e Ippolito d'Este.

Conclave editar

Cinquenta e dois cardeais entraram no conclave, em 20 de dezembro[2]. Pela primeira vez em muito tempo, havia setenta cardeais formando o Colégio Cardinalício. Tal fato só se repetiria no Conclave de 1669-1670 e depois, no Conclave de 1963[2]. Com a morte de um cardeal durante o conclave, além da saída de mais dois durante a votação, ao final, quarenta e nove cardeais elegeram o novo Papa, o cardeal Antonio Michele Ghislieri, que tomaria o nome de Papa Pio V.

Cardeais votantes editar

* Eleito Papa

Cardeais Bispos editar

Cardeais Presbíteros editar

Cardeais Diáconos editar

Cardeais ausentes editar

Cardeais Presbíteros editar

Cardeal Diácono editar

Referências

  1. «Catholic Hierarchy» (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2011 
  2. a b c «The Cardinals of the Holy Roman Church» (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2011