Abrir menu principal

João Duns Escoto

(Redirecionado de Duns Escoto)
Disambig grey.svg Nota: Para o filósofo também chamado de Johannes Scotus, veja João Escoto Erígena.
Beato João Duns Escoto, O.F.M.
Século XV. Por Justus van Gent, atualmente no Palácio Barberini, em Roma
Outros nomes Doctor Subtilis (Doutor Sutil)
Conhecido(a) por Filósofo, Teólogo
Nascimento c. 1266
Reino da Escócia
Morte 8 de novembro de 1308 (43 anos)
Colônia, Alemanha
Alma mater Universidade de Oxford
Principais trabalhos Opus Oxioniense;
Quaestiones de Metaphysica;
De Primo Princípio
Escola/tradição Escolástica
Voluntarismo
Realismo filosófico
Ideias notáveis Inequivocidade do ser
Hecceidade
Imaculada Conceição da Virgem Maria
fundador do escotismo

O Beato João Duns Escoto, ou Scot ou Scotus1 O.F.M. (Berwickshire, c. 1266 - Colônia, 8 de novembro de 1308) foi um teólogo e filósofo escocês (ou nascido no Ulster). Viveu muitos anos em Paris, em cuja universidade lecionou. Membro da Ordem Franciscana, filósofo e teólogo da tradição escolástica, chamado o Doutor Sutil, foi mentor de outro grande nome da filosofia medieval: Guilherme de Ockham. Foi beatificado em 20 de Março de 1993, durante o pontificado do Papa João Paulo II. Ele é um dos três filósofos-teólogos mais importantes da Europa Ocidental na Alta Idade Média, juntamente com Tomás de Aquino e o próprio Guilherme de Ockham.[1]

Duns Escoto é considerado um continuador da tradição franciscana que adotou muitas coisas de Aristóteles e seus antecessores medievais não-franciscanos. Escoto foi ainda um pensador que levou adiante a tradição aristotélica de São Tomás de Aquino mas, ao mesmo tempo, corrigiu Santo Tomás à luz do que considerava a verdade.[2]

Obra filosóficaEditar

Suas principais obras são o Opus Oxioniense (Obra de Oxford), Quaestiones de Metaphysica (Questões de Metafísica) e De Primo Princípio (Do Primeiro Princípio).

 
Tumba d Duns Scoto en Minoritenkirche, Colônia (Alemanha)

Um dos grandes contributos de Escoto para a história da filosofia, afirmam os historiadores, está no conceito de hecceidade (haecceitas). Por esta teoria, valoriza a experiência, e distancia a preocupação exclusivista da filosofia com as essências universais e transcendentes. Em sua "Prova da Univocidade do Ser", Escoto propõe um encadeamento argumentativo para mostrar que, como seres criados, não podemos ter certeza sobre características conceituais que imputamos a Deus, mas podemos ter certeza de que Ele existe.[3]

Escoto adotou uma posição conhecida hoje em dia como realismo moderado acerca do "problema dos universais", que era um problema antigo na metafísica sobre se os universais existem. Para ele, universais como "verdura" e "bondade" existem na realidade. Isto se opõe ao conceitualismo de Guilherme de Ockham e de Pedro Abelardo entre outros, que dizem universais só existem dentro da mente e não têm realidade externa ou substancial.[4][5]

O problema dos universais já existia desde Platão, que ensinou em sua Teoria das Formas que "formas" universais existiam. Essa opinião foi rejeitada por muitos pensadores posteriores, como Pedro Abelardo, que argumentou que as formas são meramente construções mentais.[6]

 
'Opus Oxoniense

Escoto negou essas alegações; em seu Opus Oxoniense, ele argumentou que os universais têm uma existência real e substancial.[7] Para Escoto, o problema dos universais estava intimamente ligado ao da individualização , identificando o que torna uma coisa específica isso ou aquilo; também poderíamos entender se existe alguma forma de universal; é neste trabalho que Escoto introduz a palavra Hecceidade, que significa a qualidade de um objeto em particular - o que faz com que seja esse objeto.[8]

Porém, não somente a própria natureza é, de si mesma, indiferente a ser no intelecto e no particular, mas também, por isso, a ser universal e particular, mas também, por isso, a ser universal e particular (ou seja, singular). Porém, além disso, tendo um ser no intelecto ela não possui primeiramente, por si, a universalidade. De fato, ainda que ela seja inteligida sob a universalidade, tal como sob o modo de inteligi‐la, a universalidade não é, entretanto, parte do seu conceito primeiro, pois não é [parte] do conceito do metafísico, mas do lógico – de fato, o lógico considera as segundas intenções, aplicadas às primeiras de acordo com ele. Portanto, a primeira intelecção é ‘da natureza’ enquanto não é coninteligido um modo – nem [o modo] que é dela no intelecto, nem [aquele] que é dela fora do intelecto, ainda que a universalidade seja o modo de inteligir este inteligido e não o modo do intelecto [modus intellectus].

Scotus, OrdinatioII,d.3,p.1,q.1,

Dessa forma, Escoto argumenta que a forma é um meio melhor de individualizar um objeto em particular; porque, segundo ele, a forma de um objeto como um composto é a melhor maneira de diferenciar objetos um do outro, e não a questão do objeto. Isso está no cerne do realismo escocês, particularmente nas teorias da haecceidade e distinção formal. Escoto também argumenta, contra Tomás de Aquino e outros, que não há distinção entre a essência de uma coisa e sua existência.[9]

O filósofo americano Charles Sanders Peirce foi bastante influenciado por Escoto. e explica o realismo moderado do Doutor Sutil da seguinte forma:

Além do pensamento, apenas coisas singulares existem. Mas existem no singular certas "naturezas” nem universais nem particulares, que constituem o fundamento da inteligibilidade. Nas coisas, essas naturezas são particulares, mas quando colocadas em relação com um ato do intelecto, elas se tornam universais ... Assim, por exemplo, a superfície dura de uma pedra específica é determinada, enquanto a dureza universal que o intelecto apreende é indeterminada ou geral. Uma conseqüência dessa visão é que o indivíduo em si não é um objeto adequado de conhecimento. O que sabemos são gêneros e espécies, eles próprios produtos da ação mental. No entanto, porque o ser completo abraça tanto a universalidade quanto a particularidade, porque o homem percebe o singular com seus sentidos enquanto conhece o universal com seu intelecto, é possível que ele atinja o singular relacionando os universais a algo que é isso.[10]

ObraEditar

Em latimEditar

 
Placa comemorativa de Duns Escoto na Universidade de Oxford
  • Parva logicalia
      • Quaestiones super Porphyrii Isagogem
      • Quaestiones in librum Praedicamentorum
      • Quaestiones in I et II librum Perihermeneias
      • Octo quaestiones in duos libros Perihermeneias
      • Quaestiones in libros Elenchorum
  • Quaestiones super libros De anima (1295–1298?)
  • Quaestiones super libros Metaphysicorum Aristotelis (1298–1300?;)
  • Notabilia Scoti super Metaphysicam[11])
  • Lectura
    • Livros 1 e 2 (1300–1301)
    • Livro 3 (provavelmente escrito em Paris, 1303–04)
    • Livro 4 (not extant)
  • Ordinatio or Opus Oxoniense (Oxford Lectures 1 e 2 1300–1302, 3 e 4, 1303–1304)
  • Collationes oxonienses (1303–04 ou 1305–08)
  • Collationes parisienses (1302–07)
  • Reportatio parisiensis (Paris Lectures, 1302–07)
  • Quaestiones Quodlibetales (Obras del Doctor Sutil, Juan Duns Escoto, Madrid, Biblioteca de Autores Cristianos, 1963)
  • Tractatus de Primo Principio versão em inglês
  • Theoremata (data incerta)
Sem autoria confirmada
  • Theoremata
  • De Rerum Principio
Edições em latim
  • OPERA OMNIA.
  • OPERA OMNIA. Civitas Vaticana: Typis Polyglottis Vaticanis, 1950–.
    • ORDINATIO
    • I, De Ordinatione Ioannis Duns Scoti disquisitio historico critica. Prologus totius operis, 1950.
    • II, Ordinatio. Liber Primus. Distinctiones 1–2, 1950.
    • III, Ordinatio. Liber Primus. Distinctio 3, 1954.
    • IV, Ordinatio. Liber Primus. Distinctiones 4–10, 1956.
    • V, Ordinatio. Liber Primus. Distinctiones 11–25, 1959.
    • VI, Ordinatio. Liber Primus. Distinctiones 26–48, 1963.
    • VII, Ordinatio. Liber Secundus. Distinctiones 1–3, 1973.
    • VIII, Ordinatio. Liber Secundus. Distinctiones 4–44, 2001.
    • IX, Ordinatio. Liber Tertius. Distinctiones 1–17, 2006.
    • X, Ordinatio. Liber Tertius. Distinctiones 26–40, 2007.
    • XI, Ordinatio. Liber Quartus. Distinctiones 1–7, 2008.
    • XII, Ordinatio. Liber Quartus. Distinctiones 8–13, 2010.
    • XIII, Ordinatio. Liber Quartus, Distinctiones 14–42, 2011.
    • XIV, Ordinatio. Liber Quartus, Distinctiones 43–49, 2013.
    • LECTURA
    • XVI, Lectura in Librum Primum Sententiarum. Prologus et Distinctiones 1–7, 1960.
    • XVII, Lectura in Librum Primum Sententiarum. Distinctiones 8–45, 1966.
    • XVIII, Lectura in Librum Secundum Sententiarum. Distinctiones 1–6, 1982.
    • XIX, Lectura in Librum Secundum Sententiarum. Distinctiones 7–44, 1993.
    • XX, Lectura in Librum Tertium Sententiarum. Distinctiones 1–17, 2003.
    • XXI, Lectura in Librum Tertium Sententiarum. Distinctiones 18–40, 2004.
  • OPERA PHILOSOPHICA (= OP). St. Bonaventure, NY: The Franciscan Institute:, 1997–2006:
    • Vol. I: Quaestiones super Porphyrius Isagoge et Aristoteles Categoriae, Franciscan Institute Publications, 1999. ISBN 978-1-57659-121-5
    • Vol. II: Quaestiones super Peri hermeneias et Sophistici Elenchis (along with) Theoremata, Franciscan Institute Publications, 2004, ISBN 978-1-57659-122-2.
    • Vol. III-IV: Quaestiones super libros Metaphysicorum Aristotelis Franciscan Institute Publications, 2004. ISBN 978-1-57659-124-6.
    • Vol. V: Quaestiones super Secundum et Tertium de Anima. Franciscan Institute Publications, 2006. ISBN 978-0-8132-1422-1.
  • The Examined Report of the Paris Lecture, Reportatio I-A, Volume 1 ISBN 978-1-57659-193-2
  • The Examined Report of the Paris Lecture, Reportatio I-A, Volume 2 ISBN 978-1-57659-150-5

Em portuguêsEditar

ReferênciasEditar

  1. See, e.g., the Plato.Stanford.edu articles "Duns Scotus" and "William of Ockham"
  2. Copleston, Frederick (12 de junho de 2003). History of Philosophy Volume 2: Medieval Philosophy (em inglês). [S.l.]: A&C Black. ISBN 9780826468963 
  3. Vasconcelos, V. V. A Progressão Argumentativa da Prova da Univocidade do Ser, de Duns Scotus. Universidade Federal de Minas Gerais. 2004.
  4. "conceptualism" in The Oxford Dictionary of Philosophy. Simon Blackburn. Oxford University Press, 1996. Oxford Reference Online. Oxford University Press. 8 April 2008
  5. Spade 1994
  6. Abelard:Logica Ingredientibus (Glosses on Porphyry)
  7. Opus Oxoniense II. D3, 1-6, 1-212
  8. infopédia. «thisness» 
  9. Opus Oxoniense I iii 1-2,
  10. Thomas A. Goudge, The Thought of C. S. Peirce (Dover 1969), p. 99.
  11. Giorgio Pini, "Duns Scotus' Literal Commentary on the "Metaphysics" and the "Notabilia Scoti super Metaphysicam" (Milan, Biblioteca Ambrosiana, C 62 Sup, ff. 51r–98r)", Bulletin de philosophie médiévale, 38 (1996), 141–142.

BibliografiaEditar

  • JOÃO DUNS ESCOTO. Introdução ao seu pensamento filosófico-teológico. Editorial Franciscana, 271 pp.
  • CHÂTELET, François. História da Filosofia - A Filosofia Medieval. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1983.
  • DUNS SCOT. Seleção de textos. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • FERRATER MORA. Diccionario de Filosofia. México: Editora Atlante, 1944.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre João Duns Escoto
 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: João Duns Escoto

NotasEditar

Nota: ¹Há várias grafias utilizadas, pela variação idiomática, e, mesmo, dentro de cada idioma, para o nome do filósofo: Jonh Scott, Duns Scotus, João Scoto, Johannes Scotus, João Duns Escoto, etc. O Catálogo de Autoridades Pessoa da Biblioteca Nacional do Brasil indica como entrada padrão: Duns Scotus, John.