Abrir menu principal

Eleição presidencial na Argentina em 2019

A eleição presidencial na Argentina em 2019 foi realizada em 27 de outubro para eleger o presidente e o vice-presidente da Nação, simultaneamente com as eleições gerais. Os candidatos participantes do primeiro turno foram escolhidos na primária, conhecida como PASO, programada para 11 de agosto.

Eleição presidencial na Argentina em 2019
  2015 ← Argentina → 2023
11 de agosto (PASO)
27 de outubro (turno único)
Alberto Fernández (cropped).jpg Mauricio Macri 2016.jpg Roberto Lavagna (cropped).png
Candidato Alberto Fernández Mauricio Macri Roberto Lavagna
Partido PJ (Todos) PRO (Juntos pela Mudança) Independente (Consenso Federal)
Natural de CABA Buenos Aires CABA
Companheiro de chapa Cristina Kirchner Miguel Pichetto Juan Manuel Urtubey
Vencedor em 18 5 + CABA 0
Votos 12.473.709 10.407.607 1.564.531
Porcentagem 48,1% 40,4% 6,2%
Elecciones presidenciales de Argentina 2019.svg
Mapa dos resultados por províncias.



Presidente da Argentina

A legislação eleitoral previam que se no primeiro turno nenhum candidato obtiver 40% dos votos válidos, além de 10% de vantagem sobre o segundo colocado, ou ainda 45% dos votos válidos, um segundo turno, denominado balotaje, ocorreria em 24 de novembro. Os eleitos serão empossados para mandatos de quatro anos.

O presidente Mauricio Macri, eleito em 2015, é candidato à reeleição. No campo oposicionista o principal candidato é o peronista Alberto Fernández, da Frente de Todos, que conta com a ex-presidente Cristina Kirchner como vice. De acordo com as pesquisas de opinião, além deles os candidatos mais competitivos são Roberto Lavagna, Nicolás del Caño e José Espert.

Além de eleger o presidente e o vice-presidente, os argentinos escolherão 130 deputados nacionais, 24 senadores nacionais e 43 deputados do Parlamento do Mercosul. Em várias províncias e no distrito federal também se elegem, nesse mesmo dia, autoridades executivas e legislativas.

ContextoEditar

As eleições têm lugar num contexto de grave crise económica. Cerca de 40% dos argentinos vivem abaixo da linha de pobreza, de acordo com o canal nacional C5N[1] (35% segundo dados oficiais, um aumento de 30% em um ano[2]). A inflação ultrapassou 54% nos últimos 12 meses e 237% desde o início do mandato de Mauricio Macri. As classes trabalhadoras estão a ter cada vez mais dificuldade em comer e muitas pessoas estão a faltar às refeições. De acordo com a FAO, cinco milhões de argentinos sofreram de grave "insegurança alimentar" no período de 2016-2018, um aumento de duas vezes no período de 2014-2016, e a situação piorou ainda mais desde então[1]. A taxa de desemprego ultrapassa os 10%, de acordo com dados oficiais, provavelmente subestimados, e espera-se uma queda de 3,1% do PIB para 2019, de acordo com o FMI. Em 2018, o governo solicitou um empréstimo de 57 mil milhões de dólares do FMI e iniciou uma política de corte na despesa pública, incluindo o corte no orçamento para a educação, ciência e saúde.[2]

Regras eleitoraisEditar

As regras eleitorais fundamentais para a eleição presidencial foram estabelecidas no texto da Reforma Constitucional de 1994 e são mesmas regras que nas eleições de 1995, 1999, 2003, 2007, 2011 e 2015.

As principais regras eleitorais para a eleição presidencial são:

  • Sufrágio direto.
  • Presidente e vice-presidente são eleitos na mesma chapa.
  • Mandato presidencial de quatro anos, com possibilidade de uma só reeleição imediata.

As regras eleitorais são regidas pelo Código Eleitoral Nacional.[3] Para esta eleição aplica-se também a Lei N.º 26 571, de 2011, que prevê que as eleições primárias internas fossem abertas, que foram denominadas PASO (Primárias Abertas, Simultâneas e Obrigatórias), para eleger os candidatos da cada aliança.

Cronograma eleitoralEditar

Até a data das eleições, em 27 de outubro, serão realizados diversos eventos ao longo do ano, como atos eleitorais regionais nos quais serão eleitos os governadores, o que traz influência indireta para a eleição presidencial.

  • 30 de abril: fechamento do regulamento eleitoral provisório.
  • 10 de maio: publicação do regulamento eleitoral provisório.
  • 12 de junho: vencimento do prazo para formar as coligações eleitorais.
  • 22 de junho: vencimento do prazo para a apresentação das listas de pré-candidatos.
  • 12 de julho: início da campanha eleitoral para as eleições internas.
  • 12 de julho: fechamento e publicação do regulamento eleitoral definitivo.
  • 9 de agostoː fim da campanha eleitoral. E início do período de silêncio eleitoral.
  • 11 de agosto: eleições internas de cada coligação para a definição dos candidatos.
  • 13 de outubro: primeiro Debate presidencial obrigatório
  • 20 de outubro: segundo Debate presidencial obrigatório
  • 27 de outubro: primeiro turno das eleições presidenciais.
  • 24 de novembro: segundo turno das eleições presidenciais (caso seja necessário).

CandidaturasEditar

O número oficial das candidaturas se desenhou bem perto do fim do prazo para registro das eleições primárias, em 12 de junho. Nenhuma das coligações apresentou mais de um candidato para disputar as primárias, o que ocasionou um debate no país sobre a real necessidade de se manter as PASO (Primárias Abertas, Simultâneas e Obrigatórias).[4] Ao fim, dez nomes se apresentaram para a disputa do governo argentino.

O presidente Mauricio Macri, do centro-direitista Proposta Republicana (PRO), surpreendeu e anunciou o peronista Miguel Pichetto como seu vice. A sua coligação Mudemos passou a se chamar Juntos somos a Mudança, e foi composta, para além do PRO, pela Coalizão Cívica (ARI) e pela União Cívica Radical (UCR). Por ela, também deveriam concorrer nas primárias o ex-ministro da Economia Martín Lousteau (UCR) e a governadora de Buenos Aires, María Eugenia Vidal, mas ambos declinaram em apoio à chapa Macri-Pichetto.[5]

A oposição de centro-esquerda, peronista e kirchnerista, se reuniu numa única coligação, a Frente de Todos. Isso só foi possível após a ex-presidente Cristina Fernández de Kirchner, líder nas pesquisas, ceder a cabeça da chapa para seu ex-chefe de gabinete, Alberto Fernández. Cristina e Alberto eram rompidos politicamente até então. A candidatura de ambos foi chamada pela imprensa de "Fernández-Fernández".[6] O ex-governador de Buenos Aires, Daniel Scioli[7], e o terceiro colocado nas pesquisas, Sergio Massa, anunciaram que também concorreriam à presidência nas primárias, na mesma coligação que Alberto e Cristina, mas acabaram desistindo em apoio à ambos. Os também peronistas Agustín Rossi, Felipe Solá e Axel Kicillof também anunciaram a desistência de suas candidaturas em apoio à Alberto e Cristina.

A coligação de terceira via Alternativa Federal acabou sendo implodida com a saída de Pichetto, para apoiar Macri, e de Massa, para apoiar Fernández. A coligação, rebatizada de Consenso 19, passou a ter uma única chapa, encabeçada pelo ex-ministro da Economia Roberto Lavagna, e tendo o governador de Salta Juan Manuel Urtubey como vice. A coligação também teve o apoio do Partido Socialista (PS).[5]

A coligação dos partidos de esquerda, a Frente de Esquerda, apresentou o nome de Nicolas del Caño como candidato à presidente. Os libertários lançaram a coligação Despertar, com o professor universitário José Luis Espert como candidato à presidente, e tendo o ex-deputado provincial de Mendoza, Luis Rosales, como vice. Já a extrema-direita lançou Alejandro Biondini como candidato pela coligação Frente Patriota.[8]

Completam a lista de candidatos a socióloga Manuela Castañeira (MAS), o major do Exército Juan Centurión (NOS), o ex-senador José Ferris (PAN) e o ex-vereador Raúl Humberto Albarracín (MAV).

Lista de candidatosEditar

Partido ou aliança Foto Candidato a presidente Cargo anterior Foto Candidato a vice Cargo anterior
Candidatos aprovados pelas eleições primárias (PASO)
Juntos pela Mudança
 
  Mauricio Macri (PRO) Presidente da Argentina (2015-2019)   Miguel Pichetto (PJ) Senador por Río Negro (2001-2019)
Todos
 
  Alberto Fernández (PJ) Chefe de Gabinete da Argentina (2003-2008)   Cristina Kirchner (PJ) Senadora por Buenos Aires e
Presidente da Argentina (2007-2015)
Consenso 19   Roberto Lavagna Ministro da Economia (2002-2005)   Juan Manuel Urtubey (PJ) Governador de Salta (2007-2019)
Frente de Esquerda
 
  Nicolás del Caño (PTS) Deputado Nacional (2017-2019)   Romina del Plá (PO) Deputada Nacional (2017-2019)
Unite
 
  José Luis Espert (PL) Professor   Luis Rosales Deputado provincial por Mendoza (1989-1991)
Nós
 
  Juan Centurión (PCP) Vice-presidente do Banco Nación (2017-2019)   Cynthia Hotton (VP) Economista
Candidatos rejeitados pelas eleições primárias (PASO)
Frente Patriótica   Alejandro Biondini (BV) Enrique Venturino Coronel do Exército Argentino
Novo Movimento ao Socialismo
 
  Manuela Castañeira (MAS) Socióloga Eduardo Mulhall (MAS) Professor
Autonomista
 
  José Feris (PAN) Governador de Corrientes (1983-1987) Guillermo Sueldo (PAN) Professor
Ação Vizinhança Raúl Humberto Albarracín (MAV) Vereador de Córdoba Sergio Pastore (MAV) Advogado

Pesquisas de opiniãoEditar

Primeiro turnoEditar

Instituto Data Entrevis-tados             Indecisos
Fernández
PJ
Macri
PRO
Roberto Lavagna
Consenso 19
Del Caño
PTS
Espert
Despertar
Centurión
Nós
Federico González & Asociados[9] 02/08/19 1.600 42% 34,6% 6,4% 3,2% 3,3% 0,8% -
Oh Panel[10] 01/08/19 1.200 41% 35% 9% 3% 5% 0% -
Dicen[11] 01/08/19 2.243 40,5% 35,3% 8,2% 3% 2,4% 2,1% -
Opinaia[12] 01/08/19 3.051 37,6% 36,4% 8,5% 3,8% 4% - -
Synopsis[13] 11 - 13/07/19 2.260 40,6% 38,1% 8,9% 1,5% 3,9% - 4,9%
Gustavo Córdoba y Asociados[14] 11/07/19 1.934 33,5% 32,5% 11,3% 3,8% 5,1% - 1%
Universidad de San Andrés[15] 2 - 11/07/19 2.260 29% 25% 5% 3% 3% 1% 15%
Meridional[16] 28/06/19 1.934 42,5% 34,5% 8,8% 2,7% 11,5% - 11,3%
CEOP[17] 23/06/19 1.500 43,7% 32,3% 9,3% 2,1% 3,9% - 8,7%
Trespuntozero[18] 23/06/19 1.500 42% 33,4% 7,9% 0,9% 2,5% 2,5% 6,9%

ResultadosEditar

Candidato Partido PASO 1º Turno
Votos %
Apto?
  • Será candidato em Outubro
Votos %
Alberto Fernández Partido Justicialista PJ 12.205.938
47,65 / 100
  12.473.709
48,10 / 100
Mauricio Macri Proposta Republicana PRO 8.121.689
32,08 / 100
10.470.607
40,37 / 100
Roberto Lavagna Consenso 19 2.081.315
8,22 / 100
1.599.707
6,16 / 100
Nicolás del Caño Partido dos Trabalhadores Socialistas PTS 723.147
2,86 / 100
561.214
2,16 / 100
Juán José Centurión Nós 670.162
2,63 / 100
443.507
1,71 / 100
José Luis Espert Despertar 550.593
2,18 / 100
382.820
1,47 / 100
Manuela Castañera Novo Movimento ao Socialismo 179.461
0,71 / 100
 
Alejandro Biondini Frente Patriótica 58.934
0,24 / 100
Raúl Humberto Albarracín Ação Vizinhança 36.411
0,14 / 100
José Feris Partido Autonomista 32.722
0,13 / 100
Votos afirmativos 25.931.564
96,89 / 100
25.255.469
97,50 / 100
Votos brancos 882.659
3,11 / 100
399.751
1,50 / 100
Votos válidos 25.861.050
100 / 100
Votos nulos 318.009
1,21 / 100
232.208
0,87 / 100
Votos impugnados 35.707
0,14 / 100
31.937
0,12 / 100
Votos válidos 24.387.452
98,65 / 100
Votos totais 24.723.178
100,00 / 100
26.595.460
100,00 / 100
Participação 24.387.452
74,75 / 100
26.595.460
78,55 / 100
Abstenção 8.234.364
25,25 / 100
7.263.273
21,45 / 100
Eleitorado 33.871.832
100,00 / 100
33.858.733
100,00 / 100
Fonte [19] PASO (100% apurado)
97,13 / 100
apurado[20]

ReferênciasEditar

  1. a b «Argentine : le retour de la faim dans la sixième puissance agricole mondiale». Le Vent Se Lève (em francês). 14 de outubro de 2019. Consultado em 28 de outubro de 2019 
  2. a b Genoux, Flora. «Les Argentins, épuisés par la crise». Equal Times (em francês). Consultado em 28 de outubro de 2019 
  3. «Código Electoral Nacional de Argentina» 
  4. «El Gobierno decidió postergar el proyecto para suspender las PASO» 
  5. a b «Elecciones: ¿cómo están las alianzas electorales que cierran hoy?» 
  6. «"Frente Todos": Massa dio a entender que irá a las PASO con Alberto Fernández» 
  7. «Antes del cierre de listas, Scioli dijo: "En la política y en el futsal estoy comiendo banco"» 
  8. «El Frente de Izquierda suma al MST y confirma su fórmula Del Caño-Del Plá» 
  9. «La guerra de encuestas, a pleno: aparecieron 12 pronósticos para la presidencial en sólo 48 horas» (em espanhol). Consultado em 10 de agosto de 2019 
  10. «La guerra de encuestas, a pleno: aparecieron 12 pronósticos para la presidencial en sólo 48 horas» (em espanhol). Consultado em 10 de agosto de 2019 
  11. «La guerra de encuestas, a pleno: aparecieron 12 pronósticos para la presidencial en sólo 48 horas» (em espanhol). Consultado em 10 de agosto de 2019 
  12. «La guerra de encuestas, a pleno: aparecieron 12 pronósticos para la presidencial en sólo 48 horas» (em espanhol). Consultado em 10 de agosto de 2019 
  13. «La guerra de encuestas, sin freno: tres nuevos sondeos con la pelea presidencial» (em espanhol). Consultado em 10 de agosto de 2019 
  14. «Elecciones 2019: encuesta da como ganador a Alberto Fernández en un posible balotaje» (em espanhol). Consultado em 10 de agosto de 2019 
  15. «La guerra de encuestas, sin freno: tres nuevos sondeos con la pelea presidencial» (em espanhol). Consultado em 10 de agosto de 2019 
  16. «El factor Espert irrumpe como tercero en discordia» (em espanhol). Consultado em 10 de agosto de 2019 
  17. «El Frente de Todos con una clara ventaja» (em espanhol). Consultado em 10 de agosto de 2019 
  18. «Nuevas encuestas: mejoran los números de Mauricio Macri, pero sigue debajo de los Fernández» (em espanhol). Consultado em 10 de agosto de 2019 
  19. «Recuento Provisional de Resultados». argentina.gob.ar. Consultado em 11 de agosto de 2019 
  20. «Recuento Provisional de Resultados». argentina.gob.ar. Consultado em 27 de outubro de 2019