Alberto Fernández

político e advogado argentino

Alberto Ángel Fernández (Buenos Aires, 2 de abril de 1959) é um político, advogado e professor argentino que serviu como Presidente da Argentina de 2019 a 2023. Filiado ao Partido Justicialista, Fernández foi eleito no primeiro turno da eleição de 2019 obtendo 48,24% dos votos derrotando o presidente Mauricio Macri, que tentava reeleição. Foi empossado no cargo em 10 de dezembro de 2019 juntamente com sua vice, a ex-presidente Cristina Kirchner.[1] Foi sucedido na presidência por Javier Milei em 10 de dezembro de 2023.

Alberto Fernández
Alberto Fernández
Fernández em sua posse como presidente (2019)
51.º Presidente da Argentina
Período 10 de dezembro de 2019
até 10 de dezembro de 2023
Vice-presidente Cristina Kirchner
Antecessor(a) Mauricio Macri
Sucessor(a) Javier Milei
Chefe do Gabinete de Ministros da Argentina
Período 25 de maio de 2003
a 23 de julho de 2008
Presidente Néstor Kirchner (2003-2007)
Cristina Kirchner (2007-2008)
Antecessor(a) Alfredo Atanasof
Sucessor(a) Sergio Massa
Legislador de Buenos Aires
Período 7 de agosto de 2000
a 25 de maio de 2003
Dados pessoais
Nome completo Alberto Ángel Fernández
Nascimento 2 de abril de 1959 (64 anos)
Buenos Aires, Argentina
Alma mater Universidade de Buenos Aires
Esposa Marcela Luchetti
(1993-2005)
Fabiola Yáñez
(desde 2014)
Filhos(as) 1
Partido Justicialista
(desde 1983)
Profissão Advogado, professor e político
Assinatura Assinatura de Alberto Fernández

Graduado em Direito, Fernández trabalhou como advogado e professor de Direito Penal na Universidade de Buenos Aires, função que passou a desempenhar em 1983. Interessado pela política desde a juventude, participou do governo de Carlos Menem e foi vereador de Buenos Aires por um mandato, entre 2000 e 2003. De 2003 a 2008, Fernández foi chefe de Gabinete da Nação Argentina, ocupando o cargo durante toda a presidência de Néstor Kirchner e parte da presidência de Cristina. Posteriormente, tornou-se crítico do governo kirchnerista, motivo pelo qual a renúncia de Cristina em ser candidata a presidente em 2019 e a escolha de Fernández como seu companheiro de chapa foi considerada surpreendente.[2]

Membro do Partido Justicialista,[3] de orientação Peronista, Fernández foi o candidato do partido eleição presidencial na Argentina em 2019 e derrubou o presidente incumbente Mauricio Macri com 48% dos votos (dois milhões de votos a mais que seu concorrente). Sua posição política foi descrita como de esquerda.[4] Os primeiros dois anos de sua presidência foram limitados pela pandemia de COVID-19 na Argentina, durante a qual ele impôs medidas rigorosas de lockdown para suprimir a propagação da doença.[5] Ele herdeou ainda do seu predecessor uma crise cambial severa.[6] Embora a economia tenha recuperado em 2021–22,[7] a inflação piorou e superou a marca de 100% (o índice mais alto desde 1991).[8] A deterioração do quadro econômica atingiu sua popularidade, que permaneceu extremamente baixa durante todo o seu mandato, com o número de argentinos que desaprovavam sua administração variando entre 60% e 80% do eleitorado.[9][10]

De acordo com o jornal britânico The Economist, Fernández foi considerado "um presidente sem plano" e a sua presidência foi descrita como "fraca",[11][12] aludindo à sua falta de tomada de decisão independente. Em vez disso, suas decisões eram fortemente influenciadas pela sua vice-presidente e ex-chefe de estado Cristina Fernández de Kirchner, também líder da coalizão de governo, que o próprio Fernández descreveu como "fonte permanente de consulta".[13] Em abril de 2023, Fernández anunciou que decidiu não buscar a reeleição na eleição presidencial na Argentina em 2023.[14]

Juventude, educação e vida pessoal editar

Alberto Fernández nasceu em Buenos Aires, no bairro Villa del Parque, em 2 de abril de 1959.[15] É filho de Celia Pérez e conviveu pouco com seu pai biológico, que faleceu durante a Copa do Mundo de 1978.[15] Mais tarde, afirmou que quando falava de seu pai, referia-se ao padrasto, o juiz Carlos Galíndez, que faleceu em 1997.[15] Seu avô adotivo, Manuel Galíndez, foi senador pela província de La Rioja pela União Cívica Radical.[16] Sendo o filho do meio, possui uma irmã mais velha e um irmão mais novo.[15]

Fernández viveu parte da infância e da adolescência no bairro onde nasceu, mais especificamente perto do estádio da Asociación Atlética Argentinos Juniors, um clube de futebol do qual se tornou fã. Lá, cursou a quinta série do ensino fundamental na escola da República do México e o restante na escola Avelino Herrera.[15] Aos 14 anos, após ser incentivado por amigos, começou a estudar violão com o cantor Litto Nebbia, com quem desenvolveu uma amizade, chegando a compor músicas e tocar em bares.[17]

Fernández cursou o ensino médio no Colégio Mariano Moreno, onde foi delegado da União dos Estudantes Secundários (UES), de tendência peronista. Durante a presidência de Roberto Viola, formou com outros militantes a Frente de Orientação Nacional, que após a Guerra das Malvinas se fundiu na Frente do Povo (FREPU), onde conheceu Jorge Argüello e Eduardo Valdés.[16] Após concluir o ensino médio, matriculou-se na Faculdade de Direito da Universidade de Buenos Aires, de onde se graduou.[15]

Fernández foi casado com Marcela Luchetti até 2005, quando se divorciaram.[18] O casal teve um filho, Estanislao, nascido em 1994, que se tornou famoso por seu trabalho como drag queen.[19][20] Em 2014, Fernández iniciou um relacionamento com a jornalista e atriz Fabiola Yáñez.[21]

Carreira profissional editar

Durante a década de 1980, Fernández trabalhou no Tribunal Federal de San Isidro, na época encarregado do juiz Alberto Piotti, responsável pelo caso Puccio, que envolvia uma família de San Isidro que, entre 1982 e 1985, matou três pessoas.[22] Como os réus não tinham advogados, o Estado os forneceu. Fernández foi sorteado para a função, trabalhando como defensor de Guillermo Fernández Laborde, um amigo da família Puccio que admitiu ter matado duas das vítimas, até que Laborde constituiu um advogado.[23][24]

Em 1985, Fernández passou a ministrar aulas na Faculdade de Direito da Universidade de Buenos Aires, onde trabalha como professor desde então. Em 2019, era responsável pela disciplina de Teoria Geral do Crime e Sistema Penitenciário.[25] Ao longo de sua carreira acadêmica, publicou as seguintes obras: Juicio a la impunidad (1985), com Mona Moncalvillo e Manuel Martin; Autoría y participación criminal (1987), com Jaime Malamud Goti; Elementos de derecho penal y procesal penal (1988), com Esteban Righi, Luis Pastoriza e Enrique Bacigalupo; Derecho penal: la ley, el delito, el proceso, la pena (1996), em colaboração com Esteban Righi; dentre outros.[26]

Carreira política editar

 
Fernández e o ex-presidente Raúl Alfonsin.

Em 1985, durante o governo de Raul Alfonsin, Fernández foi nomeado para o cargo de diretor-geral adjunto de assuntos jurídicos do Ministério da Economia.[27] Em seguida, trabalhou como assessor da Legislatura da Cidade de Buenos Aires e da Câmara de Deputados da Argentina.[28] Em 1989, no governo de Carlos Menem, foi nomeado Superintendente de Seguros do país, ocupando o cargo até 1995.[29]

Em 1996, durante o governo de Eduardo Duhalde na província de Buenos Aires, Fernández foi nomeado presidente da Gerenciar Proyectos y Administración S/A, uma subsidiária do Banco Província, que oferecia serviços de transparência administrativa. Em 1997, todas as empresas que tinham o Banco como principal acionista foram organizadas em uma holding, o Grupo Bapro, e Fernández atuou como seu vice-presidente até 1999.[30]

Durante as eleições de 1999, foi escolhido como tesoureiro da malsucedida campanha de Eduardo Duhalde à presidência.[31] Durante esse período, Alberto foi um dos fundadores e coordenadores do Grupo Calafate, um think tank da ala progressista do Partido Justicialista, juntamente com Duhalde e outras personalidades como Cristina Fernández de Kirchner. O objetivo do grupo era fazer frente a tentativa de "reeleição" e às políticas neoliberais do presidente Carlos Menem. Além da candidatura de Duhalde em 1999, o grupo apoiou a candidatura de Néstor Kirchner à presidência nas eleições 2003, de quem Fernández seria Chefe de Gabinete.[32]

Em 2000, Fernández foi eleito para o legislativo da cidade de Buenos Aires pela coligação Encontro pela Cidade, que tinha como candidato à prefeito o ex-ministro Domingo Cavallo. Com a posse do presidente Néstor Kirchner, foi nomeado chefe-de gabinete do país, ocupando o cargo durante todo o governo de Néstor e também parte do de sua esposa, Cristina Kirchner. Em 2008, deixou o cargo em meio a divergências com Cristina e Martín Lousteau, então ministro da Economia.[33][34]

 
Fernández, como presidente eleito, durante encontro com Mauricio Macri.

Após deixar o governo, Fernández tornou-se um dos maiores críticos ao governo kirchnerista.[34][35] Nomeado para liderar a ala do Partido Justicialista na cidade de Buenos Aires, teve um envolvimento reduzido nas campanhas da Frente para a Vitória para o Congresso em 2009.[36] Na eleição presidencial de 2011, considerou seriamente concorrer ao cargo, mas acabou endossando a reeleição de Cristina.[37][38] Na eleição de 2015, foi chefe da campanha de Sergio Massa à presidência.[39]

Em 2019, Cristina anunciou que seria candidata a vice-presidente de Fernández na eleição daquele ano, uma decisão que foi vista com surpresa pela opinião pública.[40] Considerado um peronista moderado, Fernández apresentou uma plataforma de campanha crítica ao governo do presidente Mauricio Macri, candidato à reeleição. Nas primárias de agosto, Fernández recebeu 48% dos votos, superando Macri, que obteve 32%.[34][41] Em 27 de outubro, foi eleito presidente da Argentina com 48,1% dos votos;[42] sua posse foi em 10 de dezembro de 2019.[43][44]

Na cidade mexicana de Puebla, em 12 de julho de 2019,[45] participou da fundação do Grupo de Puebla,[46] tido como o sucessor do Foro de São Paulo.[47]

Presidente da Argentina editar

 
Alberto Fernández e Joe Biden em 2022.
 Ver artigo principal: Presidência de Alberto Fernández
 
Fernández em 2021.

Suas relações foram tensas com o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, que se recusou a ir à sua posse, acusando-o de querer criar uma "grande pátria bolivariana" na fronteira e de se preparar para provocar uma fuga de capitais e empresas brasileiras. Os Estados Unidos advertem o governo argentino, dizendo: "Queremos saber se Alberto Fernández vai ser um defensor da democracia ou um apologista das ditaduras e caudilhos da região, seja Maduro, Correa ou Morales".[48]

 
Fernández e Luiz Inácio Lula da Silva num encontro em 2022.

Tomando posse no contexto de uma grave crise econômica (taxa de pobreza de 40%, recessão de 3,1% em 2019, inflação de 55%), Alberto Fernández anunciou uma série de medidas econômicas de emergência: aumentos de impostos para a classe mais rica e média, benefícios fiscais para os mais pobres, um imposto de 30% sobre a compra de moeda estrangeira, etc. O governo também está lançando um plano de combate à fome através da distribuição de vales de alimentos para mais de dois milhões de pessoas.[49]

 
O anúncio, em 2020, do confinamento por Fernández foi geralmente bem recebido, embora houvesse preocupações com o seu impacto econômico.

Em seu discurso de despedida da Presidência argentina, Alberto Fernández admitiu o fracasso da agenda econômica e de combate às desigualdades sociais de seu Governo. "Foram desafios inconclusos, e não fujo à culpa", disse o peronista. "Não alcançamos uma matriz econômica sólida, que permita acesso a uma vida digna. Ampliamos direitos, mas ainda falta. Colocamos a justiça social como horizonte, mas não a alcançamos", listou. Fernández também criticou a gestão anterior, de Maurício Macri, figura que apoiou o presidente eleito, Javier Milei. "Sofremos os efeitos negativos da dívida que o governo que me precedeu assumiu. Essa é a principal causa da nossa atual crise econômica", disse. Sob Macri, o país fez um empréstimo de US$ 57 bilhões com o Fundo Monetário Internacional. Desde então, e já sob o governo de Fernández, a Argentina rescalonou a dívida, renegociando-a para US$ 44 bilhões. Fernández e sua vice, Cristina Kirchner, dizem que o empréstimo, o maior já feito por um país com o Fundo, sufoca a economia. Em nenhum momento o líder cessante mencionou seu sucessor, Milei, nominalmente. Mas os recados à política que o novo ocupante da Casa Rosada promete colocar em prática permearam o discurso de meia hora. "Tenho confiança em nosso povo e na sua capacidade de defender os valores da vida em comum e dos direitos que foram conquistados até aqui", disse Fernández.[50][51]

Seu governo foi marcado pela deterioração econômica, crise cambial e aumento da inflação que deteriorou o poder aquisitivo do povo argentino. A crise econômica gerada pela pandemia da Covid-19, levou a recessão e uma queda anual de 19% no PIB no segundo trimestre de 2020, a maior queda na história do país.[52] A taxa de pobreza aumentou para 42% no segundo semestre de 2020, a mais alta desde 2004.[53] A pobreza infantil atingiu 57,7% dos menores de 14 anos.[53] Investimentos em geral caíram 38% em 2020 em relação ao ano anterior.[52][54]

Sua política externa não mudou muito em comparação com seus predecessores. Inicialmente, as relações com o Brasil se deterioraram na era Jair Bolsonaro. As relações com o governo brasileiro posteriormente melhoraram.[55] A Argentina também manteve boas relações com Israel,[56] China[57] e Estados Unidos. Ele condenou a invasão russa da Ucrânia[58] e defendeu maior integração sul-americana.[59]

Controvérsias editar

Fernández se envolveu em disputas com usuários do Twitter antes de sua presidência, nas quais suas reações foram consideradas agressivas ou violentas por alguns.[60][61][62]

Tweets mostram ele respondendo a outros usuários com palavrões como "pelotud..." (gíria argentina para "idiot..."),[63][64] "pajero" ("idiot..."), e "hijo de p..." ("filho da p..."),[65][66] Ele também chamou o candidato presidencial José Luis Espert de "Pajert", um jogo de palavras entre seu sobrenome e a gíria argentina para "idiot...".

Em dezembro de 2017, ele respondeu a uma usuária do Twitter dizendo "Menina, o que você pensa não me preocupa. É melhor você aprender a cozinhar. Talvez então você possa fazer algo certo. Pensar não é seu forte".[67][68]

Em junho de 2020, ele disse à jornalista Cristina Pérez para "ir ler a Constituição" depois de ser questionado sobre suas tentativas de instalar uma administração designada pelo governo no conglomerado agrícola Vicentín.[69]

Em uma entrevista de 2017 para a minissérie Netflix Nisman: O Promotor, o Presidente e o Espião, (ver Morte de Alberto Nisman [en]) Fernández afirmou que "Até hoje, duvido que ele (Nisman) cometeu suicídio";[70] no entanto, depois que ele se tornou presidente em 2020, Fernández supostamente disse: "Estou convencido de que foi suicídio, depois de duvidar muito, não vou mentir".[71]

Em 9 de junho de 2021, Alberto Fernández fez uma piada racista em uma entrevista coletiva ao lado do primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez na Casa Rosada. “Os mexicanos saíram dos índios, os brasileiros saíram da selva, mas nós, os argentinos, chegamos de barco. E eram barcos que vinham da Europa”, disse Fernández a Sánchez, na tentativa de qualificar os argentinos como “europeus da América Latina”. Fernandez também atribuiu erroneamente a citação ao poeta, ensaísta e diplomata mexicano Octavio Paz (1914-1998), quando se tratava de letras do roqueiro argentino Litto Nebbia.[72] Diante da repercussão negativa de seu discurso racista, Alberto Fernández foi às redes sociais no mesmo dia para se desculpar.[73][74]

Em agosto de 2022, o promotor argentino Diego Luciani denunciou Cristina Kirchner, pedindo uma pena de doze anos de reclusão por corrupção. Por isso, Fernandez o ameaçou, dando a entender que ele seria assassinado, dizendo "Nisman se suicidou, espero que Luciani não faça algo assim". Alberto Natalio Nisman era um promotor argentino que havia indiciado Cristina Kirchner por associação com o Irã em 2005, em um caso em que judeus foram atacados em Buenos Aires. Kirchner trocou a liberdade dos islâmicos responsáveis pelo ataque por acordos comerciais com o Irã. Nisman foi dopado e assassinado, mas o governo argentino alegou que ele havia cometido suicídio, o que mais tarde foi desmentido pelas autoridades que investigaram o caso.[75][76][77][78] Em março de 2019 também foi encontrado morto o legista Osvaldo Hugo Raffo, que insistia que a morte de Nisman não havia sido um suicídio, mas um assassinato. Seu corpo foi encontrado na banheira da sua casa com um tiro na cabeça, em um suposto caso suicídio.[79]

Publicações editar

  • Juicio a la impunidad (1985) em colaboração com Mona Moncalvillo e Manuel Martin
  • Defensa de la democracia: Nuevo enfoque sobre la represión de los delitos que atentan contra el orden constitucional (1985) em colaboração com Alberto Piotti
  • Autoría y participación criminal (1987) com prólogo de Jaime Malamud Goti
  • Elementos de derecho penal y procesal penal (1988) em colaboração com Esteban Righi, Luis Pastoriza e Enrique Bacigalupo
  • Derecho penal: la ley, el delito, el proceso, la pena (1996) em colaboração com Esteban Righi
  • Pensado y escrito. Reflexiones del presente argentino y dilemas de una sociedad fragmentada (2010)
  • Políticamente incorrecto: razones y pasiones de Néstor Kirchner (2011)
  • La justicia acusada (2020). Compilação de Mauro Benente e Federico G. Thea 493

Referências

  1. Marina, Rosario. «La historia detrás de la foto de Alberto Fernández con un socio del clan Puccio» 
  2. De 2019, 28 De Octubre. «Alberto Fernández se reunió con Mauricio Macri y presentó una lista de colaboradores para el proceso de transición» (em espanhol) 
  3. «'We're back': Alberto Fernández sworn in as Argentina shifts to the left». The Guardian. 10 de dezembro de 2019. Consultado em 6 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 28 de julho de 2021 
  4. «Argentina president rejects Supreme Court ruling, sparking backlash». Reuters. 23 de dezembro de 2022. Consultado em 25 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2022 
  5. «Argentina orders exceptional lockdown in bid to contain virus». Bloomberg. 20 de março de 2020. Consultado em 14 de dezembro de 2021 
  6. «Debt, default and disorder: Macri nears end with familiar crisis». Financial Times. 29 de agosto de 2019. Consultado em 26 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 18 de julho de 2023 
  7. «Preliminary data shows Argentina's economy grew 5.2% in 2022». Buenos Aires Times. 23 de fevereiro de 2023. Consultado em 26 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 18 de julho de 2023 
  8. «Argentina inflation forecast to top 100% as prices spiral». Reuters. 7 de outubro de 2022. Consultado em 25 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2022 
  9. «Buenos Aires Times | Poll: 75% of voters disapprove of President Fernández's government». www.batimes.com.ar. Consultado em 25 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2022 
  10. «Report on presidential approval ratings in Latin America: May/June 2021 – Directorio Legislativo». Consultado em 25 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2022 
  11. «The Economist analyzed the phenomenon of weak presidents, who came to power thanks to the auspices of leaders stronger than themselves.». 15 de novembro de 2020. Consultado em 3 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2023 
  12. «The strong editorial of The Economist on Alberto Fernández: "He is a president without plan"». 3 de dezembro de 2020. Consultado em 3 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2023 
  13. «Alberto Fernández indicated that he constantly consults Cristina». 12 de janeiro de 2020. Consultado em 3 de fevereiro de 2023. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2023 
  14. «El presidente Alberto Fernández bajó su candidatura y no irá por la reelección» (em Spanish). Infobae. 21 de abril de 2023. Consultado em 21 de abril de 2023. Cópia arquivada em 21 de abril de 2023 
  15. a b c d e f Analía Argento (11 de agosto de 2019). «Alberto Fernández: por qué no quiso ser de Boca, sus dos 'papás' y el desmayo el día en que nació su hijo». Infobae. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  16. a b «Los primeros años de Alberto Fernández: Villa del Parque, las guitarras y la política, en el origen del candidato». Clarin. 17 de agosto de 2019. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  17. «El intérprete de Kirchner que añora el rock». La Nación. 25 de junho de 2003. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  18. «EEstanislao, el único hijo de Alberto Fernández». Msn. 29 de maio de 2019. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  19. «Conheça a história do filho drag queen de candidato à presidência da Argentina». G1. 28 de junho de 2019. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  20. «Conheça Dyhzy, filho drag de candidato à presidência da Argentina». Ig. 13 de agosto de 2019. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  21. Enric González (18 de agosto de 2019). «Alberto Fernández, o discreto professor que pode presidir a Argentina». El País. Consultado em 15 de agosto de 2019 
  22. «Quiénes eran los Puccio, el "clan" familiar que se dedicó a los secuestros». Diario La Nación. 7 de setembro de 2016. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  23. «Clan Puccio: el último integrante detenido quedará libre en 2022». Clarin. 20 de novembro de 2015. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  24. «La historia detrás de la foto de Alberto Fernández con un socio del clan Puccio». Reversoar. 26 de junho de 2019. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  25. «Es falso que Alberto Fernández volvió a dar clases en la UBA después de 18 años». Chequeado. 18 de julho de 2019. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  26. «Fernández, Alberto 1959-». World Cat. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  27. «Quién es Alberto Fernández, el candidato a Presidente que acompañará a Cristina Fernández». LaVoz. 18 de maio de 2019. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  28. «Este artículo fue hecho gracias al esfuerzo de trabajo de un periodista profesional». El Cronista. 18 de maio de 2019. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  29. Felipe Yapur (19 de maio de 2019). «Quién es Alberto Fernández». Página12. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  30. «El Provincia se convertirá en un holding empresario». La Nación. 5 de dezembro de 1997. Consultado em 23 de julho de 2019 
  31. «El primer Borocotó. Biografía política de Alberto Fernández, 1983-2007». Razón y Revolución. 3 de setembro de 2018. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  32. «A la izquierda del próximo gobierno». La Nación. 17 de outubro de 1999. Consultado em 23 de julho de 2019 
  33. «Alberto Fernández y Vilma Ibarra más juntos que nunca». Perfil. 11 de abril de 2011. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  34. a b c «Perfil: Alberto Fernández, o peronista moderado prestes a alcançar a presidência argentina». O Estado de S. Paulo. 25 de outubro de 2019. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  35. «La vida política de Alberto Fernández». Clarín. 18 de maio de 2019. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  36. «Kirchner cargó contra Cobos y De Narváez en un acto porteño». Clarín. 16 de junho de 2009. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  37. «Kirchner cargó contra Cobos y De Narváez en un acto porteño». La Nación. 24 de março de 2010. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  38. «Alberto Fernández se declara oficialista y ya se anota como candidato para 2015». La Nación. 30 de agosto de 2011. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  39. «Alberto Fernández: "Es indudable el deterioro en el voto de Sergio Massa"». Minuto Uno. 2 de junho de 2015. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  40. Sylvia Colombo (18 de maio de 2019). «Cristina Kirchner surpreende e anuncia candidatura à vice-presidência da Argentina». Folha de S. Paulo. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  41. Nicole Frölich (26 de outubro de 2019). «Argentina em crise vai às urnas». DW. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  42. «Recuento Provisional de Resultados: presidente». Governo da Argentina. 27 de outubro de 2019. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  43. Marina Guimarães (27 de outubro de 2019). «Em meio a profunda crise, Argentina escolhe hoje entre Macri e Fernández». Globo. Valor. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  44. «Elecciones 2019: Alberto Fernández se impuso en primera vuelta y será el nuevo presidente». Clarín. 27 de outubro de 2019. Consultado em 27 de outubro de 2019 
  45. «Grupo de Puebla en Buenos Aires». CLACSO (Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales) (em castelhano). 9 de novembro de 2019. Consultado em 13 de janeiro de 2020 
  46. «Grupo de Puebla». Página oficial (em castelhano). Consultado em 13 de janeiro de 2020 
  47. Helen Mendes e Isabella Mayer de Moura (7 de novembro de 2019). «O que é o Grupo de Puebla, aliança de líderes de esquerda que se reunirá na Argentina». Gazeta do Povo. Consultado em 13 de janeiro de 2020 
  48. Clarín.com. «Durísimo mensaje de EE.UU contra Alberto F: "Queremos saber si va a ser abogado de la democracia o apologista de las dictaduras"». www.clarin.com (em espanhol) 
  49. «Argentine: les sénateurs approuvent des mesures d'urgence économique». Le Figaro (em francês). 21 de dezembro de 2019. Consultado em 23 de novembro de 2023 
  50. Brasília, Redação Jornal de (8 de dezembro de 2023). «Fernández se despede na Argentina e admite fracasso econômico e de justiça social». Jornal de Brasília. Consultado em 9 de dezembro de 2023 
  51. «Fernández se despede na Argentina e admite fracasso econômico e de justiça social». Folha de S.Paulo. 8 de dezembro de 2023. Consultado em 9 de dezembro de 2023 
  52. a b «Informe de avance del nivel de actividad - Segundo trimestre de 2020» [Activity Level Report - Second Quarter 2020] (PDF). National Institute of Statistics and Census of Argentina. Informes técnicos (em espanhol). 4 (172). ISSN 2545-6636. Consultado em 25 de setembro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 23 de dezembro de 2021 
  53. a b «Pandemic and economic crisis pushes poverty rate up to 42%». Buenos Aires Times. 31 de março de 2021. Consultado em 24 de junho de 2021. Cópia arquivada em 13 de junho de 2021 
  54. Gillespie, Patrick (22 de setembro de 2020). «Argentina's Economy Slumps 16.2%, Narrowly Beating Forecasts». Bloomberg News. Consultado em 25 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2020 
  55. Ochoa, Raúl (17 de fevereiro de 2020). «Argentina-Brasil: incierto escenario para una relación indispensable». Clarín (em espanhol). Consultado em 16 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 16 de abril de 2021 
  56. «Benjamin Netanyahu felicitó a Alberto Fernández por mantener la postura contra Hezbollah». Perfíl (em espanhol). 24 de janeiro de 2020. Consultado em 16 de fevereiro de 2020 
  57. «Alberto Fernández, sobre su viaje a China: "Es una gran oportunidad para hacer más sólidos nuestros lazos y proyectos comerciales"». Ámbito (em espanhol). Consultado em 26 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 26 de janeiro de 2022 
  58. «President Alberto Fernández calls on Putin to end military action in Ukraine». Buenos Aires Times. 25 de fevereiro de 2022. Consultado em 1 de setembro de 2023. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2023 
  59. Rosemberg, Jaime; Lacour, Pedro (7 de janeiro de 2022). «El presidente Alberto Fernández asumió la presidencia de la Celac, con el acompañamiento de Nicaragua». La Nación (em espanhol). Consultado em 7 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2022 
  60. Fontevecchia, Agustino (7 de dezembro de 2019). «Alberto, Cristina and a distaste for institutions». Buenos Aires Times 
  61. «Alberto Fernández en Twitter: Respuestas feroces y mensajes desbocados de un tuitero que no se queda en el molde» [Alberto Fernández on Twitter: Fierce responses and uncontrolled messages from a tweeter who does not hold back]. Diario Popular (em espanhol) 
  62. «El video que expone lo peor de Alberto: sus agresiones "épicas" son virales» [The video that exposes Alberto's worst: his "epic" attacks are viral]. infotechnology.com (em espanhol) 
  63. @alferdez (19 de março de 2019). «Que pedazo de pelotudo resultaste. Pasaste de hacerme reír a tener pena por tu imbecilidad. Solo agradece que mi paciencia es infinita. Y rogá que tus imbéciles prepoteadas un día no se crucen con alguien sanguíneo. Seguí tu vida. Pelotudo."» (Tweet) (em espanhol) – via Twitter 
  64. «Los insultos de Alberto Fernández a los usuarios en las redes sociales» [Alberto Fernandez's insults to social media users]. La Nación (em espanhol). 20 de maio de 2019 
  65. @alferdez (26 de março de 2019). «Andamos muy bien, pedazo de hijode p» (Tweet) (em espanhol) – via Twitter 
  66. «El año de Alberto en Twitter: insultos, gifs graciosos y guiños para la unidad anti Macri» [A year of Alberto on Twitter: swearing, funny gifs and winks towards an anti-Macri ensemble]. A24 (em espanhol). 8 de novembro de 2019 
  67. @alferdez (11 de dezembro de 2017). «Nena, no es algo que me inquiete lo que vos creas. Mejor aprende a cocinar. Tal vez así logres hacer algo bien. Pensar no es tu fuerte. Está visto» (Tweet) (em espanhol) – via Twitter 
  68. «"Mejor aprende a cocinar": Usuarios reviven polémicos tuits del nuevo presidente de Argentina» ["You better learn how to cook": Users revive new Argentine president's polemic tweets]. Radio Programas del Perú (em espanhol). 28 de outubro de 2019 
  69. «El tenso cruce entre Alberto Fernández y Cristina Pérez durante una entrevista» [The tense crossing between Alberto Fernández and Cristina Pérez during an interview]. Infobae (em espanhol) 
  70. de 2020, 1 de Enero. «Alberto Fernández, en el documental de Netflix sobre la muerte del fiscal Nisman: "Hasta el día de hoy, dudo que se haya suicidado"». infobae (em espanhol). Consultado em 15 de março de 2021 
  71. «Giro. Alberto Fernández dijo que ahora cree que la muerte de Nisman "fue un suicidio"». www.lanacion.com.ar (em espanhol). 31 de dezembro de 2020. Consultado em 15 de março de 2021 
  72. 'Brasileiros vieram da selva', diz presidente da Argentina
  73. Presidente da Argentina pede desculpas por declaração racista
  74. Presidente da Argentina é acusado de racismo após dizer que brasileiros 'vêm da selva'
  75. Alberto Fernández: “Nisman se suicidó, yo espero que no haga algo así Luciani”
  76. Fernández diz que procurador não se suicide
  77. La Coalición Cívica denunciará a Alberto Fernández por instigación al suicidio y amenazas contra el fiscal Diego Luciani
  78. Justiça argentina confirma que Nisman foi assassinado
  79. Legista que disse que Nisman foi assassinado morre na Argentina

Precedido por
Mauricio Macri
 
Presidente da Argentina

2019 – 2023
Sucedido por
Javier Milei
Precedido por
Alfredo Atanasof
Chefe do Gabinete de Ministros
2003 – 2008
Sucedido por
Sergio Massa