Abrir menu principal
Elza Gomes
Nome completo Luísa dos Santos Gomes
Nascimento 19 de outubro de 1910
Lisboa, Portugal Portugal
Nacionalidade brasileira
Morte 17 de maio de 1984 (73 anos)
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro

Luísa dos Santos Gomes, mais conhecida como Elza Gomes (Lisboa, 19 de outubro de 1910Rio de Janeiro, 17 de maio de 1984), foi uma atriz brasileira nascida em Portugal.

BiografiaEditar

Seus pais, João e Silvana dos Santos Gomes, eram atores de uma modesta companhia de comédias em Portugal. A familiaridade com o meio artístico levou ao início de sua carreira ainda na infância.

O pai de Elza morreu quando esta tinha oito anos, e sua mãe decidiu se mudar para o Brasil, mandando buscar as filhas três anos depois. Estabeleceram-se primeiramente na Cidade da Paraíba (atual João Pessoa), onde Silvana Gomes retomou sua carreira. Em 1923, a família se mudou para o Rio de Janeiro, pois a mãe fora contratada por uma companhia de teatro de revista que se apresentava no Teatro Carlos Gomes. Neste mesmo ano, deu-se a estreia profissional de Elza, como Juquinha na peça A Capital Federal, de Artur Azevedo.[1]

Entre as cerca de 400 peças de cuja montagem participou, destacam-se: A dama do camarote, Senhora na boca de lixo, My Fair Lady, Deus lhe pague, A dama das camélias e Guerra mais ou menos santa.

Na televisão participou de várias telenovelas, entre as quais O Primeiro Amor (1972), Pecado capital (1975), O casarão (1976), Saramandaia (1976), Chega mais (1980) e Final feliz (1982), sua última telenovela e seu último trabalho como atriz, na qual fez sucesso interpretando a personagem "Dona Sinhá". Elza fez quinze filmes e mais de doze telenovelas.

Ao longo de sua vida, Elza desenvolveu problemas cardíacos os quais levaram à instalação de um marcapasso, em 1976. Em 1983, após outra intervenção cirúrgica, constatou-se que estava padecendo de um câncer pancreático, um dos tipos mais agressivos da doença e cujos sintomas se apresentam tardiamente. Em 9 de maio de 1984, Elza foi internada no Hospital São Lucas, situado no bairro carioca de Copacabana, onde passou seus últimos dias. Já em estado grave, recebeu a extrema-unção e na mesma cerimônia religiosa casou-se com o ator André Villon, seu companheiro de 46 anos [2] e a quem conheceu na Companhia de Procópio Ferreira, quando estava viúva e com uma filha de quatro anos. Ela veio a falecer na semana seguinte, às 12h50min de quinta-feira, 17 de maio. Seu corpo foi velado no Teatro Glauce Rocha e sepultado no dia seguinte, no Cemitério Santa Cruz, no Rio de Janeiro.[3]

Trabalhos na televisãoEditar

Trabalhos no cinemaEditar

Referências

  1. Jornal do Brasil. Elza Gomes - Uma atriz a vida toda. Rio de Janeiro, 18/9/1984.
  2. Veja, 23 de maio de 1984, edição 820
  3. Jornal do Brasil. Elza Gomes (*1910†1984). Rio de Janeiro, 18/9/1984.
  4. «Missa do Galo». Cinemateca Brasileira. Consultado em 19 de maio de 2018 
  5. Cinemateca Brasileira, Maria da Perdição [em linha]
  6. «Os Condenados». Cinemateca Brasileira. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  7. «O Enterro da Cafetina». Cinemateca Brasileira. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Elza Gomes
Precedida por:
Adriana Prieto
por Um Anjo Mau
Troféu Candango de Melhor Atriz
por Nem os Bruxos Escapam
(Também por Guerra Conjugal)

1975
Sucedida por:
Zezé Motta
por Xica da Silva