João Pessoa

município brasileiro e a capital do estado brasileiro da Paraíba
 Nota: Para o político que dá nome à cidade, veja João Pessoa (político). Para outros significados, veja João Pessoa (desambiguação).

João Pessoa é um município brasileiro, capital do estado da Paraíba. Com população em 2022 de 833 932 habitantes,[2] a capital paraibana é a sétima cidade mais populosa da Região Nordeste e a 20ª do Brasil, sendo, no seu estado, o município mais populoso. Pertence à Região Geográfica Imediata de João Pessoa e à Região Geográfica Intermediária de João Pessoa.[5] A Região Metropolitana de João Pessoa, formada por mais onze municípios, tinha uma população estimada em 2022 de 1 304 266 pessoas.[6]

João Pessoa
  Município do Brasil  
Da esquerda para a direita, de cima para baixo: centro histórico com o Rio Sanhauá; Catedral Basílica de Nossa Senhora das Neves; Parque da Lagoa Sólon de Lucena; Mata do Buraquinho; Ponta do Seixas, extremo oriental das Américas; Farol do Cabo Branco e panorama da cidade com as praias de Cabo Branco (esquerda) e Tambaú (direita)
Símbolos
Bandeira de João Pessoa
Bandeira
Brasão de armas de João Pessoa
Brasão de armas
Hino
Lema Intrepida ab origine
Intrépida desde a origem
Gentílico pessoense
Localização
Localização de João Pessoa na Paraíba
Localização de João Pessoa na Paraíba
Localização de João Pessoa na Paraíba
João Pessoa está localizado em: Brasil
João Pessoa
Localização de João Pessoa no Brasil
Mapa
Mapa de João Pessoa
Coordenadas 7° 07' 08" S 34° 52' 53" O
País Brasil
Unidade federativa Paraíba
Região metropolitana João Pessoa
Municípios limítrofes Cabedelo (N), Conde (S), Bayeux e Santa Rita (O).
Distância até a capital 2 230 km[1]
História
Fundação 5 de agosto de 1585 (438 anos)
Administração
Prefeito(a) Cícero Lucena (PP, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [2] 210,044 km²
População total (Censo IBGE/2022[2]) 833 932 hab.
 • Posição PB: 1°
Densidade 3 970,3 hab./km²
Clima tropical (As')
Altitude 40 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,763 alto
 • Posição PB: 1º
PIB (IBGE/2020[4]) R$ 20 766 550,52 mil
PIB per capita (IBGE/2020[4]) R$ 25 402,17
Sítio www.joaopessoa.pb.gov.br (Prefeitura)
www.cmjp.pb.gov.br (Câmara)

Fundada em 5 de agosto de 1585 com o nome de Cidade Real de Nossa Senhora das Neves, João Pessoa é considerada a terceira cidade mais antiga do Brasil, tendo sido fundada pela Cúpula da Fazenda Real, já como cidade e não como vila, povoado ou aldeia.[7] Logo passou a se chamar de Filipeia de Nossa Senhora das Neves em 1588 em homenagem ao rei Filipe II que, na época, acumulava as coroas da Espanha e de Portugal.[8] Posteriormente chamada Frederikstad, foi uma das duas principais cidades da Nova Holanda, junto com Mauritsstadt (a atual Recife), na segunda metade do século XVII. Possui antigo e vasto patrimônio histórico, similar ao de Olinda.[9]

É conhecida como "Porta do Sol", devido ao fato de, no município, estar localizada a Ponta do Seixas, que é o ponto mais oriental das Américas, o que faz a cidade ser conhecida como o lugar "onde o sol nasce primeiro no continente americano".[10] Durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, João Pessoa recebeu o título de "segunda capital mais verde do mundo", ficando atrás apenas de Paris, na França.[11] É ainda a cidade mais verde do Brasil, muito por conta do Jardim Botânico Benjamim Maranhão, localizado na área central da cidade com 515 hectares de mata atlântica preservada, constituindo a maior floresta semiequatorial nativa plana densamente cercada por área urbana do mundo.[12] Foi considerada pela organização International Living como uma das melhores cidades do mundo para se desfrutar a aposentadoria. No ranking feito pela organização, a capital paraibana surge ao lado de Fortaleza como as únicas cidades brasileiras citadas na lista.[13] Dados de 2000 mostram João Pessoa como a capital menos desigual do Nordeste, segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, com o coeficiente de gini de 0,630, embora tal índice seja considerado "muito alto" de acordo com a ONU.[14] É, portanto, uma das capitais de melhor qualidade de vida do Nordeste.[15]

A cidade teve o seu centro histórico tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em 2007.[16][17] Inscrito nos seguintes Livros do Tombo: Histórico e Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico. Seu tombamento foi em circunstância de ser uma das primeiras cidades fundadas no Brasil. Recebeu em 2017 o título de cidade criativa pela Unesco,[18] colocando João Pessoa como "Cidade Brasileira do Artesanato". O reconhecimento de João Pessoa a coloca na rota turística brasileira por sua arte popular. Esse reconhecimento teve grande contribuição e influência, devido ao projeto sereias da Penha;[19] onde mulheres artesãs realizam o trabalho manual, dialogando com o design, moda, economia criativa, destacando a arte com escamas de peixe em fios de cobre.

Topônimo editar

 
Retrato de João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque (1878-1930), político que dá nome à cidade

Sua denominação atual, "João Pessoa", é uma homenagem ao político paraibano João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, assassinado em 1930 na cidade do Recife, quando era presidente do estado e concorria, como candidato a vice-presidente da República, na chapa de Getúlio Vargas. O fato causou grande comoção popular, sendo o estopim da Revolução de 1930, embora se discuta se realmente houve motivação política no ato, que foi executado por João Duarte Dantas, advogado cujo escritório fora invadido por tropas governamentais, tendo sido suas cartas à professora Anayde Beiriz trazidas a público.

A Assembleia Legislativa da Paraíba aprovou a mudança do nome da capital em 4 de setembro de 1930. Há algum tempo, cidadãos pessoenses discutem a possibilidade de rever a homenagem e substituir o nome de João Pessoa por outro, entre os quais figuram "Paraíba", "Filipeia" e "Cabo Branco",[20] sendo que alguns movimentos até manifestam apoio à ideia de um plebiscito para tal nomenclatura ou uma consulta popular, como faz atualmente o "Coletivo Cultural Anayde Beiriz", projeto em andamento do Movimento Paraíba Capital Parahyba.[20][21]

Entre outros argumentos, alega-se [quem?] que a mudança de nome (assim como a alteração da bandeira estadual em 1930), foi realizada em um momento de comoção e de instabilidade social, quando vários adversários políticos do grupo de João Pessoa foram presos e mortos.[carece de fontes?] Acrescenta-se ainda que não há consenso sobre as virtudes de Pessoa e de gestor público as quais confeririam o mérito ao ex-presidente da Paraíba (na época, denominação para o cargo de governador) para tal homenagem. De outra parte, os defensores da manutenção do nome argumentam que João Pessoa foi político exemplar e que combateu o coronelismo e as oligarquias.

História editar

Antecedentes, fundação e primeiros anos editar

Em 1534, o rei português D. João III divide a colônia em capitanias hereditárias, sendo a Paraíba subordinada à Capitania de Itamaracá, desde o rio Guaju até o rio Goiana. A Capitania da Paraíba foi criada somente em 1574, após o ataque de Tracunhaém, um engenho da capitania de Itamaracá. A nova capitania, porém, só seria ocupada onze depois após cinco expedições que tinham o objetivo de conquistá-la, sendo as quatro primeiras terminadas em fracasso.[22]

A fim de repelir os invasores, em 1 de maio de 1584, em terras do atual distrito de Forte Velho, em Santa Rita, foi erguido o Forte de São Filipe na margem esquerda do Rio Paraíba, habitado pelos índios potiguaras. O forte, porém, sofreu ataques constantes de corsários franceses e dos potiguaras e foi abandonado menos de um ano depois, sendo incendiado em junho de 1585.[23] Antes, em fevereiro daquele ano, chegaram à Paraíba os tabajaras, chefiados por Piragibe, instalando-se na margem esquerda do rio. Inicialmente aliados, os tabajaras logo se tornaram rivais dos potiguaras e entraram em conflito com estes e também com os colonizadores portugueses.[24]

O Centro Cultural São Francisco, onde se localizam o Convento e Igreja de Santo Antônio, bem como a Casa de Oração e claustro da Ordem Terceira de São Francisco
O Convento e Igreja de Nossa Senhora do Carmo e, à esquerda, o palácio episcopal, onde funciona a cúria arquidiocesana

Um acordo de paz entre os portugueses e os tabajaras, representados por Piragibe, foi selado em 5 de agosto de 1585, concretizando assim a conquista da Paraíba.[25] Tal acordo possibilitou o início do povoamento da região a partir de 31 de outubro de 1585, em uma área na foz do rio Sanhauá,[24] que foi batizada de Porto do Capim, na parte baixa do atual bairro do Varadouro.[26] Já em 4 de novembro, começa a ser edificado o "forte da cidade".[27] Este dia é considerado por alguns historiadores como a data real de fundação de João Pessoa, inicialmente "Cidade Real de Nossa Senhora das Neves", ao invés de 5 de agosto.[24][28] Tal forte, que muitas vezes é confundido com o forte do Varadouro[29] (construído somente nos anos 1630), durou poucos anos e, no final dos anos 1600, já se encontrava em ruínas.[27]

Entre 1585 e 1586, no alto de uma colina, começa a ser construída uma capela dedicada a Nossa Senhora das Neves, que rapidamente se tornou matriz de uma freguesia, cujo primeiro vigário foi o Padre João Vas Sallem, nomeado em 30 de outubro de 1586.[30] A fim de possibilitar a conexão entre essa colina (Cidade Alta) e a foz do Sanhauá (Cidade Baixa), foi aberta uma via, apontada por alguns historiadores como a Ladeira de São Francisco e por outros como Ladeira da Borborema.[31] Em 1588 a cidade passou a se chamar Filipeia de Nossa Senhora das Neves em referência ao Filipe II que, na época, acumulava os tronos de Portugal e Espanha, a chamada União Ibérica (1580-1640). Em 1599, é firmado um acordo de paz com os potiguaras e a Filipeia de Nossa Senhora das Neves passa a se chamar Parahyba.[32]

Os primeiros anos após a fundação da cidade também foram marcados pela chegada de ordens religiosas, sendo elas os franciscanos, carmelitas e membros da Ordem de São Bento, chamados de beneditinos. Em 1589 chega à cidade o Frei Melchior de Santa Catarina, custódio dos franciscanos, com o intuito de instalar uma missão. O governo da capitania ofereceu um terreno para a construção de um convento, que fora aprovado pelo frei. O projeto foi elaborado pelo Frei Francisco dos Santos e sua construção teve início em 1590, sendo, porém, paralisada em data incerta, entre 1592 e 1596. A obra foi retomada somente em 1602 e finalizada em 1608.[33]

Acredita-se que ainda em 1591 chegaram os carmelitas, que somente a partir de 1600 começaram a erguer o seu convento. Em 1595, o Frei Damião da Fonseca, representantes dos beneditinos, chegou à Filipeia e solicitou ao governador da capitania, Feliciano Coelho de Carvalho, um terreno para a construção de um mosteiro,[34] que também teve início por volta de 1600. As terras para a construção desse mosteiro, a poucos metros da Igreja Matriz, pertenciam ao vigário Sallem.[35]

Da ocupação holandesa ao século XVIII editar

A primeira tentativa holandesa de conquistar a Capitania da Paraíba ocorreu em dezembro de 1631, entre os dias 5 e 10, terminando em fracasso.[36] A fim de evitar novas invasões e garantir a segurança da capitania, foram erguidos dois fortes, Santo Antônio e Restinga. Uma nova tentativa ocorreria somente em fevereiro de 1634, novamente sem êxito. Somente na terceira tentativa, em 24 de dezembro de 1634, os holandeses conseguiram entrar sem qualquer resistência, levando a população local a migrar para áreas rurais e abandonar a cidade,[37] que passa a se chamar Frederica, Frederikstad no idioma holandês, uma referência a Frederico Henrique, príncipe de Orange.

 
A Nova Holanda em sua extensão máxima

Na época, a cidade possuía aproximadamente 1 500 habitantes e um total de dezenove engenhos de açúcar,[38] boa parte deles confiscados pelos invasores.[37] Os franciscanos foram expulsos do seu convento, que foi transformado em fortificação (1636).[39] Somente em 1637 os portugueses reconhecem o domínio holandês na chamada Nova Holanda, em uma faixa compreendida entre o Rio São Francisco e o atual Ceará.[40]

Elias Herckmans, que administrou a capitania entre 1636 e 1639, descreveu a cidade como:[41]

Ella está circumdada pelo bosque, e não pôde ser vista por quem se approxima, senão quando se está nella, excepto si se sobe ou desce o rio, porque em se chegando á bocca ou entrada da Bahia chamada Varadouro, se pode avistar perfeitamente o convento de S. Francisco e alguns edifficios do lado septentrional.

Em 1645, eclode em Pernambuco a Insurreição Pernambucana, um movimento contrário ao domínio holandês no Brasil. Dentre os líderes está André Vidal de Negreiros, nascido na capitania, no engenho de São João, tendo participado de todas as fases do movimento, incluindo as duas batalhas dos Guararapes, em 1648 e 1649. A Primeira Guerra Anglo-Holandesa (1652-1655), entre Holanda e Inglaterra, enfraqueceu o domínio holandês no Nordeste, levando os invasores a assinarem a rendição em 26 de janeiro de 1654, deixando a capitania em ruínas. Porém, somente em 1661, a Holanda reconheceu definitivamente a soberania portuguesa sobre o território do atual Nordeste brasileiro, por meio do Tratado de Haia.[42] Com o fim da ocupação, Frederica passa a se chamar "Parahyba do Norte".[32] Em 1671, a Matriz de Nossa Senhora das Neves teve a maior parte de sua estrutura demolida, com exceção da nave. A reconstrução do templo, paralisada várias vezes, durou mais de um século, sendo concluída somente no final do século XVIII.[43]

Em agosto de 1704, o capitão-mor a Paraíba, Fernando de Barros e Vasconcelos, ordenou por carta régia a construção da Casa de Pólvora, na ladeira de São Francisco, que se estenderia até 1710. Em 24 de setembro de 1729, foi lançada a pedra fundamental da Igreja de Nossa Senhora das Mercês, que foi sagrada em 21 de setembro de 1741.[44] Em 1763, o português Sílvio Siqueira, durante sua passagem pelo litoral da Paraíba, enfrentou uma grande tempestade no mar e, reunindo toda a tripulação de sua embarcação, intercedeu à Nossa Senhora da Penha, de quem era devoto, para que a situação se acalmasse. Poucos minutos depois, a tempestade enfraqueceu e a tripulação desembarcou onde hoje é a Praia da Penha, onde foi erguido um santuário dedicado à santa.[45] Na mesma década, por volta de 1767, surgiu a Igreja de Nossa Senhora Mãe dos Homens.[46]

Ainda no século XVIII, a cidade entrou em decadência, levando à extinção da capitania em 1756, quando foi anexada à capitania de Pernambuco.[47] A Paraíba só voltaria a existir como unidade política separada em janeiro de 1799, quando sua autonomia foi recuperada.[48]

Século XIX editar

 
Ponte do Baralho sobre o rio Sanhauá, a primeira ligação entre a Cidade da Parahyba e a Vila Barreiras, atuais bairros de Baralho e São Bento, em Bayeux

No dia 7 de setembro de 1822, o Brasil se tornava politicamente independente de Portugal e a Paraíba se tornaria uma província do Império do Brasil, tendo a Cidade da Parahyba como sua capital que, na época, possuía uma população de cerca de três mil habitantes. Naquele ano chegou à cidade o primeiro o serviço iluminação pública, constituído por vinte lampiões alimentados a azeite de mamona.[49] Em 1828, a capital já possuía 5 816 moradores e um total de 2 119 domicílios, a maior parte de palha ou taipa.[50] Já no ano seguinte, a iluminação pública é reforçada e a Cidade da Parahyba passa a ter cinquenta lampiões.[51] Em 24 de março de 1836, no primeiro andar da Assembleia Provincial, é fundado o Lyceu Paraibano, que teve seu primeiro estatuto aprovado em 19 de abril de 1837.[52]

Por volta de 1840, é construída sobre o rio Sanhauá a Ponte Sanhauá ou Ponte do Baralho, o primeiro acesso entre a Cidade da Parahyba e a Vila Barreiras, atuais bairros de Baralho e São Bento, que deram origem à cidade de Bayeux, na época uma localidade de Santa Rita.[53] Em 1847, por decreto imperial, é criada a Capitania dos Portos, que se tornou responsável pela administração do Porto do Capim[54] e, em 24 de janeiro de 1855, a Cidade da Parahyba ganha seu primeiro cemitério.[55] Em 1856, o sistema de iluminação pública da cidade, dada sua baixa eficiência, deixa de existir, exceto nas festividades e em estabelecimentos públicos comerciais. Somente em 1885, o sistema é retomado, desta vez utilizando-se lampiões alimentados a querosene.[56]

Em 4 de novembro de 1858 é sancionada a lei provincial n° 13, que criou o Colégio Nossa Senhora das Neves, inaugurado em 5 de fevereiro de 1859. A referida escola, porém, foi fechada pelo seu sucessor menos de dois anos depois, permanecendo assim até março de 1895.[57] Em 1872, quando foi realizado o primeiro censo nacional no Brasil, a população da cidade foi aferida em 24 714 habitantes, sendo a quarta localidade mais populosa da Província da Paraíba, depois de Sousa (29 726); Independencia,[nota 1] atual Guarabira (28 191) e Areia (25 549).[58]

 
Teatro Santa Rosa, o mais importante da Paraíba e o segundo mais antigo do estado

Em 3 de novembro de 1889 a cidade ganha o Teatro Santa Rosa, batizado com o sobrenome do presidente da Província da Paraíba, Francisco da Gama Rosa. Doze dias depois seria proclamada a República e a Paraíba passaria de província para estado, permanecendo a cidade como sua capital. Assume a presidência do estado Venâncio Neiva, que logo muda o nome do espaço para "Teatro do Estado".[59]

No dia 27 de abril de 1892, a Igreja Matriz de Nossa Senhora das Neves se torna catedral com criação da Diocese da Paraíba, por meio da bula Ad Universas Orbis Ecclesias, do Papa Leão XIII. A nova circunscrição eclesiástica, desmembrada da Diocese de Olinda (Pernambuco), compreendia toda a área territorial dos estados do Rio Grande do Norte e da Paraíba[60] e fora solenemente instalada em 4 de março de 1894, com a posse do seu primeiro bispo, Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, que nesta data instituiu o Seminário Diocesano da Paraíba Imaculada Conceição e do Colégio Diocesano (atual Colégio Marista Pio X),[61] tendo sido responsável ainda pela reabertura do Colégio Nossa Senhora das Neves em 14 de março do ano seguinte, após mais de três décadas fechado.[62]

A partir de 2 de março de 1895, por meio de uma lei estadual, a cidade deixaria de ser administrada por um conselho municipal e passaria a ser administrada por um prefeito, a ser nomeado pelo governador do estado. O primeiro a ocupar o cargo foi o ex-deputado provincial Jovino Limeira Dinoá, que administrou o município até outubro de 1900.[63][64] Em 1896, chegam à cidade os primeiros bondes de tração animal, operados pela empresa Ferro Carril Parahyba.[65]

Primeiras décadas do século XX editar

 
Antiga sede da Usina Cruz do Peixe, primeira fornecedora de eletricidade da cidade, onde hoje funciona a Usina Cultural Energisa, inaugurada em 2003

No censo de 1900, a população do município chegava a 28 793 habitantes, um crescimento de mais de 50% em relação ao censo anterior, de 1890, quando possuía 18 645 pessoas. Ainda assim, o município mais populoso do estado era Guarabira, que já possuía 40 052 habitantes, seguido por Campina Grande (38 303).[66] Àquela época, a zona urbana se restringia à área compreendida entre o rio Sanhauá e lagoa dos Irerês. Em 1906, durante a gestão do presidente do estado (denominação dos atuais governadores) Valfredo Leal, surge a primeira conexão entre o centro da cidade e o litoral, com o início da construção da ferrovia de Tambaú,[67] concluída somente em 1911 no governo do seu sucessor, João Lopes Machado.[68]

Em março de 1912, entra em operação a Usina Cruz do Peixe, operada pela Empresa de Tração, Força e Luz, que passou a fornecer eletricidade para a cidade, substituindo a iluminação a gás acetileno e a querosene.[69] Já no mês seguinte começou a funcionar o sistema de abastecimento de água,[70][71] implantado a partir da perfuração de poços amazonas na Mata do Buraquinho[72] e projetado a partir de 1907,[73] quando o governo paraibano adquiriu a área por cinco mil cruzeiros.[71] Ambos, porém, não eram universais, sendo acessíveis apenas às classes mais privilegiadas.[73] Em 1913, a convite do presidente da Paraíba, João Pereira de Castro Pinto, o engenheiro sanitarista Saturnino de Brito elaborou um projeto que visava instituir um sistema de esgotamento sanitário local,[74] executado somente a partir de 1922.[75]

Praça da Independência, inaugurada em 7 de setembro de 1922 em comemoração aos cem anos da independência do Brasil
Pátio da Praça Vidal de Negreiros, o Ponto de Cem Réis, com o Paraíba Palace Hotel em destaque

No dia 6 de fevereiro de 1914, por meio da bula papal Maius Catholicae Religionis Incrementum, o Papa Pio X eleva a Diocese da Paraíba à dignidade de arquidiocese e Dom Adauto, que estava à frente do bispado desde 1894, tornou-se o primeiro arcebispo, permanecendo à frente até 1935, ano em que faleceu. Ainda em fevereiro de 1914, no dia 17, chegam os bondes elétricos, que substituíram os bondes de tração animal.[70][76] Nos anos de 1915 e 1916, a cidade ganha seus primeiros hotéis, sendo eles o Hotel Globo (1915) e o Hotel Luso-Brasileiro (1916).[77] Por volta de 1918,[78] na administração de Camilo de Holanda, presidente da Paraíba de 1916 a 1920, foi iniciada a abertura de uma via que possibilitasse um acesso direto entre o centro e a praia de Tambaú, na época apenas uma pequena colônia de pescadores. Contudo, a obra dessa via, que se tornaria a atual Avenida Presidente Epitácio Pessoa, não chegou a ser concluída.[79]

Em 1920, quando a capital paraibana chegava a 52 990 habitantes,[80] assume a intendência municipal Walfredo Guedes Pereira. Dentre suas principais realizações, estão a construção da Praça da Independência, inaugurada em 7 de setembro de 1922 em comemoração ao primeiro centenário da Independência do Brasil;[81] a criação do Parque Arruda Câmara, inaugurado na véspera de Natal daquele mesmo ano[82] e a drenagem e saneamento do entorno da Lagoa dos Irerês. Esta, por meio de um decreto-lei municipal de 27 de setembro de 1924, passou a se chamar Parque Sólon de Lucena, em referência a Sólon Barbosa de Lucena, na época presidente da Paraíba.[83] Sua gestão também fora marcada pela demolição de duas igrejas seculares, Mãe dos Homens e Rosário dos Pretos, ambas em 1923, a primeira para permitir o prolongamento da Rua Monsenhor Walfredo Leal (hoje avenida), como também a construção da atual Praça Antônio Pessoa, enquanto a última daria lugar à Praça Vidal de Negreiros, que ficou conhecida como Ponto de Cem Réis,[84] em referência ao valor da passagem cobrada pelos bondes que passavam por ali.[65]

Em 1926, entra em funcionamento o sistema de esgotamento sanitário da capital[75][85] e o Parque Sólon de Lucena ganha suas palmeiras-imperiais. Em agosto de 1929, o Hotel Globo, que funcionava onde hoje é a Rua João Suassuna, muda-se para o Largo de São Frei Pedro Gonçalves, na residência do seu proprietário, Henriques Siqueira, conhecido por "Seu Marinheiro".[86]

Da mudança de nome aos anos 1950 editar

Fotografia antiga da Praça Presidente João Pessoa, com o monumento O Altar da Pátria ao meio
Atual sede do Lyceu Paraibano, inaugurada em 1937 pelo interventor federal Argemiro de Figueiredo e o colégio mais tradicional de João Pessoa

Em 26 de julho de 1930, o presidente da Paraíba e ex-candidato a vice-presidente da República na chapa de Getúlio Vargas, João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, foi assassinado na Confeitaria Glória na Rua Nova, em Recife, por João Duarte Dantas, seu adversário e desafeto político. O episódio gerou grande repercussão nacional e se tornou um dos estopins da Revolução de 1930, no qual a Paraíba liderou com Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Seu corpo foi embalsamado ainda em Recife e transportado por via férrea para a capital paraibana, onde chegou ao meio-dia do dia 28 e seguiu para a Catedral de Nossa Senhora das Neves, onde foi velado até o dia 1° de agosto, quando foi transportado ao porto de Cabedelo para ser sepultado no Rio de Janeiro, fato que ocorrera no dia 7 de agosto.

Em 1° de setembro de 1930, durante sessão ordinária da Assembleia Legislativa da Paraíba no Teatro Santa Rosa, foi apresentado um projeto de lei que alterava o nome da capital de Parahyba do Norte para João Pessoa.[87] Tal projeto, votado e aprovado em dois turnos,[88] foi sancionado no dia 4 de setembro seguinte pelo presidente da Paraíba, Álvaro Pereira de Carvalho, tornando-se a lei estadual n° 700.[89] Ainda em homenagem a João Pessoa, a Praça Comendador Felizardo foi logo rebatizada para Praça Presidente João Pessoa e, em seu centro, foi construído o monumento "O Altar da Pátria", inaugurado em 8 de setembro de 1933 com a presença do presidente da República, Getúlio Vargas.[90]

Em 1932, a convite de Antenor Navarro, interventor federal na Paraíba, o arquiteto Nestor de Figueiredo elabora o projeto urbanístico da capital, chamado de Plano de Remodelação e Extensão da Cidade de João Pessoa.[91] Seu sucessor, Gratuliano da Costa Brito (1932-1934), que assumiu com a morte de Antenor, inaugurou o Paraíba Palace Hotel, onde antes funcionava a sede do jornal Correio da Manhã, em frente à Praça Vidal de Negreiros,[92] e retomou a abertura da Avenida Epitácio Pessoa, concluída em 1940,[93] partindo da Praça da Independência até a Praia de Tambaú, apresentando uma extensão de cinco quilômetros.

Entre os meses de janeiro e setembro de 1935, o ex-prefeito Guedes Pereira volta ao comando da capital. Desta vez, foi desapropriado o terreno onde ficava a Igreja Nossa Senhora das Mercês, que fora demolida em 1936 para dar lugar à atual Praça 1817.[94] No ano seguinte, o interventor federal Argemiro de Figueiredo inaugura a atual sede do Lyceu Paraibano, que desde a sua criação funcionava ao lado do Palácio da Redenção, onde hoje está a Faculdade de Direito da Paraíba.[95][96] Em 1° de novembro de 1939, após três anos em obras, a Arquidiocese da Paraíba e a prefeitura de João Pessoa inauguram a nova Igreja das Mercês,[94] na Rua Padre Meira, a poucos metros de onde se situava a igreja original. Também em 1939 é oficialmente inaugurado o Parque Sólon de Lucena e, no ano seguinte, o paisagista Burle Marx projetou o jardim do espaço.[97]

Em 1940, é fundado o Aeroclube da Paraíba, que entrou em operação no dia 10 de novembro em área do atual bairro de Tambauzinho, onde antes se localizava o Campo da Imbiribeira.[98] A partir de 1941, o governo estadual abre a estrada João Pessoa-Cabedelo, com o intuito de ligar à zona urbana da capital ao Porto de Cabedelo,[99] que já operava desde 1935 na foz do rio Paraíba. No mesmo ano, por meio de uma perícia realizada pelo Ministério da Marinha, a Ponta do Seixas é reconhecida como o ponto mais oriental do território brasileiro, título este que era disputado há anos com Ponta de Pedras, em Pernambuco.[100] O historiador paraibano Coriolano de Medeiros narra, em sua obra Dicionário Corográfico do Estado da Paraíba:[101]

 
Casarão da antiga Fazenda Ribamar ou Boi-Só, cujas terras chegaram a abranger parte de Cabedelo e dos atuais bairros pessoenses de Bessa, Brisamar, Estados, Ipês, Manaíra e Pedro Gondim. A denominação popular Boi-Só é uma referência ao francês Boisôt, seu primeiro proprietário, da família Boisson. Em 1962, ao lado do casarão, foi construída uma capela e, em 1980, todo o complexo foi tombado pelo estado. Desde 2008, a fazenda se localiza dentro do condomínio Alphaville, entre os bairros dos Ipês e dos Estados.[102]
No dia 5 de setembro [de 1941] foi observada em ponta de Pedras e no dia 12 no Cabo Branco. A sorte sorriu à Paraíba, pois que a ponta do Seixas, no Cabo Branco, é o ponto mais oriental do território nacional, sendo portanto o mais oriental das duas Américas. Aquela ponta paraibana avança gaihardamente cerca de 1683 metros para leste a mais que a ponta de Pedras.

Em 12 de outubro de 1947, ocorreram as primeiras eleições diretas para prefeito da história de João Pessoa, com quatro concorrentes, sendo eleito com 45,56% dos votos válidos o candidato Osvaldo Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, do Partido Social Democrático, irmão de João Pessoa e sobrinho de Epitácio Pessoa. Empossado em 14 de março de 1948, permaneceu à frente da prefeitura até 1951, quando renunciou.[103][104] Antes, em 11 de outubro de 1948, entra em vigor o Código de Posturas do Município.[105][106]

Na véspera de Natal de 1952, era inaugurada a pavimentação da Avenida Epitácio Pessoa,[107] em forma de paralelepípedo,[108][109] em uma década em que o crescimento da cidade tornava-se mais evidente, com vários loteamentos surgindo nas proximidades da avenida.[110] Tais loteamentos deram origem aos atuais bairros de Brisamar, Cabo Branco, Estados, Expedicionários, Miramar, Pedro Gondim, Tambauzinho, Torre e Tambaú, consolidando assim a expansão da cidade do centro em direção ao oceano.[111][112] Boa parte dessas terras pertencia antes à Fazenda Ribamar ou Boi-Só, que teve como primeiro proprietário o francês Boisôt, da família Boisson, no século XIX.[102]

Em 1953, o Aeroclube da Paraíba se muda para área desapropriada pelo governo do estado, no atual bairro do Aeroclube.[98] Ainda naquela mesma década, a praia de Tambaú ganharia seu primeiro calçadão, junto com a abertura da Avenida Almirante Tamandaré.[113] A partir de 1958, começa a ser erguido o Edifício Presidente João Pessoa que, com dezoito andares, tornou-se o primeiro arranha-céu da cidade, entregue no começo dos anos 1960.[114][115]

Entre as décadas de 1940 e 1950, o município registrou um crescimento populacional de 26,5%, passando de 94 333 habitantes em 1940[116] para 119 326 em 1950. No estado, só perdia para Campina Grande, no agreste, com 173 206.[117] Em 1960, após a emancipação dos distritos de Cabedelo (1956) e Alhandra (1959),[118] alcançou 153 175 habitantes, ainda atrás de Campina Grande (204 583).[119]

Décadas de 1960 e 1970 editar

João Pessoa nos anos 1970
A Praia de Tambaú em setembro de 1970
O Farol do Cabo Branco em 1974, dois anos após a sua inauguração
Paraíba Palace Hotel, atual Paraíba Palace Shopping, em 1974

Em 1961, João Pessoa perderia o distrito de Pitimbu, elevado à categoria de município e, em 1963, seria a vez da Vila do Conde, emancipado com a denominação reduzida para Conde.[118] Ainda em 1963, é criado o distrito industrial de João Pessoa e, a partir de 1965, começa a ser construído o câmpus da Universidade Federal da Paraíba (UFPB),[120] estimulando o crescimento na cidade nas direções sul e sudeste.[121] Próximo ao câmpus surgiriam três conjuntos habitacionais, que deram origem ao atual bairro do Castelo Branco, entre 1969 e 1974,[122] Outros dois fatores que impulsionaram o crescimento de João Pessoa na época foram o prolongamento da Avenida Pedro II e a abertura da atual Avenida Cruz das Armas,[105] responsável por ligar o centro ao distrito industrial.

Em 5 de fevereiro de 1966, já durante o regime militar no Brasil, o presidente da República Humberto de Alencar Castelo Branco baixou o Ato Institucional n.º 3, que impôs a eleição indireta para os governadores dos estados e estes passariam a nomear os prefeitos de suas capitais.[123] Sendo assim, o prefeito Domingos Mendonça Neto, eleito em 1963, teve seu mandato cassado e, em seu lugar, foi nomeado o ex-prefeito Damásio Barbosa de Franca,[124] que administrou o município por cinco anos. Em sua gestão, é pavimentada a Avenida Senador Ruy Carneiro, antiga Avenida Atlântica, partindo da Avenida Epitácio Pessoa e ligando esta à praia de Manaíra.[125]

Em junho de 1969, começa a ser construído o Viaduto Damásio de Franca em referência ao prefeito,[126] que fora inaugurado em 17 de julho do ano seguinte.[108] No censo daquele ano, João Pessoa assume o posto de município mais populoso da Paraíba, com 221 546 habitantes, contra 195 303 de Campina Grande,[127] que perdia território para a criação de novos municípios. Ainda em 1970, em meio ao crescente processo de verticalização na cidade, uma emenda à constituição estadual de 1967 limitou a construção de prédios altos na orla a dois pavimentos, na faixa compreendida entre as praias da Penha e Formosa, esta em Cabedelo.[128]

Após ter sua construção iniciada em 1969, o governador João Agripino inaugurou, em 6 de março de 1971, o Hotel Tambaú, a poucos dias do término do seu mandato. O novo empreendimento, projetado pelo arquiteto Sérgio Bernardes e erguido na areia da praia de Tambaú, fora reinaugurado em 11 de setembro seguinte pelo sucessor de Agripino, Ernâni Sátiro.[129] Em 20 de abril de 1972, por lei municipal, foram oficializados o brasão, a bandeira e o estandarte do município e,[130] no dia seguinte, João Pessoa ganha o Farol do Cabo Branco, situado em uma falésia próxima à Ponta do Seixas e, no mês seguinte, é concluída a pavimentação da Avenida Senador Ruy Carneiro.[131] Também em 1972 é pavimentado o primeiro trecho da BR-230 na cidade, que na época constituía o chamado Contorno Rodoviário de João Pessoa, ligando a Estrada João Pessoa-Cabedelo, federalizada e incorporada à nova rodovia, à BR-101, no entroncamento com a Avenida Cruz das Armas.[132][133]

Em 1973, a cidade ganha as avenidas Ministro José Américo de Almeida (Beira-Rio), que liga o centro à praia do Cabo Branco, e Governador Flávio Ribeiro Coutinho, o chamado "Retão de Manaíra" que, junto com a Avenida Governador Argemiro de Figueiredo, incentivou a expansão da capital para o norte,[125][134] chegando à praia do Bessa, em direção a Cabedelo.[135] Ao mesmo tempo, a cidade também se expandia na direção sudoeste e também para o sul, com a criação de conjuntos habitacionais.[136] Em 1974, é elaborado o Plano de Desenvolvimento Urbano (PDU), que resultou na criação do Código de Urbanismo,[105] instituído pela lei municipal 2 102, de 31 de dezembro de 1975.[137]

Em 9 de março de 1975, é inaugurado pelo governo estadual o Estádio Ernani Sátiro, com partida inaugural entre o Botafogo de João Pessoa e o Botafogo do Rio de Janeiro, com vitória de 2 a 0 para o time carioca.[138] Seu nome foi alterado para Estádio José Américo de Almeida Filho no ano seguinte, em homenagem a um ex-atacante do Botafogo de João Pessoa nos anos 1930 e filho do ex-governador José Américo de Almeida.[139] Ainda em 1975, no dia 24 de agosto, durante as comemorações em alusão ao Dia do Soldado, o Parque Sólon de Lucena foi palco da Tragédia do Baltrão, quando uma balsa com cerca de duzentos passageiros, mais de três vezes a sua capacidade, naufragou na lagoa, levando à morte de trinta e cinco pessoas por afogamento, dos quais 29 crianças.[140][141]

Até o final dos anos 1970, surgiriam novos loteamentos às margens da rodovia, que deram origem aos atuais bairros de Água Fria, Ernesto Geisel e José Américo.[142] Na mesma época, teve início a abertura de uma via que possibilitou uma ligação mais direta entre a BR-230 com a Praia da Penha, a atual Avenida Hilton Souto Maior, substituindo a antiga Estrada da Penha e tornando-se a via mais extensa de João Pessoa, com extensão de 7,5 km.[143]

Anos 1980-presente editar

 
Edificações revitalizadas do Centro Histórico de João Pessoa, nos arredores da Praça Antenor Navarro

Em 1980, João Pessoa já possuía uma população de 329 942 habitantes, contra 221 546 em 1970, consolidando o crescimento urbano e populacional das últimas décadas.[144] Ainda em 1980, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (IPHAEP) tombou vários monumentos e lugares históricos da cidade e, dois anos depois, definiu os limites do Centro Histórico, que abrangiam uma área de 117 hectares.[145] Dois anos depois, João Pessoa ganha o Espaço Cultural José Lins do Rego,[146] onde antes funcionara a primeira sede do Aeroclube da Paraíba[98] e, em 1983, é inaugurado o Conjunto Habitacional Tarcísio de Miranda Burity, que deu origem ao bairro de Mangabeira, cujo nome veio em decorrência da grande quantidade de pés de mangaba que existia na área.[147] No ano seguinte seria a vez do Parque Residencial Valentina de Figueiredo, atual bairro do Valentina,[148][149] fazendo o crescimento da cidade ultrapassar definitivamente os limites do rio Cuiá. O nome é uma referência a Valentina Silva de Oliveira Figueiredo, mãe do presidente brasileiro na época, João Figueiredo, que participou da inauguração do novo conjunto.[150]

No ano de 1985, João Pessoa chegou ao seu quarto centenário de existência. Naquele ano, após o fim de duas décadas de regime militar, a capital voltaria a ter eleições diretas para prefeito, que foram realizadas em novembro. Na ocasião, venceu o candidato Antônio Carneiro Arnaud, cujo mandato se estendeu de 1986 a 1988, tendo como sucessor Wilson Braga, ex-governador da Paraíba.[151] Em 1989, por iniciativa do governo da Paraíba em conjunto com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), dá-se início à revitalização do centro histórico, começando pela Praça Dom Adauto e a Praça São Francisco e estendendo-se por outras praças e monumentos ao longo dos anos 1990. Ainda em 1989, João Pessoa ganha o Manaíra Shopping, o maior shopping center da Paraíba, e é promulgada a atual constituição da Paraíba que, em seu artigo 229, considerou toda a zona costeira do estado como patrimônio, mantendo a proibição de prédios altos na orla que vigorava desde 1970.[152]

 
Mausoléu de João Pessoa, onde desde 1997 estão os restos mortais do ex-presidente da Paraíba, transferidos do Rio de Janeiro

No dia 2 de abril de 1990, a câmara de vereadores promulga a atual lei orgânica do município, alterada por posteriores emendas.[153] No começo dos anos 1990, o trecho urbano da BR-230 torna-se duplicado.[154] Em 1991, a cidade chega a 497 600 habitantes,[155] um crescimento de 51% em relação ao censo de 1980.[144] Em junho de 1992, durante a realização da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, realizado na cidade do Rio de Janeiro, João Pessoa chegou a receber o título de segunda cidade mais verde do mundo, depois de Paris. Em 30 de dezembro do mesmo ano, por lei complementar, é instituído o plano diretor do município, instrumento básico da política urbana[156][157] e, dois dias depois, toma posse o novo prefeito da capital e filho do ex-prefeito Damásio Franca, Francisco Franca, que ocupou o cargo até 1996, quando foi eleito o candidato Cícero Lucena. Em 1997, o corpo de João Pessoa foi transferido do Rio de Janeiro para João Pessoa, sendo sepultado em um mausoléu construído pelo governo estadual[158] entre o Palácio da Redenção e a Faculdade de Direito da Paraíba. Já em 5 de novembro, o Papa João Paulo II dá o título de basílica à Catedral de Nossa Senhora das Neves, após uma grande reforma estrutural.

Em 28 de agosto de 2000, por meio do decreto estadual 21 264, a Mata do Buraquinho é transformada em jardim botânico, levando o nome de Benjamin Maranhão. Em 1° de outubro de 2000, ocorreram as eleições municipais e, com 74,02% dos votos válidos, Cícero Lucena tornou-se o primeiro prefeito reeleito da história do município. No seu segundo mandato, ocorreu a reurbanização do calçadão da orla no trecho que compreende as avenidas Cabo Branco e Almirante Tamandaré, nos bairros de Cabo Branco e Tambaú, respectivamente. Ambas as avenidas também foram alargadas, assim como a Avenida Governador Flávio Ribeiro Coutinho (Retão de Manaíra). A Praia do Bessa, por sua vez, foi contemplada com um calçadão, ao longo do pequeno trecho da Avenida João Maurício que passa pela praia.[159] No final de 2003, por lei complementar estadual, é instituída a Região Metropolitana de João Pessoa (RMJP), inicialmente constituída pela capital e mais oito municípios[160] com uma população total de mais de um milhão de habitantes.

Cícero Lucena foi sucedido em 2005 por Ricardo Coutinho, eleito em primeiro turno nas eleições de 2004. Em dezembro de 2007, o Centro Histórico de João Pessoa se tornou patrimônio histórico nacional[161] e, em julho de 2008, foi inaugurada a Estação Cabo Branco de Ciência, Cultura e Artes, projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer e próxima ao Farol do Cabo Branco. Em outubro do mesmo ano, Ricardo é reeleito para a prefeitura, com uma votação mais expressiva em relação à eleição anterior, vindo a renunciar em 31 de março de 2010 para se candidatar a governador da Paraíba, cargo do qual ocupou entre 2011 e 2018.[162] Em agosto de 2012, João Pessoa ganha seu atual centro de convenções, dentro do qual está o maior espaço teatral do Nordeste, o Teatro Pedra do Reino, inaugurado em agosto de 2015.[163]

 
Centro de Convenções de João Pessoa, que recebeu o nome do poeta e político paraibano Ronaldo Cunha Lima,
que foi prefeito e vereador de Campina Grande e ainda senador, deputado federal e estadual pela Paraíba

Geografia editar

 
Imagem de satélite parcial da Região Metropolitana de João Pessoa, de onde é possível avistar a conurbação entre João Pessoa, Cabedelo, Bayeux e Santa Rita, bem como as áreas urbanas de Conde e Cruz do Espírito Santo

De acordo com a divisão regional vigente desde 2017, instituída pelo IBGE,[164] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária e Imediata de João Pessoa.[165] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, fazia parte da microrregião de João Pessoa, que por sua vez estava incluída na mesorregião da Mata Paraibana.[166]

A cidade localiza-se na porção mais oriental das Américas e do Brasil, com longitude oeste de 34º47'30" e latitude sul de 7º09'28. O local é conhecido como a Ponta do Seixas. A altitude média em relação ao nível do mar é de 37 metros, com altitude máxima de 74 metros nas proximidades do rio Mumbaba, predominando em seu sítio urbano terrenos planos com cotas da ordem de 10 metros, na área inicialmente urbanizada. João Pessoa foi considerada a "segunda capital mais verde do mundo", com mais de 7 m² de floresta por habitante, perdendo somente para Paris, França.[11]

Em João Pessoa, existem doze rios. Historicamente, o Rio Sanhauá é o mais importante, pois foi nas suas margens que nasceu a cidade e onde foram construídas as primeiras habitações. Outro curso importante é o Rio Jaguaribe, que nasce no conjunto Esplanada, cruza a Mata do Buraquinho e desemboca no Oceano Atlântico, na divisa com o município de Cabedelo. O sistema de abastecimento de água da cidade é proveniente do sistema Gramame-Mumbaba, da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba, no qual os rios Gramame e Mamuaba se revezam no abastecimento. No centro da capital, existe a lagoa do Parque Sólon de Lucena, que foi o principal ponto turístico de João Pessoa durante a época em que a cidade se encontrava longe das praias.

A capital paraibana conta com um litoral de cerca de 24 quilômetros de extensão, com nove praias. As praias urbanas têm, como características, as areias brancas e as águas cristalinas. As duas principais são Tambaú, composta de areia batida e fina, com águas de cor verde-azulada, e Praia de Manaíra, uma praia totalmente urbana, formada por recifes, o que torna as suas ondas fracas, e por águas claras no verão.

Fotografia parcial da orla de João Pessoa, com as praias de Cabo Branco (esquerda) e Tambaú (direita)

Clima editar

Recordes mensais de precipitação em 24 horas
registrados em João Pessoa por meses (INMET)[167][168]
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 118,2 mm 24/01/2012 Julho 177,6 mm 07/07/2023
Fevereiro 119,8 mm 20/02/2011 Agosto 191 mm 11/08/1970
Março 158,4 mm 17/03/1939 Setembro 159,2 mm 04/09/2013
Abril 187 mm 23/04/1972 Outubro 113 mm 15/10/1971
Maio 189 mm 14/05/2021 Novembro 49,2 mm 09/11/1971
Junho 194 mm 18/06/1986 Dezembro 87,4 mm 29/12/2015
Período: 1931-presente

O clima de João Pessoa é tropical úmido (tipo Am na classificação climática de Köppen-Geiger),[169] com índices relativamente elevados de umidade do ar e temperaturas médias anuais entre 25 °C e 28 °C. As precipitações ocorrem sob a forma de chuva, sendo o índice pluviométrico anual superior a 1 800 milímetros (mm), concentrados entre os meses de abril e julho. Porém, chuvas com raios e trovoadas são pouco comuns. De acordo com o Grupo de Eletricidade Atmosférica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (ELAT/INPE), o município apresenta uma densidade de descargas de 0,184 raios/km²/ano, estando na 199ª posição a nível estadual (dentre 223 municípios) e na 5 421ª a nível nacional (de 5 570 municípios).[170]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), desde 1931 a menor temperatura registrada em João Pessoa ocorreu em 1° de julho de 1936, com mínima de 16,2 °C, enquanto a maior foi registrada em 6 de janeiro de 2024, com máxima de 34,9 °C. O maior acumulado de precipitação registrado em 24 horas atingiu 194 mm em 18 de junho de 1986, seguido por 191 mm em 11 de agosto de 1970 e, recentemente, 189 mm em 14 de maio de 2021.[167][168] Em junho de 1951 o total mensal chegou a 925,1 mm,[171] o maior da série histórica.

Dados climatológicos para João Pessoa (OMM: 82798)
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 34,9 34,1 34,1 33,9 33,5 32,8 33 31,8 32,4 33,3 34,3 33,7 34,9
Temperatura máxima média (°C) 30,9 31,1 31,2 30,8 30,3 29,2 28,7 28,9 29,4 30,1 30,6 30,9 30,2
Temperatura média compensada (°C) 27,9 28,1 28,1 27,6 26,9 25,7 25,2 25,4 26,3 27,1 27,6 27,9 27
Temperatura mínima média (°C) 25,1 25 24,8 24,1 23,4 22,3 21,9 21,9 23,1 24,4 25,1 25,2 23,9
Temperatura mínima recorde (°C) 19 18,8 19 19 17 17 16,2 17,2 17,9 18,5 17,8 18,7 16,2
Precipitação (mm) 86,4 106,2 171,5 235,7 287,7 368,7 284,9 133,7 73,9 31 21,1 36,6 1 837,4
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 9 9 12 16 17 20 20 16 10 6 5 5 145
Umidade relativa compensada (%) 74,2 74,2 75,4 78 79,9 82,1 81 77,4 74,2 72,4 72,5 73,1 76,2
Horas de sol 241,1 215,7 226,5 201 198,6 165 180,3 224 232,3 266,1 263,6 258,8 2 673
Fonte: INMET (normal climatológica de 1991-2020;[172] recordes de temperatura: 1931-presente)[167][168]

Demografia editar

Crescimento populacional
Censo Pop.
187224 714
189018 645−24,6%
190028 79354,4%
192052 99084,0%
194094 33378,0%
1950119 32626,5%
1960155 11730,0%
1970228 41847,3%
1980338 62948,2%
1991497 30646,9%
2000595 42919,7%
2010723 51521,5%
2022833 93215,3%
Fonte: IBGE[173]

João Pessoa é o município mais populoso da Paraíba, o sétimo do Nordeste e o vigésimo do Brasil, com 833 932 habitantes no censo de 2022. Esse número é 15,26% maior que o registrado no censo anterior, realizado em 2010,[174] quando residiam 723 515 pessoas e o município ocupava a 24ª posição no ranking nacional.[175] A densidade demográfica, em 2022, era de 3 970,27 hab./km²,[176] com uma média de 2,8 habitantes por domicílio[177] e uma razão de sexo de 87,45 homens para cada cem mulheres.[178] No quesito cor ou raça, pouco mais da metade dos habitantes (50,62%) eram pardos e quase dois quintos eram brancos (39,74%), havendo também pretos (9,19%), indígenas (0,31%) e amarelos (0,14%).[179] A idade mediana da população é de 35 anos, sendo maior em pretos (37 anos) e menor em indígenas (34 anos).[180]

Religião editar

 
Catedral Basílica de Nossa Senhora das Neves

Em relação à religiosidade, a cidade, assim como o país, é dominada majoritariamente por católicos. Porém, há pequenas mudanças na religiosidade do pessoense. Em 1970, 94% dos cidadãos se consideravam da religião católica, contra 74% registrados em 2000. Enquanto que 5% da população pertenciam à religião evangélica em 1970, em 1991 esse número cresceu e chegou a 6,6% e alcançou 16% em 2000. 1,10% são espíritas e 7,41% não tem religião. Outras religiões têm pouca representatividade e não alcançam ao menos 1% cada uma.[181]

De acordo com os dados do Novo Mapa das Religiões, feito pela Fundação Getúlio Vargas com dados de 2009 da Pesquisa de Orçamento Familiar do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 67,33% da população pessoense se identifica como católica, 11,01% são evangélicos pentecostais, 11,03% são outros evangélicos, sem religião (podendo ser ateus, agnósticos, deístas) são 6,86%, espíritas são 0,71%, religiões afro-brasileiras são 0,12% e outras são 2,94%.

Política e administração editar

 
Agência Central dos Correios e Telégrafos, antiga sede da prefeitura

A administração do município é feita a partir dos poderes executivo, representado pelo prefeito e seus secretários, e legislativo, constituído pela câmara de vereadores. A sede do executivo local, antes na Agência Central dos Correios e Telégrafos, funciona hoje no Centro Administrativo Municipal, no bairro de Água Fria. A sede do legislativo pessoense é a Casa Napoleão Laureano, no Centro Histórico,[182] composta por 27 vereadores, eleitos para mandatos de quatro anos. A principal função do legislativo é a elaboração das leis, ao lado de exercer outras tarefas constitucionais, como a apresentação pública de assuntos de interesse dos cidadãos, o debate sobre reivindicações de modo a agregá-las sob o interesse geral e a fiscalização política dos atos do Poder Executivo.[183]

 
Casa Napoleão Laureano, na Rua das Trincheiras, sede da Câmara Municipal de João Pessoa

Por ser a capital do estado da Paraíba, em João Pessoa se localizam as sedes do executivo (Palácio da Redenção), legislativo (Assembleia Legislativa) e judiciário (Tribunal de Justiça da Paraíba) estaduais, todas localizadas ao redor da Praça João Pessoa. A cidade abriga, ainda, a sede do Ministério Público do Estado da Paraíba, da 13ª Região do Tribunal Regional do Trabalho (TRT).[184]

João Pessoa é também sede regional de diversas instituições do governo federal. Dentre as instituições militares presentes na cidade, estão a Base Administrativa da Guarnição de João Pessoa;[185] o Grupamento General Lyra Tavares, que é o nome dado ao 1º Grupamento de Engenharia,[186] responsável pelo planejamento e coordenação de todas as atividades e obras de engenharia executadas na área do Comando Militar do Nordeste,[187] possuindo internamente o Hospital de Guarnição de João Pessoa. Possui também, o 15.º Batalhão de Infantaria Motorizado, conhecido como Regimento Vidal de Negreiros, e a sede da Marinha do Brasil no estado, responsável pela administração da Capitania dos Portos da Paraíba.[188] Desde 2017, a cidade integra a Rede de Cidades Criativas[189] da UNESCO, promovendo a inovação e a criatividade como base fundamental para o desenvolvimento urbano sustentável e inclusivo.[190]

 
Centro Administrativo Municipal, onde estão instalados o gabinete do prefeito e algumas das secretarias municipais

Relações internacionais e cidades-irmãs editar

João Pessoa possui consulados da Espanha,[191] de Portugal[192] e da Itália.[193]

Dentre as cidades-irmãs está Ushuaia, na Argentina,[194] que até 2019 era a cidade mais austral do planeta Terra.[195] Outras cidades irmãs de João Pessoa são Hartford,[196] Boca Raton,[197] Pompano Beach[198] e Ovar,[199] sendo esta última em Portugal e as outras três nos Estados Unidos.

Subdivisões editar

Os bairros oficiais de João Pessoa, definidos por lei municipal de 1998, são:

 
Mapa de João Pessoa e seus bairros
  1. Aeroclube
  2. Água Fria
  3. Altiplano
  4. Alto do Céu
  5. Alto do Mateus
  6. Anatólia
  7. Bairro das Indústrias
  8. Bancários
  9. Bessa
  10. Brisamar
  11. Cabo Branco
  12. Castelo Branco
  13. Centro
  14. Cidade dos Colibris
  15. Costa e Silva
  16. Cristo Redentor
  17. Cruz das Armas
  18. Cuiá
  19. Distrito Industrial
  20. Ernâni Sátiro
  21. Ernesto Geisel
  22. Estados
  23. Expedicionários
  24. Funcionários
  25. Grotão
  26. Ilha do Bispo
  27. Ipês
  28. Jaguaribe
  29. Jardim Cidade Universitária
  30. Jardim Oceania
  31. Jardim São Paulo
  32. Jardim Veneza
  33. João Agripino
  34. João Paulo II
  35. José Américo
  36. Manaíra
  37. Mandacaru
  38. Mangabeira
  39. Miramar
  40. Muçumagro
  41. Oitizeiro
  42. Padre Zé
  43. Paratibe
  44. Pedro Gondim
  45. Penha
  46. Planalto da Boa Esperança
  47. Ponta do Seixas
  48. Portal do Sol
  49. Róger
  50. São José
  51. Tambaú
  52. Tambauzinho
  53. Tambiá
  54. Torre
  55. Treze de Maio
  56. Trincheiras
  57. Valentina Figueiredo
  58. Varadouro
  59. Varjão (Rangel)

Até 2003 existia o bairro Jardim das Acácias, extinto e incorporado em parte ao Róger e o restante a Tambiá. As zonas de expansão da cidade, informalmente consideradas como bairros pela população, são: Barra de Gramame, Costa do Sol, Gramame, Mata do Buraquinho, Mumbaba e Mussuré. Outras áreas tidas como bairros, também não oficiais, são o Bairro dos Novais (pertence ao bairro do Oitizeiro) Jardim Esther (Mandacaru), Jardim Luna (Brisamar) e Jardim Planalto (Oitizeiro).[200]

Economia editar

 
Atividades econômicas em João Pessoa por número de empregados - (2012)[201]

João Pessoa é cidade com maior economia do Estado da Paraíba, representando 30,7% das riquezas produzidas na Paraíba e tendo um produto interno bruto duas vezes maior que Campina Grande, a 2ª cidade mais populosa do estado. Com dois distritos industriais em desenvolvimento, um na BR-101 Sul e outro no bairro de Mangabeira.[carece de fontes?]

O turismo é um grande produtor de renda e gerador de empregos, além do comércio, que também possui grande participação econômica na cidade.[carece de fontes?]

Há um parque industrial complexo, formado por diversos segmentos: alimentos, automobilístico (bugres), bebidas, bentonita, cimento, concreto, couro, metalúrgico, móveis, ótica, papel, pisos cerâmicos, química, têxtil, tecnologia da informática, dentre outros. João Pessoa possui o maior parque industrial do estado da Paraíba, destacando-se algumas indústrias de renome internacional, como a AmBev, Coca-Cola, Suggar Eletrodomésticos, Euroflex, Vijai Elétrica, Coteminas, a British American Tobacco e a Paraí.[carece de fontes?]

Infraestrutura editar

Comunicação editar

João Pessoa conta com diversas revistas e jornais impressos diários, são eles: Correio da Paraíba, Jornal A União, Diário da Justiça, O Norte, Jornal da Paraíba, etc. O município também conta com diversas emissoras de rádios, entre elas estão: 98 Correio FM,, Cabo Branco FM, Arapuan FM, Jovem Pan FM, CBN, 89 Rádio Pop, Rádio Tabajara, Mix FM, BandNews FM, Rádio Correio e entre outras. Quanto à telefonia fixa e móvel, quatro companhias telefônicas atuam no município, são elas Oi, TIM, Vivo e Claro.[carece de fontes?]

Transportes editar

 Ver artigo principal: Transporte em João Pessoa

A frota de veículos de João Pessoa cresce quatro vezes mais que a população da cidade, conforme declaração do superintendente de Transportes e Trânsito da Prefeitura municipal, Nilton Pereira de Andrade. As estimativas foram baseadas em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, que apontam taxa de crescimento da população da capital de 2% ao ano, enquanto a frota de veículos aumenta no ritmo de 8%.[202]

 
Aeroporto Internacional Presidente Castro Pinto

A cidade é servida pelo Aeroporto Internacional Presidente Castro Pinto,[203] localizado na cidade limítrofe de Santa Rita,[nota 2] dentro da região metropolitana e distante 13 km do centro. O aeroporto tem atualmente 19 voos de rotas nacional e internacional, diários e fluxo médio de 2,3 milhões de passageiros por ano, incluindo os voos extras da alta estação.[205][206] Operam no aeroporto as companhias aéreas Azul, Gol e TAM.[207]

Existe também uma linha de trem da Companhia Brasileira de Trens Urbanos, de circulação diária, que cobre a maior parte da Região Metropolitana, com extensão de 30 km. Conta com doze estações de passageiros[208] e interliga as cidades de João Pessoa, Santa Rita, Bayeux e Cabedelo. Transporta aproximadamente de 13 000 passageiros em 25 viagens diárias. A cidade também é dotada de veículo leve sobre trilhos (VLT - pequeno trem urbano, geralmente movido a eletricidade, uma espécie de "bonde" moderno tornando-se alternativa em cidades de médio porte). O projeto foi do Governo Federal e pretendeu modernizar as estações do trem urbano, além de possibilitar a expansão da rede com a construção de mais estações.[carece de fontes?]

João Pessoa também é a primeira capital do Nordeste e a terceira cidade do País a ter um sistema de bicicletas públicas. O Pedala João Pessoa, um sistema de locação de bicicletas, possui quatro estações distribuídas inicialmente na orla da capital, com o objetivo de oferecer um meio de transporte mais saudável e ecológico aos pessoenses e turistas. o projeto já foi implantado, com sucesso, no Rio de Janeiro.[carece de fontes?]

Tecnologia editar

João Pessoa dispõe do "Jampa Digital", um serviço que traz cobertura Wi-Fi gratuita a vários pontos da cidade, inclusive na orla. A cidade seria a primeira no Nordeste, e uma das primeiras no Brasil a contar com esse serviço, caso ele funcionasse, de fato.[209][carece de fonte melhor]

 
Centro de Convenções Poeta Ronaldo Cunha Lima
 
RoboCup de 2014, realizada em João Pessoa

Em agosto de 2012, João Pessoa sediou a VI edição da Olimpíada Brasileira de Robótica (Etapa Regional). O evento contou com uma forte participação das escolas da rede pública dos estado. No mesmo período, João Pessoa foi escolhida para sediar a copa do mundo de robótica, um dos mais importantes eventos no ramo da tecnologia no mundo, realizada no ano de 2014 no Centro de Convenções da cidade. A cidade concorreu com diversas candidatas, inclusive com cidades asiáticas de destaque mundial. A procura por recursos que viabilizassem a Copa foi determinante, por isso, o oferecimento de um espaço próprio para o evento e a utilização da robótica no ensino fizeram da capital paraibana a escolhida. Compareceram à abertura RoboCup 2014 cerca de 8000 visitantes e foram inscritos nas competições 4000 participantes de 45 países.[210]

Em Dezembro de 2012[211], a 1ª edição do evento realizado na Estação Cabo Branco[212] discutiu como os meios digitais podem ser usados com foco no desenvolvimento esconômico, tendo ênfase no futuro das mídias digitais no Brasil e seu impacto nos próximos anos[213]. E em Dezembro de 2013, sediado no Centro de Convenções Poeta Ronaldo Cunha Lima, a capital João Pessoa[214] realizou a 2ª edição da Conferência Internacional Brasil-Canadá 3.0[215]; O objeto central da conferência é definir desafios do futuro digital do Brasil com o engajamento e a participação de vários setores da sociedade[216]. O evento debateu assuntos relacionados ao desenvolvimento e inovações tecnológicas, às mídias digitais e seus impactos na sociedade. O tema da Conferência foi “Processos criativos na indústria da convergência: oportunidades e desafios para a produção de conteúdo no ambiente da economia digital[217]. O evento reuniu representantes dos governos da Paraíba e do Canadá[218], Pesquisadores, representantes das principais empresas de tecnologia brasileiras e canadenses[219], estudantes e professores universitários brasileiros e estrangeiros e Indústria de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para debater assuntos relacionados ao desenvolvimento do setor digital: a indústria de tecnologias da informação e da comunicação, a academia, gestões públicas e inovação[220].

Em novembro de 2015, a capital João Pessoa, sediou no Centro de Convenções de João Pessoa o 10.° Fórum de Governança da Internet,[221] que é um evento promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU),[222] que tem como objetivo promover uma ampla discussão sobre uso, disseminação e governança da internet. O tema foi: “Evolução da Governança da Internet: empoderando o desenvolvimento sustentável” e o evento abordou pautas como: Cibersegurança e confiança; Economia da Internet; Inclusão e diversidade; Abertura de acesso; Reforçando a cooperação multissetorial; Internet e os Direitos Humanos; Recursos críticos da Internet; e questões emergentes. O Fórum recebeu mais de três mil participantes de 130 países, sendo a primeira vez que um evento desse porte foi sediado na região Nordeste.[223]

Cultura editar

Carnaval editar

 Ver artigo principal: Carnaval de João Pessoa

O Carnaval de João Pessoa é um evento tradicional que ocorre anualmente nas ruas da cidade.[224]

O chamado "Carnaval Tradição" é o modelo mais tradicional de folia, que surgiu em 1914 e é voltado para as classes populares, que congrega agremiações carnavalescas de diversos tipos, tais como as chamadas "ursas", uma manifestação típica da cidade, "tribos indígenas", clubes de frevo e escolas de samba.[224] Já o "Folia nas Ruas" tem seu foco no período pré-carnavalesco, e surgiu nos anos 1980, tendo dominado a maior parte de recursos e patrocínio.[224] Entre as maiores agremiações do Folia nas Ruas, estão o Cafuçu[225] e o bloco Muriçocas do Miramar.[226]

Também já foi considerado eventualmente como parte do Carnaval, ou do Pré-Carnaval, o evento denominado Micaroa, que foi substituído posteriormente pelo Fest Verão Paraíba.[227]

Patrimônio cultural editar

 
Parte do Centro Histórico de João Pessoa com o rio Sanhauá ao fundo

O Centro Histórico de João Pessoa, reconhecido como patrimônio histórico nacional em dezembro de 2007,[161] abrange áreas nos bairros do Centro, Róger, Jaguaribe, Tambiá e Varadouro. São tombados 37 hectares de área e estimadas cerca de 700 edificações, além de ruas, praças e parques históricos que integrem esse conjunto, compreendendo a maior parte dos bairros do Varadouro e do Centro da cidade. Suas edificações compõem um cenário de diferentes estilos e épocas cheio de sobrados, praças, casarios coloniais e igrejas seculares, sendo considerado o principal acervo arquitetônico da Paraíba, relatando as diversas fases da história local, e um dos maiores e mais importantes sítios históricos do Brasil.[228][229][230]

A área delimitada possui bens que representam vários períodos da história de João Pessoa, a exemplo do barroco da Igreja da Ordem Terceira de São Francisco; do rococó da Igreja de Nossa Senhora do Carmo; do estilo maneirista da Igreja da Misericórdia, todas do século XVII;[230] da arquitetura colonial e eclética do casario civil, além do art-nouveau e o art-déco, das décadas de 20 e 30, predominantes na Praça Antenor Navarro e no antigo Hotel Globo,[228] hoje transformado em centro cultural.[231]

Para além do patrimônio cultural material da cidade de João Pessoa, foi também na capital da Paraíba que se iniciou, em 2018, a formalização do registro do forró como patrimônio cultural imaterial brasileiro. O importante gênero musical Nordestino foi reconhecido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional como patrimônio cultural brasileiro em 2021.[232]

Esportes editar

O maior e mais importante estádio da cidade é o Estádio José Américo de Almeida Filho (Almeidão),[233] localizado no bairro do Cristo Redentor, sendo a casa do Botafogo Futebol Clube e do Auto Esporte Clube. Outros estádios importantes são o Estádio Leonardo Vinagre da Silveira (Estádio da Graça) em Cruz das Armas, Estádio Evandro Lélis (Mangabeirão) em Mangabeira, e o Centro de Treinamento Ivan Tomaz (Tomazão) no Valentina Figueredo.[234][235][236][237] Há ainda um campo de futebol na Vila Olímpica Parahyba, no local do antigo Estádio Olímpico José Américo de Almeida.[238][239]

Ver também editar

Notas

  1. Na grafia da época, a palavra era escrita sem acentuação.
  2. Desde 11 de janeiro de 2021, a área onde se localiza o aeroporto Internacional Presidente Castro Pinto passou a pertencer integralmente ao município de Santa Rita. Nessa data, o Supremo Tribunal Federal declarou inconstitucionais as leis estaduais que estabeleciam os limites de Santa Rita e Bayeux, na Grande João Pessoa. Antes dessa decisão, a área do aeroporto pertencia aos dois municípios. Pelas leis declaradas inconstitucionais, 56% da área do aeroporto foram transferidos para o território de Bayeux.[204]

Referências

  1. Atlas Geográfico do Brasil. «Capitais dos estados». Consultado em 1 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2018 
  2. a b c IBGE, IBGE (28 de junho de 2023). «João Pessoa». ibge.gov.br. Consultado em 2 de julho de 2023 
  3. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 1 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2014 
  4. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2020). «Produto Interno Bruto dos Municípios». Consultado em 18 de dezembro de 2022 
  5. Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (5 de outubro de 2016). «Análise e Perspectivas — Nordeste é a segunda região mais populosa do Brasil». Banco do Nordeste. Diário Econômico. 1 (46): 2. Consultado em 30 de março de 2017 
  6. Miranda, Lívia. «Análise da dinâmica populacional das Regiões Metropolitanas de João Pessoa e Campina Grande no Censo 2022». Consultado em 19 de novembro de 2023 
  7. «História de João Pessoa». UFPB 
  8. «João Pessoa comemora 432 anos! - Ministério do Turismo». www.turismo.gov.br. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  9. «João Pessoa, 3ª capital mais antiga do Brasil, completa 431 anos» 
  10. «Erosão ameaça ponto mais oriental do Brasil e das Américas». Jornal Nacional. 1 de novembro de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2018 
  11. a b «Onde o Sol brilha primeiro». Câmara Municipal de João Pessoa. Consultado em 1 de março de 2010. Arquivado do original em 8 de abril de 2009 
  12. M.R.V, Barbosa (1996). Estudo florístico e fitossociológico da Mata do Buraquinho. Universidade Estadual de Campinas: [s.n.] 270 páginas 
  13. «João Pessoa está entre as melhores cidades do mundo para se aposentar» 
  14. «Capitais do Nordeste são as mais desiguais» (PDF). Consultado em 26 de novembro de 2016 
  15. «João Pessoa é uma das cidades mais arborizadas do mundo». Jornal do SBT. 29 de dezembro de 2016. Consultado em 29 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2016 
  16. «Iphan homologa o tombamento do centro histórico de João Pessoa». IPHAN. 5 de agosto de 2008. Consultado em 17 de agosto de 2018 
  17. «João Pessoa – Patrimônio Nacional». Prefeitura Municipal de João Pessoa. Consultado em 17 de agosto de 2018 
  18. Asevêdo, Flávio (3 de novembro de 2017). «Título de Cidade Criativa da Unesco coloca João Pessoa na rota turística mundial através da arte popular». Prefeitura municipal de João Pessoa. Consultado em 16 de agosto de 2018 
  19. «SEREIAS DA PENHA». Secretaria de Turismo da Prefeitura Municipal de João Pessoa. Consultado em 16 de agosto de 2018 
  20. a b Movimento Bandeira Viva, uma das ONGs que manifestam apoio às denominações originais
  21. Movimento Paraíba Capital Parahyba lança o Coletivo Cultural Anayde Beiriz Arquivado em 4 de março de 2010, no Wayback Machine., acessado em 25 de março de 2010.
  22. RAPOSO; ARAÚJO, 2015, p. 157.
  23. MOURA FILHA, p. 139.
  24. a b c GUIMARÃES, 2000, p. 4.
  25. RAPOSO; ARAÚJO, 2015, p. 154.
  26. SILVA, 2015, p. 2244.
  27. a b MOURA FILHA, p. 174.
  28. «João Pessoa, 3ª capital mais antiga do Brasil, completa 427 anos». G1 PB. 5 de agosto de 2012. Consultado em 18 de outubro de 2021 
  29. MOURA FILHA, p. 176.
  30. MOURA FILHA, p. 162.
  31. MOURA FILHA, p. 185.
  32. a b RAPOSO; ARAÚJO, 2015, p. 157.
  33. MOURA FILHA, p. 169.
  34. MOURA FILHA, p. 167.
  35. MOURA FILHA, p. 187.
  36. VILAR, 2014, p. 8.
  37. a b MOURA FILHA, 2004, p. 253-254.
  38. MOURA FILHA, 2004, p. 226.
  39. MOURA FILHA, 2004, p. 359.
  40. MOURA FILHA, 2004, p. 249.
  41. MOURA FILHA, 2004, p. 256.
  42. MOURA FILHA, 2004, p. 261-262.
  43. MOURA FILHA, 2004, p. 331-332.
  44. MOURA FILHA, 2004, p. 380-381.
  45. MELO; VENZELLA; BRAMBILLA, 2019, p. 5.
  46. MOURA FILHA, 2004, p. 382.
  47. MOURA FILHA, 2004, p. 403.
  48. MOURA FILHA, 2004, p. 279.
  49. MAIA; GUTIERRES; SOARES, 2009, p. 5.
  50. MAIA, 2011, p. 11.
  51. MAIA; GUTIERRES; SOARES, 2009, p. 6.
  52. PINHEIRO, 2009, p. 2.
  53. RODRIGUES, 2015, p. 37.
  54. «Histórico da CPPB». Consultado em 9 de dezembro de 2022 
  55. MAIA, 2012, p. 5.
  56. MAIA; GUTIERRES; SOARES, 2009, p. 9.
  57. «Antigo Colégio N. Sra. das Neves» (PDF). Consultado em 31 de outubro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 27 de dezembro de 2018 
  58. «Recenseamento do Brazil em 1872 - Parahyba» (PDF). Consultado em 1 de novembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 2 de novembro de 2021 
  59. «Patrimônio material do Estado, Teatro Santa Roza completa 126 anos de existência». 4 de novembro de 2015. Consultado em 31 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2021 
  60. NÓBREGA, 2023, p. 45-46.
  61. NÓBREGA, 2023, p. 82.
  62. «Antigo Colégio N. Sra. das Neves» (PDF). Consultado em 1 de novembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 27 de dezembro de 2018 
  63. «Jovino Limeira Dinoá». Consultado em 27 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2014 
  64. LIRA, Bruno (3 de agosto de 2017). «Ex-prefeitos de JP abrem baú de histórias». Consultado em 27 de dezembro de 2023. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2023 
  65. a b SARMENTO; CUNHA; FILHA; AZEVEDO, 2010, p. 4.
  66. «Synopse do Recenseamento» (PDF). 31 de dezembro de 1900. Consultado em 1 de novembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 19 de janeiro de 2021 
  67. HIGINO JUNIOR, 2013, p. 21-22.
  68. MARTINS; MAIA, 2015, p. 179.
  69. HIGINO JUNIOR, 2013, p. 24-25.
  70. a b OLIVEIRA, 2006, p. 63.
  71. a b BRITO; VANZELLA, 2018, p. 8.
  72. COUTINHO, 2004, p. 54.
  73. a b ARAÚJO, 2012, p. 115.
  74. ALMEIDA, 2006, p. 99.
  75. a b ALMEIDA, 2006, p. 102.
  76. COUTINHO, 2004, p. 55.
  77. LEANDRO, 2006, p. 92.
  78. COUTINHO, 2004, p. 62.
  79. MARTINS; MAIA, 2015, p. 179-182.
  80. «Recensamento de 1920» (PDF). 1926. Consultado em 1 de novembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 14 de abril de 2021 
  81. «Coreto, Obelisco e Praça da Independência» (PDF). Consultado em 8 de outubro de 2021 
  82. «Parque Arruda Câmara» (PDF). Consultado em 8 de outubro de 2021 
  83. FERNANDES, 2018, p. 20-21.
  84. MENESES, 2014, p. 77
  85. DIAS, 2013, p. 73.
  86. LEANDRO, 2006, p. 92-93.
  87. «A União - Orgam Official do Estado» (PDF). A União. 2 de setembro de 1930. Cópia arquivada (PDF) em 7 de setembro de 2022 
  88. «A União - Orgam Official do Estado» (PDF). A União. 2 de setembro de 1930. Cópia arquivada (PDF) em 7 de setembro de 2022 
  89. «A União - Orgam Official do Estado» (PDF). A União. 5 de setembro de 1930. Consultado em 7 de setembro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 7 de setembro de 2022 
  90. PAULINO, 2014, p. 283.
  91. ALMEIDA, 2006, p. 129.
  92. LEANDRO, 2006, p. 69.
  93. MARTINS; MAIA, 2015, p. 185.
  94. a b MENESES, 2014, p. 117
  95. «Liceu Paraibano completa 170 anos». Click PB. 24 de março de 2006. Consultado em 9 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2022 
  96. «Liceu Paraibano faz aniversário hoje». Click PB. 24 de março de 2009. Consultado em 9 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2022 
  97. KOURY, 2005, p. 75.
  98. a b c SARMENTO, 2012, p. 23.
  99. CAMPOS; SOUZA; SILVEIRA; CASTRO, 2007, p. 4.
  100. TORNAGHI; FIGUEROA, 1941, p. 894.
  101. MEDEIROS, 2016, p. 52.
  102. a b «Sobrado da Fazenda Ribamar e Capela» (PDF). Consultado em 27 de março de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 27 de dezembro de 2018 
  103. SANTOS, Adelson Barbosa dos (28 de agosto de 2016). «Um Osvaldo no Governo, outro na Prefeitura de João Pessoa». Correio da Paraíba. Consultado em 7 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 20 de maio de 2021 
  104. Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB). «Resultado das Eleições 1947 na Paraíba». Consultado em 7 de outubro de 2021 
  105. a b c PASSOS; SILVEIRA; PITA; BRAGA; SILVEIRA, 2012, p. 53.
  106. MARTINS; MAIA, 2015, p. 188.
  107. PEREIRA, 2008, p. 69.
  108. a b SARMENTO; CUNHA; FILHA; AZEVEDO, 2010, p. 7.
  109. MARTINS; MAIA, 2015, p. 189.
  110. MARTINS; MAIA, 2015, p. 174
  111. MARTINS; MAIA, 2015, p. 192.
  112. EGITO, 2005, p. 47.
  113. LEANDRO, 2006, p. 112.
  114. CHAVES; TINEM, 2012, p. 8.
  115. REZENDE, Clara (4 de agosto de 2018). «Construção de prédios altos em João Pessoa é marco na história da cidade». Consultado em 13 de março de 2023. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2018 
  116. «Recenseamento Geral do Brasil» (PDF). Rio de Janeiro. 1 de setembro de 1940. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  117. «Estado da Paraíba: censo demográfico» (PDF). Rio de Janeiro. 1955. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  118. a b BEZERRA, 2016, p. 111.
  119. IBGE. «Censo demográfico de 1960: Rio Grande do Norte-Paraíba» (PDF). Consultado em 2 de novembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 1 de novembro de 2021 
  120. PEREIRA, 2008, p. 78.
  121. EGITO, 2005, p. 49.
  122. CASTRO, 2015, p. 183.
  123. BRASIL. Fixa datas para as eleições de 1966, dispõe sobre as eleições indiretas e nomeação de Prefeitos das Capitais dos Estados e dá outras providências. Ato Institucional N.º 3, de 5 de Fevereiro de 1966. Brasília, 7 fev. 1966.
  124. SOBREIRA, 2016, p. 163-164.
  125. a b PEREIRA, 2008, p. 210.
  126. OLIVEIRA, 2006, p. 91.
  127. IBGE (1973). «Censo demográfico: Paraíba» (PDF). Rio de Janeiro. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  128. PEREIRA, 2009, p. 18.
  129. ALMEIDA; BRAMBILLA; VANZELLA, 2016, p. 41
  130. JOÃO PESSOA (Município). Lei nº 1624, de 20 de abril de 1972. Cria o brasão de armas, a bandeira e o estandarte do município de João Pessoa e dá outras providências. Acesso em: 10 out. 2021.
  131. PEREIRA, 2008, p. 168.
  132. DIEB; MARTINS, 2017, p. 10.
  133. CAMPOS; SOUZA; SILVEIRA; CASTRO, 2007, p. 6.
  134. PEREIRA, 2008, p. 231.
  135. EGITO, 2005, p. 52.
  136. EGITO, 2005, p. 50.
  137. «Código de Urbanismo» (PDF). 2001. Consultado em 10 de setembro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 29 de junho de 2021 
  138. CARVALHO, 2021, p. 55.
  139. MALAIA; FORTES, 2020, p. 175.
  140. «Tragédia da Lagoa: o doloroso drama de JP completa 40 anos». Jornal da Paraíba. 23 de agosto de 2015. Consultado em 10 de setembro de 2022 
  141. «O PASSEIO QUE NÃO ACABOU: Tragédia da Lagoa completa 45 anos nesta segunda-feira (24)». 22 de agosto de 2020. Consultado em 10 de setembro de 2022 
  142. CAMPOS; SOUZA; SILVEIRA; CASTRO, 2007, p. 7.
  143. TRIGUEIRO, 2018, p. 39-43.
  144. a b SILVA, 2015, p. 16.
  145. LEANDRO, 2006, p. 71.
  146. CABRAL, Guilherme (13 de abril de 2022). «Espaço Cultural celebra 40 anos». Consultado em 10 de setembro de 2022. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2022 
  147. RODRIGUES, 2016, p. 28-29.
  148. SILVA, 2014, p. 23.
  149. AGUIAR, 2017, p. 15.
  150. OLIVEIRA, 2021, p. 43-44.
  151. «CARNEIRO, Arnaud». Consultado em 7 de outubro de 2021 
  152. Constituição do Estado da Paraíba
  153. «Lei orgânica do município de João Pessoa» (PDF). Consultado em 10 de outubro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 11 de outubro de 2021 
  154. ANDRADE; CARVALHO; SILVA; RIBEIRO, 2007, p. 8.
  155. IBGE (1991). «Tabela 202 - População residente, por sexo e situação do domicílio». Consultado em 1 de novembro de 2021 
  156. LIRA, 2014, p. 28.
  157. «Plano Diretor da Cidade de João Pessoa» (PDF). Consultado em 10 de setembro de 2022 
  158. SÁ, Xico (3 de agosto de 1997). «Após 67 anos, João Pessoa volta à Paraíba». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2021 
  159. LEANDRO, 2006, p. 128.
  160. PARAÍBA (2003). «Lei Complementar n° 59, de 30 de dezembro de 2003». Consultado em 15 de maio de 2003. Cópia arquivada em 15 de maio de 2022 
  161. a b Redação (12 de dezembro de 2017). «Tombamento do Centro Histórico de João Pessoa completa dez anos». Portal Correio. Consultado em 14 de dezembro de 2019 
  162. Fundação Getulio Vargas (FGV). «Ricardo Vieira Coutinho». Consultado em 10 de setembro de 2022 
  163. «Centro de Convenções de João Pessoa inaugura sua última etapa». 5 de agosto de 2015. Consultado em 20 de janeiro de 2023 
  164. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2018 
  165. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  166. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2016). «Divisão Territorial Brasileira 2016». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  167. a b c INMET (1979). «Normais Climatológicas do Brasil (1931-1960)» 2ª ed. Rio de Janeiro. Consultado em 26 de julho de 2020 
  168. a b c INMET. «Estação: JOÃO PESSOA (82798)». Consultado em 26 de julho de 2020 
  169. «Joao Pessoa, Brazil Köppen Climate Classification» (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2014 
  170. INPE. «Ranking de municípios». Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT). Consultado em 26 de julho de 2020 
  171. IBGE. Anuário estatístico do Brasil - 1953. Rio de Janeiro: dez. 1953. 574 p. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/20/aeb_1953.pdf. Acesso em: 5 jul. 2023.
  172. INMET. «Normais climatológicas do Brasil». Consultado em 23 de março de 2022 
  173. «Tabela 1.6 - População nos Censos Demográficos, segundo os municípios das capitais - 1872/2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 2 de julho de 2023. Cópia arquivada em 28 de junho de 2023 
  174. «População de João Pessoa é de 830 mil em 2022, e cresce 15,26% na comparação com 2010». 28 de junho de 2023. Consultado em 6 de janeiro de 2024 
  175. IBGE. «Censo 2010 / Sinopse». Consultado em 6 de janeiro de 2024 
  176. IBGE. «Tabela 4709 - População residente, Variação absoluta de população residente e Taxa de crescimento geométrico». Consultado em 6 de janeiro de 2024 
  177. IBGE. «Tabela 4712 - Domicílios particulares permanentes ocupados, Moradores em domicílios particulares permanentes ocupados e Média de moradores em domicílios particulares permanentes ocupados». Consultado em 6 de janeiro de 2024 
  178. IBGE. «Tabela 9515 - Índice de envelhecimento, idade mediana e razão de sexo da população». Consultado em 6 de janeiro de 2024 
  179. IBGE. «Tabela 9605 - População residente, por cor ou raça, nos Censos Demográficos». Consultado em 6 de janeiro de 2024 
  180. IBGE. «Tabela 9756 - Índice de envelhecimento, idade mediana e razão de sexo, por cor ou raça». Consultado em 6 de janeiro de 2024 
  181. Sidra.
  182. «História». Câmara Municipal de João Pessoa. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  183. «Sobre a Câmara». Câmara Municipal de João Pessoa. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  184. «Novo presidente do TRT13 toma posse defendendo comunicação com a sociedade e investimento em inovação». Tribunal Regional do Trabalho. 7 de janeiro de 2021. Consultado em 16 de janeiro de 2021 
  185. «HISTORICO». Exercito Brasileiro. 8 de outubro de 2019. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  186. «1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA». Exército Brasileiro. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  187. «UFPB vai qualificar militares do 1º Grupamento de Engenharia, em João Pessoa». UFPB. 18 de fevereiro de 2020. Consultado em 16 de janeiro de 2021 
  188. «Histórico da CPPB». Marinha do Brasil. Consultado em 16 de janeiro de 2021 
  189. «JOÃO PESSOA». UNESCO. Consultado em 16 de janeiro de 2021 
  190. Rangel, Taiguara (31 de outubro de 2017). «João Pessoa é anunciada 'cidade criativa' da Unesco por artesanato e arte popular». G1. Consultado em 17 de janeiro de 2021 
  191. «REPRESENTAÇÃO DA ESPANHA NO BRASIL». Itamaraty. Consultado em 16 de agosto de 2018 
  192. «REPRESENTAÇÃO DE PORTUGAL NO BRASIL». Itamaraty. Consultado em 16 de agosto de 2018 
  193. «JOÃO PESSOA – PB». Ministero degli Affari Esteri e della Cooperazione Internazionale. Consultado em 22 de novembro de 2018 
  194. Cardoso, Fábio (23 de outubro de 2017). «Ushuaia e João Pessoa se tornam cidades irmãs durante o Festival JPA». turismo em foco. Consultado em 16 de agosto de 2018 
  195. «Puerto Williams, no Chile, se torna a cidade mais ao sul do mundo». R7. 29 de maio de 2019. Consultado em 18 de maio de 2023. Cópia arquivada em 19 de maio de 2023 
  196. «Município de João Pessoa». Cidade-Brasil. Consultado em 27 de Agosto de 2018 
  197. Melo, Mônica (31 de Agosto de 2017). «Secretaria confirma cooperação turística entre João Pessoa e cidade dos EUA». Prefeitura Municipal de João Pessoa. Consultado em 5 de Setembro de 2018 
  198. «Cidades-Irmãs – João Pessoa e Pompano Beach». Gazeta News. 24 de Março de 2014. Consultado em 5 de Setembro de 2018 
  199. «Geminações de Cidades e Vilas». Associação Nacional Municípios Portugueses. Consultado em 27 de Agosto de 2018 
  200. «Bairros de João Pessoa só existem oficialmente há menos de 20 anos». 2015. Consultado em 13 de fevereiro de 2023 
  201. «Atividades econômicas em João Pessoa por número de empregados (2012)». Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2014 
  202. «Em João Pessoa frota de veículos cresce quatro vezes mais que população». NE10. Consultado em 14 de maio de 2018 [ligação inativa]
  203. «Aeroporto Internacional de João Pessoa - Presidente Castro Pinto». Aena. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  204. Aeroporto Castro Pinto volta a pertencer ao município de Santa Rita, na PB, decide STF
  205. «João Pessoa receberá novo voo diário para São Paulo». Jornal da Paraíba. 14 de novembro de 2016. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  206. «Aeroporto Castro Pinto ganhará 23 voos extras para Campinas e Recife». G1. 22 de novembro de 2016. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  207. «Companhias Aéreas». Infraero. Consultado em 20 de fevereiro de 2017 
  208. «Portal CBTU - mapa da linha». www.cbtu.gov.br. Consultado em 19 de julho de 2018 
  209. http://marcosalfredo.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2206:fantastico-ve-indicios-de-irregularidades-no-jampa-digital Arquivado em 3 de março de 2016, no Wayback Machine.
  210. PB, Do G1 (20 de julho de 2014). «RoboCup 2014 é aberta oficialmente em João Pessoa ao som de sanfonas». Paraíba. Consultado em 7 de março de 2019 
  211. «Governo da Paraíba lança conferência Internacional Brasil Canadá 3.0». Paraíba Total. 24 de outubro de 2012. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  212. «JP vai sediar brasil canada 3.0». Revista Nordeste. 25 de outubro de 2012. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  213. «Conferência Brasil-Canadá 3.0 acontecerá em João Pessoa (PB)». PPGCCOM(Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação). Consultado em 25 de novembro de 2019 
  214. «PB recebe 2ª edição da Conferência Internacional Brasil-Canadá 3.0». G1 Paraíba. 5 de dezembro de 2013. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  215. «Conferência Brasil-Canadá 3.0: Aberto maior evento de mídias digitais da Paraíba». Nic BR. 5 de dezembro de 2013. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  216. «Apresentação». br30. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  217. Lima, Daniel (5 de dezembro de 2013). «Conferência em João Pessoa discute mídias digitais e seus impactos sociais». Agência Brasil. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  218. «Conferência Brasil-Canadá 3.0 é aberta em João Pessoa». CBN PARAÍBA. 5 de dezembro de 2013. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  219. «Startups canadenses participam da Conferência e expandem negócios no Brasil». Revista Nordeste. 25 de novembro de 2013. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  220. «Conferência Brasil-Canadá 3.0: indústria da convergência em pauta». Digai. 4 de dezembro de 2013. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  221. «João Pessoa sedia Fórum de Governança da Internet da ONU entre 10 e 13 de novembro». ONU. 8 de novembro de 2015. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  222. Vital, Jô (8 de novembro de 2015). «João Pessoa se torna capital mundial da internet e equipes da Guarda e do Samu trabalham no IGF». Prefeitura Municipal de João Pessoa. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  223. «João Pessoa sediará a décima edição do Fórum de Governança da Internet». tecmundo. 18 de março de 2015. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  224. a b c «carnaval-tradicao-reune-ha-mais-de-cem-anos-a-cultura-e-o-ritmo-das-comunidades-de-joao-pessoa». G1. 22 de fevereiro de 2020. Consultado em 29 de maio de 2020 
  225. «Bloco do Cafuçu anima as ruas do Centro da capital». zeoserver.pb.gov.br. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de maio de 2020 
  226. «Muriçocas do Miramar comemora 30 anos de alegria». Governo da Paraíba. Consultado em 27 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de maio de 2020 
  227. Recife FM (19 de janeiro de 2016). «Notícias». Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 29 de maio de 2020 
  228. a b Prefeitura Municipal de João Pessoa 2005-2012. «João Pessoa – Patrimônio Nacional». Consultado em 9 de dezembro de 2012 
  229. Hotel Guarani. «Turismo em João Pessoa - Centro Histórico». Consultado em 17 de dezembro de 2012 
  230. a b José Chrispiniano (24 de março de 2008). «Centro histórico de João Pessoa é tombado». História Viva. Consultado em 10 de dezembro de 2012 
  231. Brasil Sabor. «O centro histórico de João Pessoa». Consultado em 10 de dezembro de 2012 
  232. «Forró é reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial pelo Iphan». CNN Brasil. 9 de dezembro de 2021. Consultado em 27 de setembro de 2023 
  233. Hévilla Wanderley (9 de março de 2015). «Almeidão em cinco atos: os 40 anos do maior estádio de João Pessoa». Globoesporte.com. Consultado em 26 de abril de 2017 
  234. «Prefeito inaugura Centro de Treinamento Esportivo e destaca investimento em cidadania». Prefeitura Municipal de João Pessoa. 5 de agosto de 2014. Consultado em 23 de novembro de 2016 
  235. «Com boa estrutura, o Estádio Ivan Tomaz se torna opção para clubes no Paraibano». globoesporte. Consultado em 23 de novembro de 2016 
  236. «Para não esquecer: como um complexo esportivo virou estádio de segunda linha | Blog Carrinho por Trás». globoesporte.com. Consultado em 23 de novembro de 2016 
  237. «Vila Olímpica Cidade de João Pessoa é inaugurada após dois anos de obras». globoesporte.com 
  238. «Ricardo inaugura Vila Olímpica Parahyba neste sábado». Governo da Paraíba 
  239. Franco, Martinho M. (2 de abril de 2015). «Saudades olímpica». João Pessoa. A União. CXXII (051). 2 páginas. Consultado em 23 de novembro de 2015 

Bibliografia editar

AGUIAR, Francisco Jacinto Batista de. Violência no bairro de Valentina. 44 p. TCC (Graduação) - Curso de Bacharelado em Geografia, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, 2017.

ALMEIDA, Daniel Wendell Gonzaga de; BRAMBILLA, Adriana; VANZELLA, Elídio. A evolução histórica da hotelaria na cidade de João Pessoa: uma revisão bibliográfica. Revista Mangaio Acadêmico, João Pessoa, v. 1, n. 1, p. 36-44, jan/jun. 2016.

ALMEIDA, Maria Cecília Fernandes de. Espaços públicos em João Pessoa (1889-1940): formas, usos e nomes. 2006. 255 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, SP, 2006.

ANDRADE, Paulo Augusto Falconi de; CARVALHO, Paulo Sergio Oliveira de; SILVA, Leonardo Pereira; RIBEIRO, Edson Leite. BR-230: Evolução e consequências de sua duplicação para o trecho metropolitano da cidade de João Pessoa - PB. In: IV SEMAGEO 2007 - Semana de Geografia da UFPB. Caderno de Resumos do IV Semana de Geografia da UFPB - SEMAGEO. João Pessoa: UFPB, 2007.

ARAÚJO, Magno Erasto de. Água e rocha na definição do sítio de Nossa Senhora das Neves, atual cidade João Pessoa - Paraíba. 296 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

BEZERRA, Josineide da Silva. Novos Municípios, Velhas políticas: Práticas de emancipação distrital e estratégicas de reprodução política na Paraíba (1951-1965). 245 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, 2016.

BRITO, Erycles Fabricio Alves; VANZELLA, Elídio. Jardim Botânico Benjamim Maranhão: contribuições para a cidade de João Pessoa. Revista Mangaio Acadêmico, João Pessoa, v. 2, n. 2, p. 7-14, jul/dez, 2018.

CAMPOS, Isabela Kirschner de Siqueira; SOUZA, Jussara Freire de Souza; SILVEIRA, José Augusto Ribeiro da Silveira; CASTRO, Alexandre Augusto Bezerra da. Interfaces Rodoviário-Urbanas: Estudo dos efeitos Produzidos pela BR-230 no sprawl da Cidade João Pessoa-PB. In: XV Encontro da ANPUR, 2013, Recife. Anais do XV ENANPUR, 2013.

CARVALHO, Phelipe Caldas Pontes. Amor (não) se explica: torcida, topofilia e estádio de futebol. FuLiA/UFMG, v. 5, n. 2, p. 52-78, 2020.

CASTRO, Alexandre Augusto Bezerra da Cunha et al. Interfaces rodoviário-urbanas no processo de produção das cidades: estudo de caso do contorno rodoviário de João Pessoa, PB, Brasil. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 15, p. 175-199, 2015.

CHAVES, Carolina. João Pessoa: verticalização, progresso e modernidade 1958 – 1975. João Pessoa, TFG/CAU/UFPB, 2008

CHAVES, Carolina M.; TINEM, Nelci. Contribuição da documentação em arquitetura para o registro e estudo da arquitetura moderna de João Pessoa entre 1958-1975. Fórum Patrimônio, Belo Horizonte, p. 85-102, 2012.

COUTINHO, Marco Antônio Farias. Evolução urbana e qualidade de vida: o caso da Avenida Epitácio Pessoa, João Pessoa-PB. 2004. 209 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - UFPB, João Pessoa, 2004.

DIAS, Clóvis. A força da forma: entre o rio e o mar o Centro de João Pessoa ainda perto do Sanhauá. 261 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

DIEB, Marília de Azevedo. MARTINS, Paula Dieb. O Rio Jaguaribe e a história urbana de João Pessoa/PB: da harmonia ao conflito. In: Anais do XVII ENANPUR. São Paulo, 2017.

EGITO, Maria Jacy Caju do. Expansão urbana e meio ambiente: representação social dos agentes da construção civil em João Pessoa - PB. 156 f. Dissertação (Mestrado em Gerenciamento Ambiental) - UFPB, João Pessoa, 2005.

FERNANDES, Nayara Gonçalves Rosas. A revitalização do parque Solon de Lucena (João Pessoa-PB): usos, formas e significados. 2018. 167f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional - PPGDR) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande - PB.

FILHA, Maria Berthilde Moura. De Filipéia à Paraiba: uma cidade na estratégia de colonização do Brasil: séculos XVI-XVIII. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Superintendência do IPHAN na Paraíba, 2010.

GUIMARÃES, Luiz Hugo. A conquista da Paraíba. In: Simpósio Momentos Fundadores da Formação Nacional. Rio de Janeiro: IHGB, 2000.

HIGINO JUNIOR, Antonio. A geo-história da avenida Epitácio Pessoa em João Pessoa – PB. 2013. 56 p. TCC (Graduação) - Curso de Geografia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013.

KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro. Pertença e uso do espaço público: Um passeio através do Parque Sólon de Lucena. Studium, n. 19, p. 73-94, 2005.

LEANDRO, Aldo Gomes. O turismo em João Pessoa e a construção da imagem da cidade. 2006. 198 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Geografia, UFPB, João Pessoa, 2006.

LIRA, Paulo Autran Bezerra de. Ocupação do solo urbano, legislação e licenciamento ambiental no bairro de Gramame – João Pessoa - PB (1992– 2013). 75 f. TCC (Graduação) - Curso de Bacharelado em Geografia, UFPB, João Pessoa, 2014.

MAIA, Doralice Sátyro; GUTIERRES, Henrique Elias Pessoa; SOARES, Maria Simone Morais. A iluminação pública da Cidade da Parahyba. Fênix-Revista de História e Estudos Culturais, v. 6, n. 2, p. 1-14, 2009.

MAIA, Doralice Sátyro. Ordem, higiene e embelezamento na Cidade Alta e na Cidade Baixa: A modernização da cidade da Parahyba–Brasil. Revista Convergência Crítica, n. 1, 2012.

___________________. Uma cidade em (re)construção: A Cidade da Parahyba (Brasil) no século XIX. Scripta Nova: Revista electrónica de geografía y ciencias sociales, n. 10, p. 38, 2006.

MALAIA, João Manuel Casquinha; FORTES, Rafael. ‘Brasil-grande, estádios gigantescos’: toponímia dos estádios públicos da ditadura civil-militar brasileira e os discursos de reconciliação, 1964-1985. Revista Tempo': Niterói, v. 27, n. 1, p. 165-184, 2021.

MARTINS, Paula Dieb; MAIA, Doralice Sátyro. A produção do espaço e da paisagem da avenida Epitácio Pessoa, João Pessoa-PB. Urbana: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, v. 7, n. 1, p. 172-198, 2015.

MEDEIROS, João Rodrigues Coriolano de. 'Dicionário corográfico do Estado da Paraíba. 4. ed. João Pessoa: Editora IFPB, 2016. 290 p.

MELO, P. F. C.; VANZELLA, E.; BRAMBILLA, A.; Turismo de sol e praia: um estudo sobre a acessibilidade para a terceira idade na praia da Penha – João Pessoa. Anais do VI CIEH. Campina Grande, PB, 2019.

MENESES, Marcondes Silva. O Processo de Demolição e Desmonte das Irmandades Religiosas na Cidade da Parahyba (1923-1935): “O CASO DAS MERCÊS”. 2014. 165 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Centro de Tecnologia, UFPB, João Pessoa, 2014.

NÓBREGA, Lucas Gomes. O novo patrimônio católico: a projeção de uma atuação pastoral para uma cidade em mudança (João Pessoa, 1894-1953). João Pessoa: Editora UFPB, 2023. 220 p. ISBN 978-65-5942-208-1

OLIVEIRA, José Luciano Agra de. Uma contribuição aos estudos sobre a relação transporte e crescimento urbano: o caso de João Pessoa. 2006. 195 f. 2006. Tese de Doutorado. Dissertação (mestrado em Engenharia Urbana) – UFPB, João Pessoa.

OLIVEIRA, Matheus Henrique de Souza Genuíno. Expansão urbana e produção imobiliária na região sul de João Pessoa-PB. 159 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Geografia, UFPB, João Pessoa, 2021.

PASSOS, Luciana Andrade dos; SILVEIRA, Fabiana de Albuquerque; PITA, Ana Luzia Lima Rodrigues; BRAGA, Cybelle Frazão Costa; SILVEIRA, José Augusto Ribeiro da. Processo de expansão versus sustentabilidade urbana: reflexão sobre as alternativas de deslocamento na cidade de João Pessoa, PB. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 4, p. 47-59, 2012.

PAULINO, Maria Conceição. Intervenção no Espaço Público: O caso da Praça João Pessoa/PB. Urbana: Revista Eletrônica do Centro Interdisciplinar de Estudos sobre a Cidade, v. 6, n. 2, p. 281-296, 2014.

PEREIRA, Fúlvio Teixeira de Barros. Difusão da arquitetura moderna na cidade de João Pessoa (1956-1974). 2008. 276 p. Dissertação (Mestrado) - Curso de pós-graduação em arquitetura e urbanismo, Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Carlos, 2008.

_______________________________. Do incentivo ao controle: o debate sobre verticalização na cidade de João Pessoa (1956-1974). Risco Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo (Online), n. 9, p. 3-21, 2009.

PINHEIRO, Antonio Carlos Ferreira. Uma escola propedêutica na Província da Parahyba do Norte: o Lyceu Parahybano (1836 a 1848). In: Simpósio Nacional de História, 25, 2009, Fortaleza. Anais do XXV Simpósio Nacional de História – História e Ética. Fortaleza: ANPUH, 2009.

RAPOSO, Thiago Acácio; ARAÚJO, Rafael Nóbrega. Paraibaneidade: olhares sobre a escrita da história da Paraíba e a construção de uma identidade local. Epígrafe, v. 4, n. 4, p. 149-166, 2017.

RODRIGUES, Adriano Pereira. Diagnóstico Ambiental e identificação de impactos negativos no bairro do Baralho, Bayeux - PB, 2015. 95 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - UFPB, João Pessoa, 2015.

RODRIGUES, Jean Marrie de Oliveira. Mangabeira: do comércio de bairro a um subcentro da cidade de João Pessoa-PB. 2016. 60 f. TCC (Graduação) - Curso de Bacharelado em Geografia, UFPB, João Pessoa, 2016.

SARMENTO, Bruna Ramalho; CUNHA, Iara Batista da; FILHA, Maria Bethilde Moura; AZEVEDO, Maria Helena de Andrade. As construções e desconstruções do Ponto de Cem Réis na cidade de João Pessoa–PB. In: I Seminário Internacional Urbicentros. Anais do I Seminário Internacional Urbicentros: morte e vida dos centros urbanos. João Pessoa: UFPB, 2010.

SARMENTO, Marcela Fernandes. O processo de ocupação urbana de um setor litorâneo de uma capital brasileira: o caso do Bessa em João Pessoa - PB. 107 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-Graduação em Engenharia Urbana e Ambiental, UFPB, João Pessoa, 2012.

SILVA, Araci Farias. Resistência e Luta das Mulheres do Porto do Capim em João Pessoa: O Direito à Cidade desde a perspectiva de gênero. In: XI Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia (XI ENANPEGE). Anais do XI ENANPEGE: a diversidade da geografia brasileira, escalas e dimensões da análise e da ação. Presidente Prudente, São Paulo, 2015.

SILVA, Eron Carlos Santos da. A urbanização do bairro Valentina Figueiredo e suas desigualdades sociais. 36 p. TCC (Graduação) - Curso de Bacharelado em Geografia, UFPB, João Pessoa, 2014.

SILVA, Gicely Rocha da. “A corrida em direção ao mar”, no âmbito da expansão urbana de João Pessoa: O caso especifico do “Retão de Manaíra” (Av. Flavio Ribeiro Coutinho). 32 p. TCC (Graduação) - Curso de Licenciatura em Geografia, Centro de Ciências Exatas e da Natureza, UFPB, João Pessoa, 2015.

SILVA, Milena Dutra da; CASTRO, Alexandre Augusto Bezerra da Cunha; SILVA, Brunielly de Almeida; SILVEIRA, José Augusto Ribeiro da; SILVA, Geovany Jessé Alexandre da. Crescimento da mancha urbana na cidade de João Pessoa, PB. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, [S.l.], v. 22, n. 30, p. 64, 29 nov. 2016.

SOBREIRA, Dmitri da Silva Bichara. Para além do" sim, senhor": A Aliança Renovadora Nacional (ARENA) e a ditadura militar na Paraíba (1964-1969). 2016. 234 p. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-Graduação em História; Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, UFPB, João Pessoa, 2016.

TORNAGHI, Newton; FIGUEROA, Rubens Castro. Fixado a Ponta Seixas do Cabo Branco como ponto extremo leste do Brasil. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 894-894, dez. 1941.

TRIGUEIRO, Wendell Araújo Nóbrega. As transformações da paisagem na Avenida Hilton Souto Maior, na cidade de João Pessoa-PB. 2018. 107 f. TCC (Graduação) - Curso de Bacharelado em Geografia, UFPB, João Pessoa, 2018.

VILAR, Leandro. Memórias de uma guerra: a primeira invasão holandesa na Capitania da Paraíba (1631). Revista Brasileira de História Militar, Rio de Janeiro, v. 5, n. 15, p. 6-24, dez. 2014.

Ligações externas editar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Definições no Wikcionário
  Textos originais no Wikisource
  Categoria no Commons
  Guia turístico no Wikivoyage