Esmerilhão

O esmerilhão (Falco columbarius) é uma ave falconiforme da família dos falconídeos.

Como ler uma infocaixa de taxonomiaEsmerilhão
Falco columbarius training.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Falconiformes
Família: Falconidae
Género: Falco
Espécie: F. columbarius
Nome binomial
Falco columbarius
Linnaeus, 1758
Distribuição geográfica
Amarelo = Verão Verde = ano todo Azul = Inverno
Amarelo = Verão
Verde = ano todo
Azul = Inverno
Falco columbarius
Falco columbarius subaesalon - MHNT

CaracterísticasEditar

É o menor falconídeo da região paleártica ocidental[1]. Chega a medir até 33 cm de comprimento. Apresenta um claro dimorfismo sexual. Possui a silhueta de um falcão de pequenas dimensões. Enquanto a fêmea e os juvenis são bastante semelhantes, com o peito barrado sobre fundo branco, e dorso acastanhado escuro, o macho apresenta barras pequenas no peito, em fundo alaranjado e dorso cinzento-azulado.

AlimentaçãoEditar

Alimenta-se essencialmente de pequenas aves complementando ocasionalmente a sua dieta com insetos ou pequenos mamíferos, répteis e anfíbios, em particular enquanto jovem[1].

É um dos melhores caçadores entre as aves de dimensão comparável, com uma percentagem de sucesso dos seus ataques entre os 5% e 10%. O método de caça é geralmente o de assustar possíveis presas escondidas entre a vegetação sobrevoando o território em voos baixos e bastante rápidos, após o que as captura seja em voo picado, seja, no caso das aves, perseguindo-as em voo. É relativamente comum ver casais de esmerilhão a darem caça a uma presa em conjunto.

Em particular durante a época de criação, não se inibe de exibir comportamentos oportunistas que podem fornecer uma parte importante da sua dieta. Exemplos são a captura de presas afugentadas por outros predadores ou por actividades humanas, e a captura de jovens aves, por vezes directamente do ninho[1].

Distribuição GeográficaEditar

É uma ave migratória. As populações Europeias reproduzem-se na generalidade no Norte da Europa e migram para a bacia do Mediterrâneo no Inverno. As poucas possibilidades de observação em Portugal limitam-se a certas áreas do Alentejo e Vale do Tejo.

As populações americanas migram para o sul dos EUA e norte da América do Sul, nomeadamente norte do Peru e Venezuela, e por vezes Brasil, restrito à costa do estado da Bahia e ao Amazonas.

As populações da Ásia central, da costa do Pacífico e de ilhas atlânticas como a Islândia e Grã-Bretanha, limitam-se a descer das regiões montanhosas para as planícies e zonas costeiras.

HabitatEditar

Gosta de espaços abertos com poucas árvores como pradarias, estepes, turfeiras ou mesmo simples terrenos baldios, mas adapta-se bem a uma grande variedade de terrenos desde orlas de floresta a zonas rochosas ribeirinhas, desde que existam na proximidade espaços abertos onde possa caçar[1].

Estado de ConservaçãoEditar

Apesar do estado da espécie estar classificado como pouco preocupante na Lista Vermelha da IUCN, o número de indivíduos na Europa e América do Norte, onde a evolução da espécie está bem documentada, sofreu uma forte redução em particular entre as décadas de 50 e 80. As principais ameaças foram o desaparecimento de habitats, e a contaminação com pesticidas e seus derivados. O esmerilhão retém os poluentes existentes nas suas presas que foram sendo acumulados ao longo da cadeia alimentar. Alguns destes poluentes têm efeitos negativos sobre o sucesso reprodutivo, por exemplo, ao fragilizar a casca dos ovos que deixam de suportar o peso da fêmea e partem.

Por vezes o resultado deste fenómeno foi dramático. Por exemplo, nas Shetland o número de esmerilhões caiu para metade durante 1981 e 1983 devido à alta concentração de mercúrio nos ovos. Mudanças nas práticas agrícolas na Europa têm vindo no entanto a permitir alguma recuperação dos números [1].

NomenclaturaEditar

O esmerilhão foi descrito e ilustrado pelo naturalista inglês Mark Catesby (como "gavião-pombo", pigeon hawk) em seu Natural history of Carolina, Florida and the Bahama Islands , publicado em 1729-1732.[2][3] Com base nessa descrição, em 1758 Carl Linnaeus incluiu a espécie na décima edição de seu Systema Naturae e introduziu o nome binomial atual Falco columbarius com a localidade-tipo como "América".[4] O nome do gênero é do Latim tardio ; falco deriva de falx, falcis, uma foice, referindo-se às garras do pássaro.[5] O nome da espécie columbarius é latim para "de pombas" a partir de columba, "pomba".[6] Treze anos após a descrição de Linnaeus, Marmaduke Tunstall reconheceu os pássaros eurasianos como um táxon distinto, Falco aesalon, em seu Ornithologica Britannica . Se duas espécies de merlins forem reconhecidas, os pássaros do Velho Mundo receberão o nome científico F. aesalon.[7][8]

SistemáticaEditar

SubespéciesEditar

A presença de longa data do esmerilhão em ambos os lados do Atlântico é evidenciada pelo grau de distinção genética entre as populações da Eurásia e da América do Norte. Dependendo da perspectiva, pode-se argumentar que eles podem são espécies distintas, com o fluxo gênico tendo cessado há pelo menos um milhão de anos, mas provavelmente mais.[8]

Em geral, a variação de cor em qualquer grupo segue independentemente a regra de Gloger. Os machos da subespécie suckleyi da floresta tropical temperada do Pacífico são quase uniformemente pretos na parte superior e têm manchas pretas na barriga, enquanto os da subespécie mais leve, pallidus, têm pouca melanina não-diluída, com padrão cinza na parte superior e inferior avermelhado .[7]

 
Presumivelmente esmerilhão da floresta costeira (F. c. Suckelyi ), Potter Marsh, Anchorage (Alasca, Estados Unidos)

Grupo americano[7]

  • Falco columbarius columbarius (Linnaeus, 1758) - esmerilhão da taiga, esmerilhão boreal, esmerilhão da tundra
Encontrado no Canadá e norte dos Estados Unidos ao leste das Montanhas Rochosas, exceto Grandes Planícies. Migratório, passam invernos no Sul da América do Norte, América Central, Caribe e Norte da América do Sul, das Guianas ao sopé do norte dos Andes. Raramente invernam no no norte dos EUA.[9][10]
  • Falco columbarius richardsonii (Ridgway, 1871) - esmerilhão das pradarias
Encontrado nas Grandes Planícies de Alberta a Wyoming. Residente (alguma dispersão no inverno).
  • Falco columbarius suckleyi (Ridgway, 1873) - esmerilhão negro, esmerilhão da floresta costeira
Encontrado na Costa do Pacífico da América do Norte, do sul do Alasca ao estado de Washington. Residente (alguns movimentos altitudinais).

Grupo euro-asiático[7]

  • Falco columbarius / aesalon aesalon (Tunstall, 1771) - Esmerilhão da Eurásia
Encontrado na Eurásia do norte, das Ilhas Britânicas, pela Escandinávia, até o centro da Sibéria. A população do norte da Grã-Bretanha mostra evidências de fluxo gênico de subaesalon. Residente da população das Ilhas Britânicas, migratório de resto; invernam na Europa e na região do Mediterrâneo até o Irã .
 
Um smyril macho é apresentado neste selo das Ilhas Faroé por Edward Fuglø
Encontrado na Islândia e Ilhas Faroé . A última população tem algum fluxo gênico com aesalon. Residente (alguma dispersão de inverno).
  • Falco columbarius / aesalon pallidus (Sushkin, 1900) - esmerilhão pálido, esmerilhão das estepes
     
    Macho (presumivelmente F. c./a. pallidus) invernando em Pequeno Rann de Kutch (Gujarat, Índia)
Encontrado nas estepes asiáticas entre o Mar de Aral e as montanhas Altai. Migratório, invernam no Sul da Ásia Central e na parte Norte do Sul da Ásia .
  • Falco columbarius / aesalon insignis (Clark, 1907) - Esmerilhão da Sibéria Oriental
Encontrado na Sibéria entre os rios Ienissei e Kolimá. Migratório, inverna no Leste Asiático .
  • Falco columbarius / aesalon lymani (Bangs, 1913) - Esmerilhão da Ásia Central
Encontrado nas montanhas do leste do Cazaquistão e países vizinhos. Migrante de curta distância.
  • Falco columbarius / aesalon pacificus (Stegmann, 1929) - Esmerilhão do Pacífico
Encontrado desde o Extremo Oriente russo até Sacalina. Migratório, passa invernos no Japão, Coréia e arredores.

ReferencesEditar

  1. a b c d e Mens&Vogel tijdschrift voor Studie en Bescherming van de Europese Avifauna, nr 4, 2010, p.6-11
  2. Catesby, Mark (1729–1732). The natural history of Carolina, Florida and the Bahama Islands (em inglês e francês). Volume 1. [S.l.]: W. Innys and R. Manby 
  3. «Merlin». Audubon (em inglês). 13 de novembro de 2014. Consultado em 27 de janeiro de 2020 
  4. Linnaeus, Carl (1758). Systema Naturæ per regna tria naturae, secundum classes, ordines, genera, species, cum characteribus, differentiis, synonymis, locis (em latim). Volume 1 10th ed. [S.l.]: Laurentii Salvii 
  5. Shorter Oxford English dictionary. Oxford: Oxford University Press. 2007. 3804 páginas. ISBN 978-0199206872 
  6. Jobling, James A (2010). The Helm Dictionary of Scientific Bird Names. London: Christopher Helm. pp. 114, 266. ISBN 978-1-4081-2501-4 
  7. a b c d White, Clayton M. (1994). del Hoyo, J.; Elliot, A.; Sargatal, J., eds. Merlin. Handbook of Birds of the World. Volume 2: New World vultures to Guineafowl 267, plate 27. Barcelona: Lynx Edicions. ISBN 84-87334-15-6  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)
  8. a b Wink, Michael; Seibold, I.; Lotfikhah, F.; Bednarek, W. (1998). Chancellor, R.D.; Meyburg, B.-U.; Ferrero, J.J., eds. Molecular systematics of holarctic raptors (Order Falconiformes) (PDF). Holarctic Birds of Prey. [S.l.]: Adenex & WWGBP. pp. 29–48 
  9. Henninger, W.F. (1906). «A preliminary list of the birds of Seneca County, Ohio» (PDF). Wilson Bulletin. 18 (2): 47–60 
  10. «Annotated Ohio state checklist» (PDF). Ohio Ornithological Society (OOS). 2004. Consultado em 29 de outubro de 2009. Arquivado do original (PDF) em 18 de julho de 2004 

Ligações externasEditar

ReferênciasEditar

  Este artigo sobre Falconiformes, integrado no Projeto Aves é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.