Estação Ferroviária de Moura

(Redirecionado de Estação de Moura)
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a antiga estação no Ramal de Moura. Se procura a antiga estação no Ramal de Mora, veja Estação de Mora. Se procura a antiga estação na Linha do Sul, veja Estação Ferroviária de Águas de Moura.

A Estação Ferroviária de Moura é uma interface encerrada do Ramal de Moura, que servia a localidade de Moura, na região do Alentejo, em Portugal. Entrou ao serviço em 27 de Dezembro de 1902,[1] e foi encerrada em 1990.[2]

Moura
Antigas instalações da Estação de Moura, em 2009
Linha(s): Ramal de Moura (PK 212,707)
Coordenadas: 38° 08′ 11,38″ N, 7° 26′ 46,45″ O
Concelho: Moura
Inauguração: 27 de Dezembro de 1902
Encerramento: 2 de Janeiro de 1990

HistóriaEditar

Planeamento, inauguração e primeiros anosEditar

Originalmente, o ramal que saía de Beja não incluía a passagem por Moura, tendo sido planeado como uma linha internacional até Huelva, passando por Pias e Paymogo.[3] Porém, em 1902 foi publicado o Plano Geral da Rede Ferroviária, que modificou o traçado deste ramal, então conhecido como Linha do Sueste, de forma a girar para Norte em Pias e terminar em Moura.[3] Em Moura terminaria igualmente a Linha do Guadiana, que sairia de Évora e passaria por Reguengos de Monsaraz e Mourão, criando desta forma uma rede circular entre as duas capitais alentejanas.[3]

Em 3 de Maio de 1902, a Direcção do Sul e Sueste dos Caminhos de Ferro do Estado marcou para o dia 31 desse mês o concurso para a construção da estação de Moura, com a correspondente retrete e fossa.[4] Entretanto, em 30 de Maio foi marcado para o mês seguinte o concurso para construir um prédio para habitação do pessoal na estação de Moura.[5] Em 16 de Dezembro desse ano, a Gazeta dos Caminhos de Ferro noticiou que iria ser em breve inspeccionado o lanço entre Pias e Moura, prevendo-se que iria entrar ao serviço em 27 de Dezembro desse ano.[6] O projecto para este troço, datado de 11 de Novembro de 1899 e aprovado por uma portaria de 23 de Abril de 1900, foi elaborado pelo condutor Effigenio Antonio, tendo a sua construção sido autorizada por uma portaria de 15 de Junho do mesmo ano.[6] Incluiu desde logo a gare de Moura, de segunda classe, com um cais coberto e outro descoberto, um edifício para cocheira para carruagens, armazenamento de madeiras e habitação do pessoal, e uma ponte de inversão para locomotivas.[6] Para a construção da estação, a câmara de Moura doou as expropriações, e ofereceu a quantia de 1:000.000$000 Réis, para a qual contraiu um empréstimo.[6] O engenheiro Magalhães Braga, que estava a dirigir as obras, alterou o traçado original do ramal, de forma a aproximar a estação da vila, e alongou o alinhamento da via no local em que seria instalada.[6] Nessa altura, as obras da estação de Moura ainda não estavam concluídas, mas considerou-se que devido à proximidade da vila, o ramal podia entrar ao serviço na data prevista.[6]

Como previsto, o lanço entre Pias e Moura entrou ao serviço em 27 de Dezembro de 1902.[7]

Em 1913, a estação de Moura era servida por carreiras de diligências até Safara, Amareleja e Sobral da Adiça.[8]

 
Estação de Moura em 1986

EncerramentoEditar

Nos finais da década de 1980, a operadora Caminhos de Ferro Portugueses ponderou o encerramento do ramal, medida que foi justificada pela necessidade de reduzir as despesas.[9] Porém, esta decisão não foi bem aceite pela população, e em 1 de Agosto de 1988 a União dos Sindicatos de Beja organizou uma manifestação em frente à estação de Moura, que reuniu algumas centenas de pessoas.[9] Foi aprovada uma moção, assinada igualmente por vários autarcas no distrito de Beja, onde se exigiu ao conselho de administração da empresa para não encerrar o tráfego ferroviário até Moura.[9] Esta moção foi depois apresentada à delegação local da operadora e ao Governador Civil de Beja, Branco Malveiro.[9] Nessa altura, a linha férrea assumia uma grande importância como escoamento das sementes de trigo e cevada produzidas da margem oriental do Rio Guadiana, que eram armazenadas em Moura e depois transportadas por caminho de ferro até Beja.[9]

Porém, o Ramal de Moura foi encerrado em 2 de Janeiro de 1990, no âmbito de um programa de reestruturação da empresa Caminhos de Ferro Portugueses.[10][2]

Referências literáriasEditar

Na obra Alentejo Desencantado, Mário Ventura descreveu o final de uma viagem do Barreiro até Moura:

 
Lado da rua da estação de Moura, em 2016

Ver tambémEditar

Referências

  1. MARTINS et al, 1996:251
  2. a b CORREIA, Teixeira (4 de Abril de 2010). «Ciclistas pedem ecopista para antigo ramal». Jornal de Notícias. Consultado em 31 de Março de 2021 
  3. a b c SOUSA, José Fernando de (16 de Setembro de 1927). «As nossas linhas ferroviárias internacionais e as linhas de Salamanca à fronteira portuguesa» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 40 (954). Lisboa. p. 266-270. Consultado em 17 de Junho de 2018 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  4. «Arrematações» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 15 (346). Lisboa. 16 de Maio de 1902. p. 155-156. Consultado em 17 de Junho de 2018 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  5. «Arrematações» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 15 (348). Lisboa. 16 de Junho de 1902. p. 188-189. Consultado em 17 de Junho de 2018 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  6. a b c d e f «Parte Official» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 15 (360). Lisboa. 16 de Dezembro de 1902. p. 381-384. Consultado em 16 de Maio de 2017 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  7. TORRES, Carlos Manitto (1 de Fevereiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 70 (1683). Lisboa. p. 75-78. Consultado em 27 de Janeiro de 2014 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  8. «Serviço de Diligencias». Guia official dos caminhos de ferro de Portugal. Via 39 (168). Lisboa. Outubro de 1913. p. 152-155. Consultado em 15 de Fevereiro de 2018 – via Biblioteca Digital de Portugal 
  9. a b c d e «Protestos contra encerramento do ramal de Moura». Diário de Lisboa. Ano 68 (22729). Lisboa: Renascença Gráfica. 2 de Agosto de 1988. p. 28. Consultado em 17 de Fevereiro de 2022 – via Casa Comum / Fundação Mário Soares 
  10. «CP encerra nove troços ferroviários». Diário de Lisboa. Ano 69 (23150). Lisboa: Renascença Gráfica. 3 de Janeiro de 1990. p. 17. Consultado em 5 de Abril de 2021 – via Casa Comum / Fundação Mário Soares 
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre a Estação de Moura

BibliografiaEditar

  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel; et al. (1996). O Caminho de Ferro Revisitado: O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • VENTURA, Mário (Dezembro de 1974). Alentejo Desencantado. Lisboa: Círculo de Leitores / Livraria Bertrand. 222 páginas 

Ligações externasEditar