Abrir menu principal

Ferroeste

Ferrovia estadual transversal do Paraná
Estrada de Ferro Paraná Oeste
FERROESTE.JPG
Traçado da Ferroeste
EF EF-277[1]
Sigla ou acrônimo Ferroeste
Área de operação Paraná
Tempo de operação 1996–Presente
Antecessora Ferropar
Bitola bitola métrica
1 000 mm (3,28 ft)
Frota 15 locomotivas
426 vagões
Extensão 248,6 km (154 mi)
Interconexão Ferroviária Rumo Logística
Portos Atendidos Porto Seco de Cascavel
Operadora Estrada de Ferro Paraná Oeste S/A
Sede Curitiba, Paraná, Brasil
Website www.ferroeste.pr.gov.br

A Estrada de Ferro Paraná Oeste S/A, ou Ferroeste, é uma empresa ferroviária estatal brasileira criada em 15 de março de 1988, que tem como principal acionista o estado do Paraná. Está no ranking das 500 maiores empresas do Sul do Brasil e entre as 100 maiores do Paraná.[2]

Seu centro de operações está localizado em Cascavel, nas margens da rodovia BR-277, e comporta vários terminais privados, como o da Cotriguaçu, bem como o Porto Seco de Cascavel.

Sua linha férrea liga os municípios de Cascavel a Guarapuava, onde se une à malha ferroviária da América Latina Logística, por meio da qual faz a conexão ao Porto de Paranaguá, no litoral do Estado do Paraná.

Em outubro de 2016, foi aprovada pela Comissão de Orçamento do Senado Federal, a destinação de trezentos milhões de reais para a expansão da Ferroeste até Maracaju, no Mato Grosso do Sul.[3]

Em novembro de 2017, os governos do Paraná e do Mato Grosso do Sul anunciaram a intenção de conceder a ferrovia à iniciativa privada, que ficará com o trecho existente e construirá a ligação entre Dourados a Cascavel e Guarapuava ao Porto de Paranaguá.[4]

HistóricoEditar

Os primeiros estudos para a implantação da ferrovia datam do século XIX, já prevendo a ligação ferroviária do litoral até Foz do Iguaçu, no extremo oeste do estado, porém sua criação se deu apenas em 1988.

Trata-se de uma empresa de economia mista, vinculada à Secretaria de Infraestrutura e Logística, com o controle acionário do estado do Paraná. A Ferroeste detém a concessão, conforme Decreto do Governo Federal nº 96.913/88, para construir, manter e operar a ferrovia.

Por meio de um leilão público realizado em 10 de dezembro de 1996, a empresa privada Ferrovia Paraná S.A. - Ferropar, adquiriu uma subconcessão da Ferroeste por trinta anos, comprometendo-se a investir na ampliação da frota e atender a demanda de transporte.[5]

O Governo do Estado do Paraná reavaliou o contrato, alegando que "jamais foi cumprido pela referida empresa privada" e, através da falência da Ferropar, retomou o controle da ferrovia em 18 de dezembro de 2006.[6][7]

Atualmente a empresa passa por um período de consolidação. A Cotriguaçu já investiu R$ 105 milhões em um terminal junto ao Porto Seco de Cascavel, constituído por um armazém de cargas frigorificadas e uma estrutura graneleira. Com o projeto ainda a ser concluído, o investimento total será de aproximadamente R$ 200 milhões.[8][9]

Em 2014 ampliou sua frota ao adquirir duas locomotivas EMAQ MX620 de 2.000 HPs, o que impactou seu desempenho, com um aumento de 26% no volume transportado em relação ao período anterior,[10] fechando o ano com 770 mil toneladas úteis (TUS) movimentadas, das quais 39,7% destinadas ao mercado externo, principalmente congelados e grãos.[11]

Em dezembro de 2015 foram entregues cinco locomotivas e quatrocentos vagões, com a meta de dobrar a capacidade de tração em 2016.[12]

Além dos novos equipamentos – primeira compra desse porte na empresa – a otimização dos processos ferroviários foi outra grande responsável por alavancar o desempenho. Também foi implantado um sistema de fluxos ferroviários, a redução do ciclo de vagões e a prospecção de operações comerciais mais rentáveis.

Em janeiro de 2016 a Ferroeste anunciou que no ano de 2015 houve um aumento de 143% do volume transportado. Já em janeiro de 2017 o acréscimo foi de 35,1%, o que representou 831 mil toneladas transportadas no ano de 2016.[13][14]

Situação atual do empreendimentoEditar

O trecho Guarapuava (PR) – Cascavel (PR), com 249,6 km de extensão, está concluído e em operação pela Ferroeste. Existe um grande empenho na sua expansão, conforme o projeto de ampliação da malha ferroviária brasileira.

A expectativa da iniciativa privada e setor público é que os trilhos cheguem a Maracaju (MS), de modo a atender importantes municípios ligados ao agronegócio, cujo trecho está sob concessão da Ferroeste, como também à área portuária no litoral do estado. Esse trecho irá operar futuramente a extensão da ferrovia entre as cidades de Guarapuava (PR), Cascavel (PR), Guaíra (PR), Amambai (MS), Naviraí (MS), Caarapó (MS), Dourados (MS) e Maracaju (MS), com tarifas competitivas, servindo o oeste e sudoeste paranaense, Mato Grosso do Sul, Paraguai e norte da Argentina visando atender o transporte de grãos agrícolas e insumos para o plantio.[15]

Essa nova extensão da Ferroeste está previsto para ser interligado com a Ferrovia Norte-Sul.[16]

Principais ClientesEditar

Características físicasEditar

Os atuais 248,6 km da Ferroeste são construídos em bitola métrica. O raio mínimo é de 312 m, mantendo-se rampas máximas compensadas de 1,5%, no sentido das cargas de exportação e 1,8%, no sentido da importação. Outras características: superestrutura com trilhos TR45 soldados em barras de 270 m a 324 m, dormentes monoblocos de concreto na linha tronco e de madeira nos pátios, tendo fixação elástica com as respectivas placas Deenik. Carga máxima de 20 toneladas por eixo.

O atual traçado liga Guarapuava a Cascavel. Ao longo de seu trajeto a estrada de ferro corta os municípios de Candói, Goioxim, Cantagalo, Marquinho, Laranjeiras do Sul, Nova Laranjeiras, Guaraniaçu, Ibema e Campo Bonito.

FrotaEditar

A Ferroeste opera com quinze locomotivas, sendo sete G12, uma GL8 e sete MX-620.

 Ver artigo principal: Frota da Ferrovia Oeste do Paraná

Ver tambémEditar

Referências

  1. http://vfco.brazilia.jor.br/Legislacao-Ferrovias/1973-ferrovias-incluidas.shtml
  2. Ferroeste Notícias
  3. Senado Federal - Comissões aprovam recursos para a Ferroeste
  4. «Governo do Paraná lança projeto de nova ferrovia». Gazeta do Povo 
  5. Agência Estatal de Notícias, 22.07.2005: Governo acelera processo de retomada da Ferroeste[ligação inativa], acessado em 9 de janeiro de 2008
  6. Agência Estatal de Notícias, 27.07.2006: Ferroeste emite nota sobre anúncio da Ferropar[ligação inativa], acessado em 9 de janeiro de 2008
  7. Agência Estatal de Notícias, 18.12.2006: Governo do Paraná reassume o controle e a operação da Ferroeste[ligação inativa], acessado em 9 de janeiro de 2008
  8. Agência Estado
  9. «Copacol - Apaixonados por sabor : Notícias». www.copacol.com.br. Consultado em 2 de abril de 2016 
  10. Transporta Brasil
  11. CGN (2 de fevereiro de 2015). «CGN - Ferroeste aumento movimentação de cargas». CGN. Consultado em 2 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2015 
  12. «Governador faz entrega de locomotivas e vagões». CGN. A informação e ponto. Consultado em 11 de dezembro de 2015. Arquivado do original em 22 de dezembro de 2015 
  13. O Paraná - Ferreoste transporta 143% a mais em um ano
  14. «Ferroeste aumenta em 35,1% volume de cargas transportadas em 2016». CGN. A informação e ponto. Consultado em 2 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 2 de janeiro de 2017 
  15. Novela da Ferroeste - Diario MS
  16. MS reivindica e Ministra garante ramal ferroviário em Dourados - Portal Ferroeste

Ligações externasEditar